Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: contratar um decorador para o casamento

Com tanta informação disponível hoje em dia, com tanta inspiração fantástica e tanta gente competente disponível para partilhar o seu conhecimento, é natural que muitos de vocês já tenham ideias muito precisas acerca do ambiente que pretendem para o vosso casamento e se sintam com vontade de assumir a decoração vocês mesmos. Falaremos mais sobre isso em breve.
As nossas wise words de hoje pretendem salientar as vantagens de contratar um decorador para o casamento. Podem aplicar-se a vocês, que têm essas ideias muito precisas e vontade de pô-las em prática, mas reconhecem que não conseguem fazer tudo e preferem delegar; podem aplicar-se a quem esteja completamente perdido; e podem aplicar-se a quem saiba aquilo de que gosta mas não seja capaz de fazê-lo acontecer.

Quando se contrata um profissional, não é apenas o serviço de execução e a logística, são ideias, conceitos e criatividade, é experiência e conhecimento, capacidade de execução e de vos levar do ponto A (um espaço “qualquer”) ao ponto B (um dia mágico), de modo feliz e eficaz: a decoração está presente em todos os detalhes e cenários, confere ambiente e deixa toda a gente feliz (incluindo o fotógrafo!). – Queres casar comigo?

Então, por onde começar? Avaliar o portefólio e experiência do fornecedor são fundamentais, assim como o feedback de outros clientes. A capacidade de saber fazer e resolver representam o valor deste profissional e o seu custo; estes são factores de decisão mais importantes que um conjunto de imagens bonitas. A realidade no terreno é bem diferente de uma sessão fotográfica promocional onde há tempo para tudo, a luz é perfeita e o arranjo final (apenas um e não 20 ou 30) está ao serviço do enquadramento que se quer obter. Trabalhar a contra-relógio com imprevistos, pessoal pouco colaborativo, condições atmosféricas inesperadas e problemas afins é um cenário comum e só corre bem quando o fornecedor é valente e muito capaz.
Perante todas as imagens maravilhosas que vocês vão encontrando na Internet, mantenham os pés bem assentes na terra: não se esqueçam da vossa escala e realidade (número de mesas, pontos focais, outros detalhes e orçamento disponível) e inquiram sobre a viabilidade da vossa “decoração de sonho” e sobre o custo que isso poderá ter.

 

 

 

 

Como em todas as outras áreas, o nosso método recomendado para escolherem as pessoas que vão trabalhar convosco para concretizar o vosso casamento é o seguinte: seleccionem três fornecedores cujos portefólios vos tenha agradado particularmente e preparem um simpático email. Se possível, mencionem já o espaço escolhido, incluindo o endereço do site, para que o fornecedor se possa situar. Não receberão orçamentos na volta do correio – este é um assunto que precisa e merece uma conversa prévia (existem muitas variantes e um valor genérico pouco ou nada terá a ver com o orçamento final). Receberão, isso sim, um pedido de marcação de reunião. E não queiram saltar esta parte: «Hoje comunica-se demasiado através do email e de outras plataformas digitais. Por vezes contactam-me apenas para pedir um orçamento sem querer agendar uma reunião presencial», diz-nos Susana Abreu, da Inspirarte. «Na minha opinião, é uma forma bastante redutora de fazer uma triagem. Tem que haver empatia, tem que se “captar” a essência do projeto que está a ser proposto, tem que se gostar dos materiais que o profissional tem disponíveis… Acima de tudo, tem que se perceber o que é que realmente esse profissional poderá oferecer. E isso não se consegue por email.»
Façam o vosso trabalho de casa – os boards do Pinterest, as anotações e a folha de orçamento – e reúnam com os vossos profissionais preferidos, com tempo e disponibilidade. Conversem sobre a festa que esperam ter, o tipo de convidados (e as suas necessidades), o que é fundamental, o que é acessório e ideias que gostariam de pôr em prática, e deixem que o fornecedor inicie o seu processo criativo. Quer tenham uma visão bem definida ou uma ideia vaga, confiem no decorador. Não o considerem um mero executante, mas um criativo capaz, cujo objectivo é prestar-vos o melhor serviço possível. Se sentirem que há imposição de gostos ou modelos (novamente, a importância da empatia!), desistam e passem ao próximo contacto. É provável que não obtenham uma proposta completa e detalhada no fim deste primeiro encontro. Desenhar um projecto de decoração de raiz e orçamentá-lo é um processo criativo e aritmético, é necessário tempo para pensar, pesquisar e orçamentar, e esse investimento por parte do fornecedor espera um compromisso da parte do cliente; por isso, o mais natural é uma proposta simplificada e uma baliza de valores. Se estiver dentro do que têm em mente (ideias e custos), é sinal para avançar. Contactem os outros fornecedores não seleccionados e informem-nos da vossa decisão, libertando-lhes a data, previamente acautelada com o primeiro contacto.

Definida a escolha, é altura de combinar uma visita conjunta ao espaço onde decorrerá o vosso casamento (as deslocações do fornecedor deverão estar por vossa conta). Aproveitem a oportunidade para apresentar os diversos profissionais uns aos outros, avaliem as várias intervenções necessárias e estejam disponíveis para algumas sugestões. Desta visita sairão os dados que faltavam para um projecto e orçamento detalhados e é altura de assinar o contrato. Contem com uma adjudicação ou sinal (pelo menos 20%), que dá início ao processo de trabalho, e com possíveis alterações de última hora, desde que aconteçam com o vosso acordo. Deverá ser-vos também facultada uma lista de todo o material fornecido (do qual passam vocês a ser os responsáveis), que deverão partilhar com os profissionais do catering e do espaço, para que tudo retorne a quem de direito, e um valor de caução, para as peças que se extraviarem, que forem levadas por convidados mais entusiasmados ou simplesmente que se estraguem.
Atempadamente, peçam uma prova da mesa completa, se possível no local – é uma boa oportunidade de analisar a qualidade dos têxteis, o estado das cadeiras, a categoria da loiça. Para o restante ambiente, confiem no portefólio que viram, no feedback divulgado por anteriores clientes, nas conversas que tiveram e na empatia criada.

Ao fim de umas centenas de casamentos, o know how que tenho soluciona-me muitos problemas e dissipa muitas dúvidas e receios. Fazer os meus noivos entenderem que por vezes as ideias que têm em mente não resultam, e demonstrar-lhes isso, é dos desafios mais interessantes do meu trabalho. Digo-lhes sempre que quando procuram um verdadeiro profissional desta área têm de se sentir confiantes – porque 1) sabemos o que estamos a fazer e porque 2) mais do que ninguém, queremos que o resultado do nosso trabalho seja fantástico aos olhos de todos! – Susana Abreu, da Inspirarte

 

 

 

 

Terminamos com esta ressalva: um decorador não é um wedding planner. Não esperem dele competências organizacionais, de gestão de equipas, de resolução de problemas maiores ou que saiam do restrito âmbito da decoração. Se concluírem que vos faz falta esse apoio profissional, contratem-no. Há quem disponha de ambos os serviços e essa especificação deverá estar devidamente mencionada e contratualizada e terá o seu custo adicional.
No próprio dia, desfrutem. Haverá sempre alguma coisa que não ficou exactamente como se pensou, mas também algumas surpresas boas, cortesia de um bom profissional com brio no que faz, atento ao detalhe e especialista em criar cenários especiais para dias especiais.
 
Fotos: Inspirarte

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.