Lounge Fotografia Arquivos - Página 2 de 15 -  Simplesmente Branco 

0 Comentários

Wow factor, por Lounge Fotografia

 

 

 

Lágrimas de felicidade: o amor é transversal. Imagens bonitas e doces, pela lente da dupla Lounge Fotografia.

 

0 Comentários

Wow factor, por Lounge Fotografia

 

 

 

…perfeição e um belo vestido! Imagens bonitas captadas pela dupla da Lounge Fotografia.

 

1 Comentário

Rita + Artur, quando o amor coincide

Fechamos esta semana com a festa bonita da Rita + Artur, fotografada pela dupla Lounge Fotografia. A maquilhagem da noiva tem dedinho talentoso da Jenny Makeup Land e animada pista de dança ficou por conta do Nuno Rodrigues. Tudo fornecedores seleccionados cá de casa, ou nã fosse a Rita uma leitora de longa data.

 

Fiquem com estas imagens bonitas e bem-dispostas: perfeitas para fechar a semana na melhor disposição!

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Sempre fui uma aficcionada em tudo o que diz respeito ao mundo dos casamentos, e em Fevereiro de 2014, num fim-de-semana em que íamos para a casa dos pais do Artur, no Gerês, ao passar muito perto do Solar da Levada (que era o local onde eu sempre quis casar), eu disse ao Artur, “vamos fazer de conta que queremos já casar e vamos ver o Solar”. Bem, se eu já era apaixonada por aquele espaço, ficámos os dois. Quando nos perguntaram qual a data que queríamos, questionámos sobre a disponibilidade daquela que em tempos tínhamos falado ser a data ideal. Coincidência ou destino, ainda estava disponível. Olhamos um para o outro e decidimos naquele momento que seria aquele dia e saímos de lá com a data reservada. O pedido oficial acabou por vir quatro meses depois, num fim-de-semana prolongado, passado em Pedrogão Grande (terra dos nossos fotógrafos, mais uma coincidência). O Artur pensou em tudo e num dos dias em que lá estivemos, preparou um piquenique super fofinho e fez o pedido, num local lindíssimo à beira-rio e no meio natureza, mesmo ao estilo dele.

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Oficialmente começámos com um ano e meio de antecedência, mas na realidade, já havia anos e anos de pesquisas para ajudar amigas que casaram antes de mim. Já nem sei há quantos anos sou seguidora de blogs como o Simplesmente Branco, o Style me Pretty e outros do género. Por isso, quando chegou a hora de arregaçar as mangas e pôr em prática tudo o que sabia para o meu, foi muito simples, pois sabia muito bem o que queria e o que não queria. Contudo, por ver tantas coisas bonitas, às vezes torna-se complicado conseguir por em prática tudo o que gostamos porque muitas vezes o tempo disponível não é o nosso melhor amigo e porque também não queríamos cair no exagero.

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Nós não queríamos que o nosso casamento fosse igual ao de toda a gente. Com o Solar da Levada sabíamos que estávamos descansados, porque o espaço e a decoração só por si já são magníficos e era diferente de tudo o que tínhamos visto. Depois disso, foi pensar em pormenores que fossem a nossa cara. Queríamos que os nossos convidados percebessem que aquele casamento era o nosso e que não era igual ao de outro casal qualquer. O nosso cunho, aliado a alguns pormenores vintage foi a receita certa.

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Muita coisa foi feita por nós, pois começámos a perceber que se queríamos as coisas bem-feitas e tal e qual como idealizávamos, tínhamos que pôr mãos à obra. E assim foi, foram poucas as coisas que mandámos fazer “fora”.

 

 

 

 

 

Tiveste ajuda?

Sim, imensa… Temos a sorte de ter uma família e amigos espetaculares que nos ajudaram em muita coisa. A Sílvia, uma das minhas damas de honor, que é designer foi quem fez praticamente toda a parte gráfica do casamento e foi o meu braço esquerdo, já que o Artur era o direito.

 

O que era o mais importante para ti?

Que fosse um dia feliz para nós e para os nossos familiares e amigos. Queríamos que chegasse ao fim e nos dissessem que o dia tinha sido espetacular e que se tinham divertido imenso, e foi o que aconteceu. Ainda hoje vêm dizer-nos que foi o melhor casamento a que já foram.

 

 

 

 

 

E secundário?

Nada era secundário para nós, tudo foi muito bem pensado. Mas com tanta ideia que queríamos concretizar e com pouco tempo disponível nas nossas agendas, tivemos que tornar algumas delas em secundárias, pois não íamos ter tempo de colocar as mil e uma ideias em prática. Mas estão guardadas, numa gaveta, quem sabe para uma renovação de votos.

 

Onde gastaste mais dinheiro?

No espaço sem dúvida nenhuma, mas foi muito bem empregue.

 

 

 

 

 

 

 

Onde gastaste menos?

Gastámos menos ou nada nas coisas que nos foram oferecendo. A minha mãe ofereceu o vestido e a mãe do Artur, o fato, a irmã dele ofereceu-nos as alianças e o aluguer da carrinha pão-de-forma, a almofada das alianças o Artur fez a impressão no tecido e a minha avó fez o resto, o saiote foi emprestado por uma das damas de honor, o meu ramo foi oferecido por uma prima.

 

O que foi mais fácil?

Pode parecer cliché, mas foi dizer Sim.

 

 

 

 

 

O que foi mais difícil?

Fazer a distribuição dos convidados pelas mesas e esperar pelo noivo que chegou meia hora atrasado!

 

O que te deu mais prazer criar?

Tudo. Acho que não houve nada durante os preparativos do casamento que não me tivesse dado prazer de fazer.

 

 

 

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

O nosso casamento foi mesmo a nossa cara, a única cedência que fizémos foi com o tempo que tínhamos para planear e elaborar tudo. Como chegámos à conclusão que não íamos conseguir colocar todas as ideias em prática, e preferíamos gozar os preparativos e não passar o tempo todo a stressar com eles, desistimos de algumas ideias. Mas queremos acreditar que se não as colocámos em prática é porque não tinha mesmo que ser. Afinal, menos é mais.

 

 

 

 

Um pormenor especial?

Foram tantos que é complicado dizer apenas um, tal como os meus sapatos que após tanto procurar acabaram por serem adaptados ao meu gosto e eram lindos; descobrir pouco tempo antes de casar que o vestido de casamento da minha mãe tinha bolinhas no tule da saia tal como o meu; a almofada das alianças com o nosso monograma impresso pelo noivo e feita pela minha avó; a frase na moldura à entrada da igreja; a cerimónia e o coro da igreja foram espetaculares; a nossa entrada no salão e a primeira dança, tal como as surpresas que o Artur preparou; a pão de forma que achávamos que não ia conseguir chegar à quinta, mas lá conseguiu apesar de depois só de reboque é que a conseguimos tirar de lá; a nossa entrada na quinta na Vespa do Artur e que tem um significado especial para nós; a placa com as direcções à entrada na quinta; as nossas iniciais com leds em frente ao DJ que tanto sucesso fizeram; as nossas suculentas para oferecer aos convidados, e é melhor ficar por aqui se não o texto é longo!

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Não mudava nada, foi tudo mais que perfeito.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

Preparem o vosso dia com calma e tempo e não se deixem stressar com os imprevistos de última hora, pois quanto a esses nada há a fazer e não podem ser eles a estragar o vosso dia de sonho. Chegando a hora, é relaxar e aproveitar ao máximo.

 

 

Os nossos fornecedores:

 

concepção gráfica: White Design

convites e materiais gráficos: Silvia Cunha, designer no Atelier da Lúcia

local e catering: Solar da Levada

fato do noivo e acessórios: fato Miguel Vieira, sapatos e acessórios tudo na loja Prassa; botões de punho na loja Bairro Arte

vestido de noiva e sapatos: vestido White One na loja Galera Novias; sapatos Luís Onofre

maquilhagem da noiva, noivo e convidados: Jenny Makeup Land

cabelos: Mãos com Arte

flores: Artezé

ofertas aos convidados: suculentas da Design com texto

fotografia: Lounge Fotografia

vídeo: João Vieira Films

luzes, som e Dj: Dj Nuno Rodrigues

aulas de dança: Alunos da Apolo – Porto

 

0 Comentários

Wow factor, por Lounge Fotografia

 

 

 

…o poder da amizade! Coisas de raparigas, lindamente captadas pela dupla da Lounge Fotografia.

 

0 Comentários

Cláudia + Sérgio, terão sempre Paris

Fechamos a semana com toda a doçura!

Fiquem com a festa bonita da Cláudia + Sérgio, em Lanhelas, fotografada pela dupla Lounge Fotografia. A noiva foi maquilhada pela Jennifer Miranda, da Jenny Makeup Land e a pista de dança ficou por conta do DJ Nuno Rodrigues, tudo competência e gosto cá de casa!

 

Ora espreitem este monte de imagens bonitas!

 

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Bem romântico… Em 2013, fomos pela primeira vez a Paris onde estivemos uns dias a conhecer a cidade, pela qual nos apaixonámos! No dia 4 de Outubro (dia do meu aniversário) era o dia de visitar a Torre Eiffel que estava com as habituais filas intermináveis. Percebi naquele momento que a viagem estava planeada ao pormenor. Após alguma insistência da parte do noivo, lá subimos e foi lá que, com aquela vista fantástica, o Sérgio me mostra o anel e me faz a tão desejada pergunta à qual respondi entre lágrimas e sorrisos. Foi muito discreto, e não poderia ter sonhado de outra forma.

 

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Começámos por escolher o dia, o que foi fácil, queríamos uma data com algum simbolismo e lá decidimos pelo dia 25 de julho, dia de São Tiago. O passo seguinte foi reservar o espaço… Sim, não foi procurar! Sempre dissemos que o nosso casamento seria na Quinta da Torre, em Lanhelas, um espaço que já conhecíamos e que na realidade o que gostávamos mesmo era que fosse nosso! Com um ano e meio de antecedência já tínhamos o nosso lugar perfeito. Depois foi só mergulhar de cabeça no Simplesmente Branco e no Pinterest e ir construindo o dia mais feliz das nossas vidas.

 

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

O espaço era a nossa cara e quisemos criar um ambiente rústico, romântico, simples e acolhedor onde as nossas famílias e amigos se sentissem confortáveis e pudessem desfrutar do dia e da nossa felicidade. A mistura da pedra de granito e do enorme verde e flores dos jardins com os tecidos brancos permitiu criar o ambiente romântico que pretendíamos, com velas e lanternas, jarros de flores. Tons em verde água para alguma decoração e para os tecidos das almofadas deram o apontamento de cor.

 

 

 

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Eu diria mais “tudo feito por nós”. Foi juntar o útil ao agradável, como se costuma dizer. Tenho um especial interesse por decoração e organização de eventos e sempre quisemos concretizar as ideias que tínhamos. A forma como construímos o nosso dia só fazia sentido assim. É inimaginável o sentimento de realização quando se opta pelo “feito por ti”, ter a possibilidade de pensar e definir tudo até ao mais pequeno pormenor, trabalhar horas e horas ao longo de muitos meses de enorme dedicação até ao esperado dia e o projecto ser concretizado, desde os convites até à decoração.

 

 

 

 

Tiveste ajuda?

Como residimos em Lisboa e somos do Minho, onde se realizou a cerimónia e quase toda a família se encontra, foi difícil acompanharem todo o processo, mas envolvemos alguns familiares. Por exemplo os naperons dos centros de mesa e as almofadas, para as quais comprámos os tecidos, foram costurados pela minha avó. A principal ajuda surgiu no dia anterior, quando fizemos toda a decoração do espaço e aí a minha mãe, o irmão do Sérgio e a namorada foram fundamentais. Era importante que eles também fizessem parte da concretização do dia perfeito.

 

 

 

 

 

O que era o mais importante para ti?

Para o único dia de casamento das nossas vidas tudo é importante e é quase impossível fazer essa escolha. O nosso mais sincero desejo era que as pessoas se sentissem bem e que aproveitassem ao máximo, que toda a envolvência fosse um reflexo de nós os dois, e que pudessem usufruir do dia e da nossa felicidade, queríamos que a nossa alegria fosse contagiante, e cá para nós, acho que resultou. Mas podemos dizer que era para nós muito importante o registo fotográfico, a nossa empatia com a Marta e o Luís da Lounge Fotografia foi imediata, eles fizeram um trabalho fantástico na sessão IN|gage e em todo o casamento.

 

 

 

 

E secundário?

Nada foi secundário, o facto de termos escolhido a opção “feito por ti” faz com que tudo seja uma preocupação constante e empenhámo-nos em todos os pormenores. Mas por exemplo não nos preocupámos demasiado com o transporte da igreja para a quinta, acabámos por ir com os meus avós e eles ficaram muito felizes.

 

Onde gastaste mais dinheiro?

No espaço e no catering. Quando tomas a decisão de escolher o local e o fornecedor de catering em separado estás a assumir que vais gastar mais dinheiro do que na opção em conjunto. Mas foi uma óptima escolha. Quanto ao espaço não precisamos dizer mais! Em relação ao catering, a Maria José Pinho, é suficiente dizer que escolhemos a melhor e que foi ótimo.

 

 

 

 

Onde gastaste menos? 

Com a “opção tudo feito por ti” é difícil identificar o que custou menos. Como comprámos tudo para fazer os convites, os menus e as etiquetas das andorinhas (o papel, a fita de cetim e os doilies que compramos pela internet nos Estados Unidos) e fizemos tudo em casa, pode ter sido onde gastámos menos.

 

O que foi mais fácil?

Além de escolher o noivo, foi escolher o local, não podia ser outro sítio, a Quinta da Torre é mágica, tem uma envolvencia sublime, e faz parte do meu imaginário de criança. Mas sinceramente tudo foi fácil e os nossos fornecedores foram todos a primeira escolha (os Lounge foram os primeiros fotógrafos com quem falámos e saímos da reunião com a nossa decisão tomada). Tudo o resto também foi fácil, rapidamente assumimos um compromisso quanto à nossas ideias e o que queríamos fazer.

 

 

 

O que foi mais dificil?

Sem dúvida… e deve ser a maior dor de cabela de todos os noivos… a composição das mesas!!! É mais dificil que fazer um puzzle de milhares de peças.

 

O que te deu mais prazer criar?

Houve várias coisas que deram imenso trabalho e ficaram exactamente como imaginávamos, e que por isso mesmo têm um lugarzinho especial no nosso coração, por exemplo o placard à entrada da igreja – mesmo não sendo uma ideia nossa mas com a qual nos identificámos logo e da qual não poderíamos abdicar, deu-nos (mais ao Sérgio, confesso) muito trabalho e foram precisas muitas horas e paciência para pintar todas as letras à mão.

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Foi a nossa cara, não alterámos em nada o que tínhamos idealizado inicialmente.

 

 

 

 

 

Um pormenor especial?

Esta pergunta é injusta, foram tantos…um só? Mas sim, não podiamos deixar de identificar dois que sobressaem entre os restantes. As almofadas, perfeita e delicadamente bordadas com as nossas iniciais, onde nos ajoelhámos na igreja, foram feitas por uma pessoa que nos é muito querida, a Tia Ni. As lembranças para os convidados foram andorinhas em cor verde água (compradas numa loja de loiças em Galamares, Sintra) e na qual colocámos o seu simbolismo “As andorinhas, possuem um só parceiro a vida toda, estando ligadas ao amor eterno, ao amor verdadeiro, encontrando-se também associadas ao amor e à família. Que seja então isso tudo na nossa vida, proximidade, uma amor para a vida, a caminhar lado a lado, de mãos dadas”. É uma mensagem muito especial!

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Definitivamente, nada! Tudo que imaginámos para o nosso dia foi concretizado e será inesquecível. Desde a cerimónia na Igreja celebrada pelo Pe. Filipe, ao brilhante fogo de artifício que iluminou o céu de dourado.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

De experiências de outros noivos, diziam-nos sempre que o dia passava a correr, para aproveitarmos. E não é que é mesmo verdade??? Passa mesmo a voar, pensava que ia ter tempo para estar atenta a tantos pormenores, e nunca mais me lembrei de nada, a alegria do dia consome-nos… Aproveitem todos os momentos que puderem para estar e falar com os convidados e desfrutem de tudo o que imaginaram e conseguiram criar. Divirtam-se e será mágico!

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites e materiais gráficos: os noivos

local: Quinta da Torre, Lanhelas

catering e bolo: Maria José Pinho Catering

fato do noivo, sapatos e acessórios: Dielmar

vestido de noiva e sapatos: vestido Pronovias e sapatos Cubanas

brincos: Swarovski, oferta da minha querida madrinha

maquilhagem: Jenny Makeup Land

cabelos: Helena Cabeleireiros, Caminha

flores: Fátima Fernandes, Lanhelas

lembranças para os convidados: andorinhas de loiça compradas na Loja da Quinta em Galamares (Sintra), charutos, e cones de chocolates e guloseimas para as crianças (feitos por nós)

fotografia: Lounge Fotografia

Coro igreja: Rosacea Music

luzes, som e Dj: DJ Nuno Rodrigues

Fogo de artíficio: Pirotecnia Lanhelas (Pai da Noiva)