Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: Pão e vinho sobre a mesa

Iris Murdoch imortalizou, no seu livro O Mar, o Mar, a recomendação de que «claro que ler e pensar é importante, mas, meu Deus, a comida também é importante.» Isto, vindo de uma das maiores escritoras e filósofas do séc. XX, é, por Deus, para ser levado a sério!

Serve este preâmbulo para introduzir o assunto da ementa da festa. Já pensaram nisso? Temos vindo a focar, nesta rubrica de wise words, alguns dos aspectos mais importantes da organização do vosso casamento. Ora bem, a comida é um deles. É bem sabido que por cá gostamos de comer, a hora da refeição é sempre um dos momentos altos e memoráveis de qualquer comemoração. Já chegar a um consenso na ementa da festa poderá ser um caminho atribulado, é preciso agradar a uma boa centena de convivas e esta decisão traz sempre alguma pressão associada!

O que é mais a vossa cara? Uma mesa gloriosamente tradicional ou algo simples e leve, com toques de modernidade? Este será um dos prováveis duelos que terão de arbitrar até chegarem a uma conclusão final. As opções são de facto, variadas, e o fio condutor deverá ser uma combinação equilibrada entre o local, o tipo de festa que delinearam e a variedade de convidados que esperam.
Pode ser uma refeição servida dentro de portas, sentada ou em pé, no exterior, em formato de buffet livre, um dia inteiro, um cocktail ou apenas um jantar; e pode incluir ceia ou não.
Como daqui sairá a maior tranche do vosso orçamento, preparámos algumas notas a ter em atenção e uma mão cheia de bons conselhos.

 

 

 

Comecemos pelo cenário mais habitual, com a refeição a ser servida num espaço fechado bem climatizado, com alguma formalidade (um salão ou uma tenda). A ementa será de três pratos: entrada (ou sopa), primeiro (peixe) e segundo (carne). Façam escolhas refinadas, mas com uma boa dose de simplicidade, servir 100 pratos praticamente em simultâneo requer competência e celeridade para que cheguem ao seu lugar à temperatura correcta e nas condições certas. E não se esqueçam de verificar se alguns dos vossos convidados são vegetarianos ou têm algum tipo de restrição alimentar (como alergias ou intolerâncias a certos alimentos, por exemplo).
Sugerimos que peçam uma entrada (fria ou quente) que deixe os olhos a brilhar e o palato a salivar, mas sem esquecer, como opção, uma sopa para os mais sensíveis.
Sigam para o prato de peixe, seleccionando algo que possa chegar à mesa já empratado, e fechem com um prato de carne de excelente qualidade: pouco, mas muito bom deve ser o mote, e sempre já empratado. No caso de algumas das refeições a servir serem vegetarianas, sejam generosos e peçam ao vosso fornecedor de catering que preveja igualmente dois pratos diferentes que cumpram os requisitos – e não se preocupem, para um bom profissional isso não constitui dificuldade alguma.
Chegada a hora da sobremesa, provavelmente terão duas opções à escolha: serviço à mesa ou um generoso e variado buffet livre.
Este é o formato clássico e infalível, apropriado para ambientes fechados e com muitos convivas. Se a vossa festa está marcada para uma época mais invernosa e que pede aconchego, considerem uma ementa mais calorosa e de substância, e juntem uma mesa de chás e chocolates quentes variados, bolachinhas e petit fours. Se casam em tempos de calor, entradas e sopas frias, receitas mais leves (nada de comida de forno!) e uma bela mesa de frutas e sobremesas frescas.
Para uma opção mais contemporânea e ligeira (mas igualmente infalível), apostem numa entrada elaborada e deliciosa (e que tal um risotto?) e apenas um prato principal. A surpresa da apresentação e a sofisticação dos sabores irão deixar uma impressão muito positiva.

 

A vossa festa é ao ar livre? O modelo anterior aplica-se, mas com muita atenção à escolha de alimentos, ao sol e à temperatura exterior. Ar livre será certamente sinónimo de descontracção e este ambiente pede uma ementa mais leve, mas sem esquecer algum planeamento e organização.
Vistam a camisola de anfitriões irrepreensíveis e, à chegada, recebam os convidados com um cocktail de arrasar: finger food criativa e variada, acompanhada de um bar de bebidas interessantes (simples e de qualidade, sempre!), uma signature drink criada a preceito para a vossa festa, martinis apresentados à maneira, uns mojitos bem ginasticados, vinho branco na temperatura adequada, águas e sumos naturais ou cocktails não alcoólicos serão a base.
Se possível, sirvam o cocktail de boas vindas longe do local da refeição e se puderem criar dois ambientes distintos, façam-no.
Para a refeição propriamente dita, e porque já apostaram num cocktail refinado e bem composto, considerem uma ementa mais simples, com muita qualidade: uma entrada fresquinha e crocante, como uma sopa fria e muito bem apresentada, será uma óptima escolha, e um prato único, uma transgressão muito respeitosa e aceitável. Fechem com uma sobremesa espectacular: se existirem condições, um gelado inesquecível devidamente acompanhado (fruta fresca, merengue, bolachinha crocante…?) e um belo café servido à mesa fecham o assunto em grande e saboroso estilo.

 

 

 

Vejamos agora a alternativa buffet, usada cada vez com mais frequência. Neste cenário (interior ou exterior), toda a comida estará exposta e cada um serve-se a seu bel-prazer. É o formato para festas descontraídas, em modo quase familiar, e quando bem organizado, tem muita graça e aquece o ambiente.
Para que funcione lindamente, escolham uma ementa mesmo muito simples: algo que resista ao ar livre sem perder qualidade. Nada de mariscos, sopas frias são bem vindas, saladas sofisticadas também. Prevejam um cantinho na mesa para um festival de massas servidas frias, com molhos saborosos e acompanhamentos interessantes e variados. Apostem em produtos locais e da época: quanto mais artesanais, mais deliciosos.
Dividam as mesas, uma para a comida principal, outra para queijos e acompanhamentos, e uma terceira para os doces e frutas. Acrescentem também uma para as bebidas, em local espaçoso, pois irá ser bem concorrida: preparem uma sangria requintada e uma boa lista de vinhos locais. As cervejas artesanais também serão muito bem recebidas – e, neste caso, tal como os vinhos, também há combinações a ter em conta para que o ‘casamento’ prato-bebida seja perfeito.

Agora que estão bem artilhados de informação, está na altura de darem início à vossa busca do serviço de catering perfeito para o modelo de refeição que elegerem. Não se preocupem, que iremos debruçar-nos sobre esse assunto muito em breve. Até lá, analisem estas nossas propostas, peçam sugestões a familiares e amigos, vejam e revejam os diferentes cenários no papel e afinem a vossa escolha final. Lembrem-se que as memórias gustativas são das mais duradouras!

 

Fotos: Silva Carvalho Catering

Comentar