Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Amor à Portuguesa, convites de casamento

Hoje conversamos com a dupla Amor à Portuguesa, Sara Sá Faneco e Pedro Cardoso, que desenham maravilhosos convites de casamento, sempre bem feitos e verdadeiramente originais.

A primeira vez que me cruzei com o seu trabalho, foi amor à primeira vista: design bonito é, para mim, impossível de resistir. Averiguei, namorei, e fiz a pergunta: “gosto muito do vosso trabalho e gostava que estivessem no Simplesmente Branco. Aceitam?” Quando a resposta foi sim, imaginam o resto! Tem sido uma bela viagem.

Calhou esta conversa ser no dia dos namorados, o que nos parece muito apropriado, porque como nos conta a Sara, o convite é a capa do livro que conta a vossa história de amor. Fiquem a saber mais sobre o seu processo de trabalho e o conceito que dá vida à bela denominação da marca.

 

Todos os criativos gostam de ser estimulados e dá-nos bastante prazer quando do outro lado está alguém receptivo às nossas ideias. Mas no final de contas, é fundamental que o produto final cumpra os nossos padrões de qualidade e, mais importante ainda, as expectativas dos noivos.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional, do design gráfico para o universo dos casamentos. Como é que aconteceu, foi um caminho natural ou uma situação específica que o apontou?

O design gráfico já faz parte da minha vida há 10 anos, mas sempre muito ligado ao marketing. Foi quando eu e o Pedro nos conhecemos e, mais tarde, em 2013, decidimos casar, que começámos a ficar mais atentos e entusiasmados com este universo dos casamentos. Fazer a imagem gráfica do nosso casamento foi uma das partes mais divertidas de todo o processo! Depois do nosso casamento, e até criármos o projeto, foi tudo muito natural. Acho que gostámos tanto de organizar todos os detalhes do nosso dia que quisemos partilhar esse entusiasmo com os outros noivos.

 

Há quanto tempo trabalham nesta área? E porquê este universo dos casamentos?

O Amor à Portuguesa nasceu há cinco anos, em 2013, no ano em que nos casámos, mas eu sempre trabalhei na área criativa, entre algumas experiências na pintura, artes plásticas e artesanato. O universo dos casamentos foi um passo natural na evolução da nossa vida e que ainda hoje continua a fazer muito sentido. Acabamos por nos rever muito nos noivos que nos procuram. As histórias de amor são o que mais nos encanta. Termos a oportunidade de concretizar o que os noivos sonharam para o dia do casamento é uma tarefa de grande responsabilidade, mas também de muito orgulho e satisfação.

 

Como construíram a vossa assinatura, como a definem?

A nossa marca nasceu da nossa paixão pelo o que é português. Nós nascemos os dois em Lisboa, mas as nossas origens estão muito ligadas à tradição portuguesa. Eu, por exemplo, tenho raízes em Ovar, terra dos azulejos e de varinas (já para não falar do pão de ló!). Já a família do Pedro é da Nazaré, onde o mar e os pescadores contam a história da vila. Acho que é por isso que estes elementos estão tão presentes na nossa imagem e temos tão enraizado o gosto pela tradição portuguesa.

 

Esse estilo faz parte do ADN da marca ou é um conceito que escolheram para explorar e trabalhar este ano? Porquê?

Faz parte do ADN, sem dúvida. Portugal está cada vez mais na boca do mundo e, se por um lado, o público estrangeiro tem cada vez mais curiosidade em conhecer o nosso país, por outro, os portugueses estão também cada vez mais orgulhosos das suas origens e com vontade de consumir a nossa cultura. Sempre que os nossos noivos nos procuram com uma ideia que viram no Pinterest ou num blogue estrangeiro, tentamos sempre não só tornar essa ideia realidade, como também, se fizer sentido, tornar a ideia mais ligada à sua própria história e ao nosso país.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

Sem dúvida que gostamos de nos manter informados e estar a par do que se faz tanto cá dentro como fora de Portugal. Até porque a maioria dos noivos chegam até nós com uma ideia, e essas ideias são um bocadinho disso: a tendência da estação. No final do dia, o que é realmente importante para nós é que o trabalho seja realizado com bom gosto, qualidade e acabamentos excepcionais para que os noivos se revejam nele.

 

Amor à Portuguesa - convites de casamento

 

Amor à Portuguesa - convites de casamento

 

Amor à Portuguesa - convites de casamento

 

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como querem que o vosso trabalho seja consumido ou é o prazer de discutir ideias, de criar, que vos interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Discutir ideias e sem dúvida essencial e felizmente temos tido a sorte de encontrar noivos que estão sempre receptivos às nossas recomendações. O nosso principal objetivo é ouvir e guiar os noivos na tomada de decisões! Nós não trabalhamos com modelos pré-definidos. Criamos sempre uma nova imagem à medida de cada um, mantendo um diálogo aberto entre ambas as partes. Isso torna tudo mais entusiasmante e nada monótono! Todos os criativos gostam de ser estimulados e dá-nos bastante prazer quando do outro lado está alguém receptivo às nossas ideias. Mas no final de contas, é fundamental que o produto final cumpra os nossos padrões de qualidade e, mais importante ainda, as expectativas dos noivos.

 

Existem fórmulas vencedoras que aplicam, ou cada convite ou produto é pensado totalmente de raiz?

Cada convite é pensado de raiz, totalmente feito à medida dos noivos. Quando lançámos o projeto ainda nos passou pela ideia fazer algumas linhas gráficas pré-definidas, mas rapidamente percebemos que não era esse o caminho. E ainda bem! Só assim conseguimos construir o portefólio que hoje temos e de que muito nos orgulhamos. Temos o privilégio de estimular todos os dias a nossa criatividade, conhecer novas pessoas, ouvir e partilhar histórias. O que oferecemos é um serviço totalmente personalizado, com o qual ficamos a conhecer muito bem os nossos noivos e com alguns deles ainda hoje mantemos uma relação de amizade.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Sabemos que é um pouco clichê, mas a nossa inspiração vem mesmo daquilo que encontramos todos os dias à nossa volta. Gostamos de nos manter atualizados e é inevitável todos os dias consumirmos conteúdos visuais, mas muitas as ideias surgem quando menos esperamos: no caminho para o trabalho, nas redes sociais, num passeio ao fim de semana, nas conversas!

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

O melhor reset de todos é parar o tempo por instantes e olhar à nossa volta. Ver o meu filho a brincar, o meu cão a correr, olhar para mim, para o Pedro e sentir que está tudo a acontecer. Às vezes o melhor mesmo é sair da rotina, viajar, dançar, olhar para o horizonte do mar e amar muito.

 

Qual é a importância do convite de casamento (e respectivo conjunto de estacionário), na grande lista de itens e afazeres?

Quando os noivos chegam até nós já têm um conjunto de decisões tomadas em relação ao casamento, nomeadamente aquelas que são mais urgentes e que consomem a maior parte do orçamento, como o espaço, o fotógrafo e o vídeo. A juntar a isso, ainda existe muito a ideia de que o convite é apenas uma formalidade, um “tem que ser”, mais do que propriamente algo essencial para que o dia aconteça. Mas a nossa percepção é completamente diferente. Isso traduz-se na forma como trabalhamos e no empenho que pomos em cada projeto. Normalmente é através do convite ou do save the date que os convidados têm o primeiro contacto com aquele que vai ser um dos dias mais especiais da vida dos noivos! É um bocadinho como a capa de um livro, não é? E a história que esta dentro desse livro é a própria história dos noivos!

 

Amor à Portuguesa - convites de casamento

 

Amor à Portuguesa - convites de casamento

 

Amor à Portuguesa - convites de casamento

 

O vosso trabalho não se fica pelos convites: qual é a amplitude do vosso portefólio?

No Amor a Portuguesa fazemos o estacionário completo para o casamento: desde o convite aos menus, seating plan, etiquetas, entre outros. Para além disso, trabalhamos também com tecidos, na confecção de almofadas para alianças ou lembranças para os convidados, e ainda outros suportes rígidos como a madeira e o acrílico para sinalética, cake toppers, cartazes, entre outros. Acreditamos que é nestes detalhes que os noivos conseguem marcar realmente a diferença e tornar o seu casamento único.

 

Como é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

Achamos que e muito importante conhecer os noivos pessoalmente sempre que possível, caso contrário marcamos uma chamada por Skype. Depois, tentamos sempre procurar saber mais sobre a sua história, como se conheceram, o que fazem, de onde vem, como idealizam o dia, aquilo que não querem de todo. Muitas vezes é nos detalhes mais inesperados que encontramos o fio condutor para desenvolver a linha gráfica do seu casamento. A partir daí é afinar pormenores até os noivos estarem 100% satisfeitos com o resultado final.

 

Qual é a melhor parte de criar convites de casamento, ser o primeiro capítulo visível da história que leva ao grande dia? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte acho que é mesmo quando chegamos a um produto final e vemos os noivos satisfeitos com o nosso trabalho! Seja quando entregamos convites ou montamos os menus ou os seating plans no próprio dia do casamento. E uma sensação de missão cumprida. O mais desafiante é talvez a primeira conversa, pois partilhar a sua história pode tornar-se um bocadinho pessoal e muitos não se sentem à vontade para isso. Felizmente tanto eu como o Pedro temos conseguido quebrar o gelo e no fim estamos todos a rir e a partilhar as aventuras extraordinárias.

 

Escolham o convite de que mais gostam do vosso portfolio, e contem-nos porquê:

Temos muitos convites de que gostamos, felizmente. Existem alguns que nos dão maior de satisfação, pois sentimos que superamos as expectativas dos noivos em relação a um elemento que muitas vezes é subestimado. Depois existem aqueles em que os noivos nos dão liberdade criativa porque confiam a 100% no nosso trabalho, identificam-se com o nosso estilo e aceitam as nossas recomendações. E muito gratificante quando isso acontece.

Gostámos especialmente de fazer o estacionário da Joana e do Pedro. Usámos uma técnica e um formato fora do habitual para o save the date e os convites que foram serigrafados a dourado. Os menus foram impressos nos próprios guardanapos, o seating plan numa placa de acrílico, os números das mesas em madeira cortada a laser. No total, acompanhámos os noivos do princípio ao fim e o resultado foi muito gratificante.

 

Convite de casamento Amor à Portuguesa

 

Convite de casamento Amor à Portuguesa

 

Os contactos detalhados da Amorà Portuguesa, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, maravilhem-se com os seus filmes de casamento e contactem-nos directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: FullCut, filmes de casamento

Hoje sentamo-nos com a dupla FullCut, que faz filmes de casamento e tem um tabalho muito bonito, como vão ver.

Conheci o Hugo Teregeira e o João Ramos, pessoalmente, quando lhes pedi que fizessem um pequeno vídeo do evento de lançamento do nosso livro “Queres casar comigo? – guia prático para um dia muito feliz”. Dei-lhes um briefing muito singelo, porque foi uma gentileza da parte deles fazê-lo sem custos, que apenas registassem o momento, da forma que entendessem. Era, para mim e para a Maria João Soares, uma ocasião de festa e de partilha, junto das nossas pessoas que nos acompanharam nesta aventura, mas também um momento profissional, que queríamos celebrar e mostrar a toda a gente. Chegaram com quase uma hora de avanço, apresentámo-nos, falámos um breve minuto sobre o que era preciso e o que se queria, e foram à sua vida, fazer repérage do local. Não dei mais por eles, absorvida pelo momento e pela quantidade de amor na sala, engolida pelos abraços apertados dos amigos, da família, dos clientes. Uns dias depois, quando me chegou o pequeno vídeo, estava, tão só, perfeito. O Hugo e o João tinham captado a essência do momento, o que era valioso e especial, a energia da sala, os sorrisos contagiantes. Sem nos conhecermos, sem conhecerem o sítio, sem conhecerem a dinâmica da ocasião, sem conhecerem as pessoas. Esta foi a minha experiência com eles e resumo-a a uma palavra: talento. Se não bastasse, são simpáticos e tranquilos.

Estas são qualidades essenciais do e para o serviço que prestam. Fiquem agora a conhecê-los pelas suas próprias palavras (e imagens). Merecem, muito, o vosso tempo.

 

A melhor parte sobre ser um videógrafo de casamento é ser capaz de criar imagens que se tornarão heranças familiares para os outros, através da nossa visão. Sentimo-nos  realmente afortunados por fazer parte de um dos dias mais importantes para as pessoas e testemunhar tanta felicidade.

 

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, ao video de casamento.

O Hugo tem o curso de edição de vídeo e composição de imagem da Etic e motion design da Restart, o João tirou pós-produção de vídeo na Restart e desenvolvimento de produtos multimédia no Iade, tal como música e novas tecnologias igualmente na Etic.

O engraçado disto tudo, é que não tivemos qualquer formação de como captar imagem, somos completamente autodidatas neste campo.

Trabalhámos em diversas empresas de ramos completamente distintos desde que acabámos os nossos cursos, sempre ligados ao audiovisual, até que finalmente os nossos caminhos acabaram por se cruzar, num dos sítios que ainda hoje guardamos com muito carinho por diversas razões, e foi lá que começámos a filmar, com muito  medo e nervosismo.

Nunca pensámos em filmar casamentos, até que um dia o Hugo recebeu uma proposta de trabalho de um estúdio de fotografia, para edição de fotos. Nessa altura, começámos a perceber que esta  área tinha muito potencial e que havia espaço para criar, desenvolver e, principalmente, explorar a nossa criatividade. Começámos assim a dar os primeiros passos e, naturalmente, nasce a Fullcut.

 

Há quanto tempo filmam? E porquê casamentos?

Filmamos há cerca de 6 anos. Achamos que  a vida ganha mais cor com desafios. E realmente começou por ser isso mesmo, um desafio que acabou por se transformar em algo muito maior.

Hoje em dia é algo muito mais profundo e como muito mais significado, podemos dizer que o prazer e oportunidade de estarmos presentes neste dia e, principalmente, fazer parte da magia do dia, significa tudo para nós.

 

O vosso trabalho junta os pontos de vista de cada um de vocês. Como convergem?

Trabalhar como dupla é sempre muito interessante, tal como conciliar formas diferentes de olhar as pessoas e o amor. Convergimos duma forma muito natural, gostamos muito de ir experimentando novos métodos e explorando diferentes formas de fazer as coisas, trazendo o máximo de ideias possível a bordo.

“Crescendo errando”- Somos apologistas de que devemos experimentar o máximo de coisas, mesmo que no final o resultado não funcione da forma que esperávamos.

 

 

Como construíram a vossa assinatura? Como é que a definem?

A assinatura é algo em que pensamos muito, é a razão de ser de todo o projecto. A nossa assinatura remete-nos para um cenário figurativo, se as nossas lentes fossem um convidado todo o seu movimento e a sua observação seriam orgânicos e reais, é desse estado que nos tentamos aproximar. Para que este lado orgânico transpareça,  exploramos  o conceito de simplicidade no que toca a recursos materiais,  usando o mínimo de equipamentos no dia.

Uma outra analogia que revela a nossa assinatura, é a forma como recordamos as memórias de momentos. Normalmente lembramo-nos de momentos de uma forma aleatória e não sequencial, e dessa forma tentamos também explorar esse conceito no vídeo.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Ambos vemos muito cinema e documentários, para além disso,  o Vimeo é também uma óptima plataforma, onde  podemos encontrar  projectos muito  interessantes de variados campos. Não podemos esquecer a fotografia, que sempre foi uma grande inspiração para nós. Gostávamos também de salientar que  as melhores ideias vêm sempre de momentos inesperados, uma conversa, algo que acontece no caminho para o escritório, uma música, ou um momento de diversão.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Somos ambos muito ligados às nossas famílias e ao convívio, e gostamos de passar o máximo tempo possível junto de quem mais gostamos. Fora isso, o João passa algum tempo, sempre que pode, a tocar guitarra ou a cozinhar, e o Hugo a pedalar ou a fazer yoga.  O facto de termos um escritório e de termos um horário, ajuda bastante na altura de desligar do trabalho.

 

 

De Lisboa para o mundo, ou o mundo em Lisboa: filmar fora do país é diferente de filmar cá dentro?

Não vamos negar que conhecer sítios novos é totalmente inspirador e revitalizante. Aliar isso ao nosso trabalho é fantástico, diferente e, sem dúvida, uma enriquecedora experiência, no entanto   gostamos muito  de voltar para o nosso abrigo, junto de quem gostamos.

Hoje em dia com tantos “ destination weddings “ em Portugal não sentimos assim tanta necessidade de filmar fora do país.

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

As ligações aos clientes são muito importantes, por isso achamos necessário que exista uma conversa inicial, para que possamos conhecer o casal e ajudá-lo no que precisa.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

Gostamos de todos os tipos de casamentos, mas preferimos, realmente, os mais pequenos porque sentimos que conseguimos ter uma maior conexão com um maior número de pessoas, o que facilita bastante o nosso trabalho.

 

 

Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte sobre ser um videógrafo de casamento é ser capaz de criar imagens que se tornarão heranças familiares para os outros, através da nossa visão. Sentimo-nos  realmente afortunados por fazer parte de um dos dias mais importantes para as pessoas e testemunhar tanta felicidade.

O mais desafiante é, sem dúvida, corresponder às expectativas do cliente na mesa de edição, e o mais difícil são as dores de pernas e costas ao final do dia!

 

Escolham um filme favorito do vosso portfolio e contem-nos porquê:

Todos os casamentos são diferentes e olhamos para os vídeos com muito carinho, por isso não conseguimos dizer qual o melhor ou os melhores, conseguimos apenas explicar que cada vídeo tem a sua própria magia e faz-nos recuar no tempo, e esse sentimento de nostalgia faz-nos sorrir, dando-nos força para continuar esta caminhada carregada de emoções.

 

 

 

Os contactos detalhados da FullCut Wedding & Lifestyle Films, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, maravilhem-se com os seus filmes de casamento e contactem-nos directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: Golden Days Wedding Photography, fotografia de casamento

Esta semana conversamos com o Rui Gaiola, que assina como Golden Days Wedding Photography, sobre fotografia de casamento.

O trabalho do Rui Gaiola tem sempre uma luz em tons de caramelo que dá um calor adicional às imagens bonitas que capta. Para mim, têm a nostalgia das fotografias de verão dos anos 70, a década em que eu fui criança, captada nos rolos Kodak, e este registo que se afasta largamente da estética fine art, tem uma naturalidade e intimidade que são fascinantes.

O Rui conta-nos o que andou a fazer até lançar a Golden Days Wedding Photography e como construíu esta assinatura tão especial. É só ler o que se segue!

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Desde cedo que estive ligado às artes e foi por esse caminho que segui na minha formação académica. Fiz a minha formação toda em design gráfico e seis meses depois de começar a trabalhar num atelier de design, percebi que não era aquilo que queria fazer para o resto da vida. Passar o dia em frente a um computador, sem horários e com uma pressão constante para criar, não era de todo o que ambicionava profissionalmente. Ainda passei pela parte das artes gráficas e impressão, que é uma área que eu adoro, mas também durou pouco tempo. À procura de uma área que me preenchesse, cheguei à fotografia. Comecei na fotografia muito generalista, mas em pouco tempo já estava com o bichinho de fotografar casamentos e aqui estou eu.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Esta resposta vem na continuação do meu percurso até chegar aos casamentos. Foi na fotografia de casamento que encontrei o maior equilíbrio entre o que gosto de fazer, o que sei fazer e o que me reliza pessoal e profissionalmente. Foi um percurso longo, com muitas tentativas e erros, até chegar aqui. Depois, tão ou mais importante, é o que conseguimos construir com os nossos clientes, desde a ligação pessoal que criamos, o trabalho que conseguimos fazer e entregar, até ao feedback incrível que por vezes recebemos. Tudo isto é muito raro e difícil de reunir numa só profissão. Comecei o meu percurso na fotografia “generalista” em 2010 e comecei a fotografar casamentos mais a sério com a Golden Days Wedding Photography em 2014.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

É verdade que a velocidade e a quantidade de informação a que temos acesso em qualquer lado é assustadora, por isso é tão importante, pelo menos para mim, conseguir afastar-me dela para ser selectivo no que consumo. Não é fácil, mas funciona. A inspiração vem das viagens que faço, dos fotógrafos (de casamentos e não só) que sigo, dos amigos que me rodeiam e com quem partilho ideias e conhecimentos, e, claro, de toda a cultura visual que consumo, revistas, livros e cinema.

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Como construíste a tua assinatura, como a defines?

Somos todos “reféns” da nossa educação, das nossas vivências e da nossa cultura geral e visual. A minha forma de fotografar e o meu estilo resultam da mistura de tudo isso. Não sou estratega nem calculista ao ponto de me posicionar ou conduzir o que faço para uma linguagem ou um estilo especifico. Basicamente, ela acontece naturalmente e só a consigo identificar quando páro, me afasto e olho para trás, e é aí que consigo perceber que há ali uma linguagem e um fio condutor no meu trabalho, mas é um processo natural. Definir o que fazemos é sempre difícil e delicado, mas em poucas palavras, apontaria para um estilo fotográfico descontraído, natural e focado em emoções e momentos.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

Viajo. É sem dúvida o melhor reset que posso fazer. Natureza, florestas e montanhas, com neve de preferência, companhia, uma máquina fotográfica e um carro – é esta a minha receita. Consigo desligar de tudo, emails, edição, reuniões e até da rotina quotidiana que tenho.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

É sem dúvida diferente, não quer isto dizer que seja melhor ou pior.
Portugal é um pais com muita história, com muitas tradições e protocolos e nem toda a gente tem coragem de romper, e isto não deixa de ser uma limitação para casamentos mais simples e alternativos. Quem decide sair do seu país para vir casar a Portugal, vem com o espírito aberto para criar um casamento à sua imagem, com muita liberdade e sem limitações, e eu acho que esta é a grande diferença. Eu acredito que o mesmo acontecerá com um casal Português que decida casar noutro país, vai ter de certeza um casamento totalmente diferente do que se casasse em Portugal. Da parte criativa é sempre desafiante fotografar casamentos diferentes do nosso “clássico“ tradicional português, mas isto tanto se aplica a casamentos de estrangeiros como de portugueses.

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Golde Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

Eu acredito que a ligação com os meus clientes acontece quando eles se cruzam com o meu trabalho, quer seja no site, ou nas redes sociais. Apesar de não ter um estilo de fotografia fracturante, acredito que é diferente o suficiente para que os clientes se identifiquem e tenham interesse  em me contactar ou percebam que não é nada daquilo que procuram.
O processo de trabalho é o normal nesta área, primeiro contacto, emails, reuniões, sessão, casamento e entrega. O que eu tento, é que, tanto para mim como para os noivos, este processo seja o mais prático e simples possível. Ao mesmo tempo, gosto de ser muito transparente logo na fase de contacto inicial, para que eles percebam o meu método de trabalho. Gosto também que eles me conheçam e de os conhecer melhor, pois faz toda a diferença no dia do casamento.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Casamentos pequenos sem dúvida, nacionais ou estrangeiros é-me indiferente, desde que eu me identifique com o casamento e o casal se identifique com a minha fotografia, perfeito.
Quanto às cerimónias, eu adoro fotografar e presenciar cerimónias em que sinta que era mesmo aquilo que os noivos queriam, que sinta que eles estão a viver o momento de coração cheio, e isso geralmente sente-se, isto não implica que seja obrigatoriamente uma cerimónia emotiva. A festa é um momento de descompressão para toda a gente mesmo para quem trabalha, e uma festa animada e divertida é contagiante mesmo para quem capta o momento e é garantido que dá boas imagens com bons momentos. No entanto,  há uma coisa curiosa, durante o dia sinto que consigo sempre dar mais de mim e da minha visão, e  captar o dia de uma forma especial, enquanto que na festa apenas consigo dar o que a festa me der a mim, não consigo inventar muito, por isso quanto melhor for a festa a nível de DJ, música, luzes e participação dos convidados, (muitos ou poucos), melhor será o resultado.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

Para mim há duas coisas no que se refere “a melhor parte de ser fotógrafo de casamentos”: o estilo de vida que conseguimos ter – somos gestores do nosso trabalho e do nosso tempo, e isso para mim tem muito, muito valor;  o facto de conseguirmos construir algo único, inicialmente com duas pessoas (o casal), mas também com a família e amigos num dia tão especial e irrepetível. Ter a oportunidade de registar momentos e sentimentos que além de não se repetirem, ficam para o resto da vida, é incrível.
O mais desafiante e difícil é aquilo que não se vê, mas que é igualmente importante – o trabalho de backoffice. Temos de responder a emails, reunir, acompanhar e aconselhar os casais, comunicar nas redes sociais, gerir o site (actualizar, publicar ou até programar), ser contabilistas e tesoureiros, e, por fim a parte mais visível, fotografar e editar o nosso trabalho. Temos que saber um pouco de tudo e, como é óbvio, é difícil ser minimamente bom ou competente em todas estas áreas. Esta parte invisível é, sem duvida, desafiante e exigente.
Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

 

Golden Days Wedding Photography - fotografia de casamento

 

Tenho sempre dificuldade em escolher imagens favoritas, porque acho sempre que é difícil conseguir ter o que é importante para mim na fotografia de casamento, numa imagem só. Mas acabei por escolher esta que por acaso é bastante recente e que reúne muitos dos elementos com que me identifico e me enche a alma.

 

 

Os contactos detalhados do Rui Gaiola – Golden Days Wedding Photography, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria e contactem-no directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: Atmosfia, fotografia de casamento

Hoje sentámo-nos com a Raquel Castro, da Atmosfia –  fotografia de casamento, para conversar sobre o que é isto de fotografar, como se chega aqui, e o significado incrível que uma imagem pode ter.

O trabalho da Raquel é sempre muito feminino e luminoso, atento as muitos detalhes quem compõem a história do mais bonito dos dias. Vão gostar de a “ouvir”!

 

Os fotógrafos têm um privilégio muito grande de poder de ter parte do tempo nas suas mãos… A máquina do tempo existe e é a máquina fotográfica. Com ela conseguimos reter momentos no tempo que existiram verdadeiramente e que de outra forma não seria possível reviver ao detalhe.

 

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

A descoberta da fotografia profissional aconteceu numa altura de vida completamente inesperada. Com uma atividade profissional “fechada” ligada a números, cálculos, análises, gestão de informação, a necessidade de um escape mental surgiu com a oferta de uma máquina fotográfica no Natal de 2011. Nessa altura, com dois filhos pequenos, uma vida profissional que exigia uma disponibilidade que sobrepunha a uma vida pessoal, comecei a repensar muito no que tinha alcançado e como gostaria no futuro. Os workshops em fotografia, que fazia em horário pós-laboral, mantinham a minha mente sã e a visão optimista de que a vida não se perde se a agarrarmos, mesmo que a algo tão inesperado e tão incerto.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Sempre andei com uma máquina fotográfica atrás, assim como a maioria das pessoas, mas profissionalmente foi no início de 2014 que registo a minha atividade profissional. Tal como referi, sempre que possível tinha uma máquina fotográfica comigo e sempre que ia a casamentos como convidada, fazia a minha foto-reportagem que depois oferecia como cortesia aos noivos. Acontecia que os noivos mostravam a minha foto-reportagem em conjunto com a do fotógrafo contratado e e os comentários eram muito positivos. Sempre achei que nos casamentos há imensos assuntos interessantes para registar e sempre me foi muito natural e me senti à vontade em fazê-lo.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

A minha inspiração surge nas pessoas e nos lugares. Mas a luz, para mim é uma grande fonte de inspiração. A luz tem a capacidade de criar o cenário, iluminar rostos e expressões. Inspiram-me ambientes bonitos, cuidados, pessoas alegres e de bem com elas próprias e com os outros, descomplicadas. Também me inspiram situações mais cómicas ou invulgares.

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Como construíste essa tua assinatura, como te defines?

A minha assinatura está definida por imagens luminosas. O nome Atmosfia, inventado por mim, pois é uma palavra que não existe no vocabulário, é a conjugação de atmos (energia, luz) e fotografia.

 

Achas que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhes fotografar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que vês num trabalho de um profissional masculino?

Pessoalmente acho que sim e ainda bem. Há áreas da fotografia onde a visão homem e a visão mulher são muito próprias e se distinguem. Para mim, claramente, a nível profissional, sessões boudoir, despedida de solteira, sessões com bebés recém-nascidos são onde noto que as mulheres têm uma visão que se distingue do homem. Outros trabalhos, como o caso de fotografia de casamentos, a diferença pode não ser tão evidente.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

Quando estou em modo fotógrafa profissional, entro numa esfera diferente da minha personalidade. É interessante perceber isso porque, acima de tudo, tenho muito respeito pelo meu trabalho, pelo meu tempo e naturalmente faço sentir isso nos outros. Não me deixo afetar por situações inesperadas ou desagradáveis, tenho a capacidade olhar a situação e rapidamente dar o passo à frente para fazer o que tem de ser feito. Quando preciso fazer um reset e se for conveniente assumo o reset e levo todos no meu reset… Assumo que não está a funcionar, repenso e assumo. Esta forma de estar funciona sempre bem porque é uma questão de autenticidade e energia, e, apenas vale a pena alimentar se for boa e isso sente-se.

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

O meu trabalho tem sido construído a um ritmo com alguma exigência mas que ainda assim torna possível o equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal. Assim fui conquistando consistência e coerência que o cliente valoriza. Esta valorização por parte do cliente tem retorno na fidelização e em novos clientes, pela passagem de testemunho positivo.

 

O teu trabalho é local ou nacional?

O meu trabalho é local e nacional.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

As festas que mais gosto de fotografar são as festas em que as pessoas estão verdadeiramente envolvidas a nível emocional. E esse tipo de envolvimento, por norma, acontece em casamentos mais pequenos, em celebrações mais intimistas. Os casamentos mais intimistas permitem às pessoas desfrutar com mais calma do dia e partilhar esse momento com mais proximidade de todos os presentes. A festa acaba por ser de todos.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é saber que fui a pessoa a quem confiaram a sua história de amor. E contar uma história através de imagens é uma grande responsabilidade que tem de ser aceite com todo o amor também. Eu dou o máximo sempre a pensar no que faz sentido para o casal. Também isso é desafiante porque envolve toda a parte social e psicológica que é saber lidar com pessoas e querer agradar. Existe um pré-conhecimento antes do dia do casamento, mas no dia em si há imprevistos até em relação ao próprio comportamento das pessoas que estão sob pressão e nervosas, e esta considero a parte mais difícil. A mais desafiante, e que mais me preenche, é exigência de estar constantemente a pensar rápido, é preciso ter o “olho treinado” para acompanhar as mudanças de luz bem como antecipar momentos que sabemos que estão prestes a acontecer e serão importantes registar.

Os fotógrafos têm um privilégio muito grande de poder de ter parte do tempo nas suas mãos… A máquina do tempo existe e é a máquina fotográfica. Com ela conseguimos reter momentos no tempo que existiram verdadeiramente e que de outra forma não seria possível reviver ao detalhe.

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

Com tantos trabalhos e tantas memórias, é muito difícil escolher apenas uma imagem favorita. Escolhi um conjunto de duas imagens como gosto de fazer nas minhas publicações onde há sempre um detalhe a acrescentar… este conjunto é da sessão que fiz hoje e traduz muito do que me representa enquanto fotógrafa. É uma imagem onde se vê luz, alegria, romance e uma relação de confiança. Em resumo, quando ambas as partes se envolvem e estão em sintonia, o resultado é sempre feliz para todos.

 

Atmosfia - fotografia de casamento

 

Os contactos detalhados da Raquel Castro estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria e contactem-na directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: Vanessa & Ivo, filmes de casamento

Regressamos às entrevistas pessoais com os fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, com uma bela conversa com a dupla Vanessa & Ivo, que fazem filmes de casamento muito bonitos.

Juntem-se a nós, porque a forma como esta dupla construíu a sua assinatura e fez o seu caminho é muito interessante e consciente. Como dizemos sempre, a viagem é mais interessante que o destino, e o sítio onde a Vanessa & Ivo se encontram agora é muito, muito bom.

 

A melhor parte de ser videógrafo de casamentos é poder fazer aquilo que mais gostamos (…). É ter liberdade e confiança absoluta para fazermos a nossa “arte” e gerir o nosso negócio. É ser contactado por pessoas que seguem o nosso trabalho há imenso tempo e dizem que somos a primeira e única escolha, que nos recebem nos seus corações e nos levam consigo naquele que é um dos dias mais importantes das suas vidas. Ter clientes-amigos. Estar fechado num dia de chuva no escritório, mas com a certeza que estamos a criar uma coisa que vai fazer parte daquela família para sempre. Editar um momento no filme em que “eles vão chorar tanto”.

 

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, ao video de casamento.

Estudamos na Universidade da Beira Interior na Covilhã e ficámos por lá a trabalhar algum tempo, o Ivo trabalhava numa produtora de cinema e dava aulas ao curso de cinema na UBI e eu, Vanessa, trabalhava numa companhia de teatro.

 

Há quanto tempo filmam? E porquê casamentos?

O Ivo , em conjunto com três sócios, criou uma produtora de cinema. Com esta produtora ganharam alguns trabalhos importantes nas áreas da publicidade institucional e ao mesmo tempo começaram a receber pedidos de fotógrafos locais para fazerem alguns vídeos de casamento. O que começou como um cash flow para uma pequena produtora em início de vida, de repente ganha uma marca, a Something Blue, e os filmes começam a ganhar os contornos dos filmes americanos de casamento que víamos no blogue Green Wedding Shoes – filmes curtos e cheios de emoção.

Numa tarde de férias passada em Guimarães, eu e o Ivo começámos a sonhar trazer a produtora para esta cidade natal do Ivo. Meses depois, com alguns casamentos marcados, decido deixar o meu emprego e embarcar nesta aventura, numa nova cidade!

O Ivo filma desde sempre e eu comecei a filmar em 2013.

 

Como construíram a vossa assinatura? Como é que a definem?

Quando se começa bebe-se inspiração de qualquer lado. Tentámos seguir o caminho que víamos outros seguir com sucesso, e achávamos que por fazer igual teríamos também o mesmo sucesso. Quando se começa é natural passar por essa fase, e seguimos tendências que nem sempre são as melhores para nós. Os primeiros anos foram um pouco assim – muita tentativa e erro. Aos poucos fomos percebendo que gravitávamos numa direcção, numa confluência entre a nossas personalidades (enquanto indivíduos e enquanto casal) e o nosso trabalho. O melhor de tudo é que começamos a atrair casais que procuravam exactamente isso. Talvez o passo mais importante tenha sido o de “abandonar” a marca Something Blue e abraçarmos a nossa individualidade, dando o primeiro passo nesta proximidade que queremos criar com os casais. Hoje é fácil para nós definirmos o nosso estilo em duas palavras – íntimo e romântico. Não só nos filmes, mas em todo o processo de relação com cada casal.

 

O vosso trabalho junta os pontos de vista de cada um de vocês. Achas que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhes captar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que o Ivo faz, do seu ponto de vista masculino? Como convergem?

Depois deste tempo juntos a trabalhar, nós sabemos o que gostamos de filmar e o que outro vai filmar. Estamos já a filmar quando percebemos que vai haver risos ou que a lágrima vai cair. Por esta altura, a maneira de filmar de cada um complementa-se na perfeição – se um filma o geral, o outro está no pormenor, se um filma a noiva a vestir-se, o outro filma a mãe emocionada.

As diferenças existem na escolha das lentes, se um faz lens whacking e o outro usa uma tilt shift, há determinados movimentos de câmara que o Ivo faz e outros que faço eu, mas sermos uma equipa e um casal já há tanto tempo faz com que nos complementemos num resultado final incrível!

 

É chegarmos a casa cansados depois um fim-de-semana cheio de trabalho, mas saber que temos imagens tão boas! Aterrar num país diferente e pensar que alguém nos levou lá só porque gosta do que fazemos. É chorarmos ao editar o momento em que o pai com esclerose múltipla faz questão de percorrer os últimos metros até ao altar com a filha para a entregar ao noivo (e ficarmos embargados só de o mencionar agora). É receber um email ou telefonema com a reacção casal ao seu filme. É comer bolo de noiva. É dançarmos os dois num casamento ao som da música do momento com as câmaras na mão. É tudo tão bom.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Os editoriais são agora a nossa forma de experimentar coisas novas sem pressão – coisas que vimos em peças de teatro, filmes, em séries, em videoclips ou em fotografias. E os casamentos são todos diferentes, todos exigem de nós de forma diferente, e felizmente essa diversidade de casais, cerimónias, convidados levam-nos àquele momento de inspiração que de repente transforma o filme de casamento.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Para tudo e para nada! Apesar de passarmos o ano em movimento, viajar em passeio é sempre bom. Sempre que o trabalho nos leva a um destino novo, gostamos também de passar uns dias a mais para o conhecermos melhor, se o calendário o permitir. Quando estamos em casa há sempre aquele escape típico dos filmes, séries e espetáculos de teatro. Um dia passado a jogar computador é um dia bem passado para o Ivo. A Vanessa vai ao ioga, o Ivo meteu-se no triatlo e gostamos muito de nadar juntos. A Kira (a nossa cadela) obriga-nos sempre a sair de casa, faça chuva ou faça sol, e às vezes também é bom descomprimir e dar um passeio mais longo. Quando vivíamos em Aveiro ainda experimentámos o surf mas em Guimarães não há ondas!

 

De Aveiro para o mundo, ou o mundo em Aveiro: filmar um casamento estrangeiro é diferente de filmar um casamento nacional?

Quando saímos da Covilhã em 2013 fomos para Guimarães. Aqui, vivemos dois anos e decidimos seguir depois para Aveiro, onde está a família da Vanessa. Ano e meio depois, voltámos a Guimarães, a cidade que, para já, nos enche as medidas e porque percebemos que podemos estar em qualquer sítio desde que estejamos felizes, o trabalho chegará até nós!

Filmamos casamentos em Portugal de norte a sul e até às ilhas, e felizmente já filmámos casamentos nos mais variados sítios, desde casas particulares na Costa Brava, Menorca ou Ibiza, até castelos na França rural, ou grandes centros urbanos como Londres ou até o Ritz em Paris, com noivos oriundos de todos os continentes. A isto acrescenta-se ainda o facto de Portugal ser um país de emigrantes que gostam de regressar ao seu país para casar mas não abdicam de algumas imagens feitas nos países onde estão a viver.

Em Portugal, o nosso país de mar e sol, filmamos tantas outras nacionalidades e religiões. Depois de aprendermos sobre os rituais de cada cultura, a essência é a mesma – nervos ao início do dia enquanto se preparam para o momento de dizer sim, emoção na troca de alianças e muitos romance na hora em que levamos os noivos para fazer umas imagens bonitas e para finalmente estarem juntos e (quase) sozinhos no seu dia de casamento.

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Tal como já mencionámos, a mudança para “Vanessa & Ivo” foi um passo natural para estreitar a relação com os casais. No nosso site temos uma área dedicada a nós, e fazemos regularmente posts pessoais nas redes sociais da “Vanessa & Ivo”. Se queremos que os casais nos recebam nas suas vidas, temos também de partilhar um pouco de nós – as relações saudáveis constroem-se assim.

Tentamos ser transparentes – temos disponível no formulário de contacto o valor base dos nossos serviços, e nas perguntas frequentes (FAQs) cobrimos também a maior parte das questões que nos colocam e que estão abrangidas no contrato que mais tarde os casais assinam. Esta prática não é muito comum neste mercado. Queremos que quem nos contacta esteja munido do máximo de informação possível para tomar sua decisão, mesmo que seja para decidir que não nos quer contactar. Logo numa primeira resposta gostamos também de colocar algumas questões sobre o casamento, e enviamos a nossa apresentação com todos os serviços, uma breve descrição e respectivos valores. Encorajamos uma reunião skype e temos sempre prazer em receber casais em nossa casa (se não se importarem de conhecer os nossos gatos e a cadela). Depois vamos mantendo o contacto com os casais que nos contratam e gostamos de ser envolvidos no planeamento do casamento. Em alguns casos uma sessão prévia ao casamento ajuda a quebrar o gelo com as câmaras!

Felizmente podemos dizer que muitos dos casais que nos contratam, acabam por ficar nossos amigos.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

O casamento ideal é aquele em que os noivos se divertem! Já fizemos elopements com apenas o casal, casamentos com 9 convidados (e dois cães!) , casamentos com mais de 300 convidados, e até já fizemos dois casamentos na mesma festa. No final são todos especiais, e têm todos qualquer coisa única.

Posto isto, e apenas por questões de logística e porque pela nossa experiência o dia corre com menos stress, preferimos casamentos pequenos que acontecem na totalidade num só local. Permite-nos dedicar mais tempo a cada pormenor, estar mais atentos ao que acontece à nossa volta, e podemos concentrar-nos no que é realmente importante.

 

Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte de ser videógrafo de casamentos é poder fazer aquilo que mais gostamos – contar histórias – sem ter de lidar com a burocracia associada ao cliente empresarial, e sem depender de grandes orçamentos e equipas como na publicidade e no cinema. É ter liberdade e confiança absoluta para fazermos a nossa “arte” e gerir o nosso negócio. É trabalhar em casa e fazer os próprios horários. É ser contactado por pessoas que seguem o nosso trabalho há imenso tempo e dizem que somos a primeira e única escolha, que nos recebem nos seus corações e nos levam consigo naquele que é um dos dias mais importantes das suas vidas. Ter clientes-amigos. Estar fechado num dia de chuva no escritório, mas com a certeza que estamos a criar uma coisa que vai fazer parte daquela família para sempre. Editar um momento no filme em que “eles vão chorar tanto”. Fazer o upload de um filme terminado e enviar o email ao casal com a novidade. Ver o pai da noiva a chorar no discurso. Ver o noivo envergonhado pelo discurso do amigo. A reacção das amigas ao verem a noiva vestida… e a reacção do pai! Chegar a casa cansado depois um fim-de-semana cheio de trabalho, mas saber que temos imagens tão boas! Aterrar num país diferente e pensar que alguém nos levou lá só porque gosta do que fazemos. É chorarmos ao editar o momento em que o pai com esclerose múltipla faz questão de percorrer os últimos metros até ao altar com a filha para a entregar ao noivo (e ficarmos embargados só de o mencionar agora). É receber um email ou telefonema com a reacção casal ao seu filme. É comer bolo de noiva. É dançarmos os dois num casamento ao som da música do momento com as câmaras na mão. É tudo tão bom.

O mais desafiante e difícil? Por favor ler a resposta outra vez!

 

Escolham um filme favorito do vosso portfolio e contem-nos porquê:

Isto é como escolher um filho preferido, não é justo! Por isso, mostramos o que nos caracteriza melhor, muito romance, confiança em nós e na nossa visão.

O primeiro, o favorito do Ivo, é o da Lynn e do Matt. Eles são americanos e vieram casar a Portugal, a um dos nossos sítios favoritos, o Bussaco Palace Hotel. Foi um elopement, eles fugiram (literalmente) da organização de um grande casamento e vieram até cá para se casarem um com o outro e este ser verdadeiramente um momento só deles os dois.

 

O segundo, favorito da Vanessa, é da Jessie e do Jonathan que casaram no Algarve, na praia da Luz. Este traz, não só as raízes portuguesas do Jonathan, mas também uma história de família. São do Canadá, mas há três anos vieram passar férias ao Algarve. Nestas férias, foram jantar ao restaurante Fortaleza da Luz e o pai da Jessie brincou dizendo que eles podiam casar-se ali, um dia. O ano passado, o pai da Jessie morreu e em sua honra casaram no restaurante da praia da Luz que tão boas memórias trazia a todos. Foi lindo e foi um dia de felicidade e não de tristeza, como se poderia pensar.

 

Os contactos detalhados da dupla Vanessa & Ivo estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, demorem-se pelos filmes e contactem-nos directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

 

 

Susana Pinto

À conversa com: Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas

Hoje conversamos com a Jennifer Miranda, que assina como Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e, nos últimos tempos – e muito bem – profssional de penteado também.

A Jenny, como é conhecida no meio, é uma profissional empenhada e muito dinâmica, com um belo trabalho. Consegue equilibrar o papel de mãe de dois energéticos miúdos pequenos, com o de vegetariana convicta e fornecedora de qualidade irrepreensível e muito profissionalismo. Fá-lo com um despacho e elegância admiráveis , é presença assídua no nosso showcase do Porto e é sempre um prazer conversar com ela!

 

Fazer parte de uma memória feliz, ajudar alguém a sentir-se melhor, é para mim muito gratificante.

 

Como chegaste a este universo da beleza feminina?

Na verdade desde sempre estive ligada a este mundo da beleza, a minha mãe é cabeleireira, sempre foi uma mulher muito vaidosa, lembro-me de estar rodeada de maquilhagem da Lâncome, que era a marca de eleição da minha mãe, lembro-me ficar a observar esse ritual que ela tinha todas as manhãs. Adolescente, comecei a fazer as minhas experiencias (era ainda pré-youtube!), coleccionando revistas Vogue de todo o mundo, observando as imagens de publicidade, as dicas dos maquilhadores internacionais, e começaram a chegar os pedidos das clientes da minha mãe para que as maquilhasse…

Entretanto, entrei para a faculdade, acabei o curso, comecei a trabalhar na minha área de formação mas o bichinho de trabalhar com beleza falou mais alto e larguei tudo para procurar aquilo que realmente me sentia bem a fazer, que é, até hoje, maquilhar (e agora pentear).

Fazer parte de uma memória feliz, ajudar alguém a sentir-se melhor, é para mim muito gratificante.

 

Qual é a importância da maquilhagem, num dia tão especial? E nos dias comuns?

Num dia especial como o dia do casamento,  a maquilhagem certa, é, na minha opinião, muito importante e fundamental para que a noiva se sinta confiante, bonita e, acima de tudo, ela própria. Não sou muito apologista de mudanças radicais ou transformações enormes, por isso opto por um look elegante e intemporal que deixe realçada a beleza natural de cada mulher. No dia-a-dia, acho que as mulheres devem andar arranjadas sim, mas isso não implica que andem maquilhadas, uma pele bem cuidada e um hidratante de lábios pode ser o suficiente… ou não, isso cabe a cada mulher decidir, acho que as mulheres devem ter total liberdade quanto a isso.

 

Um rosto é uma tela ou há todo um conjunto de regras firmes sobre este assunto? Depende da ocasião?

Creio que isso depende de cliente para cliente, existem rostos que me inspiram mais que outros, naturalmente, mas principalmente na maquilhagem de noiva, há que ter um certo bom senso, não diria que são regras (não acredito muito nelas, na verdade….), mas sim considerações a ter em conta, para que daqui a uns anos ainda se continue a gostar do resultado, que fica gravado para sempre, não só nas fotografias mas também na memória!

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

As tendências da estação são importantes, ou não contam para a maquilhagem de noiva?

Sim, as tendências são importantes, até porque hoje em dia as noivas estão mais atentas a elas e todas chegam ao estúdio com a sua pasta do Pinterest, cheia de looks de cabelos e maquilhagem (nem sempre adequados a noivas, ao formato de rosto, etc.), por isso sim é importante estar a par das tendências, das novas texturas, cores, estilos de maquilhagem mais reproduzidos… e a partir daí fazer uma filtragem, ver o que faz sentido adoptar, o que não faz, o que gostaríamos de ver nas nossas maquilhagens, perceber se faz sentido na maquilhagem de uma noiva. Existem tendências que podem resultar muito bem numa noiva, e outras às quais não presto a mínima atenção porque não são aplicáveis neste contexto.

 

Onde buscas inspiração para o teu trabalho de makeup artist?

Gosto muito de folhear revistas de moda, ver as texturas que são mais predominantes nas fotografias. Ver arte clássica e renascentista ajuda-me sempre bastante na busca por uma beleza natural e misteriosa ao mesmo tempo. Gosto de deambular pelas lojas de maquilhagem e tocar nas texturas, cores e produtos novos e imaginar o que poderia fazer com eles.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescas a mente e o espírito?

Esses momentos acontecem, naturalmente, a qualquer pessoa, tento (quando possível) fazer coisas completamente diferentes, sair do estúdio, estar comigo própria, tomar conta de mim, ler um livro… não pensar de todo no meu trabalho e fazer algo que me dê realmente prazer.

 

Dás formação regularmente. Sentes que fazes diferença no quotidiano de quem te procura?

Sim, dou formação, mas cada vez com menos frequência, porque quero continuar a ter prazer em partilhar conhecimento, quero que quem vem aprender comigo, realmente tire partido. Ensino tudo o que sei, tenho muita atenção ao detalhe e crio oportunidades para as minhas alunas, muitas delas começam a trabalhar comigo em trabalhos mais secundários, ou como assistentes, algumas acabam por ficar comigo, como é o caso da Adriana, que começou como minha aluna e hoje é o meu braço direito.

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

 Qual é o teu processo de trabalho, como crias uma ligação com as tuas clientes?

Tento sempre criar uma ligação com as minhas clientes.

Apesar de ser uma relação profissional, eu e a minha equipa somos vistas como uma parte muito importante de um dia muito especial, por isso tento sempre “entrar” um pouco no dia delas. As noivas procuram os nossos serviços com muita antecedência, vamos falando por email, às vezes vêm cá fazer uma visita ao atelier e intuo que elas sentem necessidade de conversar sobre o seu dia, de partilhar detalhes e pedir a nossa opinião sobre este ou aquele assunto. Muitas vezes essa pequena conversa é suficiente para percebermos se existe empatia de parte a parte, o que torna o processo criativo muito mais fácil.

 

Qual é a melhor parte de ser responsável pela beleza da noiva no seu dia? E o mais desafiante e difícil?

Além de eu gostar mesmo de maquilhar, gosto muito mesmo de maquilhar noivas, gosto de ser a maquilhadora que elas vão recordar para sempre (pelos melhores motivos!), gosto de estar presente no meio daquele nervoso miudinho, gosto de ajudar a vestir, colocar o véu…

 

Quem gostarias de maquilhar? E por quem gostarias de ser maquilhada?

Gostava muito de maquilhar a Lilly Collins, (adoro-a, tem uma beleza, serena e intemporal), e adorava ser maquilhada pela Lisa Eldridge, pois gosto muito do estilo dela.

 

Os contactos detalhados Jenny Makeup Land estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, vejam as imagens bonitas e contactem-na directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: Matilde Alçada – fotógrafa de casamento

Hoje conversamos pausadamente, mesmo como eu gosto, com a doce Matilde Alçada, fotógrafa de casamento.

E que bela conversa esta! A Matilde conta-nos com detalhe o seu percurso até à fotografia de casamento, que é bem variado e interessante, feito de memórias puramente lisboetas. Tem sempre graça perceber que, em alguns momentos, passámos por e frequentámos os mesmos lugares.

Para além de uma simpatia doce e contagiante, traços de personalidade importantes neste assunto de casar, a Matilde é muito intuitiva e isso é um valioso talento: sabe o que escolher, o que captar, o que fica e o que não é importante.

Deixem-se ficar connosco, para a conhecer melhor: vão gostar, obviamente!

 

A melhor parte, aprendi com uma grande amiga advogada, é só trabalhar com momentos felizes. Não temos noção de como somos privilegiados. Fazemos parte dos melhores momentos de vida de cada cliente. Quando se comprometem, quando se prometem e quando se constroem.

 

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Licenciei-me Design Gráfico e fiz uma pós graduação em Fotografia. Comecei a trabalhar numa multinacional à qual fui literalmente bater à porta. Admito, há um lado sociável que me ajuda bastante nesta profissão. Sou de meter conversa, de deixar as pessoas à vontade, de ultrapassar cerimónias, sempre com um sorriso na cara.

A pós-graduação em horário pós-laboral tornou-se o meu momento feliz do dia. Portanto, não me identifiquei nada com o mundo da publicidade, dos padrões pré-estabelecidos e institucionais, com os horários tardios e a mesma rotina todos os dias. Lembro-me bem que o que mais me fascinava era quando os fotógrafos iam entregar trabalho. Fazia questão de estar presente e de folhear todas as provas.

A fotografia esteve sempre presente na minha vida. Nos Verões em que já podia andar sozinha, tirava cursos de desenho e de fotografia no Ar.Co. Adorava apanhar o eléctrico 28 (a minha tese de final de curso foi sobre o percurso este eléctrico), levando comigo a minha primeira Pentax analógica. Os meus dias eram calmos e inspiradoramente preenchidos! Que saudades…

A fotografia para mim sempre foi um escape para me encontrar comigo própria. Com o meu mundo. Com o meu sossego. Com a minha visão. Com as pessoas. Mas nunca pensei em fazer disto profissão!

Nasci e vivi até aos meus 24 anos na rua de São Paulo. A actual zona da moda, dos cafés giros, das galerias, do Mercado da Ribeira, dos turistas, dos prédios bem arranjados – não, não era nada assim. Tenho (também) as melhores memórias dos prédios antigos, das senhoras à janela, da gente do bairro, das ruas sinuosas, das andorinhas a chegarem ao final do dia, das roncas dos barcos e de ninguém lá andar, a não ser os de lá. Os que falavam alto. Os que tinham os cães tão velhos quantos eles. Os que me diziam bom dia todos os dias. São as pessoas na sua essência que me inspiram.

Após um percurso pela Representação (desde pequena que vou fazendo alguns castings e anúncios também) abrandei com a minha primeira gravidez. Comecei então a absorver muitos sites de fotógrafos, imagens e blogs bonitos que começaram a fazer parte da minha leitura matinal. O simplesmente branco tornou-se numa referência e num ponto de encontro de vários fornecedores a fazerem coisas bonitas. Juntava designers, fotógrafos, espaços, arranjos, decoração, tudo aquilo que eu gostava num só portal. Assim conheci o trabalho da Catarina Zimbarra.

Fizemos uma sessão de família e ela rapidamente percebeu o meu fascínio pela fotografia. Chamou-me para começar à experiência em casamentos. O maior elogio que pude receber foi que tinha a intuição – um dado singular e inexplicável para vingarmos nesta profissão na minha opinião – a técnica viria depois! E assim foi. Depressa comecei a perceber o encanto dos detalhes, das emoções à flor da pele, do instante único, da concentração exigida, e claro, desse dom que desconhecia ter apurado – a intuição.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Em 2012 criei então o meu projecto de Fotografia de Família e Casamentos, quando comecei a ter os primeiros amigos e conhecidos a saberem que estava para aqui virada. Rapidamente fiquei com um grupo de pessoas que ainda hoje faz parte dos meus melhores clientes.

Paralelamente vou fotografando outras áreas de que também gosto bastante, fotografia de interiores (Catherine Cabral Interiores) e de comida (Grupo Olivier), mas é realmente com esta intuição de captar as reações das pessoas, que me divirto. É preciso senti-las. Somos todos diferentes. Agimos de determinadas maneiras, individualmente e enquanto casal. E, ter a máquina e o olhar prontos quando um momento singular vai acontecer, é mágico! Fotografar instantes reais é o momento em que me sinto em paz com a vida, como se o tempo e o mundo congelassem para nos mostrarem a razão pela qual aqui estamos todos – pelo amor, seja qual for a sua cor, forma, dimensão e transmissão.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

Absorvo muitos sites e blogs internacionais. Não vejo televisão. Só séries de vez em quando e tendencialmente as que contenham uma fotografia singular. Por isso, tudo o que sejam revistas boas, papeis bonitos, imagens novas, cores e canetas para ir sublinhando e marcando tudo e mais alguma coisa, fazem parte da minha rotina, sempre ao som de boa (e muito variada) música.

 

Matilde Alçada - fotografia de casamento

 

Matilde Alçada - fotografia de casamento

 

Matilde Alçada - fotografia de casamento

 

Como construíste essa tua assinatura, como te defines?

A construção foi gradual. Trabalho essencialmente com luz natural, com a qual me identifico mais e sobretudo tento não inventar muito! As fotografias devem ser intemporais, durar entre gerações. Se nos pusermos a utilizar filtros vintage provavelmente daqui a 5 anos estas imagens perdem carisma. Enquanto que, se trabalharmos com a luz natural, as cores reais, os contrastes certos são as fotografias que ficam. Orgulho-me de já me conhecerem pelas minhas cores. Serve portanto com isto a prova de que todas as horas em edições compensam! E são muitas, para que cada imagem saia perfeita.

As minhas imagens também não são encenadas, são naturais, espontâneas, desmistificando a pose e entendendo a sintonia do casal. Se eu conseguir pôr os noivos a dançar na primeira sessão, melhor ainda. Sei que terão ataques de riso, serão eles próprios, descontraídos e com os movimentos que lhes são inerentes.

 

Achas que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhes fotografar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que vês num trabalho de um profissional masculino? 

Não acho especificamente que seja por ser mulher. Ou se tem, ou não se tem um olhar e uma sensibilidade própria. Sigo vários fotógrafos masculinos com uma grande capacidade de ir ao detalhe, de sentir as coisas bonitas, de ver o mundo com um olhar diferente. A nossa maior dificuldade, enquanto mulher ou homem, nesta área, são todos aqueles que chegam com uma máquina, sem essa capacidade de ver o mundo de uma forma diferente. Sem a formação, sem a intuição e sem a preocupação de educar o cliente a apreciar as coisas bonitas e estruturadas.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

É difícil. Tendencialmente, cair em rotinas é rápido, quando temos uma casa cheia ainda mais. Há horários para tudo. Todos precisam de mim (e eu deles). O que acabo muitas vezes por perder é esse tempo essencial para fazer um reset. Comecei devagarinho, voltei às aulas de piano. Andar mais a pé. Voltar a apanhar o eléctrico. Ir conhecer os sítios novos desta cidade antiga. Estar mais com aqueles que me são queridos, que me fazem rir e também a mim, desconstruir.

 

Matilde Alçada - fotografia de casamento

 

Matilde Alçada - fotografia de casamento

 

Matilde Alçada - fotografia de casamento

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

O primeiro contacto é feito on-line, através de email. A partir daí é importante perceber se todos estamos na mesma linha. Se sim, então agendo uma reunião via skype ou presencial. A empatia e o respeito pelo nosso trabalho é fundamental para que todo o processo seja ágil, feliz e produtivo.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Ao fim de 5 anos a fazer um bocadinho de tudo, acho que já tenho créditos para começar a escolher o que quero fazer. E esse momento começa a surgir. Mas só tendo experimentado um bocadinho de todos é que posso ter essa opção.

Casamentos pequeninos – a ligação aos noivos é totalmente diferente. Pessoal, detalhada, ao encontro das necessidades deles. Pessoalmente acho triste ver os noivos a conhecerem convidados no próprio dia. Não faz sentido!

Tenho a opinião que deveriam estar presentes aqueles que fizeram parte da história da relação. Os familiares e amigos mais especiais, que façam os noivos serem eles próprios, sem cerimónias nem protocolos. Neste ponto, os estrangeiros celebram melhor.

Casamentos nacionais e estrangeiros – Essencialmente, casais que me procurem pela minha linguagem. Que se identifiquem com as minhas imagens, com a minha abordagem. Tendencialmente os estrangeiros são melhores nesse respeito por aquilo que somos, pelo que apresentamos, sem perguntarem no primeiro segundo qual o orçamento e até a que último minuto estaremos em reportagem. Confiam mais na qualidade do nosso serviço.

Festas emotivas – é comum emocionar-me também. Acabar o dia com um abraço sentido. E ficar com ligações para a vida.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil? 

A melhor parte, aprendi com uma grande amiga advogada, é só trabalhar com momentos felizes. Não temos noção de como somos privilegiados. Fazemos parte dos melhores momentos de vida de cada cliente. Quando se comprometem, quando se prometem e quando se constroem.

O mais desafiante e difícil foi o que falei anteriormente. Um mercado saturado de coisas muito boas e de coisas muito más. Educar o cliente é o desafio mais difícil.

Quando temos de gerir todas as áreas sozinhos, comunicação, contabilidade, emails, redes sociais, workflow, edição, álbuns – também é um desafio. A falta de tempo de qualidade é constante. O facto de querer ser cada vez mais selectiva com os clientes passa por aqui.

 

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portfólio e conta-nos porquê:

 

Matilde Alçada - fotógrafa de casamento

 

Esta imagem é do último casamento desta temporada, na Quinta de Sant’Ana. As vinhas foram o cenário idílico para uma cerimónia íntima entre um casal português/ inglês, valorizando o que temos de melhor – a nossa luz!

Fez-se a festa, celebrando de forma muito emotiva o essencial de um casamento – o amor. Esta é uma grande questão, como noivos não se percam com outras questões menos relevantes, impessoais, sociais e dispersas. Este é a vossa – e só vossa celebração. Não tenham receios! Se implicar irem de sapatos de cinderela – vão. Se implicar irem descalços – força! Sejam sempre vocês próprios. O que interessa é que este compromisso contenha todo o vosso amor.

Esta imagem, emocionalmente para mim, significa também um fecho de uma época feliz e de uma passagem, ainda mais estruturada, para o próximo ano.

 

 

Os contactos detalhados Matilde Alçada estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, vejam as imagens bonitas e contactem-no directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!