Created with Sketch.
Marta Ramos

Elopement em Seteais, com assinatura In Love | unique weddings

A Inês Marujo e a Rita Pedro, da In Love | unique weddings, convidam-vos a um magnífico passeio de fim de tarde até Sintra, mais precisamente ao Tivoli Palácio de Seteais, para desfrutarem das maravilhas do cenário composto com extremo cuidado e elegância. Vamos seguindo através das imagens de uma belíssima sessão fotográfica desenhada para inspirar noivos que tenham em mente um destination wedding. O objectivo é conquistá-los com a beleza de Portugal e dos seus recantos históricos – e garanto-vos que é amor à primeira vista!

As fotografias são assinadas pela fotógrafa canadiana Nazanin, da Perla Photography, sediada em Montreal, e a equipa inclui ainda vários outros profissionais de excepção – muitos deles pertencentes à nossa lista de fornecedores seleccionados.

«Este maravilhoso palácio do século XVIII, inserido na paisagem verdejante da serra de Sintra e convertido em hotel de luxo, tem tudo para tornar qualquer casamento num glamouroso conto de fadas», conta-nos a Inês Marujo. «Para dar brilho a esta sessão, os detalhes gráficos e decoração foram pensados ao pormenor pela In Love | unique weddings e as flores pelo Atelier Decorelle. Foi escolhida uma paleta entre os cinzas e os azuis para todas as peças de estacionário e decoração, iluminados por detalhes dourados, tão condizentes com este imponente espaço. Optámos por utilizar elementos desenhados à mão, dando ênfase ao arco triunfal do palácio, combinado com caligrafia e lacre nos detalhes especiais. O conceito que pretendemos representar foi o de um elopement mágico e íntimo, digno da realeza.
O bolo de três andares, com detalhes em ouro, foi toque final para esta sessão elegante. Um trabalho fantástico da cake designer Susana Pinto, da  Sweet Stylist. Não quisemos deixar de registar a dinâmica do casal em vídeo e o registo foi primorosamente conseguido pelo Hugo Sousa Films
Passeamos?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Créditos:

 

conceito, styling & estacionário: In Love | unique weddings

flores: Atelier Decorelle

bolo: Susana Pinto Sweet Stylist

vestido e fato: Penhalta

maquilhagem: Katya Kornilova Makeup

vídeo: Hugo Sousa Films

espaço: Tivoli Palácio de Seteais

Susana Pinto

À conversa com: Hugo Sousa Films – filmes de casamento

Hoje conversamos com Hugo Sousa Films – filmes de casamento.

O Hugo Sousa é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco há pouco tempo. Iniciámos a nossa conversa com um pedido de publicação de uma série de filmes de casamento no We are The Destination, e prestámos atenção ao seu portfolio: bonito, discreto, emocional. Conhecemo-nos pessoalmente de raspão, em Março num evento, e conversámos um pouco.

Esta entrevista confirma a primeira impressão e abre a porta, de uma forma honesta e tranquila, transparente, para a visão do Hugo Sousa sobre o seu ofício, a sua função na narrativa do casamento e a sua visão sobre o mais bonito dos dias. E digo-vos, gostei muito de o conhecer.

Fiquem a conhecê-lo, também. Vão gostar, tenho a certeza!

 

Ponho sempre a emoção, o “feeling” geral do dia à frente do próprio storytelling.

 

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até aqui, ao video de casamento.

Tive uma adolescência pouco convencional. Talvez um pouco complicada, e percebi que tinha na música uma forma de expressão. E assim, nessa altura teria já assimilado que de alguma forma estaria ligado às artes.

Em 2005, comecei por tirar um curso de som, que na altura encarei como um erro mas que hoje reconheço alguma utilidade prática e de seguida, em 2006, tirei um curso de pós-produção audiovisual que adorei. Viajei com a minha namorada – hoje estamos juntos e temos 2 filhos, o Manuel e a Olívia – para Edimburgo, com o objetivo de alargar horizontes onde estivemos um ano.

Quando regressámos, iniciei a minha “carreira” de videógrafo editando e filmando um pouco de tudo, desde casamentos a videos promocionais para empresas, eventos e videoclips. Por volta de 2010 e 2014 trabalhei como editor de imagem na SIC, mas despedi-me para experimentar uma produtora de publicidade como videógrafo – Zoe Films. Entretanto, na qualidade de realizador abri uma empresa. Na altura, fizémos imensas coisas, publicidade, eventos, promocionais… Mas a verdade é que ao contrário dos filmes de casamento, isto não me preenchia artisticamente. E assim foi, decidido a seguir a minha paixão, larguei a empresa e praticamente todos os clientes que tinha do mundo corporativo para investir na minha marca de filmes de casamento, Hugo Sousa Films.

 

Há quanto tempo filma? E porquê casamentos?

Como o tempo passa! Enquanto respondia à pergunta anterior, apercebi-me que já lá vão 12 anos. Mas casamentos em particular, não contando com as primeiras experiências mais esporádicas, há cerca de cinco anos.

Sinto-me que é um privilégio de fazer parte do dia e ter a responsabilidade de lhes dar o vídeo de casamento, pois penso sempre na importância que tem quando é entregue, e que terá depois, passados vinte anos.

Porque temos liberdade artística (faço questão), porque é divertido, viajamos e fazemos amigos. Porque testemunhamos emoções verdadeiras. Aqui não digo “corta” e repetimos. Documento o que acontece, da forma que eu vejo e processo na câmara.

Para qualquer fotógrafo ou videógrafo, o ambiente de casamento pode ser bastante caótico e para mim isso é desafiante: no meio desse caos, conseguir, sem condicionar demasiado os noivos e os seus convidados, um filme artístico, em que se revejam e de que se orgulhem.

 

Como construíu a sua assinatura, o seu ponto de vista? Como é que o define?

De uma forma mais ou menos consciente, tudo moldou a forma como vejo e interpreto o mundo e as pessoas. Toda a minha vivência desde criança até aos dias de hoje, a minha educação em casa e na escola. A minha sensibilidade inata e a adquirida, tal como a experiência profissional que tive até hoje, moldaram aquilo a que eu chamei a Hugo Sousa Films. Este ponto de vista não é estático, mas evolui constantemente. Não apenas na forma como vejo a acção no dia do casamento, a interpreto e depois processo na edição (resultando no filme), mas também toda a bagagem visual adquirida que nos acaba por condicionar nas milhares de escolhas que fazemos até chegar ao resultado final.

Definir-me enquanto marca, não é de todo um exercício fácil, na medida em que, está aqui muito de nós a todos os níveis. Prefiro sempre que sejam os outros a fazê-lo. Mas penso que tenho uma videografia documental, descontraída, mas ao mesmo tempo intensa e com uma abordagem cinematográfica. Ponho sempre a emoção, o “feeling” geral do dia à frente do próprio storytelling.

 

 

Num casamento, para onde olha, o que lhe prende a atenção? O que procura?

A filmar tento sempre ser objetivo a nível técnico e intuitivo a nível artístico. E com a experiência, começamos a perceber onde e quando as coisas normalmente acontecem. Procuro sempre, em primeiro lugar, a acção. Por exemplo, das interacções muitas vezes resultam abraços, risos, as brincadeiras típicas na preparação dos noivos, as pessoas emocionam-se. Há que estar atento às pessoas! Planos de localização e de pormenores nunca são demais. Também procuro frequentemente linhas e sombras e, sempre que possível, procuro retratos dos noivos. Gosto quando olham diretamente para a lente. Passa-se sempre qualquer coisa.

No fundo, procuro tudo aquilo que acho que acrescenta ao filme.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vai buscar inspiração?

É impressionante a velocidade a que as coisas evoluem e a quantidade de trabalho que aparece diariamente nas diferentes plataformas. Apesar disso, tento fazer com que esta torrente de informação me seja útil. É preciso fazer uma boa curadoria e ir beber aos sítios onde mais nos revemos na sua forma de expressão, sem nunca esquecer a minha intuição e individualidade. Mas é muito mais do que isso: nas sessões de inspiração podemos experimentar e descobrir coisas novas, e isso também acontece em conversas com amigos, no cinema, videoclips, fotografia e, claro, a um nível menos consciente, na bagagem visual que se adquire ao longo do tempo.

 

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Isso acontece-me com frequência no processo de edição. É-me particularmente difícil o início, e é aí que preciso do tal reset. Não é necessário muito tempo: faço coisas básicas! É verdade! Vou ter com amigos, ver televisão, andar ou correr para descomprimir.

 


Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Há todo um trabalho desenvolvido para que a ligação com o cliente seja facilitada. Isto é, o trabalho de promoção nas redes sociais, os filmes, quer sejam casamentos reais ou sessões de inspiração, que são publicados tanto nas minhas plataformas ou em blogs de casamentos, como o Simplesmente Branco, e, claro, o site.

Mas também acontece muito o cliente chegar até mim através da recomendação de fotógrafos, amigos, ou de outros noivos com que tenha trabalhado anteriormente.

Tudo isto num todo, acaba por comunicar a marca. E o feedback que tenho tido de muitos clientes ou potenciais clientes, é que quando se cruzam com o meu trabalho, se revêem e sentem que gostariam de ver o seu casamento representado sob esta interpretação. E eu encaro isto como um grande elogio, é claro!

O processo é o mais simples e transparente possível. Depois do primeiro contacto, que normalmente é feito por email através do formulário do site, marcamos uma reunião preferencialmente presencial, para que nos possamos conhecer um pouco melhor, explico-lhes o meu método de trabalho e a minha abordagem no dia do casamento e esclarecemos dúvidas. Depois disso, segue-se por vezes uma sessão, o casamento e a entrega do trabalho terminado.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gosta de registar?

Independentemente do tipo de casamento, o que me dá mais gozo é quando sinto que é autêntico, que há amor entre todos e que os noivos estão a ter o dia que sonharam e a viver o presente. E isso sente-se em tudo.

Para mim um bom casamento é o que tem uma cerimónia emotiva, seguida de uma festa de arromba. O que se pode pedir mais? Uma boa sessão, claro!

Das coisas que mais gosto de ver no dia do casamento, são os momentos de cumplicidade, alguns bastante emotivos entre os noivos e/ou amigos, como se no dia do casamento nada mais existisse e isso pode acontecer em casamentos grandes ou pequenos, nacionais ou estrangeiros.

 

Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos? E o mais desafiante e difícil?

“Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos”… Essa é uma questão que já surgiu em conversa com amigos do ramo, várias vezes, e a primeira coisa que dizemos em voz alta é: o estilo de vida. O controlo do nosso tempo e da forma como o gerimos. Durante os anos em que trabalhei para outras produtoras, sempre senti que não tinha esse controlo, mas hoje sinto que tenho mais liberdade. Não fico refém de rotinas impostas. As viagens também são um grande privilégio, principalmente quando vamos bem acompanhados, passamos experiências inesquecíveis. Há viagens que nunca esquecerei.

Mas estas razões são insuficientes. Para mim a melhor parte de ser videógrafo de casamentos, é o propósito que ganhamos naquilo que fazemos. É  podermos ser criativos sem o peso corporativo por trás. É saber que o nosso trabalho, nosso esforço e talento, em vez de se transformar num produto comercial provavelmente com um prazo de validade muito curto, se vai traduzir em algo único para aquelas pessoas.

É aqui que entra a parte desafiante: tenho sempre a necessidade de criar uma imagem própria dos noivos e do casamento em geral. Essa imagem começa a ser criada na primeira reunião e termina no final do dia do casamento. O que imponho a mim mesmo, é criar um filme com a minha visão e que, ao mesmo tempo, os represente.

Difícil é gerir o negócio. É garantir uma comunicação consistente, responder a todos os emails atempadamente, garantir que todas as entregas são feitas dentro dos prazos acordados, gerir o site, gerir a contabilidade, gerir outras pessoas. E quando não sabemos como fazer, aprendemos, como sempre!

 

 

Escolha um filme favorito do seu portfolio e conte-nos porquê:

 Posso passar esta pergunta?! Não?

Tenho vários preferidos! Mas posso afirmar que o casamento da Liza e do Nick me encheu as medidas, em todos os sentidos. Os noivos de origem Asiática a e viver nos EUA, passaram boa parte do ano a viajar e decidiram casar no Areias do Seixo, reunindo a família e amigos mais próximos num grupo de 50 pessoas.

Foi um casamento lindo, cheio de emoção. Os noivos super carinhosos mas sem serem demasiado melosos, trocaram votos num first look só para nós. Durante todo o dia, num ambiente bonito e festivo, os amigos e família também lhes fizeram dedicatórias espontâneas que tornavam a tarefa de conter as lágrimas completamente impossível! Todos queriam demostrar o seu carinho e viver uma festa incrível!

 

 

Os contactos detalhados de Hugo Sousa Films estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de filmes bonitos, e contactem o Hugo Sousa directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

Razão e coração: o destination wedding de Liza + Nick

O segundo casamento de Maio vem de fora: Liz + Nick, cidadãos do mundo, escolheram Portugal para casar e a sua dream team concretizou o mais épico dos dias.

Mostramos a versão curta desta festa belíssima e repleta de emoções, mas caso se apaixonem por tudo isto tanto quanto nós, peguem num lenço de papel e reservem 20 minutos para espreitar a versão completa, aqui.
O registo é de Hugo Sousa Films e a maquilhagem ficou a cargo de Kabuki Makeup by Rita Amorim.

Isto é tão, tão bom!

The most difficult was probably picking our venues without having been there in person. We never even visited Portugal before deciding to do our wedding there! We are easy going in some ways and with the Internet and photos, we were sure of everything when we booked. It’s the people that make the memories, not where you are. The easiest part was after we got there, met all our vendors, and visited the locations, we really knew everything was meant to be. Last minute we decided to live in Lisbon a month before the wedding and fell in love with Portugal even more, making us more sure about our decision to have our wedding there.

When the answer was “yes!”, how did you imagine your wedding day?
We got engaged in Bali. Travelling has become such a huge part of us as a couple, so we immediately knew we wanted a small and intimate destination wedding. We just didn’t know where, but we knew we wanted to be somewhere our friends and family would enjoy as well.

 

Did you feel prepared or was it a nerve-racking journey?
Planning something from far away is never easy (especially if it’s a wedding and you’ve never had to plan one before)! Once we had all the key vendors picked out we were able to relax for a bit until we had to start planning all the details right before.

 

At what point in the wedding planning did you feel, “this is for real”?
When we made deposits to venues and vendors and our friends started booking their flights!

 

Is the result true to the initial ideas or is it very different? Did you have any help?

We couldn’t be happier with how everything turned out and represented us as a couple. We found an amazing wedding planner from Lisbon, Nikolina of SplendidaWeddings, who took our vision boards and made our wedding day look exactly how we wanted. She fully understands the needs of the bride and groom individually but also who they are as a couple. She never strayed from our vision and was able to recommend other local vendors that were perfect matches to our needs and style.

 

What was fundamental to you? And unimportant?
The most fundamental aspect was that all our friends would have the time of their lives (and they did)! We just wanted to have fun and create lasting memories with our best friends and immediate family. In choosing a country, we also wanted to make sure we would have a proper Catholic mass in English. We would probably say what was least important were all the small details, yet we seemed to have those easily executed as well.

 

 

What was easier? And what was more difficult?
The most difficult was probably picking our venues without having been there in person. We never even visited Portugal before deciding to do our wedding there! We are easy going in some ways and with the Internet and photos, we were sure of everything when we booked. It’s the people that make the memories, not where you are. The easiest part was after we got there, met all our vendors, and visited the locations, we really knew everything was meant to be. Last minute we decided to live in Lisbon a month before the wedding and fell in love with Portugal even more, making us more sure about our decision to have our wedding there.

 

What was the sentimental peak of your day?
We did a “first look” and as suggested by our photographer and videographer, we wrote letters to read to each other. It was so great to have that moment between us before the ceremony without anyone else around.

 

And the peak of fun?
All the dancing and speeches! We had asked some people to write notes to us that we randomly had some read throughout the dinner reception. We probably had a record of 15 guests making speeches throughout the night! Our friends and family really love to dance and so do we! That night was magical!

 

Now that it has happened, would you change anything?
Not really! We never thought of the things that went wrong or what we could have done instead. We didn’t have any bridesmaid or groomsmen since everyone we invited would have basically been part of the wedding in some way if we did! We wish we took more photos with specific groups of friends and family if anything, but you don’t think to stop and do that when you’re just trying to live in the moment. Guess we’ll do some re-dos at our celebration in Palm Springs and San Diego.

We’re having 2 other celebrations this coming October for more friends and family!

 

Some words of advice for upcoming brides …
Pick your dress, be happy with it and DON’T LOOK anymore (even if it’s just for fun). Don’t worry about all the little stuff. If you find a really good planner (like ours), they will handle it all. Especially if you’re thinking of doing a destination wedding, a planner who is local is essential.

 

We did a “first look” and as suggested by our photographer and videographer, we wrote letters to read to each other. It was so great to have that moment between us before the ceremony without anyone else around.

 

Our selected vendors:

invitations and graphic materials: Ramon Gomez-Rodriguez for The Prince & The Proper;

venue: ceremony at Church of St. Mary Magdalena Turcifal, reception at Noah Surf House Portugal;

catering and cake: provided by Noah Surf House Portugal;

groom apparel and accessories: suit Theory; shoes Hugo Boss;

wedding dress and shoes: dress Noel and Jean Collection by Katie May; shoes by Jimmy Choo;

makeup: Kabuki Makeup by Rita Amorim;

hair: Steven David Rodriguez;

bouquet: provided by Surf Noah House Portugal;

decoration: sourced and styled by Nikolina of Splendida Weddings; some props & florals also provided by Noah Surf House;

favours: place cards: Lenka Calligraphy;

photography: Golden Days Photography;

cinematography: Hugo Sousa Films;

lights, sound, and Dj: Paulo Rodrigues Work DJ.

 

Se gostaram do trabalho do Hugo Sousa, espreitem aqui o que já publicámos sobre ele. E se quiserem conhecer melhor o trabalho da Rita Amorim, dêem uma vista de olhos nas suas publicações mais recentes.

Bom fim-de-semana!

 

Marta Ramos

Damos as boas-vindas: Hugo Sousa Films!

As boas-vindas de hoje são dadas ao Hugo e à sua Hugo Sousa Films!

 

O objectivo de Hugo Sousa Films é respeitar o vosso dia, passar despercebido e conseguir contar a vossa estória com o máximo de detalhe, segundo uma estética própria. Com uma abordagem simples, câmaras silenciosas e pequenas e os mais leves acessórios disponíveis no mercado, Hugo Sousa consegue captar as emoções sentidas no vosso dia no seu estado mais natural. Sobre o videógrafo, podemos dizer-vos que adora o que faz. Valoriza a composição cinematográfica, linhas e a luz natural. Valoriza também poder quebrar as regras visuais impostas por uma determinada época ou tendência. Por isso, aponta para o infinito para que daqui a 20 anos o vosso filme seja tão especial como no dia em que o recebem.
Tudo isto serve um único propósito: o de contar a estória perfeita do vosso dia.

O Hugo escolheu trabalhar na área dos casamentos porque já fez um pouco de tudo no audiovisual (promocionais, institucionais, publicidade, filmagem, edição, realização..) e nada, mas nada, lhe dá mais prazer do que filmar casamentos. Gosta de todo o processo. Desde o momento em que conhece o casal e trocam as primeiras impressões, até à entrega do seu filme. Orgulha-se muito de tentar sempre desenvolver um conceito, de ter uma visão em função dos noivos, mas mantendo o seu traço. É talvez o mais complicado (em vez de ter uma receita para todos) mas, segundo o Hugo, funciona.

 

Boas vindas Hugo Sousa Films

 

 

 

 

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado de Hugo Sousa Films para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com ele sobre aquilo que têm em mente para o dia do vosso casamento – seguramente que será uma conversa muito frutífera!

 

Hugo, bem-vindo ao Simplesmente Branco!