Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Alice Vicente Weddings – fotografia de casamento

Hoje a conversa é com a Alice Vicente, que assina como Alice Vicente Weddings, e faz fotografia de casamento.

O seu trabalho é etéreo, delicado e intemporal, um trio de adjectivos muito luxuoso e especialmente bonito.

Acompanho o trabalho da Alice desde o seu início e o caminho que tem feito é fantástico: consistente, focado, objectivo. Do ponto A ao ponto B, com muito trabalho pelo meio, e o resultado está à vista: é perfeito!

Venham conhecê-la melhor!

Defino-me como uma fotógrafa especializada em casamentos luxuosos e de grande requinte. Crio imagens delicadas e mágicas que refletem não só o meu lado mais artístico e criativo, mas também o quão vulnerável e perfeitamente imperfeita ambiciono ser. Congelo os momentos e trago ao de cima o melhor de cada um deles, transformando até o mais simples instante em arte. Sou conhecida pela forma natural e entusiástica de fazer as pessoas apaixonarem-se pelas suas próprias imperfeições, fazendo-as perceber que podem e devem ser quem realmente são.

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Desde muito nova que demonstrei uma paixão genuína pelas artes. Não só pela fotografia, mas também pintura, artes manuais e, mais recentemente, cerâmica. Sou uma criativa que necessita de se expressar e sinto que a fotografia me dá aquilo que mais preciso no dia-a-dia. Sempre fui muito indecisa sobre o que iria fazer, mas acabei por seguir fotografia na faculdade. Foi-me ensinado a fotografar em formato analógico, e foi aí que o meu gosto pela fotografia se intensificou. Comecei a ver uma tendência no tipo de imagens que me atraíam (eram todas fotografadas com máquina analógica) e foi aí que decidi dar o salto e comprar a minha primeira máquina analógica em médio-formato.

Sempre gostei muito de casamentos e decidi contactar alguns fotógrafos (muitos!) para me ajudarem e darem uma oportunidade para os ajudar nos seus casamentos. Acabei por trabalhar como segunda fotógrafa para uma fotógrafa nesse ano, e, no ano seguinte, já trabalhava sózinha.

Desde então que tenho vindo a aperfeiçoar esta arte, não só fotografando casamentos, mas também frequentando workshops de grandes fotógrafos de casamentos, quer portugueses, quer internacionais, desde San José na Califórnia a Paris, que foi o que me fez evoluir mais até chegar ao que cheguei hoje. Tenciono continuar a investir em educação e a evoluir para oferecer sempre um trabalho de excelência e de grande qualidade aos noivos que me contratam. Hoje em dia estou a finalizar a construção do meu atelier, que é o concretizar de um sonho desde há muitos anos!

 

Fotografia de casamento fine art, por Alice Vicente Weddings Fotografia de casamento fine art, por Alice Vicente Weddings Fotografia de casamento fine art, por Alice Vicente Weddings

Há quanto tempo fotografa? E porquê casamentos?

Fotografo casamentos desde 2015 porque sempre adorei casamentos. É um dia que mais parece uma montanha russa de emoções e de sensações, e esses altos e baixos deixam-me de coração cheio! Posso ser criativa e ao mesmo tempo documentar o que se passa à minha volta. Tenho a liberdade de direcionar os momentos que acontecem à minha frente, que, pelas emoções envolvidas por si só já são bonitos, mas que através da minha direcção e olho consigo obter o melhor deles e criar imagens ainda mais bonitas para os meus clientes ficaram para o resto das suas vidas.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vai buscar inspiração?

Normalmente o meu primeiro recurso é o Pinterest. Sempre que tenho uma ideia guardo o máximo de imagens possíveis que possam ampliar essa ideia numa pasta para mais tarde lá voltar. Mas, no entanto, a minha inspiração pode vir de qualquer lugar. Ultimamente tenho-me inspirado muito na decoração de interiores, mais especificamente em camas desarrumadas com lençóis de linho de cores neutras e em quartos brancos e luminosos. O minimalismo e o conceito japonês “Wabi-Sabi” também me inspiram bastante. Peças de cerâmica tortas ou notoriamente feitas à mão deixam-me nas nuvens! Fico muito inspirada também quando sinto a essência de um lugar. Por exemplo, em Lisboa especificamente, inspiro-me só por viver no centro da cidade. Gosto de ouvir o movimento das pessoas na rua e de estar em casa no meu cantinho, dando espaço à minha mente para vaguear e criar da forma que me apetecer naquele momento. A inspiração atinge-me em especial quando já é de noite e estão todos a dormir. Suponho que seja algo típico nos artistas?

 

Como construiu a sua assinatura, como se define?

A minha assinatura foi construída através de uma reflexão de dois anos sobre o que é a minha marca e onde me quero posicionar.

Defino-me como uma fotógrafa especializada em casamentos luxuosos e de grande requinte. Crio imagens delicadas e mágicas que refletem não só o meu lado mais artístico e criativo, mas também o quão vulnerável e perfeitamente imperfeita ambiciono ser. Congelo os momentos e trago ao de cima o melhor de cada um deles, transformando até o mais simples instante em arte. Sou conhecida pela forma natural e entusiástica de fazer as pessoas apaixonarem-se pelas suas próprias imperfeições, fazendo-as perceber que podem e devem ser quem realmente são.

Não procuro a perfeição, apenas a beleza do natural e imperfeito.

 

Fotografia de casamento fine art em Lisboa, por Alice Vicente Weddings Fotografia de casamento fine art em Lisboa, por Alice Vicente Weddings Fotografia de casamento fine art em Lisboa, por Alice Vicente Weddings

Acha que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhe fotografar e como o faz, a narrativa que constrói, é diferente das escolhas que vê num trabalho de um profissional masculino?

Penso que é tudo uma questão de quem somos, o que nos atrai e a nossa experiência. Não acredito que tenha tanto a ver com ser mulher ou homem.

 

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Primeiramente guardo o telefone e, ou pinto sem um resultado em mente, ou simplesmente saio com amigos para desanuviar a cabeça. Quando me sinto cansada mentalmente tento desligar das tarefas do dia-a-dia para dar uma pausa à minha cabeça.

 

O mundo em Lisboa ou Portugal de lés-a-lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Todos os casamentos são diferentes e especiais. Cada casal tem a sua história e ligação. No entanto uma diferença inegável é o jantar antes das 20 horas, o que leva a que a própria organização e planeamento do dia seja totalmente diferente e a que o casamento acabe com uma maior antecedência que o dos portugueses.

 

Fotografia de casamento fine art em Lisboa, por Alice Vicente Weddings Fotografia de casamento fine art em Lisboa, por Alice Vicente Weddings Fotografia de casamento fine art em Lisboa, por Alice Vicente Weddings

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação com os seus clientes?

Normalmente o primeiro contacto acontece através de e-mail. Acabamos por marcar uma reunião onde nos conhecemos e partilhamos um pouco sobre cada um e por fim sobre os planos do dia, onde dou uma pequena ajuda com o planeamento e horário. Não só gosto de partilhar conselhos para ajudar na organização do dia, como também gosto de sentir uma ligação com os clientes, o que por fim resulta numa química natural durante o dia do casamento.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gosta de fotografar?

Gosto de todos os tipos de casamentos. Dos casamentos um pouco mais pequenos porque acabam por ser mais calmos e relaxantes. No entanto adoro as festas de arromba dos casamentos maiores que me deixam sempre com um sorriso nos lábios de tão divertidos que são! Mas penso que o mais importante é a ligação entre o casal e o fotógrafo.  Claro que se estiver visualmente decorado com gosto, é a cereja no topo do bolo!

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

Para mim o mais gratificante é poder criar arte, sabendo que os noivos terão aquelas fotografias tiradas com tanto carinho e atenção para mostrar aos seus filhos, netos e bisnetos. É a adrenalina e felicidade quando capto um momento emocionante e acaba por resultar numa imagem intemporal.

O mais desafiante é tudo aquilo que envolve gerir uma empresa sozinhos. No fundo passo apenas 10% do meu tempo a fotografar. O restante é passado à frente de um computador ou telemóvel a gerir todo o negócio, que acaba por passar por despercebido para quem não sabe o que envolve ser um fotógrafo de casamentos. Mas não mudava nem uma vírgula! Adoro o desafio de ultrapassar as dificuldades e de encontrar soluções para os problemas e quando alcançamos os nossos objetivos é quando sentimos que todo o esforço vale a pena.

 

Escolha uma imagem favorita do seu portfolio e conte-nos porquê:

Fotografo de casamento fine art em lisboa: Alice Vicente Weddings

Escolho esta fotografia porque representa muito bem aquilo que quero transmitir no trabalho que faço.

Imagens delicadas, bonitas e mágicas.

 

Contactem a Alice Vicente Weddings através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a Alice Vicente directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.