Created with Sketch.
Susana Pinto

Parabéns: o legado Simplesmente Branco

Hoje completamos nove anos online. E neste universo digital, é uma vida!

Em 2010 não havia Pinterest, não havia smartphones, não havia Dropbox. O Facebook dava pequenos passos e o Instagram não respirava.
Havia revistas em papel e um site americano que me fazia suspirar.
Em 2010 o mercado de casamento estava numa fase sem graça: os mais velhos estavam acomodados, sem desafios de maior, e os mais novos não se interessavam por este assunto. Os noivos estavam sozinhos. Faltava entusiasmo, frescura, inspiração, sobrava desencanto.

Eu queria uma casa digital para mostrar os meus convites de casamento: uma casa à minha escala, alinhada com a minha visão. Uma casa para mim e para os meus pares. Uma casa para os meus noivos. Um sítio fresco, inspirado, gentil, generoso. Um sítio nosso, à nossa medida.

Como não existia, construí-o. O Simplesmente Branco foi a faísca e a gasolina de uma nova geração de profissionais, de uma nova tribo de noivos, de um novo mercado de casamento.

De “foleiro”, passou a “giro”, de estagnado passou a vibrante e, hoje, é com orgulho que alguém diz “sou fotógrafo de casamentos” e muitos querem fazer parte desta aventura.
Ligámos quem procurava, sem saber que existia, a quem oferecia, sem as mesmas certezas.

 

Em números, o Simplesmente Branco é, hoje,  um monstro feliz!

Temos mais de 10 mil visitas mensais, mais 6 mil posts publicados, mais de 30 mil seguidores no Facebook e mais de 640 mil visualizações mensais no Pinterest. Editámos 7 revistas digitais, bilingues, com uma média de 215 páginas cada uma. Pusemos de pé 11 showcases, organizámos uma conferência internacional e uma conferência nacional. Publicámos um livro e desenhámos 9 calendários anuais. Mantemos uma centena de fornecedores seleccionados, lançámos vários talentos e demos novo fôlego a negócios tradicionais e tímidos na sua comunicação. Fazemos reflexões frequentes sobre o que observamos e sobre o que queremos. Mudámos de casa 4 vezes. Publicámos mais de 500 casamentos bonitos.

Estabelecemos um standard de qualidade e um modo de fazer. Trabalhamos, todos os dias, para um mercado melhor, duradouro, estável, são, justo.

Este é o legado Simplesmente Branco.

 

Em 2019, o mundo é incrivelmente diferente. Tudo é mais imediato, menos profundo, mais artificial. Quem grita mais, é validado com mais audiência, é esse o nome do jogo, independentemente da veracidade ou qualidade intrínseca da mensagem.
Styled shoots ganham o nome de casamentos, manequins profissionais são promovidos a noivos, criam-se decorações impossíveis de concretizar na vida real, preço e experiência nem sempre andam ligados, brochuras de 20 páginas afinal são revistas, e que importância tem não distinguir destination wedding de wedding destination ou enxovalhar a gramática e vocabulário ingleses a toda a hora? O importante parece ser viver fast and furious, para o instante, sacando ao máximo com o mínimo de investimento, enquanto a onda rola.

 

Não somos isso, não acreditamos nisso, não queremos isso. Não validamos isso.

Preferimos a nossa visão gentil, generosa, discreta, constante.

Preferimos partilhar e trabalhar a realidade, de forma honesta, transparente e celebrar, convosco, o mais bonito dos dias.

Estes nove anos são feitos de resiliência e de produção de conteúdos de qualidade e vida longa. Não há prova melhor do que a primeira edição da S Magazine, que celebrou o primeiro aniversário do Simplesmente Branco, em 20111, e permanece intemporal, oito anos depois. Faz-me sorrir e deixa-me muito feliz.

 

É esta a nossa posição, consistentemente, mesmo que pareçamos andar às arrecuas do momento: tornarmo-nos relevantes no tempo, investir na aura e na intemporalidade,  o coração do Simplesmente Branco, aquilo que é a nossa missão:

Oferecer inspiração fresca e bonita, e informação fundamental e fidedigna aos leitores mais exigentes, que acreditam que o seu casamento pode e deve ser um dia único e inteiramente desenhado à sua medida; guiá-los no caminho até ao mais bonito dos dias; garantir que encontram os fornecedores que são a sua cara-metade.

Identificar o talento e promovê-lo; ajudar os profissionais mais criativos e consistentes a crescer com a projecção que merecem, e acompanhá-los nessa viagem; garantir que encontram os clientes que são a sua cara-metade.

Isto é o coração pulsante do Simplesmente Branco.

 

Ali em cima falei de legado. Fizémos um caminho imenso, mudámos o nosso mundo, mas há ainda coisas, imensas, desafiantes, que faltam fazer: construir uma comunidade e criar uma associação profissional. Conto celebrá-las no 10º aniversário!

Fecho com um imenso agradecimento a todos os que estão comigo, sempre.  Esta viagem não se faz sozinha e a vossa companhia é valiosa. Parabéns!

 

Esta imagem sou eu, fotografada pelo André Castanheira (que definiu de forma mais hilariante e certeira o Simplesmente Branco: “uma ostra com pérola num mar de berbigão com areia), para a primeira edição da S Magazine, no Centro Cultural de Vila do Conde.

Susana Pinto

Tchim tchim!

Fechamos o ano de forma singela e contente: foi bom.

Obrigado a todos os noivos que partilharam connosco o mais bonito dos dias (mais de meia centena, acreditam?). É nossa responsabilidade estarmos à altura da vossa imensa generosidade e confiança, e é também um prazer fazê-lo, com leveza e elegância.

Deste lado, acreditamos que a nossa presença discreta, inspirada e sempre com palavras certeiras e gentis, é o melhor apoio que vos podemos dar, e é isso que nos entusiasma, uma e outra vez.

Fechamos esta porta, inspiramos fundo e abrimos a que se segue, com a mesma atenção ao detalhe, visão, cuidado, empatia e optimismo que definem o Simplesmente Branco.

Brindemos ao novo ano, com amor, saúde e gentileza: tchim tchim!

 

 

Via The Sunday Chapter.

 

Susana Pinto

Simplesmente Branco: 8ª aniversário e uma novidade

 

Por estes dias, o Simplesmente Branco celebra o oitavo ano online: e que viagem esta…!

Em números, são 4 remodelações, 5755 artigos, 10 showcases, 5 revistas, 157 mil monthly viewers no Pinterest, quase 28 mil fãs no Facebook e muitos, muitos casamentos bonitos publicados (474, mais precisamente). Ufa!

Este ano não preparámos grandes surpresas, nem me sinto dada a grandes reflexões, acho que é uma fase de transição que acompanha as correntes do momento. Mas preparei um presente para mim e para quem me acompanha, do lado profissional – os fornecedores.

Nesta viagem de oito anos de escrita diária para vocês, que continuo a fazer com um imenso prazer, percebi que, de todos os assuntos relacionados com o casamento, como parte envolvida, o que mais me atrai é o que está relacionado com o mercado – essa grande arena onde todos temos um papel.
Interessa-me a dinâmica, interessa-me o crescimento, interessa-me a postura, a ética (tanto!), as visões de cada um. Interessa-me pensar sobre ele, e o que posso fazer, todos os dias, para que seja mais interessante, mais confortável, mais duradouro, mais são.

Nos últimos tempos, dei asas a estas reflexões na minha crónica mensal, O fio da meada”, onde escrevo sobre assuntos que, na minha opinião, merecem ser verbalizados e uma certa discussão, que inclui os noivos e os fornecedores. Mas faltava-me espaço para a discussão entre a classe, entre os profissionais, que pudesse incluir outros assuntos relacionados com o nosso lado, mas não com o vosso.
Tornou-se óbvio que precisavam de casa própria.

Destes anos, somo experiências como observadora, como trendsetter, como gestora de marca, como criativa, como parceira, como adviser, como fazedora. É todo este lastro e conhecimento que carrego comigo. Junto-lhe a minha constante vontade de fazer bem feito e o prazer de pensar sobre muitas coisas, e mostrar  outras tantas. O resultado serão reflexões e crónicas sobre assuntos que nos interessam a todos e outros mais laterais, porque é preciso desacelerar e expandir os horizontes. Olhar para o que está a nossa frente e encontrar pontos de ligação.
Serão sempre assuntos sumarentos, mesmo que na forma de textos curtos: para pensar, para saborear, para deixar a pairar e mais tarde retomar.

 

Queridos noivos, o Simplesmente Branco é a vossa casa, sempre. Obrigado pela vossa companhia constante nesta bela viagem, pelas palavras doces que vão deixando aqui e ali, pela validação que fazem, todos os dias, da nossa visão, voz e postura.

Caríssimos profissionais, espero por vocês aqui ao lado, na minha nova casa e em nome próprio, para muitas horas de conversa.

Espero que gostem e que se juntem às discussões. Espero que achem útil e relevante. Espero ajudar-vos a pensar, a tomar decisões, a crescer. Espero, convosco, construir um mercado de casamentos em Portugal relevante, saudável e entusiasmante.

Sejam muito bem-vindos!

 

Gin Fizz, via Almost makes Perfect.

Susana Pinto

Tchim tchim!

Fechamos um ano em que fizémos muita coisa (novíssimos Simplesmente Branco e We are The Destination), mas que senti carregado de uma indiferença generalizada e transversal. Foi, em muitos sentidos, um ano esquisito, neutro, bege, sem grandes ligações ou emoções. Demasiado digital e pouco pessoal? Excesso de story telling e falta de life living? Certamente.

Nos últimos momentos do dia, façamos uma pausa para pensar, olhar para trás, ver o caminho feito e antever o caminho por fazer. Agradecer a quem nos fez companhia, relativizar o que não nos levou a lado nenhum. Um curto balanço, focado.

E a seguir, às doze badaladas, brindemos!

Olhos nos olhos, copo de espumante na mão, abraços apertados, beijos apaixonados, presentes no momento.

Bem-vindo, 2108!

 

 

Imagem via Design Love Fest.

Susana Pinto

Ready, set, go: o início da época de casamentos 2018

Setembro é o mês de pico a cada época de casamentos. Os dias continuam longos e dourados, ainda há férias para desfrutar e para quem já regressou ao quotidiano, há uma leveza boa que persiste nestes primeiros dias.

Por cá, a nossa rotina é feita em contraciclo. Mais próxima dos noivos, às avessas dos fornecedores.

Enquanto os nossos parceiros estão na recta final a fintar o cansaço e em contagem decrescente da última mão-cheia de casamentos, Setembro é, para mim, o início do novo ciclo, de mais uma aventura, de mais uma viagem. Antecipamos as ideias que se irão destacar, as tendências “must have“, as cores Pantone (mas alguém liga mesmo a isto?). Abrimos uma nova agenda de contactos, anotamos os talentos que temos debaixo de olho e alinhamos de forma mais consistente as ideias e projectos que planeamos para o Simplesmente Branco, nesta próxima volta ao sol.

Mas Setembro é também um momento de reflexão sobre a época anterior: que temas se destacaram, o que intuímos que está em mudança ou precisa de ser amadurecido e discutido, em termos de mercado. Quem foram os noivos de 2017, o que procuravam, o que escolheram, o que os fez felizes, que informação circulou neste vai-e-vem de contactos, orçamentos, planos, contas, festas e uniões, entre sites, redes sociais, plataformas e imprensa tradicional?

Parar para pensar sobre tudo isto trouxe-me alguma inquietação: a desinformação é cada vez maior e o Simplesmente Branco terá mesmo que ter uma voz forte e activa (sempre teve, mas terá que falar um pouco mais alto). Assumimos esse papel com o entusiasmo e a seriedade que nos caracterizam.

Parece que estamos a andar para trás: click bait, notícias que não são notícia, títulos que desinformam, “best of” que juntam bom e mau na mesma lista, “eu li, por isso é verdade”, tudo isto tira discernimento e inteligência ao debate e este verão teve um episódio em que batemos, colectivamente, no fundo. Como classe profissional, como players e influenciadores, como consumidores, deixámos que esta mensagem passasse.

 

A revista Sábado contactou-me para opinar sobre casamentos low cost. Respondi, textualmente, isto:

“Não a posso ajudar – o termo low cost e casamentos não vão juntos, do nosso ponto de vista. É uma definição prejudicial para o mercado, que se quer sério, honesto e transparente, e desinforma o cliente, propagando uma ideia errada de que tudo é caro, sobre valorizado e que low cost é uma opção para gastar menos.

Não é. O bom caminho é gastar o que se tem, não mais. Se temos 5 mil euros, não fazemos planos como se tivéssemos 20 mil. E dentro desse número mágico que é o orçamento de cada casal, seja gordo ou frugal, fazer escolhas em conformidade. A poupança está em fazer boas escolhas, separar o essencial do acessório, não em comprar serviços baratos, de fraca qualidade.

Posso dar-lhe dois ou três exemplos rápidos – escolher flores da época e de produção nacional, ter apenas uma refeição (jantar) e um simpático cocktail de recepção, em vez de um almoço e um jantar e tudo o resto, ser criterioso com o número de convidados, comprar um bom fato, clássico e impecável, que será vestido muitas vezes e terá uma vida de pelo menos 5 a 10 anos, comprar uns sapatos que sigam o mesmo critério, procurar um vestido da colecção anterior ou até explorar as linhas de festa, que podem ser muito surpreendentes nos modelos e preços. Sempre sem comprometer a qualidade e o significado que o dia comporta.”

 

Disponibilizei-me para conversar com mais detalhe, a jornalista insistiu com o valor do orçamento: “o que deve fazer um casal quando tem pouco dinheiro para gastar, 1000 ou 3000 euros?“, juntou mais duas questões afins e perguntou se podia incluir as minhas respostas.

 

O resultado foi um artigo unilateral (a servir quem, exactamente?), que ignora o mercado e os seus profissionais, e dá voz de autoridade a escolhas muito particulares e pessoais. E aqui está o elefante na sala, a ideia profundamente errada que baralha toda a gente: casar custa uma fortuna.

Ora, para casar, são precisos, exactamente 220 euros, no mínimo, e 390 euros, no máximo, conforme as opções legais escolhidas. O resto? O resto é uma festa, apenas isso e é essa perspectiva sob a qual deve ser olhada e debatida.

A mensagem que passou, é que todo este mercado é um absurdo e que contratar um fotógrafo amador no Facebook e comprar um vestido numa loja chinesa são o caminho certo para domar o orçamento. Pois não é – isso é uma visão miserabilista de um dia memorável. Todos, noivos, família, amigos, profissionais, merecem melhor.

Nenhuma das minhas respostas integrou o artigo da Sábado.


Queridas noivas e caríssimos fornecedores, o meu melhor conselho é o mais simples de todos: saber é poder. A informação é o bem mais valioso, certifiquem-se de que estão bem informados, façam o vosso trabalho de casa com critério e discernimento. Perguntem, respondam. Sejam o vosso melhor, sempre que possível – sejam os melhores clientes para os vossos fornecedores, sejam os melhores profissionais para os vossos noivos. Parem para reflectir, não se deixem engolir pelo furacão das opiniões, pressões e aparências. Virem as costas ao absurdo, abracem o bom senso.

 

As melhores escolhas são as que são positivas para todas as partes envolvidas.

Elevem a fasquia.

Não percam o foco no que é importante.

 

Época de casamentos 2018: ready, set, go!

 

 

Duas vezes por mês, sempre às quartas-feiras, escrevo sobre assuntos que me fazem pensar, num artigo de opinião a que chamo O fio da meada.

Querem discuti-los comigo? Seria um prazer! Acompanhem-me aqui.

 

 

 

 

Save

Save

Susana Pinto

À conversa com: Susana Esteves Pinto

Em sintonia com esta grande mudança, decidimos falar um pouco mais de todos nós, quem faz o Simplesmente Branco todos os dias, e quem faz parte dele também. A inaugurar estas conversas mais longas e curiosas, cheguei-me eu à frente, e pedi à maravilhosa Marta Neves, que assina o animadíssimo blog de lifestyle The Coolunista (o melhor título de sempre!), para me entrevistar.

Qual é a ligação, estarão vocês a perguntar? É simples. Podia dizer que é a boa disposição e energia da Marta, podia dizer que é a qualidade da escrita ou o sentido de humor, mas é tudo isso e um pormenor muito especial: a Marta foi uma das nossas queridas noivas e o seu casamento (uma festaça!) passou por aqui.

Conhecemo-nos pessoalmente quando lhe fui entregar em mão uma The Love Tree, conversámos 10 minutos junto à Assembleia da República (empatia imediata!), e fomos mantendo o contacto (a Marta foi uma das duas pessoas que opinou sobre a capa do “Queres casar comigo? – guia pratico para um dia muito feliz”). Quando chegou o momento, a ligação foi imediata.

 

Sem mais demoras, Marta Neves, estrela do You Tube, à conversa comigo:

 

De onde surgiu esta paixão e gosto por este universo casamenteiro? Sempre foste uma apaixonada pelo Amor?

É simples: gosto de coisas bonitas! E nesta coisa dos casamentos, há muito por onde me deliciar.

Mas não é apenas isso. Formei-me em design gráfico, na Faculdade de Belas-Artes, em Lisboa. Tenho uma paixão pela matéria-prima papel, colecciono catálogos, postais, papéis de embrulho de todos os destinos onde já fui, mesmo tão longínquos como o Japão ou Argentina (a querida Sílvia Pontes já herdou alguns deles). Comecei a trabalhar nesta área pelo serviço mais óbvio: convites de casamento. Criei a minha própria marca, a Wise_up Weddings, brinquei com fine papers, acabamentos sofisticados, tipografia bonita e, disto ao resto, foi um pulinho natural. Não sou casada e, lá em casa, isso não nos faz falta para sermos felizes, um par ou uma família, mas aprecio com espanto e maravilhamento quem dá o nó, sobretudo desta forma tradicional e elaborada. Sou uma romântica optimista e fico sempre emocionada com histórias doces, abraços apertados e aquela energia feliz e contagiante que atravessa as imagens dos casamentos que vejo no meu quotidiano. Essa é a minha cereja, o que me prende a este assunto, todos os dias: a celebração do amor, partilhada com os nossos!

 

Entrevista Susana Esteves Pinto Simplesmente Branco

 

Como chegaste ao Simplesmente Branco? De onde é que ele surgiu? Com que objectivo o criaste?

Quando comecei a pensar nisto, a Wise_up Weddings já existia há uns anos, tinha site próprio e alguma presença na imprensa especializada, em papel. Sentia necessidade de avançar para um posicionamento mais digital, mais robusto, dar um salto como marca (estávamos em 2007!) e prestei atenção às plataformas existentes na altura: pareceu-me tudo péssimo e desajustado da realidade. Ao mesmo tempo, já era leitora assídua da épica revista Martha Stewart Weddings, que coleccionei durante anos, e de vários sites e blogs americanos, que estavam a despontar, como o Style me pretty  ou o Once Wed, e pensei: é isto que faz falta, este formato, esta selecção, esta mensagem, esta visão sobre o casamento, com frescura, inovação, criatividade. Mastiguei mentalmente o assunto nos anos seguintes, fui perguntando aqui e ali (não sabia nada sobre sites, portais, quem os fazia, quanto custavam), até que encontrei uns potenciais parceiros de negócio e propus-lhes este desafio: e se fizéssemos um Style me pretty nacional? Já tinha um círculo amigo de parceiros e fornecedores com as mesmas características, necessidades e vontades, procurávamos uma plataforma com a qual nos identificássemos, em termos de ideias e linguagem, um serviço com um preço possível para ambas as partes e um espaço simpático, gentil, honesto e generoso, sério, profissional.

O Simplesmente Branco nasceu como essa casa: um espaço nosso e para fornecedores como nós, pequenos ou grandes, criativos, entusiasmados, fazedores de coisas bem feitas, empenhados em trazer frescura para o mercado, em torná-lo moderno, real e próximo dos noivos. Uma casa onde o talento podia crescer, onde todos os dias podíamos mostrar o melhor que se faz por cá nesta área, descobrir e mostrar produtos, serviços e ideias bonitas e especiais. Onde quem faz se pode mostrar a quem procura, porque também estes noivos precisavam de encontrar, a nível nacional, quem concretizasse os sonhos que tinham, precisavam de saber que por cá, também havia quem fizesse coisas tão bonitas como aquilo que viam todos os dias lá fora, que não era preciso suspirar com tristeza e escolher entre serviços desactualizados, impessoais e sem graça, que todo esse imaginário americano que nos entrava pelo ecrã adentro todos os dias, estava aqui, disponível à distância de um clique, de um telefonema, de um email ou de um café.

Estes primeiros anos foram muito mágicos, com muitos desafios, muitas aventuras amalucadas, que assentavam no puro entusiasmo de fazer! Criámos um mercado, criámos uma linguagem, abrimos caminho para que jovens fornecedores, muito talentosos, pudessem crescer, ter visibilidade, e da mesma forma estendemos a mão a noivos que estavam perdidos, sem descortinarem forma de concretizar a festa que tinham em mente, dizendo: encontrem-se aqui, esta é a vossa casa!

Este reshape profundo que demos ao mercado, é o meu maior motivo de orgulho: há claramente, um antes e um depois do Simplesmente Branco!

 

Passados 7 anos, como foi o caminho até aqui? 

Longo, árduo, frustrante algumas vezes, gratificante, muitas outras. Épico, sem dúvida!

Colocámos muitos desafios a nós próprios, quisemos sempre experimentar, fazer mais, melhor, diferente porque era à nossa medida, porque era a nossa cara, a nossa vontade. Acho que trouxemos liberdade, esse bem tão precioso: liberdade de pensar, liberdade de escolher, liberdade de decidir.

Olho para trás, e o caminho feito é imenso e de valor: 7 anos online significam mais de 5 mil posts escritos (e muitos milhares de imagens editadas), sem interrupção. São 10 showcases, com centenas de visitantes, entre Lisboa e Porto, são 5 revistas digitais editadas, com conteúdos integralmente nossos em mais de 200 páginas (a primeira S Magazine, que lançámos no primeiro aniversário, teve, na altura, mais de 100 mil visualizações), que continuam intemporais, um livro bonito e cheio de bons conselhos, editado a meias com a Maria João Soares, um directório seleccionado com mais de 100 clientes e mails bonitos de leitores que passam por aqui no seu caminho até ao mais bonito dos dias, que não conhecemos e que nos deixam palavras muito doces. Vimos crescer muitos projectos óptimos e ajudámos outros tantos a descolar, fizemos amigos pelo caminho, sempre sem ceder na qualidade ou na frontalidade. Acabámos de estrear um novo Simplesmente Branco, a terceira versão, nestes 7 anos.

Que viagem cheia, não?

 

Entrevista Susana Esteves Pinto Simplesmente Branco

 

THE MILLION DOLLAR QUESTION (tirem os papéis e as canetas, meninas!): Qual é o segredo para um casamento de sonho? 

“Conhecer os meus números”, sem dúvida alguma!

Meninas, sonhar em grande de bolso vazio é a viagem mais frustrante que podem fazer, por isso… não a façam!

Podem achar que é uma resposta cerebral para um assunto emocional, mas é o melhor conselho que vos posso dar.  Comecem por esta base sólida, que é o dinheiro disponível para gastar neste dia, e respeitem-na ferozmente. Terão certamente margem para surpresas agradáveis (como alguns presentes inesperados), evitarão discussões afogueadas ou momentos de aflição e o pós-festa não será feito de angústia e contas por pagar. Sejam realistas no planeamento e, no dia, tudo será leve, bonito, doce: são vocês, as vossas pessoas e todo o amor que vos liga, juntos, focados, em comunhão. Tal como deve ser. Perfeito.

 

 

Ao longo destes 7 anos de experiência, com que perspectiva ficas do mercado de casamentos em Portugal? Principais dificuldades, melhores qualidades, concorrência, os grandes desafios…

Com alguma arrogância bem-disposta, justificada pelo peso destes 7 anos online, diria que o mercado de casamentos em Portugal, graças ao Simplesmente Branco, passou de foleiro a cool, e isso é óptimo!

Numa nota positiva, é um mercado democrático, livre, muito criativo, muito capaz, não ficamos atrás de ninguém, em serviço, ideias e competência, e estamos sintonizados com as tendências. Somos globais!

Mas o grande desafio, claramente, continua a ser a profissionalização. Ninguém (ou quase ninguém) se formou nestes assuntos, somos autodidactas que aprendemos no terreno, sem que isso seja depreciativo, é um saber adquirido pela experiência, tão válido como qualquer outro. No entanto, por ser um mercado tão apetecível, em termos de acesso e rendimento, funciona bastante em roda-livre, sem balizas formais de qualidade, certificação ou profissionalismo e isso nem sempre gera bom resultado.

Falta boa vizinhança e diálogo – é a melhor forma de crescermos todos, e a moda recente de que os clientes estrangeiros é que são bons, que só se comunica em inglês (por muito coxo que seja), tem de desaparecer rapidamente, o cliente nacional é valioso e merece todo o nosso respeito e carinho, são quem sustenta o negócio, o que acontece quando Portugal sair de moda?

O Simplesmente Branco quer um mercado melhor (porque é mais interessante, mais frutuoso, mais desafiante), sempre o dissemos. Gostávamos muito que esse fosse um objectivo comum para todos os players, plataformas, profissionais. Fica o desafio lançado!

 

 

Para todas as noivas em aflição por este país fora, consegues partilhar “7 Dicas-Express” para quem quer arrasar na festa mais importante da sua vida?

 

Com certeza!

1. sintonizar o mindset certo para se levar esta viagem a bom porto: descomplicar!;

2. respeitar os números: saber o dinheiro que se tem e não gastar o que não se tem: é garantia de noites bem dormidas e essencial para a beleza da noiva!;

3. ser-se fiel a si próprio, sem ignorar totalmente a família e amigos que se tem: o compromisso é uma arte e tem consequências bonitas;

4. contratar um wedding planner profissional, seja para todo o processo, a última semana ou apoio no dia: é uma ajuda preciosa e um imenso anti-stress (e gestor de tensões!);

5. dizer que não, de forma firme, sem hostilizar ou magoar: às vezes é preciso e com gentileza e compreensão, é possível;

6. guardar tempo a dois, para aliviar os picos de tensão: parar, respirar fundo e relembrar o que vos trouxe até ali;

7. tomar um pequeno-almoço demorado e delicioso: um bem essencial para começar o mais bonito dos dias!

 

Entrevista Susana Esteves Pinto Simplesmente Branco

 

O que é que a Susana do Simplesmente Branco de hoje diria à Susana de há 7 anos e quais são os planos de futuro para o SB? 

“Abre a pestana, miúda!” – falhou-me algumas vezes…

A maturidade de hoje é equivalente ao entusiasmo de há sete anos – ambos são o alimento e uma resulta da outra. Tudo aconteceu de forma orgânica e muito natural (e com muito trabalho, claro, alguma sorte também), mas sem espaço para grandes dúvidas existenciais. O plano sempre foi e é, fazer bem feito, e esse foi o norte.  Não gosto demasiado de rotinas, e menos ainda de zonas de conforto, aprecio uma certa inquietação, procuro desafios de modo natural, orgânico, e foi dessa forma singela e intuitiva que cheguei aqui: fiz o que quis, como quis, quando quis – como o Frank Sinatra canta -, e isso é um luxo!

Quanto a planos, no imediato, é desfrutar desta nova casa e das mudanças, tão desejadas, que introduzimos nos conteúdos, no nosso trabalho quotidiano e na forma como chegamos às pessoas.

Para um futuro mais pensado, temos um plano muito específico e outro, ligeiramente vago, mas muito desejável. Mas são top secret, os dois, porque estão ainda em forma de semente e são projectos muito ambiciosos. Se e quando despontarem, terás o exclusivo da novidade, querida Marta!

 

Fotografias felizes da dupla Look Imaginary.

 

Save

Save

Save

Susana Pinto

Sejam muito bem-vindos ao novíssimo Simplesmente Branco

E abrimos oficialmente a porta para o novíssimo Simplesmente Branco: uma casa espaçosa e bem arrumada, cheia de luz e cor, à medida do nosso lema “menos é mais” e da nossa missão: juntar as caras-metades fornecedores/noivos.

Para festejarmos e agradecermos a quem de direito, escrevemos este post inaugural a duas mãos, partilhado entre mim e a Marta Ramos.

 

Começo eu!

Não foi fácil chegar aqui. Foi penoso, foi complexo e foi muito mais demorado do que o desejado. O processo matou muita da alegria da chegada, que acabou trocada por uma imensa sensação de alívio – não é pior, é apenas diferente-, e assim que tudo assentar e entrarmos na nossa rotina normal, o imenso orgulho que tenho por esta casa será contagiante. É ainda o cansaço a falar, por isso, não se preocupem!

Fechámos de facto uma porta, um ciclo, uma vida. Com esta mudança, tão desejada, não é apenas a casa que toma outra forma, serão também os conteúdos e a nossa forma de abordar o assunto “casamento”. Saímos do nosso caminho que estava a perder horizonte e passamos para um outro menos trilhado, mais contemplativo, às arrecuas do momento, até. Slow editing for slow reading. Encolhemos a agenda e optámos por ter conteúdos mais longos, assentes nos bons conselhos que a experiência nos dá. Eu passarei a escrever um artigo de opinião às quartas-feiras, intercalado com boas entrevistas aos nossos fornecedores, e as sextas-feiras continuarão com os belíssimos casamentos que publicamos desde o primeiro dia online. Sábados e domingos continuam dedicados as nossos prazeres pessoais: poesia, para a Marta, sapatos, flores e bolo, para mim.

Temos muitas outras novidades, a Marta irá comentar algumas e, durante a semana, falaremos com detalhe das ideias que implementámos e que acreditamos que serão pilares num futuro próximo: queremos muito saber a vossa opinião sobre elas!

 

Termino com os agradecimentos ao girl power que nos proporcionou esta casa tão maravilhosa, tão à nossa medida, tão aquilo que eu tinha na cabeça e que tão bem foi interpretado por este conjunto de mulheres.

Começámos pelo telhado: o logotipo. Como ponto de partida, decidi regressar à paleta de cores inicial (regressa sempre onde foste feliz, certo?): rosa blush e todas as variantes do tom até ao vermelho cereja, passando pelo coral, uma combinação vibrante e feliz. Juntei um descritivo e deixei nas mãos da Filipa Simões Freitas, da Lance Collective, que cumpriu o objectivo soberbamente.

Seguiu-se a criação dos ícones, feitos à medida, pela ilustradora Rita Antunes: delicados, modernos, elegantes. Perfeitos.

A Carmen Dias juntou tudo e desenhou o mais bonito site de sempre. Para quem não sabe, é a Carmen que desenha as nossas revistas S Magazine e The Destination, criou o logotipo da conferência “The Destination – international wedding conference – Lisboa 2016” e paginou o livro “Queres casar comigo? – guia prático para um dia muito feliz”. É a minha alma gémea designer, com uma doçura, humildade e disponibilidade que já não se usam hoje em dia. E um talento imenso.

 

Cocktail de gin para casamento

 

Façam o favor de entrar, sejam muito bem-vindos, todos os dias: tchim tchim!

Gin tónico de laranja sanguínea, com receita incluída, via White on Rice Couple.

 

Agora eu:

Quando a Susana me falou na ideia dela para a remodelação do SB, em Outubro do ano passado, eu fiquei super entusiasmada. Tinha voltado a trabalhar nesta casa após um ano sabático e começava logo da melhor maneira, com novidades que representam ideias vanguardistas, como sempre foram as ideias da Susana. Vanguardistas no sentido de resultarem de uma reflexão cuidada acerca do status quo; de se traduzirem na delineação de um caminho cuja linha de partida é muito lá mais à frente. Para onde é que queremos ir? De que é que precisamos para lá chegar?

Passado este tempo (muito mais do que desejaríamos) conseguimos agora ver plasmado no ecrã o resultado, com ajudas preciosas de muita gente cheia de talento. E a primeira coisa que vos saltará à vista será a mudança na nossa ‘porta da frente’: porque somos muito mais do que apenas um blog, queremos que tenham uma visão completa sobre a totalidade dos nossos conteúdos assim que chegam a www.simplesmentebranco.com.

Mas as novidades não ficam por aqui. Reforçámos a presença nas redes sociais, para vos acompanharmos não só no Facebook mas também no Pinterest, no Instagram e no Spotify. É verdade, até música vos damos! Também acrescentámos uma área destinada a parcerias de carácter solidário, com o objectivo de vos ajudar a transformar as lembranças dos convidados em actos de bem-fazer. E destacamos as ofertas e as promoções especiais que os nossos fornecedores tenham pontualmente para vos comunicar. Ah, e quanto aos nossos fornecedores, reparem que abrimos uma nova janela aberta a talentos emergentes e tornámos as fichas individuais mais bonitas e mais completas.

Há uma realidade neste meio: são vários os fornecedores de serviços para casamentos que decidem abraçar a carreira após eles próprios terem dado o nó. Se for esse o vosso caso, se se divertiram tanto a criar o vosso dia feliz que querem fazê-lo para outros, então mantenham-se atentos à nossa bolsa de emprego – e usem-na também para se apresentarem a potenciais empregadores. As melhores oportunidades são aquelas que nós próprios criamos!

 

Por fim, reparem que adicionámos um slider à homepage com testemunhos vossos. Difícil foi escolhê-los! Temos muito orgulho no feedback que recebemos dos nossos leitores e trabalharemos sempre para isto, para sermos verdadeiramente úteis nesta fase das vossas vidas e para ficarmos a fazer parte das vossas leituras mesmo após o casamento, simplesmente porque vos faz bem regressar a este lugar que vos apresenta coisas bonitas e bem feitas e, sobretudo, que vos respeita.

Espero que gostem tanto das novidades quanto nós. E agora, venha de lá esse gin, Susana: tchim tchim!Save

Save