Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Jukebox – DJ e música para casamentos

Esta semana conversamos com o João Marques, da Jukebox, um serviço de DJ’s e música para casamentos e eventos corporativos.

Conheço o João há quase uma década e sempre tivemos grandes (e muito boas) conversas profissionais, sobre o mercado, sobre ética, sobre negócio. Está na nossa lista seleccionada de fornecedores desde o primeiro momento e as pistas de dança da Jukebox são lendárias no mercado de casamentos.

Vamos a isto?

A Música para mim é um conceito superior que vai para além do conjunto de interpretes, temas e dos títulos que mais aprecio isoladamente. É uma paixão que mantém o mesmo encanto de sempre e está longe de ser uma obrigação profissional.

Das leis – estudaste Direito, na Católica – para as pistas de dança: como é que isso aconteceu?

Costumo dizer que não fui eu que escolhi a minha profissão, foi Ela que me escolheu. E assim passei a ser um profissional da Música. Agora que olho para trás parece tudo muito simples. Embora a Música tenha sido uma constante na minha vida desde cedo, sempre me foi incutida a ideia de que não teria uma vida economicamente sustentável se não enveredasse por uma carreira de cariz mais tradicional. O interesse pelo Direito foi por mim sempre assumido como meramente instrumental, inicialmente ditado por influência da família e alimentado pelo entusiasmo com que assistia à defesa fervorosa de direitos humanos por algumas das personagens emblemáticas da ficção americana no cinema e na tv.

 

Como todos os DJs da minha geração, fui um autodidacta, e por isso essa aventura começou muito cedo na minha adolescência, como um hobby que derivou da evolução natural da consolidação do meu interesse pela Música. Os meus amigos aprendiam a tocar instrumentos e nos métodos de criação musical, eu focava-me na Música enquanto resultado final.  Quando iniciei o meu percurso académico na faculdade de Direito da Universidade Católica, o meu desenvolvimento como DJ já estava numa fase avançada, e como tal, a par dos estudos, mantinha-me semi-profissionalmente ocupado com a Música através de residências insignificantes em estabelecimentos nocturnos locais.

 

As festas académicas enervavam-me particularmente pela (falta de) qualidade musical que se traduzia num desinteresse geral pela música, o que por sua vez só acentuava o fraco investimento que se fazia no entretenimento musical das festas. A muito custo lá consegui um dia negociar uma breve participação inusitada, a ter lugar num intervalo da actuação de uma banda de uns amigos numa festa de recepção ao caloiro. A minha presença não estava sequer prevista pela organização e tinha sido justificada como sendo necessária como exercício de suporte de som como técnico de som de uma das bandas do lineup. Correu tão bem que a actuação da banda já não deu continuidade para uma segunda parte e foi uma questão de tempo até as primeiras oportunidades no âmbito das festas académicas começarem a aparecer, evoluindo para participações em galas académicas.

 

As galas tinham um estatuto diferente porque ao contrário de uma festa típica realizada no pólo universitário, tinham lugar em discotecas mediáticas da noite de Lisboa (Kapital, Buddha Bar, Plateau, Docks, BBC, Bugix, entre outras) que acabavam por dar uma maior projecção e permitiam um contacto com um contexto profissional a um “universitário” que também era DJ mas que na realidade era um desconhecido para o circuito da noite e do clubbing. Tive a felicidade de, por causa dos compromissos académicos, me ver forçado a escolher muito bem os desafios profissionais no âmbito da Música que me eram colocados pelos contactos que fui fazendo nestas casas, e por isso consegui conciliar os dois universos de forma equilibrada. Esta realidade forçou-me a ser exigente comigo próprio e com quem me propunha determinados projectos, e naturalmente a profissionalização foi-se desenvolvendo sem que me apercebesse. No fim do percurso académico, ao fazer as primeiras entrevistas e ao avaliar as primeiras propostas de emprego, fui confrontado com a exigência das obrigações que o Mundo Jurídico me impunha. Para mim tornou-se claro que para fazer parte dele, teria de afastar por completo a possibilidade de continuar a ter um papel activo na Música, que à data se manifestava com todo um Universo de oportunidades tão mais promissoras e mais gratificantes.

 

Nunca cheguei a exercer o Direito, não porque não me relacionasse com essa realidade, mas porque tive de assumir que ao fazê-lo teria de sacrificar tudo o que a Música me tinha permitido obter. No momento em que percebi este facto, decidi, sem qualquer hesitação, que passaria a fazer da minha actividade musical a minha única actividade profissional, potenciando as oportunidades que se acumulavam.

 

A evolução natural foi no sentido de colaborar com comissões de finalistas e a ser escolhido como o DJ responsável pelos bailes de finalistas da faculdade. Primeiro nos dos meus colegas , depois – por referência – nos colegas de outros cursos dentro da mesma faculdade, e posteriormente mesmo noutras instituições. Este facto foi determinante na minha capacidade criativa, mas principalmente na alavancagem  de uma carreira profissional num segmento de eventos diferente, porque o público presente nestas festas é composto tanto pelos alunos finalistas, como também pelos seus professores (que representam faixas etárias muito diversas), alguns dos quais em idades de casar, o que fez com que passassem a delegar em mim a confiança para participar como DJ nas suas festas de casamento.

 

Jukebox - DJ para casamentoJukebox | Animação para Casmaento (1)

Jukebox | Animação para Casmaento (3)

És um dos nossos clientes mais antigos – és fornecedor seleccionado do Simplesmente Branco desde 2011 –, fazemos parte da mesma geração que olhou para o mercado de casamento nessa época e quis oferecer um serviço diferente e modernizado, ter uma voz activa e provocar a mudança. O que achas do panorama actual?

O panorama actual nunca foi tão positivo.  Assistimos todos os anos ao aparecimento de gerações de profissionais com formação, talento, empenho e iniciativa que me fazem crer que nunca o sector teve tanta qualidade distribuída por tantos profissionais como agora. A nossa geração teve o mérito de se profissionalizar e de o saber fazer de uma forma estruturada, algo que as gerações anteriores não o faziam, porque se podiam dar ao luxo de não o fazer. Para as gerações de profissionais que compõem actualmente o sector, e para aquelas que estão agora a dar os primeiros passos, ou mesmo aquelas que estão a poucos passos de o integrar, é um requisito incontornável. A feroz competitividade entre os profissionais e a rigorosa exigência do mercado (que se considera já numa escala global), obriga necessariamente os players a uma consistência na qualidade dos seus serviços, e a um esforço contínuo para se superarem a si próprios e aos seus pares. Desse trabalho constante resulta uma criação de valor, da qual todos beneficiamos, directa e indirectamente, mas principalmente o mercado e o público desse mercado, fazendo do panorama profissional actual um universo de qualidade sem precedentes.

 

O que ouves quando não estás a trabalhar? Separas lazer e profissão?

É extremamente difícil para mim encarar a Música fazendo uma separação nesses termos. Foi desde sempre o meu hobby e divertimento principal, que eu simplesmente converti na minha actividade profissional.  O que fez com que se acentuasse como uma constante da minha vida, como a actividade que mais me ocupa diariamente. É preciso entender que está sempre impregnada na realidade do meu quotidiano, seja no âmbito profissional ou pessoal. Chego à conclusão que da mesma forma que a maioria das pessoas escolhem activamente ouvir Música para se distraírem, eu escolho ouvir silêncio (e só mesmo quando tem de ser), porque na maior parte do tempo a Música está (e sempre esteve) presente nas diferentes dimensões da minha vida.  Respeito-A como principal matéria prima da minha actividade criativa, e respeito a criação musical num sentido lato.

 

Naturalmente tenho as minhas preferências mas a forma como absorvo e vivo a Música ou a dimensão em que a experiencio, seja em trabalho ou lazer, acaba por ser indissociável da minha natureza, porque tanto a valorizo ao ponto de me divertir quando estou a misturá-la como DJ ou na prospecção de música nova, como quando estou a reorganizar a minha colecção analógica ou digital, a criar uma lista no Spotify, na preparação da próxima festa, ou quando revisito um disco, mesmo não havendo uma relação peculiar com os conteúdos musicais desses momentos.

 

Em última análise, a Música para mim é um conceito superior que vai para além do conjunto de interpretes, temas e dos títulos que mais aprecio isoladamente. É uma paixão que mantém o mesmo encanto de sempre e está longe de ser uma obrigação profissional. Não posso dizer o mesmo dos assuntos inerentes à minha participação na gestão de um projecto empresarial, que é actualmente uma outra realidade da minha actividade profissional relacionada com a Música e que me ocupa muito mais tempo do que eu gostaria: competências como a representação institucional, a negociação de contratos, o planeamento estratégico, a gestão de recursos humanos ou a gestão financeira, correspondem ao que eu considero obrigações profissionais chatas e desgastantes, e que por isso tento equilibrar com o impacto da Música no seu exercício, para que possam ser mais suportáveis.

 

Jukebox | Animação para Casmaento (7) Jukebox - DJ para casamento Jukebox | Animação para Casmaento (8)

Gostas dançar ou preferes ouvir? Como te manténs actualizado?

Procuro um equilíbrio entre as duas acções. Depende do mood, do contexto, do local e principalmente da companhia. Ouvir quando estou sozinho. Dançar quando estou acompanhado.

 

Para me manter actualizado procuro manter o meu espírito aberto e receptivo a todas as influências. Tento absorver estas influências através de pesquisas no meio digital, visto que a internet é uma fonte inesgotável, e quando a pesquisa tem um propósito mais imediato, acaba por ser o recurso mais prático e mais acessível. Mas para resultados de pesquisa mais sólidos, o processo de actualização vai para além de uma mera pesquisa digital, ou a audição diária dos hits semanais no itunes, Spotify ou youtube.  A descoberta de “discos” em colecções analógicas ou digitais de colegas, outros DJs, e consumidores (ou distribuidores) de Música revela uma partilha que torna mais natural e consolidadado o processo de actualização de um profissional, cuja actividade está intrinsecamente relacionada com a cultura musical. A forma mais natural de me manter permanente actualizado, é fazer o possível (e o impossível) para estar sempre em contacto com a música, seja num processo activo de consumo, seja de alguma forma atento a aspectos que possam estar directa ou indirectamente relacionados.

 

Trabalhas com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

A Música ao serviço do entretenimento pode adoptar diferentes papéis, servindo diferentes propósitos.  Pode ser um meio para atingir um fim, ou um fim em si mesmo, pode enaltecer ou escamotear aspectos de um espectáculo, ou o pode ser o espectáculo em si mesmo. Pode ser um bem principal, ou acessório, substancial ou formal.

 

Ao servir um propósito de diversão, é possível constatar vezes sem conta, que Ela desperta no público um espírito e uma energia que se autonomiza e extravasa o conceito individual de cada destinatário. É em Si mesma uma causa e consequência que serve de condutor a emoções e memórias que são partilhadas conjuntamente por quem a vive, independentemente da nacionalidade, raça, credo, estatuto social, ou poder económico.  E seguindo essa linha de pensamento acredito que a Música tem a capacidade de humanizar as pessoas, na medida em que as faz perderem-se, na sua essência mais orgânica e primária: o objectivo pleno do ser humano é a conquista felicidade, e o entretenimento é uma das formas superficiais que encontramos de satisfazer essa procura, mesmo que efemeramente.

 

O alcance da Música é tão abrangente, que oferece possibilidades infinitas de abordagens criativas ou conceptuais que fazem deste um Universo sofisticado e complexo, contudo, no que diz respeito à experiência de pista, o ser humano é mais básico e primário: o que as pessoas procuram verdadeiramente é dançar, divertir-se e alhear-se dos problemas mundanos por uns instantes.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Um público divertido. Quando se junta o Divertimento à Música, o resultado é garantido. Não é preciso muito para chegar a uma fórmula de sucesso: do lado do curador Musical (seja DJ, Banda ou outro tipo) existir uma sequência musical adequada, e uma boa energia na abordagem ao público; do lado do público, uma pré-disposição para o entretenimento, alinhada com um mínimo de respeito criativo por quem dita as regras do jogo (o entertainer).

 

Jukebox - DJ para casamento Jukebox - DJ para casamento Jukebox - DJ para casamento

Qual é o processo de trabalho da Jukebox, como acontece a ligação com os vossos clientes?

A Jukebox é composta por um colectivo criativo, do qual fazem parte DJs, Músicos e Técnicos de Audiovisual, com o objectivo comum de estabelecer relações, processos e metodologias que nos permitam superar as expectativas do cliente, tendo em conta a especificidade, personalidade e orientações para cada projecto.

 

Uma vez que a Jukebox tem um núcleo diversificado de profissionais, e por acreditarmos que, para garantirmos os parâmetros de qualidade a que nos propomos, não só é importante realçar os elementos diferenciadores do perfil criativo de cada um, como também assegurar bases comuns a todos os membros desse colectivo, investimos muito no processo de preparação e acompanhamento da nossa participação no evento. Assim, no sentido de garantir que as expectativas de todas as partes envolvidas estão alinhadas e que há uma compatibilidade evidente entre o perfil criativo do DJ Jukebox e as linhas estabelecidas pelos anfitriões para cada projecto, há todo um processo de preparação que passa necessariamente por estabelecer um canal de comunicação directo, transparente e personalizado com todos os nossos clientes.

 

Com base nesse princípio, desenvolvemos um processo próprio de distribuição da nossa equipa, com especial enfoque nas características de cada um dos nossos DJs. Por ser extremamente personalizado, este processo atravessa várias fases de contacto directo (reuniões de apresentação, sessões de esclarecimento, visitas técnicas e reuniões criativas), iniciativas de showcase, e até testes psicotécnico-criativos, o que pressupõe naturalmente uma relação de colaboração muito próxima com os nossos clientes, e muito trabalho, que não se circunscreve apenas ao dia do evento .

 

Isto não significa que a nossa mensagem chegue a todos da mesma forma, no entanto, apesar de trabalhoso, o processo é claro e relativamente simples. Acima de tudo tem o mérito de ser extremamente eficaz porque nos ajuda logo a ter noção se o cliente tem potencial para corresponder às nossas expectativas ou vice-versa.

 

Como crias a playlist para o teu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um factor pesa mais do que outro?

É um processo criativo que se traduz num compromisso equilibrado entre a espontaneidade da leitura de pista, o improviso técnico-criativo do manuseamento da música em tempo-real, e um trabalho prévio que se inicia no primeiro contacto com o cliente.

 

De facto, há aspectos que pertencem por completo ao âmbito do improviso e da espontaneidade, e é por isso que a sua gestão pode ditar a eficácia da forma como a festa é conduzida. Ter sentido de oportunidade, compreender o enquadramento, sentir o espírito da festa, ler o flow musical, decifrar a linguagem corporal das pessoas, saber controlar os ímpetos de energia e o esfriamento dos ânimos,  segurar a dinâmica da pista com consistência, são talentos objectivos, que resultam de um livre-arbítrio criativo que um DJ reconhece a si próprio, muitas vezes pautado apenas por mera intuição, ou claro, pela sua própria experiência.

 

No domínio do trabalho prévio, há uma dimensão constante desse trabalho prévio, que se prende com a aproximação que é comum a todos os projectos: a formação contínua, os métodos usados para desenvolver o know-how de DJ, seja na cultura-musical, no treino de técnicas novas, na procura incessante por elementos inspiradores, no afinamento da sensibilidade às reacções do público, na busca pelos futuros êxitos, na redescoberta de tesouros musicais perdidos, ou na reciclagem de potenciais inalcançados… Há toda uma série de rotinas que estão impregnadas em pequenos actos quotididanos da vida de um DJ, e servem este propósito de preparação permanente.

 

Por outro lado, há uma dimensão variável, desse trabalho de preparação que tem mais que ver com a informação que os anfitriões nos providenciam. Essa informação não se esgota na indicação de linhas orientativas, listas de músicas de inspiração, na proibição de temas, e depende muito mais do quanto o cliente se quer dar a conhecer a si próprio e ao seu público-convidado. Há todo um exercício de introspecção musical que pretendemos desencadear no cliente, e o nosso trabalho de preparação reflecte isso mesmo.  Cada acção, omissão ou restrição servem de fundamento à construção personalizada desse trabalho prévio que só é possível se houver uma comunicação transparente e um acompanhamento eficaz ao longo de um período de tempo que decorre ao longo de meses.

 

Jukebox | Animação para Casmaento (9) DJ a pôr música em casamento e convidados a dançar

Se te casasses, com que música abrias a pista?

Presumindo que a minha cara-metade estivesse de acordo, provavelmente seria uma Música calma, algo romântica. Decididamente, um tema com estatuto de clássico, que considerasse bonito mas dissociado de algum significado paralelo, para que assim se tornasse especial a partir desse momento, ganhando um novo simbolismo.

 

Qual é a música a que regressas sempre?

Esta é uma pergunta para a qual dificilmente teria uma resposta simples. Sendo a Música o meu santuário, está repleta de títulos e intérpretes aos quais regressaria sempre sem hesitação, dependendo obviamente do estado de espírito, alguns dos quais faço questão de ter com quem partilhar, outros nem tanto.

 

 

Contactem a Jukebox através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem o João Marques directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: D10Photo – fotografia de casamento

Hoje conversamos demoradamente com a dupla David Pereira e Sara Gomes, que assinam como D10Photo e fazem fotografia de casamento.

 

É o trabalho deles que ilustra o nosso outro site, We are The Destination, e as suas imagens são muito, muito bonitas e intemporais. Há sempre uma leveza permanente no seu registo, nada intrusivo, apenas muito orgânico e natural. Tudo flui, como uma brisa, e para isso é preciso talento e confiança no que se faz.

Fiquem a conhecê-los, e ao seu belo trabalho, um pouco melhor.

Damos muito nos casamentos, mas recebemos imenso e isso é mágico.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

O David formou-se como arquitecto, mas ainda não tinha acabado o curso quando decidiu aliar o gosto pela fotografia à oportunidade de ir trabalhar com um fotógrafo de arquitectura. Ficou-se pela fotografia de arquitectura durante uns anos, e, depois de ter trabalhado com outros fotógrafos em alguns casamentos, teve um convite para fotografar um casamento com 6 pessoas e foi aí que se apaixonou pelos casamentos.

 

A Sara formou-se em fisioterapia, mas sempre teve uma curiosidade aguçada e muito crítica relativamente ao que o David ia fazendo. Basta dizer que sempre que o David chegava após um dia de casamento, a Sara queria saber tudo e pedia para ir ver todas as fotografias. Mesmo hoje em dia, em que fotografamos quase sempre juntos, ela quer ver as fotos quando chegamos a casa, não importa a hora! Há cerca de três anos que ela decidiu arriscar no mundo da fotografia de casamento e, desde então, estamos nesta aventura a dois.

 

D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa

Há quanto tempo fotografam? E porquê casamentos?

Desde 2010 que fotografamos, mas o tal casamento de 6 pessoas que iniciou esta jornada foi no final de 2014.

Damos muito nos casamentos, mas recebemos imenso e isso é mágico. Por muitos casamentos que já tenhamos feito, há sempre um borbulhar na barriga antes de começar.

 

Como o definem e como construíram essa assinatura?

Somos muito descontraídos e gostamos de passar despercebidos e isso reflecte-se na forma como fotografamos. O que nos caracteriza é mesmo isso, mostramos o nosso ponto de vista, o que vemos, da forma como somos.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

É principalmente às coisas boas do dia-a-dia e que nada têm a ver com casamentos, apesar de acompanharmos o que os nossos colegas vão fazendo e isso também nos inspirar.

Cinema, arquitectura e criativos são as nossas principais fontes de inspiração.

 

D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Viajar é a nossa fuga. É a forma que encontramos para restabelecer as energias e voltar a ver o mundo como crianças. Adoramos conhecer cidades novas, mas não dispensamos estar em contacto com a natureza.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Sim, é diferente, mas tende a ser cada vez menor essa diferença. Mesmo dentro de Portugal é diferente fotografar um casamento no Norte, Centro ou Sul, e isso é maravilhoso.

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Após o primeiro contacto, normalmente por email, o que mais nos interessa é conhecer o casal e tentar que eles nos conheçam. Nada melhor que uma boa conversa, relaxada e informal. Gostamos de chegar ao casamento e sentir que fazemos parte da festa.

 

D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa Casar no L'And Vinyards, no Alentejo: fotografia de D10Photo.

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

O mais importante é que se identifiquem com o nosso trabalho, isso é tudo para nós, mas temos um gosto especial por casamentos pequenos, em que seja uma festa constante.

 

Qual é a melhor parte de fotografar casamentos? E o mais desafiante e difícil?

Diríamos que o melhor são as pessoas e as suas histórias, juntamente com todos os locais novos que conhecemos. Tal como dissemos no início, damos muito nos casamentos, mas recebemos imenso, e isso é especial.

Desafiante é estarmos a registar um dia de festa que é único e que não se repete.

A mais difícil é tudo aquilo que fazemos para além de fotografar, e que passa maioritariamente despercebido, mas que nos ocupa muito tempo.

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portefólio e contem-nos porquê:

Acho que todos devemos dizer o mesmo, mas é quase cruel ter de escolher uma imagem.

Não sei se é a nossa favorita, não é perfeita, mas foi feita num dos últimos casamentos, com uns noivos apaixonantes e que nos deixaram viver o dia deles.

 

D10 Photo - fotografia de casamento

 

Gosto mesmo muito da visão leve e feliz que o David e a Sara transportam para as suas imagens. Espreitem, o casamento da Beatriz + Rui, na Quinta do Vale, da Joana + André, na Quinta do Hespanhol, ou o da Lara + David, no Palácio Fronteira.

 

Os contactos detalhados da dupla D10Photo estão na sua ficha de fornecedor. Vejam a galeria, feita de belas imagens, e contactem o David Pereira e a Sara Gomes directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: Design Events Wedding – wedding planning

Hoje conversamos com a sábia e bem-humorada Maria João Soares, wedding planner de mão-cheia, que assina como Design Events Wedding.

 

Conheço a Maria João há mais de uma década, ainda muito antes de mergulhar nestes assuntos de casar. Sempre afinámos na conversa, no humor e nas ideias, mais ou menos amalucadas ou ambiciosas – depende apenas do ponto de vista -, com que nos desafiamos mutuamente e, juntas, escrevemos o bonito “Queres casar comigo? – guia prático para um dia muito feliz”, um livro cheio de bons conselhos e palavras sábias, como se fôssemos as fadas madrinhas do vosso casamento.

 

Achámos que fazia falta informação arrumada, desmistificada e doce, que vos ajudasse a chegar ao mais bonito dos dias sem solavancos de maior, sabedores e, genuinamente, prontos para casar, na posse de todas as ferramentas e boas práticas que possamos partilhar convosco. Foi uma aventura emocionante editá-lo, e ainda hoje é um livro útil, gentil, honesto e valioso.

 

Hoje vamos perceber em detalhe qual é o papel de uma wedding planner no vosso casamento. E no cenário que atravessamos, estejam a planear uma festa grande ou pequenina e intimista, ter um braço direito especialista a gerir números, pessoas e imprevistos será a melhor das decisões!

O sucesso de uma boa festa é gente que nos ama, boa comida, boa bebida e óptima música. É isso que nos deixa boas memórias para sempre e é nisto que penso para refrescar a mente. Visualizo sempre esta festa, em função das pessoas que tenho à minha frente… O modelo estético? Esse aparece, naturalmente, depois.

Como começou esta aventura de ser wedding planner?

O nosso começo foi muito lá atrás. A formação em gestão de recursos humanos levou-nos à organização de eventos na área corporativa e, mais tarde, saltar para a organização de casamentos foi quase natural: trata-se, de igual forma, de gerir pessoas, vontades e criar consensos.

 

Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events

Organizar um casamento é coordenar tarefas mas também também gerir emoções e expectativas. Um destes lados pesa mais, ou no meio está a virtude?

No meio está sempre a virtude! Um casamento vive de uma boa organização de tarefas, meios e de uma apertada disciplina. Mas como não há casamentos iguais, muitas vezes gerir emoções é a tarefa mais dura de um wedding planner. Bom senso, análise e cabeça fria são essenciais!

 

Tem uma perspectiva perfeccionista sobre o resultado ou é o prazer de acompanhar o processo que é o factor dominante?

Infelizmente somos ainda dependentes da ideia da perfeição, do resultado espectacular, mas a verdade é que fazer “nascer” um casamento é bastante desafiante. É uma combinação de muitas emoções, criatividade e análise fria sobre o que há para trabalhar. Por vezes é também gerir cenários de crise.

 

O factor dominante para os noivos é a incógnita sobre tudo o que vai acontecer. O que é claro para nós, fruto da experiência, não é facilmente lido por eles. Para nós, profissionais, a chave reside na clareza da transformação das suas ideias em algo tangível. Apaziguar o stress, adequar as ideias e desenhar um dia com que se identifiquem verdadeiramente, criar confiança no outro lado, são factores dominantes, sendo este último o mais difícil de conseguir.

É por isso que aconselhamos sempre os noivos a disfrutarem verdadeiramente deste processo: de cabeça aberta e sem preconceitos. Idealizar um dia tão especial para eles pode e deve ser um motivo de partilha e de grande motivação.

 

Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events

Ainda há alguma resistência à figura do wedding planner, que é vista mais como um custo adicional do que um genuíno valor acrescentado. Quais são as claras vantagens em contratá-la?

Não sou super optimista quanto a isto, ainda há muito caminho para andar. O pensamento do “podemos fazer tudo sozinhos” ainda é muito forte. Se é certo que alguns noivos conseguem, sem esforço, organizar-se, para a maior parte não é bem assim, e acabam por fazer este caminho com dificuldades desnecessárias. Não saber valorizar e reconhecer o papel de um profissional ou expert do meio, não é uma atitude que favoreça a chegada a um bom resultado. Por outro lado, sendo uma actividade ainda muito incipiente e pouco transparente, os noivos não a vêem como uma mais-valia a considerar. Creio, no entanto, que o cenário vai mudando, acabando o factor económico por perder importância.

 

Existem vantagens enormes, mas sublinho as mais importantes : uma óptima gestão de tempos, o quanto e onde gastar de forma inteligente, a certeza de contratar óptimos fornecedores e ideias. Chegado o dia D, o acompanhamento no terreno e o encontrar a melhor solução para problemas inesperados é o que podem esperar de nós.

 

Tem uma assinatura visível no seu trabalho, um estilo próprio e favorito, ou o é a voz do cliente que define a totalidade do resultado?

Para mim é a voz do cliente que define o modelo base, entendo que a nossa assinatura vem depois, nos detalhes, na interpretação geral da imagem do casamento. Claro que todos temos um estilo onde nos sentimos mais à vontade e que é a nossa cara, mas o foco é seguir e executar a vontade do cliente. É o ADN do cliente que deve ditar o caminho, mas é também verdade que o nosso know how pode e deve ajudar a criar o tal conjunto harmonioso.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

Francamente achamos que são fait divers mas podemos usá-los a nosso favor. Se o mundo (ou a Pantone) nos diz que a cor do futuro vai ser o vermelho tomate, podemos sempre pensar nele… mas se os noivos gostam mesmo é de amarelo, pois é o amarelo a tendência do nosso trabalho.

 

Decoração de casamento no Alentejo, no hotel Mar d'Ar, com Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no hotel Mar d'Ar, com Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no hotel Mar d'Ar, com Design Events

Onde busca inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Ao fim de tantos anos de trabalho e de avalanches de imagens, cada vez mais olho para o lado. Tento não me influenciar por outros trabalhos e manter uma imagem limpa, fresca e sem obedecer à “moda do momento”. Gosto de interpretar as primeiras palavras dos noivos – o que gostam, o que não gostam, as suas cores e em que ambiente se sentem bem. Para mim essa é a mãe de todas as inspirações!

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refresca a mente e o olhar?

Pensar fora da caixa! Acho que cada vez mais a festa do casamento vive de muitas outras situações. O ambiente em geral a prevalecer sobre aquela flor que tem de se ter ou uma pista de dança a piscar. O respeito pelo enquadramento da natureza, não querer um palácio de Versalhes no meio do campo, ou querer recrear o campo no meio da cidade. Menos é mais! Não consigo compreender o “circo”, a festa na pista de karting, os noivos a descerem de paraquedas… Este dia é uma experiência emocional muito forte, é um dia irrepetível… O sucesso de uma boa festa é gente que nos ama, boa comida, boa bebida e óptima música. É isso que nos deixa boas memórias para sempre e é nisto que penso para refrescar a mente. Visualizo sempre esta festa, em função das pessoas que tenho à minha frente… O modelo estético? Esse aparece, naturalmente, depois.

 

Qual é a melhor parte de organizar um casamento? E o mais desafiante e difícil?

“Ler” os noivos, criar o elo de confiança, fazê-los descobrir as possibilidades. No fundo, “pensar” no seu casamento como um guião escrito a três e viver aquele tempo em que ainda tudo é uma novidade.

O mais desafiante é manter as ideias, torná-las realidade e ajudá-los a vencer os medos.

 

Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no Convento do Espinheiro, por Design Events Decoração de casamento no Alentejo, no hotel Mar d'Ar, com Design Events

Qual foi o casamento em que mais gostou de trabalhar? Porquê?

Não conto troféus, sei que já fiz muitos casamentos, alguns foram fantásticos e outros mais difíceis, mas não consigo eleger um em especial. Mas gosto, especialmente e em particular, dos casamentos em que vi os noivos relaxados, felizes e cheios de vontade de se divertirem, a esses reservo-me o direito de pensar que contribui, fazendo um trabalho bem feito.

 

Escolha uma imagem favorita do seu portefólio e conte-nos porquê:

Esta noiva foi levada ao altar pela mão da mãe e vieram de muito longe (da longínqua América Latina), para elas o importante foi a cerimónia, e sentirem-se cómodas e seguras num dia tão emotivo. Foi um casamento muito íntimo e pessoal, tal como gostamos.

 

Design Events Wedding - wedding planner e organização de casamentos

 

Se estão de olhos postos no Alentejo para casar, a Maria João Soares será a vossa melhor guia. Espreitem o casamento da Filipa + Manuel, em Évora, da Joana + Pedro, no Monte do Ramalho, em Avis, ou o da Neha + Jacob, em Vila Viçosa.

 

Os contactos detalhados da Design Events Wedding estão na sua ficha de fornecedor. Visitem a galeria com o seu trabalho mais recente e contactem directamente a Maria João Soares através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com Romã Eventos – organização de casamentos

Hoje conversamos demoradamente com a Rute Carvalho, da Romã Eventos – wedding planning e organização de eventos.

 

O trabalho da Romã Eventos reflecte, sem excepção, a personalidade da sua criadora: sempre doce e luminosa. Conhecemo-nos há algum tempo, numa das minhas muitas idas ao Porto e há sempre uma alegria contagiante, muito risonha, nos nossos encontros, que são menos do que gostaríamos, tenho a certeza.

 

Fiquem a conhecer melhor o trabalho da Romã Eventos e, nas palavras da Rute carvalho, percebam o papel de um wedding planner, que é muito mais premente do que aparenta numa primeira impressão: a importância do processo, a capacidade de conduzir vários intérpretes numa só sinfonia e elevar o dia do casamento, de forma genuína e invisível, ao mais bonito dos dias.

A melhor parte de organizar um casamento é pensar, em conjunto com os noivos, como desejam que seja aquele dia, que energia desejam sentir, como imaginam que os convidados se irão comportar, e, a partir daí, começar a desenhar toda a experiência.

É como se tivéssemos uma varinha mágica nas nossas mãos que torna tudo possível. Com ela, desenhamos algo que, no dia, é invisível aos olhos, mas que vai guiando todos os intervenientes sem que ninguém se aperceba disso.

Conta-nos como começou esta aventura de wedding planning e organização:

A aventura de ser wedding planner e organizar eventos começou há vários anos, mas numa área bem diferente.

Durante onze anos trabalhei em áreas ligadas à educação, política e cultura e, durante esse período, colaborei na organização de vários eventos nessas diferentes áreas. A par de tudo isto, como hobby, ajudava a organizar casamentos e eventos familiares, achando sempre que essas actividades nunca deixariam de ser isso mesmo, um hobby.

Felizmente, houve um momento em que o meu coração falou mais alto e me pediu para ouvir a minha verdadeira vocação e, assim, nasceu a Romã Eventos – Pequenas Sementes Grandes Sonhos.

 

Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares, com Romã Eventos

Organizar um casamento é coordenar tarefas e um orçamento, mas também gerir emoções e expectativas. Um destes lados pesa mais ou no meio está a virtude?

Quando vejo o processo de organização de um casamento, vejo um lado de project manager em acção, em que se tem de gerir um projecto para que ele seja realizado com uma elevada taxa de sucesso. Contudo, a par disso, como tenho um lado emocional muito activo, o meu nível de empatia com os noivos acaba por ser muito grande e compreendo as suas angústias, receios e ansiedades.

Acredito que o processo é tão ou mais importante do que o resultado. Por isso, empenho-me para que toda a experiência ao longo dos vários meses de trabalho em conjunto seja prazerosa, até mesmo para que, no dia, todos estejam o  mais relaxados possível e confiantes com o resultado final.

 

Tens uma perspectiva perfeccionista sobre o resultado ou é o prazer de acompanhar o processo que é o factor dominante?

Por natureza, tenho um lado perfeccionista, acho que se dissesse que não, estaria a mentir. Mas tenho consciência de que o resultado é uma sinfonia tocada com vários instrumentos em que o meu papel enquanto wedding planner é ser a melhor maestrina possível e fazer com que a música tenha a melhor melodia. Isso faz com que tenha a capacidade de ouvir várias vozes e vontades para que todas tenham o seu espaço no final.

 

Tens uma assinatura visível no teu trabalho, um estilo próprio e favorito, ou é a voz do cliente que define a totalidade do resultado?

Acredito que somos mediadores dos desejos dos noivos e de quem nos procura. Criamos o projecto em conjunto e tentamos que o resultado seja o mais fiel possível àquilo que idealizaram. Melhor ainda é quando o resultado vai além do que esperavam. Essa é a melhor sensação: sentir que nos desafiámos e superámos as expectativas.

Não sei se existe uma assinatura especificamente minha naquilo que faço, mas estou certa de que, ao dar sempre o meu melhor, isso se reflecte no resultado. Se tivesse de identificar aquilo que distingue o meu trabalho, diria que a delicadeza e o cuidado com o detalhe em todas as composições fazem, sem dúvida, parte da marca que deixo em tudo o que faço.

 

Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

Acho que todas as tendências são bastante importantes, quase como um compasso. Ditam ritmos de mercado e de decisões. São óptimas para pensarmos sobre elas, trabalhar sobre algo que é “moda” e tentar reinterpretá-lo de diferentes formas para cada cliente. É bom ter essa consciência e deixarmo-nos inspirar pelo mercado, crescemos sempre um pouco mais e proporcionamos o melhor a quem nos procura.

 

Ainda há alguma resistência à figura do wedding planner, que é vista mais como um custo adicional do que um genuíno valor acrescentado. Quais são as claras vantagens em contratar-te?

O mercado está numa evolução constante, mas ainda assim, por vezes, é possível que algumas pessoas não vejam o papel de uma wedding planner como algo necessário. Não existe mal nenhum nessa visão, apenas é sinónimo de que essas pessoas em particular não necessitam do serviço.

O papel da wedding planner pode ser útil quer para noivos estruturados e organizados, que têm tudo sob controlo, que já têm ideias bastante claras acerca do que desejam, mas não têm tempo para as concretizar, ou para noivos mais espontâneos que vão tomando as decisões de uma forma mais intuitiva.

Ambos os casos são válidos, e há muitos outros. No final, o nosso desejo é que os noivos sintam que tomaram as melhores decisões e fizeram as melhores escolhas ao reunirem a melhor equipa de fornecedores possível para o dia do seu casamento, tendo em consideração as suas expectativas, desejos e o orçamento inicialmente definido.

 

Como é o teu processo de trabalho, como crias uma ligação aos teus clientes?

Gosto de sentir que tenho tempo para cada casal, como se eles fossem únicos. Acredito que é o maior luxo que podemos ter e dar, o tempo de qualidade.

Nesse sentido, estar com os noivos com regularidade é algo que faz com que exista mais cumplicidade e que, no final do processo, nos permite sentir que somos amigos desde sempre.

 

Casamento na Pousada de Amares, com Romã Eventos Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares, com Romã Eventos

Onde buscas inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Acho que tenho um lado curioso que faz com que tenha sempre várias “tabs” abertas na minha cabeça, desde a última música da Maria Sampaio Cabral, “Sailor Moon / Yo Soy Dona de Mi”, às fashion weeks nas várias cidades, passando pelas produções dos vários criadores que são os verdadeiros arquitectos de lifestyle.

Acho que o mundo da moda é o que mais influência o nosso trabalho, é uma forma de estar e viver, mas as minhas fontes passam também pelo teatro, cenografia, arquitectura, dança e as artes performativas. A arte, no geral, é uma grande fonte de inspiração no meu trabalho.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescas a mente e o olhar?

Nesses momentos, procuro fazer algo simples, o que nem sempre é fácil de conseguir quando a agenda está mais preenchida.

Descansar, meditar, praticar exercício físico, viajar, passar tempo de qualidade com os amigos e a família, praticar risoterapia, ler ou ver exposições são aquelas actividades que não dispenso para me manter conectada comigo e libertar a mente.

 

Qual é a melhor parte de organizar um casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte de organizar um casamento é pensar, em conjunto com os noivos, como desejam que seja aquele dia, que energia desejam sentir, como imaginam que os convidados se irão comportar, e, a partir daí, começar a desenhar toda a experiência.

É como se tivéssemos uma varinha mágica nas nossas mãos que torna tudo possível. Com ela, desenhamos algo que, no dia, é invisível aos olhos, mas que vai guiando todos os intervenientes sem que ninguém se aperceba disso.

O mais desafiante, ou difícil­, poderá ser gerir as diferentes expectativas da família.

 

Casamento na Pousada de Amares, com Romã Eventos Casamento na Pousada de Amares, com Romã EventosCasamento na Pousada de Amares, com Romã Eventos

Qual foi o casamento em que mais gostaste de trabalhar? Porquê?

Esta pergunta não é fácil, acho que temos tido a felicidade de ter casamentos muito especiais e todos os casais trazem a sua história.

A energia do casal faz o dia, são eles que são os grandes anfitriões e isso faz com que nos sintamos sempre uns privilegiados por vermos tudo a partir da primeira fila e sentirmos que somos quase parte da família.

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portefólio e conta-nos porquê:

Desenhar o evento e criar o styling é algo que nos enche as medidas, mas quando vemos o brilhozinho nos olhos dos familiares quando olham para os noivos, ficamos totalmente desarmados e sentimos que conseguimos reunir todos os ingredientes para que estejam relaxados, confiantes e, acima de tudo, muito, muito felizes.

Por isso, agradecemos a cada casal que confia no nosso trabalho e nos dá a mão para realizarmos este caminho em conjunto com eles.

 

Romã Eventos -wedding planning e organização de casamentos

Os contactos detalhados da Romã Eventos estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a Rute carvalho directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Descubram a maestria da Rute Carvalho, da Romã Eventos, no mais bonito dos dias Ana + Pedro, na Pousada de Amares, que publicámos recentemente: que doçura de dia!

 

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: PortoFesta – animação de eventos

Hoje conversamos com a PortoFesta, uma conceituada empresa de animação de eventos que anda a fazer gente feliz desde 2007, segundo as palavras do DJ Tiago Baptista.

Falamos do seu percurso e do que faz uma bela pista de dança num evento – e as diferenças entre momentos de trabalho e momentos de lazer.

 

Nesta temporada em que todos recolhemos a casa, o Tiago Baptista dedicou-se de alma e coração à House Music e deixou-nos vários compilações para dançar no Mix Cloud. Não deixem de passar por lá para um pézinho de dança ao fim da tarde, com um gin bem gelado na mão!

Juntam-se a nós?

Uma pessoa com experiência de leitura de pista num espaço nocturno tem muito mais bagagem para interpretar as reacções das pessoas, os seus gostos e para que direcção deve encaminhar o percurso musical da festa.

Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

Comecei a pôr musica aos 13 anos de idade. Um amigo da família tinha uma empresa de som e luz e com ele comecei a desenvolver o gosto pela música e pela técnica. Na altura comprei uns giradiscos Technics profissionais, que só algumas discotecas tinham, que eram para fazer as edições de audio para as passagens de modelos e esse foi o meu primeiro contacto com esta área, teria uns 12 anos. Entretanto comecei a pôr musica num bar que existia no Foco, no Porto, o Bib’ó Porto, e assim nunca mais parei, trabalhando em algumas das discotecas mais conceituadas do Norte, incluíndo no percurso a gravação de um CD duplo que foi disco de prata juntamente com dois conceituados DJ’s da nossa praça.

 

Portofesta - DJ para casamentos

Portofesta - DJ para casamentos

Animação noturna e casamentos – sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

Pode não ser, mas considero que, obviamente, uma pessoa com experiência de leitura de pista num espaço nocturno tem muito mais bagagem para interpretar as reacções das pessoas, os seus gostos e para que direcção deve encaminhar o percurso musical da festa.

 

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

É quase impossível separar. Inevitavelmente, até quando estou numa esplanada, se ouço um tema que me agrada, adiciono ao arquivo. Tento ouvir um bocado de tudo, não tenho preconceitos musicais.

 

Gosta dançar ou prefere ouvir? Como se mantém actualizado?

Prefiro ouvir mas também gosto de dançar. Normalmente mantenho-me actualizado a partir das plataformas digitais.

 

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

O vibe da festa é diferente, algumas pessoas, em ambiente profissional e com colegas de trabalho, não se desinibem totalmente e estão sempre condicionadas pelo que os outros possam pensar. Num ambiente familiar tudo é diferente.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Em primeiro lugar a música, depois, no caso de um casamento, os convidados, e numa discoteca, os clientes.

 

Portofesta - DJ para casamentosPortofesta - DJ para casamento

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

No caso da Portofesta, em que já estamos implantados no mercado há 14 anos, os pedidos surgem maioritariamente por “passa a palavra”, clientes satisfeitos que passam o nosso contacto a amigos. É claro que plataformas como o Simplesmente Branco nos ajudam a divulgar o nosso trabalho e aumentam a nossa visibilidade.

Normalmente, os noivos contactam-nos, expõe as suas necessidades e, em função das mesmas, apresentamos um orçamento.

Na fase seguinte marcamos uma reunião onde normalmente são discutidos todos os pormenores.

 

Como cria a playlist para o seu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um pesa mais do que outro?

Normalmente pedimos uma lista dos temas e bandas preferidas dos noivos, assim como alguns temas que os tenham marcado. Existe um trabalho prévio na preparação dos temas para os momentos especiais e da playlist para o baile, tentamos fazer a melhor junção possível de músicas que sabemos que à partida podem funcionar com aqueles sugeridos pelos noivos, juntando assim o útil ao agradável, criando um cocktail explosivo de diversão.

 

Se se casasse, com que música abria a pista?

Como elas é que mandam, deixava a noiva escolher!

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

Dancing Queen, dos ABBA.

 

A PortoFesta, para além de animar as pistas de dança mais exigentes, tem também um serviço de iluminação da própria pista e do ambiente, muito fantástico. No início do ano decidiram reunir estes dois serviços de qualidade debaixo do mesmo chapéu e refrescar o logotipo, passando a chamar-se PortoFesta – Portugal Wedding Lights.

 

Portugal Wedding Lights by Portofesta - iluminação para casamento Portugal Wedding Lights by Portofesta - iluminação para casamento Portugal Wedding Lights by Portofesta - iluminação para casamento 

Contactem a Paula Gomes, da PortoFesta, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática da Paula Gomes.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: Pó de Arroz – makeup de noiva

Hoje conversamos com a Ana Branco, da Pó de Arroz – makeup de noiva.

 

A Ana fala-nos sobre o seu percurso até ao momento profissional em que se encontra, com as voltas e dúvidas necessárias para aqui chegar.
Fala-nos também sobre o papel da maquilhagem, no dia-a-dia e nos dias especiais, e a importância de uma boa base: uma pele bem tratada.

 

A Ana Branco é um doce e os seus trunfos maiores, para além do talento profissional, são bens essenciais nos dias estranhos que atravessamos: empatia e tranquilidade.

Vamos conhecê-la?

A ligação com as clientes é sempre algo único, tudo começa pelo primeiro contacto com a noiva, que muitas vezes termina com uma amizade para a vida. Acredito que o estar ao lado delas a cada momento e dar-lhes uma disponibilidade de 24h, seja um ponto a favor.

Ana, conte-nos como chegou a este universo da beleza feminina…

Comecei desde cedo a brincar com a maquilhagem da minha mãe, adorava a caixa de pó de arroz que ela tinha, ainda hoje me lembro de como era suave e de aroma único. Adorava fazer aquelas pinturas artísticas com os batons, imaginava sempre que ao fechar a tampa ninguém ia dar conta que o batom tinha sido usado! Mas apesar de em casa conviver com a maquilhagem, o que queria mesmo, era ser médica e actriz.

 

Mais tarde aos 18 anos, depois de não ter conseguido entrar no curso idealizado, decidi aceitar o conselho da minha madrinha e abraçar a formação de cosmetologista. Na altura, não sentia muita ligação com a área, pois apesar de cuidar desde cedo da minha pele, não era algo que me imaginasse a fazer. O que aconteceu, foi que pouco tempo depois, tudo passou a fazer sentido, esta era a harmonia perfeita entre o cuidar do próximo e, de certa forma, da sua saúde também. Começaram assim os primeiros passos que me levaram ao mundo da maquilhagem.

 

Quando terminei o curso, percorri o país durante 9 anos, através de uma empresa na área da estética, onde tive a oportunidade de contactar com imensas mulheres, obter experiência na área e conhecer inúmeras maneiras de estar e viver em Portugal.

 

Tudo mudou quando recebi um convite de uma grande amiga, para um projeto empreendedor e bastante desafiante, ligado também ao campo feminino. Foi incrível como em pouco tempo, tanta coisa mudou. Com ela, aprendi muito, e o principal foi focar-me nos sonhos. Muitas vezes na correria da vida, todas nós perdemos a atenção e o foco, do que queremos ser em criança ou quais as nossas metas e objetivos para o futuro.

 

Na altura, como já tinha formação na área da maquilhagem e existindo a necessidade de em alguns eventos realizar essa função, voltei pouco a pouco ao mundo da maquilhagem.

 

À medida que ia sendo requisitada para mais trabalhos e apostando em mais formação nesta área, vi que tinha descoberto uma nova paixão e nasce assim um novo projeto, que sem me aperceber, ficou com o mesmo nome daquela caixinha branca, presente na minha memória de criança, Pó de Arroz.

Hoje, só me resta agradecer a todas estas mulheres que fazem parte da minha vida e que foram as chaves no meu percurso.

 

Makeup de noiva Makeup de noiva, de Ana Branco, Da Pó de Arroz Makeup de noiva

Qual é a importância da maquilhagem, num dia tão especial? E nos dias comuns?

A maquilhagem tem vindo a dar passos gigantes na sua qualidade e diversidade, aliando-se mais que nunca ao tratamento da pele. Neste momento podemos dizer que a maquilhagem ajuda a refletir a saúde da pele. Uma pele bem tratada deve ter, diariamente, como complemento, alguns produtos de maquilhagem, muitas vezes simples e minimalistas, mas essenciais à sua protecção.

No dia de casamento, torna-se ainda mais indispensável. Além da pele estar protegida e cuidada, a maquilhagem tem o poder de transmitir a personalidade e o temperamento da noiva, tornando as recordações fotográficas mais harmoniosas e fazendo com que estas captem toda a sua essência.

 

Um rosto é uma tela. Há todo um conjunto de regras firmes sobre este assunto ou depende da ocasião? 

Um rosto é sempre uma tela cheia de possibilidades criativas. Mas existe um conjunto de factores que têm de ser tidos em conta, como o estudo da sua harmonia, colorimetria, simetria, principalmente numa ocasião tão especial como o dia de casamento. Por isso, por mais avançada que seja a técnica de maquilhagem aplicada, é o equilíbrio da técnica com o temperamento da cliente, seja noiva, convidada ou até numa maquilhagem de dia, que vai valorizar toda a sua beleza natural.

 

As tendências da estação são importantes, ou não contam para a maquilhagem de noiva?

Acho que todas as tendências devem ser analisadas, pois variam com a época e têm sempre uma história e um fundamento. No entanto, para além disso, é a noiva que decide se sente bem ou não com determinada tendência. Nenhuma noiva deve ser igual a outra só porque sim. É nessa altura que entra a parte fundamental para a saber guiar, através de um estudo feito pela maquilhadora.

 

Maquilhagem de noiva de Ana Branco - Pó de Arroz Maquilhagem de noiva de Ana Branco - Pó de Arroz Maquilhagem de noiva de Ana Branco - Pó de Arroz

Onde busca inspiração para o seu trabalho de makeup artist

Tenho vários profissionais que admiro neste mundo da maquilhagem. É incrível como existe tanto talento espalhado por todo o mundo. É na troca de experiências com outros profissionais que continuo a aprender e que me inspiro, mas também na natureza, é incrível como as harmonias de cores mais bonitas já estão na natureza.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refresca a mente e o espírito?

Viajar sem destino certo nem horas marcadas é das coisas que mais gosto de fazer. Decidir a cada momento que direcção tomar, sem planos, e percorrer a praia, montanha, campo ou cidade no mesmo dia, não há maior liberdade que essa.

 

Também dá formação regular, com os seus workshops de auto-maquilhagem. Sente que faz diferença no quotidiano de quem a procura?

Sim, e esse é o principal foco de cada workshop de auto-maquilhagem. Que haja algo sempre novo para quem me procura, daí cada workshop ter uma preparação específica para cada cliente. É importante sempre ter em conta que cada rosto é único e cada mulher tem necessidades e habilidades diferentes. Poder partilhar técnicas, conteúdos e ferramentas, para que todas elas tenham o resultado esperado é muito gratificante, ainda mais quando vejo a mudança na sua auto-estima e confiança.

 

Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz

Qual é o seu processo de trabalho, como cria uma ligação com as suas clientes?

A ligação com as clientes é sempre algo único, tudo começa pelo primeiro contacto com a noiva, que muitas vezes termina com uma amizade para a vida. Acredito que o estar ao lado delas a cada momento e dar-lhes uma disponibilidade de 24h, seja um ponto a favor. Tudo o resto vou deixar entre nós, até porque são elas as melhores pessoas para responder a esta pergunta.

 

Qual é a melhor parte de ser responsável pela beleza da noiva no seu dia? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é ter a oportunidade de fazer a diferença naquele dia e não só através da maquilhagem, mas também por aqueles simples truques que fazem com que o dia seja passado de forma tranquila e que a minha noivinha aproveite cada momento.

O mais desafiante é ajudar as noivas que têm condições especiais a nível da pele, a terem os cuidados necessários e essenciais para que no dia de casamento a sua pele esteja fantástica para receber a maquilhagem. Muitas vezes o acompanhamento começa um ano antes do dia de casamento, outras, a poucos meses. É este acompanhamento que requer muita responsabilidade ainda mais quando a noiva está fora do país. No fim, receber aquele sorriso, é a melhor recompensa!

 

Quem gostarias de maquilhar? E por quem gostarias de ser maquilhada?

É difícil dizer porque tenho várias, vou dizer antes quem adorava ter tido a oportunidade de maquilhar: Grace Kelly e Marilyn Monroe, mais do que pela sua beleza, por aquilo que representam. Por quem adoraria ser maquilhada também não é fácil responder, admiro muitos artistas e cada um tem o seu registo, mas vou dizer Goar Avetisyan, é maravilhoso o trabalho dela.

 

 

Contactem a Pó de Arroz, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto com a Ana Branco directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem e, na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: DJ Rui Almeida – DJ para casamentos

Hoje conversamos com o DJ Rui Almeida, DJ para casamentos, com base em Guimarães.

 

O Rui conta-nos como foi o seu percurso profissional, que começou na rádio, passou pelos espaços nocturnos e cresce, saudavelmente, através dos casamentos que vai animando com entusiasmo e muito sucesso.

 

Nesta conversa há espaço para percebermos em detalhe o que faz uma boa pista de dança e a importância que um verdadeiro profissional tem, como condutor da noite e da animação: a percepção e capacidade de leitura de pista, o conhecimento profundo sobre o o cliente e os seus convidados e o equilíbrio saudável e frutuoso entre o improviso e o trabalho de casa.

Juntem-se a nós!

A audiência é a minha prioridade e coloco a música de que mais gostam. Existem mil e uma maneiras de o fazer e, ao longo de uma festa com muitas horas, há sempre tempo para construir um alinhamento musical completo e distinto, que agrade até aqueles que têm um gosto musical mais eclético. Ao mesmo tempo, tento enriquecer o alinhamento musical, para que os meus clientes tenham um serviço com valor acrescentado.

Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

O meu percurso começou na rádio, onde durante quatro anos tive um programa de música de dança em que semanalmente revelava algumas das novidades  da House Music, género musical que continua a ser um dos meus preferidos. Isto aconteceu entre 1994 e 1998, quando a internet não estava democratizada como está hoje e, por isso, o acesso à musica nova não acontecia à velocidade atual.

O programa era emitido em direto e todo misturado em suporte de vinil. Durante este período também coloquei música em algumas festas de House Music que se faziam com alguma frequência, e em alguns bares e discotecas.

 

Em 1998 surgiu o primeiro convite para assumir uma residência noturna, acabei por deixar a rádio e, até 2004, fui DJ residente em alguns espaços nocturnos. Esta experiência noturna foi extremamente importante, porque cresci enquanto Disc-Jockey, a minha cultura musical aumentou consideravelmente, outros géneros musicais começaram a fazer parte dos meus repertórios e aprendi a interpretar uma pista de dança e a saber geri-la durante umas horas.

 

Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos

Animação noturna e casamentos –  sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

É uma ligação natural, mas não inevitável. Nem todos os Disc-Jockeys “noturnos” acabam por fazer animação de casamentos, porque não têm perfil para fazer este trabalho ou porque simplesmente não gostam de o fazer.

Também não é uma ligação natural, porque existem muitos “animadores”, cujo  percurso começou precisamente na animação de casamentos.

Obviamente, não estão tão bem preparados para fazer este trabalho. Por muitos anos de experiência que consigam acumular, terão muito mais dificuldade em enfrentar uma pista de dança difícil. Sim, porque este é um trabalho muito exigente. De uma forma geral, os clientes têm a expectativa de ter uma festa longa, até de manhã, se possível. Ora, para conseguir fazer uma festa com muitas horas de dança, tendo em conta que temos habitualmente cerca de uma centena de convidados, é preciso conhecimento e larga experiência.

 

Nenhuma festa é igual à anterior, temos um número limitado de convidados a dançar, com diferentes idades e muitas vezes com diferentes gostos musicais, e é preciso agradar a todos.

Por isso é importante que os noivos tenham plena noção de quem estão a contratar e se essa pessoa será capaz de assumir a responsabilidade de colocar música num dos dias mais importantes das suas vidas.

 

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

Ouço um pouco de tudo, embora a música Soul, Jazz, Funky e alguma Música Electrónica sejam as que reúnem as minhas preferências.

Contudo trabalho é trabalho, e quando assim é, a audiência é a minha prioridade e coloco a música que eles mais gostam.

Existem mil e uma maneiras de o fazer e ao longo de uma festa com muitas horas, há sempre tempo para construir um alinhamento musical completo e distinto, que agrade até aqueles que têm um gosto musical mais eclético. Não gosto de ir pelo caminho vulgar de desbobinar somente música comercial. Coloco-a, é claro, nos momentos necessários, mas tento ao mesmo tempo enriquecer o alinhamento musical, para que os meus clientes tenham um serviço com valor acrescentado.

 

Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos

Como cria uma playlist para os seus noivos? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso? Um pesa mais do que outro?

Tento conhecer ao máximo o gosto musical dos noivos e o que eles pretendem para a festa do seu casamento, que muitas vezes é uma coisa bem diferente dos seus gostos musicais.

Gosto  também de perceber previamente como é composto o grupo de convidados e também o que estes apreciam.

O trabalho, obviamente, só faz sentido em direto, a sentir constantemente a reacção da audiência, contudo, se for bem preparado é geralmente mais bem sucedido.

Sou também um pouco selectivo na gestão da minha agenda para assim ter tempo para preparar o trabalho.

Existe por isso um equilíbrio entre o trabalho prévio e o espaço para improviso, porque o trabalho do DJ também é isso.

 

Gosto de agir por antecipação e não por reacção. Não espero que saiam pessoas da pista para mudar de género musical, mudo atempadamente para as agradar constantemente, para as surpreender pela positiva e para lhes dar constantemente motivo para estarem presentes na pista de dança.

Como os noivos e os seus convidados não são todos iguais, não faria sentido ter uma playlist igual para todas as festas. Isso não resultaria. Existe, sim, uma identidade musical no meu trabalho e um fio condutor que tem como objectivo guiar a festa pela noite dentro, durante algumas horas, e onde deve haver  espaço para um repertório musical variado que agrade a todos os presentes.

Como tenho uma cultura musical abrangente, consigo fazê-lo com alguma facilidade. Este alinhamento musical tem também, obviamente, de ser um reflexo do gosto musical dos noivos ou do que estes pretendem que seja.

 

Um trabalho personalizado é a chave para o sucesso e é isso que gosto de proporcionar aos meus clientes.

 

Como se mantém actualizado?

De muitas formas, através da rádio, da internet, com algumas saídas noturnas e através da partilha com outros amigos DJ.

 

Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos Rui Almeida - DJ para casamentos

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

Normalmente uma festa de casamento tem uma vibe bem diferente da de um evento corporativo.

É uma festa de família e amigos em que se comemora um dia muito especial, por isso é normal que tenham uma atmosfera mais solta do que a de um evento corporativo.  Mas, é claro, Também tenho muitos eventos corporativos que são uma grande festa, muito animada.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Um público divertido, noivos presentes na pista, uma boa sintonia entre o público e o DJ, e temos festa até de manhã.

 

Gosta dançar ou prefere ouvir?

Estou mais habituado a ouvir do que a dançar, o que acaba por ser normal, uma vez que numa festa estou quase sempre do lado de dentro da cabine de DJ. Contudo, mesmo do lado de dentro não estou parado, acabo sempre por dançar, porque também me divirto com o que estou a fazer e, no fundom faz parte da performance do DJ transmitir boa disposição para a pista de dança.

 

Ao casar, com que música abria a pista?

Já me casei e como sou adepto de clássicos em momentos que queremos eternizar, foi com o Wonderful Tonight, num dueto do Ivan Lins com o Michael Bublé, que abrimos o baile.

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

Confesso que não tenho uma música à qual regresso sempre, da mesma forma que não tenho uma música preferida. Ambas as coisas seriam muito redutoras e não fariam sentido entre tantas músicas que aprecio e que merecem lugar de destaque.

 

 

Contactem o Rui Almeida, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática do Rui Almeida.

 

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!