Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Foto de Sonho – fotografia de casamento

Hoje conversamos com o Hélio Cristovão e Marco Santos Marques, a dupla que assina como Foto de Sonho – fotografia de casamento.

É uma conversa longa e muito sumarenta, feita de reflexões ponderadas sobre a fotografia de casamento, a vida e o profissionalismo que tudo isto exige.

Razão e coração, a duas cabeças e quatro mãos, para um belo resultado final: as vossas fotografias de casamento.

Sabes aquele momento… a irmã da noiva agarra-a com força a felicitá-la, ou os noivos trocam votos nos olhos de cada um, ou a avó, que criou a menina que hoje é noiva, entra no quarto e basta um olhar. Esses são os momentos em que te sentes ‘na zona’, e é aí que queres estar. E tens a câmara em punho. Tens aquele pseudo-poder de eternizar algo belo, algo único, algo que te vai fazer estremecer o coração, essa cápsula do tempo. Um momento que não foi ensaiado, é real, é emotivo.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

A fotografia não foi a primeira profissão, no caso de ambos. O Marco, músico, guitarrista e comercial de pianos, o Hélio, topógrafo entre Lisboa e o Alentejo. No entanto, a fotografia era uma paixão que nos definia, e, cada vez mais, tomava conta das nossas vidas… Foi em 2007 que nos conhecemos, num workshop mítico da Primeira Luz (ex-Fotonature), sobre fotografia de paisagem natural. Na altura procurávamos a linguagem mais artística nesse estilo, que foi a nossa génese, a nossa escola, com muita aprendizagem auto-didacta e várias formações, mas essencialmente um desejo criativo, uma obsessão.
A fotografia de casamento surge a convite de alguns colegas, amigos, com os quais começámos a experienciar esse território incauto. Penso que será um percurso típico; eu sei, não é o caminho mais “romântico”, mas o que conta foi esse feeling que despontou em nós: um admirável mundo novo.
A vida deu uma volta e chegou o dia em que decidimos viver da fotografia. Nasceu a marca Foto de Sonho, em 2012. A meio de 2014, o Marco passou a dedicar-se a tempo inteiro ao projecto, que foi ganhando os contornos que tem hoje. Os anos de experiência, amadurecimento de ideias e procura de um estilo, fazem-nos acreditar neste projecto: é a nossa vida, a profissão que vamos construindo, uma aventura.

 

Há quanto tempo fotografam? E porquê casamentos?

Fotografamos há cerca de quinze anos. Dedicamo-nos à fotografia de casamento há sete.
Sabes aquele momento… a irmã da noiva agarra-a com força a felicitá-la, ou os noivos trocam votos nos olhos de cada um, ou a avó, que criou a menina que hoje é noiva, entra no quarto e basta um olhar. Esses são os momentos em que te sentes ‘na zona’, e é aí que queres estar. E tens a câmera em punho. Tens aquele pseudo-poder de eternizar algo belo, algo único, algo que te vai fazer estremecer o coração, essa cápsula do tempo. Um momento que não foi ensaiado, é real, é emotivo.
A nosso ver, a fotografia de casamento não é só feita de rosas, é muito duro e desafiante, mas é um desafio único para registar histórias impactantes. A criação da história é algo que vivemos com muita paixão.

 

O vosso trabalho é feito a duas mãos. Como o definem e como construíram essa assinatura?

Definimo-lo como um equilíbrio entre fotografia espontânea, fotojornalismo, e doses de direção criativa, na procura de um retrato artístico.
Queremos contar uma história emocionante. Durante grande parte do dia estamos em modo ‘fotojornalismo’, a reagir ao desenrolar dos acontecimentos. Isso permite-nos uma reportagem honesta, directa, e captar momentos autênticos. Depois vivemos num limbo. Em parte do dia, especialmente na sessão com os noivos, gostamos de juntar alguma dose de direcção criativa, ao sugerir a melhor luz, local, e criar um ambiente mais controlado, longe do caos da vida real. Isso permite-nos trabalhar composições cuidadas, com poses naturais e românticas, que invoquem uma contemplação do momento.

A assinatura é fruto de trabalharmos em equipa para ao produto final, as ideias, a história; mas também entender que há o espaço para o autor individual. Temos sim, visões e interpretações diferentes, e diria que se complementam, o que só enriquece o sumo do nosso trabalho.

 

 

Achas que os detalhes que escolhes fotografar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que o Marco faz, quando estão em acção? Como convergem?

Por muitas influências e gostos em comum que tenhamos, naturalmente que somos pessoas diferentes, cada autor terá a sua interpretação; isto, na nossa opinião, favorece a diversidade do trabalho. No entanto, por trabalharmos juntos há tantos anos, estamos imbuídos de um espírito criativo comum, sabemos o caminho da nossa narrativa, o que gostamos e o que não gostamos. O fio condutor será sempre a discussão do bom gosto, e o que melhor enaltece o motivo e cada momento!
Um problema de muitos artistas são os egos. Há que ser humilde, há muito tempo que nos separámos dessa individualidade e somos os críticos um do outro; isso permitiu-nos uma habituação aos estilos de cada um, e convergir para o estilo da marca.
Esta convergência também vem de um lugar mais antigo, vem das nossas próprias raízes. De trabalhar com luz natural, luz dourada, influências gémeas. Esta linguagem está na origem de tudo, e no nosso entendimento, que é quase telepático por vezes. E, além disso, antes de entregar o nosso produto, temos um procedimento de “crivo final” (sim, nós temos nomes para estas coisas), onde verificamos uma por uma, cada imagem, passando um último filtro e selecção na narrativa que constrói essa história.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

É um aspecto pertinente este, quem nós somos e se nos preocupamos verdadeiramente com essa velocidade vertiginosa de consumo, que é um facto. Se simplesmente tentamos fazer “a nossa cena”… O que acaba por ser contraditório, pois o standard do fotógrafo deve ser criar: imagens intemporais (que grande responsabilidade esta) num tempo em que muito se consome num piscar de olhos, modo instantâneo, muito é efémero.

A inspiração tanto pode vir de um dia de luz difusa e céu dramático de nuvens sobre a serra, como de um sol brilhante, da última luz dourada do fim da tarde. A paisagem natural, e ainda alguma fotografia que aqui exercemos é uma fonte rica, que nos traz ideias e refresca o espírito.

Quanto ao consumo vertiginoso, o tempo é o melhor filtro, e, honestamente, dez anos passados de experiência de redes sociais… we´ve had enough. Atualmente não nos focamos tanto nas coisas da internet e social media. Seguimos alguns autores, fotógrafos que admiramos, um punhado de blogs.

Somos feitos da papinha que nos alimenta. E o que mais nos têm inspirado e influenciado nos últimos tempos é a arte clássica, pintura, a música que devoramos e a leitura. A arte cria um campo imaginário que trazemos para a realidade. Na pintura, o Marco tem andado particularmente inspirado pela obra de Caravaggio, Velasquez e Monet, o seu leque predilecto; no meu caso, ando inspirado pelo universo da literatura de José Luís Peixoto e Fernando Ribeiro (Moonspell), e na música, com ambientes metálicos e mais pesados, sobre os quais escrevo e também fotografo.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Viajar é um espetacular remédio. Nada que um tempo de qualidade em família, o nosso refúgio, não supere! Ter aquele tempo maior, que podes passar juntos dos filhos, aquele tempo que é liberdade. Esse é um reset feito em condições.
Temos um certo refúgio ainda na fotografia de paisagem natural, que exercemos a título próprio, e permite mudar algumas frequências na “vida normal”, e depois, temos os mini-resets do dia-a-dia, o Hélio pratica bicicleta de montanha nos trilhos da serra de Sintra, e frequenta concertos de heavy metal, o Marco vai para o ginásio e gosta de conhecer museus.

 

 

 

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Sim. Nos casamentos nacionais podemos afirmar que há um sentimento de proximidade com a nossa cultura, a alma portuguesa, a tradição. Falamos a nossa língua e há um carácter familiar, sentimos essa ligação. Mas não podemos generalizar, pois de certo modo, todos os casamentos são realmente diferentes.
Ao fotografar casamentos estrangeiros, acontece por vezes conhecermos pessoalmente os casais no próprio dia ou de véspera, e por tal partimos para um total registo freestyle, o que é um desafio não menos interessante.
Mas há muitos aspetos de diferença em casamentos internacionais, variando consoante as culturas, enquanto um casamento indiano terá todos os rituais de uma cerimónia hindu, um casamento nigeriano apropria-se dos rituais étnicos, que são sempre histórias muito próprias.
De um modo geral, sentimos que nos casamentos estrangeiros, especialmente os destination weddings, as pessoas estão num registo altamente descontraído, a aproveitando a viagem, é toda uma experiência, e é espectacular absorver isso e captá-lo no casamento.

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Gostamos de dar o melhor, como um mandamento essencial que rege o nosso trabalho. Essa ligação com o cliente é, para nós, e para o trabalho que gostamos de criar, um factor maior, pois a fotografia de casamento será sempre algo de autor, algo muito pessoal.

É muito importante desde o primeiro contacto, haver uma conversa telefónica com o cliente. No caso dos casais que estão no estrangeiro, tentamos sempre agendar algo. Acreditamos que essa conversa poderá ser o início dessa ligação, quando ela existe, se tiver de existir. Futuramente uma reunião presencial, será mesmo o melhor. Gostamos de estar com as pessoas, é aí que a ligação acontece.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

Seja uma festa com 300 convidados ou 30, num palácio ou num pátio da cidade, diria que que o tipo de casamento que mais gostamos de registar é mesmo aquele em que temos uma excelente empatia com os noivos, e quando testemunhamos que estão a viver um dia pleno de emoções. Uma boa história pode acontecer em qualquer sítio.

 

Foto de Sonho - fotografia de casamento

 

Foto de Sonho - fotografia de casamento

 

Foto de Sonho - fotografia de casamento

 

Qual é a melhor parte de fotografar casamentos? E o mais desafiante e difícil?

Quando saímos porta fora rumo ao dia, criamos expectativas. Acredito que seja como um artista antes de subir ao palco e começar a actuar. Iniciando o trabalho, isso passa. Partir desta expectativa e ver a história a ganhar forma é muito gratificante. Pelo meio, partilhamos momentos especiais com os noivos e famílias. E isso é um privilégio, tendo feito de nós pessoas melhores. Cada momento tem o seu próprio carisma ao longo do dia.
As melhores partes: os preparativos da noiva – um momento realmente místico – as felicitações após a cerimónia, as demonstrações de afecto. Nós somos atraídos por esses momentos. Depois, a sessão fotográfica com os noivos pode ser um acontecimento mágico.

O mais desafiante e difícil, diria o esforço físico e mental que esta profissão implica. Chegamos a fotografar casamentos de 20 horas, e a concentração e acabeça fresca implica muita resiliência e uma entrega apaixonante. Sobretudo quando temos outro trabalho no dia seguinte.

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê:

 

 

Foto de Sonho - fotografia de casamento

Marco: escolher uma fotografia favorita do nosso trabalho, não é fácil. Mas por tudo que representa, escolhi esta fotografia do casamento da Ester e Nelson. Há muito tempo que perseguia uma fotografia que representasse o quão espetacular é fotografar um casamento. Por mais diverso e desafiante que seja o dia, procuramos, no dia de casamento, ser fiéis aos momentos e aquela fotografia que resume o que os noivos são enquanto casal.
Por isso, enviamos um questionário para os noivos, com perguntas detalhadas sobre a história deles, as suas relações familiares e amigos. Também tentamos estar com eles o maior número de vezes possível antes do dia do casamento.
Percebemos que são fatores muito importantes para conseguirmos um trabalho único, original e de um dia de absoluta confiança, sem quaisquer preocupações.
Com a Ester e Nelson tivemos essa felicidade, tínhamos conhecimento de como eles eram, a sua família os seus amigos e como tudo se iria passar no grande dia.
Esta fotografia resume isso tudo, a alegria e entusiasmo representados pela expressão de ambos ao ver e partilhar o momento com os convidados. Culminado com o fogo em forma de coração, como se fosse o pedido deles.
Ficamos muito felizes por eles e por nós.

 

Foto de Sonho - fotografia de casamento

 

Hélio: citando o mestre Joe Buissink, não há fotografias perfeitas, apenas momentos perfeitos. Escolhi esta fotografia, não porque tem um cenário grandioso, não porque poderia ser tecnicamente perfeita ou a luz seria tão brutal e espectacular, mas porque este momento ficará para sempre na minha memória. Não vale a pena inventar: a vida não ficará melhor que isto. O amor de uma irmã que agarra a noiva num momento autêntico e genuíno como nunca seria possível encenar. A cerimónia e trocas de votos ficou uns minutos para trás, e no calor do momento, esta fotografia representa a emoção e autenticidade com que procuramos contar a história.

 

 

Os contactos detalhados da dupla Foto de Sonho estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem o Hélio Cristovão directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.