Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: o bolo dos noivos

Começamos a semana em modo doce, com um artigo dedicado ao bolo dos noivos. Para vos explicar tudo sobre o processo e vos ajudar a tomar as melhores decisões, temos connosco a Cláudia Almeida, a cake designer por detrás do nosso fornecedor seleccionado Pitada d’Amor, apaixonada pela doçaria mas com um fraquinho especial pelos casamentos – provavelmente por ser uma romântica incurável!

Bem, começando pelo início: quando devem os noivos começar a pensar no bolo para o casamento? Segunda a Cláudia, logo que tenham marcado a data e definido o espaço onde irão celebrar o vosso dia. É frequente que este assunto seja um pouco descurado, mas a verdade é que um bom cake designer costuma ter a agenda bastante preenchida: no caso da Pitada d’Amor, há marcações feitas com um ano de antecedência – o que significa que a agenda para 2019 já começa a compor-se.

Lembram-se de vos termos já falado, nesta nossa rubrica de wise words, sobre como escolher os melhores fornecedores para o vosso casamento? Esse é um dos artigos que deverão ter sempre à mão. Também aqui será importante passar os olhos pelas orientações que lá vos deixámos, para que processo de escolha do vosso cake designer seja produtivo – e divertido. A partir do momento em que passarem à fase de contactos e pedidos de orçamentos, tenham presente que, para calcular um valor, é importante saber o número de pessoas que o bolo deve servir, a massa e recheio que preferem, e ainda o tipo de decoração que gostariam de ver no vosso bolo. Todos estes elementos podem fazer o valor variar muito.

Os cake designers não fazem orçamentos por kg (ou, pelo menos, não devem fazer). Estes bolos são obras de arte e o tipo de trabalho, as horas dedicadas, as técnicas aplicadas variam imenso. É possível um bolo para 50 pessoas ser mais caro do que um bolo para 80 pessoas, porque um pode ser todo trabalhado com flores de açúcar, com pintura manual, e o outro ser um simples naked cake. O valor é completamente personalizado e ajustado a cada caso. – Cláudia Almeida, Pitada d’Amor

O tamanho do bolo decide-se em função do número de fatias que deve servir: «Em termos de design, há quem prefira bolos mais altos e mais estreitos, enquanto que outras pessoas escolhem bolos mais baixos e mais largos… o importante é irmos de encontro aos seus gostos», lembra a Cláudia. «Acontece muito pedirem-me bolos de esferovite, em que só andar de cima é verdadeiro.
Em termos de sabores, gosto que os noivos façam prova para ambos concordarem quanto ao que pretendem. Quando querem um sabor mais fresco ou mais requintado eu faço as minhas sugestões, mas prefiro sempre que sejam os clientes a tomar a decisão final. O bolo deve reflectir a personalidade do casal, não só visualmente mas também no seu interior.»

 

 

 

 

Já que falamos de sabores e de preferências, aproveitamos para lembrar uma questão muito importante e que, muitas vezes, é subvalorizada: a adequação dos ingredientes do bolo ao clima. A Pitada d’Amor recebe muitos pedidos de bolos red velvet com recheio de queijo creme e cobertura de pasta de açúcar. Ora, o queijo creme, tal como a fruta fresca, necessita de frio, mas o uso de pasta de açúcar impede que seja conservado no frigorífico, o que torna esta combinação desaconselhada. De qualquer modo, lembrem-se de que se o bolo vai estar ao ar livre (sobretudo em dias de muito sol), o ideal é que seja mantido durante o máximo tempo possível no interior, num local fresco.

Apesar de ser normal que tenham as vossas ideias sobre aquilo que gostariam de ter no bolo do vosso casamento, é importante que ouçam os conselhos dos profissionais. A Cláudia Almeida, por exemplo, prefere não correr riscos com sabores ou ingredientes que não lhe sejam familiares: «Tenho primeiro de ter 100% certeza e confiança que é bom e que resulta. Faço primeiro, provo e os noivos provam também para me darem a sua opinião. Só quando todos concordam é que sigo em frente.»

Isto não quer dizer que os vossos pedidos não sejam tidos em conta: «Lembro-me de uns noivos que me pediram bolo de laranja com curd de laranja e ganache de chocolate branco. Fiquei petrificada, tenho a certeza que foi essa a expressão que fiz! Disse-lhes que tinha de provar primeiro para ter a certeza e fiquei deslumbrada com o sabor. Não era de todo uma combinação que pensasse possível!»

Pode haver especificidades que vos obriguem a estreitar as opções do vosso cake designer – mas não temam, que um bom profissional saberá sempre como obter o melhor resultado possível dentro do universo em que estiver a trabalhar. Um exemplo disso é a alimentação vegan. A Cláudia Almeida costuma fazer pesquisa e testar receitas vegan, para ter a certeza de que estará preparada se alguém lhe pedir um bolo de casamento livre de ingredientes de origem animal.

Outro caso é o das intolerâncias alimentares ou alergias. «Esta é uma situação extremamente delicada», salienta a Cláudia. «É importante saber se estamos perante uma leve alergia ou uma intolerância grave. No caso da doença celíaca, por exemplo, o cake designer tem que garantir que o seu espaço está isento da contaminação com glúten. Todos os utensílios terão de ser exclusivos para o manuseamento de produtos sem glúten. O forno deve ser exclusivo também, caso contrário ocorre uma contaminação cruzada. Pode parecer exagero, mas o bem-estar do cliente é o mais importante. A segurança alimentar sempre em primeiro lugar!»

Definidos os sabores, passemos agora à decoração do bolo. Se há casos em que é válida a expressão “os olhos também comem”, certamente que o do bolo dos noivos é um deles!  «Geralmente os noivos trazem muitas ideias, sobretudo coisas de que gostaram num bolo ou noutro. Aviso sempre que nunca copio bolos, dou sempre o meu toque pessoal o que torna cada bolo único. Procuro perceber exactamente o que lhes agrada, conhecer um pouco da sua história, dos seus interesses. E depois tento chegar a um projecto harmonioso.»  

É sempre um bocadinho de mim que está naquele bolo. Dos melhores elogios que já tive foi quando me disseram que olham para um bolo e não precisam de ver a imagem do logótipo para saber que é uma criação minha. Acho que qualquer artista gostaria de ouvir estas palavras. É como se tivesse a minha assinatura e isso deixa-me extremamente feliz. – Cláudia Almeida, Pitada d’Amor

Uma questão com que a Cláudia Almeida se debate constantemente é o uso de flores verdadeiras e não comestíveis nos bolos. Muita gente não saberá, mas em Portugal é proibido usar flores naturais nos bolos, com excepção das certificadas para consumo – todas as outras são tóxicas e tornam o bolo tóxico. «Para mim não há nada como as flores de açúcar que são feitas à mão, pétala a pétala. Revelam imensa arte e, quando bem conservadas, duram muito tempo, servindo de recordação do dia do casamento.»

 

 

 

 

Já aqui dissemos mais de uma vez que é comum os noivos terem algumas ideias acerca do que pretendem para o seu bolo. Mas e se não tiverem nenhuma? Tudo bem na mesma: «Procuro entender aquilo de que o casal gosta, muitas vezes peço para ver os convites, o tipo de decoração que irão ter, qual o espaço, a paleta de cores. Inspiro-me em todos esses pormenores e mostro as minhas ideias. É um processo que demora um pouco, mas o bolo deve ser a caracterização dos noivos, de todo o seu amor e união. Deve reflectir a personalidade e identidade do casal.»

Quando se chega à forma e ao sabor final, está o assunto tratado – pelo menos, até à data do casamento. Porque no grande dia há outra questão muito importante que se levanta: o transporte: «Aviso sempre os noivos de que os bolos de casamento têm de ser montados no local», lembra a Cláudia Almeida. «O transporte é um enorme desafio, e o melhor caminho é transportar o bolo em partes e montá-lo já no espaço onde decorrerá a festa. Muitas vezes, a decoração também só é feita no momento, como é o caso de peças em glacé real.»
Todos os cake designers têm um “kit de emergência” para o caso de ser necessário algum retoque de última hora. Como já aqui referimos, o bolo deve ficar num local fresco e seco até ao momento do corte. Para que tudo corra na perfeição, deverá existir uma boa comunicação entre o cake designer e os elementos do espaço do vosso casamento – por isso, assegurem-se de que fazem as devidas apresentações e de que não há qualquer tipo de mal-entendido. Normalmente, os profissionais de catering sabem como cortar um bolo de casamento, mas a Cláudia Almeida procura sempre mostrar o seu esquema de corte: «Há bolos que são muito altos, com 15cm de altura ou mais, e não se cortam da mesma forma que um bolo com 7cm de altura.» 

Depois de garantido o transporte, o acondicionamento adequado e a melhor técnica para o corte, a missão do cake designer está cumprida.

Tenho consciência que que os bolos de casamento são os que mais gosto de fazer. Já me disseram que o auge do meu trabalho são os bolos de casamento. Gosto que o cake design transmita emoções. É tão bom marcarmos a vida das pessoas desta forma! Se posso fazer os outros um pouco mais felizes, então eu sou, sem dúvida, uma pessoa muito feliz. – Cláudia Almeida, Pitada d’Amor

Esperamos ter-vos despertado o apetite. Agora começa o vosso trabalho de pesquisa. Informem-se bem, contactem os profissionais com que mais se identificarem e sigam os conselhos de quem mais sabe deste assunto. Assim se reúnem os ingredientes para um doce resultado!

Comentar