Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento na Quinta do Vale: Beatriz + Rui

Hoje mostramos o mais bonito dos dias da Beatriz + Rui: um casamento na Quinta do Vale, com a luz dourada e baixa de Outubro.

E que doce e cheio de amor é este dia, temos sorrisos e abraços que duram dias e pormenores para lá de bonitos.

 

Na terça-feira, mostrámos aqui o maravilhoso vestido de noiva da Beatriz, criado especialmente para ela pela Imauve e hoje, como combinado, contamos como todo este dia bonito se desenrolou. As fotografias belíssimas são da dupla D10Photo.

 

Juntam-se a nós?

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Imaginámos um dia feliz, rodeados de todas as pessoas que são importantes para nós.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Foi um caminho muito relaxado, muito calmo e intuitivo. Namorámos 6 anos antes de casar e por isso o casamento era o passo natural seguinte. Não estava à espera que o Rui me pedisse em casamento, mas quando o fez senti que era certo. A preparação para o dia foi muito fácil. Sabíamos que queríamos um dia muito simples e o que importava eram as pessoas que estavam connosco. Importava acima de tudo, nós os dois. O facto de pensarmos assim tirou um grande peso de toda a organização. Fomos calmamente vendo as coisas que precisávamos e tomávamos decisões a partir daí.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No próprio dia. Acho que por muito que se planeie ou se imagine, só no próprio dia é que percebemos que “era mesmo isto”, independentemente se tudo o que foi planeado foi cumprido ou não. Outros valores se levantam, como costumam dizer.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Diria que é bastante fiel. Fomos nós que organizamos tudo.

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Para a missa, conseguir uma das igrejas onde os nossos pais casaram. Ambos os nossos pais têm casamentos muitos felizes e continuam apaixonados depois de tantos anos. Nós queremos seguir o exemplo deles e achámos que casar onde eles casaram nos poderia trazer sorte nesse sentido.
Para a festa, encontrar um sítio onde conseguíssemos ter todas as pessoas que queríamos ter connosco e que ao mesmo tempo reflectisse quem nós somos.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Diria que foi tudo muito fácil excepto o design das peças do casamento (missal, convites, mesas…). Eu sou designer, e posso dizer que foi muito mais difícil desenhar para mim do que para os meus clientes. Não deveria ser, mas é! Acho que este é o problema de qualquer criativo que faça um trabalho para si mesmo. Somos demasiado críticos.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A celebração do casamento (a missa).

 

E o pico de diversão?

Dançámos a noite inteira sem parar. Foi inacreditável ter toda a gente a acompanhar-nos!

 

Um pormenor especial…

No dia em que nos casámos, formámos uma nova família: Ramos de Oliveira. Todo o nosso casamento, igreja e quinta, foi enfeitado com ramos de oliveira. Depois do casamento secámos os ramos e ainda os temos em jarras em nossa casa.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

NADA!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Aproveitem o vosso dia!! É possivelmente um dos dias mais felizes da vossa vida, por isso, enjoy the ride. Relaxem e não ponham pressão em nada. Tudo o que precisavam de fazer para que o dia do casamento acontecesse, já está feito. No próprio dia não podem fazer nada, por isso aproveitem todos os momentos.

Relaxar antes do casamento foi essencial. Na véspera do nosso casamento fiz questão de não fazer absolutamente nada! Acordei e fui para a praia. No dia seguinte estava a casar.

 

Casamento na Quinta do Vale Casamento na Quinta do Vale Casamento na Quinta do Vale

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Beco Creative Studio (da noiva!);

cerimónia: Igreja dos Capuchos;

espaço, catering e bolo dos noivos: Quinta do Vale, Loures;

fato do noivo e acessórios: fato Hugo Boss e relógio Omega;

vestido de noiva e sapatos: IMAUVE;

maquilhagem: Antónia Rosa;

cabelos: Rosa Mendonça;

bouquet: Flores a la Carte;

decoração: a noiva e Quinta do Vale;

ofertas aos convidados: doámos um montante por pessoa à Liga Portuguesa contra o Cancro.

fotografia: D10Photo;

vídeo: FreeSoul;

luzes, som e Dj: Nuno Garcia.

Susana Pinto

Um vestido de noiva diferente e moderno para a Beatriz.

Há acasos assim: de repente passa-nos pelos olhos uma imagem que nos prende a atenção. Pode ser um detalhe, uma cor, umas flores, uns sapatos, um movimento de mãos.

Neste caso, foi o vestido de noiva da Beatriz. Com a sua capinha de tule, um laço de fitinhas a fechar, tão diferente, leve e etéreo, tão inesperado.

Averiguei junto de quem o tinha filmado e fotografado, e cheguei à doce Beatriz, a nossa noiva de hoje.

 

Vamos então falar deste vestido de noiva diferente e mágico!

 

Perguntei à Beatriz como é o que o tinha escolhido:

Sou apaixonada pela IMAUVE e soube imediatamente que queria que fosse a Inês de Oliveira a desenhar o meu vestido para este dia tão especial.
Não tinha nada muito concreto em mente, mas sabia que queria que fosse uma peça só minha e que reflectisse quem eu sou. Como a Inês diz, quis dar-lhe muita liberdade criativa. Sou designer e reconheço a importância de termos liberdade no processo de criação.

A Inês apresentou-me algumas propostas e houve uma que sabia que era para mim. Foi amor à primeira vista!

O que procurei foi um vestido elegante, confortável e único. E o resultado final foi mesmo esse.

 

À nossa conversa junta-se a Inês de Oliveira, diretora criativa e fundadora da IMAUVE, que nos conta como nasceu este vestido de noiva tão especial:

 

O vestido da Bea foi criado de raiz para ela. É um vestido IMAUVE Atelier, de design exclusivo, único no mundo… tal como a Bea.

Tive muita liberdade criativa e todo o processo de desenvolvimento do vestido correu de forma muito natural. Apresentei alguns croquis, dentro dos quais houve um que saltou aos nossos olhos mais que os outros e, emocionadas, decidimos por esse.

O vestido é composto por duas camadas. Uma base em cetim duchesse branco natural, com um decote profundo, traçado, uma tira a definir a cintura, a apertar com 3 botõezinhos forrados e alças que terminam em cordões muito finos, tornando-o vestido quase sem costas. Na parte de cima do body foram sobrepostas várias camadas drapeadas de musselina de seda natural, cosidas à mão e direccionadas para abraçar a silhueta, e ainda uma segunda saia de musselina esvoaçante para criar leveza e acrescentar uma segunda textura.

Sendo a Bea muito nova, extremamente bonita e com uma postura de extrema elegância, queria muito realçar a sua juventude e pureza, e assim criámos este vestido tão simples mas com materiais ricos e pormenores delicados.

Para a igreja, fizemos uma ”capa de princesa” a substituir o tradicional véu. Em tulle de seda, com pregas atrás, cobria os ombros, debruada com atilhos de seda, e escorria pelo comprimento do vestido ultrapassando-o em mais 2 metros de cauda adornada à mão com finas folhas bordadas em tulle.

A simbologia das folhas surge do nome dos noivos – Ramos de Oliveira – e foi transposta para o vestido também como um síbolo de paz e abundância: tudo aquilo que desejo para os noivos.

Criámos uma obra de arte para uma artista fabulosa que, acima de tudo, foi uma noiva deslumbrante, leve e muito, muito feliz.

 

Bouquet de noiva com ramos de oliveira Vestido de noiva diferente com capa bordada com folhas de oliveira Vestido de noiva diferente com capa longa bordada com ramos de oliveira. Vestido de noiva diferente com capa longa bordada com ramos de oliveira. Vestido de noiva diferente com capa em tule bordado com folhas de oliveira Vestido de noiva diferente com capa longa bordada com ramos de oliveira. Vestido de noiva diferente com capa em tule bordado com folhas de oliveira Vestido de noiva diferente com capa longa bordada com ramos de oliveira. Vestido de noiva diferente com capa em tule bordado. Vestido de noiva diferente com capa longa bordada com ramos de oliveira. Vestido d enoiva com capa bordada com ramos de oliveira Vestido de noiva diferente com capa longa bordada com ramos de oliveira.

 

Não é fantástico e poderoso? Este é um “daqueles” vestidos de noiva, os de princesa, os que ficam na memória, os que são épicos na sua singularidade.

Este é, de facto, um vestido de noiva diferente: de uma elegância intemporal, sem nunca perder a sua leveza e importância.

 

Na sexta-feira vamos mostrar mais detalhes deste casamento, passem por cá para ver o mais bonito dos dias da Beatriz + Rui!

As imagens felizes são da dupla D10Photo.

 

Susana Pinto

Casamento no Castelo de Marvão: Rita + Martim, um dia épico!

Hoje partilhamos convosco um casamento no Castelo de Marvão, no coração do Alto Alentejo: é o mais bonito dos dias da Rita + Martim.

A ajudá-los a por de pé este dia épico, estiveram os fornecedores seleccionados cá de casa, Hugo Coelho Fotografia, Every Heart e Jukebox. Na logística de montar uma festa fantástica num castelo no topo do monte e servir um belo jantar, esteve a Imppacto.

O vestido da Rita, feito à sua imagem, saiu das mãos da Madalena Braga, da Mad Bridal, e os sapatos de noiva são de uma das nossas marcas favoritas: Flor de Asoka.

 

Que aventura esta, feita de vontade, persistência e confiança na equipa escolhida! Deliciem-se com o que nos contam os noivos e com o bonito vídeo da Every Heart. É disto que se faz o mais bonito dos dias!

O pico sentimental do dia foi o momento da cerimónia mesmo! Chegar e ver todas as pessoas de quem gostamos juntas pelas primeira vez… É qualquer coisa de surreal!

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Na verdade, já tínhamos decidido onde queríamos casar, era no L’AND VINEYARDS. Tivemos lá o casamento de uns amigos e adorámos o espaço. Gostámos também muito da ideia de ser um espaço com alojamento para podermos estar com as pessoas mais tempo e transformar o dia do casamento num fim de semana de casamento. Aconteceu que o valor do espaço tinha duplicado de um ano para o outro e, para além disso, tinham alguns condicionantes novos que não nos agradaram. Depois deste “balde de água fria” inicial, começamos a ver outros espaços e nunca imaginámos que o local escolhido acabasse por ser o Castelo de Marvão, que descobrimos 4 meses depois.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Eu estava sempre a brincar, a dizer que já tinha tudo pensado, que no dia que fosse pedida, era só reservar e adjudicar fornecedores… Na realidade não foi nada assim! A única coisa que foi fácil foi o vestido. A única estilista que consultei foi a Madalena e ela soube exactamente aquilo que eu queria! Também já tinha ideia de quem queria para fotógrafo… e felizmente o Hugo Coelho tinha disponibilidade para o nosso dia. Foram os fornecedores que fechámos mais cedo. Tudo o resto demorou muito… O facto de ser no Castelo de Marvão dificultou bastante as coisas, a logística era muito complicada, não havia electricidade nem acesso automóvel ao espaço. Vários fornecedores recusaram fazer o nosso casamento por estes motivos. Foram precisas muitas visitas ao espaço, muitas reuniões com a câmara municipal, com organizadores e fornecedores até sentirmos que ia acontecer. Mesmo assim até ao final havia receio de que algo não corresse tão bem, que chovesse ou fizesse frio…

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Acho que só na semana do casamento é que caímos na realidade de que ia mesmo acontecer! Até lá parecia sempre distante e não sabíamos se íamos conseguir ter tudo! Com as dificuldades todas de logística, até à última da hora estávamos basicamente em pânico! Só quando lá chegámos e começámos a ver as coisas montadas é que sentimos que ia ser possível e que era mesmo aquilo que tínhamos idealizado.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Bom, como o espaço mudou, acho que o conceito do casamento teve de mudar um pouco. A partir do momento em que o espaço ficou decidido acho que o resultado acabou por ser fiel ao que tínhamos pensado. Conseguimos separar a cerimónia, o cocktail e o jantar em três áreas diferentes do castelo, fazer o corte do bolo (folhado de camarão) no início do cocktail, ter um momento musical durante o jantar e conseguimos ainda encontrar quem nos montasse uma tenda! Tudo o resto, como flores, decoração e mobiliário foi selecionado com a Imppacto e acabou por ir mais ou menos ao encontro do que tínhamos idealizado. O nosso padrinho António ajudou muito e foi absolutamente essencial em todo o processo, com apoio moral mas também de logística! Foi connosco ao espaço e a várias visitas e reuniões! Sem ele não sei se teríamos conseguido.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O que era fundamental para nós e que felizmente conseguimos, era que as pessoas estivessem bem, felizes e confortáveis. Tínhamos muitas preocupações com as pessoas mais velhas (por causa dos acessos), com as grávidas (porque as casas de banho não eram assim tão próximas do espaço de jantar) e com as crianças (por causa das muralhas). Estas preocupações foram motivo de stress durante todos os meses de organização! Para além disso havia a questão do tempo… Marvão é a quase mil metros de altitude, é geralmente frio e ventoso! Contratámos aquecedores e a tenda e comprámos mantas, mas felizmente estava uma noite espectactular!

Acho que não havia nada sem importância… O Martim não ligou muito às flores, mas para mim era um aspecto muito importante também!

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Durante o processo de organização, o mais fácil para nós foi convidar e organizar as pessoas. Não tínhamos dúvidas neste aspecto e não precisámos nem tivemos de cortar ninguém. O mais complicado foi toda a logística extra a que o espaço obrigou (nomeadamente colocar um gerador fora da vila, com cabos pela montanha!).

No próprio dia, havia muito nervosismo antes da cerimónia, mas depois fomos ficando mais calmos. No entanto, acho que só relaxámos totalmente depois da dança e abertura da pista.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

O pico sentimental do dia foi o momento da cerimónia mesmo! Chegar e ver todas as pessoas de quem gostamos juntas pelas primeira vez… É qualquer coisa de surreal!

 

E o pico de diversão?

Provavelmente a dança e toda a festa depois! Ensaiámos muito a dança, mas era complicada, sobretudo para nós que temos pouco jeito. Para além disso era bastante contemporânea e tinha movimentos que ficam super bem no “So You Think You Can Dance” mas que em nós podiam ficar só ridículos! Estavamos muito nervosos e acho que errámos muitos passos mas foi muito divertido! Na última parte da música os convidados juntaram-se na pista de dança!

 

Um pormenor especial…

Houve um pormenor que acho que todas as pessoas gostaram muito. Nós queríamos fazer umas ofertas personalizadas e não sabíamos bem o quê. Tudo nos parecia caro e sem grande piada! Às tantas tivemos a ideia de conjugar as ofertas com as mensagens de agradecimento e acabámos por pedir a um padrinho com muito jeito para o desenho que fizesse o retrato de cada um dos convidados! Colámos em cartão rígido, encaixado em bases de troncos de madeira (apanhados e cortados por nós) e atrás escrevemos uma mensagem de agradecimento personalizada para cada convidado. Cada retrato estava colocado no lugar onde cada pessoa se deveria sentar! Com cerca de 160 convidados, o efeito era muito giro!

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Adorámos cada momento! Gostávamos de ter tido mais tempo para falar com toda a gente, mas acho que é sempre assim…

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Hmmm… Eu gostava de dizer que não vale a pena stressar nem discutir, nem ter crises de nervos por causa da organização do casamento, mas sinceramente acho que é inevitável e faz parte do processo. Acho que o melhor conselho que me deram a mim foi organizar tudo com a maior antecedência possível! Em relação ao dia, acho que o mais importante é aproveitar ao máximo e esquecer qualquer preocupação, qualquer falha ou qualquer pormenor que não está perfeito!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: feitos pela noiva;

espaço: Castelo de Marvão;

catering e bolo dos noivos: Imppacto;

fato do noivo e acessórios: Tom Ford;

vestido de noiva e sapatos: vestido Madbridal e sapatos Flor de Asoka;

maquilhagem de noiva e penteado: Ivan Moraes;

bouquet de noiva: Lizgarden;

decoração: Imppacto e Lizgarden;

fotografia: Hugo Coelho Fotografia;

vídeo: Every Heart;

luzes: Magic Hand Iluminação;

som e Dj: Jukebox.

Susana Pinto

Um elopement em Nova York, chic a valer!

Neste novo ano decidimos fazer umas pequeninas mudanças nos nossos posts de sexta-feira, em que publicamos regularmente casamentos bonitos e especiais.

 

Mais do que nunca, o confronto com a diversidade é um bem essencial e, ao contrário dos maus hábitos trazidos pelos algoritmos que nos entraram pela vida adentro todos os dias e decidem aquilo devemos ver e de que devemos gostar, achamos que a diferença (por oposição à afinidade) nos alimenta e desafia muito mais, nos expande os horizontes, nos ajuda a descobrir coisas novas dentro de nós próprios e, por cada vez que vemos algo completamente inesperado e desalinhado dos nossos hábitos, tradições, costumes e conhecimento, e escolhemos gostar ou nem por isso, ficamos mais ricos, mais humanos e mais capazes de empatia.

 

Partilhar histórias de amor, diferentes no seu formato e dimensão, sempre foi um dos nossos critérios editoriais. Continua a ser um prazer navegar pelos quatro cantos da internet em busca do mais bonito dos dias, perfeito nos seus detalhes e diferenças inspiradas. O nosso querido Agosto, onde, sob a rúbrica 31 days of summer, publicamos um casamento por dia, no total de trinta e um seguidos, é uma generosa  amostra daquilo que valorizamos, que achamos genial e nos faz suspirar (há ali vários momentos “casava-me assim!”).

Este ano editorial vamos insistir neste diálogo saudável de estilos e tradições. Vamos partilhar os nossos casamentos (os vossos!), os da casa, os nacionais, os dos nossos noivos, os dos nossos fornecedores, e também os dos outros, lá de fora, da Austrália à Toscânia, de Las Vegas a Paris, de forma intencional: porque são bonitos, porque espelham a diversidade de que é feito o mundo e porque são histórias de amor.

 

Vamos a isto? Abrimos este novo capítulo com o mais bonito dos dias de Jodie + Jonathan, um elopement super chic na City Hall de Nova York, onde, precisamente, todos podemos vestir o que quisermos, sem estranheza ou constrangimentos – how cool is that?

 

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

Elopement em Nova York

 

O conselho da Jodie?

“Simply do what feels right and authentic to you and that should always be your guiding star.”

 

Simples e certo.

O mais bonito dos dias deste casal é de um bom gosto apuradíssimo, ou não fossem ambos profissionais de meios onde a sofisticação é rainha (moda e hotelaria): a noiva veste um fato e sapatos Altuzarra, o noivo está de Paul Smith, com sapatos Saint Laurent e as alianças são Cartier.
O bouquet de noiva e as flores das amigas e família foram feitas por Jodie, e à saída do registo, na companhia de Alfie, o seu patudo de estimação, tinham à sua espera o “confetti committee” – o pequeno grupo de amigos próximos e família, armados de bonitos cofetttis de papel de seda branco, às bolinhas.

 

Num dia de Fevereiro, inesperadamente ameno e radioso, impecavelmente vestidos, e na companhia dos seus, Jodie + Jonathan deram o nó na icónica City Hall de Manhattan, seguido de um passeio pelo parque.

Este foi o formato do mais bonito dos seus dias. Perfeito, claro! Passem por aqui para ver o resto das imagens, é impossível não sorrir com eles!

Bom fim-de-semana!

 

Fotografia de Mist of Morning Photography, via Bridal Musings.

 

Susana Pinto

Um casamento sustentável no countryside inglês: uma delícia!

Hoje mostramos o mais bonito dos dias de Steph + Jordan, no countryside inglês.

 

É engraçado que, ao fim de quase dez anos a escolher e publicar real weddings à sexta-feira, sejam notórias as diferenças de geografia.

Explico melhor: os casamentos americanos são os mais sofisticados e os mais certinhos, seguros, expectáveis e muito elegantes.

Os casamentos australianos, são, neste momento, os meus favoritos: os mais fantásticos e modernos vestidos de noiva, uns cenários sempre giros e umas flores fantásticas, meio exóticas e totalmente surpreendentes.

Os franceses são descontraídos quanto baste (talvez os mais parecidos connosco), os espanhóis estão com uma pinta incrível, sempre com um apuradíssimo sentido de moda, fincas fantásticas e uns ambientes rústicos modernos que nos deixam a suspirar…

E os ingleses, como este, têm duas componentes adoráveis: invariavelmente a cerimónia religiosa é numa pequena capela gótica de aldeia, linda, com um ambiente e dimensão muito especiais, e umas flores, à jardim inglês, que são sempre lindas, com o seu ar campestre ligeiramente domesticado.

 

O casamento da Steph + Jordan, ela ilustradora e designer, ele animador, é exactamente isso.

Está cheio de detalhes bonitos e tem uma forte componente sustentável, a propósito do que falámos no início da semana.

Foi um evento pequeno e intimista, para cinquenta convivas, entre família e amigos. Todo o design gráfico, convites, estacionário, sinalética e pequenos detalhes foram criados pela noiva e são uma delícia.

A deslocação da pequena igreja para o local do copo de água foi feita a pé, o vestido de noiva, lindo, foi comprado em segunda mão no E-Bay (e toda a sua história tem muita graça), o espaço do evento fica na localidade onde a noiva cresceu, e o carro pertencia a amigos da família. As flores, todas espécies tradicionais britânicas, foram escolhidas em função do que estava disponível na estação – e que glorioso é o bouquet da Steph!

As alianças, diferentes, foram encomendadas a artesãos independentes e a comida veio do farmer’s market local: tudo escolhas intencionais, especiais e singulares, que definem as memórias deste dia.

 

 

 

“Jordan was waiting at the church, dressed smartly in a deep grey suit from Hugo Boss and rusty bow-tie and leather brogues. Steph entered the church with her dad, as ‘Air à Danser’ by Penguin Café Orchestra played. I love these ‘first glance’ photos; they are so emotional and romantic.”

 

Durante meses a família reuniu frascos e frasquinhos que foram pintados e serviram para colocar as flores no salão, a refeição servida, um fantástico pequeno-almoço e um barbecue, tudo produzido localmente pela própria quinta e a escolha do bolo dos noivos, his (chocolate e caramelo salgado com praliné de frutos secos) and hers (limão e pistachio com recheio de mascarpone), fizeram as delícias do grupo.

 

Não é exactamente assim que imaginam o mais bonito dos dias? Há aqui tantos detalhes bonitos e tanto amor!

 

Imagens de Megan Elle Photography, via Love my Dress.

Susana Pinto

Um casamento na Quinta do Castilho, por Little Joy

Há espaços para casamento que estão na mira do fotógrafo, porque cenograficamente são muito apetecíveis.

 

A Quinta do Castilho, perto de Santarém, com o seu pátio interior, capela privada, paredes cobertas de hera e espaços acolhedores, estava na lista de favoritos a visitar da Little Joy, o nome da marca da fotógrafa Diana Nobre.

 

A cerimónia e a festa estavam apontadas para o exterior, havia uma forte probabilidade de ser necessário um plano B que mudasse tudo a correr para dentro de portas, mas, na hora H, como diz a sabedoria popular, Santa Clara esteve de olho e não caiu nem uma gota!

 

Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy Fotografia de casamento low cost, na Quinta do Castilho, em Santarém, com fotografia de Little Joy

Percebemos totalmente a vontade  que a Little Joy tinha de fotografar neste espaço tão bonito.

 

Se ainda não os conhecem, saibam que este é um projecto criado, orientado e acarinhado pela fotógrafa Diana Nobre, que nos acompanha há bastante tempo com a sua visão muito interessante e muito poética da fotografia. Ao longo de mais de cinco anos, a Diana Nobre moldou a equipa à sua visão e ensinou-lhes tudo o que, na sua opinião, a fotografia deve expressar: todas as emoções, os sentimentos, os estados de espírito.

 

Agora, e empenhada em fazer chegar a sua visão a cada vez mais casais, criou a marca Little Joy para dar asas à equipa que tão bem formou. Na Little Joy, a Diana não fotografa, mas edita as fotografias no final. Podem contar com a mesma produção, a mesma visão, e, sobretudo, a mesma faísca e alegria contagiante.

O objectivo é poder oferecer fotografia com a qualidade e a alma Diana Nobre a valores um pouco mais acessíveis. Não são óptimos argumentos?

 

Consultem o portefólio da Little Joy e se sentirem cativados, entrem em contacto, através do formulário. Aproveitem para espreitar o mais bonito dos dias da Cristiana + Nuno, há aqui uns sorrisos tão bonitos…!

Susana Pinto

Casamento na Torre de Palma: Maria + Pascal, no coração do Alentejo

Quem adora casamentos no coração do Alentejo?

Eu, certamente, e também a Maria + Pascal, que escolheram o Torre de Palma Wine Hotel para celebrar o seu casamento, rodeados de família e amigos vindos de todo o mundo.

 

Fãs de vinho e do Alentejo, procuraram um espaço que pudesse acomodar tudo e todos com conforto, o que é essencial numa festa com convidados que vêm de longe. Estas horas a mais que são passadas na companhia das nossas pessoas, de forma descontraída e brincalhona – como sempre acontece num destination wedding-, têm um efeito imediato na energia da festa e isso é sempre bonito de se ver.

 

Com a Maria + Pascal, estiveram os nossos fornecedores seleccionados Every Heart, no vídeo, Amor e Lima, nos convites de casamento e estacionário, e Jukebox, com a sua habitual pista de dança animadíssima.

Viva o sol e as noites estreladas do Alentejo!

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Não tínhamos uma ideia pré-definida. Apesar de já termos falado algumas vezes de como seria o nosso casamento, nunca tínhamos sido muito específicos. O mais importante para nós era termos um sítio incrível, que nos representasse (no nosso caso, adoramos vinho e o Alentejo), e que fosse um hotel em que os nossos convidados, que vieram do estrangeiro, pudessem ficar.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Não sei se alguém estará realmente preparado para organizar um casamento, mas acho que para nós não foi um processo muito stressante. Fomos muito organizados, marcámos imensas viagens a Portugal para tratar de todos os pormenores e, acima de tudo, fomos flexíveis um com o outro e tentámos sempre distinguir o que é realmente importante do que é acessório.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Tivemos esse momento várias vezes ao longo da organização! Quando vimos o hotel Torre de Palma, quando vimos a proposta da decoração das mesas, as ofertas dos convidados finalizadas… mas talvez o momento em que sentidos mais «é mesmo isto» foi quando os RSVPs começaram a chegar. Nós já vivemos em imensos sítios e saber que os nossos amigos, por exemplo, de Hong Kong, vinham a Portugal só para estar connosco no nosso dia foi um sentimento mesmo especial, e que nos fez sentir que todo o trabalho estava a valer a pena!

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Eu acho que o resultado foi melhor do que alguma vez esperávamos! Tivemos alguma ajuda das nossas famílias e dos nossos amigos, mas sinto que a organização do casamento acabou por ser um processo muito nosso, em que  o mais importante para nós era que o casamento fosse um reflexo de quem somos.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O mais fundamental para nós era que a experiência para os nossos convidados fosse a mais cómoda possível. Como já referi acima, metade dos nossos convidados vieram do estrangeiro, e era muito importante para nós garantir que logo que aterrassem em Portugal nós trataríamos do resto. Sem importância para nós talvez os convites de casamento, foi algo que não tivemos em papel – decidimos fazer tudo online, e através do nosso site.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi escolher os nossos fornecedores. Tivemos imensas recomendações de amigos, ou trabalhámos com fornecedores que já conhecíamos de casamentos onde tínhamos estado, por isso confiámos sempre totalmente em quem escolhemos. O mais difícil foi o organização de toda a logística dos convidados. Por exemplo, no dia do casamento tínhamos vários mini-bus a irem levar os convidados aos seus hotéis onde estavam a ficar de hora a hora, em várias direcções.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Acho que existiram dois. Logo a seguir ao pequeno almoço, quando nos despedimos um do outro e sabíamos que só nos iríamos voltar a ver na igreja. E durante a cerimónia religiosa, na altura do consentimento.

 

E o pico de diversão?

Quando fizemos a entrada para o jantar com uma música super animada!

 

Um pormenor especial…

Tudo no nosso casamento representou de onde vimos, e onde já vivemos. As nossas mesas tinham o nome dos nossos restaurantes preferidos das cidades onde vivemos, o “cheirinho” dos cafés que servimos trouxemos da Áustria, e todos os menus e missais estavam em Português e Alemão.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Talvez a única coisa que mudava era ter tido mais algumas mantinhas para durante o jantar. Apesar do casamento ter sido do Alentejo em Julho, durante a noite esteve algum vento e, tendo em conta que o nosso jantar foi ao ar livre, alguns convidados ficaram com frio e nós já não tínhamos mantinhas suficientes.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Tentem fazer com que o casamento seja uma representação de quem vocês são. Ter detalhes no vosso casamento que os convidados  e a vossa família reconhecem como vossos e depois vos dizem “Ah, não acredito que se lembraram disto!” é a melhor sensação do mundo!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Amor e Lima;

espaço de casamento, catering, decoração e bouquet de noiva: Torre de Palma Wine Hotel;

bolo: Berner Mandelbärli;

fato do noivo e acessórios: Boggi Milano, Le Majordome;

vestido de noiva e sapatos: vestido  de noiva Pureza Mello Breyner, sapatos Stuart Weitzman;

maquilhagem: Miguel Stapleton;

cabelos: Maria Estevão;

ofertas aos convidados: Value Ceramic;

fotografia: Storypics;

vídeo: Every Heart;

luzes, som e Dj: Jukebox.

 

Não deixem de espreitar os últimos casamentos filmados pelo Every Heart e as cerimónias bonitas com dedo da Amor e Lima. Se gostam do seu trabalho, contactem-nos através da sua ficha de fornecedor seleccionado!