Created with Sketch.
Susana Pinto

Ready, set, go: o início da época de casamentos 2018

Setembro é o mês de pico a cada época de casamentos. Os dias continuam longos e dourados, ainda há férias para desfrutar e para quem já regressou ao quotidiano, há uma leveza boa que persiste nestes primeiros dias.

Por cá, a nossa rotina é feita em contraciclo. Mais próxima dos noivos, às avessas dos fornecedores.

Enquanto os nossos parceiros estão na recta final a fintar o cansaço e em contagem decrescente da última mão-cheia de casamentos, Setembro é, para mim, o início do novo ciclo, de mais uma aventura, de mais uma viagem. Antecipamos as ideias que se irão destacar, as tendências “must have“, as cores Pantone (mas alguém liga mesmo a isto?). Abrimos uma nova agenda de contactos, anotamos os talentos que temos debaixo de olho e alinhamos de forma mais consistente as ideias e projectos que planeamos para o Simplesmente Branco, nesta próxima volta ao sol.

Mas Setembro é também um momento de reflexão sobre a época anterior: que temas se destacaram, o que intuímos que está em mudança ou precisa de ser amadurecido e discutido, em termos de mercado. Quem foram os noivos de 2017, o que procuravam, o que escolheram, o que os fez felizes, que informação circulou neste vai-e-vem de contactos, orçamentos, planos, contas, festas e uniões, entre sites, redes sociais, plataformas e imprensa tradicional?

Parar para pensar sobre tudo isto trouxe-me alguma inquietação: a desinformação é cada vez maior e o Simplesmente Branco terá mesmo que ter uma voz forte e activa (sempre teve, mas terá que falar um pouco mais alto). Assumimos esse papel com o entusiasmo e a seriedade que nos caracterizam.

Parece que estamos a andar para trás: click bait, notícias que não são notícia, títulos que desinformam, “best of” que juntam bom e mau na mesma lista, “eu li, por isso é verdade”, tudo isto tira discernimento e inteligência ao debate e este verão teve um episódio em que batemos, colectivamente, no fundo. Como classe profissional, como players e influenciadores, como consumidores, deixámos que esta mensagem passasse.

 

A revista Sábado contactou-me para opinar sobre casamentos low cost. Respondi, textualmente, isto:

“Não a posso ajudar – o termo low cost e casamentos não vão juntos, do nosso ponto de vista. É uma definição prejudicial para o mercado, que se quer sério, honesto e transparente, e desinforma o cliente, propagando uma ideia errada de que tudo é caro, sobre valorizado e que low cost é uma opção para gastar menos.

Não é. O bom caminho é gastar o que se tem, não mais. Se temos 5 mil euros, não fazemos planos como se tivéssemos 20 mil. E dentro desse número mágico que é o orçamento de cada casal, seja gordo ou frugal, fazer escolhas em conformidade. A poupança está em fazer boas escolhas, separar o essencial do acessório, não em comprar serviços baratos, de fraca qualidade.

Posso dar-lhe dois ou três exemplos rápidos – escolher flores da época e de produção nacional, ter apenas uma refeição (jantar) e um simpático cocktail de recepção, em vez de um almoço e um jantar e tudo o resto, ser criterioso com o número de convidados, comprar um bom fato, clássico e impecável, que será vestido muitas vezes e terá uma vida de pelo menos 5 a 10 anos, comprar uns sapatos que sigam o mesmo critério, procurar um vestido da colecção anterior ou até explorar as linhas de festa, que podem ser muito surpreendentes nos modelos e preços. Sempre sem comprometer a qualidade e o significado que o dia comporta.”

 

Disponibilizei-me para conversar com mais detalhe, a jornalista insistiu com o valor do orçamento: “o que deve fazer um casal quando tem pouco dinheiro para gastar, 1000 ou 3000 euros?“, juntou mais duas questões afins e perguntou se podia incluir as minhas respostas.

 

O resultado foi um artigo unilateral (a servir quem, exactamente?), que ignora o mercado e os seus profissionais, e dá voz de autoridade a escolhas muito particulares e pessoais. E aqui está o elefante na sala, a ideia profundamente errada que baralha toda a gente: casar custa uma fortuna.

Ora, para casar, são precisos, exactamente 220 euros, no mínimo, e 390 euros, no máximo, conforme as opções legais escolhidas. O resto? O resto é uma festa, apenas isso e é essa perspectiva sob a qual deve ser olhada e debatida.

A mensagem que passou, é que todo este mercado é um absurdo e que contratar um fotógrafo amador no Facebook e comprar um vestido numa loja chinesa são o caminho certo para domar o orçamento. Pois não é – isso é uma visão miserabilista de um dia memorável. Todos, noivos, família, amigos, profissionais, merecem melhor.

Nenhuma das minhas respostas integrou o artigo da Sábado.

 

 

Queridas noivas e caríssimos fornecedores, o meu melhor conselho é o mais simples de todos: saber é poder. A informação é o bem mais valioso, certifiquem-se de que estão bem informados, façam o vosso trabalho de casa com critério e discernimento. Perguntem, respondam. Sejam o vosso melhor, sempre que possível – sejam os melhores clientes para os vossos fornecedores, sejam os melhores profissionais para os vossos noivos. Parem para reflectir, não se deixem engolir pelo furacão das opiniões, pressões e aparências. Virem as costas ao absurdo, abracem o bom senso.

 

As melhores escolhas são as que são positivas para todas as partes envolvidas.

Elevem a fasquia.

Não percam o foco no que é importante.

 

Época de casamentos 2018: ready, set, go!

 

Save

Save

Save

Comentar

  • Sandra Bettencourt

    Lê-se tanto disparate acerca do universo “casamento”. O que vale é que este é sempre um espaço de esclarecimento e de lucidez. Uma muito necessária lufada de ar fresco!

    Numa época de máximo acesso à informação e é a desinformação que reina. Espero que noivas, noivos, fornecedores, familiares e amigos valorizem o excelente serviço desmistificador que vocês fazem. Parabéns e obrigada!

  • Susana Pinto

    Sandra, um generoso obrigado pelo seu comentário. Lemos, pensamos, mas raramente agimos de facto em relação às coisas que nos fazem espécie. Perceber que não é apenas na nossa casa que nos sentimos incomodados, é valioso. Keep in touch, we are people with a plan!