Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento na Quinta do Hespanhol: Joana + Hendrik, um dia cheio de amor

Hoje trazemos um casamento na Quinta do Hespanhol, fotografado pelo João Pedro Correia, que assina como João Makes Photos.

É o doce dia da Joana + Hendrik e a sua trupe de amigos e família internacionais, que começou na bonita Igreja da Memória, na Ajuda, e seguiu, em festa animada com dedo da Jukebox e até de madrugada, para a Quinta do Hespanhol. Com eles estiveram ainda a dupla Fullcut e a Flor de Laranjeira.

Fizémos uma selecção de imagens longa, porque este dia merece o vosso tempo.

Bom fim-de-semana!

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Para dizer sim, no nosso caso, são precisos 3 idiomas. Talvez por isso a imaginação não tenha ido muito além do essencial: que por um dia não houvesse distância entre as nossas pessoas.

De resto, houve sobretudo contemplação e uma imensa alegria por tudo o que somámos e nos levou até esse momento.

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Para dizer sim, no nosso caso, são precisos 3 idiomas. Talvez por isso a imaginação não tenha ido muito além do essencial: que por um dia não houvesse distância entre as nossas pessoas.

De resto, houve sobretudo contemplação e uma imensa alegria por tudo o que somámos e nos levou até esse momento.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Depois de 4 anos entre Hamburgo, Lisboa e Colónia, do adeus a cidades, países, carreiras, família e amigos, o casamento foi mais um motivo de felicidade do que de ansiedade. Por outro lado, devo dizer que não estava preparada para fazer uso quase diário da palavra “fornecedores”. Achei que era um exclusivo do retalho.

 

 

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Na primeira ida à Quinta do Hespanhol. Aliás, foi tão óbvio que era o nosso sítio, que decidimos fazer a festa no ano seguinte, face à impossibilidade de calendário da quinta em 2017. Sim, foi nesse momento que descobrimos que as pessoas organizam casamentos com um ano (às vezes mais) de antecedência.

 

 

 

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Foi sobretudo fiel ao que somos. Não houve um plano exacto de início nem ideias rígidas, fomos tomando as decisões ao longo do tempo, somando detalhe a detalhe. O facto de vivermos na Alemanha e irmos casar em Portugal ajudou a relativizar, não seria possível controlar tudo à distância nem tomar decisões com a mesma segurança ou rapidez. Ainda assim, quase tudo foi idealizado por nós e, mesmo nos serviços que a Quinta do Hespanhol presta, estivemos 100% envolvidos. A Ana e a sua equipa foram incansáveis e perceberam-nos desde o primeiro momento. Contámos também com a família e os amigos: no coro da Igreja, na impressão e organização dos menus, seating plan e missais, que desenhei, ou até a contar cabeças num autocarro que levou os estrangeiros da Igreja até à festa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Que quem viesse de longe também se sentisse em casa. Conhecemo-nos em Portugal, não poderíamos casar noutro lugar. Mas também somos Alemanha, e todos os outros sítios onde já passámos e fizemos amigos. Queríamos que isso estivesse presente na cerimónia, na festa e no espírito. O protocolo foi perdendo importância ao longo do processo, até ter quase nenhuma.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Escolher os detalhes da decoração foi provavelmente o mais fácil. Funcionou um bocadinho como em nossa casa, partilhamos o sentido estético, não há grande discussão. Não sei se será estranho, mas também foi uma questão de dias até termos fato ou vestido. O mais difícil foi ver o tempo passar tão depressa no dia do casamento, não o poder esticar para conseguir retribuir devidamente todo o amor que recebemos naquele dia. E comer os doces.

 

 

 

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Não será exagero dizer que vivemos esse dia no pico, sem descanso.

Mas a memória da entrada na Igreja ao som da minha irmã e das nossas amigas que cantaram no coro continua a emocionar-nos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?

Talvez o momento em que os portugueses descobriram que o tema “Joana”, de Marco Paulo, é afinal uma adaptação do original alemão de Roland Kaiser. E a prestação da Avó Ana na pista de dança, de bengala, às 4 da manhã.

 

 

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

 

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

O concerto ao fim da tarde, antes do jantar.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

O nosso dia foi tão incrível que, sempre que me lembro do que nos esquecemos ou do que poderia ter corrido melhor, penso que não mudava nada, sob pena de não ser o que foi.

 

 

 

 

 

 

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Deleguem o que seja de extrema importância no dia e, acima de tudo, tomem um bom pequeno almoço!

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

 

 

 

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol-fotografia de casamento Joao Makes Photos

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Save The Date (ilustração da Mariana, a Miserável);

menus, seating plan e missais: desenhados pela noiva;

espaço, decoração, catering e bolo dos noivos: Quinta do Hespanhol;

fato do noivo e acessórios: Tiger of Sweden e Mrs Bow Tie;

vestido de noiva e sapatos: vestido Laure de Sagazan e sapatos Atelier Fátima Alves;

maquilhagem: Maria Casanova Neves;

cabelos: Good Haird Day by Lília Costa;

bouquet de noiva: Flor de Laranjeira;

ofertas aos convidados: Dreambox Photobooth;

fotografia: João Makes Photos;

vídeo: Fullcut;

luzes, som e Dj: Jukebox.

 

Susana Pinto

Casamento no Alentejo com Coral Alentejano: Ana + Carlos

Esta semana damos um pulinho até Montemor, para um casamento no Alentejo com Coral Alentejano incluído em vários momentos da festa, o que é muito mágico: um conjunto de vozes masculinas em uníssono, num ritmo impossivelmente lento, a vários tons.

A Ana + Carlos rumaram a sul para casar, juntamente com a família e os amigos, e imaginaram o mais bonito dos dias cheio de emoções fortes e alguma tradição. O João Pedro Correia, que assina João makes photos, esteve com eles e mostra-nos como doce foi este dia.

O vestido da Ana, feito pela Joana Montez, é uma maravilha, venham daí ver este dia luminoso!

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Pensámos que iria ser o primeiro dia do resto das nossas vidas. Queríamos que a felicidade do “sim” nunca mais acabasse! Confessamos que nunca tínhamos pensado em planear um casamento, nem tão pouco nas tarefas inerentes a fazê-lo. Sentimos que tínhamos de proporcionar várias surpresas aos nossos convidados, e foi o que fizemos. Durante a celebração, o Cante Alentejano reinou e no jantar tivemos a honra de ter um amigo que encantou com o Fado de Coimbra. Foram momentos únicos e preenchidos de amor.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Vestido de noiva Joana Montez

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Foi um caminho longo, com muitas tarefas para idealizar, mas no fim tudo correu como imaginámos. É importante planear todos os pormenores do nosso dia, pois queremos vivê-lo para sempre e lembrá-lo todos os dias.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Quando começámos a juntar todos os intervenientes, desde a primeira conversa com o Cónego Mário Tavares de Oliveira até à visita da quinta. Sentimos que iríamos ter o nosso dia, e que este seria o reflexo de cada um de nós, tudo o resto já estava à nossa imagem!

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Foi tudo planeado com alguma antecedência e com muito carinho. Como tínhamos gostos semelhantes,  as ideias foram surgindo e as escolhas foram fáceis. Contámos apenas com a ajuda dos familiares e de amigos mais chegados. A nossa família foi fundamental na organização, ajudaram-nos em grande parte das tarefas, foram verdadeiros pilares.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O fundamental, sem sombra de dúvida, foi a cerimónia na igreja, repleta de sentimentos e emoções. Uma verdadeira benção, sentimos que estavam todos presentes no dia. Tudo se revela extremamente importante, por isso podemos afirmar que não houve nenhum pormenor sem importância.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi a escolha do fotógrafo, o João. Foi a decisão mais rápida e mais assertiva.

O mais difícil, dada a logística e a geografia — noiva e cerimónia em Alcácer do Sal, noivo em Avis, festa em Montemor-o-Novo —, foi encontrar a quinta que brilhasse nos nossos olhos e que fosse o nosso reflexo: a Herdade da Casa Branca.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A cerimónia, acompanhada pelo Grupo Coral e Etnográfico da Casa do Povo de Serpa – Cante Alentejano, foi, sem dúvida, o pico sentimental do nosso dia. Deixou-nos de coração bem apertado.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

E o pico de diversão?

A dança dos noivos foi o pico da diversão. Levámos quatro meses a preparar a Sevilhana que dançámos. Graças às Sevilhanas Rocieiras de Alcochete e à paciência do professor Rui Fonseca conseguimos apresentar a nossa Sevilhana.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Um pormenor especial…

As lembranças que oferecemos aos nossos convidados refletem as nossas origens e os nossos gostos. Às meninas oferecemos um leque com uma gravação das nossas iniciais e a data do nosso casamento, feita por nós. Aos meninos oferecemos um chocalho em porta-chaves, também com as nossas iniciais. Foram lembranças que projectámos com muito carinho e gratidão para os nossos amigos e familiares.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não mudávamos nada, aconteceu tudo como idealizámos e como esperávamos. Cada hora foi passada com muito entusiasmo, tanto nos dias de preparação como no próprio dia. Faríamos tudo exatamente igual.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Simplesmente aproveitem cada momento e cada emoção, divirtam-se e vivam o vosso dia.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Bolo dos noivos decorado com peónias vermelhas.

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Casamento no Alentejo com cante alentejano

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Isatelier (convites, missais, livro de honra, cones, autocolantes, ementas e organização das mesas);

espaço: Herdade da Casa Branca;

bolo dos noivos e catering: Catering Tempero de Alegria;

fato do noivo e acessórios: Labrador (fato e acessórios);

vestido de noiva e acessórios: vestido e mantilha Joana Montez, jóia de família aplicada na mantilha e sapatos Rui Branco;

maquilhagem: Joana Moreira;

cabelos: Isabel Ricardo;

bouquet de noiva e decoração da igreja: Florista O Bouquet;

decoração do espaço: escolhida por nós e familiares, juntamente com o Catering.

ofertas aos convidados: Chocalhos Pardalinho e leques Casamentos e Complementos;

fotografia: João makes photos

vídeo: Make Me Feel Weddings

luzes, som e Dj: Dj D’jav

 

Susana Pinto

À conversa com: João makes photos, fotografia de casamento

Hoje a conversa boa é com o João Pedro Correia, que assina como João makes photos – fotografia de casamento.

Conhecemo-nos por acaso, como tantas vezes acontece neste universo digital: uma referência num site que linka para outro site e tropeço no site do João makes photos. E mais do que as imagens, prenderam-me as palavras com que se apresentava. Iniciámos a nossa conversa e após longo namoro por escrito – porque estas coisas têm o seu momento certo -, demos as boas-vindas ao João Pedro aqui no Simplesmente Branco.

Gosto de conversar com o João, mesmo que falemos pouco. Gosto de o ouvir, tem voz de rádio (foi profissional da Renascença) , gosto de o ler e gosto muito do seu trabalho, que é, da mesma forma, claro, conciso, articulado, nítido. Tal como uma boa história deve ser contada.

 

Porque, especificamente nos casamentos, uma boa parte do que fazemos é isso: oferecer aos casais uma herança visual.

 

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Fui jornalista durante 10 anos, nos quais a fotografia foi uma segunda profissão. Mas, na verdade, o que sempre fui foi fotógrafo: fiz-me jornalista porque queria ser fotojornalista. Só que algures nesse percurso também gostei de contar histórias pelas palavras, e a imprensa e a rádio meteram-se no meu caminho.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Há 10 anos, com especial enfoque nos casamentos há 5 anos. Os casamentos chegaram como acho que acontece a muitos de nós: um amigo pediu-nos para fotografar o seu dia. E aí percebi que podia aliar à fotografia o meu interesse por contar histórias e envolver-me com pessoas, que é o que mais gosto nesta área da profissão: o contacto com os casais, e a abordagem à fotografia do seu casamento como uma experiência que lhes proporciono ao longo do tempo, desde a sessão de namorados, à reportagem do dia do casamento, ao trabalho final.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

Uso um conjunto de fontes para me inspirar. Primeiro, ver o que me rodeia com um novo olhar todos os dias — a vida é muito curta, e acredito que se nos sentirmos agradecidos pelo privilégio que é viver em paz, com condições de subsistência, e ainda por cima num país com muita luz e um oceano a duas horas de distância, essa abordagem transforma o mais horrível dos cenários num mundo de novas perspectivas.

De seguida, através de um consumo disciplinado. Explico: adoro ver o trabalho de todos os meus colegas fotógrafos, e a Internet é essencial para os acompanhar. Mas as verdadeiras fontes de inspiração, para mim, estão na “fotografia de velocidade lenta”, isto é, nos livros. Consumo livros com fotografias e sobre fotografias e fotógrafos. Faço o mesmo com pintura, design e arquitectura. Dir-me-ás: mas de que formas usas essas referências quando fotografas um casamento? Poderei não as usar, mas educo-me para ter referências mais diversas, que estimulam a capacidade de abstracção.

Por fim, procuro inspirar-me no que é diferente do que vejo todos os dias, e para isso viajo. Não preciso de ir ao Índico ou ao Pacífico, posso muito bem ir a Trás os Montes ou ao Alentejo, caminhar e falar com pessoas. O que quero dizer é que é preciso — e gosto muito de — sair regularmente do local onde passamos a maioria do tempo, e mudar de ares. Acho que ninguém discorda disto.

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

Como construíste essa tua assinatura, como a defines?

O JOÃOMAKESPHOTOS, o João que faz fotografias e conta histórias, é a junção destes dois indivíduos: o curioso que se fez jornalista, o documentarista que anseia registar momentos e ajudar a criar uma herança visual. Porque, especificamente nos casamentos, uma boa parte do que fazemos é isso: oferecer aos casais uma herança visual.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

Como disse anteriormente: olho para fora da minha bolha. E neste momento olho para Lisboa. É que após mais de uma década a viver no centro da cidade mudei-me para a outra margem do rio, e do local onde estou agora vejo o Tejo e as sete colinas por inteiro a todas as horas do dia. Estar fora do bulício onde vivi durante mais de uma década está a ser revigorante.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

É diferente porque há menos tempo para me relacionar com os casais, que é um aspecto essencial na minha abordagem à fotografia de casamento. Eu procuro não ser um mero prestador de serviço, eu quero estar envolvido na história do dia e para isso preciso de tempo para entrar nesse círculo. Com casais estrangeiros há menos tempo para conseguir fazê-lo. No restante, é absolutamente igual: fotografamos pessoas apaixonadas que juntaram num dia os amigos e a família mais próximos, com tudo o que isso traz de boas energias.

 

Para todos os que ficam, de facto, interessados em ter-me como o seu fotógrafo eu procuro de imediato que nos conheçamos e nos sentemos a conversar. Uma boa ligação entre o fotógrafo e o casal é essencial, e eu procuro conhecer e dar-me a conhecer.

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

A maioria dos meus casais encontram-me de duas formas: através da recomendação de clientes anteriores, ou através da Internet: sobretudo o Simplesmente Branco e as redes sociais.

Para todos os que ficam, de facto, interessados em ter-me como o seu fotógrafo eu procuro de imediato que nos conheçamos e nos sentemos a conversar. Uma boa ligação entre o fotógrafo e o casal é essencial, e eu procuro conhecer e dar-me a conhecer.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Eu gosto de todos os tipos de festa. A minha perspectiva é simples: os casamentos são as pessoas, e se todos se permitirem expressar os seus sentimentos — dos noivos aos convidados, da família aos celebrantes — o dia será repleto de boas energias e de boas recordações. Nós, fotógrafos, só temos de conseguir envolver-nos e tornar-nos parte, e estar atentos para captar isso.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

É o privilégio de ser escolhido para registar momentos de intimidade, e para criar uma herança visual.

O mais desafiante é sempre o que está relacionado com as condições para fotografar: é um dia que passa a correr, com espaços e iluminações imprevisíveis, com a meteorologia que pode não colaborar, etc., e para tudo isso nós, fotógrafos, temos de encontrar soluções e conseguir, ainda, usar da nossa criatividade para, nos momentos que são mais do que documentais, criar imagens únicas para os nossos clientes.

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

É uma fotografia que está logo na entrada de joaomakesphotos.com: a da mais gélida sessão de namorados de sempre! O casal, a Marta e o Pedro, estão abraçados e enrolados numa manta vermelha que por acaso eu tinha na mala do carro — a minha Joana é muito friorenta… —, na Serra de Sintra, num fim de dia gelado de Outubro de 2016, no que viria a ser uma noite de super-lua. E a história é esta:

Durante toda a tarde a Marta esteve sempre muitíssimo entusiasmada por estar a ser fotografada, e o Pedro muito tímido. As horas passaram e no momento mais desconfortável do dia o Pedro está, finalmente, no ponto, feliz por estar a viver aquela experiência, enquanto a Marta está em sofrimento — estava muito frio. A fotografia conta a história dessa inversão dos papéis, e vive dos sorrisos rasgados deles.

 

Uma das minhas imagens favoritas de 2017 ainda não foi tornada pública — prometo fazê-lo em breve. É uma fotografia que imediatamente após tê-la registado pensei “isto parece um momento Steve McCurry”. Explico: é uma fotografia vertical do conjunto de madrinhas a abraçar a noiva, escondendo-a no meio do turbilhão; os sapatos coloridos desarrumados na relva; estão todas de costas para mim; e uma brisa que soprou naquele momento. Essa fotografia assemelha-se a uma das minhas preferidas do Steve McCurry: a de um conjunto de meninas com vestes coloridas que, no meio de uma tempestade de areia, penso que na Índia, se abrigam juntado-se e abraçando-se. Foi pura coincidência, mas é uma imagem de que gosto muito, mais ainda pela comicidade que essa mesma comparação João / Steve McCurry suscita.

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

Os contactos detalhados do João makes photos, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, cheia de imagens bonitas e contactem-no directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Mónica Aragão

João makes photos, no You+Us=Fun!

O João Pedro Correia é o homem por de trás de João makes photos. Faz fotografias e conta histórias desde o momento em que percebeu que era isso que queria fazer o resto da vida – começou cedo, procurou conhecimento, estudou, praticou, afinou o olhar e fotografou, fotografou, fotografou.

 

Hoje tem a honra e o prazer de fotografar dias felizes, aquelas dias especiais e emocionantes onde um casal decide que vai estender a sua felicidade para todo o sempre… e lá está o João, de máquina na mão, a fotografar com o coração e com o talento, porque trata-se, acima de tudo, de documentar momentos irrepetíveis, captar emoções à flor da pele e procurar os mais pequenos e bonitos detalhes, não é verdade?! Porque cada história precisa de ser contada e as histórias de amor focadas pela lente de João makes photos têm sempre um wow factor associado e é fácil ver porquê… ele adora fazer fotografias!

 

noivos de mão dada numa sombra

 

fotografia a preto e branco de noivos a dançar sob luzinhas

 

noivos a olhar para convidados nas escadas da igreja

O João Pedro Correia vai estar à vossa espera no Palacete Gomes Freire no próximo domingo e está mais do que preparado para contar a vossa história através da maravilhosa arte de fotografar.

 

Mónica Aragão

Lufada de ar fresco, por João makes photos

João makes photos recebe a Primavera com muita coisa nova: um site actualizado em termos de layout e portfolio – com muitas imagens bonitas, representativas de um 2015 recheado de trabalho – o relançamento do blog e, claro, redes sociais dinamizadas. Para ver hoje, em primeira mão!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

João makes photos é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco. Pode encontrar mais informação e contactos detalhados na sua ficha de fornecedor, arquivada em Fotografia e Despedida de Solteira.

 

Marta Ramos

João makes photos, um fornecedor Simplesmente Branco

João makes photos apresenta-se:

«Faço fotografias e conto histórias. E a minha conta-se assim:

Quando a fotografia ainda era feita em filme eu tinha um sonho: queria ser jornalista para contar histórias em fotografias. Por isso fotografei. Fotografei a cidade. Fotografei nas férias da escola. Fotografei para o jornal do liceu. Fotografei teatro e fotografei música, e fui trabalhar para um laboratório fotográfico onde gastei quase todos os meus salários a comprar material moderno que hoje já é de colecção e que já não tenho.

Agora dedico-me a fotografar dias felizes. Porque é disso que se trata, não é? Documentar os momentos, captar as emoções e procurar os detalhes. Por isso, pergunto: Há por aí uma história? Quero contá-la.»

 

JoaomakesPhotos_SB aprova

 

Para conhecer melhor o trabalho do João Pedro e falar com ele, ligue para o 966 828 976; ou envie-lhe um email.

 

João makes photos é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco. Pode encontrar mais informação e contactos detalhados na sua ficha de fornecedor, arquivada em Fotografia e Despedidas de solteira.