Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento a dois no Alentejo: Inês + Bernardo

Fechamos esta semana com um casamento a dois no Alentejo, que é doce, doce.

É o mais bonito dos dias da Inês + Bernardo, captado pela Adriana Morais Photography. E que dia bonito e tão singular, este.

A Inês e o Bernardo escolheram casar sem convidados e sem confusão: apenas os dois, a conservadora do Registo Civil e a Adriana Morais a captar o dia e as memórias para mais tarde.

Não foi uma escolha impulsiva, mas uma decisão ponderada e muito apoiada pela família e amigos, o que é fantástico!

As imagens são belíssimas – a intimidade, o foco, os sorrisos, o toque-, e toda esta energia borbulhante é visível e contagiante.
Esta ideia de casar a dois pode ser muito doce e especial, verdade? A Inês + Bernardo estavam seguros disso e as imagens da Adriana Morais são a melhor prova deste grande plano.

Que dia bonito e que casal tão especial!

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Desejámos e imaginámos um dia perfeito a dois, só nós os dois. Podia ser um dia todo ao ar livre, em plena natureza, cheio de sorrisos e ataques de riso entre nós. Podia ser um dia de praia com o pôr-do-sol alentejano todo para nós. No fundo, queríamos apenas um dia de comemoração a dois, num espaço nosso, num tempo nosso e sem nada que nos pudesse distrair de nós.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

A decisão de casar sem convidados não é, nem foi, uma decisão fácil. Implica privarmos as pessoas de quem mais gostamos deste nosso momento, que poderia ser também um momento delas. Contudo em todo este caminho sentimos uma grande generosidade da família e amigos e, de uma forma muito bonita, recebemos muito amor nesta nossa decisão. Sentimo-nos por isso sempre muito preparados e muito apoiados, com o coração quente e cheio de gente. Os poucos nervos, que fomos sentido mais perto do dia, foram passageiros e acalmados com a serenidade de saber que seria apenas mais um dia de namoro, que tudo tinha para ser feliz.

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Em todas as fases fomos sempre sentindo que era realmente isto que (nos) fazia sentido. Um dia a dois é bem mais fácil de organizar. Estivemos no Alentejo um mês antes e escolhemos um sítio para ficar (Herdade do Reguenguinho), uma zona da Costa Alentejana para casar (Cabo Sardão) e a nossa praia (secreta!) para namorar à vontade. Tínhamos a certeza que teria que ser nestes sítios. Escolhemos ainda a nossa fotógrafa (Adriana Morais) para registar todos os momentos com este mesmo sentido de simplicidade e de verdade. Depois uns dias antes cada um escreveu os seus votos e este, sim, foi o momento! O momento em que, sentimos que era real, especial, importante e que era exactamente isto que queríamos para nós.

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

No fim, sentimos que tudo correu como imaginávamos. Felizmente, apesar de muito poucas coisas para tratar, tivemos toda a ajuda de amigos e familiares em algumas escolhas de pormenores (o vestido, o ramo, a camisa, o ambiente…). Engraçado como até as coisas mais simples requerem tanta decisão! Hoje, ao rever as nossas fotografias, todas tão bonitas, sabemos que não podíamos ter feito melhores escolhas em relação a tudo.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Para nós, era fundamental que tudo neste dia tivesse a ver connosco e que estivéssemos os dois confortáveis e em sintonia. Tudo o resto: a excessiva preocupação com a imagem, com decorações, tradições, com os outros, tudo isso era completamente secundário para nós.

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

No geral foi tudo fácil: as decisões, as escolhas, o consenso. A única dificuldade foi apenas, no próprio dia, termos de tratar nós de toda a logística por sermos apenas os dois. De qualquer forma, até isso acabou por ser divertido!

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

O momento mais sentimental foi talvez logo o início, com a chegada da Adriana, a nossa fotógrafa, que trazia um colete de máquinas fotográficas e um sorriso de orelha a orelha. Foi aqui neste momento que olhámos um para o outro super nervosos, bebemos um copo de champanhe e pensámos “é agora!”. Depois ao som das nossas músicas e com uma vista incrível para a planície alentejana, vestimo-nos um ao outro e sentimos que o mundo inteiro estava prestes a começar naquele momento.

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

E o pico de diversão?

O pico de diversão foi a chegada à praia. Num areal deserto e com um sol maravilhoso, tomámos logo um banho de champanhe e acabou-se logo ali a maquilhagem e os cabelos lisos! Todos molhados e entre muitas fotos, fartámo-nos de rir e curtir o resto do dia sempre ao natural, com corridas na praia e mergulhos no mar até ao anoitecer.

 

Um pormenor especial…

O maior detalhe do nosso dia foi, sem dúvida, termos a Adriana ao nosso lado. Num momento tão nosso e tão íntimo a dois, fez toda a diferença termos ao nosso lado alguém com uma grande sensibilidade que não nos retira qualquer privacidade, mas sim, pelo contrário, que acrescenta. Que acrescenta carinho, alegria, diversão, ideias loucas, romantismo e, tal como nós, muita vontade de viver este dia por inteiro.

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Repetiríamos tudo, exactamente igual.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Pensar só em “nós os dois” é o maior segredo para um dia de casamento. Pensar o que somos, o que nos faz felizes, o que nos diverte, o que nos apaixona. Escolher tudo isto, sem nunca nos distrairmos de que isso é a única coisa que importa, é fundamental para que seja um dia feliz.

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

 

Os fornecedores envolvidos:

 

local: Herdade do Reguenguinho

fotografia: Adriana Morais Photography

 

Marta Ramos

Já visitaram o novo site da Adriana Morais?

Acabadinho de inaugurar e já abençoado com as chuvas deste Abril que faz juz à expressão ‘águas mil’, o novo site da fotógrafa Adriana Morais é uma janela rasgada com vista para as tonalidades do seu trabalho, sempre ricas e cativantes.
Para Adriana Morais, há qualquer coisa de especial em ajudar a construir as memórias do dia mais importante da vossa vida. Como apaixonada que é pela fotografia de casamentos, adora retratar esses momentos mágicos através das suas imagens.

Gosto de sorrisos, de momentos espontâneos, de pormenores, de sapatos brancos e bouquets perfeitos, de chuvas de arroz e bolinhas de sabão.

Adriana escolheu trabalhar nesta área por considerar um privilégio registar os momentos de um dia tão especial como o de um casamento: «É o meu olhar que vai guardar as memórias daquele dia e fazer com que ele exista para sempre e seja visto de geração em geração.»
Orgulha-se de ser
muito feliz a trabalhar – tanto que até chora de alegria em muitos casamentos: «Já cheguei a chorar na leitura dos votos de um casal alemão e eu não entendi nada do que eles disseram, mas foi super emotivo, foi impossível de aguentar.»
Para se inspirar, recorre a tudo – embora dedique uma atenção especial à pintura Impressionista e ao cinema de Stanley Kubrick.
E quando olha o futuro, gosta de ver-se a fazer ainda melhor e a continuar a fazê-lo de coração.

 

Novo Site Adriana Morais Photography

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado da Adriana Morais para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com a Adriana, ela está à vossa espera para registar os momentos e as emoções do vosso dia feliz.

Susana Pinto

À conversa com: Adriana Morais – fotografia de casamento

E regressamos às conversas demoradas com os fornecedores seleccionados do Simplesmente Branco. Hoje sentamo-nos com a Adriana Morais, fotógrafa de casamento, para percebermos para onde olha, como olha, o que escolhe guardar do vosso dia, e como é que tudo isto acontece.

A melhor parte é mesmo a herança visual que deixo a uma família. Isso para mim não tem valor. Daqui a 50 anos os familiares dos noivos verão as fotografias e conseguirão entender quem eram as pessoas e quais as histórias daqueles momentos, através das minhas fotografias e do meu olhar.

 

 

 

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Nunca sei bem responder à primeira pergunta. A verdade é que me lembro de ter a minha primeira câmera logo na Escola Primária (ainda a tenho). Foi uma oferta dos meus pais no Natal e vinha com um livro onde a personagem principal era um crocodilo que ajudava os miúdos a tirar fotografias. Ensinava as coisas básicas, como enquadramentos e mudar de rolo. Formei-me na Faculdade de Belas-Artes em Arte e Multimédia – Fotografia. Comecei a viver apenas da fotografia em 2012, mas sempre trabalhei nessa área. Os casamentos surgiram um bocadinho por acaso, fotografei o meu primeiro casamento ainda na faculdade, como assistente de um fotógrafo à antiga.  Fiz um estágio em Moda e Publicidade, e outro em Fotojornalismo. Estava certa que a minha paixão era a fotografia, mas ainda não sabia bem em que área. Comecei a conhecer excelentes trabalhos de fotografia de casamento e pensei: “afinal posso fazer coisas bem giras nesta área”. Comecei a fotografar casamentos de amigos e amigos de amigos e a coisa foi crescendo e tornando-se profissional. Entretanto, já passaram 5 anos. Hoje não me vejo a fazer outra coisa. Enquanto aguentar o peso das câmeras, não vou parar de fotografar. Quando estou a fotografar casamentos não sinto frio, fome ou cansaço. Tudo está bem e eu estou feliz!

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

O Instagram acaba por ser uma grande ajuda, passo algum tempo nesse mundo, a conhecer o trabalho de outros fotógrafos. Mas é muito importante olhar para os clássicos, o que ficou para a história. Muita da minha inspiração vem daí. Sinto-me uma sortuda porque, desde muito pequenina, a minha família ajudou-me a construir uma boa cultura visual. A minha mãe é professora de História de Arte, o meu pai é professor de Filosofia e Estética e o meu avô apresentava desenhos animados de um mundo mais alternativo na televisão. Esta herança familiar ajudou-me a crescer. Vou também buscar muita da minha inspiração ao cinema – adoro o Kubrick e o Tarkovsky – e à pintura Pré-Rafaelita e ao Impressionismo. Sempre achei curiosa a minha forte ligação com o Impressionismo, porque ele aparece como oposição à fotografia. Quando a pintura deixa de ter o papel de recriar a realidade (a fotografia ocupou esse lugar), a pintura tinha que se diferenciar do real. Na fotografia, eu também procuro essa distância do real. Gosto de fotografias desfocadas, com muito grão, muito orgânicas, como a ideia de um sonho.

 

Como construíste essa tua assinatura, como te defines?

A minha assinatura foi desenvolvida através dessa minha cultura visual e, claro, indo buscar inspiração a outros colegas da área. Daqui para a frente, quero tentar diferenciar-me ainda mais. O objectivo é que as pessoas olhem para as minhas fotografias e percebam logo que são minhas. Acho que não há muitas pessoas a conseguirem fazer isso.

 

Achas que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhes fotografar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que vês num trabalho de um profissional masculino?

Acho que sou uma romântica de lágrima fácil. Não sei se isso tem ou não a ver com um olhar feminino, mas adoro fotografar detalhes e, em casamentos onde foi dedicado muito tempo a criar pormenores únicos e que revelem a personalidade dos noivos, eu gosto de apanhar esses apontamentos. Claro que também existem fotógrafos masculinos com esse tipo de olhar e imensas fotografias lindíssimas de detalhes. Acho é que não há muitos a fazê-lo bem.

 

 

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

Passear, viajar é o melhor reset que posso fazer. Quando não há tempo, gosto muito de ler a revista Flow, ajuda-me muito em termos criativos. Viagens longas é única forma de desligar 90% do trabalho. Nunca desligo a 100%, porque durante as viagens acabo por ter muitas ideias que quero implementar no meu trabalho.

 

O mundo em Lisboa ou Portugal de lés-a-lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Mais do que a nacionalidade dos noivos, o que eu valorizo é quem tenha a coragem de fazer um casamento à sua maneira. Por vezes, ainda continuamos a fazer o casamento para os outros e a tomar decisões com a ideia de que não se pode inovar num casamento e que há regras a cumprir. Na minha opinião, o casamento é a festa dos noivos e tem que ser feita à maneira deles. Uma festa que mostre a personalidade deles, especialmente na cerimónia. A informalidade é mais comum em países mais recentes (como os EUA), mas há cada vez mais casais portugueses a procurarem escapar aos modelos mais tradicionais.

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

Normalmente começa com um email e é sempre obrigatório uma conversa no meu escritório ou por skype. Antes do casal se tornar meu cliente é importante entender as expectativas deles e se eu sou a pessoa certa para cristalizar as memórias de um dia importante. Mas a comunicação não se deve esgotar quando sou contratada. Gosto muito de conversar com os “meus noivos” para permitir que no dia do casamento eu não seja uma estranha que passa mais tempo com eles dos que os próprios pais. Além disso, tendo assistido a tantos casamentos, também sinto a necessidade de lhes explicar algumas coisas que de certeza que irão enfrentar no dia do casamento. Muitas delas nem têm nada a ver com fotografia.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Gosto de casamentos emotivos, de casais apaixonados e despreocupados, que sejam únicos e cheios de personalidade. Normalmente, isto acaba por acontecer mais em casamentos com poucos convidados (ou sem nenhuns, como um elopement) e com um perfil mais intimista.

 

 

 

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é mesmo a herança visual que deixo a uma família. Isso para mim não tem valor. Daqui a 50 anos os familiares dos noivos verão as fotografias e conseguirão entender quem eram as pessoas e quais as histórias daqueles momentos, através das minhas fotografias e do meu olhar.

O mais desafiante não tem tanto a ver com a fotografia, mas sim  com tudo o que envolve gerir uma empresa: contabilidade, assuntos administrativos, marketing, gestão de redes sociais e gestão do tempo. Grande parte do meu trabalho acaba por não ter uma relação directa com a fotografia e gostava muito de mudar isso. Ser apenas responsável por fotografar e por fazer toda a comunicação directa com o cliente.

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

Não é tarefa fácil, e, provavelmente, daqui a um ano já vai ser outra. Mas neste momento adoro a saída da cerimónia da Ilka e do Mateus. Um casal brasileiro que renovou 10 anos de votos em Portugal. Foi uma renovação, mas parecia um casamento. A Ilka e o Mateus vivem em Brasília e já têm dois filhotes. Ela foi comprar o vestido a Nova Iorque e renovaram os votos no Alentejo.

Foi uma cerimónia linda, super emotiva (todas as pessoas estavam a chorar, os noivos, os convidados, eu, os videografos e até as wedding planners). Foi como estar dentro de um filme. Estava tudo um sonho, da decoração aos “noivos” muito descontraídos. Foi um dia muito especial e esta fotografia só aconteceu porque eles eram muito apaixonados e porque havia uma excelente equipa a trabalhar. Um detalhe engraçado é que o apelido deles é Oliveira, os noivos quiseram renovar os votos junto a oliveiras, a coroa dela é de folhas de oliveira e os convidados estão a atirar folhas de oliveira.

 

Adriana Morais fotografia de casamento

 

Os contactos detalhados da Adriana Morais estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a Adriana directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Uma sessão de inspiração no feminino

Este artigo conjuga-se no feminino. Uma mão cheia de mulheres juntou-se para criar uma sessão de inspiração carregadinha de girl power e de feminilidade, e o resultado está aqui, à vossa vista. As fotografias são da Adriana Morais e a maquilhagem esteve a cargo da Kabuki Makeup by Rita Amorim, duas poderosas profissionais da nossa lista de fornecedores seleccionados. Consultem os créditos, no final do artigo, para ficarem a conhecer todas as participantes neste bonito trabalho.

Conta-nos a Rita: «Quando juntamos um grupo de fornecedoras na área de casamentos, é isto que recebemos em troca. Esta equipa é mais uma prova da fibra de que as mulheres são feitas! Mulheres que gostam de enfrentar desafios, com empenho, dedicação e profissionalismo.
A sessão demorou alguns meses a realizar, não só porque o nosso S. Pedro este ano tem andado um pouco inconstante, também porque foi um enorme desafio conciliar a disponibilidade de nove profissionais dedicadas e de agenda cheia.

Finalmente, o moodboard estava decidido, os noivos estavam entusiasmados, o sol voltou a brindar-nos com a sua glória e, de mangas arregaçadas, estávamos prontas para dar o melhor de nós.

O casal tinha a serenidade perfeita para aliar ao cenário escolhido. A silhueta da Sofia combina na perfeição com o vestido, o tom do cabelo e o rosto singelo são ideais para usar este toucado, o bouquet une as cores do ambiente e do espaço e a paisagem envolvente deu-nos lindas imagens, tão bem captadas!»

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Créditos:

 

fotografia: Adriana Morais Fotografia

vídeo: Memories for Life

toucado e brincos: Cata Vassalo

vestido: Pureza Mello Breyner Atelier

maquilhagem: Kabuki Makeup by Rita Amorim

cabelo: Inês Salsinha – Hair Stylist

wedding planner e flores: Storyteller Boutique Events

espaço: Quinta do Peru Golf & Country Club

bolo: Bolinhos à Medida

Susana Pinto

Um casamento campestre e intimista: Inês + Manuel

E regressamos!

Abrimos a nossa agenda de publicações com um casamento campestre, doce e feito de conforto bonito, porque estas duas coisas podem andar de mãos dadas, como a Inês + Manuel vos irão demonstrar. As fotografias são da Adriana Morais e a pista de dança – o principal elemento da festa deste descontraído casal, esteve a cargo dos sempre profissionais Jukebox. Quanto se junta a fome com a vonta de comer, só pode resultar uma festaça cheia de animação!

Abrimos então a porta devagarinho, espero que tenham gostado da selecção de revistas de noivas em formato digital que publicámos no querido mês de Agosto para vos inspirar em modo non stop.

 

Fiquem então com o casamento campestre da Inês + Manuel, no Rio do Prado. Atentem nas belas sandálias vermelhas, no bouquet fofinho e nas palavras sábias.

Bom fim-de-semana!

 

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Retrato do noivo, por Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Na verdade, na altura nem sequer nos veio à cabeça como seria o dia do casamento. Ficámos semanas com um sorriso permanente no rosto, e a aproveitar o momento. Mas quando começámos a pensar mais a sério no casamento, já tínhamos uma ideia de que queríamos.

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Sapatos de noiva vermelhos

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Foi relativamente calmo, pelo menos no que diz respeito ao nosso conforto com a decisão. Já estávamos juntos há alguns anos, já vivíamos juntos também e o casamento foi um passo natural para os dois.

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Bouquet de noiva com peónias brancas e rosas

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Foi logo na visita ao local. Estivemos bastante tempo à procura, corremos vários sítios pois tínhamos algo de muito específico na cabeça. Queríamos um evento intimista, e como tal um espaço que fosse acolhedor. Não queríamos nada muito over the top, pelo que o espaço tinha que ter um charme muito próprio, que desse para, com poucos adereços e decoração minimalista, se tornar especial e “nosso”.

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Penteado de noiva com flores naturais

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Ficámos bastante satisfeitos com o resultado. Como referido anteriormente, tínhamos já uma ideia relativamente definida do que pretendíamos, e a organização do espaço foi sempre bastante proactiva e ajudou a limar as arestas que faltavam.

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental mesmo era a presença das pessoas próximas de nós e com quem queríamos partilhar o momento. Quisemos que o evento reflectisse isso de alguma forma. Não foi um casamento particularmente grande e quisemos fazer questão que todos se sentissem envolvidos na festa e passassem um dia feliz connosco. Depois somos ambos fãs de música, com gostos bem definidos, pelo que passámos algum tempo a fechar a playlist. O resto foi-se resolvendo “sozinho”.

 

decoração de casamento campestre no Rio do Prado

 

Decoração de casamento campestre no Rio do Prado

 

Decoração de casamento campestre no Rio do Prado

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Mais difícil sem dúvida foi encontrar o espaço. Estivemos quase um ano à procura até conseguir encontrar um sítio que achássemos perfeito. Já estávamos quase a desistir dessa ideia meio romântica quando encontrámos o Rio do Prado. Mas foi mesmo perfeito.

Mais fácil terá sido a organização do evento em si. O espaço tem um catering prório bastante bom, e a equipa ajudou bastante na decoração, inclusivamente a criar peças próprias para o evento, o que reduziu bastante o número de intervenientes e facilitou muito a organização.

 

Retrato dos noivos com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Retrato dos noivos com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

 

Retrato dos noivos, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Retrato dos noivos

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Não querendo cair no clichê, mas… sem dúvida os votos, que foram escritos por cada um de nós. As pessoas preparam-se e mentalizam-se, mas ouvir em voz alta, num momento como aquele, não tem preparação possível!

 

E o pico de diversão?

Difícil de dizer. Como o casamento foi mais intimista, com relativamente poucas pessoas, conseguimos estar sempre próximos dos nossos convidados, toda a gente estava envolvida na festa durante o evento todo. Mas vamos dizer a primeira dança (até porque não podíamos desperdiçar todo o treino que tivémos!)

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Naked cake em casamento campestre no Rio do Prado com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Um pormenor especial…

Casamos no aniversário do pedido de casamento, que é também o nosso aniversário de namoro. Não dava mesmo para ser mais especial, este dia.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Do dia em si nada! Mas se repetíssemos, não iríamos passar a semana anterior ao casamento tão stressados com todos os pormenores, e aproveitaríamos ao máximo o build up de um momento que foi perfeito em todos os sentidos.

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Casamento campestre no Rio do Prado, com fotografia de Adriana Morais Fotografia

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

O dia de casamento é o VOSSO dia, mais do que qualquer outro que venham a viver. Toda a gente vai ter uma opinião, desde os amigos à família, e por vezes é difícil não nos deixarmos influenciar, mas não deixem de seguir as vossas ideias e não abdiquem de fazer do vosso casamento aquilo que desejavam, idealizavam e sonhavam!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: João Pereira

local, catering e decoração: Rio do Prado

bolo: Teresa Henriques Cake Design

fato do noivo e acessórios: Hugo Boss

vestido de noiva e sapatos: vestido Pureza de Mello Breyner; sapatos H&M

maquilhagem: Mafalda Belo Maquilhadora

bouquet: Florista Lena das Flores

ofertas aos convidados: Casa Paciência

fotografia: Adriana Morais Fotografia

vídeo: Vítor Gordo

luzes, som e Dj: Jukebox

 

Save

Susana Pinto

Casamento rústico na Quinta do Hespanhol: Telma + Rui

A semana fecha-se com um bonito casamento rústico na Quinta do Hespanhol, com fotografia atenta da Adriana Morais Fotografia, e decoração campestre das meninas Amor e Lima.

Os noivos Telma + Rui decidiram juntar à festa o baptizado da fofíssima Carolina, a filhota de dois anos, e o resultado foi um dia repleto de emoções bonitas e momentos muito especiais e memoráveis.

O noivado foi longo (e o namoro, longuíssimo!), o que permitiu preparar tudo com calma e escolher a dedo exactamente aquilo que queriam: celebrar o amor, com todas as emoções incluídas, com as pessoas mais importantes das suas vidas.

Que bonito que isso é…!

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com convites Amor e Lima

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com bouquet de noiva Amor e Lima

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Namorávamos há 13 anos (sim,  já não existe!!!), por isso há muito acreditávamos que este dia chegaria, sempre achámos que ter um filho para fazermos batizado em simultâneo fazia todo o sentido. Assim quando a nossa filhota Carolina tinha dois anos, achámos que chegara o momento certo. O objetivo principal era ter um momento para comemorar o nosso amor e a nossa família junto daqueles que mais gostamos, amigos e família, em que todos se divertissem de forma descontraída.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com coroa de flores Amor e Lima

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sentimo-nos preparados, tivemos mais de um ano e meio envolvidos neste processo e fizemos tudo com alguma antecedência, nervos só mesmo os “normais”, talvez na última semana!

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No dia em que escolhemos o espaço, a Quinta do Hespanhol, penso que foi esse momento. Fomos visitar e ao chegarmos, num sábado de manhã, a sala estava preparada para um casamento e estava tudo tão bonito e tão perfeito que nos apaixonámos imediatamente e saímos a dizer que teria de ser assim. Tinha tudo a ver com o que, aos poucos, fomos idealizando.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

A visita à quinta facilitou muito, porque era exatamente (ou ainda melhor) aquilo que queríamos.

É claro que quisemos personalizar o mais possível, e também nesse aspeto os responsáveis da Quinta do Hespanhol foram fantásticos, colaborando em todas as nossas ideias. Contámos ainda com a ajuda fantástica da Amor e Lima, que complementou tudo na perfeição com elementos os gráficos e de decoração.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Eram assuntos fundamentais o espaço, a decoração e ambiente da festa, e a fotografia.

Considerámos não tão importantes as lembranças para os convidados e o registo em vídeo, que optámos por não ter, porque achamos que a fotografia é mais importante e aí a Adriana Morais conseguiu captar na perfeição o nosso dia.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Foi fácil escolher o conceito, vintage e romântico, para os detalhes do nosso dia, e tivemos a sorte de ter fornecedores fantásticos que tornaram as nossas ideias realidade. Não foi fácil focarmo-nos no essencial, há uma altura em que as ideias vão surgindo e queremos fazer mais e aí é importante decidir o que é essencial e cumprir o budget.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A entrada na igreja, sem dúvida, a nossa filha levava as alianças e quando chegou estava a ficar um pouco envergonhada com tanta atenção pelo que lhe disse que o “papá” estava lá ao fundo. Quando o viu, disse muito alto “papá”, e foi a correr até ele.

Foi um momento muito bonito e cheio de moções que, sem dúvida, marcou o dia.

Outro momento bastante emocionante foi quando projectámos um filme com imagens nossas e dos convidados, em que recordámos momentos especiais com eles, antes de partirmos o bolo dos noivos e de baptizado .

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

E o pico de diversão?

Depois de partir o bolo, na pista de dança, é sempre o momento mais descontraído e divertido. O Rui fazia anos no dia seguinte, por isso, à meia-noite, tivemos mais um momento de celebração!

 

Um pormenor especial…

Os marcadores de lugares nas mesas eram macarons com o nome de cada um dos convidados, acho que funcionou como um pormenor bonito. Achamos importante personalizar alguns elementos para que os convidados saibam que queríamos que a festa fosse também de cada um deles.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

O casamento começou às 15h, para todos terem tempo para se preparar e fazer tudo com calma, mas olhando para trás, sentimos que tudo passou tão rapidamente, que nos apetecia ter começado mais cedo, ter aproveitado mais, ter mais tempo para partilhar com cada convidado.

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanol, com fotografia de Adriana Morais

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Divirtam-se na organização sem grande stress, definam o que é essencial, concentrem a vossa atenção também nos convidados, é um dia de partilha, o dia é vosso mas será muito mais especial se virem a cara de felicidade das vossas famílias e amigos.

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos bouquet, topo de bolo e detalhes de decoração: Amor e Lima;

local, decoração, catering e bolo: Quinta do Hespanhol;

fato do noivo e acessórios: Hugo Boss;

vestido de noiva e sapatos: vestido Pureza Mello Breyner Atelier, sapatos Fátima Alves;

maquilhagem e cabelos: Sónia Camacho – Maquilhadora;

lembranças para os convidados: fotografias polaroids tiradas durante o dia com os noivos e  Santinhos Wishªcolor, do batizado da Carolina;

fotografia: Adriana Morais Fotografia;

luzes, som e Dj: Gonçalo Portela.