Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: lua-de-mel eco-friendly

Quem nos acompanha, já sabe que o International Wedding Trend Report para 2019 aponta a abordagem eco-friendly como uma das grandes tendências para os casamentos daqui em diante – e isso deixa-nos muito felizes. Depois de já vos termos trazido vários artigos de wise words com orientações práticas para organizar um casamento consciente, dedicamos-nos hoje à lua-de-mel: será possível viajar e aproveitar bem a experiência sem prejudicar o ambiente e as comunidades visitadas?

Claro que sim. Este assunto tem vindo a ser estudado nos últimos anos e, sobretudo desde 2017, o ano que a ONU escolheu para dedicar-se ao Turismo Sustentável, já temos bastante informação disponível para nos ajudar a fazer melhores escolhas.
Informação é, de facto, a palavra-chave. Quer viajem em modo aventureiro, quer recorram aos serviços de profissionais, recolham o máximo de dados possíveis sobre o vosso destino previamente, de modo a poderem preparar-se convenientemente. Por exemplo, é um local rico em vida selvagem? Então, lembrem-se de não apoiar actividades que explorem os animais e que façam deles «entretenimento»; e evitem os produtos de origem animal, sejam souvenirs ou alimentos que incluam espécies ameaçadas.
Ainda à mesa, procurem informar-se acerca da gastronomia tradicional e dos locais onde poderão saboreá-la com autenticidade, apoiando, assim, as populações locais, e evitando recorrer a fast food. A água não é de confiança? Munam-se de filtros e garrafas reutilizáveis para não ficarem dependentes da compra de garrafas de água descartáveis. É possível trocar o avião pelo comboio? Se sim, aproveitem a tranquilidade sobre carris para relaxar, ler e admirar a paisagem — a viagem começa assim que se sai de casa!

Na bagagem, não se esqueçam de incluir sacos reutilizáveis, talheres e palhinhas não descartáveis, a imprescindível garrafa de água e sacos para o lixo. Devemos sempre evitar adquirir produtos com demasiado plástico nas embalagens, mas isto é ainda mais importante em locais com um tratamento de resíduos deficiente. Se for esse o caso, o esforço deverá ser redobrado.

Por último, uma palavra acerca das pessoas. Viajar de forma sustentável implica, também, respeitar os costumes locais e a privacidade de quem nos recebe. Não fotografar ou filmar sem autorização, não entrar em propriedade privada só por curiosidade, respeitar o silêncio nas horas de descanso e conhecer as regras básicas de etiqueta locais para um trato cordial e agradável com toda a gente. A experiência será tão melhor para vocês quão melhor for para todos.

 

Lua-de-mel eco-friendly

Para alojamento, prefiram unidades hoteleiras com certificação comprovada. Apostem em actividades na natureza, preferencialmente não motorizadas e que não perturbem a fauna e a flora locais (e lembrem-se de não trazer nada que não sejam fotografias e boas recordações, assim como de não deixar lá nada que não sejam pegadas). Nas cidades, os transportes públicos são sempre a escolha acertada — e, nos casos em que se aplica, a bicicleta, claro. Procurem saber quais são as manifestações culturais genuínas da região e apoiem esses criadores.

No fundo, poderemos resumir tudo a uma cena de um belíssimo episódio da série Northern Exposure, passada no Alaska. Uma das personagens reflectia sobre a sua passagem por aquele sítio inóspito e concluía que o que importa não é o tempo que estamos em cada lugar, mas sim se esse lugar fica melhor depois de por lá termos passado.
Boa lua-de-mel! E que o destino que escolherem fique ainda melhor depois de por lá passarem.

 

A imagem que ilustra este artigo é do nosso fornecedor seleccionado I Go Travel.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Susana Pinto

Bolo dos noivos, sapatos de noiva e um belo bouquet: um trio perfeito!

Hoje, o nosso trio de bolo dos noivos, sapatos de noiva e bouquet de noiva regressa aos dourado, desta vez emparelhado com creme, marfim e rosa blush.

O dourado continua a ser um must da estação, no que toca a sapatos e eu aproveito, porque é uma das minhas cores favoritas para o assunto e não passo um verão sem umas sandáçias douradas!

Esta semana escolhi para sapatos de noiva estes mules dourados da Zara, com salto médio e um tom muito vistoso – gosto mesmo do modelo, a altura do salto é bastante razoável e têm poucos pontos de fricção. Como a cor é poderosa, um verniz nude ou branco cremoso faz um par perfeito!

Seguimos para o bolo dos noivos, lindo, em tons de rosa nude, decorado com magnólias em açucar, com detalhes dourados. A fita de seda, no mesmo tom, dá-lhe um toque ainda mais delicado.
Nem a propósito, tenho visto muitos bolos dos noivos com uma fita assim, solta, com laço ou sou com nó, mas sempre com esta leveza e presença – se ainda não é tendência, pode passar a ser, porque o resultado t6em toda a sua graça. Eu gosto muito!

Fechamos com um belo bouquet de noiva, como de costume: rosas em tom de marfim e algumas ramagens secas, de cor quase dourada, que acrescentam textura e um ligeiro dramatismo. O que vos parece tudo isto?

 

Bolo dos noivos com decoração dourada Sapatos de noiva dourados Bouquet de noiva

Uma paleta de cor feita de dourado e tons neutros (do marfim ao rosa blush) é uma receita infalível para um ambiente romântico. Concordam?

 

De cima para baixo, bolo dos noivos com dois andares, com cobertura em fondant e decorado com magnólias de açúcar e fita de seda, de Nadia & Co.; sandálias de noiva douradas, na Zara, por 29,95 euros; bouquet de noiva clássico e orgânico, com rosas e folhagem seca, por Plenty of Petals.

 

Para acompanhar estes nossos trios perfeitos que publicamos todos os domingos, basta que sigam as nossas etiquetas (a partir da homepage) ou aqui no topo do artigo: sapatos e sunday shoes; cake! e bolo; bouquet e um belo bouquet.

Bom domingo!

Susana Pinto

Casamento no Solar de Pancas: Adriana + Constantin

Fechamos a semana com um casamento no Solar de Pancas, em Alenquer. É o mais bonito dos dias da Adriana + Constatin, captado pelo Edgar Félix Videography e com dedinho da equipa Amor e Lima.

Este filme de casamento tem de tudo: patudos de estimação, uma pista de dança animadíssima, muitas lágrimas e outros tantos sorrisos e abraços apertados, gente bonita e muito bem vestida e um belo cenário. É disto – e de muito amor -, que é feito um dia de festa!

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Imaginámos um dia inesquecível, rodeados da nossa família e dos nossos amigos. Um dia cheio de amor e alegria!

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sentíamo-nos completamente preparados. O casamento era algo que sempre esteve presente nos nossos planos e era algo que queríamos muito os dois.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Desde o momento em que fomos os dois escolher a igreja e o local! Foi um momento muito importante para nós.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado foi totalmente o que nós idealizámos. Contámos com a ajuda da nossa família.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O que era fundamental era que tudo no nosso casamento fosse autêntico e que espelhasse a nossa personalidade e a nossa relação. Mesmo com imprevistos, que sempre acontecem, foi tudo incrível! Temos memórias muito especiais e sentimos que aproveitámos tudo ao máximo e que todos estavam muito felizes e divertidos!

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Foi fácil escolher a igreja e o local! O mais difícil, foi fazer a lista de convidados, pois era importante que fosse um casamento íntimo, com as pessoas mais importantes para nós.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Todos os momentos foram incríveis, porque vivemos com muita intensidade todo o nosso dia! Tudo superou as nossas expectativas!

 

E o pico de diversão?

Se há uma coisa que nos define enquanto casal, é o facto de nos divertirmos em tudo o que fazemos, por isso todo o casamento para nós teve vários momentos divertidos.

 

Um pormenor especial…

Só um? O nosso casamento foi feito de pormenores especiais, por isso é difícil para nós elegermos apenas um, mas eu diria que um momento especialmente marcante foi a primeira vez que olhámos um para o outro na igreja!

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não mudávamos nada, acreditamos que tudo acontece como tem que acontecer e, no nosso caso, foi definitivamente o dia mais feliz das nossas vidas!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Vivam cada instante ao máximo, desde os preparativos até ao próprio dia, pois todos os momentos vão ser recordados com imensa saudade!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: foi tudo feito por nós;

espaço: Solar de Pancas;

bolo dos noivos: Pátio Velho;

decoração: Amor e Lima;

fato do noivo e acessórios: Mister Man e Under Blue;

vestido de noiva e sapatos: Pronovias e Schutz;

maquilhagem: Kseniia Popkova;

cabelo: Anabela Sousa;

bouquet de noiva: Romeira;

fotografia: Pedro Lopes Photography;

video: Edgar Félix Videography;

Dj: Ricardo Coimbra.

Marta Ramos

Moldura de ouro, por Mitt Fotografia

Tudo começou num brainstorming entre Fabiane e Juliana, as fotógrafas da Mitt: «Tivemos a ideia de mostrar uma noiva empoderada, de personalidade forte, com auto-estima, sem perder a beleza, o romantismo e a feminilidade.»

Assim nasceu esta sessão de inspiração, e o cenário escolhido foi uma falésia, imponente e dada à contemplação, com uma forte tonalidade dourada a emoldurar a modelo, como que a colocá-la num pedestal para que possamos admirar a sua beleza e a sua força.

Usamos as fotografias para contar uma história, não entregamos apenas uma foto bonita em separado, também queremos que o conjunto possa contar uma história e com o passar dos anos essa história seja cheia de detalhes e emoção para quem estiver vendo, como se fosse um filme.

Juliana e Fabiane orgulham-se muito de levar a estética e a emoção do cinema para o universo da fotografia de casamento, sendo os filmes a sua principal fonte de inspiração. Mas a grande fonte de energia que alimenta a sua criatividade vem, precisamente, dos noivos que as contactam e do empenho que dedicam a representá-los fielmente: «A sintonia com nossos clientes é de amizade, por isso conseguimos quebrar o gelo logo na primeira conversa, fazemos isso naturalmente, o que nos ajuda muito a criar um clima óptimo para fotografar. Fazemos muitas perguntas com o intuito de saber mais sobre o casal, criando uma relação boa entre nós e para saber o estilo deles, criando assim fotografias personalizadas.»

Inspirem-se também neste trabalho da Mitt que tem, como não poderia deixar de ser, algo de cinematográfico — publicamos hoje a primeira parte da sessão.

 

Em breve, publicaremos a segunda parte desta poderosa sessão de inspiração. Acompanhem os nossos posts acerca do trabalho da Mitt Fotografia e consultem a ficha de fornecedor desta dupla talentosa para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho.
E falem com a Juliana, ela está à espera de vos conhecer e de contar a vossa história.

 

Créditos:

 

fotografia: Mitt – Fabiane Borgatto e Juliana Amorim

maquilhagem: Vanessa Marinho

vestido de noiva: Joana Montez

flores: Decorelle

modelo: Fabiana Koamy

Marta Ramos

Um cheirinho a verão, por Inspirarte

Já apetece tanto o verão, não apetece? E hoje o apetite fica ainda mais aguçado com este casamento intimista na praia, decorado pela Inspirarte e fotografado por Menino conhece Menina.
Contou-nos a Susana Abreu que o processo de organização do casamento foi um pouco atípico, uma vez que foi tudo tratado com a noiva e com a sua mãe. Correu tudo muito bem, o entendimento foi perfeito e o resultado cumpriu todas as expectativas. O início era auspicioso, já que a noiva tinha ideias muito definidas em torno daquilo que pretendia, e que era «um ambiente simples e elegante». Quem conhece a Susana sabe que isto é “a cara” da Inspirarte!
O perfil do cenário pretendido apontava para um clássico leve, com uma “pitada” de campestre. Em termos de decoração floral, o pedido foi no sentido de se utilizarem flores brancas de pequena dimensão, assim como de se conjugarem flores mais elegantes com flores campestres. Traço a traço, cor a cor, pormenor a pormenor, a Susana Abreu construiu o dia de sonho do casal, criando o lugar perfeito para acolhê-los e aos seus familiares e amigos nesta celebração tão importante.

O espaço é fantástico, não fosse ele na praia. Tem muita madeira em tom claro, assim como todos os restantes elementos são em tons neutros, tons de areia. Escolhi combinar rosas, rosas de Sta. Teresinha, eustomas, margaridas, entre outras flores brancas, que contrastavam com elementos decorativos em ouro velho, tentando, sempre, ao encontro do estilo e do ambiente do próprio espaço.

Vamos, então, até à praia? Não deixem de espreitar outros “passeios” Inspirarte já aqui publicados: valem sempre a pena.

 

Créditos:

 

espaço: Praia da Luz – Porto
fotografia: Menino conhece Menina
decoração: Inspirarte
bouquet da noiva: Inspirarte

Susana Pinto

À conversa com: DJ Rui Almeida – DJ para casamentos

Hoje conversamos com o DJ Rui Almeida, DJ de casamentos, com base em Guimarães.

O Rui conta-nos como foi o seu percurso profissional, que começou na rádio, passou pelos espaços nocturnos e cresce, saudávelmente, pelos casamentos animados que vai criando.
Nesta conversa há espaço para percebermos em detalhe o que faz uma boa pista de dança, e a importância que um verdadeiro profissional tem, como condutor da noite e da animação: a percepção e capacidade de leitura de pista, o conhecimento profundo sobre o o cliente e os seus convidados, e o equilíbrio saudável e frutuoso entre o improviso e o trabalho de casa.

Juntem-se a nós!

A audiência é a minha prioridade e coloco a música que eles mais gostam. Existem mil e uma maneiras de o fazer e ao longo de uma festa com muitas horas, há sempre tempo para construir um alinhamento musical completo e distinto, que agrade até aqueles que têm um gosto musical mais eclético. Ao mesmo tempo, tento enriquecer o alinhamento musical, para que os meus clientes tenham um serviço com valor acrescentado.

Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

O meu percurso começou na rádio, onde durante quatro anos tive um programa de música de dança em que semanalmente revelava algumas das novidades  da “House Music”, género musical que continua a ser um dos meus preferidos. Isto aconteceu entre 1994 e 1998, quando a internet não estava democratizada como está hoje e por isso o acesso à musica nova não acontecia à velocidade atual.

O programa era emitido em direto e todo misturado em suporte de vinil. Durante este período também coloquei música em algumas festa de “House Music” que se faziam com alguma frequência, e em alguns bares e discotecas.

Em 1998 surgiu o primeiro convite para assumir uma residência noturna, acabei por deixar a rádio e até 2004 fui DJ residente de alguns espaços nocturnos. Esta experiência noturna foi extremamente importante, porque cresci enquanto Disc-Jockey, a minha cultura musical aumentou consideravelmente, outros géneros musicais começaram a fazer parte dos meus repertórios e aprendi a interpretar uma pista de dança e a saber geri-la durante umas horas.

 

Animação noturna e casamentos –  sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

É uma ligação natural, mas não inevitável. Nem todos os Disc-Jockeys “noturnos” acabam por fazer animação de casamentos, porque não têm perfil para fazer este trabalho ou porque simplesmente não gostam de o fazer.

Também não é uma ligação natural, porque existem muitos “animadores de casamentos”, cujo  percurso começou precisamente na animação de casamentos. Obviamente não estão tão bem preparados para fazer este trabalho. Por muitos anos de experiência que consigam acumular, terão muita mais dificuldade em enfrentar uma pista de dança difícil. Sim, porque este é um trabalho muito exigente. De uma forma geral, os clientes têm a expectativa de ter uma festa longa, até de manhã se possível. Ora, para conseguir fazer uma festa com muitas horas de dança, tendo em conta que temos habitualmente cerca de uma centena de convidados, é preciso conhecimento e larga experiência..

Nenhuma festa é igual à anterior, temos um número limitado de convidados para dançar, com diferentes idades e muitas vezes com diferentes gostos musicais e é preciso agradar a todos.

Por isso é importante que os noivos tenham plena noção de quem estão a contratar e se essa pessoa será capaz de assumir a responsabilidade de colocar música num dos dias mais importantes das suas vidas.

 

Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

Ouço um pouco de tudo, embora a música Soul, Jazz, Funky e alguma Música Electrónica sejam as que reúnem as minhas preferências.

Contudo trabalho é trabalho, e quando assim é, a audiência é a minha prioridade e coloco a música que eles mais gostam.

Existem mil e uma maneiras de o fazer e ao longo de uma festa com muitas horas, há sempre tempo para construir um alinhamento musical completo e distinto, que agrade até aqueles que têm um gosto musical mais eclético. Não gosto de ir pelo caminho vulgar de desbobinar somente música comercial. Coloco-a, é claro, nos momentos necessários, mas tento ao mesmo tempo enriquecer o alinhamento musical, para que os meus clientes tenham um serviço com valor acrescentado.

 

Gosta dançar ou prefere ouvir?

Estou mais habituado a ouvir do que a dançar, o que acaba por ser normal, uma vez que numa festa estou quase sempre do lado de dentro da cabine de DJ. Contudo, mesmo do lado de dentro não estou parado, acabo sempre por dançar, porque também me divirto com o que estou a fazer e no fundo faz parte da performance um DJ transmitir boa disposição para a pista de dança.

 

Como se mantém actualizado?

De muitas formas, através da rádio, da internet, com algumas saídas noturnas e através da partilha com outros amigos DJ.

 

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

Normalmente uma festa de casamento tem uma vibe bem diferente da de um evento corporativo.

É uma festa de família e amigos em que se comemora um dia muito especial, por isso é normal que tenham uma atmosfera mais solta do que a de um evento corporativo.  Mas, é claro que tenho muitos eventos corporativos que são uma grande festa, super animada.

 

Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Um público divertido, noivos presentes na pista, uma boa sintonia entre o público e o DJ, e temos festa até de manhã.

 

Como cria uma playlist para os seus noivos? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso? Um pesa mais do que outro?

Tento conhecer ao máximo o gosto musical dos noivos e o que eles pretendem para a festa do seu casamento, que muitas vezes é uma coisa bem diferente dos seus gostos musicais.

Gosto  também de perceber previamente como é composto o grupo de convidados e também o que estes apreciam.

O trabalho, obviamente só faz sentido em direto, a sentir constantemente a reacção da audiência, contudo, se for bem preparado é geralmente mais bem sucedido.

Sou também um pouco selectivo na gestão da minha agenda para assim ter tempo para preparar o trabalho.

Existe por isso trabalho prévio e espaço para improviso, porque o trabalho do DJ também é isso.

Gosto de agir por antecipação e não por reacção. Não espero que saiam pessoas da pista para mudar de género musical, mudo atenpadamente para as agradar constantemente, para as surpreender pela positiva e para lhes dar constantemente motivo para estarem presentes na pista de dança.

Como os noivos e os seus convidados não são todos iguais, não faria sentido ter uma playlist igual para todas as festas. Isso não resultaria. Existe, sim, uma identidade musical no meu trabalho e um fio condutor que tem como objectivo guiar a festa pela noite dentro, durante algumas horas, e onde deve haver  espaço para um repertório musical variado que agrade a todos os presentes.

Como tenho uma cultura musical abrangente, consigo fazê-lo com alguma facilidade. Este alinhamento musical tem também, obviamente, de ser um reflexo do gosto musical dos noivos ou do que estes pretendem que seja.

Um trabalho personalizado é a chave para o sucesso e é isso que gosto de proporcionar aos meus clientes.

 

Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos

Se se casasse, com que música abria a pista?

Já me casei e como sou adepto de clássicos em momentos que queremos eternizar, foi com o Wonderful Tonight, num dueto do Ivan Lins com o Michael Bublé, que abrimos o baile.

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

Confesso que não tenho uma música à qual regresso sempre, da mesma forma que não tenho uma música preferida. Ambas as coisas seriam muito redutoras e não fariam sentido entre tantas músicas que aprecio e que merecem lugar de destaque.

 

 

Contactem o Rui Almeida, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática do Rui Almeida.

 

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!