Created with Sketch.
Mónica Aragão

Molde Design Weddings, um fornecedor Simplesmente Branco

A Molde Design Weddings cria convites de casamento muito especiais. Elegantes, com a mistura perfeita entre design e sofisticação, são o resultado da flexibilidade e dedicação da dupla de Joanas que acredita em resultados únicos, dedicados, feitos à sua medida: “Basta que nos diga, nós fazemos o resto!” Contem ainda com a criatividade destas meninas para os livros de honra, peças decorativas, cake toppers, acessórios… A Molde é viciante e não pára de surpreender!

 

cake topper dourado Molde Design Weddings

convite de casamento Molde Design Weddings

marcador de mesa Molde Design Weddings

Têm aqui uma boa dose do talento e criatividade que é a assinatura da Molde Design Weddings e, claro, não se esqueçam de falar directamente com uma ou ambas as Joanas, consultando para isso a sua ficha de fornecedor.

 

Mónica Aragão

Porta alianças, porta amor, por Molde Design Weddings

Inspirada pela natureza e o sempre bonito estilo rústico, a Molde Design Weddings criou uma nova colecção de porta alianças que são simultaneamente simples e wow! Com um acabamento em verniz, para assegurar a resistência e durabilidade das peças, qualquer um destes porta alianças podem ser personalizados, para se encaixarem na perfeição num dia tão especial.

 

 

 

Se ainda não pensaram no vosso porta alianças ou continuam à procura de uma peça bem original que terá um papel bem importante, não deixem de considerar estas sugestões da Molde Design Weddings que podem contactar via email para valores e mais informação.
Das Joanas, com muito amor!

 

Susana Pinto

Diana + João, celebramos a três!

Hoje trazemos a festa da Diana + João celebrada a três, com o seu pequeno filhote.

A distância não foi impedimento para uma festa bonita, onde tudo foi pensado e preparado a seu tempo, com passos serenos e sabedores: que bonito é fazer o caminho assim!

Fiquem com as imagens das meninas da My Frame – Photography & Design, e um dedinho da Molde Design Weddings.

Bom fim-de-semana!

 

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

O pedido de casamento foi feito na praia no dia 17 de Maio 2014. O João tinha comprado a aliança aqui em Lyon, e esperou que fôssemos de férias a Portugal para poder fazer o pedido, para o fazer em “casa”. Foi um lindíssimo momento, com o nosso filhote de dois anos a brincar na areia, quando depois de me dizer o quão importantes somos na sua vida, fez a pergunta!

 

 

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Começámos imediatamente a ver ideias, blogs, comentários, etc.. Este “mundo” dos casamentos é muito bonito e não faltam ideias fantásticas! Percebemos logo a importância de seleccionar a quinta para definir a data e depois contactar todos os outros serviços. Contactámos várias quintas por telefone e email e fizemos uma pré-selecção através das respostas e das fotografias. Só conseguimos visitar e reservar definitivamente em Agosto, um ano antes. Queríamos um casamento de Agosto, de preferência perto do dia 21 (faria nove anos que estávamos juntos). Depois do dia seleccionado, fizemos a reserva de todos os outros serviços, tendo sido a escolha sempre feita via internet. Felizmente voltámos a Portugal no final do ano, o que nos permitiu marcar algumas reuniões, embora fossem dias muito atarefados, já que o tempo era contado!

 

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Tendo em conta que o nosso casamento era civil, a cerimónia era um momento muito importante para nós. Quisémos desde o principio algo muito natural, com muita luz, muita leveza e alegria! O espaço da quinta convenceu-nos imediatamente porque reunia as condições para fazer exactamente isto! Na sala para o copo-d’água quisemos o mesmo, cores muito claras e suaves (o rosa velho foi a cor eleita desde o princípio!) com um ambiente simples, mas delicado.

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Quando se sabe exatamente o que se quer e como se quer, torna-se difícil deixar as coisas nas mãos de alguém. Chegámos a considerar um wedding planner, mas visto que não queríamos ultrapassar o nosso orçamento, acabámos por decidir fazer nós mesmos. E assim foi! Com imenso trabalho, acabámos por decidir tudo, desde todos os objetos de decoração e centros de mesa, a todo o espaço para a cerimónia civil, as ofertas aos convidados, arranjos florais, tudo!

 

 

 

 

 

Tiveste ajuda?

Sim, felizmente! Para as ofertas, que foram feitas por nós, até a minha avó ajudou
a colocar o mel nos frasquinhos! Para fazer os recipientes para as bolhinhas de sabão, as caixas decorativas para os centros de mesa, as fitas para os guardanapos, entre outros, toda a família trabalhou dois dias antes até muito, muito tarde. Para determinados objectos e “mobiliário”, tivemos a ajuda da madrinha do noivo, que trabalha como designer numa empresa de decoração e que conseguiu encontrar, pintar e fornecer-nos muitos objetos bonitos.
Para as flores, inicialmente pensámos em fazer nós mesmos os arranjos, mas acabámos por fazer um documento com o que queríamos, quais as fores e com fotografias e pedimos ajuda à florista, que fez um óptimo trabalho. A quinta foi também extremamente disponível e flexível. Deixaram-me usar todos os objectos que quis para a decoração e trazer outros de fora, desde flores aos próprios bancos da cerimónia ou a árvore decorativa para o seating plan!

 

 

 

 

 

O que era o mais importante para ti?

O mais importante era de facto que o casamento traduzisse aquilo que somos e a nossa história! E acredito que conseguimos!

 

E secundário?

É uma questão difícil! Acho que nada foi secundário. Tudo tem a sua importância num casamento, mesmo as coisas mais diferentes, para que tudo corra bem, seja bonito e contribua para um lindo dia, quer para os noivos quer para os convidados.

 

 

 

 

 

Onde gastaste mais dinheiro?

Na quinta e catering. Acho que é sempre a fatia mais pesada…

 

Onde gastaste menos?

Na decoração! Embora tenha tido os seus custos, creio que o facto de termos sido nós a fazer muita coisa acabou por se tornar menos dispendioso.

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil?

Toda a tomada de decisões, em tudo! Não houve indecisões, nem dúvidas em praticamente nada. Sabíamos bem como queríamos o nosso casamento.

 

O que foi mais difícil?

Sem dúvida o mais difícil foi ultrapassar a distância. Planear um casamento de longe, principalmente quando queremos envolver-nos tanto e fazermos nós muita coisa, é extremamente difícil. Tínhamos que aproveitar os dias de férias passados no Porto e sobretudo as vantagens da internet!

Foi também complicado saber se, a nível de decoração, o que tínhamos pensado iria funcionar. Como não conseguimos experimentar tudo por falta de tempo e oportunidade, tínhamos medo que, no dia, nao houvesse muita harmonia na decoração (afinal, nunca tínhamos feito isto antes).

 

 

 

 

O que te deu mais prazer criar?

Tudo! É fantástico sentir que o teu casamento foi criado por ti, todos os pormenores, e no dia tens uma sensação de concretização tremenda!

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Acho que foi a nossa cara! Não tivemos que fazer cedências. Talvez algumas modificações ou alterações, mas acabou por ser tudo muito próximo do que tínhamos imaginado.

 

 

 

 

Um pormenor especial?

As gaiolas decorativas! As gaiolas foram sempre, desde o princípio, um elemento-chave na decoração. De alguma forma sempre adorámos todas as fotos que víamos de casamentos com gaiolas e decidimos desde o início que as queríamos no nosso casamento. O problema é que as comprámos pela internet e soubemos pouco tempo antes que tinham ficado presas na alfândega! Foi o pânico!! Mas depois de uns telefonemas insistentes para uma simpática funcionária (que foi muito sensível à nossa causa), conseguimos que estivessem cá três dias antes do casamento!

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Não! Se me dissessem antes que determinadas coisas iriam correr menos bem, entraria em pânico, mas o dia é tão mágico, que tudo faz parte, tal e qual como é e está, mesmo que imprevisto ou diferente do planeado. Nunca senti, durante o dia, que deveria ter feito algo diferente.

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

Apostem na pesquisa e trabalho de “casa” para saberem exatamente o que querem! Depois, aproveitem ao máximo todo o planeamento. É cansativo, mas extremamente positivo! E no final, vivam o vosso dia tal e qual como ele é, sem se prenderem ao facto de existirem pequenas alterações ao plano original.

 

Os nossos fornecedores:

convites e materiais gráficos: Linhas Coloridas
local, catering e bolo: Quinta O Campo, propriedade de Duplos Gemini
topo de bolo: Molde Design Weddings e Linhas Coloridas
fato do noivo e acessórios: fato e camisa Hugo Boss; laço: The Knot

vestido de noiva e sapatos: vestido Noivas Luso, sapatos Badgley Mischka, acessórios Swarovsky
maquilhagem: Makeup by Barbara Brandão
cabelos: João Pereira Hairdressing
fores: Florista dos Prados
ofertas aos convidados: feitas pelos noivos, com pormenores gráficos Linhas Coloridas
fotografia: My Frame – Photography & Design
vídeo: Os Tais do Video
luzes, som e Dj: Feedback Produções

 

Susana Pinto

Lili + Filipe, uma festa para os convidados

Fechamos esta semana intensíssima, no rescaldo da The Destination: international wedding conference – Lisboa 2016, com uma festa luminosa, o casamento da Lili+ Filipe, que além de lindo e doce, contou com a ajuda preciosa de uma mão cheia de gente talentosa, entre fornecedores recomendados pelo Simplesmente Branco, a Molde Design Weddings, a Jukebox, o Pedro Vilela e a Vestidus, e “amigos” cujo trabalho apreciamos de coração cheio: a Mint Handicrafts e a Feliz é quem diz.

 

Vale a pena desacelerar e gozar os raios de sol!

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

No dia 2 de Outubro de 2014, cheguei a casa depois do trabalho, e tinha à minha espera um caminho feito com corações, desde a entrada de casa até ao quarto… no quarto, estavam 21 envelopes em cima da cama (21 foi o dia em que começámos a namorar), cada um numerado e preso a um balão. Em cada envelope, estava uma mensagem super fofinha para mim. Depois de desfrutar das mensagens todas, dirigi-me à sala, cujo acesso estava tapado com um enorme tecido branco, tirei o tecido e… tcharam!! O noivo estava lá dentro (supostamente ele não iria estar em casa àquela hora)! A sala estava decorada com 11 ramos de flores (porque namorávamos há 11 anos) e muitas velas; começou a tocar música romântica e o momento inesperado deu-se: o pedido de casamento! Foi maravilhoso!!

 

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Ora o pedido foi numa quinta-feira, no fim de semana seguinte começámos logo a procurar e a fazer marcações de visitas a quintas. Não sabíamos qual queríamos, mas sabíamos que queríamos uma quinta onde nos sentíssemos em casa, com ar acolhedor, que tivesse recantos que valorizassem a natureza. Marcámos visitas para 12 quintas mas, quando fomos à Quinta da Bichinha, percebemos logo que era ali o nosso cenário de sonho: era o que procurávamos, a simpatia da Dona Fernanda e do Diogo conquistou-nos de imediato e, nos preços que nos mostraram, já estavam incluídos serviços que, noutros espaços, seriam considerados extras. Antes de fazermos a reserva, fizemos questão de levar os nossos pais também a conhecer a Quinta da Bichinha, era importante para nós termos a aprovação deles, e foi unânime: todos adorámos! Depois dessa decisão tomada ainda em Outubro, escolhemos o fotógrafo: o grande Pedro Vilela; o vídeo: VídeoArt – o Carlos Ferreira é incrível; e o som: Jukebox – onde eles estão a festa é garantida! No nosso caso, o DJ do nosso casamento foi o simpático Miguel Viana. A par destas decisões que implicam reservas com antecedência, até porque percebemos que 2015 ia ser um ano recheado de casamentos, focámo-nos no convite dos padrinhos de casamento: convidámo-los a virem a nossa casa, onde tiveram a surpresa de ter de fazer palavras cruzadas feitas por nós, com a pergunta que os deixou tão felizes; no convite às minhas queridas sete eleitas para me ajudarem na descoberta do meu vestido de noiva (esse convite tinha um origami de um vestido feito por mim, que dei a cada uma quando as convidei para esta procura tão importante); na concretização de sete conjuntos de dez placas de votação, para distribuir às minhas eleitas na descoberta do vestido de noiva, foi muito engraçado haver a votação nas três lojas a que fomos – foi na Vestidus, em Dezembro, com a ajuda da querida Conceição, que o encontrei, foi amor à primeira vista: era lindo, simples, leve, e muito confortável, podia brincar com ele à vontade; e criarmos os convites do nosso casamento, que queríamos distribuir pessoalmente até ao final do ano, aproveitando o Natal.

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Quando casámos, namorávamos há 12 anos, ou seja, sentíamos que casados já estávamos há muito, a decisão de ser para sempre já estava tomada quando começámos a namorar, portanto, sempre vimos o nosso casamento como a oportunidade de juntar os amigos mais próximos e a nossa família, como uma celebração ao nosso amor, só podíamos querer uma grande festa! Assim sendo, queríamos um ambiente simples, bonito, romântico e inspirador, onde o amor e a alegria pairassem no ar. Para nós era fundamental que cada pessoa sentisse que é importante para nós, e que sentisse que não era um simples espectador mas que fazia verdadeiramente parte da nossa festa, por isso criámos muita dinâmica para este dia, em que houve diferentes surpresas a acontecer para cada um dos nossos convidados, literalmente. Procurámos bastantes ideias na internet, sendo de destacar as ideias que fomos vendo no Simplesmente Branco, apesar de não termos copiado literalmente nenhuma, foi, sem dúvida, uma grande fonte de inspiração. Ao decidir o tema do nosso casamento, “Os sonhos”, e as cores (branco e amarelo) permitiu-nos seguir um fio condutor, desde os convites que fizemos, até ao dia do casamento. Tudo isto seguindo sempre o princípio “Less is more”.

 

 

 

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Como educadora de infância que sou, faz parte do meu dia a dia lidar com trabalhos manuais, é algo que adoro fazer, com a consciência de que se é feito por mim, se a ideia sai da minha cabeça, não existe em mais nenhuma parte do mundo igual, portanto tudo ganha um valor inestimável. Quanto ao Filipe, o meu marido, ele é informático e tem imenso jeito para criar a parte de design; além disso, sabe desenhar. Assim sendo, juntando as nossas qualidades, sentimos que tivemos a oportunidade de criar um casamento em que os convidados sentissem que tinha a nossa cara, só podia ser o nosso, de mais ninguém.

 

 

 

 

 

Tiveste ajuda?

Sim, tivemos. Apesar de termos sido nós a criar e a fazer a maior parte das coisas, tivemos várias ajudas. O meu amigo Luís, numa viagem que fez aos EUA, fez-me o enorme favor de lá comprar a prenda de noivado para o Filipe: um relógio da Calvin Klein; a minha amiga Sofia, que na altura morava em Oxford, fez-me o grande favor de receber a encomenda dos ténis All Star personalizados e trazê-la para Portugal; as lembranças para as senhoras foram saquinhos de alfazema em que eu escrevi à mão, individualmente, a mensagem que lá ia, o Filipe desenhou um a um, e a minha mãe teve imenso trabalho a fazer tudo o resto, valeu a pena, ficaram um mimo! O meu pai ajudou a arranjar materiais que iam para o lixo, que nós aproveitámos para a decoração, placas de madeira em que pintei palavras fundamentais na nossa história de amor; portas que utilizámos para a entrada da quinta e paletes. Foram os meus sogros que lixaram e pintaram as portas e as paletes. Além disso, a minha querida sogra também ajudou a fazer os confettis e o photobooth. Foi um privilégio podermos contar com os nossos pais, o trabalho de equipa em família foi um encanto. A minha prima Sofia foi uma ajuda fundamental na escolha e na concretização das roupas dos meninos das alianças. Os padrinhos, madrinhas e Damas de Copas ajudaram-me a concretizar uma surpresa para o noivo, a de criar o cenário vivo do nosso convite no dia do casamento, em que contei também com a participação da minha irmã e da minha amiga Sandra. Além destas ajudas de familiares e amigos, também senti como uma grande ajuda o rodear-me de fornecedores que vieram acrescentar beleza ao nosso dia, nomeadamente, “Mint Handicrafts” – a ternurenta Cristina bordou em lenços as palavras que pedimos, para surpreendermos os nossos Pais; Molde Design Weddings – as simpáticas Joanas fizeram o cabide com a palavra “noiva” e a medalha que eu levava no bouquet com uma mensagem surpresa para o noivo; “Feliz é quem diz” – a incrível Susana fez as placas que os meninos das alianças levaram, com a mensagem escolhida por mim, que também foi uma surpresa para o noivo; “Mimices” – a talentosa Débora fez as almofadas para a surpresa do cenário vivo e o porta-alianças; “Paperlovetoys” – a criativa Inês fez os bonecos do nosso bolo de casamento.

 

 

 

 

 

O que era o mais importante para ti?

Ter tudo organizado e feito à nossa maneira com antecedência, de forma a, no próprio dia, não estarmos preocupados com nada, em vez disso, conseguirmos aproveitar cada momento ao máximo e estarmos felizes acima de tudo!

 

 

 

 

E secundário?

Não sentimos nada como secundário, foi tudo pensado ao pormenor.

 

Onde gastaste mais dinheiro?

Na Quinta.

 

 

 

 

 

 

Onde gastaste menos?

No que foi feito por nós.

 

O que foi mais fácil?

Dizer o “Sim!” ao pedido de casamento!

 

 

 

 

 

O que foi mais difícil?

Não estou a ver nada…

 

O que te deu mais prazer criar?

Tudo! Fizemos tudo com tanto carinho que foi realmente um prazer: os convites para o nosso casamento, que deixou logo as expectativas dos convidados muito altas; a mensagem nas portas da entrada; as palavras do “Jardim do Amor”; as bolsinhas dos confettis; os títulos das paletes; os leques; pintar as pedras com os corações amarelos; o mapa das mesas; a tela para as mensagens dos convidados; as fotografias do “A crescermos juntos desde 2003…”; as lembranças; as placas para o photobooth; os votos… Criarmos a coreografia para a nossa primeira dança foi muito divertido! E escrevermos uma mensagem personalizada para cada convidado, que estava à sua espera na mesa das refeições, deu imenso trabalho mas fez toda a diferença. Além disso, em algumas dessas mensagens, também acrescentámos desafios para que a dinâmica do dia fosse garantida, não só por nós mas também pelos convidados.

 

 

 

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

O nosso casamento foi totalmente a nossa cara.

 

Um pormenor especial?

O brilho nos olhos e o sorriso de felicidade, não só do meu marido, mas de todos aqueles que adoramos que nos deram a honra da sua presença no nosso dia é algo indiscritível. É extraordinário ter as pessoas que adoramos connosco, a verdadeira felicidade ganha outra dimensão quando é partilhada!

Eu não consigo escolher só um pormenor especial. Foram tantos os que proporcionaram as emoções que descrevi, nomeadamente, a minha entrada; os votos do Filipe; o discurso do padrinho Gonçalo Pereira; as palavras da minha sogra; a entrada na sala das refeições com a música “Happy” e todos dançarem connosco com a surpresa preparada pelas madrinhas; ter surpreendido toda a gente ao dedicar a canção “Ser poeta” ao meu marido e, no final de cantar, desafiei os convidados a cantarem o refrão: foi arrepiante ouvir todos juntos a cantar, senti-me num concerto! A abertura da pista de dança; a coreografia do Festival Andanças; a homenagem aos meus pais; o lançamento dos balões…

 


 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Nada, foi perfeito!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

Organizem o vosso dia com tempo porque imprevistos acontecem sempre, mas assim há tempo para os resolverem com calma, para aproveitarem o percurso todo, desde o pedido de casamento, até ao grande dia! Afinal, só vivemos esta experiência uma vez na vida!

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites, materiais gráficos e ofertas aos convidados: tudo feito por nós.

local, catering e bolo: Quinta da Bichinha

fato do noivo e acessórios: Fato Sacoor, camisa Hugo Boss, relógio Calvin Klein, sapatos Foreva, atacadores HUP, botões de punho do site botoesdepunho.pt

vestido de noiva e sapatos: vestido, liga e acessório do cabelo Vestidus, sapatos Melissa, brincos Swarovski

maquilhagem: Ana André – Makeup Artist

cabelos: Lilibethy

flores: Bella

lembranças para os convidados: feitas por nós.

fotografia: Pedro Vilela Photography

vídeo: Vídeoart – Wedding Films

luzes, som e Dj: Luzes da Quinta da Bichinha; Jukebox.

 

Susana Pinto

Rita + Pedro, organizado é o caminho!

Hoje trazemos a festa da Rita + Pedro, na Quinta das Silveiras.

Amor, diversão e muito planeamento foram o mote e o que os guiou até este dia tão bonito e especial.

Querem saber como foi? a Rita conta tudo em detalhe! A ajudar, esteve a Molde Design Weddings!

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Foi num momento muito descontraído, simples… mas não deixou de ser surpresa. Estávamos a 26 de Outubro 2014, uma tarde de domingo, o Pedro convidou-me para ir dar um passeio à “nossa” praia – São Pedro de Moel. Sentada ao colo dele, ele diz-me “fecha os olhos” (eu achava que era um chocolate, como sempre). Abro os olhos, é um saco com uma caixinha branca, peguei nela a sorrir. Quando abri, ele pergunta-me “Queres casar comigo?”. Fiquei radiante ! Abracei-o com tanta força e respondi com um grande Sim!. Passados 7 meses e 4 dias, a 30 de Maio de 2015, reforçámos o nosso sim.

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Durante uma semana guardámos segredo de que estávamos noivos, pois quisemos fazer uma surpresa aos nossos familiares e amigos de uma forma especial e diferente, o que conseguimos! Mas nessa mesma semana começámos logo a pesquisar ideias, inspirações e quintas. Organizámos tudo em 7 meses, mas foi tudo bem conseguido devido à capacidade de gestão de tempo, principalmente da minha parte, porque o Pedro estava a terminar a tese de Mestrado. Para mim esse foi o maior segredo : aproveitar todo o tempo “livre” que tinha para coordenar e organizar as coisas.
A nossa grande prioridade foi definir a data, reservar a Igreja, e encontrar um espaço especial, simples e íntimo. Seleccionámos 2 espaços, e o escolhido foi a Quinta das Silveiras (Iguarias do Tempo) que foi amor à primeira vista. Tínhamos a certeza que naquele lugar iria correr tudo como idealizámos, e confirmou-se. Foi lindo ! A escolha do fotógrafo foi o passo seguinte – Charisma. Sugestão por parte da quinta, e quando avaliámos o portfólio fotográfico e a simplicidade da equipa (José e Nuno), não hesitámos. Tínhamos a certeza que o nosso registo fotográfico iria ficar fantástico, natural e divertido: as fotografias estão lindas. Por fim, creio que tudo o resto fluiu de forma natural. Os elementos gráficos foram idealizados por nós, a decoração da quinta e da igreja também, e tivemos o excelente apoio da Alexandra e Joana Conde (Iguarias do Tempo), Flor do Campo e Molde Design Weddings.

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Uma das nossas grandes prioridades era criar um ambiente intimista, moderno, leve, mágico, mas igualmente familiar e confortável – foi tudo muito bem conseguido ! A Quinta das Silveiras proporcionou-nos um espaço com uma decoração linda. A escolha de todos os pormenores foi perfeita e não mudaria nada.

A escolha da igreja foi fácil, pois jamais imaginaria casar noutra a não ser naquele lugar… Sempre quis casar na Igreja onde meus pais e o meu irmão se casaram. Quis cumprir com a tradição. A decoração foi igualmente linda e como sempre sonhei.

No início eu e o Pedro não estávamos interessados em “rotular” o nosso casamento com um tema, mas ao longo das tomadas de decisão, foi inevitável. A nossa inspiração esteve sempre em torno daquilo que mais gostamos e fazemos profissionalmente. Somos ambos designers: a decoração, os elementos gráficos e todos restantes pormenores foram sempre seleccionados com base no sentido estético, (alguma) originalidade e elegância. A fim ao cabo, o tema refletiu aquilo que somos, a nossa essência profissional. A inspiração gráfica partiu da Bauhaus, as mesas foram designadas com nomes de designers e arquitetos, os nossos curriculums fizeram a sinalética das casas de banho. Foi de facto um ambiente personalizado à nossa imagem.

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Faz parte da nossa natureza, logo não poderia ser de outra forma. Gostávamos que tudo tivesse um toque pessoal, e queríamos que os nossos convidados sentissem que todo o casamento era a “nossa cara”, que foi pensado ao pormenor e com detalhes que marcassem o nosso cunho.
As ideias e inspirações iam surgindo naturalmente, depois disso íamos moldando as coisas até alcançarmos aquilo que verdadeiramente idealizámos. Obviamente que contámos com algumas opiniões profissionais devido às experiências, e isso foi um ponto chave para conseguir tudo perfeito.

Eu e o Pedro somos muito independentes e convictos das nossas ideias, por isso, a opção “feita por ti” teria mesmo de ser assim – feita por nós.

 

 

 

 

Tiveste ajuda?
Sim… e bastante preciosa. A distribuição de tarefas, aqueles “recados” que ocupam tempo quando na verdade esse já se encontrava escasso, as opiniões, a “ajuda emocional”… Família e amigos não nos faltaram e foram fundamentais. Toda a ajuda foi excecional, pois sem eles o nosso dia não teria sido o mesmo. Foi um percurso onde contámos com um apoio constante, com carinho, palavras e afetos.

Os profissionais que abraçaram o nosso casamento foram também importantes, e muito. Tudo aquilo que proporcionamos, foi também graças ao seu profissionalismo.

Além de todas estas forças e energias, contámos (principalmente) com a ajuda um do outro como sempre tem sido desde que nos conhecemos.

 

O que era o mais importante para ti?

O mais importante ? Eu e o Pedro.
Conseguir fazer do dia 30 de Maio 2015 o dia mais feliz das nossas vidas foi a nossa grande prioridade. Fizemos deste dia a escolha do nosso sim eterno, portanto o mais importante éramos nós, que este dia fosse partilhado com as pessoas mais importantes das nossas vidas, e que fosse abençoado por Deus.

Depois desta principal prioridade, o importante seria ainda que este dia fosse à nossa imagem. Queríamos que fosse um dia descontraído, sem grandes protocolos, com uma celebração religiosa linda, serena e emotiva, e que todos testemunhassem o amor que nos une. Foi um dia maravilhoso !

 

 

 

 

E secundário?

Creio que não houve nada secundário. Obviamente que existiram algumas coisas que tivemos de abdicar por questões de preço ou que simplesmente achámos que não iriam acrescentar valor, mas todo o resto foi fundamental para conseguir aquilo que verdadeiramente tínhamos idealizado.

 

Onde gastaste mais dinheiro?

Na decoração e nos detalhes gráficos. Foi difícil abdicar destes pormenores porque na verdade estes elementos foram, a nosso ver, os elementos que marcaram e personalizaram o nosso casamento.

 

Onde gastaste menos?

Na oferta aos convidados. Queríamos oferecer algo que fosse prático, útil e que adoçasse os corações de todos aqueles que partilharam connosco aquele dia. Como a mãe do Pedro tem um dom de fazer umas compotas deliciosas, não hesitámos – comprámos uns frasquinhos de vidro e a fruta era do quintal dos pais do Pedro. Com isto, bastou a mãe dele juntar açúcar e carinho – voilá ! Estava maravilhoso !

 

 

 

O que foi mais fácil?

Saber que o Pedro era o noivo / marido ideal (risos) !
A escolha do Padre para a celebração, foi facílima. Conhece-me desde os meus 9 anos, e como fiz parte do coro da Capela da minha aldeia, foram quase 10 anos de trabalho e convívio semanal. É uma pessoa extremamente acessível, que zela pelo nosso bem… Não faria sentido ser outro Padre que não ele.

 

O que foi mais difícil?

Nada… Quando se abraça um projeto pessoal desta natureza nada é difícil porque aquilo que verdadeiramente importa é o que nos levou a tomar este passo. Os pequenos obstáculos tornam-se supérfluos quando equiparados com aquilo que conseguimos concretizar.

 

 

 

O que te deu mais prazer criar?

Todos os pormenores que idealizámos porque foram sempre de encontro ao nosso estilo – a decoração, o grafismo, os pormenores e as surpresas – nada paga essas emoções. A coreografia que eu e o Pedro ensaiámos deu-nos igualmente muito prazer. Divertimo-nos imenso e foi motivo de gargalhada na pista.

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Tinha a nossa “cara timbrada” em tudo ! A começar pela nossa descontração (sem grandes formalismos), a celebração religiosa muito emotiva, a viagem até à Quinta no BMW E30 do Pedro (o menino dos olhos dele depois de mim!), a decoração, a comida, as fotografias, o dinamismo e interacção dos convidados, as gargalhadas, as surpresas que marcaram o dia. Foi tudo espetacular. Vivemos o nosso casamento tal como sonhámos. Eu, por exemplo, que adoro dançar, não larguei a pista de dança – divertimo-nos imenso !
As cedências, só mesmo aquelas que foram forçadas pela falta de tempo ou que consideramos “indiferentes”.

 

 

 

 

Um pormenor especial?

Fomos abençoados por tantos detalhes e surpresas. Reconhecemos o esforço, a dedicação, as amizades e carinho dos nossos amigos e familiares. Não tivemos um pormenor especial, mas sim vários ! Nem sei por onde começar…

O coro – creio que foi a única situação que não consegui controlar de perto, pois depositei toda a minha confiança no Sílvio (Maestro). A escolha debruçou-se na recomendação por parte dos meus pais que conhecem o seu talento em algumas celebrações no Santuário de Fátima. Falei com ele telefonicamente, expressei o género musical que gostaríamos para a nossa cerimónia, estive com ele uma única vez, e a 3 dias do casamento ele enviou-me um excerto dos ensaios. Quando ouvi (pela primeira vez) emocionei-me e disse a mim mesma ” vai ser lindo”. Vivi numa ansiedade porque depositei toda a confiança em algo que não conhecia até ao último instante. Foi um risco mas foi magnífico !

O meu afilhado João André – um pormenor que marcou a nossa celebração religiosa. No final da cerimónia, ele leu-nos uma carta onde descreve todo o carinho que tem por nós e a importância que temos na vida e crescimento dele. Foi um momento muito emocionante que comoveu todos aqueles que ali estavam. Hoje guardamos essa carta emoldurada em nossa casa…

Família e amigos – um momento deslumbrante e o mais surpreso de todos. O meu irmão, cunhada, afilhado e amigos surpreenderam-nos com uma dança Flash Mob. Foi brutal ! O meu irmão inicia o momento com um discurso e pensei “vai deixar-nos umas palavrinhas – que querido”. De repente ouvimos a música do filme “Missão Impossível”, eu e o Pedro olhámos um para o outro e questionámos “o que se passa aqui ?”. Começa o meu irmão, a minha cunhada e o João a dançar, depois entra um casal de amigos com a filha, e mais outro e outro… Foi mágico e arrepiante! 7 minutos de muita emoção que demonstrou (mais uma vez) todo o carinho e dedicação possível e imaginária que a família e verdadeiros amigos possam ter por nós. Sabemos agora que foram semanas de ensaio, e até hoje que não conseguimos expressar a nossa gratidão de tal surpresa. Foi simplesmente fantástico. Um orgulho !

Cantei para o Pedro – foram 3 semanas a ensaiar, todos os dias, durante a minha viagem de trabalho para casa ao som de Sade. Quis presentear o Pedro com um momento especial, de forma a demonstrar o amor que sinto, e assim reforçar a razão pela qual nos casámos. A forma que encontrei de o fazer, foi ultrapassar o medo. Cantei para ele “By your side”. O nervosismo era imenso, e tomou conta de mim em breves momentos levando-me a esquecer da letra. Mas ultrapassei, contornei e a intenção do momento valeu por tudo.

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?
Nada.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

Não façam as coisas como “o protocolo” dita, mas sim como querem que o vosso dia seja.
Não tentem controlar tudo porque é impossível, e no caso de algo correr mal, é lidar isso com uma gargalhada e delegar a resolução do problema a alguém de confiança.
Planeamento e organização são o ponto chave. Se não fosse uma organização delineada, precisa e rigorosa, as coisas teriam sido difíceis.
Aproveitem ao máximo cada minuto e cada instante porque o tempo não passa … Voa!! É o único dia que podemos ser totalmente egoístas porque o dia é somente vosso. Divirtam-se, e muito !

 

 

 

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites e materiais gráficos: Molde Design Weddings

local, catering : Quinta das Silveiras by Iguarias do Tempo

bolo: Brisa Norte

fato do noivo e acessórios: o fato e camisa, Suite Inc., gravata Zara e sapatos Biana

vestido de noiva e sapatos: vestido Rosa Clará na (N) de Noivas, sapatos Melissa, brincos Bijou Bijou, pulseira em ouro (oferta do Pedro)

maquilhagem e cabelo: Perle D´or (pela minha amiga de coração Candy Rodrigues)

flores: Flor do Campo

ofertas aos convidados: compotas feitas pela mãe do Pedro (uma delicia !)

fotografia: Charisma

luzes, som e DJ : tratado pela Quinta das Silveiras

Mónica Aragão

Colecção Convites 2016 #2, por Molde Design Weddings

A semana passada desvendamos a nova colecção de convites para 2016 das Joanas – mentes criativas por de trás da Molde Design Weddings. Hoje revelamos mais algumas peças amorosas que fazem parte das diferentes colecções criadas, porque um casamento não está completo sem um quadro de honra, marcadores de mesa e outras placas divertidas!

 

 

 

 

 

 

 

Papel perfeito para pormenores perfeitos!

 

Molde Design Weddings é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco. Podem encontrar mais informação e contactos detalhados na sua ficha de fornecedor, arquivada em Convites e Álbuns, Despedida de Solteira, Detalhes Especiais e Ofertas.

 

Mónica Aragão

Colecção Convites 2016, por Molde Design Weddings

Ano novo, muitas novidades! É esta a proposta da Molde Design Weddings que arranca com uma colecção de convites de casamento para 2016 assente em ilustrações amorosas e detalhes que fazem a diferença. Anunciar o casamento nunca foi tão giro: entre listras e corações ou flora e fauna, a nova colecção de convites da Molde Design Weddings tem ainda mais duas vantagens – qualquer um dos modelos apresentados pode ser adaptado e personalizado com cores e textos ao gosto dos noivos, podendo ainda ser o ponto de partida para a criação de outras peças a incorporar na festa…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em breve, mostramos o resto desta colecção… stay tuned!

 

Entretanto, podem trocar ideias e inspiração com esta dupla criativa de Joanas, enviando-lhes um email ou através do contacto 916 211 475.

 

A Molde Design Weddings é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco. Podem encontrar mais informação e contactos detalhados na sua ficha de fornecedor, arquivada em Convites e Álbuns, Despedida de Solteira, Detalhes Especiais e Ofertas.