Created with Sketch.

Escolhi ser profissional de casamento porque...

Sinto que não escolhi, fui escolhido. Eu e a minha namorada viajávamos pela Ásia quando recebemos uma mensagem do irmão dela a dizer que pediu a sua namorada em casamento. Perguntaram-me se estaria interessado em ser o fotógrafo do casamento deles. Inicialmente recusei e disse que oferecia com todo o gosto uma sessão de noivos mas que fotografar um casamento era uma grande responsabilidade e que eu não tinha experiência para tal, naquele momento. Semanas antes do casamento, perguntei por curiosidade se já tinham arranjado fotógrafo e disseram que não, que queriam que fosse eu e que ia ser eu. Tendo eu ficado um pouco livre da pressão do casal pelo facto de saberem que eu não tinha experiência e ainda assim queriam que eu fosse o fotógrafo do seu casamento, decidi aceitar o desafio. Aquando da entrega das fotos e olhando para o álbum de casamento senti um orgulho enorme naquilo que tinha feito, algo que ainda não tinha sentido na fotografia até então. Ter tido a honra de contar a história daquele dia através de momentos felizes, de emoções, de choros e de risos para aquela família foi um grande abrir de olhos para o encaminhar da minha carreira no mundo da fotografia. E, foi assim que, no dia 30 de Abril, na Áustria, decidi tornar-me fotógrafo de casamentos.

Orgulho-me muito de...

ter abandonado a minha vida de gestor e de ter abraçado o mundo da fotografia. Não foi fácil. Confesso que andei meio perdido, mas após ter fotografado o meu primeiro casamento, senti um orgulho enorme de ter feito justiça aquele dia e aquela família que me é tão querida e que me acolhe tão bem. Sentir que as minhas fotos vão ser recordadas e guardadas com carinho para sempre, deixa-me orgulhoso e torna-se claro para mim que é isto que quero fazer da minha vida.

Vou procurar inspiração...

ao que me rodeia, gosto de viajar e fazer surf para mim é terapêutico. Mas, acima de tudo acho que a minha inspiração vem de dentro de mim, não tiro fotografias só porque sim, quando tiro uma foto, ela tem de me transmitir uma emoção, algo que me toque. É de facto isso que eu procuro transmitir sempre nas minhas fotografias, quer de casamento quer de viagem.

Daqui a 5 anos vejo-me...

a ser cada vez melhor fotógrafo. Sou uma pessoa bastante introspectiva e faço essa pergunta muitas vezes a mim próprio. Quando era gestor de marketing, sabia que não queria fazer aquele trabalho nos próximos cinco anos. Hoje só quero fazer isto.

Gustavo Simões Photography

O Gustavo Simões é um caçador de imagens. Observa, espera e capta o frame certeiro: o que contém as emoções, os sorrisos, as mãos que se tocam, a essência das pessoas.

“Sim, acredito em histórias de amor e é por isso que as quero documentar.

Curiosos? Bom, se nos encontrarmos, posso contar-vos como me despedi do meu emprego em busca de uma vida diferente e mais feliz. Que a encontrei através da fotografia e o quanto assustador e desafiante isso foi. E como acabei por perceber o que me atrai e a fotografia que gosto de fazer: captar pessoas e as suas emoções, sem filtro, tal como existem e acontecem, sem poses ou artifícios.

A verdade de cada um, de dentro para fora, nesse momento singular, tal como canta o Al Green, “good or bad, happy or sad”.

 

Acompanhem os nossos posts acerca do trabalho de Gustavo Simões Photography.

 

  • contacto: Gustavo Simões
  • morada: Lisboa

Escolhi ser profissional de casamento porque...

Sinto que não escolhi, fui escolhido. Eu e a minha namorada viajávamos pela Ásia quando recebemos uma mensagem do irmão dela a dizer que pediu a sua namorada em casamento. Perguntaram-me se estaria interessado em ser o fotógrafo do casamento deles. Inicialmente recusei e disse que oferecia com todo o gosto uma sessão de noivos mas que fotografar um casamento era uma grande responsabilidade e que eu não tinha experiência para tal, naquele momento. Semanas antes do casamento, perguntei por curiosidade se já tinham arranjado fotógrafo e disseram que não, que queriam que fosse eu e que ia ser eu. Tendo eu ficado um pouco livre da pressão do casal pelo facto de saberem que eu não tinha experiência e ainda assim queriam que eu fosse o fotógrafo do seu casamento, decidi aceitar o desafio. Aquando da entrega das fotos e olhando para o álbum de casamento senti um orgulho enorme naquilo que tinha feito, algo que ainda não tinha sentido na fotografia até então. Ter tido a honra de contar a história daquele dia através de momentos felizes, de emoções, de choros e de risos para aquela família foi um grande abrir de olhos para o encaminhar da minha carreira no mundo da fotografia. E, foi assim que, no dia 30 de Abril, na Áustria, decidi tornar-me fotógrafo de casamentos.

Orgulho-me muito de...

ter abandonado a minha vida de gestor e de ter abraçado o mundo da fotografia. Não foi fácil. Confesso que andei meio perdido, mas após ter fotografado o meu primeiro casamento, senti um orgulho enorme de ter feito justiça aquele dia e aquela família que me é tão querida e que me acolhe tão bem. Sentir que as minhas fotos vão ser recordadas e guardadas com carinho para sempre, deixa-me orgulhoso e torna-se claro para mim que é isto que quero fazer da minha vida.

Vou procurar inspiração...

ao que me rodeia, gosto de viajar e fazer surf para mim é terapêutico. Mas, acima de tudo acho que a minha inspiração vem de dentro de mim, não tiro fotografias só porque sim, quando tiro uma foto, ela tem de me transmitir uma emoção, algo que me toque. É de facto isso que eu procuro transmitir sempre nas minhas fotografias, quer de casamento quer de viagem.

Daqui a 5 anos vejo-me...

a ser cada vez melhor fotógrafo. Sou uma pessoa bastante introspectiva e faço essa pergunta muitas vezes a mim próprio. Quando era gestor de marketing, sabia que não queria fazer aquele trabalho nos próximos cinco anos. Hoje só quero fazer isto.