Created with Sketch.
Marta Ramos

Shinny happy people, por The Emotion Wedding Film

A Naomi e o Stephan casaram em Sintra, num magnífico dia de Setembro do ano passado. A festa foi linda, com direito a muitos mimos de amigos e familiares, cerimónia ao ar livre e diversão pela noite dentro. Pessoas felizes com a felicidade dos outros é sempre tão bom de se ver, não é?

Fiquem com o filme, assinado pelo Tiago Milheiro – The Emotion Wedding Films.

 

 

Susana Pinto

Inês + Ricardo, a receita para um dia muito feliz!

Atravessamos mais uma semana invernosa e nada melhor do que imagens luminosas (e vistas de mar!) para aquecer e sonhar com dias quentes e longos… Trazemos a festa da Inês + Ricardo, fotografada pelo Hugo Coelho Fotografia.

E o que eu gosto deste nosso casamento de hoje… Ri-me imenso com as respostas dos noivos (Inês, a noiva que nem se queria casar…!), e com a clarividência dos seus conselhos… e gostei tanto das imagens enviadas pelo Hugo Coelho, que contam uma história, que é a da Inês + Ricardo, neste dia de todos os dias: explico-vos porquê.

Há muitos blogues de casamento, certamente quem nos lê segue vários. E há o Pinterest, a plataforma nº1 das noivas actuais, e há o Instagram e isto e aquilo. Em comum, mostram imagens lindas, milhares de detalhes que circulam todos os dias, que guardamos criteriosamente em pastas de inspiração – eu faço o mesmo, são ferramentas de trabalho.

Mas não é isso que me interessa, nem é isso que me enche de espanto e nem é isso que quero, todos os dias, trazer para aqui e sobretudo, para estes artigos de sexta-feira: para mim, a magia são as pessoas e o amor partilhado, a energia do dia, a alegria contagiante, transversal (o sorriso da Inês está em todas as fotografias!)… A última imagem é uma fotografia de rolhas. E até é a minha favorita (e gosto muito de todas), neste contexto, porque fecha a narrativa, de forma épica: foi aquilo, uma festaça, são os despojos, o que fica quando toda a gente já se foi embora, o ponto final de um dia incrível (sim, porque só os dias incríveis e muito especiais terminam com espumante!). É a história contada pela lente do Hugo, a sua perspectiva com as suas escolhas e decisões sobre o essencial e o acessório, e é, sem margem para dúvidas, a história do dia da Inês + Ricardo, na companhia dos seus. E isto tudo, caros leitores, contado assim, é maravilhoso, é único e muito doce.

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Não fazíamos a mais pequena ideia. A Inês toda a vida disse que não queria casar e embora, com o avançar da relação, tenha mudado de ideias, foi uma mudança que até a ela própria fez confusão. Quase que nem queria admitir que estava, realmente, a pôr a hipótese de casar. E como era algo difícil de admitir, nunca se deixou pensar sobre como seria o grande dia. No dia do “sim” estava “tudo por pensar”. O primeiro instinto era casar numa praia tropical, com meia dúzia de amigos, pés descalços e vestido branco mas básico (pelo joelho e de alcinhas, nada de noiva) com uma flor havaiana no cabelo. Isto sem grandes certezas… Por outro lado, o clássico entrar da noiva na Igreja é algo que custa não incluir quando se toma a decisão de casar. Além do mais, a ideia do Ricardo, era o casamento clássico. Pelo que quando começámos a pensar no nosso dia e concluímos que seria clássico, só imaginámos as pessoas que nos são queridas à nossa volta, felizes por nós e orgulhosas por termos decidido partilhar com elas a decisão de ficarmos juntos para sempre.

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Não nos sentíamos minimamente preparados, mas não houve assim tantos nervos… Foi um caminho emocionante, isso sim. Todo o processo foi uma constante emoção. Uma excitação sempre que dávamos mais um passo na organização e uma felicidade enorme com o aproximar da data. Momentos de ansiedade, foram poucos, pois tivemos a sorte de quase nada fugir ao nosso controlo.

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Não sentimos “é mesmo isto” em nenhum momento concreto da organização. Sentimos isso antes de começar a organização, quando contámos aos nossos pais que tinha havido um pedido de casamento e que íamos dar esse passo.

 

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Tudo aquilo que exigiu preparação resultou de acordo com as ideias iniciais. Ou praticamente tudo, vá. Houve algumas adaptações que tiveram de ser feitas mas, de um modo geral, aquilo que idealizámos, concretizou-se. Tivemos bastante ajuda, sim. Principalmente da mãe da noiva… A mãe da noiva, da nossa experiência, é uma ajuda preciosa e fundamental!

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental: conseguirmos aproveitar o nosso dia, sem stress, para podermos sentir e usufruir de cada momento. Queríamos mesmo viver cada minuto. E, claro, ter à nossa volta as pessoas mais próximas e sabê-las felizes por nós.

Sem importância: tudo o que falhasse no dia. Isto é, fizémos os possíveis e impossíveis, até à véspera, para que tudo corresse na perfeição. Mas pusémos para nós que, no próprio dia, o que não corresse de acordo com o plano, não ia ter importância! O que corresse bem, óptimo. O que não corresse como planeado, azar.

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi escolher o fotógrafo! Embora tenhamos visto trabalhos de vários e tenhamos tido reuniões com 2 ou 3, no fundo sabíamos que íamos escolher o Hugo Coelho porque adorámos o trabalho que ele fez no casamento de uns amigos nossos. E esses amigos disseram que ele era “top”.

O mais difícil foi decidir como abrir a pista de dança! Não queríamos a valsa clássica pois não nos identificamos com isso mas não sabíamos bem como fazer uma coisa à nossa medida. Acábamos por dar largas à imaginação, ver vários vídeos no youtube e montámos uma coreografia nossa (que foi muito elogiada!).

 

 

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A entrada da noiva na Igreja – há noivos que escolhem outro pico que não este???

 

E o pico de diversão?

Abertura da pista! Não só a dança foi genial (modéstia à parte), como ainda por cima a mesa de mistura encravou e foi uma risota! Tivemos de começar de novo e pedir aos convidados que se fingissem surpreendidos como se não tivessem nunca visto como era o início da dança. Resultou super bem.

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

O aparecimento de um amigo que vive que Xangai e com quem não estávamos a contar no casamento. Foi surpresa. Fez 13.000km em 2 dias para não perder o nosso dia – foi algo que nos honrou muitíssimo. Foi muito especial.

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada! Foi perfeito!! Quer dizer, se calhar comeríamos mais no cocktail (não experimentámos nada dos aperitivos, só mesmo o gin tónico) e certamente que teríamos ido à mesa das sobremesas e à dos queijos… Que desperdício! No dia nem nos lembrámos disso… Tanto empenho e dedicação a escolher cada variedade e depois não provámos nada…

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Não stressem. O vosso casamento acontece uma vez na vida por isso aproveitem cada momento do processo. Há coisas que nos deixam, a nós noivas, de nervos em franja durante a organização mas respirem fundo e  pensem que vai correr bem. Corre sempre e, no dia, não pensem. Não pensem em nada. Estiveram uma data de meses a preparar tudo, preocupadas com tudo e a pensar em tudo… Para quê? Para no grande dia poderem dar-se ao luxo de não pensarem em nada e só sentirem cada momento. Vale a pena! Mas só têm uma oportunidade, por isso não a desperdicem.

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Miguel Teixeira e Cláudia Alves;

local, decoração, catering e bolo: Quinta do Pé da Serra (serviço próprio);

fato do noivo e acessórios: Alta Roda;

vestido de noiva e sapatos: vestido A Bela Noiva; sapatos Zilian;

maquilhagem e cabelos: Mariana Gonçalves. Cabelos & Maquilhagem

bouquet: feito pela mãe da noiva

ofertas aos convidados: não houve

fotografia: Hugo Coelho Fotografia

vídeo: The Emotion Wedding Films

luzes, som e Dj: luzes e som Boost Audio; DJ Dave Oak

 

Save

Mónica Aragão

Amor português, sotaque escocês, por The Emotion Wedding Films

Catriona + Andrew não vivem em Portugal, mas vivem o país intensamente… ela porque tem mãe portuguesa (e pai escocês!), ele porque ama ela e juntos descobriram e apaixonaram-se por este cantinho à beira-mar. Para o cantinho onde escolheram celebrar o amor – Estufa Real – trouxeram aqueles que lhes são mais queridos e entre sotaques e conversa fiada, todos se entenderam, todos adoraram… como se vê neste filme de casamento de Verão do The Emotion Wedding Films.

 

 

O amor fala todas as línguas, toca todos os corações…

 

Wedding Planner: The Wedding Company

Fotografia: Catarina Zimbarra Photography

Vídeo: The Emotion Wedding Films

 

Marta Ramos

A carruagem do amor, por Matilde Alçada Photography & The Emotion Wedding Films

A fotógrafa Matilde Alçada traz-nos hoje imagens de um dia particularmente emotivo, o do casamento de Emmanuelle e Stanislas de Beck Spitzer, em Julho de 2014, no Estoril.

 

«Há casamentos que nos comovem. Os nossos noivos já constituíram família, já passaram pela montanha russa dos momentos mais frágeis e mais fortes – e continuam juntos! Por essa mesma causa, decidem-se casar. Porque assim o fazia sentido. Passar pelas provas primeiro e então casarem-se depois, se as ultrapassassem. Essa maturidade, traz consigo uma serenidade própria também. Uma lufada de um ar quente e um momento de pausa, só para eles. Uma luz cheia de amor e de boas energias. Pude testemunhar de tão perto. Pude aprender também. E sei que o que viveram até aqui, foi apenas o começo. Espero voltar a fotografá-los novamente, certamente nos casamentos dos filhos. Será uma honra fazer sempre parte da vossa carruagem!»

 

O filme deste casamento foi assinado por mais um fornecedor seleccionado SB, o Tiago Milheiro, da The Emotion Wedding Films.

Fiquem na companhia de Emanuelle, Stanislas, família e amigos, pelos olhares da Matilde e do Tiago.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Susana Pinto

Maria + Bruno, emoção muito à flor da pele!

Hoje trazemos a emocionante festa da Maria + Bruno, em Óbidos: um luxo de selecção, pois foram escolhidos para os acompanhar neste dia, o Pedro Vilela, nas fotografias, a Jukebox, na pista de dança, a In|Love Unique Weddings, nos convites e detalhes, Vintage Cake Company, no bolo, Sandra Senra na maquilhagem e The Emotion Wedding Films, no video.

E se foi uma selecção de sucesso, eu recebi o mais doce dos emails, enviado pela Maria, a contar-me como tinha sido um dia fantástico.

 

Belo!

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Na cidade mais romântica do mundo: Paris, mesmo em frente à Torre Eiffel! Sempre lhe disse que quando me pedisse em casamento teria que ser ali! Disse-o a brincar mas ele levou aquilo a sério! O Bruno trazia o anel na bolsa do telemóvel, tirou o anel, ajoelhou-se, fez a pergunta mágica, e a resposta já sabemos qual foi. Foi emocionante e muito bonito.

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Começámos mais ou menos um ano antes a procurar o local do casamento e isso foi o que nos tomou mais tempo e foi a escolha mais difícil. O facto de estarmos longe, também dificultou o processo, o Bruno estava em Munique, ia vendo as hipóteses na internet e eu, que estava em Portugal, ia fazendo as visitas. Depois de termos o local, contratámos o fotógrafo, que para nós era um dos elementos mais importantes no dia. Depois fomos contratando os outros fornecedores, com a ajuda do Simplesmente Branco, tendo em conta o que já sabíamos que queríamos para o dia.

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

O nosso tema era óbvio. Eu e o Bruno estamos juntos há 10 anos (com alguns desencontros pelo meio, porque a distância não é fácil), e 9 deles foram passados distantes um do outro, por isso os nossos encontros foram acontecendo por esse mundo fora. Assim, no nosso casamento queríamos retratar isso. E todo o casamento foi em torno das viagens e das cidades que visitámos juntos. A este tema procurámos associar um estilo ‘vintage’. Esses foram os elementos comuns de tudo: desde os convites, que eram uma passagem de avião, com um envelope ‘antigo’ com o contorno azul e vermelho que víamos antigamente e um mapa-mundo com as cidades que visitámos assinaladas; até ao sitting plan, que simulava um painel de partidas de um aeroporto, onde cada mesa era uma cidade de destino, e até ao bolo, que era uma mala de viagem e tinha uma torre Eiffel. Portanto, o dia do nosso casamento foi uma linda viagem pelo mundo.

 

 

 

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Nós sempre soubemos muito bem o que queríamos, tínhamos as ideias, só tínhamos de saber concretizá-las. E sempre que pensámos no dia do nosso casamento, pensámos num dia feito por nós e para nós. Por isso quisemos que tudo passasse por nós e que todas as escolhas refletissem o que queríamos que fosse o nosso dia. Foi também por isso que criámos o site do nosso casamento, com a nossa história, com os pormenores do dia, para que as pessoas pudessem saber mais sobre nós e sobre o dia, e que pudessem também partilhar o que quisessem. Aliás, esse site continua a ser atualizado, com fotografias da lua-de-mel, do casamento, dos convidados.

 

Tiveste ajuda?

Tivemos muitas ajudas. Os nossos pais estiveram sempre disponíveis para tudo. E a nossa maior ajuda foi a minha sogra. A Teresa foi a responsável por quase todos os pormenores decorativos que tivemos no casamento. Nós tínhamos a ideia e a Teresa concretizava. Ela foi incansável até ao dia do casamento! Claro que também comprámos muita coisa. Passámos um ano inteiro a comprar adereços decorativos, almofadas, quadros, velas, tudo o que pudesse funcionar bem naquele dia … até comprámos a mala de cartão com que estávamos a sonhar desde o início, em Paris, quando lá fomos em Maio. A Inês e a Rita, da In | Love Unique Weddings foram também uma ajuda preciosa na concretização dos convites, do photobooth, do sitting plan e de pequenos pormenores gráficos. Na escolha e concretização do vestido, a minha querida Maria Inês e a Bárbara Garrido (de O comité do vestido) foram essenciais e ajudaram-me a criar o meu vestido de sonho.

 

 

 

 

 

O que era o mais importante para ti?

Para nós, a decoração foi uma aposta muito forte e na qual gastámos muito tempo. Queríamos recriar a nossa história e queríamos que todos os pormenores contassem um bocadinho dessa história. A fotografia era também um dos elementos mais importantes no casamento. Queríamos também que a fotografia contasse a história daquele dia de um modo espontâneo, descontraído e feliz. E conseguimos!

 

E secundário?

Acho que não houve nada secundário. Todas as escolhas, todos os fornecedores, todos os pormenores de decoração, o sítio, tudo foi pensado até mais ao pequeno pormenor. Foi muito cansativo, mas muito emocionante criar aquele dia.

 

 

 

 

Onde gastaste mais dinheiro?

O mais caro foi o local. Gastámos também bastante dinheiro na decoração, que ficou totalmente à nossa responsabilidade … as pequenas coisas somaram uma quantia grande, maior do que pensámos inicialmente. Mas também fizemos muita coisa, ou melhor, a Teresa fez e nós, juntamente com os meus pais, ajudámos! Serrámos madeira para fazer placas, fomos ao rio buscar pedras para colocar nos cubos que estavam nos centros de mesa, fomos à floresta apanhar paus e troncos, reciclámos, aproveitámos tudo o que tínhamos e que podia servir para o dia! Depois também investimos muito na fotografia, no vídeo e em todo o trabalho de produção gráfica.

 

Onde gastaste menos?

No fato do noivo e no vestido da noiva! O Bruno conseguiu um fato muito bonito e uns sapatos estonteantes a um preço muito simpático. O meu vestido, tendo sido feito à medida, ficou mais económico do que um vestido comprado em loja. E o mesmo se passou com os sapatos. E nunca equacionei comprar um vestido numa loja. Tinha uma ideia muito clara do que queria, e por isso só precisava das pessoas certas para me ajudarem a concretizar essa ideia! E é um processo muito intenso, no que isso pode ter de bom e de mau! Há muito stress e suspense, mas é um processo criativo muito envolvente e, no final, compensador!

 

 

 

 

O que foi mais fácil?

Saber o que queríamos para o nosso dia. Estivemos sempre em sintonia, por isso foi muito fácil imaginar o nosso dia e o que precisávamos para que ele acontecesse.

 

O que foi mais difícil?

A escolha do local foi o mais difícil.

 

 

 

 

 

O que te deu mais prazer criar?

Todos os pormenores de decoração foram muito cansativos, mas também a melhor parte. Era muito bom andar nas lojas de decoração à procura de inspiração e das peças de que precisámos. E depois era mágico quando as ideias que estavam na cabeça se tornavam reais!

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

O casamento foi a nossa cara e contou a nossa história. Felizmente, conseguimos que tudo o que imaginámos naquele dia fosse possível. Tivemos muita sorte em ter as pessoas certas ao nosso lado para nos ajudarem nesse processo!

 

 

 

 

 

Um pormenor especial?

Toda a cerimónia… com uma amiga especial como ‘celebrante’, com a Mel (a minha cadela) como ‘menina das alianças’, com a troca dos votos, a leitura dos poemas pelos padrinhos e a cerimónia da areia.

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

No dia seguinte, falámos sobre isso, e ambos dissemos o mesmo: devíamos ter estado mais tempo com as pessoas! Devíamos ter aproveitado mais as pessoas que estavam ali connosco. Podíamos ter aproveitado mais alguns momentos que preparámos com os convidados! Na festa do nosso primeiro aniversário de casamento vamos colmatar as falhas!

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

São as palavras comuns, mas são as que realmente importam: aproveitem o dia, os momentos, as pessoas, porque aquele dia passa a voar! E façam com o que o vosso casamento conte a vossa história. Não escolham isto ou aquilo porque está na moda, ou porque fica bem, escolham porque diz alguma coisa sobre vocês! E depois, claro, o Simplesmente Branco passa a ser 0 vosso melhor amigo, dando-vos inspiração, ideias e os melhores fornecedores!

 

 

Os nossos fornecedores:

convites e materiais gráficos: In|love Unique Moments

local e catering: Hotel Vila d’Óbidos

bolo: Vintage Cake Company

fato do noivo e acessórios: Mundo dos Fatos, sapatos Eureka

vestido de noiva e sapatos: Maria Inês e Bárbara Garrido, de O Comité do vestido), sapatos Atelier Fátima Alves e acessórios Pedra Dura

cabelos e maquilhagem: Mood4Makeup by Sandra Senra

flores: Pequeno Jardim (Chiado)

ofertas aos convidados: feitas por nós

fotografia: Pedro Vilela

vídeo: The Emotion Wedding Films

Luzes, som e DJ: Jukebox

 

Marta Ramos

Palavras à beira-Douro, por The Emotion Wedding Films

A Joana e o Bruno são um doce casal, que começa logo por conquistar-nos na abertura deste vídeo, um same day edit pela The Emotion Wedding Films do dia do seu casamento, no maravilhoso Palácio do Freixo, à beira-Douro.

 

E consquistam-nos com palavras. Obrigada, The Emotion Wedding Films, pela captação tão bonita e cuidada dos votos destes noivos. Eu sei que sou (extremamente) suspeita, mas há lá alguma coisa mais envolvente do que isto, o abrir do coração um ao outro, em frente a todos os convidados, num dia tão especial?

 

Atenção aos mais sensíveis: este filme contém (e provoca) lágrimas.

 

 

Conta-nos lá, Tiago, foste tu que levaste os gelados Santini até ao Porto?