Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Plano A – organização e decoração de casamentos nos Açores

Hoje voamos até aos Açores, para conversar com a dupla Cátia Leandro e João Gomes, da Plano A – organização e decoração de casamentos nos Açores.

Conheci o João e a Cátia no Wedding Lab Rio-Lisboa no Estoril, em 2017. Conversámos um pouco, falámos sobre muitas coisas e posso dizer que a empatia foi mútua e imediata. Fui acompanhando o seu percurso com atenção e vê-los crescer de forma consistente e audaz, no meio do Atlântico, onde os recursos materiais e humanos são mais desafiantes, tem sido um prazer. Há um golpe de asa que os leva sempre mais longe e há também uma postura focada, sensata e profissional. Juntas, esta é a melhor combinação para o sucesso, porque não espera validação de fora, é intrínseca: fazemos assim, porque essa é a nossa forma de estar.

Destination weddings não é uma prática nossa, regressamos a casa para casar, não vamos para de onde não somos.

Mas há uma magia muito própria nesta viagem de amigos e família para celebrar o mais bonito dos dias, temos falado muito nisso ultimamente. Casar nos Açores pode ser o meio-termo perfeito para uma experiência memorável e a Plano A o vosso parceiro mais que perfeito.

A melhor parte é ver tudo pronto, o brilho nos olhos dos noivos e o sorriso estampado no seu rosto. Perceber que fomos, realmente, o melhor investimento daquele casal. O maior desafio é também esse – superar as expectativas.

Contem-nos como começou esta aventura de organização e decoração de casamentos:

A ideia foi minha. Durante a faculdade, eu e umas amigas, colegas de curso, falámos em criar uma empresa de eventos (no 2º ano do curso, penso eu… e até tínhamos nome), mas não passou mesmo disso, de uma ideia…

Já depois de ter regressado à Terceira, um dia veio-me à memória esse projecto antigo de criar uma empresa de eventos e lembrei-me do quanto gostei de ir a um casamento ou dois, enquanto estudei no Estoril. E pensei, “é isto!”.
Contei ao João, que achou muita piada à ideia, estávamos em 2011… O tempo foi passando até que em 2012 o assunto voltou à baila: vamos avançar? E avançámos! Começámos a pensar num nome, numa imagem, a estruturar o site, a criar um email próprio e a definir as nossas ideias para nos podermos orientar. Ainda em 2012, fizémos umas festinhas pequenas para a família, para começarmos a ver algum trabalho. Em Fevereiro de 2013, oferecemo-nos para fazer a decoração das três salas do nosso restaurante preferido na Ilha Terceira. Foi aceite e, a partir daí, nunca mais parámos.

O João foi arrastado para a ideia, para o projeto, mas hoje é o João quem me arrasta diariamente com a sua força de vontade excecional e com a sua visão e foco!
A ideia sempre foi chegar aos casamentos e, cada vez mais, é nisso que trabalhamos, até porque o que estes exigem de nós retira-nos cada vez mais espaço e tempo para trabalharmos em diferentes tipos de eventos.

 

Organizar um casamento é coordenar tarefas e um orçamento, mas também gerir emoções e expectativas. Um destes lados pesa mais ou no meio está a virtude?

Gerir as expectativas é uma das nossas maiores responsabilidades, quem percorre o processo de organizar casamentos com a frequência com que fazemos vive um pouco de tudo, mas a experiência permite-nos fazer uma leitura do tipo de cliente que temos sentados à nossa frente e afirmar com segurança os caminhos a tomar e aqueles a evitar, para estamos a trabalhar em terra firme, o que é reconfortante. O nosso objectivo é descomplicar e ver o orçamento aplicado em coisas que façam sentido e acrescentem valor, criando assim festas que sejam aquilo que os noivos e convidados são, enquanto pessoas.

 

Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores

Têm uma perspectiva perfeccionista sobre o resultado ou é o prazer de acompanhar o processo que é o factor dominante?

Para mim o acompanhamento de todo o processo é o que me dá mais prazer. Procurar e escolher materiais, contratar fornecedores, fazer encomendas, controlar check-lists, acompanhar equipas, falar com os noivos de uma forma regular, perceber os seus anseios e acalmá-los, ajudá-los a encontrar respostas a questões que vão surgindo pelo caminho. Acredito que este processo é parte fundamental do sucesso do resultado final. Não deixo de ser perfeccionista por isso, muito pelo contrário, é através deste processo que reúno informações e ferramentas que permitem tornar o resultado final (ainda mais) perfeito.

O João, com o tempo, aprendeu a nunca dar nada por garantido, tem uma perspectiva maioritariamente perfeccionista, e só disfruta verdadeiramente da experiência quando tudo termina; até lá há sempre alguma coisa que o preocupa.
Durante os dias que antecedem o casamento, há uma estrutura proposta que parece ser de execução impossível; durante a festa há uma sessão fotográfica que infelizmente se arrasta no tempo, um bar que afinal não serve para o número de convidados; no dia seguinte com o cansaço alguma coisa corre mal e aí os acidentes podem acontecer. É um estado ao qual não consegue fugir (nem quer), até porque os dias que nos correram menos bem nunca se deveram a erros evidentes nem estruturais, aconteceram porque pormenores acabaram por influenciar o decorrer de um dia para o qual tanto trabalhámos.

 

Têm uma assinatura visível no vosso trabalho, um estilo próprio e favorito, ou o é a voz do cliente que define a totalidade do resultado?

Aqueles que nos procuram, conhecem bem o nosso trabalho, reconhecem facilmente o nosso estilo e é isso que os conquista e faz vir ao nosso encontro. Embora em cada festa apliquemos os gostos e os desejos dos casais, existe sempre um layer próprio do qual não abdicamos; é algo que vem de dentro de nós desde o primeiro dia e que nos tem feito seguir um caminho evolutivo, mas sempre fiel aos nossos princípios.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

As tendências fazem-nos evoluir, mas não são a nossa maior preocupação. Para além disso, muitas delas não nos cativam nem cativam os nossos clientes; o importante é criar sempre algo que seja confortável para todos. Para nós é preferível, inclusive, melhorar alguma coisa que já tenha sido feita no passado do que forçar algo que não encaixe, de todo, num determinado trabalho, só porque é tendência. Perceber o contexto e a envolvente em que as coisas vão ser feitas é fundamental; nós estamos nos Açores, toda a natureza que nos envolve tem uma alma e tons próprios. A introdução de tendências tem de ser feita com sensibilidade e critério, para que se enquadre de forma perfeita no nosso ambiente, que é muito próprio.

 

Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação aos vossos clientes?

Há sempre um contacto inicial, que muitas vezes acontece de forma não presencial, em que pedimos aos noivos algumas imagens e traços gerais daquilo que gostavam que fosse a sua festa de casamento; isso ajuda-nos, tanto a nos situarmos em relação à ideia dos noivos, ainda que vaga, como a ter uma estimativa dos valores com os quais vamos trabalhar.
Depois disso, passamos a um contacto mais directo e pessoal, através de reuniões; estas tendem a ser longas pois é importante falar de tudo, até porque não falamos apenas trabalho; é importante percebermos o máximo que nos for possível sobre a história deles. Preferimos até que estas reuniões tenham lugar no seu espaço/casa, pois, por vezes, elementos menos óbvios presentes no seu lar são fundamentais para elevar todo o conceito da festa.
Acontece depois o trabalho de pesquisa, com base naquilo que nos pedem, que é feito por nós os dois em separado; depois disso juntamos as nossas ideias, discutimos, deixamos de parte aquilo que achamos que não interessa ou não se enquadra e trabalhamos o que realmente interessa e faz sentido.
Com base nisso, desenvolvemos uma paleta de cores, um moodboard e, com isso, surge, então, o conceito da festa. Este conceito é trabalhado sob a forma de proposta criativa que funciona como um guião (tanto para os noivos como para nós) e que é usado para orçamentar e gerir todo o projecto.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

O processo de inspiração é contínuo. A inspiração tanto pode surgir de uma pesquisa, como pode ser algo que surge fora do contexto de trabalho. Ou seja, tudo pode servir de inspiração: o que nos rodeia, as pessoas, a vida: a nossa, a da nossa família, a dos nossos casais. As relações, sejam elas pessoais ou profissionais, trazem-nos experiências e vivências únicas e isso, claro, também é inspiração.  À terra, seja a uma escala mais global ou a uma escala mais local, às nossas raízes, cultura e tradições. E claro, à Internet, à música, à imagem.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Na Francisca, a nossa filha. É ela que nos inspira e nos dá forças para, todos os dias, continuarmos esta jornada de vida que escolhemos construir.

 

Qual é a melhor parte de organizar um casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é ver tudo pronto, o brilho nos olhos dos noivos e o sorriso estampado no seu rosto. Perceber que fomos, realmente, o melhor investimento daquele casal. O maior desafio é também esse – superar as expectativas.

 

Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores Plano A - organização e decoração de casamentos nos Açores

Qual foi o casamento que mais gostaram de criar? Porquê?

O meu casamento preferido foi o da Vanessa e do Luís, no dia 8 de setembro de 2018. Do ponto de vista estético e conceptual, não foi o “mais perfeito”. E foram feitos alguns compromissos, em plena consciência, nossa e dos noivos, por questões de orçamento, pois tinham quase 300 convidados (confirmados). Mas este casamento teve algo mágico que não sei se alguma vez voltaremos a viver: a dimensão humana. A dimensão humana dos noivos – dos contactos que troquei com eles ao longo dos vários meses que antecedem o casamento, e a dimensão humana da festa (nunca me tinha acontecido estar num casamento com quase 300 pessoas e sentir que todos – mas mesmo todos – estavam ali de corpo e alma, a viver aquele dia ao máximo, a partilhá-lo do fundo do coração com a Vanessa e com o Luís. Este dia, e a caminhada com os noivos até este dia, é daquelas experiências inexplicáveis; só lá estando, mesmo. Eu estive e saí muito mais rica!

Para o João, foi o da Magda e José, a 1 de setembro de 2018. Foi um processo que começou de forma difícil, surgiram vários desencontros entre ambas as partes, fomos apanhados numa fase complicada da nossa vida pessoal e profissional, que nos ia atirando para um verdadeiro pesadelo. Apesar de tudo isso, o resultado deste casamento foi aquele que eu considero o casamento mais bonito que alguma vez criámos; o cuidado com que as coisas foram feitas, e a graça de uma série de coisas simples e bem conjugadas, ofereceu-nos um dia pelo qual esperávamos há muito. Penso que foi uma festa que mudou para sempre a vida da nossa empresa.

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê:

 

Orgabização e decoração de casamentos nos Açores: Plano A Eventos

Esta perspectiva da decoração da mesa utilizada no editorial ‘Love Tale in Azores’, é uma imagem bonita cuja história significa muito para nós, mostra bem a evolução e o nível com que trabalhamos actualmente e projecta-nos para um futuro com uma qualidade cada vez maior no nosso trabalho.

O que nos move é o amor!

 

Contactem a Plano A, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contactocom a Cátia Leandro e o João Gomes, directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem e, na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

No vale das laranjas, por Diana Nobre

Hoje a fotógrafa Diana Nobre convida-nos a um passeio até ao Minho para assistirmos, através das suas imagens, ao casamento da Ivone e do Luís, que teve lugar no passado Outono, no Solar da Levada, em Amares. Se não conhecem esta zona, num bonito vale formado pelos rios Cávado e Homem, aconselho-vos vivamente que programem um passeio até lá, mais ainda nesta altura do ano, em que a paisagem está exuberante. Para além do verde, cor que sabemos tinge todo o Minho, há outra cor generosamente distribuída pela paisagem de Amares, sobretudo entre Maio e Agosto, e que corresponde a um sabor divinal. Será que nunca ouviram falar nas laranjas de Amares? São verdadeiras obras de arte, sumarentas, deliciosas! É um dos produtos principais da região, a par, claro está, do Vinho Verde. Devo dizer-vos que, há muitos anos, bebi em Amares uma sangria de vinho verde e laranjas que nunca consegui igualar.

Bem, não sei se houve desta sangria específica no casamento da Ivone e do Luís, até porque casaram em Outubro e essa época já não corresponde ao auge das laranjas locais, mas terá certamente havido Vinho Verde. Conta-nos a Diana que, apesar de ter chovido bastante nesse dia, foi uma festa muito alegre e muito envolvente, com todos os familiares e amigos do casal a partilhar da sua felicidade. E o casal não se deixou intimidar pelas condições atmosféricas, levando a fotógrafa a segui-los num pequeno passeio a dois até à belíssima ponte granítica do Porto, sobre o Rio Cávado, construída no séc. XIV e classificada como Monumento Nacional.

Vamos espreitar? E brindar com eles, claro!

 

Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana NobreCasamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana NobreCasamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana NobreCasamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado de Diana Nobre para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com ela,  contem-lhe as vossas ideias e aquilo que gostavam de ver imortalizado em imagens. Se há coisa de que a Diana gosta é de um bom desafio.

Marta Ramos

Amor é diversão, por Paulo Castro Photography

A Ana e o Miguel casaram em Penafiel, em Setembro de 2018, e mal começaram a organizar o casamento partilharam a mesma visão para o grande dia: que seria único, muito divertido, e que estariam rodeados de pessoas especiais. Claro que, como em todos os processos desta envergadura, passaram por alguns contratempos, mas nada que não tenham conseguido resolver juntos. Agora que olham para as memórias do seu dia feliz, reconhecem que o resultado não foi exactamente aquele que tinham imaginado, mas isso não quer dizer que tenha sido pior, antes pelo contrário: as expectativas foram superadas, com a ajuda dos profissionais que escolheram, mas também de familiares e amigos, e é com emoção que guardam todas essas memórias. De tal forma que não mudariam nada, se pudessem voltar atrás no tempo. Para o casal, os picos sentimentais do casamento foram a entrada na igreja e o vídeo com que os seus convidados os surpreenderam. E o pico de diversão foi o convívio com todos os que escolheram para partilhar consigo esse momento tão marcante.

O mais importante para nós era que aproveitássemos o nosso dia e que toda a gente estivesse na mesma sintonia de diversão.

Paulo Castro Photography foi a escolha da Ana e do Miguel para guardar estas memórias felizes em imagens.

 

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado Paulo Castro Photography para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com o Paulo, ele está à vossa espera para contar a vossa história real através de imagens naturais e carregadinhas de emoções.

 

Marta Ramos

Miramar, praia das rosas, com Diana Nobre

Sempre que penso na Praia de Miramar, em Gaia, vêm-me à ideia duas coisas: uma, claro, aquela cinematográfica Capela do Senhor da Pedra, assente num rochedo em pleno areal, a fazer lembrar o magnífico Monte Saint Michel, na Normandia; e — já que falei em cinema  — um misterioso documentário curto que Manoel de Oliveira ali rodou nos anos 30 do século passado, narrado pela calorosa voz de Fernando Pessa, do qual, durante muito tempo, se desconheceu o paradeiro. Não sei se alguma vez chegou a ser encontrada uma cópia desse «Miramar, Praia das Rosas», mas imagino sempre que ouço a voz de Pessa quando olho para aquela capela a ser abraçada pelo mar.
Foi neste cenário algo fantástico que Diana Nobre fotografou a e-session da Marta e do Luís,  na véspera do seu casamento:
«Um casal incrível, é impossível não reparar na química que existe entre os dois, a maior parte do tempo foi como se eu nem ali estivesse. Sentíamos o amor, a felicidade destes dois. A Marta é uma mulher fora de série, super brincalhona, sem formalidades, e o Luís é super simples, brincalhão e tranquilo. Foi muito fácil fotografá-los, sempre divertidos e à vontade, e isso, sim, é o que dá magia às imagens, sem dúvida alguma!
E o casamento, que depois irei partilhar convosco, ficou melhor ainda!»

 

E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre

Já escolheram o cenário para a vossa sessão fotográfica pré-casamento? Optem por um local onde ambos se sintam descontraídos e procurem ignorar ao máximo a câmara: aquilo que quererão recordar daqui a muitos anos é aquela luminosidade que rodeia os casais nesta fase tão especial das suas vidas, e isso não precisa de nenhuma pose especial. Só precisa que sejam vocês mesmos.

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado de Diana Nobre para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com ela,  contem-lhe as vossas ideias e aquilo que gostavam de ver imortalizado em imagens. Se há coisa de que a Diana gosta é de um bom desafio.

Susana Pinto

À conversa com: DJ Nuno Rodrigues – Dj para casamentos

Hoje conversamos longamento com o DJ Nuno Rodrigues, DJ de casamentos mas não só.

O Nuno Rodrigues é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco há muito tempo e é presença activa nos showcases que temos organizado.

Hoje falamos sobre o seu percurso até aqui, sobre a importância de ter uma assinatura e posturas profissionais na pista de dança, e o que gosta de ouvir.

Fiquem também a conhecê-lo melhor!

Sentir a energia do meu local de trabalho, na cabine, sentir  e ler o público, ver os sorrisos  na cara das pessoas, as emoções que conseguimos criar com cada tema que sai do sistema de som, sentir que tudo isto parte de mim… É fascinante!

Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

Sempre gostei de muito de música, em casa dos meus pais tinha muitos problemas com os vizinhos, estava sempre a ouvir música bem alto para sentir o “beat”, organizava festas com os meus amigos e o DJ era sempre eu, adorava trabalhar com a música e mexer nos discos e cassetes, era o que se usava na altura e a magia do DJ era mais respeitada.

Lembro-me de um Carnaval que organizámos, acho que tinha uns dezasseis ou dezassete anos… convidámos muita gente, amigos, familiares, até fizemos publicidade e o evento correu muito bem até ao meio da noite, quando a aparelhagem que o meu pai me ofereceu, queimou. O entusiasmo foi tanto que forcei demasiado o sistema de som, e a partir daí fiquei com a noção que o equipamento tem sempre razão!

Quando saía à noite ou ao domingo para as matinés, ficava sempre ao lado da cabine do DJ, sempre!!! Ficava fascinado com todo o trabalho e dedicação que é posto na pista de dança.
Festas da escola, de garagem, lá estava eu, sempre na cabine! Não digo que nasci para ser DJ, mas descobri que o queria ser, que queria sentir a adrenalina de ver as pessoas a dançar à minha frente, com a minha seleção musical.
Quando tive a minha primeira oportunidade para pôr música num bar noturno, aproveitei ao máximo, embora não tivesse o aval dos meus pais por inteiro, lá fui eu.
Ao entrar na cabine, vi tantos discos, tanta música, senti uma responsabilidade enorme!

Depois, fui aprendendo a ser mesmo um DJ e a trabalhar realmente com a música, os gira-discos, a mesa de mistura, as luzes. A sentir a energia do meu local de trabalho, na cabine, sentir  e ler o público, ver os sorrisos  na cara das pessoas, as emoções que conseguimos criar com cada tema que sai do sistema de som, sentir que tudo isto parte de mim… É fascinante!
Aprendi também que, para que tudo aquilo seja possível, existe um trabalho de equipa, um trabalho prévio de preparação, pesquisa e elaboração de condições para que as pessoas sintam predisposição para se divertirem.

 

DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues

Animação noturna e casamentos –  sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

O percurso da minha carreira como DJj, foi normal. Foi evoluindo, passei por vários espaços de diversão noturna e eventos ao ar livre. Sempre gostei de ser residente e criar laços com os clientes, trabalhei numa rádio local, tinha parceria com algumas editoras de música para fazer distribuição de música promocional aqui no Norte, em bares e discotecas, recebia música nova em primeira mão.

Os casamentos vieram por mero acaso. No meu primeiro casamento, trabalhei com música em vinil, estávamos numa altura em que apareceram os CD e a transição de um formato para o outro não era fácil porque não existiam aparelhos onde conseguíssemos fazer misturas com a mesma facilidade.
Foi uma experiência diferente porque a música ao vivo era predominante naqueles tempos e os convidados achavam estranho estar ali um tipo a passar música, não a cantar.

Inicialmente não gostava de por música em casamentos, o DJ não era bem visto nessa altura neste tipo de eventos, e não era compatível com as discotecas e bares onde eu estava residente. Inevitavelmente, os convites começaram a surgir porque começou a ser diferente e a estar na moda ter um DJ num casamento, e o nosso trabalho foi valorizado por ser mais abrangente e versátil.
Comecei a ganhar gosto e a arranjar forma de conciliar casamentos com bares e discotecas. Estive ligado a duas empresas de animação durante muito tempo mas deixei de me enquadrar no conceito e optei por entrar no mercado sozinho, criando a minha imagem, conceito e postura.

 

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

A necessidade da procura de novidades e novos estilos é uma constante, mesmo em lazer. Estou sempre atento à música, seja no rádio do carro, em bares ou em casa. Com as novas tecnologias torna-se tudo mais fácil, mas existem aqueles dias em que é preciso desligar para fazer um refresh. Aí, desligo completamente e não ouço nada.

A música é, para mim, um vício, gosto de estar no meu estúdio em casa a ouvir os discos da minha coleção, os CD que guardo com carinho, às vezes dou por mim e estou horas e horas a mexer nos discos. Ainda compro vinil daqueles temas e bandas de que gosto.

 

DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues

Gosta dançar ou prefere ouvir? Como se mantém actualizado?

Estou sempre actualizado com os temas actuais e os intemporais, e, estando no ativo noturno, leva-me a estar mais atento ainda, por isso tenho várias formas de o fazer. O formato digital é um grande facilitador.

Não sou muito de dançar, embora me divirta em trabalho, prefiro fazer as pessoas dançar, torna-se mais divertido. Mesmo quando saio com amigos, fico atento à música, mas divirto-me na mesma.

 

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

Actualmente trabalho em vários segmentos do mercado: eventos corporativos, sociais, particulares e públicos. Na pista de dança não importa o tipo de festa, desde que as condições sejam boas, as pessoas libertam-se e divertem-se.
Num casamento, o ambiente é mais intimista, familiar, dois factores importantes para a pista de dança e, o que me fascina neste tipo de eventos, é que conhecemos pessoas e espaços diferentes, nunca é a mesma coisa.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Uma grande noite faz-se com bom ambiente, boas condições para que pessoas estejam predispostas para a festa. A música faz o resto.

 

DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

Cada evento é um desafio, tornando-se gratificante porque criamos ligações e emoções a fazer as pessoas felizes e é assim que chego a novos clientes. 90% dos novos clientes chegam até a mim porque gostaram daquela festa, da minha postura, do meu conceito. Isto é a melhor publicidade!

 

Como cria a playlist para o seu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um pesa mais do que outro?

Cada festa é uma festa e são todas diferentes. Não tenho uma playlist para tudo, é um processo feito em tempo real e de improviso, respeitando os gostos e objetivos dos clientes. Existe sempre, também, um trabalho prévio de preparação para cada evento, e pesa significativamente, de outra maneira não fazia sentido.

 

Se voltasse a casar, com que música abria a pista?

Nat King Cole, L.O.V.E. Sempre me identifiquei com este tema e estilo musical, tem tudo haver com o momento.

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

É um tema a que volto sempre e tem tudo relacionado com festa, amigos, dança e o quanto a vida é bela com música: Lionel Richie, All night long.

 

 

Contactem o Nuno Rodrigues, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto, directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem e, na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Ana, Emanuel e A Pajarita: um casamento feliz

Hoje damos a palavra à Ana, que casou com o Emanuel em Outubro de 2018, e que encontrou no trabalho da Alexandra Barbosa — A Pajarita — a expressão exacta de todas as emoções que sentiu, que sentiram ambos, nessa fase bonita das suas vidas:

«Sempre sonhei, como qualquer mulher, casar. O Emanuel, nos seis anos de namoro, nunca me falou no casamento, sendo que eu sabia que algum dia iria chegar o anel. E chegou, no dia do meu aniversário. Nervoso, com o anel no bolso, o Emanuel soltou uma frase no fim do almoço que até hoje creio ser a coisa mais bonita que ouvi dele: “Queres ser a mãe dos meus filhos?”

Mais do que afirmar junto de quem mais gostamos o compromisso de nos amarmos e respeitarmos para o resto da vida, acho que o casamento teve um significado particular para nós. Sempre quisemos juntar numa sala todos aqueles que eram a nossa “família”. E assim foi, juntámos cerca de 168 pessoas numa sala para comemorar o que temos de melhor, a “família” e o AMOR que sentimos uns pelos outros.»

Encontrei por acaso a página d’ A Pajarita e senti que era mesmo o estilo que me cativava, simples, requintado e subtil. Para além do bom trabalho que é desempenhado, a querida Alexandra é uma pessoa fácil de se gostar.

«Imaginámos de imediato como seria o convite. Leve, claro e com um toque especial. E aí estava, o convite que idealizei e de que tanto gostamos, com um “esfumado” que revela a magia que este sonho representava para nós. De imediato percebi que teria que ser a Alexandra a encarregar-se também das flores. Confiei cegamente no seu trabalho, e hoje acho que foi o bouquet perfeito para mim. Desde o bouquet aos arranjos florais da igreja, senti que tudo tinha um “cunho” especial, cheio de carinho e dedicação, o que me fez sentir um bem-estar no dia mais especial da minha vida.»

Vamos ver o resultado final? As fotos são assinadas por Love and Thanks.

 

«Depois do “sim”, ali estávamos nós, casados e prontos para celebrar. O sonho tornou-se real e todos os de quem mais gostávamos estavam ali sentados, numa sala. Ficou na memória o rosto de cada convidado que transbordava felicidade e carinho por nós. Ficam as memórias, as fotografias e a alegria de ter feito o casamento dos meus sonhos e com as pessoas que hoje são a nossa FAMÍLIA. Obrigada!»

Todo o estacionário (convites, menus, etiquetas para as canecas do seating plan, cones), o porta-alianças, as flores e o bouquet têm assinatura A Pajarita . A fotografia e o vídeo ficaram a cargo de Love and Thanks. O espaço do casamento foi a Quinta Cristalina e a noiva vestia Pronovias, enquanto que o noivo vestia Prassa.

Não deixem de ler todos os artigos que já publicámos sobre o trabalho d’A Pajarita. E falem com a Alexandra sobre o tipo de casamento que imaginam; ela terá muito gosto em inspirar-se nos vossos desejos para dar asas à criatividade.

Marta Ramos

Nova montra Pedro Filipe Fotografia: memórias e emoções

As galerias das fichas de fornecedor seleccionado são como montras do trabalho dos profissionais que escolhemos para vos recomendar. Hoje destacamos a renovação da montra Pedro Filipe Fotografia.

Pedro Filipe Fotografia é a marca do Pedro e da Cátia, um casal apaixonado que se baseia nas emoções para criar fotografia e vídeo para pessoas apaixonadas. Com um estilo que combina fine art, fotojornalismo e retrato, privilegiam o improviso, a originalidade e o imediato, sempre em busca dos momentos em que poucos reparam: olhares que falam, gargalhadas e pequenos detalhes que contam a história dos sentimentos vividos num dia tão especial como o do casamento.
Recorrem quase exclusivamente à luz natural e ultimamente dedicam-se à reportagem de casamentos por acreditarem que nada é mais mágico que congelar uma história de amor no tempo e no espaço.
Vivem em Esmoriz (Aveiro) mas deslocam-se por todo o país e mais além. O mundo é o seu objectivo.

Escolheram trabalhar na área dos casamentos um pouco por acaso. «Inicialmente eu fotografava apenas para mim», conta o Pedro, «mas quando fotografei o primeiro casamento com a Cátia, rapidamente descobrimos que não íamos parar. As memórias que oferecemos e as emoções que recebemos são muito viciantes.»
Orgulham-se de ficar amigos dos noivos com quem trabalham: «São pessoas que escolheram partilhar connosco momentos únicos e irrepetíveis. Só com esta entrega mútua é que é possível registar imagens fidedignas e genuínas. Orgulhamo-nos também de termos algo que é realizado à nossa imagem e medida.»
Vão procurar inspiração a muitos sítios: «Desde filmes, séries, arquitectura… a trabalhos de fotógrafos de outras áreas, como o Steve McCurry ou o Sebastião Salgado. Vamos também recolher muita inspiração à fotografia de rua. Lá encontramos tantas histórias e momentos únicos.» E quando olham para o futuro, vêem-se a «fotografar casamentos! A contar histórias com as nossas imagens. A chorar de alegria e de emoção. A dançar com os noivos no fim de um dia de trabalho. Ter a fantástica oportunidade de criar memórias de um dia único, como é o casamento, é algo que não nos vemos a conseguir largar.»

Seleccionámos algumas das imagens mais recentes da galeria, mas depois não deixem de ir ver todas à ficha de fornecedor seleccionado.

 

Fotógrafo de casamento no Porto: Pedro Filipe Fotografia

Fotógrafo de casamento no Porto: Pedro Filipe Fotografia

Fotógrafo de casamento no Porto: Pedro Filipe Fotografia

Fotógrafo de casamento no Porto: Pedro Filipe Fotografia

Acompanhem os nossos posts acerca do trabalho da dupla Pedro Filipe Fotografia, tanto em fotografia como em vídeo – e falem com o Pedro, que está à vossa espera para vos oferecer memórias.