5 Comentários

Raquel + Ricardo: um casamento fora do comum

Celebramos a primavera gentil que chegou – aqui na rua, em pleno coração da cidade, tenho cerejeiras em flor – umas a despontar muito vagarosamente, outras a perder as pétalas, como se fosse uma neve delicada a cair com a brisa!

O casamento que fecha a semana é o da Raquel + Ricardo, a norte, no Museu D. Diogo de Sousa, em Braga. Desalinhado da norma, muito bonito também por isso, foi fotografado pela Adriana Morais.

Deleitem-se com uma bonita história de amor com imagens a condizer!

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Sempre desejámos que o nosso dia fosse um espelho da forma como mais gostamos de nos divertir e de celebrar. Somos os dois apaixonados por noites quentes de verão, num ambiente descontraído é onde somos mais autênticos, a isto bastava juntar a música que nunca deixámos de ouvir, a família e os amigos mais próximos.

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Quando escolhemos a data sabíamos que poderia ser necessário alterá-la devido às disponibilidades dos fornecedores que queríamos muito juntar para este dia. Mas (com muita sorte) nunca tivemos de o fazer. E dizemos isto porque só começámos a tomar decisões a cerca de seis meses do casamento – só isto deixaria muitos noivos com os nervos em franja. O mais difícil mesmo foi encontrar o espaço, queríamos “fugir” das tradicionais quintas, tentámos alugar casas particulares com grande área de jardim, e com muita pesquisa e desconstrução completa de onde é possível organizar uma festa, chegámos ao Museu D. Diogo de Sousa, em Braga.

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Na primeira visita técnica ao espaço, com a incrível equipa das Pilar que materializou o que desejávamos, soubemos que aquele jardim tinha um potencial imenso.

Além disso, foi muito gratificante para nós apoiar uma nova empresa, com muita vontade e uma sagacidade que às vezes só encontramos nas equipas mais experientes. E também sentimos o “é mesmo isto” quando percebemos os desafios diários de um organismo público – o Museu – que pode ser aproveitado de tantas outras formas.

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Temos muitas vezes flashbacks, pequenas memórias fragmentadas daquele dia, que nos fazem sorrir e ter a certeza que nunca imaginámos algo tão bonito.

Além da Mónica e da Soraia, que são o coração das Pilar, que se adaptaram a cada pedido nosso, contámos com a ajuda e talento de amigos. Muitos elementos gráficos foram desenvolvidos por uma das fundadoras da Salva, mais um incrível projeto que continuamos a ver crescer.

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Para nós era fundamental que o nosso casamento fluísse naturalmente, que houvesse espaço para brindar, para dançar, para brincar em frente à câmara da Adriana Morais, e que isso pudesse acontecer a qualquer momento. Nunca nos identificámos com festas mais formais, com espaço e tempo definidos para que tudo aconteça.

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Sempre soubemos que queríamos a Adriana Morais a fotografar o nosso “sim” e quando tivemos a confirmação da disponibilidade de agenda… tudo ficou tão mais fácil!

Se não pensarmos no difícil que foi cumprir o orçamento que tínhamos definido para a festa, o mais complicado foi encontrar “o” vestido.

“Entrar nas mais variadas lojas, fazer marcações, e ser constantemente direcionada para um tipo de vestido que nada tinha a ver comigo, foi desanimador. Mas encontrei a UHMA que fez os esboços, os testes e as provas necessárias até me deixarem confiante”, lembra a noiva.

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Se para o noivo foi “ver a Raquel entrar na igreja, de braço dado com o pai, emocionados, e um instrumental dos Beatles a encher o ambiente… foi um momento de arrepiar”, a noiva nunca esquecerá “a sensação de encontrar os olhos do Ricardo e abraçá-lo no altar”.

 

E o pico de diversão?

O momento em que cortámos o bolo foi tão romântico como divertido. Todos os convidados de sparklers a brilhar na mão, a dançarem, e nós a beijarmo-nos muito!

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

Quisemos lembrar quem não podia estar fisicamente entre nós, quem fez parte das nossas histórias e com quem desejaríamos partilhar muito este dia. Por isso, dedicámos um espaço na festa, onde tínhamos retratos dessas pessoas, que de alguma forma estarão sempre presentes.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nunca queremos mudar nada quando estamos tão felizes com o resultado. Verdade?

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…
Cada noiva é única e devem conseguir sempre a autenticidade que lhes é própria. É muito importante que respeitem os vossos gostos e nunca vos apressem a tomar decisões.

No dia do vosso casamento planeiem um momento para relaxar e comer, antes de tudo começar.

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: noiva e Salva;

local: Museu D. Diogo de Sousa;

bolo: Bolosofia;

fato do noivo e acessórios: fato Sacoor Brothers, camisa Calvin Klein, laço The Tie Bar, suspensórios Creattive Collective e sapatos Armando Silva;

vestido de noiva e sapatos: vestido UHMA e sapatosWhat for;

maquilhagem: Gabriella Damin;

cabelos: Benvinda Cabeleireiros;

bouquet: Pilar; lapela do noivo: Isabel Castro Freitas Arte Floral;

decoração: Pilar e Salva;

ofertas aos convidados: feitas pelos noivos;

fotografia: Adriana Morais;

vídeo: João Trindade e Ricardo Sampaio;

luzes, som e Dj: David Fraga.

 

Comentários

  1. Manuela Malainho

    Excelente

  2. Susana

    Delicado e bonito!

  3. Cláudia Costa

    Adorei

  4. CJesusPatrício

    Casamento de sonho, definitivamente.

  5. Adelaide Malainho

    Simples e maravilhoso

Submeter um Comentário