Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Lourenço Wedding Photography – fotografia de casamento

A conversa desta semana é com o João Lourenço, fotógrafo de casamento, que assina como Lourenço Wedding Photography.

Nestas imagens um sorriso contagiante, genuíno, muito feliz, está sempre presente É a fracção de segundo certa onde está fixado, para sempre, o amor palpável e contagiante que se vive no mais bonito dos dias. É esse o papel e a importância das fotografias e o que faz delas um assunto tão mágico.

Fiquem a conhecer melhor o trabalho de Lourenço Wedding Photography e, se gostarem, sentem-se também a conversar com o João. Vale sempre a pena!

 

Gosto de descrever a minha forma de trabalho como “emotional storytelling”. Penso que o casamento são as emoções, é definido por elas e, em última análise, são as emoções que dão sentido ao casamento. Como tal, o meu objectivo é contar a história do dia com base na captura dessas emoções e reacções.

 

Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Sempre fui um criativo, desde muito pequeno. Depois do desenho, a fotografia apareceu naturalmente e fiquei fascinado com as potencialidades. Na universidade estudei engenharia, o que me permitiu viajar por esse mundo fora em lazer e trabalho. A determinada altura, decidi comprar equipamento profissional para obter melhores resultados e comecei a dedicar-me à fotografia social e de viagem. Foi nessa altura que se deu o click de que podia fazer carreira na fotografia. Durante dois anos tentei conciliar a fotografia e a engenharia, até que tive que escolher uma área – a fotografia foi uma opção emocional e que nunca me arrependi de tomar. Hoje sinto que a fotografia me salvou de uma vida de escritório cinzenta e entediante!

 

Há quanto tempo fotografa? E porquê casamentos?

Profissionalmente, desde 2013. Gostava de fotografia social e de foto-reportagem, tinha também já fotografado o casamento de uns amigos, anos antes. Decidi experimentar a sério e adorei!

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vai buscar inspiração?

Precisamente à globalidade que nos rodeia. Inspira-me a forma como colegas fotógrafos de diferentes culturas captam as suas tradições de uma forma bonita e duradoura.

 

Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia

Como construiu a sua assinatura, como a define?

Gosto de descrever a minha forma de trabalho como “emotional storytelling”. Penso que o casamento são as emoções, é definido por elas e, em última análise, são as emoções que dão sentido ao casamento. Como tal, o meu objectivo é contar a história do dia com base na captura dessas emoções e reacções.

 

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

No dia-a-dia tento passar sempre um bocadinho de tempo com a família. Tenho uma filha pequena e quero passar o máximo de tempo possível com ela. Afasto-me de tudo o que tenha um ecrã e aprecio aqueles momentos únicos a três.

Também é importante para mim conseguir fazer, uma vez por ano, uma viagem que nunca tenha feito, com o objectivo de conhecer locais e culturas. Dá-me um prazer imenso a fotografia de viagem.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés-a-lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Gosto do tradicional casamento português e adoro casamentos de casais estrangeiros que se casam em Portugal. Gosto de variar, fotografar em locais novos e de ver cerimónias diferentes.

 

Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos seus clientes?

A chave de uma reportagem íntima é um bom relacionamento com os casais que fotografo. Sou o primeiro a dizer-lhes que devem escolher o profissional com quem se dão melhor, porque isso se vai notar muito no resultado final. Também ofereço sempre uma sessão fotográfica de solteiros porque é a forma de passar tempo de qualidade com eles, é assim que me recebem no dia de casamento como um amigo.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gosta de fotografar?

De tudo um pouco, o importante é a química e cumplicidade do casal e dos amigos mais próximos. Já fotografei casamentos nacionais com muitos convidados e que adorei, assim como casamentos estrangeiros pequeninos que ficaram fantásticos. No entanto prefiro um pouco mais os casamentos pequenos e íntimos, em locais bonitos.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é sem dúvida fazer o que gosto – estar de máquina na mão, a “caçar” emoções. É quase um desporto e muitas vezes ao longo do dia penso que adoro o que faço. A parte mais desafiante é lidar com os diferentes tipos de clientes e gerir o negócio, é a parte escondida de ter negócio próprio que pode ser tão frustrante.

 

Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia  Fotógrafo de casamento em Lisboa: Lourenço Fotografia

 

Os contactos detalhados de Lourenço Wedding Photography estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem o João Lourenço directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com Gustavo Simões Photography – fotografia de casamento

Hoje sentamo-nos à conversa com Gustavo Simões Photography, fotógrafo de casamentos e caçador de instantes mágicos.

Conheci o Gustavo no Luzo Workshop. A organização convidou-me para falar um pouco sobre a publicação de conteúdos e aproveitei para assistir a algumas apresentações e conversar com quem lá estava, durante os intervalos.

 

Uns meses depois, o Gustavo ligou-me para nos encontrarmos e para me mostrar o trabalho que tinha feito entretanto, a solo. Pouco, na altura, mas ao correr umas imagens atrás das outras, era claro: o que ali estava registado era mesmo bom. O Gustavo é um caçador de imagens: olha à sua volta, espera e dispara a sua máquina no instante certo. Isso é intuição e um talento!

 

Passaram mais uns meses e damos as boas-vindas a Gustavo Simões Photography como fornecedor seleccionado Simplesmente Branco. Fiquem a conhecê-lo melhor, vão gostar de certeza!

É com grande prazer que conto a história daquele dia através de fotografias, contar a verdade daquelas pessoas naquele dia para mim é tudo. O mais desafiante para mim é trazer os meus casais de volta ao dia do seu casamento quando entrego a foto-reportagem e isso vai muito para além das típicas fotos bonitas, é tentar procurar aquelas imagens menos óbvias mas que fazem toda a diferença.

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

A fotografia de casamento aconteceu por acaso. Antes de ter entrado no mundo da fotografia trabalhei numa empresa durante sete anos, num trabalho que não me satisfazia, até que decidi ganhar coragem e simplesmente parar para pensar o que fazer da minha vida. Decidi explorar as minhas paixões que eram o surf, viajar e fotografar.

A fotografia começou desde logo a ganhar muito da minha atenção porque percebi que podia ser uma alternativa viável para não ter de voltar à minha vida antiga de escritório. A partir daí comecei a fotografar tudo e a agarrar todas as oportunidades que apareciam, mas foi após fotografar o casamento do irmão da minha namorada na Áustria que percebi que queria ser fotógrafo de casamentos, foi a primeira vez que a fotografia me fez realmente sentido e me deixou orgulhoso do meu trabalho.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Fotografo mais a sério desde Dezembro de 2017, mas foi em Abril de 2018, após ter fotografado o casamento na Áustria, que me apaixonei pela fotografia de casamentos. Foi naquele dia que percebi que a fotografia me diz mais quando estou a fotografar pessoas – as suas emoções, os risos, as lágrimas e todas as mini-historias que vão decorrendo ao longo desse dia.

 

Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

Gosto muito de seguir o trabalho dos colegas que trabalham na área. Mas no dia do casamento tento sempre ouvir o que o meu lado criativo me diz para fazer.

 

Como construíste essa tua assinatura, como a defines?

Não sinto que tenho uma assinatura vincada, mas os clientes que vêm ter comigo referem sempre que consigo capturar de uma forma específica as emoções e sentimentos das pessoas. Se isso acontece, é porque me deixo levar por aquilo que o meu olho fotográfico se sente atraído.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

O surf, o surf para mim é terapêutico e faz com que me esqueça de tudo. Depois adoro viajar, tal como no surf, tento fugir tanto quanto possível ao crowd. Então tento sempre visitar os sítios menos turísticos possíveis, e normalmente nestes sítios que encontro pessoas mais verdadeiras, e são esses os sítios e pessoas que gosto de fotografar.

 

Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Para mim o que torna os casamentos diferentes não é a nacionalidade ou fotografar no norte ou no sul de Portugal. Pode parecer clichê mas eu continuo a achar que são as pessoas que fazem o casamento, podemos estar no melhor sítio do mundo mas se não houver emoção não há casamento.

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

Gosto sempre de falar com os meus clientes, às vezes em vez de responder via email prefiro até ligar e estar a conversa um pouco com o cliente, dá logo para perceber um pouco melhor quem são e o que precisam. Após este primeiro contacto tento sempre conhecer o casal pessoalmente, temos uma conversa tranquila, normalmente começamos por falar sobre tudo menos o casamento e é uma boa forma de os ir conhecendo e eles a mim. Quero que os meus clientes vejam e conheçam também a pessoa que vai estar por detrás das fotos do seu casamento.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Gosto de casamentos mais pequenos e intimistas, confesso que tenho particular gosto por cerimónias onde as pessoas não escondem o que sentem e se deixam levar pelas suas emoções, acho que é um dia para se baixar a guarda.

 

Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

É com grande prazer que conto a história daquele dia através de fotografias, contar a verdade daquelas pessoas naquele dia para mim é tudo. O mais desafiante para mim é trazer os meus casais de volta ao dia do seu casamento quando entrego a foto-reportagem e isso vai muito para além das típicas fotos bonitas, é tentar procurar aquelas imagens menos óbvias mas que fazem toda a diferença.

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portefólio e conta-nos porquê:

Foi a foto da capa do primeiro casamento que fiz. O casal estava perto de um lago, não havia vento nenhum e o céu estava nublado o que proporcionou um excelente reflexo do casal no lago dando a ilusão que estão num topo de uma montanha. Assim que tirei a foto soube imediatamente que iria ser a principal do casamento, sinto que é uma das minhas melhores fotos tiradas até hoje.

 

Gustavo Simões, fotógrafo de casamento em Lisboa

 

Os contactos detalhados de Gustavo Simões Photography estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem-o directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com Sukses Design – convites de casamento

Hoje conversamos com a Joana Bastos, da Sukses Design – convites de casamento.

 

A Joana desenha os mais bonitos convites de casamento em papel artesanal, sempre acompanhados de uns envelopes de cores densas e ricas e acabamentos sofisticados: lacres, flores desidratadas, fitas de seda.

 

Para mim, foi amor à primeira vista, assim fulminante e fatal: um envelope cor de coral, com uma fitinha e um marcador de mesa, com flores em aguarela e um número caligrafado. Seguiu-se outro envelope, azul petróleo, quase verde esmeralda, e mais um, amarelo cor de leite creme.

Depois de nos apaixonarmos, não como voltar atrás e por isso passo a palavra à Joana Bastos, para falar do seu bonito trabalho.

 

Convites de casamento em papel artesanal, por Sukses Design

Convites de casamento artesanais - Sukses Design Fitas de seda tingidas à mão para bouquet de noiva

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até ao universo dos casamentos. Como é que veio cá parar, foi um caminho natural ou uma situação específica que o apontou?

Formei-me em design gráfico na António Arroio e consequentemente frequentei a Faculdade de Belas-Artes, em Escultura.  A veia artística sempre esteve presente desde pequena, as histórias contadas pela minha mãe das experiências artísticas/plásticas, pode imaginar… uma “dor de cabeça”! Apesar de não ter trabalhado a tempo inteiro na minha área de formação, fui sempre realizando alguns trabalhos enquanto freelancer em Design.

Encaro que o caminho até ao universo dos casamentos, para além de ter sido através de uma partilha de ideias com alguém que procurava inspiração para o seu casamento, se tornou bastante intuitivo e natural a partir do momento em que comecei a desenvolver as linhas gráficas e escolher os materiais para a Sukses Design.

 

Há quanto tempo trabalha nesta área? E porquê este universo dos casamentos?

Desde Novembro de 2019.

Para além de descobrir um lado romântico “adormecido” , acredito que através da delicadeza, da elegância dos convites e estacionário que realizo, irei, de certa forma, deixar um rasto bonito na memória de quem os recebe, e isso é muito gratificante.

 

Como construiu a sua assinatura, como a define?

A Sukses Design surgiu através da minha essência, procurei aquilo que revela o que mais prezo e tenho gosto em ver. Os materiais, as texturas, as sensações, o artesanal e a natureza. A partir daí, é deixar fluir!

 

Convites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento artesanais - Sukses Design

Convites de casamento em papel artesanal, por Sukses Design

Esse estilo faz parte do ADN da marca ou é um conceito que escolheu para explorar e trabalhar este ano? Porquê?

Este estilo handmade/natural é a base do ADN da marca, pelos materiais utilizados. Assim sendo, todos os materiais criados (convites e estacionário) têm este conceito, realçando o lado mais sublime de cada peça.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

Sem dúvida que é necessário estar atenta às  tendências, mas não deixo que determine a minha linha de trabalho. Procuro sempre enquadrar e personalizar consoante o gosto pessoal dos noivos.

 

Ter o controle das decisões é importante? Tem uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como quer que o seu trabalho seja consumido ou é o prazer de discutir ideias, de criar, que lhe interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controlo das decisões é importante , sou perfeccionista no que me dedico e sem dúvida que o resultado será sempre com base nestas duas características. Sou dada a desafios, com isso gosto de debater ideias e encontrar o que melhor define cada projecto em si.

 

Existem fórmulas vencedoras que aplica, ou cada convite ou produto é pensado totalmente de raiz?

Os projectos criados em portefólio são meramente sugestões para divulgação da Sukses que podem ser adaptadas, ou não, a cada casal. O melhor é sempre criar de raiz com a identidade e a essência de cada pessoa, que acaba por revelar-se em grandes experiências a nível profissional.

 

Convites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento em papel artesanal de Sukses Design

Qual é a importância do convite (e restante estacionário) na grande ordem das coisas?

A meu ver, o convite é a base inicial de algo muito especial do que está por vir, ao ser a primeira impressão do grande dia, aquela que muitos guardam como recordação na sua “caixinha especial”. No entanto, são pequenos grandes pormenores que tornam o dia ainda mais bonito, pela delicadeza nos detalhes e do encaixe perfeito na decoração do casamento.

 

Onde busca inspiração para cada nova temporada de trabalho?

A tudo o que nos rodeia, seja ela (inspiração) na natureza ou quotidiano, em familia ou amigos, criações de colegas ou publicações em específico.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Foco-me nas coisas simples, esse é o meu reset! Natureza, em específico o mar. Sorrir, rir, sentir e viver para mim e com os meus.

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos seus clientes?

O contacto inicial tem sido via e-mail, por vezes acaba por ser um acompanhamento mais à distância, é essencial estabelecer laços de proximidade e acompanhar todos os passos necessários para a realização dos projectos.

É-me importante estabelecer o contacto pessoal com os noivos, de forma a que os mesmos consigam conhecer os materiais, as texturas, as sensações e a essência por de trás disto tudo.

 

Convites de casamento em papel artesanal, por Sukses DesignConvites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento artesanais - Sukses Design

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de formato que mais lhe interessa?

O mais importante é que se identifiquem com o meu trabalho, acredito que este adequa a qualquer dos formatos.

 

Qual é a melhor parte de criar convites de casamento, ser o primeiro capítulo visível da história que leva ao grande dia? E o mais desafiante e difícil?

O melhor é fazer parte do ínicio de uma história bonita e partilhá-lo com os restantes, receber o feedback após a preparação e entrega dos convites. Saber que fiz parte de muitas das linhas que estão por escrever!

O mais desafiante, é sem dúvida, corresponder às expectativas dos desafios que colocam, tendo em conta estarmos rodeados de tanta referência e inspiração.

 

Escolha o convite que mais gosta do teu portefólio, e conte-nos porquê:

É-me difícil escolher um preferido, tendo em conta que cada convite é especial à sua maneira.

Este, no entanto, foi o convite escolhido para iniciar a história da Sukses Design, por isso existe um carinho especial e um brilhozinho no olhar.

 

 

Os contactos detalhados do Sukses Design estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a Joana Bastos directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: Sóanimarte – animação para casamentos

Hoje conversamos com o Tiago Simões, da Sóanimarte – animação para casamentos.

Começo por dar os parabéns, bem alto, a esta equipa que leva mais de uma década de actividade! É coisa de gente valente e representa muito sangue, suor e lágrimas, e muitas alegrias também.

 

De seguida, falamos sobre o percurso deste grupo, a forma como procuram inspiração e como constroem os seus serviços e, sobretudo, sobre a importância da animação num casamento. No meio está a virtude e o Tiago explica porquê e como se prepara a animação perfeita para o mais bonito dos dias – o vosso!

Estudamos o casal com quem estamos a trabalhar, idealizamos o tipo de animação que pretendem e como podemos dar o nosso cunho à mesma. Seja levando um bocadinho do circo (do bom circo, entenda-se!), seja tornando o dia o mais simples e elegante de todos, sem nunca descurar a animação que ele merece.

 

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até ao universo dos casamentos.

A nossa viagem profissional começa por ser uma viagem apenas, sem nenhum objectivo profissional. Sendo nós uma equipa de animação, a arte circense está sempre presente e foi por aí que começámos. Ainda novos, na escola, e por sermos de uma terra riquíssima em artes de rua, com o é Santa Maria da Feira, fomos tomando o gosto por manipular objectos e criar performances. Algum tempo depois, não muito, começámos a levar para os palcos (quer de anfiteatros, quer de rua) as nossas criações. Daqui até ir fazer a festa de aniversário do filho de uma amiga e começar a fazer casamentos, foi um pulo. Um pulo daqueles que damos na adolescência e nos apercebemos que rapidamente passamos a ser adultos.

 

Há quanto tempo trabalham neste mercado? E porque escolheram trabalhar em casamentos?

Eu, Tiago, trabalho na área desde 2004. A Joana, minha companheira, desde 2007. A empresa (ou equipa, como lhe gosto de chamar) começou em 2009 e fazemos 10 anos precisamente este mês de Maio. Trabalhar em casamentos nunca foi uma escolha ao início do projecto. Tínhamos tantas ideias na cabeça que criámos quatro grandes áreas de intervenção: infantil – para aniversários; noite – para discotecas e clubes; performance de rua – onde podíamos ser mais criativos, e, claro, casamentos. Mas ao longo dos tempos começámos a aperceber-nos de que os casamentos eram realmente o palco onde nos sentíamos bem. Mais próximos das pessoas e mais envolvidos na emoção que dias como esse acarretam.

 

Qual é a vossa assinatura, o trabalho que mais vos define e separa da concorrência?

No seguimento da história que vos contava na pergunta anterior, percebemos cedo que para sermos quem sempre sonhámos ser – aquela equipa criativa e cheia de ideias –, tínhamos de levar um bocadinho dessa génese para os casamentos e essa é a nossa assinatura. Estudamos o casal com quem estamos a trabalhar, idealizamos o tipo de animação que pretendem e como podemos dar o nosso cunho à mesma. Seja levando um bocadinho do circo (do bom circo, entenda-se!), seja tornando o dia o mais simples e elegante de todos, sem nunca descurar a animação que ele merece.

 

Sóanimarte - animação para casamentos Sóanimarte - animação para casamentos
Animação para casamentos no Porto: Só Animarte

Existem fórmulas vencedoras que aplicam, ou cada evento é pensado totalmente de raiz?

É comum achar-se que existe essa fórmula vencedora e muitos trabalham arduamente para a encontrar e a poder aplicar nos eventos seguintes, tornando assim tudo mais fácil. Mas, na verdade, que piada tem se isto for tudo mais fácil? Para nós, os eventos devem ser sempre pensados de raiz e para aquele casal em particular. Não quer isto dizer que a nossa experiência não nos sirva como base para sugerir aos noivos o que consideramos mais eficaz para um resultado ultra-positivo, mas não queremos confundir experiência com fórmula vencedora.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Sempre na temporada actual ou anterior. As tendências mudam e baseiam-se em paletas de cores, tipos de letra, cenários específicos. No nosso caso, na animação, há uma barreira que nos impede de aproveitar esse sumo para ser criativo, porque sejamos sinceros, apenas na música as tendências são evidentes, no resto das acções de animação temos sempre a tela em branco para poder criar, logo, durante as temporadas passadas estivemos atentos ao que nos dizia o mercado, o convidado, o noivo e, do nada, vão surgindo novas ideias. É um bocadinho como as bandas que andam na estrada em tour com um novo álbum, mas a aproveitar essa experiência para escrever um álbum novo que sairá dois anos depois.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Fazemos uma pequena introspecção. Tentamos perceber se nos sentimos bem a fazer o que fazemos nesse momento ou se precisamos de mudar. Somos um equipa numerosa, com ideias vincadas e onde todos temos uma opinião valiosa: colocamos essas opiniões em cima da mesa e de forma descontraída, estudamos o que devemos fazer. Se o resultado tiver de ser uma mudança radical, viajamos e, no regresso, metemos mãos à obra.

 

Sóanimarte - animação para casamentos Animação de casamentos no Porto: Só Animarte Animação de casamentos no Porto: Só Animarte

Qual é a importância da animação na grande lista de itens e tarefas que compõem o casamento?

Logicamente, para nós, tem sempre uma importância acrescida, mas de forma genérica consideramos que há três grandes itens que fazem toda a diferença no casamento: o local/catering, os fotógrafos/videógrafos e a animação. Se alguns deste itens falha, torna-se logo um marco nesse casamento. Contudo, a animação está a passar por um processo de difícil entendimento no mercado nos casamentos, isto na minha modesta opinião. Existem, felizmente, inúmeras empresas de animação, de diversos estilos diferentes, mas se bem analisarmos os casamentos em Portugal (e não só), há dois pólos: os que têm animação do início ao fim, o que se torna massacrante; e os que têm apenas DJ (ou banda) porque não querem correr o risco de aborrecer o casamento. O meio-termo não existe, é logo excluído. O nosso trabalho tem sido mostrar a todos que esse meio-termo é talvez a melhor opção de todas: animação, q.b..

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Do mais simples que pode existir, sem barreiras linguísticas, burocráticas ou sociais. O casamento é uma festa que envolve um grupo de pessoas próximas do casal, que nós não conhecemos ou com quem não temos qualquer relação. O nosso processo de trabalho é conhecer os noivos, de forma a podermos estar incluídos nesse grupo e esse grupo aceitar a nossa adição. Só assim os podemos animar a todos, de forma simples, personalizada e eficaz. Não queremos nunca que os noivos sintam que não nos conhecem.

 

Qual é a melhor parte de trabalhar em casamentos? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é, sem dúvida, conhecer pessoas, viver e experienciar essa emoção e partilhá-la num dia que é sempre vivido intensamente. De tal forma que se constroem amizades que duram uma vida (há uma bela percentagem do nosso grupo de amigos, que foram em tempos nossos noivos). A mais difícil é combater por um mercado mais justo, quer aos olhos dos noivos quer aos olhos das restantes empresas. Fazer entender a nossa posição/visão sem parecer presunçoso torna-se desafiante!

 

Escolham um momento ou serviço favorito, e contem-nos porquê :

 

Existem tantos momentos favoritos que é difícil escolher um, mas se há história que gosto de contar é aquela que melhor se identifica com quem nós somos e como gostamos de estar. Em 2013 decidimos organizar um desfile de moda performativo, a convite de uma colega do grupo. Nesse mesmo desfile tratámos da produção toda, incluído castings de manequins e afins. Após 3 meses de preparativos, a colega que nos convidou para organizar apaixonou-se por um dos manequins. Cinco anos depois decidem casar, organizámos a festa e está estampada na minha cara (como podem ver na foto, o barbudo), a felicidade de tal momento. Como fica sempre, de evento para evento, de casal para casal, de amigos para amigos. Resumindo: o nosso momento favorito é sempre que vemos todos assim: emocionalmente sorridentes!

 

 

Contactem a Só Animarte, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto com o Tiago Simões, directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem e, na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: Monte do Ramalho – espaço para casamentos no Alentejo

Sentamo-nos à conversa com a Manuela Estevinha, do Monte do Ramalho, um espaço para casamentos no coração dourado e manso do Alentejo.

Há qualquer coisa de muito mágico nesta paisagem sossegada, no calor que sobe do chão e no céu estrelado que não tem fim. O Monte do Ramalho mantém essa pureza natural, sem deixar de estar totalmente preparado para receber uma bela festa – a vossa!

Deixem-se encantar!

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Contem-nos um bocadinho do vosso percurso, como vieram parar ao universo dos casamentos?

Éramos apenas uma quinta de turismo rural, quando em 2013 fomos descobertos por um casal, ela de Lisboa e ele de Itália. Adoraram o espaço e principalmente o facto de nunca termos tido nenhum casamento, foram os nossos primeiros noivos. O evento aconteceu em Junho de 2014, totalmente ao ar livre, com a nossa iluminação de arraial e mesas corridas, tudo no exterior. Não tínhamos espaço para plano B e felizmente o bom tempo ajudou. Ainda no mesmo ano, recebemos outro casamento no início de Setembro, e para que se pudesse realizar, fizemos obras numa das nossas salas, porque a existência de um plano B era condição para que o nosso espaço fosse escolhido. Foi também nesta data que o colocámos em prática, choveu torrencialmente no dia do casamento. Em 2015 voltámos a fazer obras no espaço para podermos receber os casamentos com melhores condições, e desde aí até agora, temos vimos em crescendo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

A imagem de marca do Monte do Ramalho é, na minha opinião, um estilo rústico, descontraído e romântico. Concordam com esta definição?

Totalmente. E pudemos ainda acrescentar: puro e genuíno.

 

Esta assinatura faz parte do ADN do espaço, ou é algo que escolheram como tendência e tema para este ano? Porquê?

Faz parte do ADN do espaço, não fizemos nenhuma alteração ao que já existia. É a simplicidade que o torna diferente dos demais. A nossa praia é um olival a perder de vista, devemos ser dos poucos que nos podemos orgulhar disso!

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

São apenas fait-divers, acompanhamos as tendências mas deixamos este assunto nas mãos dos demais.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como querem que o vosso espaço e trabalho sejam mostrados e vividos, ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que vos interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Não buscamos. Procuramos manter o espaço tal e qual como é. As tendências vêm com os nossos noivos e fornecedores por eles escolhidos.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Não temos fadiga criativa, temos apenas fadiga mental! Refrescamos a mente e o olhar em cada novo casamento que acolhemos no nosso espaço.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação aos vossos clientes?

Para além da importância que tem o nosso espaço e da preocupação que temos em mante-lo o mais natural possível, acompanhamos e ajudamos os nossos noivos a concretizarem o seu dia especial, deixando-os sonhar.

 

Qual foi o casamento em que mais gostaram de trabalhar? Porquê?

Todos são diferentes, relembramos um em que o plano B foi accionado duas horas antes do início da cerimónia. Também, de certa forma, os casamentos religiosos, porque são realizados ao ar livre e têm todo um ambiente especial.

 

Escolham uma imagem favorita do seu portefólio e contem-nos porquê:

A escolha foi difícil, no entanto escolhemos uma imagem das mesas colocadas para o jantar no exterior debaixo das nossas amoreiras. A imagem lembra as maravilhosas noites de verão que temos no Alentejo, sob um céu estrelado.

 

 

Este sítio deixa-me sempre a suspirar…! Espreitem os casamentos bonitos que aconteceram no Monte do Ramalho, e se ficarem a suspirar como eu, não deixem de fazer uma visita!

 

Os contactos detalhados do Monte do Ramalho estão na sua ficha de fornecedor. Visitem a galeria, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Manuela Estevinha directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: Inspirarte – decoração e styling para casamentos

Esta semana, a conversa é com a Susana Abreu, da Inspirarte – decoração e styling para casamentos.

 

Acompanho o trabalho da Susana há mais de uma década – ainda o Simplesmente Branco nem estava no horizonte, já tínhamos trocado uns emails simpáticos, a propósito de um DIY coleccionável que eu fazia na altura, e a consistência que atravessa estes 10 aos de trabalho é, de facto, a sua melhor assinatura.

 

O trabalho da Susana é sempre, indiscutívelmente, bonito, mas não é apenas isso – é actual, é completo (há sofás, há candeeiros e abat-jours, há mesinhas de apoio, molduras e almofadas, plantas, pontos de luz) e é impecavelmente profissional, sem nunca deixar de ser elegante, confortável e apelativo ao olhar. A visão que tem para o vosso evento não se reduz à mesa dos noivos e restantes convidados, mas sim ao espaço total do evento, ao ambiente de toda a festa. Isso é um feito, e a linha que de facto separa um verdadeiro profissional do resto dos fornecedores, nunca duvidem.

 

Hoje comunica-se demasiado através do email e de outras plataformas digitais. Por vezes contactam-me apenas para pedir um orçamento sem querer agendar uma reunião presencial. Na minha opinião, é uma forma bastante redutora de fazer uma triagem. Tem que haver empatia, tem que se “captar” a essência do projeto que está a ser proposto, tem que se gostar dos materiais que o profissional tem disponíveis… Acima de tudo, tem que se perceber o que é que realmente esse profissional poderá oferecer. E isso não se consegue por email.

 

Como é que nasceu a Inspirarte?

A Inspirarte nasceu da identificação de várias oportunidades, sendo que a principal foi mesmo a de dar uma resposta às necessidades que existiam no mercado da decoração de eventos e dos casamentos em particular. Há 10 anos a oferta era insuficiente, tanto em quantidade como em qualidade. Tinha nessa altura uma loja de decoração de interiores e algumas das minhas clientes, que começavam a tratar dos pormenores do seu casamento, pediam-me frequentemente sugestões. Comecei a interessar-me por esta área, fiz algumas formações essenciais para quem quer ser profissional e avancei. Surgiu a Inspirarte!

 

Como defines a assinatura da Inspirarte?

Os meus projetos de decoração são pensados e personalizados ao pormenor. Se tivesse de escolher duas características, diria que simplicidade e elegância são, sem dúvida, a assinatura da Inspirarte. O lema “menos é mais” enquadra-se em tudo que faço! Alguém dizia que o maior sinal de qualidade era a inexistência de sinais de não qualidade. Esse é, do princípio ao fim de tudo o que faço, o meu maior objectivo. A delicadeza dos pormenores faz parte da essência da Inspirarte e assina claramente todos os projetos.

 

Esse estilo faz parte do ADN da marca ou é algo que escolheste como tendência e tema para este ano? Porquê?

A simplicidade e a elegância são intemporais! As tendências são importantes e inevitáveis, acabando muitas vezes por dar o tom à inspiração para novos projetos. Pensando em cores e tons, e utilizando um exemplo básico, recordo-me que há 10 anos os dourados raramente eram utilizados – e quando o eram serviam essencialmente para ilustrar uma decoração de gosto duvidoso… Imaginem só nos dias de hoje, gostando-se mais ou menos do tom, as decorações maravilhosas que se fazem com dourados!

 

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

Noivos audazes querem propostas novas, diferentes, inovadoras… vão a0 encontro das tendências e modas, e gostam de surpreender no seu casamento. Como na moda, há quem só vista básicos e há quem esteja sempre em cima da última coleção. As tendências da estação, geralmente mais breves e passageiras, refletem a necessidade de apresentar alternativas para consumo imediato. Tal como a moda, a indústria dos casamentos não está imune a esse fenómeno. Ter flexibilidade para dar resposta a estas tendências, diferencia-nos enquanto profissionais.

 

Ter o controle das decisões é importante? Tens uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como queres que o teu trabalho seja mostrado e vivido ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que te interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter uma “linha” definida e mais ou menos rígida para a decoração de um casamento é essencial. Essa é para mim a essência do styling – a coerência. Mas para funcionar, e porque é para os noivos que tem que funcionar, só discutindo, simulando, formulando e reformulando é que as coisas farão sentido.

Em jeito de desabafo, entristece-me que por vezes esse esforço não seja compreendido, não seja valorizado. São dias que se investem neste “fine tunning” para que o resultado seja maravilhoso, e por vezes percebes que o “modelito”, a “chapa 5” vista neste ou naquele blog teriam chegado. Recuso-me, desde o primeiro dia, a copiar ou a adaptar trabalhos de outros. O que me move é criar. Não é, nem nunca será, replicar. Felizmente que a grande maioria dos noivos que me procura sabe que esta é a minha postura e porque quase todos estão a casar pela primeira vez e não têm noção do que resulta ou não resulta, acabo por ter uma grande liberdade criativa. Ao fim de umas centenas de casamentos, o know how que tenho soluciona-me muitos problemas e dissipa muitas dúvidas e receios. Fazer os meus noivos entenderem que por vezes as ideias que têm em mente não resultam, e demonstrar-lhes isso, é dos desafios mais interessantes do meu trabalho. Digo-lhes sempre que quando procuram um verdadeiro profissional desta área têm de se sentir confiantes – porque 1) sabemos o que estamos a fazer e porque 2) mais do que ninguém, queremos que o resultado do nosso trabalho seja fantástico aos olhos de todos! Discutir ideias é ótimo e enriquecedor para ambas as partes, criar um projeto a partir das ideias discutidas e ver o resultado final é o auge de tantas horas de trabalho!

 

Existem fórmulas vencedoras ou cada projecto de decoração é pensado totalmente de raiz?

Todos os projetos são pensados de raiz. Por vezes sou procurada por noivos a dizerem-me que viram um casamento meu publicado aqui ou ali e que querem um igualzinho… Explico-lhes que é impossível, que tal como a decoração não existem casais nem circunstâncias iguais. Não temos “packs”, aliás muitas das vezes, de um ano para o outro, já nem tenho determinado material ou acessório porque já o usei de variadíssimas formas e chego à conclusão que a sua substituição é necessária.

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Onde buscas inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Basicamente em tudo que me rodeia! Preciso e gosto de ter noção das tendências. Começo sempre pela decoração de interiores e tento aplicá-las nos eventos. Mas consulto blogs, como todas as profissionais da área, vejo revistas, viajo, passeio e observo.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescas a mente e o olhar?

Acho que criar faz parte de mim. O meu dia devia ter 48 horas para poder criar mais do que consigo, criar tudo o que tenho alinhavado nos meus esboços. Mas quando estou sem ideias basta um passeio pela cidade, visitar certas lojas de decoração, conversar com pessoas que me inspiram… a minha cabeça já vem a fervilhar para o atelier!

 

Como é o teu processo de trabalho, como crias uma ligação com os vossos clientes?

Sobretudo através da comunicação presencial. Hoje comunica-se demasiado através do email e outras plataformas digitais! Por vezes contatam-me apenas para obter um orçamento sem querer agendar uma reunião presencial. Na minha opinião, é uma forma bastante redutora de fazer uma triagem. Tem que haver empatia, tem que se “captar” a essência do projeto que está a ser proposto, tem que se gostar dos materiais que o profissional tem disponíveis… Acima de tudo, tem que se perceber o que é que realmente esse profissional lhes poderá oferecer! E isso não se consegue por email!

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Inspirarte - decoração de casamento

 

Qual é a melhor parte de decorar um casamento? E o mais desafiante e difícil?

Chegar a um espaço que não tem nada e transformá-lo num ambiente perfeito é qualquer coisa de fenomenal! O desafio é mesmo esse, que às vezes é muito difícil de conseguir!

 

Qual foi o casamento em que mais gostaste de trabalhar? Porquê?

Para quem faz o que gosta, esta pergunta é muito difícil de responder. Saio sempre de um evento com a sensação de “missão cumprida”. Empenho-me em todos os projetos da mesma maneira e acreditem que o friozinho na barriga não é só para os noivos! Mas é extremamente gratificante, no dia seguinte, os noivos telefonarem-me a dizer que adoraram, que estava maravilhoso! É, sem dúvida, uma das coisas que me dá vontade de fazer mais e ainda melhor…

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

A reacção da noiva quando entrou no espaço! São momentos espontâneos como este que me fazem adorar o que faço!

 

Inspirarte - decoração de casamentos

 

Os contactos detalhados de Inspirarte estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Susana Abreu directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: A Pajarita, convites de casamento

Hoje sentamo-nos a conversar com a Alexandra Barbosa, que assina como A Pajarita, convites de casamento.

E que bonito e incrivelmente delicado é o trabalho da Alexandra! Já o vi ao vivo várias vezes e já visitei a Alexandra no seu belíssimo estúdio na Póvoa do Varzim: conversamos sempre sobre o seu trabalho de gravura e o nosso fascínio pelos papéis artesanais.

É sempre um prazer perceber as técnicas, processos e acabamentos destas peças tão singulares e femininas, de uma beleza discreta e intrigante.

Venham conhecer A Pajarita!

Acredito que cada casal é uma fórmula. Se pensarmos nas pessoas, não há duas iguais. Quando conheço um casal, conheço duas pessoas diferentes e é a soma deles que eu tenho de calcular para lhes puder apresentar uma fórmula que respeite quem são juntos. É nessa comunhão que nasce a fórmula que retrata o casal. Se não há duas pessoas iguais, não há duas somas iguais, logo não há duas fórmulas iguais.

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional, das artes plásticas para o universo dos casamentos. Foi um caminho natural ou uma situação específica que o apontou?

Sou artista plástica e especializei-me em gravura e produção artística.

Terminada a licenciatura, parti para Espanha onde estudei e trabalhei, e acabei por ficar por lá cinco anos. A minha vida profissional era partilhada pela docência e pelo desenvolvimento da minha investigação e trabalho artístico (e por consequência concursos, bienais e exposições).

Regresso a Portugal e começo a dar aulas e a criar peças personalizados num atelier: foi aí que conheci uma noiva, que acabei por ajudar, ao criar detalhes que ela idealizava e não tinha conseguido encontrar.

Esta experiência despertou algo em mim. A alegria dela foi contagiante, e desafio tinha sido estimulante. Como gosto de desafios e de fazer coisas sempre diferentes (a monotonia desconcerta-me!), a ideia foi amadurecendo e ganhando forma e, assim, “nasceu” A PAJARITA.

 

Há quanto tempo trabalha nesta área? E porquê este universo dos casamentos?

Desde Dezembro de 2014.

O universo dos casamentos, tal como eu o encaro, é estimulante, cheio de desafio e aventuras. Não é estático nem monótono. É algo contagiante e que me faz levantar de manhã cheia de energia e de vontade de trabalhar.

 

EStaionário de casamento A Pajarita Convites de casamento em papel artesanal e aguarela, desenhados por A Pajarita Livro de votos em papel artesanal e aguarela, desenhado por A Pajarita

Como define o seu trabalho e como construiu essa assinatura?

É um trabalho feito de raiz, a medida de cada casal e tem como base a partilha. Tudo é pensado e desenhado com base no que os noivos partilham comigo: os seus gostos, expectativas, histórias, interesses, viagens…

 

Esse estilo faz parte do ADN da marca ou é um conceito que escolheu para explorar e trabalhar este ano? Porquê?

É, sem dúvida, o ADN. O fascinante é começar do zero. O caminho estimulante do processo ao produto final. Se deixar de existir, A PAJARITA não tem fundamento, não tem razão para existir.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

É sempre importante conhecer e debater as tendências, mas não serão um caminho a seguir se não se enquadram com a personalidade dos noivos dessa estação.

 

Boas-vindas ao Outono, por A Pajarita (26) Boas-vindas ao Outono, por A Pajarita (17) Boas-vindas ao Outono, por A Pajarita (22)

Ter o controle das decisões é importante? Tem uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como quer que o seu trabalho seja consumido ou é o prazer de discutir ideias, de criar, que lhe interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Tenho de controlar a qualidade da execução, sou perfecionista, cada detalhe conta. Os materias são fundamentais e gosto de ter o controlo dos materiais usados e a sua qualidade. O processo criativo em si é muito orgânico, e parte sempre das conversas que tenho com cada casal. É delas que vou extrair os pormenores, as subtilezas em que me vou basear para criar os protótipos que lhes irei apresentar posteriormente.

 

Existem fórmulas vencedoras que aplica, ou cada convite, produto ou serviço é pensado totalmente de raiz?

Fórmulas vencedoras? Eu acredito que cada casal é uma fórmula. Se pensarmos nas pessoas, não há duas iguais. Quando conheço um casal, conheço duas pessoas diferentes e é a soma deles que eu tenho de calcular para lhes puder apresentar uma fórmula que respeite quem são juntos. É nessa comunhão que nasce a fórmula que retrata o casal. Se não há duas pessoas iguais, não há duas somas iguais, logo não há duas fórmulas iguais.

 

Onde busca inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Para além de me inspirar na singularidade e personalidade de cada casal, busco-a nas exposições, nos filmes, na moda…

 

Convites de casamento artesanais, feitos por A Pajarita

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Faço coisas simples, mergulhos nos livros, foco-me na minha família, perco-me nas risadas do Vasquinho e na tranquilidade do bebé Gustavo (os meus sobrinhos e afilhados), vou ouvir o mar, desenho casas (que é uma forma simplista de descrever o meu trabalho artístico).

 

Qual é a importância do convite de casamento (e respectivo conjunto de estacionário), na grande lista de itens e tarefas?

Normalmente é encarada como uma tarefa secundária, e, a meu ver, erradamente. É a primeira impressão do dia que estamos a preparar. O convite é a imagem do nosso dia, logo, a nossa. Daí trabalhamos para que o feedback do convidado seja sempre: “o convite é mesmo a tua/vossa cara”.

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Primeiro é necessário perceber se sou o fornecedor ideal. Se for, preciso de conversar com eles, perceber quem são, o que perspetivam. Seja pessoalmente, por videoconferência ou por email, quanto mais informações me derem, mais matéria prima tenho. Mostro exemplos, acabamentos, papéis para ir percebendo as preferências. As conversas costumam ser amenas e muito interessantes. Posteriormente, apresento-lhes um protótipo. Ele sofre o processo necessário de forma a responder às expectativas, e só depois passa para a produção.

 

Estacionário em papel artesanal e aguarela, desenhado por A Pajarita

Estacionário em papel artesanal e aguarela, desenhado por A Pajarita

Livros de votos desenhado por A Pajarita

Qual é a melhor parte de criar convites de casamento, ser o primeiro capítulo visível da história que leva ao grande dia? E o mais desafiante e difícil?

O melhor é não termos limites nem condicionantes estabelecidos pelo trabalho já desenvolvido e conhecermos pessoas novas. O que se torna desafiante, é o facto de se começar do zero, encontrar a imagem do casal sem usar recursos evidentes. O difícil, que é diferente de desafiante, a meu ver, é não ficar empolgado com os projetos e dizer aos noivos que a A PAJARITA não é o seu fornecedor ideal (acontece quando procuram convites padronizados).

 

Escolha o convite de que mais gosta no vosso portefólio, e conte-nos porquê:

É difícil escolher, mas os que mais me empolgam são os convites com intervenção manual, sem dúvida! O facto de cada um ser inevitavelmente diferente do outro, esse cunho pessoal e irrepetível desperta aquele brilhinho no meu olhar.

 

Marcador de mesa de casamento desenhado por A Pajarita Estacionário de casamento desenhado por A Pajarita Estacionário de casamento desenhado por A Pajarita

Os contactos detalhados de A Pajarita, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de imagens bonitas, e contactem a Alexandra directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

O trabalho da Alexandra Barbosa não se fica pelos convites: das suas mãos sai tudo o que é papel e também belas flores: bouquet de noiva, flor de lapela, pulseira para as madrinhas e outras delicadas maravilhas. Sigam tudo aqui!

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!