Created with Sketch.
Marta Ramos

Flores brancas, por Flor de Laranjeira

A Inês e o Paulo queriam uma atmosfera leve e doce no dia do seu casamento, pontuada com pormenores carregados de emoção. A Teresa, da Flor de Laranjeira, encarregou-se de concretizar os seus desejos e orquestrou as flores do dia do casal com delicadeza e muita atenção aos detalhes.

A preferência dos noivos era clara: flores brancas. A Teresa optou por  peónias, lizianthos, scabiosa, rosas e um toque de cor trazido por uma mistura de verdes cuidadosamente seleccionada, que incluía ramos de oliveira (um pedido especial da Inês) com direito a azeitonas e tudo. Das suas mãos hábeis saíram o bouquet, flores para a lapela do noivo, corações de oliveira para as crianças anunciarem a entrada da noiva e um arranjo para o altar da igreja: «Neste arranjo a doce e simpática noiva pediu-me que incluísse as velas de baptismo dos dois.»

O objectivo era que o resultado fosse simples e descontraído. Vamos ver como ficou? As fotos são de Ricardo Catarro Photography, outro fornecedor seleccionado SB.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vejam aqui OUTROS TRABALHOS DA FLOR DE LARANJEIRA e FALEM COM A TERESA. Ela terá todo o prazer em ouvir as vossas ideias e conhecer os vossos gostos, para depois poder transformá-los num ambiente cheio de graça e de significado.

Marta Ramos

Coro Génesis ao vivo em Lisboa e em Gaia

O Coro Génesis é um grupo profissional especializado em executar momentos de música em todo o tipo de cerimónias protocolares. Apresenta-se em diferentes formações, desde dueto com voz e piano, a um coro com orquestra, adaptando-se a diferentes espaços e orçamentos. A variedade de repertório permite-lhes executar músicas de estilos muito diferenciados: clássico, gospel, pop, jazz. Nos últimos anos tem sido constantemente solicitado para casamentos e as suas prestações resultam maravilhosamente em todos os ambientes, desde igrejas até espaços abertos.
No início do mês de Fevereiro, terão duas ocasiões para assistir ao vivo às diferentes formações que o Coro Génesis sugere para cerimónias de casamento litúrgicas e civis. Em Lisboa, no sábado, dia 3, às 17h, na New Music School (tel. 214005852). E em Gaia, no domingo, dia 4, às 17h, na Academia de Música de Vilar do Paraíso (tel. 227110249).

Atenção que a entrada é livre nos dois eventos, mas requer marcação prévia através do email
corogenesis@corogenesis.net. Reservem os vossos lugares e não percam a oportunidade de conhecer os vários membros do Coro Génesis, ouvir as diferentes propostas de actuação ao vivo que eles têm para oferecer, e ainda trocar umas ideias sobre o funcionamento de uma cerimónia de casamento na igreja ou pelo civil.

Escolhemos ser profissionais de casamento porque a música na cerimónia de casamento (litúrgica ou civil) necessitava de mais profissionalismo e de um tipo de grupo que apostasse em repertório de estilos variados, alegres e alternativos.

 

Os elementos do Coro Génesis orgulham-se de terem feito parte, até hoje e com muita honra, de mais de 1000 casamentos, e de serem considerados o grupo de referência em Portugal na música para a igreja ou para a cerimónia civil de casamentos. Vão procurar inspiração aos sorrisos e à emoção dos noivos provocados pela música na cerimónia, algo que só esta arte consegue fazer.
Acompanhem os posts que vamos publicando acerca do Coro Génesis e falem com o Ernesto Coelho sobre a banda sonora do vosso momento mais feliz.

Susana Pinto

À conversa com: Golden Days Wedding Photography, fotografia de casamento

Esta semana conversamos com o Rui Gaiola, que assina como Golden Days Wedding Photography, sobre fotografia de casamento.

O trabalho do Rui Gaiola tem sempre uma luz em tons de caramelo que dá um calor adicional às imagens bonitas que capta. Para mim, têm a nostalgia das fotografias de verão dos anos 70, a década em que eu fui criança, captada nos rolos Kodak, e este registo que se afasta largamente da estética fine art, tem uma naturalidade e intimidade que são fascinantes.

O Rui conta-nos o que andou a fazer até lançar a Golden Days Wedding Photography e como construíu esta assinatura tão especial. É só ler o que se segue!

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Desde cedo que estive ligado às artes e foi por esse caminho que segui na minha formação académica. Fiz a minha formação toda em design gráfico e seis meses depois de começar a trabalhar num atelier de design, percebi que não era aquilo que queria fazer para o resto da vida. Passar o dia em frente a um computador, sem horários e com uma pressão constante para criar, não era de todo o que ambicionava profissionalmente. Ainda passei pela parte das artes gráficas e impressão, que é uma área que eu adoro, mas também durou pouco tempo. À procura de uma área que me preenchesse, cheguei à fotografia. Comecei na fotografia muito generalista, mas em pouco tempo já estava com o bichinho de fotografar casamentos e aqui estou eu.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Esta resposta vem na continuação do meu percurso até chegar aos casamentos. Foi na fotografia de casamento que encontrei o maior equilíbrio entre o que gosto de fazer, o que sei fazer e o que me reliza pessoal e profissionalmente. Foi um percurso longo, com muitas tentativas e erros, até chegar aqui. Depois, tão ou mais importante, é o que conseguimos construir com os nossos clientes, desde a ligação pessoal que criamos, o trabalho que conseguimos fazer e entregar, até ao feedback incrível que por vezes recebemos. Tudo isto é muito raro e difícil de reunir numa só profissão. Comecei o meu percurso na fotografia “generalista” em 2010 e comecei a fotografar casamentos mais a sério com a Golden Days Wedding Photography em 2014.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

É verdade que a velocidade e a quantidade de informação a que temos acesso em qualquer lado é assustadora, por isso é tão importante, pelo menos para mim, conseguir afastar-me dela para ser selectivo no que consumo. Não é fácil, mas funciona. A inspiração vem das viagens que faço, dos fotógrafos (de casamentos e não só) que sigo, dos amigos que me rodeiam e com quem partilho ideias e conhecimentos, e, claro, de toda a cultura visual que consumo, revistas, livros e cinema.

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Como construíste a tua assinatura, como a defines?

Somos todos “reféns” da nossa educação, das nossas vivências e da nossa cultura geral e visual. A minha forma de fotografar e o meu estilo resultam da mistura de tudo isso. Não sou estratega nem calculista ao ponto de me posicionar ou conduzir o que faço para uma linguagem ou um estilo especifico. Basicamente, ela acontece naturalmente e só a consigo identificar quando páro, me afasto e olho para trás, e é aí que consigo perceber que há ali uma linguagem e um fio condutor no meu trabalho, mas é um processo natural. Definir o que fazemos é sempre difícil e delicado, mas em poucas palavras, apontaria para um estilo fotográfico descontraído, natural e focado em emoções e momentos.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

Viajo. É sem dúvida o melhor reset que posso fazer. Natureza, florestas e montanhas, com neve de preferência, companhia, uma máquina fotográfica e um carro – é esta a minha receita. Consigo desligar de tudo, emails, edição, reuniões e até da rotina quotidiana que tenho.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

É sem dúvida diferente, não quer isto dizer que seja melhor ou pior.
Portugal é um pais com muita história, com muitas tradições e protocolos e nem toda a gente tem coragem de romper, e isto não deixa de ser uma limitação para casamentos mais simples e alternativos. Quem decide sair do seu país para vir casar a Portugal, vem com o espírito aberto para criar um casamento à sua imagem, com muita liberdade e sem limitações, e eu acho que esta é a grande diferença. Eu acredito que o mesmo acontecerá com um casal Português que decida casar noutro país, vai ter de certeza um casamento totalmente diferente do que se casasse em Portugal. Da parte criativa é sempre desafiante fotografar casamentos diferentes do nosso “clássico“ tradicional português, mas isto tanto se aplica a casamentos de estrangeiros como de portugueses.

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

Eu acredito que a ligação com os meus clientes acontece quando eles se cruzam com o meu trabalho, quer seja no site, ou nas redes sociais. Apesar de não ter um estilo de fotografia fracturante, acredito que é diferente o suficiente para que os clientes se identifiquem e tenham interesse  em me contactar ou percebam que não é nada daquilo que procuram.
O processo de trabalho é o normal nesta área, primeiro contacto, emails, reuniões, sessão, casamento e entrega. O que eu tento, é que, tanto para mim como para os noivos, este processo seja o mais prático e simples possível. Ao mesmo tempo, gosto de ser muito transparente logo na fase de contacto inicial, para que eles percebam o meu método de trabalho. Gosto também que eles me conheçam e de os conhecer melhor, pois faz toda a diferença no dia do casamento.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Casamentos pequenos sem dúvida, nacionais ou estrangeiros é-me indiferente, desde que eu me identifique com o casamento e o casal se identifique com a minha fotografia, perfeito.
Quanto às cerimónias, eu adoro fotografar e presenciar cerimónias em que sinta que era mesmo aquilo que os noivos queriam, que sinta que eles estão a viver o momento de coração cheio, e isso geralmente sente-se, isto não implica que seja obrigatoriamente uma cerimónia emotiva. A festa é um momento de descompressão para toda a gente mesmo para quem trabalha, e uma festa animada e divertida é contagiante mesmo para quem capta o momento e é garantido que dá boas imagens com bons momentos. No entanto,  há uma coisa curiosa, durante o dia sinto que consigo sempre dar mais de mim e da minha visão, e  captar o dia de uma forma especial, enquanto que na festa apenas consigo dar o que a festa me der a mim, não consigo inventar muito, por isso quanto melhor for a festa a nível de DJ, música, luzes e participação dos convidados, (muitos ou poucos), melhor será o resultado.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

Para mim há duas coisas no que se refere “a melhor parte de ser fotógrafo de casamentos”: o estilo de vida que conseguimos ter – somos gestores do nosso trabalho e do nosso tempo, e isso para mim tem muito, muito valor;  o facto de conseguirmos construir algo único, inicialmente com duas pessoas (o casal), mas também com a família e amigos num dia tão especial e irrepetível. Ter a oportunidade de registar momentos e sentimentos que além de não se repetirem, ficam para o resto da vida, é incrível.
O mais desafiante e difícil é aquilo que não se vê, mas que é igualmente importante – o trabalho de backoffice. Temos de responder a emails, reunir, acompanhar e aconselhar os casais, comunicar nas redes sociais, gerir o site (actualizar, publicar ou até programar), ser contabilistas e tesoureiros, e, por fim a parte mais visível, fotografar e editar o nosso trabalho. Temos que saber um pouco de tudo e, como é óbvio, é difícil ser minimamente bom ou competente em todas estas áreas. Esta parte invisível é, sem duvida, desafiante e exigente.
Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Tenho sempre dificuldade em escolher imagens favoritas, porque acho sempre que é difícil conseguir ter o que é importante para mim na fotografia de casamento, numa imagem só. Mas acabei por escolher esta que por acaso é bastante recente e que reúne muitos dos elementos com que me identifico e me enche a alma.

 

 

Os contactos detalhados do Rui Gaiola – Golden Days Wedding Photography, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria e contactem-no directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Está aí o Wedding Weekend Quinta da Quintã 2018

Na Quinta da Quintã, o arranque de um novo ano combina sempre com um wedding weekend: dois dias de portas abertas ao público, para uma demonstração ao vivo do espaço mas também do trabalho do leque de fornecedores exclusivos da quinta. É já este fim-de-semana que decorre o Wedding Weekend Quinta da Quintã 2018, sendo o sábado dedicado apenas aos clientes (mediante convite) e o domingo aberto a todos os interessados, entre as 15h00 e as 19h00. Um programa altamente recomendável, já que se trata de uma quinta belíssima, com anfitriões muito agradáveis, e onde poderão encontrar também alguns fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, como os  Pixel, a  Bridal’s Boudoir e a Jenny Makeup Land.

 

wedding weekend quinta da quintã 2018

 

Com localização privilegiada entre o Porto e Santa Maria da Feira, a Quinta da Quintã oferece à realização de eventos um espaço elegante e versátil, aliado à prestação de um leque de serviços seleccionados. A equipa promove um acompanhamento positivo, pontuando com ideias frescas e originais o planeamento de cada evento. Para saberem mais sobre este belo espaço, o que por lá se faz e como se faz, façam-lhes uma visita este fim-de-semana!
ACOMPANHEM OS NOSSOS POSTS acerca do trabalho da Quinta da Quintã. Já este ano vos trouxemos um belíssimo casamento que lá teve lugar: a festa simples, elegante, emocionante, divertida, calorosa da Filipa e do André. Para ver (e/ou rever) aqui!Save

Marta Ramos

Damos as boas-vindas: Lourenço Wedding Photography!

As boas-vindas de hoje são dadas ao João Lourenço e à sua Lourenço Wedding Photography!

 

João Lourenço é um confesso apaixonado pela arte da fotografia. Nascido em Coimbra, foi lá que descobriu essa paixão. Decidiu, então, que o arranque da sua vida profissional seria explorando o mundo – e viajou durante seis anos, percorrendo vários países e descobrindo uma nova forma de olhar as coisas… e, claro, de fotografá-las.
De regresso a Portugal, encontrou na fotografia de casamento uma combinação de impressões e sensações que o cativou: o calor dos noivos, a intensidade do momento, o peso da tradição, o carinho dos familiares… «Acho que cada vez mais os casais se preocupam em preservar a autenticidade do seu dia de casamento em vez de uma visão artificial do que acham que devia ser. Isso enquadra-se perfeitamente com o meu estilo: foto-jornalístico de coração, com atenção aos pormenores e uma preocupação em me afastar do convencional.»

Escolheu ser profissional de casamento pela oportunidade de juntar três paixões num só momento: a fotografia, conhecer pessoas fantásticas e viajar. Orgulha-se muito das cara de satisfação – e por vezes incredulidade – dos noivos, quando lhes apresenta as fotografias. A sua fonte de inspiração é a emoção do dia do casamento: «Por vezes é tão fácil esquecer que é um dos dias mais importantes de quem estamos a fotografar – e quando nos apercebemos da nossa importância no registo da história para as gerações vindouras, a inspiração surge espontaneamente!»

 

Boas-vindas Lourenço Wedding Photography

 

 

 

 

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado de Lourenço Wedding Photography para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho.

 

João, bem-vindo ao Simplesmente Branco!

Marta Ramos

Wise words: A importância do álbum de casamento

A fotografia e o vídeo serão das primeiras alíneas que quererão ver resolvidas na checklist de organização do vosso casamento. Percebe-se porquê: as imagens que daí resultarem serão as memórias palpáveis que vos ficarão para reviver o dia ano após ano, para partilhar com gerações futuras, para construir a história palpável da vossa família e poder contá-la a quem não tenha assistido a todos os episódios. Se vão investir, tanto em dinheiro com em tempo e dedicação, para que todos os detalhes do vosso casamento estejam perfeitos, quererão investir igualmente em guardiões desses detalhes que vos façam brilhar.

Sobre a escolha dos fotógrafos e videógrafos para o vosso casamento, já aqui vos falámos (aconselhamos a leitura). Hoje, por sugestão da Teresa e do Dado, da Arte Magna, vamos debruçar-nos sobre o ‘depois’: como guardar as fotografias do dia mais feliz das vossas dias. Diz-nos a Teresa«A nossa ideia era passar o quão importante é ter as fotografias impressas num objecto que para nós é como uma jóia de família. Recentemente fizemos uma palestra online para o mercado brasileiro sobre isso mesmo, a importância e o papel que o fotógrafo deve ter ao sensibilizar os seus clientes para a impressão de um álbum.»

Eu tenho o álbum de casamento dos meus pais em dois pequenos volumes e não lhes consigo colocar um valor, pois é algo muito valioso para mim.

 

 

 

 

 

 

 

Será que, na era digital, ainda há quem valorize um álbum fotográfico em papel? Segundo a Teresa, sim: «90% dos nossos casais opta por um álbum do casamento. Nas reuniões e mesmo na nossa proposta mencionamos a importância de ter um álbum. No momento do casamento, e numa altura em que só se vêm os euros a voar da conta, pode parecer algo dispensável. No entanto, pensar no álbum é pensar a longo prazo. Se puxarmos atrás, iremos ver que as fotografias não foram feitas para ficar em negativos, mas sim no papel. A fotografia tem outro valor quando impressa. Como diz o Dado, fotografia só é fotografia quando impressa… Até aí é apenas um arquivo digital.»

E porquê uma selecção de fotos se os noivos hoje em dia podem ter a totalidade num ficheiro? «Um álbum serve de resumo de um dia feliz, onde se quer contar uma história de forma leve e intensa. Pelo menos esta é a nossa visão e a dos nossos casais. Achamos que a resposta a esta pergunta é deixar duas questões:

Quantas vezes um casal se sentará a ver 600 fotografias num computador? E se o álbum estiver ali, na mesa de centro, quantas vezes eles irão pegar nele ou até mesmo quem os visita?

Falemos então do álbum-objecto: no Simplesmente Branco estamos habituados a ver álbuns construídos com perícia artesanal, recorrendo aos materiais mais nobres, e para nós não faz sentido outra coisa. O invólucro das memórias do dia do casamento tem que ser, ele mesmo, digno de apreciação. A maior parte dos bons fotógrafos trabalha em articulação com os melhores profissionais na área da encadernação. A Teresa diz-nos que os clientes estão cada vez mais bem informados e sabem bem o que há no mercado, pelo que se tornam mais exigentes e esperam um nível elevado no seu álbum. A informação é o melhor caminho para fazer boas escolhas, esse será sempre o nosso conselho: falem com os vossos fotógrafos sobre todas as possibilidades, mostrem-lhes as vossas ideias e acertem ao detalhe qual será o resultado final.

 

 

 

 

 

 


Agora, imaginemos que vocês até já contrataram os fotógrafos para o vosso casamento mas não se lembraram desta questão. Não se preocupem, qualquer altura é boa para optar por um álbum – podem fazê-lo mesmo depois do casamento: «Regra geral os nossos casais optam pelo álbum logo na assinatura do contrato, pois entendem realmente a importância dele. Muitos até falam que se imaginam a passar as folhas com os filhos ao colo. Podemos pedir mais?»
Na Arte Magna, desde 2014 que só oferecem um tamanho de álbum, por questões práticas. Utilizam álbuns 30×30 com acabamentos em tecido, procurando personalizá-los ao máximo – uma gravação diferente na capa feita com um cunho, umas guardas feitas com um padrão, etc. O prazo de entrega, geralmente, varia entre 6 a 8 semanas, dependendo do laboratório e dos artesãos com quem trabalham: «Ao longo destes anos temos algumas histórias, mas que se prendem mais com a reacção que os casais têm quando recebem os álbuns em mãos, quando passam de um pdf a um objecto. Para nós é gratificante quando um casal fica sem palavras e quando fica com as lágrimas nos olhos aos rever um dia tão feliz através de algo criado por nós com tanto carinho. Uma das frases que mais ouvimos é que a fotografia ganha vida. São coisas simples, mas que nos enchem o coração e nos mostram que estamos no caminho certo.»
Lembram-se de vos termos falado no artigo de wise words sobre a escolha dos fotógrafos e videógrafos para o vosso casamento? Lembrem-se de falar com os profissionais que consultarem sobre o álbum das fotografias e a caixa para o cd do filme do vosso casamento. São peças que vão ficar para sempre; se forem bonitas, bem feitas, duradouras e intemporais, ficarão sempre satisfeitos por terem tomado essa opção. Tudo em nome das vossas memórias.
Marta Ramos

Reencontros felizes, por Matilde Alçada

«A vida tem estas coisas boas», conta-nos a fotógrafa Matilde Alçada«Reencontrei o David após 15 anos, num casamento, onde conheci a querida Susanne. Anunciaram-me pouco tempo depois que estavam noivos e que vinham a Portugal celebrar o grande dia, fazendo questão que fosse eu a fotografá-lo. Não podia ter ficado mais feliz.

O local escolhido foi Quinta de Sant’Ana. Adorei a elegância e o lado rústico que a quinta conjuga. Os locais com história têm um carisma especial! As cores, os detalhes, as vinhas completam o cenário perfeito para fazermos uma reportagem bonita. Se juntarmos a essência de um casal apaixonado que celebra a sua união num ambiente íntimo, emotivo e irradiante de amor, só podemos acabar o dia felizes!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para a Matilde, a melhor parte de fotografar casamentos «é só trabalhar com momentos felizes. Não temos noção de como somos privilegiados. Fazemos parte dos melhores momentos de vida de cada cliente. Quando se comprometem, quando se prometem e quando se constroem. Trabalho essencialmente com luz natural, com a qual me identifico mais e sobretudo tento não inventar muito! As fotografias devem ser intemporais, durar entre gerações. Se nos pusermos a utilizar filtros vintage provavelmente daqui a 5 anos estas imagens perdem carisma. Enquanto que, se trabalharmos com a luz natural, as cores reais, os contrastes certos são as fotografias que ficam. Orgulho-me de já me conhecerem pelas minhas cores. Serve portanto com isto a prova de que todas as horas em edições compensam! E são muitas, para que cada imagem saia perfeita.»
Para conhecerem um pouco melhor a Matilde Alçada, leiam a entrevista que lhe fizemos aqui. E não hesitem em falar com elaAcompanhem os posts que vamos publicando acerca dos seus trabalhos e deixem-se encantar pela cor e pela narrativa das suas fotografias.