Created with Sketch.
Susana Pinto

Um vestido de noiva azul cobalto e um casamento diferente: Paula + Niall

Um casamento diferente, um casamento alternativo.

Enquanto há quem apregoe que os casamentos clássicos (tradicionais) são chatos e aborrecidos e que uma “cena alternativa” é que é, a minha visão sobre estes dois pólos opostos é muito distinta. O mercado está maduro e pronto para oferecer tudo, a todos. E não é necessário que uns sejam exclusivos ou contra os outros. Todos podemos co-habitar nos nossos gostos, visões e necessidades, e naquilo que queremos para o mais bonito dos dias.

 

Se sou católica e valorizo a cerimónia religiosa, isso não faz de mim chata ou antiquada. Se valorizo a informalidade e quero uma cerimónia simbólica com cocktail no jardim, isso não faz de mim insensível ao verdadeiro significado da união matrimonial.

São apenas visões distintas sobre a fórmula como esse compromisso para a vida se materializa, não são juízos de valor sobre os outros e, acima de tudo, são o reflexo daquilo que é cada casal: tão simples e tão bonito quanto isso. A existência dessa liberdade de escolha, que permite construir uma visão singular e a disponibilidade do mercado para acomodar todas e cada uma dessas visões, faz de nós (noivos e profissionais) um colectivo fantástico, generoso e muito entusiasmante.

 

O bonito casamento que vos trago hoje é um exemplo perfeito desta conversa. Paula + Niall, irlandeses, celebraram a sua união de uma forma bastante distinta e totalmente alinhada com a sua essência (e curiosamente, tal como eu faria, se me casasse!).

Sendo fotógrafa de casamento, a visão da noiva era claríssima sobre o que queriam e o que não queriam, e todo o processo, desde a ausência de pedido à lua-de-mel dupla, foi, a cada passo, o espelho do casal e da sua forma de estar e viver a vida, como uma longa sequência de passos sólidos no caminho a dois, sem interrupções.

É bonito isso, não é? Nem tudo tem que ser fogo de artifício, nem tudo tem que ser surpreendente e over the top, pode “apenas” ser a vida, em versões melhoradas e mais coloridas do seu próprio quotidiano.

 

Quando vi a primeira imagem deste casamento, fiquei dois minutos a olhar para a imagem do vestido azul cobalto: que peça incrívelmente bonita, eu que adoro tudo o que seja vagamente japonês. Não sendo um tradicional vestido de noiva, é um vestido com a dignidade e intenção equivalentes, sumptuoso, rico e poderoso: não são todas estas as sensações que procuramos sentir quando vestimos o nosso vestido de noiva?

 

Depois, esmiucei a história: um casamento a duas partes.

Primeiro no registo civil, apenas os dois, com passagem por um hotel especial na memória de ambos, com bouquet de noiva espectacular, playlist dedicada e um casaco fenomenal. Uns dias depois, uma festaça com a família e amigos, onde tudo foi escolhido a rigor para criar o ambiente desejado e uma festa acolhedora e intimista: cenário espectacular, comida deliciosa, bar pensado a rigor.

 

“It had been a few years since the last friend’s wedding we’d attended, and we were jokingly wondering which friend was likely to be next,” Niall remembers. “I said, ‘Well, it should really be us that gets married next’. That planted the seed! Paula did some research, and we chatted here and there about how we would do it. Eventually, we had a rough idea how we would go about it, and realised that we had already begun planning a wedding. I’d say we fell in love with the idea by happy accident!

 

We wanted to get married in an intimate way with just the two of us, so getting ready together in Dublin and Derry was a must. We couldn’t imagine doing it any other way. We both tend to shun the limelight, so keeping the ceremony and wedding personal and intimate between us was top of the agenda.

For us, it wasn’t about all the bells and whistles or a traditional ceremony, we wanted to make sure we weren’t rushed or stressed and could appreciate the occasion. There can be a lot to fit into wedding day but we really aimed to manage it in a way that allowed us to enjoy the time together and make sure family and friends did too.”

 

Diferente ou igual, clássico ou alternativo, de branco ou de azul: a relevância destas escolhas é zero, quando falamos de celebrar o amor com as nossas pessoas. Independentemente da sua cor, dimensão ou forma, que sejam as certas, porque são as nossas.

E este casamento é uma tara!

 

Fotografia de Honey and the Moon Photography, via One Fine Day.

 

Bom fim-de-semana!

 

 

Susana Pinto

Um passeio pelo Douro e Porto, com a Luxury Services by IGT

Vamos fazer um pequeno parêntesis no estado do mundo e falar sobre as viagens que faremos quando tudo retomar a normalidade.

 

A Luxury Services by IGT é especialista na arte de viajar, dentro ou fora do país, e partilha connosco as melhores sugestões. Afinal, sonhar faz bem e em breve poderemos pôr estas belas ideias em prática. Com o tempo livre que temos em mãos e a necessidade de manter a cabeça ocupada, que tal começar a fazer trabalhos de casa, anotando roteiro, descobrindo cenários e sítios para ficar?

 

Vamos falar-vos sobre um passeio no Douro e Porto.

A região Norte de Portugal é, sem dúvida, um dos locais onde experiências autênticas e luxuosas são garantidas. Por isso, a Luxury Services leva-nos à descoberta do Porto e do Douro vinhateiro. Por entre quintas centenárias, com histórias familiares incríveis, feitas de desafios e superação, provas de vinhos premiados mundialmente, uma gastronomia regional riquíssima feita de sabores típicos e repletos de tradição, e as paisagens inconfundíveis daquelas paragens, muito há para ver, fazer e conhecer.

 

Ir ao Norte é ir ao Porto, claro. Esta cidade emblemática mantém o seu espírito boémio patente na arquitectura, cultura, gastronomia e vitivinicultura e há tanto para ver. A Sé ou a Torre dos Clérigos  (a torre mais alta de Portugal) são monumentos que contam um pouco da história da cidade, com vistas muito fantásticas.

Se descermos em direcção ao rio, pela Rua das Flores, por exemplo, cheia de cafés, restaurantes e lojas, para um passeio pela Ribeira, há belas esplanadas para gozar o tempo ameno e ver o tráfego de barcos rabelos.

Regressando para cima, uma visita ao Palácio da Bolsa ou à Livraria Lello são recomendadas para quem aprecia estes ícones da cidade. Ou ainda uma visita ao Museu Soares dos Reis, que conta com mais de dois séculos de história e é o museu público mais antigo de Portugal, ou a Serralves, mesmo que seja só para dar um passeio pelos jardins.

 

O Norte não é só o Porto e o rio Douro atravessa terras magníficas que merecem uma visita demorada. A forma mais especial de fazer o percurso rio acima é apanhar o The Presidential Train, pelo menos entre Setembro e Outubro, altura em que está em circulação. Partir da Estação de São Bento é, por si só, uma experiência única: com mais de um século de existência e painéis com 20.000 azulejos que retratam a história de Portugal, da autoria do pintor Jorge Colaço, é um local a não perder.

O Douro evoca tempos antigos e tradições seculares. Propício a experiências inesquecíveis, esta linha de rio convida a provas de vinhos e visitas a quintas históricas. A oportunidade de ser enólogo por um dia cativa os amantes do vinho e participar numa vindima é uma experiência memorável.

 

Ao longo do rio Douro, as paisagens convidam a longos passeios, explorando trilhos e passadiços da região, com paragens estratégicas em miradouros que pedem uma contemplação mais demorada. As aldeias históricas convidam a ficar e, o pôr-do-sol, um passeio de barco ou um piquenique à beira-rio, sempre com os sabores da região, são momentos imperdíveis.

 

Para os mais enérgicos, não há que temer, a região vinhateira não é só contemplação e sossego. Se gostam de aventura e adrenalina, não faltam propostas da Luxury Services: passeios de 4X4 pelos trilhos usados pelos agricultores da região ao longo dos séculos ou passeios de caiaque para os que gostam de água e não perdem a oportunidade de um contacto mais próximo com a natureza são algumas das opções.

 

Rumamos a Norte, para um passeio no Douro e Porto?

 

As fotografias são do João Terra Fotografia, espreitem o seu portefólio bonito.

Susana Pinto

Design Events Wedding & Molde Design Weddings: um par perfeito

Um par perfeito é aquele em que há uma relação simbiótica, que serve as duas partes em igual medida e valor. É o equilíbrio certo entre dar e receber, ser e deixar ser, expirar e inspirar.

No The W Experience, a Design Events Wedding e a Molde Design Weddings, que é o mesmo que dizer a Maria João e a Joana e o António, partilharam um espaço de exposição, e posso dizer-vos que fiz deste canto a minha casa durante os três dias do evento!

 

O cenário e mood foi combinado entre as meninas e o resultado estava simplesmente bestial. Com o tema do evento em mente (recicla e volta a usar) e uma escolha criteriosa da paleta de cores e materias, a Design Events Wedding montou este fantástico arco floral com flores desidratadas, eucalipto e ramagens, uma mesa para quatro com um centro de mesa muito moderno e cheio de personalidade, tudo alinhado com a estética de hoje e passível de ser replicado para outra escala.

Já a Molde Design Weddings, pegou na sua colecção muito variada de convites de casamento (são todos peças únicas), com formatos, estilos, materiais e acabamentos diferentes e mostrou aquilo que faz melhor: criar à medida de cada casal.

Vocês não imaginam a quantidade de trabalho bonito que estava aqui à vista!

 

Decoração de mesa para acsamento Design Events Wedding Decoração de mesa para acsamento Design Events Wedding Decoração de mesa para acsamento Design Events Wedding Decoração de mesa para acsamento Design Events Wedding Decoração de mesa para acsamento Design Events Wedding Convites de casamento Molde Design Weddings Convites de casamento Molde Design Weddings Convites de casamento Molde Design Weddings Convites de casamento Molde Design Weddings Convites de casamento Molde Design Weddings Convites de casamento Molde Design Weddings

As imagens bonitas com este mood sombrio e misterioso são do trio Feel Creations, vizinhos de stand, que foram uns queridos ao registar este trabalho efémero. Graças à sua generosidade, pomos estas fotografias de trabalho tão bom a circular, tal como merece.

Os meus parabéns e agradecimento a todos, por terem feito tanto e tão bom!

 

Espreitem as galerias deste trio de fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, e ponham-se à conversa: eles terão as soluções mais fantásticas e certas para o vosso dia mais bonito! Basta seguir os links!

 

Susana Pinto

À conversa com: Feel Creations – fotografia e video de casamento

Hoje conversamos com o trio Feel Creations, que faz fotografia e video de casamento a partir do Porto, para todo o país.

Falamos com a Marta, o Bruno e o Bernardo sobre o seu percurso até aqui, de onde vem este ponto de vista e toda esta qualidade atenta, doce e meiga que o seu trabalho transmite.

Vibramos com todo o tipo de casamentos! Se são emotivos, a Marta quase chora, se são festas de arromba, só falta mesmo sermos os “reis da pista”, se são grandes temos mais gente para registar e para trocar dois dedos de conversa, se são pequeninos recebem-nos como se fôssemos familiares. Por isso, não temos qualquer tipo de preferência. Acreditamos que quem faz a festa são as pessoas e, além disso, são essas mesmas pessoas que nos fazerem querer continuar a fotografar e filmar casamentos.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia e vídeo de casamento.

Esta viagem tem sido bastante gratificante.

Somos três amigos, a Marta, o Bruno e o Bernardo, e estudámos juntos na faculdade. A Marta e o Bruno, ao longo da vida académica, já tinham uma pseudo-empresa a partir da qual faziam alguns trabalhos na área do design e, de vez em quando, de vídeo. Após a licenciatura quisemos tornar a situação mais real e séria, e foi quando o Bernardo entrou em acção. O nosso objectivo sempre foi trabalhar na área da fotografia e do vídeo. Tentámos direcionar todo o projecto para essa vertente e, após algum tempo e insistência, conseguimos. E conseguimos até hoje! Cada vez melhores, mais ambiciosos e sempre com fome de aprender mais e melhor.

 

 

Há quanto tempo captam imagens? E porquê casamentos?

Em Março a Feel Creations faz cinco anos de existência. Não foi um percurso muito fácil, mas cá estamos com toda a força e vontade.
Entrámos no mundo dos casamentos muito por culpa de um casal amigo. Na recta final do nosso estágio de faculdade, estes nossos amigos iam casar e queriam que fossemos nós a fotografar e a filmar no casamento deles. Inicialmente recusámos, pois não era esse o percurso que queríamos fazer e, além disso, não percebíamos rigorosamente nada de casamentos.

Insistiram bastante até que acabámos por aceitar o desafio. E ainda bem que o fizemos, pois adorámos a experiência! Compreendemos que o registo de um casamento não teria de ser feito obrigatoriamente de uma forma tradicional. Podíamos criar a nosso própria visão dos acontecimentos e não fazer acontecer, parecendo artificial. Afinal, podíamos ser criativos!

A partir desse momento arriscámos tudo. Começámos a repensar e a direccionar o nosso projecto para a área dos casamentos onde poderíamos ser livres na criação e aplicar a nossa própria visão. E aqui estamos! Prontos para novos desafios e ansiosos por cada casamento!

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Com o acesso bastante facilitado a diferentes tipos de conteúdos, sejam eles ao nível da imagem e do áudio, acaba por ser algo muito importante para nós na hora de ir buscar inspiração.

Acabamos sempre por encontrá-la naqueles dias que ficamos por casa a devorar filmes e muitas séries, e, sem dúvida nenhuma, na música, nas viagens que fazemos e, claro, no trabalho de outros fotógrafos e videógrafos que admiramos!

 

 

Como construíram a vossa assinatura, como a definem?

Sempre defendemos que temos de captar o que vemos e não o que os outros gostariam de ver.

Fazemos questão de ser discretos e deixar os momentos acontecerem, sem ter qualquer tipo de intervenção, pois achamos que o que é realmente bonito são aqueles sorrisos espontâneos ou aquele abraço sentido depois da cerimónia. E isso, como é óbvio, não se pede.

Tudo isto aliado à nossa forma de ser e fazer, com um olhar sempre atento aos pormenores e gestos e aos nossos gostos, acabam por dar o nosso estilo e estética da Feel Creations.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Viajar é o melhor “botão” para fazer alguns resets. Sair por uns tempos da nossa zona de conforto, conhecer novas culturas e ter experiências completamente diferentes das a que estamos habituados a ter. Pensamos que é a melhor forma de renovar energias e inspiração. Claro que nem sempre dá para o fazer, mas aí tentamos fazer de uma outra forma. Viajar dentro do nosso país, que tem paisagens absolutamente incríveis.

Por vezes, temos de perceber que trabalhar nesta área não é equiparável a um outro trabalho. Não podemos ficar presos à frente de um computador todos os dias, pois não é essa a nossa fonte de inspiração. Temos de ser criativos e, para isso, temos de cultivar métodos para o fazer/ser. E isso faz toda a diferença no resultado de cada trabalho.

 

Do Porto para o mundo, ou Portugal de lés-a-lés: fotografar e filmar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar e filmar casamentos nacionais?

Todas as pessoas são diferentes e cada casamento tem uma história diferente para contar. Tudo depende das personalidades, da entrega dos noivos e do que sonham para o seu grande dia.

Acreditamos que os portugueses gostam de aproveitar tudo até à última. Estes são definitivamente mais longos e muito mais dinâmicos. Um casamento estrangeiro tem tendência a ser mais curto e mais intimista. Felizmente já tivemos a oportunidade de fotografar/filmar alguns e temos essa ideia. Contudo, nada muda na hora de contar a história de um casamento. Sendo o nosso registo documental, o processo acaba por ser idêntico, quer seja um casamento português
ou estrangeiro.

 

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

Em todos os casos tentamos ter sempre uma ligação muito próxima ao nosso cliente. A nossa abordagem é sempre o mais descontraída possível para quebrar de imediato alguma barreira que possa existir. Achamos que é essencial aproximarmo-nos deles através da sua história e, dessa forma, conhecê-los o melhor possível. Afinal de contas, iremos estar presentes num dos dias mais importantes das suas vidas.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

Vibramos com todo o tipo de casamentos! Se são emotivos, a Marta quase chora. Se são festas de arromba, só falta mesmo sermos os “reis da pista”. Se são grandes temos mais gente para registar e para trocar dois dedos de conversa. Se são pequeninos recebem-nos como se fôssemos familiares. Por isso, não temos qualquer tipo de preferência. Acreditamos que quem faz a festa são as pessoas e, além disso, são essas mesmas pessoas que nos fazerem querer continuar a
fotografar e filmar casamentos.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo e videógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é ter a sorte de poder registar e assistir a um momento tão importante da vida de um casal. É do coração. Ficamos sempre muito felizes por ver a felicidade e a emoção dos noivos e das suas famílias.

Fazer o que gostamos e sermos felizes em cada casamento é o que é mais gratificante.

O mais desafiante é conseguir fazer sempre algo diferente e melhor.

O mais difícil é conseguir gerir o cansaço que se vai sentindo ao longo do dia de um casamento.

 

 

Contactem a Feel Creations através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens e vídeos, e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática deste trio criativo.

 

Aproveitem para espreitar os seus últimos casamentos que publicámos por aqui. O meu favorito é o mais bonito dos dias da Sara + Nuno, que casaram em casa, no coração do Porto: uma doçura só!

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

A Pajarita: estacionário com vista para o mar e para a história

Quando temos dois engenheiros navais a casar no Algarve, na Pousada de Sagres, perto da Fortaleza, é inevitável que o tema seja ligado ao mar, certo?

 

A Alexandra Barbosa, que assina como A Pajarita, pegou na inspiração dos noivos – Os Descobrimentos -, e criou um estacionário elegante, sofisticado, sem ser literal ao tema. O resultado é perfeito e muito bonito.

 

Conta-nos a Alexandra:

“A Sara e o Carlos imaginaram um convite com o desenho da Fortaleza de Sagres, esse lugar mítico na História de Portugal e dos Descobrimentos. Procuraram com afinco, mas sem qualquer resultado que fosse minimamente próximo do que tinham em mente.

 

Eu sugeri-lhes fazer uma ilustração original, em desenho à mão livre, e foi essa imagem que usámos, impressa em papel fine art, com as arestas pintadas à mão com tinta dourada. O envelope, feito manualmente no mesmo papel, fechava com um selo de lacre com a cruz naval.

Desenvolvemos, de seguida, os menus, marcadores de lugar e seating plan, mantendo a linha gráfica e os materiais.

 

O resultado, para este casamento que aconteceu em Dezembro, num glorioso dia de sol que o Algarve insiste em oferecer-nos, foi perfeito: simples, elegante e um reflexo dos noivos!”

 

Casamento na Pousada de Sagres

Estacionário de casamento inspirado nos Descobrimentos, por A Pajarita Casamento na Pousada de Sagres Sapatos de noiva cor de marfim para casamento de Inverno na Pousada de Sagres Casamento na Pousada de Sagres Casamento na Pousada de Sagres Estacionário de casamento inspirado nos Descobrimentos, criado por A Pajarita Casamento na Pousada de Sagres, inspirado nos Descobrimentos. Casamento na Pousada de Sagres, inspirado nos Descobrimentos. Casamento na Pousada de Sagres, inspirado nos Descobrimentos. Estacionário de casamento inspirado nos Descobrimentos, criado por A Pajarita Estacionário de casamento inspirado nos Descobrimentos, criado por A Pajarita Estacionário de casamento inspirado nos Descobrimentos, criado por A Pajarita Casamento na Pousada de Sagres, inspirado nos Descobrimentos. Casamento na Pousada de Sagres, inspirado nos Descobrimentos. Casamento na Pousada de Sagres, inspirado nos Descobrimentos.

Que vestido bonito, este (e os sapatinhos…!): é muito sofisticado, mas ao mesmo tempo singelo – um clássico intemporal, portanto, e o estacionário desenhado por A Pajarita é o complemento perfeito, mantendo um diálogo discreto de elegância rica e escolhas intencionais.

 

Gosto muito!

 

As fotografias são de Luís Jorge Photography, um simpático (e talentoso) rapaz algarvio.

 

Acompanhem o trabalho bonito de A Pajarita, a marca da Alexandra Barbosa, e não deixem de visitar a sua galeria cheia de trabalho bonito que actualizámos recentemente.
Apesar de estarmos a atravessar momentos inimagináveis, pode também ser o momento para iniciar conversas mais longas e planear trabalho bonito, que ao ser feito à mão, peça à peça, exige outro compasso. Partilharmos mensagens de apreço, mesmo que seja só essa a razão do contacto, torna os nossos dias mais leves e luminosos.

Susana Pinto

The W Experience: foi assim e foi tão bom!

O The W Experience aconteceu há um mês e hoje partilhamos o vídeo que a dupla It’s All About produziu para a organização.

 

São três minutos e meio de imagens dinâmicas, cheias de detalhes bonitos e que mostram como passámos estes épicos dias. Ainda assim, por muito cool que sejam este vídeo, não resume a energia e espírito de comunidade que sentimos estes dias, entre todos.

 

Há, claramente, um antes e um depois deste evento, neste nosso pequeno mercado de casamentos. E isso é muito entusiasmante!

 

Ora espreitem!

 

 

Ficamos já a pensar na próxima edição, não é?

Susana Pinto

À conversa com: Pedro Filipe Fotografia – fotografia de casamento

Hoje a conversa longa é com a dupla Pedro Filipe Fotografia, a Cátia e o Pedro.

Falamos sobre o seu trabalho, como chegaram a este assunto da fotografia de casamento e o que os move nesta grande aventura de captar o mais bonito dos dias de cada casal.

Procuramos ser e agir como se fôssemos convidados do casamento e registar os momentos e emoções com a maior fidelidade e naturalidade possível. Mas queremos dar sempre um toque de fine art ao nosso trabalho, que deve ser fiel, mas também artístico e único.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Desde cedo estive ligado à arte, mais concretamente à música. Estudei violino desde os sete anos até entrar para a faculdade. Frequentei o curso de engenharia mecânica enquanto a Cátia fazia o mestrado de engenharia civil. Para a tese da Cátia foi necessário registar umas fotografias de uma igreja e como não tínhamos máquina, pedi a velhinha Canon 300D ao meu irmão. Desde esse momento decidi não voltar a pousar uma DSLR. Talvez a combinação do espírito de engenheiro com o background da música tenha feito com que quisesse ver e aprender mais e mais. Depois de algumas experiências, rapidamente apareceu uma oportunidade para trabalhar como segundo fotógrafo, e daí a perceber que queria criar o meu percurso, foi um ápice. A Cátia juntou-se a fotografar no nosso primeiro casamento como Pedro Filipe Fotografia com uma 20D usada e que foi comprada uns dias antes desse casamento. A partir daí e até ao dia de hoje atingimos um crescimento e uma visibilidade que não estava na nossa mente nem nos nossos melhores sonhos.

 

Há quanto tempo fotografam? E porquê casamento?

Este ano de 2020 será o nosso sexto ano como fotógrafos de casamentos.

O início foi um bocadinho por acaso e uma série de eventos levou-nos a ter a nossa primeira oportunidade profissional num casamento. Já tinha feito vários casamentos como segundo fotógrafo e na altura também tinha um Trio para música de cerimónia de casamentos, por isso, era um mercado que já conhecia bastante bem e que gostava. Tal como tantos outros fotógrafos, vou fazendo algumas experiências noutras áreas da fotografia, mas sem a dedicação e a paixão que temos pela fotografia de casamento.

Fotografar casamentos é uma experiência incrível. É verdade que trabalhamos horas e horas a fio, mas o que obtemos de um casamento é tão enriquecedor. Temos a sorte enorme de conhecer tantas pessoas novas e incríveis, de ver em tempo real histórias de amor e famílias a serem criadas, de ver sorrisos, choros, gargalhadas e ainda somos pagos para isso. Não é uma sorte incrível? Mas é, também, uma sorte que dá muito trabalho a manter.

 

Pedro Filipe Fotografia_fotografia de casamento Pedro Filipe Fotografia_fotografia de casamento Pedro Filipe Fotografia_fotografia de casamento

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Vivemos num tempo de informação constante e a toda a hora. Conseguimos ver e ter acesso às imagens e trabalhos de outros profissionais e isso é incrível. Vemos tanta coisa boa e tanta coisa má e recolhemos informação e inspiração em ambos os lados. Toda esta globalidade faz uma concorrência natural em que só há um caminho a seguir. O de não parar. O de criar alianças. O de aprender e ouvir com os melhores. A verdade é que procuramos inspiração um bocadinho em tudo o que nos rodeia. Vemos muitas imagens dos nossos colegas que têm criado e construído trabalhos tão bons. Vemos filmes e séries. E viajamos muito! Sempre que podemos, vamos viajar. Quando chegamos de uma viagem vimos sempre mais ricos. Trazemos connosco as pessoas, as cores, a luz, os cheiros, a cultura e muitas fotografias que nos ajudam a avivar a nossa memória. Toda esta riqueza humana e experiencial ajuda-nos muito e inspira-nos a fazermos mais e melhor.

 

Como construiram a vossa assinatura, como a definem?

A nossa assinatura não está nem nunca estará efectivamente terminada. Até porque não achamos que tenhamos de a ter para sempre. Vamo-nos moldando com o nosso gosto e com a própria globalidade em si.

Gostamos muito de ser fotojornalistas de casamento. Por um lado, porque temos personalidades muito discretas e por outro porque adoramos a genuinidade deste tipo de fotografia. Procuramos ser e agir como se fôssemos convidados do casamento e registar os momentos e emoções com a maior fidelidade e naturalidade possível. Mas queremos dar sempre um toque de fine art ao nosso trabalho, que deve ser fiel, mas também artístico e único. Somos descontraídos, calmos e entregamo-nos por completo a cada casamento e julgo que é aqui que colocamos a nossa assinatura muito própria. Queremos que as nossas imagens mostrem aquilo que gostamos: naturalidade, luz, genuinidade, sorrisos e amor.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Depois de uma temporada com vinte e cinco casamentos sem parar, de aniversários perdidos e de tantos “Não podemos…” para jantar com os amigos, a verdade é que de vez em quando precisamos de fazer um reset ou uma pequena hibernação de casamentos. A prioridade sempre que possível é viajar. Quer seja para fora de Portugal ou mesmo cá. O que importa é ir e conhecer novas pessoas e novos locais, adoramos comer e beber um bom vinho.
Oura coisa que fazemos sempre que possível é ir ver concertos. Maioritariamente de música clássica, mas também de outros géneros musicais.
Ambos também gostamos de jogar ténis e o desporto também ajuda a libertar a mente.

 

Pedro Filipe Fotografia_fotografia de casamento Pedro Filipe Fotografia_fotografia de casamento Pedro Filipe Fotografia_fotografia de casamento

Da Costa Norte para o mundo, ou Portugal de lés-a-lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Cada vez menos sentimos essa diferença. Hoje em dia vivemos num mundo global e os nossos noivos também o são e vão buscar informação a todo o lado. Os nossos casais são cidadãos do mundo e se há alguns anos havia o estigma de que os portugueses estavam na cauda da Europa, a verdade é que hoje em dia não sentimos isso. Fazendo uma rápida análise dos nossos casais deste ano de 2019 vemos que quase todos eles ou trabalham ou trabalharam durante vários anos fora de Portugal. Praticamente todos viajam regularmente e são pessoas informadas. Em quase todos os casamentos temos convidados de outros países. Juntando tudo isto e falando do nosso caso em concreto, não vemos grandes diferenças entre os nossos casamentos estrangeiros e os nacionais.

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação aos clientes?

Actualmente, quase todos os nossos primeiros contactos são feitos via email. A partir daí fazemos questão de ter sempre uma reunião, preferencialmente presencial e caso não seja de todo possível, via Skype ou WhatsApp ou qualquer outra forma de comunicação por vídeo chamada. Esta parte é fundamental, porque a empatia tem de existir. Os nossos casais têm de nos conhecer e ter total empatia connosco. Afinal vamos passar todo o dia do casamento com eles (desde que se começam a preparar até já não aguentarem estar em pé), mais o tempo que já estivemos juntos em reuniões, sessões e afins e ainda o tempo que estaremos depois para preparar álbuns e entregas. Sem empatia isto seria terrível, e por isso tem de ser um sentimento mútuo. Se não a sentirmos, como poderemos entregar e documentar o dia do casamento de forma genuína e fiel?

A nossa ligação aos nossos casais é feita de forma constante durante todas as etapas do casamento, mantendo contacto permanente e esclarecendo todos os passos a dar. Afirmamos com muito orgulho que mantemos contacto com os nossos noivos mesmo depois da entrega do trabalho. Temos casais em que já documentámos o casamento, a sessão de gravidez e baptizado.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de fotografar?

Essa pergunta é de difícil resposta, vamos por partes…

Nacionais ou estrangeiros para nós é totalmente indiferente. O que interessa é que o nosso casal esteja a disfrutar cada segundo do seu casamento. Que estejam tranquilos e a divertirem-se.

Também não temos preferência por uma cerimónia emotiva ou festa de arromba O que realmente gostamos é que seja genuína. Que transmita a realidade e que seja fiel aos noivos.

Casamentos grandes ou pequenos? Neste caso confesso que preferimos casamentos mais pequenos, porque conseguimos uma maior aproximação aos noivos. As emoções tendem a dispersar-se por menos pessoas e como tal, tudo fica mais concentrado e intenso. Sentimos que conseguimos contar a história de forma mais eficaz, mais próxima e ainda mais fiel.

 

Pedro Filipe Fotografia e Video_Video de casamento

Qual é a melhor parte de ser fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

Julgo que o mais desafiante é não ceder à tentação de usar sempre a mesma fórmula. Temos que procurar sempre mais e melhor e entregar sempre um trabalho com a nossa marca, mas personalizado para cada casal. É por isso que nunca paramos para saborear feitos ou sucessos. Para nós, apenas servem de motivação para continuar a inovar a buscar inspiração.

O mais difícil é sabermos que vamos estar com um casal no dia mais importante e feliz das suas vidas e não podemos falhar. Não podemos falhar imagens e não podemos falhar ao obter o melhor do dia do casamento. Esta dificuldade traz também o melhor de sermos fotógrafos de casamentos. A oportunidade de documentar um dia único e irrepetível. Enquanto fotografamos de casamentos é-nos concedida uma confiança absolutamente inacreditável e até viciante. Cabe-nos a nós contar cada bocadinho daquela história através das nossas imagens. Imagens essas que além de serem documentos fotográficos de um dia, são também obras de arte criadas por nós. Cada imagem registada por nós é uma obra nossa e feita através da nossa inspiração, arte e empenho. É um privilégio, não acham?

 

Escolha uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê…

 

Casamento na Serra da Freita, fotografia de Pedro Filipe Photography.

Ui… Escolher uma imagem favorita é muito complicado para mim. A forma como trabalhamos é de entrega total a cada casamento para conseguirmos contar a história de forma muito próxima e fidedigna e isso faz com que as nossas imagens favoritas acabem por ser aquelas que estamos a trabalhar no momento.

Mas tendo de escolher uma, esta saltou-me ao olhar. E por várias razões… Porque me lembro perfeitamente como foi um ambiente tão porreiro que tivemos com este casal na Serra da Freita, porque adoramos a luz e a descontracção da fotografia e porque olhamos para este casal e nos lembramos da boa onda e do amor profundo que ambos nutrem um pelo outro e que nos continua a inspirar.

 

Contactem o Pedro Filipe através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a dupla Pedro Filipe Fotografia directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!