Created with Sketch.
Susana Pinto

Normal is underrated

Na semana passada fui até Londres visitar o evento Brides The Show, promovido pela Condé Nast, a editora da revista Brides.

A selecção de fornecedores presentes era óptima, já que corresponde, segundo a organização, ao melhor do mercado de casamentos inglês. A oportunidade de ver de perto os magníficos vestidos de noiva Katya Katya Sheurina, Amanda Wakeley, Savin London, Halfpenny e Andrea Hawkes foi claramente o ponto alto da minha visita, mas esta experiência pôs-me a pensar numa série de coisas curiosas.

 

 

A primeira delas, é o quanto a abordagem ao assunto casamento é diferente entre eles e nós, e isso é muito interessante, por várias razões… Será por serem anglo-saxónicos e nós, latinos? Será porque não é um passo tão importante na vida do casal como é para nós? Será porque a disponibilidade financeira e o seu gasto têm um peso diferente entre eles e nós?

O facto é que neste evento, tudo era bastante contido e de muita qualidade. Os espaços de cada fornecedor tinham 1/3 do tamanho dos nossos (e não era preciso mais, de facto), a fotografia não era o serviço dominante (nem perto disso) e o esforço não estava no melhor stand nem no maior aparato, mas sim no melhor produto, na melhor qualidade. Como devem imaginar, gostei muito!

 

Como é que plataformas, que sempre foram verdadeiras instituições de bom gosto, criatividade e qualidade irrepreensível, promovem casamentos em supermercados com bouquets de donuts e pizza de oferta, apenas porque é diferente, e consequentemente, genial?

 

Este último ano tem sido pródigo em absurdos, e, por oposição, esta normalidade qualificada é um caminho que quero muito explorar e fazer convosco.

Querem exemplos para saber do que falo?

O Style me pretty promove, no seu prime time, um serviço de pizzas (ou pizza registry, um conceito que nem consigo verdadeiramente traduzir), para os noivos.

As Wedding Chicks publicam um casamento que aconteceu na cadeia americana de supermercados Costco (estão a ver os nossos Continentes?).

A revista Sábado escreve um artigo onde sugere que comprar sumos e salgados no supermercado, contratar um fotógrafo amador no Facebook ou escolher uma quinta agrícola (nem sei muito bem o que isto quer dizer) são truques para cortar no orçamento.

O Style me pretty volta à carga com a partilha de um artigo sobre uma noiva que casa com um bouquet feito de donuts (leram bem).

As Wedding Chiks publicam um editorial que gira à volta de canabis (from a beautiful hemp + silk wedding dress to a “bud bar” with a professional “budtender” and “dabarista”), porque é very creative and unique.

As plataformas NIT e Delas.PT escrevem, em simultâneo, artigos absurdos sobre as tendências de casamento para 2017 (será a google trend do mês?).

Lamas num casamento são uma tendência. Cavalos disfarçados de unicórnios também. E abacates, não esquecer das 14 ideias para incorporar abacates na vossa festa de casamento.

 

Em comum? O absurdo absoluto, a falta de ideias e o disparate como factor diferenciador, porque “normal”, “simples”, são atributos para os fracos e para os pobres.

 

Como é que chegámos aqui, caríssimos noivos e fornecedores?

Como é que plataformas, que sempre foram verdadeiras instituições de bom gosto, criatividade e qualidade irrepreensível, promovem casamentos em supermercados com bouquets de donuts e pizza de oferta, apenas porque é diferente, e consequentemente, genial? Em que momento é que nós, consumidores, damos ok a estas ideias (e outras, excessivas, desapropriadas, postas em prática e servidas à colherada apenas pelo argumento da diferença, sem consistência, sem propósito, sem conteúdo), e as validamos como óptimas e dignas de prime time ou, pior, apropriadas e perfeitas para a nossa própria festa, para o nosso dia mais bonito?

 

Para o próximo ano, a minha vontade é que olhemos para o “normal” e para o “simples” como diamantes à espera de polimento. São conceitos e premissas óptimos e valiosos, apenas precisam do ângulo certo para brilhar.

 

Não vamos por aí. Eu não quero mesmo nada ir para aí.

“When they go low, we go high”, disse a Michelle Obama num incrível discurso, antes das eleições americanas, lembram-se disso? Pois é esse o caminho.

Para o próximo ano, a minha vontade é que olhemos para o “normal” e para o “simples” como diamantes à espera de polimento. São conceitos e premissas óptimos e valiosos, apenas precisam do ângulo certo para brilhar.

A qualidade ganha sempre ao aparato!

 

Bolo de arroz

 

Fotografia de Nikole Herriot.

 

Duas vezes por mês, sempre às quartas-feiras, escrevo sobre assuntos que me fazem pensar, num artigo de opinião a que chamo O fio da meada.

Querem discuti-los comigo? Seria um prazer! Acompanhem-me aqui.

 

Susana Pinto

Vestidos de noiva usados: comprar, vender, doar, tudo por uma boa causa!

Vestidos de noiva usados é um assunto que não vos interessa? Pois talvez vos faça mudar de ideia!

Aqui há uns anos, acompanhava com entusiasmo uma série engraçada que passava na MTV. Chamava-se Plain Jane e tinha graça, para além da premissa, pela maravilhosa apresentadora e oh so very stylish Louise Roe. Britânica, com um admirável sentido de humor, atitude positiva, empatia a rodos e uma doçura impossível de esconder – tudo o que normalmente está ausente dos reality shows (se acompanham o MasterChef Australia, é igual, saímos comovidos e a torcer por aquelas pessoas, a cada episódio que passa).

Ora um destes dias, por acaso, tropecei no seu site em nome próprio, que vou seguindo com leveza e acabei por acompanhar o seu casamento, tão clássico como elegante, com um twist de modernidade (signature cocktails, anyone?)… perfeito, como se esperava de alguém com tanta graça e gosto.

Há umas semanas a Louise Roe comemorou o primeiro aniversário de casamento e escreveu sobre isso. Foi lá que descobri este projecto maravilhoso, Brides do good, a quem a Louise doou o seu Pronovias exclusivo.

 

Uma ideia brilhante e generosa. Passem os olhos pelo site e comovam-se com as histórias. Se o vosso maravilhoso vestido está guardado num armário longínquo e escuro, dêem-lhe uma nova vida, com muito amor.

Se estão à procura de um vestido de noiva, considerem a ideia de escolher um vestido em segunda mão, usado apenas uma vez durante algumas horas, num dia de absoluta felicidade.
Qualquer uma das opções é doce e valiosa.

 

A Brides do good é uma empresa social que vende vestidos de noiva usados, pre-loved, como lhes chamam, onde 1/3 do valor reverte a favor de quem vende – também podem ser doados integralmente, em vez de vendidos-, 1/3 do valor vai para os custos logísticos, recolha e entrega e o outro 1/3 reverte a favor da erradicação do casamento infantil, apoiando duas organizações sem fins lucrativos: Plan International e Too Young to Wed.

 

Esta é a sua missão:

Founded by Chantal Khoueiry, Brides do Good is a pioneering social enterprise that sells the world’s most beautiful pre-loved and sample designer wedding gowns. Our mission is to help the United Nations eradicate child marriage worldwide by 2030. A third of the sale of every dress sold through us goes to Plan International and Too Young To Wed – charities focused on protecting the world’s potential child brides. In time, we aim to launch our own life-changing employment and education initiatives.

This is a movement- by Brides for Girls. 

 

 

Vestidos de noiva usados - onde comprar? Vestidos de noiva usados - onde comprar? Vestidos de noiva usados - onde comprar?

Uma ideia brilhante e generosa. Passem os olhos pelo site e comovam-se com as histórias. Se o vosso maravilhoso vestido está guardado num armário longínquo e escuro, dêem-lhe uma nova vida, com muito amor.

 

Se estão à procura de um vestido de noiva, considerem a ideia de escolher um vestido em segunda mão, usado apenas uma vez durante algumas horas, num dia de absoluta felicidade.
Qualquer uma das opções é doce e valiosa.

 

Com estas opções, os vestidos de noiva usados ganham todo um outro encanto e valor!

 

Marta Ramos

Vestidos de noiva Rembo Styling na Vestidus Atelier

Como vai essa aventura pelo maravilhoso mundo dos vestidos de noiva? Já fizeram progressos, já estão mais perto de saber o que querem – ou, pelo menos, o que não querem?
Como em todas as rubricas contidas nos preparativos para o grande dia, o primeiro passo é tudo menos romântico – mas é incontornável: o orçamento. O custo do vestido de noiva não deve ultrapassar 10% do vosso orçamento total e deve ser definido desde o primeiro momento em que começaram a fazer contas. Sejam fiéis a esse valor e resistam à tentação de transgredir – por exemplo, procurando apenas vestidos dentro dos valores previstos.
Pela nossa parte, continuaremos a mostrar-vos as colecções mais bonitas que se encontram à vossa espera nos nossos fornecedores seleccionados. Hoje, destacamos a linha Rembo Styling 2018, já disponível na Vestidus Atelier, caracterizada pelo estilo boho chic, descontraído e super elegante, sem nunca comprometer a qualidade dos materiais e do corte. Há uma ou duas peças especialmente pensadas para quem procura qualquer coisa fora da caixa, como um jumpsuit ou uma saia curta, e ainda uma sub-linha especialmente dedicada às cerimónias civis.

Deixamos-vos com o vídeo oficial da marca e ainda uma selecção de imagens feita pela Sara.

 

 

 

 

 

 

 

 

Leiam as nossas wise words sobre a escolha do vestido de noiva, um artigo muito útil que vos ajudará a organizar todas as fases do processo e, sobretudo, a encará-las com tranquilidade!

Falem com a Sara Silva e agendem um atendimento personalizado na Vestidus Atelier. Aconselhem-se com ela sobre o vestido, claro, mas também sobre os acessórios, a roupa interior, os sapatos… Nada como uma opinião bem informada e sábia para desbloquear escolhas difíceis!

E depois de encontrado o vestido de noiva, qual o passo seguinte? Pode ser muito bem a escolha do bouquet.  A ligação entre estas duas peças é inequívoca – o protocolo diz que o bouquet deve seguir a linha do vestido, com volume adequado à figura, primeiro, e ao estilo, a seguir.
Está tudo ligado!

Marta Ramos

Preview da colecção Cata Vassalo 2018

Cata Vassalo é um atelier de toucados e acessórios de noivas que cria peças únicas, capazes de marcar a diferença e dar personalidade a cada penteado. Cada peça é feita à mão, o que permite personalizar os toucados à medida e ao gosto de cada cliente. E daqui não saem repetições, apenas peças exclusivas, personalizadas, em que nenhum detalhe é deixado ao acaso. Neste atelier, adoram criar acessórios únicos e especiais para as noivas e madrinhas usarem em dias também eles muito especiais – e orgulham-se de deixar as suas clientes sempre felizes e de lhes acrescentar um sorriso através das suas peças.

Hoje mostramos-vos um preview da nova colecção Cata Vassalo, desenhada sob o tema «Vintage is the new black».

Trata-se de uma linha inspirada em peças antigas, peças que estavam guardadas em gavetas de familiares e de amigos, a que nós quisemos dar uma lufada de ar fresco! São peças que contam histórias e que falam por si!


 

 

 

Nas fotos vemos, por ordem, o toucado Abigail, feito de metal e cristais; o toucado Eliza, romântico e delicado; e o toucado Cecília, uma peça versátil, que pode ser usada de diferentes maneiras.

Lembro que todas as criações Cata Vassalo são únicas, não havendo duas peças iguais. Inspirem-se nestas imagens e contactem o atelier Cata Vassalo para falar sobre as várias formas de criar o vosso acessório de eleição, que vos represente, que vos distinga, que vos orgulhe. Basta enviar um email para info@catavassalo.com.

Não também deixem de navegar por outros artigos que já publicámos acerca das criações do atelier Cata Vassalo, incluindo. Só coisas bonitas, bem feitas, com materiais nobres e com muita arte e perícia.

 

Créditos:

 

vídeo: Rita Féria – Film Maker
fotos: Mafalda Rodrigues Fotografia
saia/top: Mad.B
cabelo: Patz Art Work hair&makeup
maquilhagem: Inês Marques Make Up
jóias: Telma Mota – Jewellery
modelos: Naylidiana Alvarez e Inês Sofia Ramos

Marta Ramos

Wise words: escolher o bouquet

A partir do momento em que tiverem escolhido o vestido de noiva, podem passar a outra escolha muito importante: o bouquet – o tema das wise words de hoje. A ligação entre estas duas peças é inequívoca – o protocolo diz que o bouquet deve seguir a linha do vestido, com volume adequado à figura, primeiro, e ao estilo, a seguir.
Para um vestido clássico, de princesa, com saia imponente, poderá ser de leve caída ou redondo. As flores serão mais clássicas, de uma variedade (rosas, peónias, hortênsias, por exemplo), e de cores suaves e delicadas, harmonizando o conjunto.
Um vestido de linhas direitas e rico em detalhes, em meninas altas, pede um bouquet mais elaborado, com atenção às cores: harmonia e elegância são o mote, mais verduras e menos cores tornarão o conjunto mais refinado. Valem várias espécies, mas de uma cor ou em ton sur ton.
O estilo mais boémio e descontraído pede bouquets mais orgânicos e naturais. As formas são menos estruturadas e as misturas mais criativas. São os mais complicados de executar e seguramente os mais dispendiosos, já que dependem dum conjunto bonito das várias espécies. Fitas coloridas, tecidos bonitos ou fio rústico finalizarão na perfeição estes belos arranjos.
Para as meninas mais baixinhas, recomendamos uma versão muito mignonne. Um bouquet pequeno e harmonioso é o indicado, feito de flores pequeninas e delicadas.

 

Bouquet por Pinga Amor

 

 

O bouquet é indissociável do vestido, certo; mas também dá a mão a outros intervenientes do vosso dia, sendo necessário ter uma visão alargada da big picture para que o todo resulte harmonioso. Começamos por chamar a atenção para o trio perfeito de que a Susana vos fala todos os domingos: bolo+sapatos+bouquet. Pensem numa cor dominante, no estilo, nos pormenores que poderão estabelecer a ligação entre todos estes elementos e depois deleitem-se com as fotografias fabulosas que daí resultarão.

Mas há mais, claro. As flores serão, muito provavelmente, um dos elementos decorativos mais presentes na vossa festa – uma grande parte dos nossos fornecedores seleccionados de flores trata, precisamente, de todos esses assuntos (do bouquet à decoração floral) e tudo se conjuga na perfeição. No caso de escolherem profissionais distintos para esses dois assuntos, então passem informação de uns para os outros para que possam sintonizar-se.

As flores também dão acessórios muito bonitos para o cabelo da noiva e para a lapela do noivo. Tenham isso em mente quando escolherem as vossas flores, e aconselhem-se com o vosso fornecedor – algumas espécies podem não resultar tão bem em boutonnières, por exemplo.

Então, com base nestas linhas de orientação, como podem passar à escolha de facto? Digamos que há dois factores decisivos – nesta e em todas as outras decisões que terão que tomar durante a organização do vosso casamento – a ter em conta: a inspiração e a audição! Naveguem abundantemente pelos vossos sites de referência, vejam atentamente os casamentos que vamos publicando, analisem ao pormenor as fichas dos nossos fornecedores (que têm muitas imagens para vos deliciar) e criem álbuns no pinterest. O que for preciso para reunirem um lote de imagens que vos agrade. Depois disso, contactem os vossos três profissionais preferidos e escolham aquele com quem irão trabalhar.

Aqui, entra a audição – escutem os especialistas na matéria, façam valer a vossa vontade, claro, mas saibam também onde terão que ceder para acautelar sobressaltos. Por exemplo, sempre que possível, escolham flores da época e de produção nacional. Para além da evidente diminuição da pegada ecológica, não querem ter que passar pela angústia de ver a data aproximar-se e não ver a encomenda chegar.

 

Bouquet por Pinga Amor

 

Acessório para o cabelo, por Pinga Amor

 

Outra cautela importante: peçam sempre uma segunda opção ao vosso fornecedor de flores. O mercado floral é cheio de imprevistos (pragas, intempéries, greves de transportadores, aumentos nos combustíveis…), que se reflectem na disponibilidade e preço final do produto. O orçamento é pedido com meses de antecedência, mas encomenda é feita uma ou duas semanas antes, as surpresas não são tão improváveis quanto isso.
Considerem o peso do arranjo e falem sobre isso, é relevante. Vão passar uma boa parte do tempo com o bouquet na mão, quanto mais leve e resistente ao manuseamento, mais confortável e fotogénico será. Não se esqueçam dele a um canto durante as fotografias, se investiram tempo e dinheiro nesta peça tão especial e pessoal, merece retrato próprio e dedicado.
Quanto a valores, não há paralelismo entre os preços da florista do bairro a um bouquet finalizado: para garantir meia dúzia de peónias em perfeito estado de maturação no grande dia, encomendam-se 30 pés (estragam-se, não vêm em condições, abrem demais ou abrem de menos, só se encomendam em lotes, etc) e a taxa de desperdício é muito grande. O valor final do bouquet somará o custo das flores (e verduras), a sua variedade, a qualidade das fitas e acabamentos, e o talento criativo e de execução do profissional: não pode ser pouco, mas será a justa retribuição por uma peça que vos fará quase tanta companhia como o noivo, pelo menos na primeira parte do grande dia, e que ficará imortalizada nas imagens registadas. Sim, estas flores são mesmo para sempre!

 

Fotos: Pinga Amor

 

 

Susana Pinto

Bolo dos noivos, sapatos de noiva e um belo bouquet: um trio perfeito!

Bolo dos noivos, sapatos de noiva e um belo bouquet de noiva na paleta greenery: ultimamente não consigo escapar a esta combinação de cores e materiais!
O verdinho traz sempre frescura e combina com tudo, especialmente brancos e dourados, o que permite uma amplitude generosa de escolhas na decoração do vosso espaço e mesas.

Mais uma vez, o veludo foi incontornável e este material continua em alta para a nova estação: sandálias, sapatos, botas, há de todas as ecores e de todos os feitios, à escolha!

Encontrei estes sapatos de noiva em veludo verde na Massimo Dutti e achei-os deliciosos e cheios de potencial: são baixinhos, têm uma cor muito bonita e versátil e antecipamos uma vida longa pós-casamento, com saias plissadas, calças cigarrette ou vestidos românticos.

A combinar, um bolo dos noivos às camadas, com dois andares e ligeiramente comerto de creme – um pouco mais vestido que o já tradicional naked cake. É decorado apenas com verdes, folhagem e raminhos, e fica maravilhoso nessa sua delicadeza singela. Aproveito para insistir neste ponto – atenção à decoração com plantas e flores naturais. Certifiquem-se junto do vosso pasteleiro, serviço de catering ou cake designer que apenas estão a ser usadas flores comestíveis, este é um assunto muito sério e importante.

Fechamos com um bouquet de noiva natural, com uma paleta de cores muito interessante: branco, verde e amarelo mostarda, que é o equivalente natural da cor dourada. Não é perfeito?

 

Bolo dos noivos com dois andares, cobertura em creme e decoração com folhagem natural

 

Sapatos de noiva em veludo verde greenery

 

Sapatos de noiva em veludo verde greenery

 

Bouquet de noiva com flores brancas, verdes e amarelo mostarda

 

Gosto muito deste vibe: é relaxado, elegante, e com uma dose de frescura – nada over the top, mas com uma beleza segura e confiante que pulsa por todo o lado.

De cima para baixo, bolo dos noivos com dois andares, cobertura de creme e decoração com folhagem natural, via WeddBook; sapatos de noiva em veludo verde, Massimo Dutti, por 59,95 euros; bouquet de noiva em tons de verde, branco e amarelo mostarda, via Style me Pretty.

 

Para acompanhar estes nossos trios perfeitos que publicamos todos os domingos, basta que sigam as nossas etiquetas (a partir da homepage) ou aqui no topo do artigo: sapatos e sunday shoes; cake! e bolo; bouquet e um belo bouquet.

Bom domingo!

 

Save

Save

Save

Save

Save