O que é nacional é bom Arquivos -  Simplesmente Branco 

0 Comentários

Guava: sapatos de veludo e dias de festa!

Hoje trazemos as novidades da Guava, em dose dupla: novo modelo de botins e uma inauguração.

A Inês Caleiro acha que os sonhos são feitos de veludo e já que é o assunto da saison, desenhou uma versão macia para os seus conhecidos e bests sellers botins peep toe, em tons de rosa e ruby.

Este ano a marca chega ao seu 6º aniversário (parabéns!) e, em modo celebratório, quis enriquecer a sua Essentials Collection com a utilização de novos materiais em modelos já conhecidos e amados pelos clientes e seguidores.
“Já queria há muito incluir veludo na coleção”, conta Inês Caleiro, head designer da marca. O botim peep toe foi todo revestido em veludo, à excepção do salt, o que se manteve em acrílico envernizado.
“Acreditamos que quem calça Guava pode conquistar o mundo e a escolhas destes dois tons foi pensada como representativa da complexidade feminina. Todas as mulheres têm um lado mais suave, que associamos com o tom pastel, e um lado mais sexy que alinhamos com uma cor mais forte como o vermelho”.

A colecção Essentials e os novos modelos Pink Blush e Ruby Velvet ja estão disponíveis no site da marca, e custam 275€.

 

 

Um charme, estes botins, não? Com o vestido certo, de manga comprida, está o modelito perfeito e modernaço!

E se as acham bonitas e fotogénicas, que tal verem-nas ao vivo?

Pois parte dos festejos do 6º aniversário, que prometem um ano recheado de desafios e surpresas boas, é a abertura do novo showroom no Porto, na Rua Augusto Rosa, nº 39, agora em Fevereiro.

 




 

No novíssimo edifício District, o novo espaço de negócios e comércio do Porto com 3 amplos pisos e as mais variadas empresas, lojas e marcas, as pessoas podem comprar e experimentar toda a colecção da marca ou apenas ficar a conhecer a equipa que está por detrás da Guava. e que o acompanha.

A inauguração é dia 1 de Fevereiro, e o horário será das 9h às 19h, de segunda a sábado.

Quem vai visitar?

 

0 Comentários

Peónia, uma marca portuguesa, com certeza!

Este ano dei um pulinho ao Winter Market Stylista, para espreitar a selecção criteriosa que a Maria Gomes fez para este Natal. Entre amigos e conhecidos com trabalhos bonitos que gosto sempre de revisitar e ver de perto as novidades, tropecei na marca de sapatos 100% nacional, com o mais bonito nome (e cartões bem cheirosos!): Peónia.

 

 

Estive um bocadinho à conversa e deixei-me cativar por estes sapatos tão bonitos… De tacão e ponta redonda ou de salto fino e bicudos, chamam-se respectivamente Aurora e Iris, e merecem a vossa atenção, porque são perfeitos sapatos de noiva.

Eu fiquei de olho nuns azuis escuros de veludo, com fita de cetim para o tornozelo e nuns de verniz, redondinhos, cor de café com leite cremoso – ambos tão especiais para casar.

 

 

 

 

 

 

 

Para além das cores bonitas, vibrantes e lisas, variam os acabamentos: pele, camurça, veludo, e metalizado. Nos padrões, há leopardo, cobra e zebra, e acabamentos como os pompons de franjas, fitas de cetim e fivelas no tornozelo.

Com qualidade 100% portuguesa, são fantásticos!

Para saber detalhes e fazer compras inspiradas, basta contactar a dupla criadora da marca: Dulce Vicente Pereira e Sílvia Melo Pinto, por email.

Acompanhem a página do Facebook e o Instagram, para estarem a par das novidades.

 

Save

Save

0 Comentários

Convites de casamento, por Graffiscópio: uma imagem vale muitas palavras!

Há umas semanas, conheci o trabalho giro do Ricardo Figueira, que assina com o nome artístico de Graffiscópio, e fiquei fã imediatamente!

São dele estes convites de casamento (e não só!) completamente personalizados:

 

Convites de casamento Graffiscópio

 

Convites de casamento Graffiscópio

 

O Ricardo trabalha profissionalmente como ilustrador há mais de dez anos, maioritariamente na área da Publicidade. Um dia, por acaso, um cliente pediu-lhe para fazer uma banda desenhada que contasse a história do início da sua relação, para depois oferecer à namorada no dia do aniversário. Com este desafio nas mãos, o Ricardo deu-se conta de dois problemas curiosos: o tom juvenil geralmente atribuído a uma banda desenhada poderia retirar o lado romântico da oferta e uma história contada em quadradinhos, com recurso a textos dentro de balões, poderia tornar-se demasiado densa e expor com demasiada evidência certos pormenores íntimos da relação entre os dois.

Uma coisa levou à outro e a solução foi contar uma história por meio de uma mescla de ilustrações. O resultado é mais subjectivo, já que não é uma história linear agarrada a certos momentos-chave que o cliente escolheu.

Simplificando, o cliente só precisou de responder a algumas perguntas previamente elaboradas pelo Ricardo, de resposta fácil e curta. O resultado foi uma ilustração original, divertida e interessante, onde apenas os intervenientes sabem explicar a sua totalidade.

 

Convites de festa Graffiscópio

 

Convites de festa Graffiscópio

 

Com o sucesso deste primeiro desafio, vieram mais trabalhos semelhantes, sempre com excelentes reacções:

 

“Houve uma cliente que se emocionou de tal forma ao ver a história do início da sua relação, passando pelo casamento e nascimento de um filho, que não conseguiu conter as lágrimas. Outro cliente contou-me que a namorada achou a melhor prenda de dia de namorados que alguma vez tinha recebido.
Os trabalhos têm servido vários propósitos; a comemoração de uma relação, de um casamento, o percurso de uma vida, histórias de amigos, aniversários de adultos e crianças, relatos de uma viagem, e outras tantas ocasiões em que a mensagem, intrerpretada e apresentada desta forma, faça sentido, sejam particulares ou empresas”

 

O passo seguinte foi dar nome a este projecto de ilustração bem giro: Graffiscópio, uma espécie de caleidoscópio onde se colocam histórias para as converter em grafismos.

 

Acho a ideia genial!

No site do Graffiscópio (que é giro que se farta!), podem ver mais trabalho do Ricardo Figueira. Podem contactá-lo por email ou ligar-lhe para 962 870 488.

 

1 Comentário

Mimos modernos, por Ducka Design

Pratos para as alianças e vasos para oferecer aos convidados.

Assim a seco, parece nem ter graça, mas as peças bonitas da Ducka são curiosas e especiais. Descobri-as na semana passada, quando fui buscar os meus postais “Feliz é quem diz” (e dar um abracinho bom à querida Susana Almeida), ao Mercado de Natal do Campo Pequeno: dei a minha volta, recolhi alguns cartões de contacto e tomei nota das coisas interessantes que encontrei.

A Ducka foi uma delas, e que graça tem.

Apresenta-se assim: “Ducka é uma pata com muito carisma, e um gosto especial por design. Nasceu com uma vontade enorme de pegar em peças que alguns consideram “lixo” mas que para ela são verdadeiros tesouros! Com uma paixão por tudo o que é artesanal, transformando os com detalhes modernos e um enorme carinho pela tradição, esta pata tem bicho carpinteiro e não consegue estar parada! A Ducka encontrou o seu lugar no mundo do design e está disponível para trabalhos de redesign, de criação de espaços, e de projetos com bom gosto!.”

 

A sua dona é a designer Ana Rita Aguiar e, das várias peças disponíveis, elegemos estas duas que achamos perfeitas para vocês: o Ninho e o Tosco (até os nomes são óptimos!).

 

Pratinho para as alianças

 

Vasinhos de suculentas para oferecer aos convidados

 

Vasinhos de suculentas para oferecer aos convidados

 

O Ninho é um conjunto de duas peças côncavas de forma hexagonal feitas a partir de cimento. Uma é cinzenta, outra é branca e servem como prato para as alianças, durante e após, e também, numa versão menos romântica, como despeja-bolsos!
O Ninho é vendido como um conjunto de 2 peças, e custa 12€.

 

O Tosco, criado a partir de uma paixão por formas geométricas e apreciação por pequenos cactos, é uma peça decorativa com um ser vivo que não necessita de muitos cuidados (óptimo para quem gosta de plantinhas mas não tem exactamente green fingers). Os cactos precisam de pouca água e de pouco espaço, e estes pequenos vasos de cimento assentam em qualquer das suas arestas, de modo tombado (mas firme!), resultando numa peça decorativa e com um toque de cor e verdura muito refrescantes.
O Tosco custa 8 € e está disponível em 5 cores: cinzento (cor natural do cimento), branco, cor-de-rosa, azul e amarelo.

 

Se design minimalista e industrial é a vossa cena, estas duas peças (o Ninho para as alianças e os Toscos para oferecer) são um achado. Podem encomendar suculentas bebés ao Dário Nemésio, da O meu amor é verde e compor a vossa selecção de verdes à medida.

 

4 Comentários

Liliana + Mário, o amor celebra-se a dançar!

Fechamos a semana em grande, querem saber porquê?

Porque não só trazemos um belíssimo casamento cheio de sol e calor do Alentejo, mas também porque a escolha dos noivos, no que toca a fornecedores, foi toda feita nesta bela casa chamada Simplesmente Branco… Que orgulho!

A Liliana + Mário prepararam a mais bonita festa: intimista, calorosa, cheia de detalhes cheios de significado para os dois e o que mais queriam era que a magia do dia fosse tangível e contagiosa… A julgar pelas imagens douradas captadas pelo Rui Gaiola, da Golden Days Photography e pela dupla Fullcut Wedding Films, no video, foi isso mesmo que aconteceu no Monte do Ramalho, em plena paisagem alentejana.

A decoração, feita à base de suculentas, teve dedinho das meninas Greenpic’k e a pista de dança (muito importante!) ficou a cargo dos animados Jukebox.

Para além desta equipa luxuosa (não estamos a exagerar, confirmem com os vossos olhos!), um pormenor bonito: o noivo usou uns botões de punho da Ninho de Cucos, feitos de prata e cortiça (em sintonia com o tema rústico e alentejano), que é a marca de joalharia de autor da minha querida amiga Davina Primo.

 

Eu não avisei que fechávamos a semana da melhor forma?

Bom fim-de-semana!

 

 

 

 

 

Sinalética de casamento no Monte do Ramalho, no Alentejo

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Logo após o pedido de casamento em Novembro de 2015 mesmo nos pés do Cristo Redentor na Cidade Maravilhosa!, começámos por decidir a data do casamento. Inicialmente tínhamos apontado para o final de 2016, mas como gostamos tanto dos dias longos de verão antecipámos para final de Junho.

O tempo já não era muito, mas como somos pragmáticos fizemos uma to do list e listámos todos os fornecedores que precisávamos de contactar, juntámos a informação com o que queríamos de cada um dos fornecedores e começámos a enviar e-mails para recolher propostas.

Primeiro tivemos de escolher o local onde queríamos que acontecesse o grande evento. Nós somos de Lisboa e o principal objetivo era fazer um casamento diferente, intimista, apenas com amigos chegados e família próxima, daí termos começado a procurar sítios com que nos identificássemos, nomeadamente no Alentejo (não temos família no Alentejo, mas é uma região que tem muito significado para nós). Também era importante que tudo pudesse acontecer num único sítio mas que fossemos nós a escolher todos os fornecedores e que também pudéssemos ter cerimónia religiosa e foi assim que encontrámos o Monte do Ramalho. Um local com uma beleza única, com pessoas dedicadas e bastante versátil face às nossas pretensões.

Nos restantes fornecedores (catering, decoração, fotografia, vídeo e DJ) também não foi uma escolha difícil (conseguimos sempre identificar fornecedores em linha com as nossas ideias, e em alguns casos o problema foi a indecisão face aos bons trabalhos de alguns fornecedores). Basicamente, e após algumas reuniões e pesquisas, chegámos a uma short list e escolhemos os fornecedores com quem nos sentimos melhor, com cujo trabalho nos identificávamos e com a ideia de casamento que estava a crescer e a ganhar força.

No final de 2015 tínhamos os fornecedores escolhidos e tudo encaminhado!

 

 

Retrato do noivo com botões de punho Ninho de Cucos

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Quisemos criar uma festa diferente (e quem não quer?) com as pessoas mais importantes para nós e queríamos que, para além de nós, noivos, os convidados se divertissem ao som de boa música, no meio da bela paisagem alentejana, com uma decoração acolhedora e que sentissem a boa energia daquele espaço. No fundo o objectivo foi fazer uma celebração simples mas especial, onde pudéssemos, enquanto noivos, também desfrutar do ambiente de festa e dar atenção a todos os convidados.

Optámos por uma decoração campestre mas com o toque sofisticado das suculentas! Adoro estas plantas e achei que fazia todo o sentido termos esse apontamento no nosso casamento. A Greenpic’k foi a escolha óbvia como nosso fornecedor para a decoração, pois são especialistas com as suculentas.

 

 

Bouquet de noiva rústico, da Green Pic'k

 

 

 

Tiveste ajuda?

Tivemos algumas dúvidas e, à medida que se aproximava a data do grande dia, íamos pedindo ajuda aos nossos fornecedores, que se disponibilizaram desde o primeiro minuto. Contámos também com a experiência deles para concluir algumas ideias, para além do que ficou inicialmente contratualizado.

As madrinhas e padrinho também foram acompanhando os preparativos e dando opiniões.

 

 

Cerimónia civi ao ar livre, no Monte do Ramalho

 

 

 

 

O que era mais importante para ti?

O mais importante para nós era conseguir um casamento descontraído, bonito e simples, em que pudéssemos viver o dia sem preocupações. Criar uma atmosfera com boa energia.

 

E secundário?

O alinhamento do casamento. Era importante para nós não ficarmos presos aos timings definidos.

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

O que foi mais fácil?

A escolha de músicas! Adoramos música e temos muitos momentos nossos, inclusivamente a forma como nos conhecemos, que têm como motivo a música.

 

O que foi mais difícil?

Os últimos dias, a ultimar os detalhes da decoração. Estávamos com dificuldade na gestão das nossas expectativas.

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Retrato de grupo, por Golden Days Photography

 

O que te deu mais prazer criar?

A escolha dos vários espaços que íamos utilizar no Monte e vermos em conjunto com a Greenpic’k a decoração, os detalhes das cores, o material a utilizar, o estacionário…

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Existiram algumas ideias de decoração que acabaram por ficar pelo caminho, ou mesmo substituídas por uma opção mais fácil ou mais acessível face ao orçamento definido. Confesso que também depositámos muita confiança nos nossos fornecedores, a energia era boa e estávamos todos em sintonia. O resultado foi fantástico! Nem nós imaginámos que ficasse assim!

 

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

 

Naked cake decorado com suculentas

 

Um pormenor especial?

As placas das cadeiras dos noivos “Danças comigo?” e “Para sempre!”, isto porque adoramos dançar! E ainda passámos no casamento um vídeo que a Fullcut Wedding Films fez connosco em que, como não podia deixar de ser, dançámos e namorámos!

Há um outro pormenor! Os amigos do Mário preparam uma surpresa e apareceram no casamento vestidos de uma forma muito original e todos de igual. Resultou na perfeição e, claro está, que esbocei um grande sorriso quando os vi na cerimónia!

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Apenas alterava a hora de início. Começava talvez uma hora mais cedo. Mesmo com 70 convidados, penso que seria o tempo extra que precisava para estar um pouco mais com eles. De resto… Ah, o giz! Tínhamos colocado uma placa em ardósia com uma frase para os convidados deixarem as suas mensagens e esquecemos do pormenor do giz. Agora as mensagens terão de ser recolhidas à medida que encontramos os nossos amigos, ou mesmo na celebração do primeiro aniversário de casamento.

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites, decoração e bouquet: Greenpic’k

espaço: Monte do Ramalho

catering e bolo: Encontrus

fato do noivo e acessórios: fato e colete Massimo Dutti Personal Tailoring; botões de punho Ninho de Cucos; gravata e lenço Elizabeth Videira

vestido de noiva, sapatos e acessórios: vestido Eduardo Braz, sapatos Unisa e acessórios Juliana Bezerra

makeup: Sónia Godinho

cabelos: Carla Venâncio

fotografia: Golden Days Photography

vídeo: Fullcut Wedding Films

luzes e DJ: Jukebox

 

Save

0 Comentários

A arte de bordar, por Jubela: almofada para as alianças

Há alguns anos que acompanho o trabalho bonito da doce Joana Caetano, que assina com o nome de Jubela.

Faz parte desse lote incível de meninas que trabalham com as mãos, pacientemente, e trazem para os dias de hoje, por um caminho totalmente contemporâneo, técnicas e saberes antigos, com um carinho e uma consistência que só torna as suas peças bens preciosos e intemporais.

Já falámos várias vezes do trabalho da Joana por aqui, e os seus bastidores bordados com andorinhas são presença frequente em casamentos, como este, da menina Beija-flor, fotografado pela Marta Marinho, da Beija-me, nossa fornecedora seleccionada (e um dos casamentos mais bonitos que publicámos por aqui recentemente!).

Há dias cruzei-me com estes bastidores que combinam um dos meus (e da Joana) motivos favoritos, as andorinhas, com umas pequeninas flores brancas, sobre uma base de linho cru… São tão delicados e especiais!

Podem ser usados como “almofada das alianças”, para decorar um recanto da nova casa ou para oferecer a alguém de quem se goste muito.

 

 

Almofada para as alianças, com bastidor bordado com andorinhas

 

Conversámos um bocadinho com a Joana e ela explica-nos o que é isto de bordar:

 

A Jubela é uma marca de bordado de autor que nasceu em 2009, depois de frequentar algumas oficinas de bordado tradicional de Guimarães.
O meu trabalho caracteriza-se essencialmente pelo uso de temas e símbolos, que fazem parte do bordado típico de algumas regiões de Portugal, como o caso das andorinhas.
Os pontos de bordar utilizados partem do bordado tradicional, mas os desenhos e as peças finais são projectos da minha autoria. Tanto podem ser acessórios como colares alfinetes e pins, como objectos de decoração, peças onde misturo técnicas, como o caso das ‘andorinhas rendadas’, onde misturo serigrafia com o bordado.
A escolha dos materiais é criteriosa,  bordado é uma técnica demorada e exige experimentação e experiência.

Algumas peças são bordadas em linho artesanal, que compro directamente aos produtores deste material. O meu trabalho está apenas disponível na loja online, faço séries pequenas e a criação em pequena escala não é compatível com a distribuição em várias lojas.

 

Almofada para as alianças, com bastidor de linho, bordado com andorinhas

 

Almofada para as alianças, com bastidor de linho bordado com andorinhas

 

Sobre o processo de trabalho, a Joana também nos explica como é:

 

“Normalmente existe um exemplar de cada peça que vai sendo reproduzido à medida que as peças se vendem.
As peças têm preços fixos, porque são semelhantes na sua génese: as horas de trabalho e materiais. Mas também é possível fazer uma encomenda personalizada, a partir das peças já existentes, onde o preço pode variar um pouco, dependendo da peça final que se está a criar: é criado um desenho próprio e até o esquema de pontos a bordar é ajustado à medida.
No fim, as peças são enviadas pelo correio, ou quando possível, entregues em mão (a quem pode ou quer tomar um cafézinho comigo, pela baixa do Porto).
Embalar é para mim tão importante como o restante processo. Escolho e compro todos os materiais pelo comércio tradicional aqui da cidade do Porto e faço as embalagens manualmente. Os bastidores das andorinhas são envoltos em papel de seda às florzinhas, os envelopes feitos por mim em papel de bacalhau da papelaria Modelo, e tudo é atado com um fio de linho da casa Crocodilo, a fechar a embalagem.”

 

 

 

Mais amor que isto, é difícil!

As peças da Jubela vão estar em exposição e venda em Dezembro, numa Pop UP store que vai juntar artistas de outras áreas como a ilustração, cerâmica e encadernação. Serár no Porto, na Rua do Breiner e a restante informação ainda está no segredo dos deuses para não estragar o efeito surpresa!

 

Para saberem tudo, recomendo que acompanhem as aventuras da Jubela (gata incluída), na sua página do Facebook, site e Instagram. Até lá, façam compras e encomendas na loja online.

E podem sempre mandar um email simpático à Joana Caetano, ela vai gostar de vos conhecer e ouvir!

 

2 Comentários

Caligrafia bonita

Eu e a Sónia Praça acompanhamo-nos mutuamente já há uns anos: certamente o Facebook nos avisará um destes dias! Fazemos parte de uma geração “blogspot” que gostava de fazer coisas com as mãos e de visitar as casas virtuais de cada uma, ficando para um chá e um comentário aqui e acolá.

Ora há uns meses valentes, a Sónia dedicou-se com afinco à arte de caligrafar e eu tenho acompanhado o projecto Por linhas tortas, à espera do momento de o mostrar aqui.

 

Frase inspiradora caligrafada à mão, por Por linhas tortas Caligrafia

 

Frase inspiradora caligrafada à mão, por Por linhas tortas Caligrafia

 

Tudo escrito à mão, na caligrafia aguarelada da Sónia… não é bonito e delicado?

Pensem nos vossos nomes nos convites (que podem digitalizar e entregar o ficheiro ao vosso designer, para compor o resto), na marcação de mesas, sinalética da festa, mensagens especiais, agradecimentos ou mesmo um quadro bonito lá para casa (ou para oferecer no Natal…?). As imperfeições acrescentam amor e personalidade, saber que é feito à mão, só para vocês ou para a pessoa especial que vai receber tal presente, é um valor extra nos dias de hoje, em que tudo é impessoal e apressado.

Os preços base ficam entre os 5 euros e os 12 euros, mas dado o universo de possibilidades, o ideal é conversarem com a Sónia sobre o que precisam, para ela vos dar algumas sugestões e preparar uma bela proposta.

 

Frase inspiradora caligrafada à mão, por Por linhas tortas Caligrafia

 

Frase inspiradora caligrafada à mão, por Por linhas tortas Caligrafia

 

Frase inspiradora caligrafada à mão, por Por linhas tortas Caligrafia

 

Frase inspiradora caligrafada à mão, por Por linhas tortas Caligrafia

 

Gosto das pedrinhas para marcar os lugares lá em casa e destas frases inspiradoras e cheias de energia, parece que alguém está, animadamente, a conversar connosco: é impossível não sorrir!

 

Acompanhem as aventuras caligrafadas Por linhas tortas na sua página do Facebook e Instagram, e contactem a Sónia Praça por email. Ela vai adorar conversar e escrever convosco!

 

Save