Created with Sketch.
Marta Ramos

Um casamento em tons de rosa e beringela, com Jardin d’Époque

Ana e Marc casaram no dia 1 de Setembro de 2018 no Palácio do Freixo e fizeram da sua festa uma verdadeira celebração cosmopolita. Ana é portuguesa, Marc é alemão, e vivem em Hong Kong. Para decorar o seu grande dia, escolheram uma dupla de wedding planners muito conceituada do mercado brasileiro: Fábio Borgatto e Telma Hayashi. E foi esta dupla que contactou Ema Ramos, do Jardin d’Époque, a quem confiou a curadoria, a selecção das espécies de flores e folhagens e o desenho e execução das peças de design floral.

Reuni presencialmente com o Fábio e a Telma no início de Março e houve uma empatia imediata, talvez por eu ter um carinho muito grande pela cultura brasileira e por ‘aquele’ sotaque adocicado que me recorda os tempos que passei por terras de Vera Cruz e os amigos especiais que ainda tenho por lá. – Ema Ramos

Começaram por definir uma paleta de tons rosa e beringela suaves e quentes, aos quais adicionaram toques de verde e castanho: «Pretendíamos peças florais ricas em texturas, com uma estrutura orgânica e uma linguagem assumidamente ‘despenteada’. Às rosas inglesas, às nigella, às scabiosa e a uma série de outras espécies vindas de longe, juntámos bagas, dálias, ramos de carvalho e de magnólia dos jardins de pequenos produtores nacionais.»
Foram mais de cinquenta mil pés de flores e folhagem que se transformaram no cenário do dia feliz de Ana e Marc: instalações suspensas na tenda montada no jardim; um arco quebrado e assimétrico meticulosamente colocado no jardim italiano de forma a que o Rio Douro fosse o seu horizonte; arranjos com mais de um metro de largura que emolduraram a mesa dos doces; jarrões que pontuavam os percursos e os nichos dos muros do palácio. Às flores, juntaram-se cerca de quarenta oliveiras estrategicamente colocadas na tenda em vasos gigantes de terracota, segundo o projecto dos decoradores, balizando áreas de estar, a zona de jantar e a pista de dança.

«O trabalho em equipa foi crucial», conta Ema Ramos. «Estar rodeada de pessoas imbuídas do mesmo espírito, sensíveis, com um sentido estético apurado e totalmente disponíveis foi, definitivamente, o meu verdadeiro braço direito. A equipa do Jardin d’Époque foi composta por doze pessoas que, ao longo de uma semana intensiva, tornaram possível este projecto. E foi igualmente maravilhoso partilhar o momento de construção de algumas peças florais com a mestria do Fábio. A partilha de técnicas de trabalho e de métodos de construção e organização não tem preço e poder fazê-lo com profissionais tão talentosos foi um verdadeiro privilégio.»

Créditos:

fotografia: Inga Freitas
planeamento e decoração: Fábio Borgatto e Telma Hayashi
flores: Jardin d’Époque
espaço: Palácio do Freixo
apoio à produção: Romã Eventos
aluguer de materiais: Saiotes / O Saltimbanco

Marta Ramos

Nova montra Por Magia: flores e emoções

As galerias das fichas de fornecedor seleccionado são como montras do trabalho dos profissionais que escolhemos para vos recomendar. Hoje destacamos a renovação da montra Por Magia – decoração de casamentos.

A paixão pelas flores, por ouvir histórias e conhecer novas pessoas, motivou a dupla Por Magia a aceitar o desafio de transformar momentos especiais em dias memoráveis. Juntos interpretam sonhos, reinventam ideias e acrescentam magia a dias absolutamente únicos! Desenham todos os detalhes do início ao fim, desde o bouquet à decoração dos centros de mesa ou à total decoração do evento, trabalhando cuidadosamente todas as texturas, cores e tecidos para que o conjunto se reflicta em pormenores elegantes e distintos.
A Andreia e o Bruno escolheram trabalhar nesta área porque se consideram eternos apaixonados: pela natureza, pela vida, pelos momentos vividos especialmente a dois, pelo amor. Acreditam na magia da história de cada casal. Gostam da partilha, dos sonhos, do entusiasmo. São felizes por terem a oportunidade de juntar cada palavra, cada sorriso, cada lágrima e poderem trabalhá-las cuidadosamente através das texturas, cores e tecidos – e sobretudo através das flores.
Orgulham-se de se entregarem inteiramente a cada momento, a cada dia, a cada casal. Orgulham-se de serem sonhadores e entusiastas, de viverem intensamente cada história e de a traduzirem de forma mágica! Orgulham-se de serem lamechas, românticos e coração mole; e de muitas vezes soltarem lágrimas de emoção enquanto preparam ambientes lindos e sofisticados, únicos, onde as memórias passarão a ser eternas.
Seleccionámos algumas das imagens fresquinhas que a Por Magia adicionou recentemente à sua galeria – mas não deixem de ir à ficha de fornecedor para ver o conjunto completo.

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

 

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia

Styling e design floral para casamentos: Por Magia
Acompanhem os nossos posts acerca do trabalho da Por Magia e consultem também o seu portefólio de fotografia de casamento. E falem com a Andreia e o Bruno, que estão à vossa espera para acrescentar magia a dias absolutamente únicos!

Susana Pinto

Casamento no Monte do Ramalho: Joana + Pedro

Fechamos esta semana vagamente primaveril com um belo casamento no Monte do Ramalho: é o mais bonito dos dias da Joana + Pedro, junto dos seus.

Esta festaça foi filmada pelo Edgar Félix e a decoração e bouquet da noiva ficaram nas mãos da Maria João Soares, da Design Events, a nossa expert em casamentos nas planícies alentejanas. Que trio de fornecedores seleccionados, este!

Bom fim-de-semana!

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?
O pedido de casamento foi feito em 2016 numa escapadinha que fizémos a Paris. A nossa ideia, desde o início, sempre foi um casamento religioso acompanhado por uma festa descontraída, no meio da natureza.

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?
Estávamos inexperientemente preparados, sem nervos.

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?
Tudo se começou a compor à nossa imagem de forma gradual. Não sentimos nunca qualquer pressão com timings, o que nos permitiu organizar todo o casamento da forma como idealizámos.

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?
O resultado final excedeu as nossas expectativas! Fomos uns noivos que colocámos muita dedicação em tudo que íamos fazendo e decidindo, foi tudo muito ponderado.
Fizemos tudo praticamente sózinhos, no entanto íamos envolvendo a família e os amigos nas nossas escolhas, queríamos que fizessem parte deste dia.

O que era fundamental para vocês? E sem importância?
Fundamental era guardarmos nas nossas memórias um dia de sonho, reunir todas as pessoas que são importantes nas nossas vidas e proporcionarmos um dia feliz, divertido e confortável a todos os nossos familiares e amigos.
Sabemos que os imprevistos acontecem, mas que o propósito que nos reunia ali era de tal grandeza que decidimos relativizar qualquer falha de natureza técnica ou de catering que pudesse a acontecer (e felizmente não aconteceu).

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?
O mais difícil foi de facto a escolha do local, sabíamos muito bem o que queríamos, mas não encontrávamos alternativas. A partir do momento em que o encontrámos, marcámos a data, e tudo se tornou tão fácil de organizar.

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?
Ainda não conseguimos descrever o que sentimos na cerimónia campal, foi de cortar a respiração! A envolvência, o coro, as palavras do Padre, os olhares de felicidade dos convidados que testemunhavam a nossa união, os versos lidos pelos sobrinhos do Pedro, foi mágico!

E o pico de diversão?
Após o jantar, quando aquele pequeno nervosismo nos deixa descontrair e aproveitar ao máximo.

Um pormenor especial…
Só um?
Foi um dia de acontecimentos tão especiais!
Fomos surpreendidos por uma grande amiga que subiu ao palco e cantou-nos duas músicas. Sabíamos que cantava bem, mas não tínhamos noção do vozeirão que ouvimos naquela noite. Foi épico!

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?
Não mudávamos nada. Foi tudo tão perfeito e como idealizámos.
Foi um dia tão nosso, emocionante, melhor que nos sonhos.

Algumas words of advice para as próximas noivas…
Vivam cada momento com calma e com muito alma. Aproveitem os preparativos ao máximo, é um dia muito giro de organizar, pois tudo é feito à vossa medida e como sempre sonharam, façam-no de forma divertida e envolvam os vossas amigos e familiares, eles vão gostar de fazer parte do grande dia.
Quando chegar o grande dia, aí não há mais com o que preocupar, e deixem-se envolver pelo momento, desfrutem do dia. Aproveitem cada momento, pois será um dos dias mais felizes das vossas vidas, cheio de emoções.

 

Os fornecedores envolvidos:

convites e materiais gráficos: Margarida Ferreira (amiga da noiva);
espaço: Monte do Ramalho, Avis;
catering e bolo dos noivos: Casca d’ovo;
fato do noivo e acessórios: fato O Alfaite, acessórios Ourivesaria Atlantis;
vestido de noiva e sapatos: vestido Inês Pimentel e sapatos Fátima Alves;
maquilhagem: Diana Cavaco Pereira;
cabelo: Rita Vasconcelos (amiga da noiva);
decoração e bouquet de noiva: Design Events Wedding;
fotografia: Grão a Grão;
vídeo: Edgar Félix;
banda: Two Radio | Upbeat;
coro: Coro Cá da Terra.

 

 

Marta Ramos

De Miami para Lisboa, com Alex Tome

Janelle e Monica vivem em Miami e têm uma tradição: sempre que viajam, procuram fazer uma sessão fotográfica com um profissional que admirem. Quando marcaram as férias em Portugal, escolheram Alex Tome para construir mais algumas páginas deste seu álbum de memórias pelo mundo: «Encontrámos a página do Alex e soubemos de imediato que ele seria o fotógrafo perfeito para capturar o que nós pretendíamos. Adorámos o seu estilo de fotografia. Fomos encontrar-nos com ele e houve logo um clique entre todos. Ele foi profissional, pontual e fez com que tudo fosse muito confortável. Divertimo-nos tanto a explorar Portugal com ele! Levou-nos a sítios menos turísticos e as fotos ficaram de cortar a respiração. Recomendamo-lo um milhão de vezes!»

Para Alex Tome, fotografia significa o mesmo que o basketball significa para Michael Jordan: ele vive-a e respira-a:  «Adoro captar os momentos únicos da vida e esforçar-me por realçar a personalidade do noivo, não só da noiva. Também adoro capturar os momentos animados e despreocupados, como a festa de despedida de solteira. Finalmente, acho que a coisa mais importante a mencionar é que amo o que faço e divirto-me a trabalhar – acredito que isso é fundamental.»
Acompanhem os nossos posts acerca do trabalho de Alex Tome e visitem a sua ficha de fornecedor seleccionado Sb para ficarem a conhecê-lo melhor e para verem mais imagens bonitas. Utilizem o formulário de contacto para falar com ele – para já, em inglês ou francês, mas, com o tempo, certamente que a nossa língua portuguesa tenderá a tornar-se, também, um pouco dele!

Marta Ramos

Scratches, os novíssimos convites Diana Nobre

Se ainda não conhecem esta outra faceta da fotógrafa Diana Nobre, leiam o artigo de apresentação da sua colecção de convites de casamento para 2019 que publicámos há dias. A criatividade não tem limites e o portefólio da Diana Nobre confirma isto mesmo. Para além dos convites, podem contar com a sua assinatura em todo o material gráfico para o vosso casamento: ementas, marcadores de mesa, seating plans, lembranças, monogramas e logótipos, etc.
Uma das características distintivas do seu trabalho é o desenho à mão e a pintura com aguarela. Podem partir do seu catálogo de convites e personalizar apenas os vossos dados, ou solicitar um trabalho único, criado de raiz para o vosso dia.
Hoje quero mostrar-vos mais alguns dos convites do catálogo para 2019 – a linha Scratches.

Convites Diana Nobre - 2019 - Linha Scratches

Convites Diana Nobre - 2019 - Linha Scratches

Convites Diana Nobre - 2019 - Linha Scratches

Convites Diana Nobre - 2019 - Linha Scratches

Convites Diana Nobre - 2019 - Linha Scratches

Convites Diana Nobre - 2019 - Linha Scratches

Uma das vantagens evidentes dos convites do catálogo é a rapidez na entrega – e, claro, o valor, necessariamente mais reduzido do que o das criações de raiz. Mas há outra vantagem e está quase aí à porta: todas as terceiras segundas-feiras do mês, Diana Nobre escolhe três modelos de convites da sua colecção e atribui-lhes uma redução de 15%. Como é que podem usufruir desta promoção? Em primeiro lugar, acompanhando o Instagram da Diana – é nas stories que ela revela, todos os meses, quais são os convites aos quais atribuiu a redução. Em segundo lugar, têm que ser rápidos a decidir, pois só têm dois dias para aproveitar as condições especiais. Se quiserem comprar um desses três modelos com 15% de desconto, terão que fazê-lo na quarta-feira seguinte ao anúncio. E pronto, está feito. Após o pagamento, os convites demorarão de três a seis dias para estarem prontos a ser-vos entregues.
Quer isto dizer, tal como já perceberam se foram rápidos a fazer as contas, que para a semana há promoção! Dia 18 é a terceira segunda-feira de Fevereiro, logo, estejam atentos às stories… e boa sorte!
Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado da Diana Nobre|Convites para verem mais imagens bonitas. Qualquer dúvida, falem com ela através do formulário de contacto.

Susana Pinto

À conversa com: Renato Ribeiro Photography – fotografia de casamento

Hoje conversamos com o Renato Ribeiro, que fotografa casamentos.
O seu percurso até aqui foi feito de muitos interesses, mas claramente a escolha da fotografia como assunto principal na sua vida profissional é certeira e muito intuitiva. O que vê, quando olha, e o que guarda desse exercício é uma colecção de imagens maravilhosa e relevante.

Fiquem a conhecer melhor o Renato Ribeiro, garanto que vão gostar muito do seu trabalho.

Para mim, fotografar casamentos é muito mais que fazer um mero registo de momentos. Apaixonam-me os pequenos detalhes, a interação de olhares e os gestos mais ternos que acontecem em qualquer história de amor. A minha fotografia é íntima e pessoal e dedico-me intensamente na procura da singularidade que cada ser humano me mostra e me dá o prazer de contar. Fascina-me explorar as conexões que temos uns com os outros durante as nossas vidas.

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.
De facto a vida dá muitas voltas e, neste particular, eu sou um exemplo típico disso.
Desde de miúdo estive sempre muito ligado às artes. Fiz dança e teatro, experimentei a música, tentei a pintura… era quase óbvio que o meu caminho passaria por alguma educação superior relacionada com tudo isso. Mas não!
As relativas boas notas, o falar pelos cotovelos, a minha interação com os outros e mais algumas características da minha personalidade, levaram a que tudo e todos me convencessem e me direcionassem para o curso de Direito. Assim foi, concluí o curso de Direito, fiz o estágio e o curso da Ordem dos Advogados e trabalhei como Advogado e Jurista (ainda faço algumas coisas pontuais quando me pedem muito).
Apesar disso, sou apologista que devemos fazer o que verdadeiramente nos faz feliz e nos toca fundo no coração e, obviamente, as artes nunca me abandonaram. Era impossível!
A fotografia foi sempre acompanhando o meu percurso ainda que de forma amadora. Comecei por fazer fotografia documental de viagem que culminou com algumas exposições, fiz também retrato e alguns trabalhos na área da moda.
Em 2012 surgiu o convite de bons amigos, grandes profissionais da fotografia de casamento em Portugal, para os começar a acompanhar como segundo fotógrafo. Estou-lhes muito grato por essa oportunidade. Aprendi, absorvi e cresci muito no terreno com todos eles. A partir daí as coisas começaram a fluir naturalmente, fui entrando neste mundo da fotografia de casamento devagarinho e com os pés bem assentes na terra. Pelo meio fiz bastante formação, e dediquei horas e horas a aprender. Arrisquei fotografar o meu primeiro casamento sozinho em 2014 e nunca mais parei.

Há quanto tempo fotografa? E porquê casamentos?
Fotografo desde que me conheço! Mas mais a sério desde 2012.
Para mim, fotografar casamentos é muito mais que fazer um mero registo de momentos. Apaixonam-me os pequenos detalhes, a interação de olhares e os gestos mais ternos que acontecem em qualquer história de amor. A minha fotografia é íntima e pessoal e dedico-me intensamente na procura da singularidade que cada ser humano me mostra e me dá o prazer de contar. Fascina-me explorar as conexões que temos uns com os outros durante as nossas vidas.
Os casamentos são a escolha óbvia para qualquer fotógrafo que, como eu, procura fotografar sentimentos e emoções mais que caras e expressões.
Fotografar casais e casamentos é um vício difícil de explicar.

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vai buscar inspiração?
Sou um apaixonado pela vida e pelas pessoas. Muita da minha inspiração vem do que vou vivendo e sentindo nas minhas relações interpessoais. Também faço muitas vezes o exercício de ficar apenas a observar as pessoas passar e tentar imaginar as suas vidas, aventuras e desventuras.
Além disso, com certeza, os livros, as viagens, a música e os filmes são outra grande fonte de inspiração.
Obviamente também sigo e admiro vários fotógrafos nacionais e internacionais. No entanto, apesar de ser fã dos seus trabalhos, tento sempre apreciar sem me deixar influenciar muito para tentar salvaguardar a minha própria identidade.

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Como construiu a sua assinatura, como a define?
É muito complicado responder a isto. Sinceramente acho que quem deve definir a minha fotografia são aqueles que, de alguma forma, a apreciam e se interessam por ela.
Apesar disso, posso dizer que a minha fotografia é íntima e pessoal. Gosto que ela tenha uma simplicidade poética e uma leveza natural.
Opto por uma abordagem simples e acredito que as melhores imagens são as que contam momentos genuínos. Ao contrário de caras e expressões interessa-me captar a magia dos sentimentos e das emoções.
Ao longo do tempo tenho tentado construir uma assinatura própria e julgo que esse caminho continua a ser trilhado mas, eventualmente, nunca estará totalmente acabado. O meu trabalho é bastante cinematográfico e emocional. Dou preferência a um estilo de narrativa visualmente atraente, criativa e artística.
Nesta fase da minha vida trabalho as cores e a luz de uma forma… daqui a uma semana, um mês ou um ano poderei estar a trabalhar de uma forma completamente diferente. Tudo depende do que vou absorvendo pelo caminho. A visão das coisas muda consoante o coração sente.

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?
Desligo completamente. Sou relativamente bom nisso!
Aproveito para estar muito com as minhas duas filhas (são de facto o mais importante que temos na vida), com a minha mulher, os meus pais e o meu irmão. Fazemos questão de almoçar juntos todos os domingos, por exemplo.
Além disso, tenho a sorte de ter dois/três amigos que conheço desde o jardim-de-infância e com quem mantenho uma relação de irmãos. Juntos desligamos completamente de tudo o que é acessório e só importam “as nossas cenas”.
Sempre que é possível também aproveito para viajar com a minha mulher que tem sido uma companheira de grandes aventuras. Desde percorrer a Indochina de mochila às costas durante um mês, às festas numa das maiores favelas do Rio de Janeiro, ao Japão de lés-a-lés no comboio bala, enfim…

Do Norte para o mundo, ou Portugal de lés-a-lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?
As duas coisas. Estou sediado no Porto mas fotografo histórias de amor um pouco por todo o País e estou sempre disponível para viajar e faze-lo em qualquer lugar do mundo.
Nos últimos dois anos tive o privilégio de fotografar alguns casamentos estrangeiros e, de facto, existem algumas, pequenas, diferenças. Não só culturais, mas principalmente ao nível de toda a organização e logística. Desde logo porque, normalmente, os casais estrangeiros fazem festas mais curtas. Ao contrário das usuais 10 a 12 horas de um casamento português, num casamento de estrangeiros bastam umas 7 ou 8 horas para acontecer tudo.
De resto, fotografar amor é sempre um prazer, seja em que língua for.

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação com os seus clientes?
Vejo o meu trabalho como uma colaboração com os “meus” noivos, que rapidamente se tornam amigos. Não sou jornalista e, por isso, não capto apenas o óbvio que está ali mas sobretudo o que sinto sobre aquilo que vejo. Nunca peço nada que não seja totalmente honesto. Apenas estou interessado em sorrisos reais, abraços verdadeiros e, principalmente, em sentimentos puros.
A minha interação com todos os casais é sempre feita de uma forma bastante natural e descontraída, que interfere o mínimo possível com um dia que é deles. Procuro misturar-me entre os convidados e passar o máximo despercebido. Gosto de fotografar de forma espontânea e verdadeira todas as emoções que se vão vivendo.
Felizmente criei sempre laços muito fortes com todos os casais que fotografei até hoje. Mantenho contacto assíduo com muitos deles e tenho a sorte de recomendarem o meu trabalho a amigos e conhecidos.

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gosta de fotografar?
Sinceramente não faço esse tipo de distinções. Importa-me mais que os noivos se identifiquem e entendam a minha fotografia. Quando a nossa ligação é verdadeira tudo é muito fácil e pouco importa o tipo de celebração ou festa.
Apesar disso, e considerando o meu tipo de fotografia, obviamente é sempre importante uma cerimónia emotiva. Se isso for complementado com uma festa de arromba (mesmo que pequenina), melhor ainda. Já tive oportunidade de fotografar muitos casamentos diferentes e todos eles têm a sua magia.
O meu trabalho é bastante pessoal e, por isso, antes de tudo, gosto de tomar um café com os casais que me procuram para tentar entender o que idealizam para o seu dia e saber mais sobre a sua história. Saber quem são, de onde veem e para onde querem ir… livros, filmes, viagens, tudo o que os arrebata é importante e ajuda-me a contar o amor deles da forma mais personalizada possível.

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?
A melhor parte é mesmo ter o privilégio de conhecer tantas pessoas bonitas com histórias de amor fantásticas e registar tudo isso. Saber que a minha arte vai ficar para sempre ligada à história de vida de dois seres humanos e aos mais puros sentimentos que podemos nutrir uns pelos outros enquanto cá andamos, é avassalador e muito gratificante. Quando penso que um dia os seus filhos e netos vão ver as minhas fotos e que isso lhe vai encher o coração, arrepio-me.
O mais desafiante é manter a calma e a concentração necessárias para dar o meu melhor e cumprir com todas as expectativas que se criam. Fotografar um dos momentos mais importantes das vidas das pessoas é uma grande responsabilidade.
O mais difícil talvez seja tolerar algumas faltas de respeito pelo nosso trabalho. Felizmente são raras mas podem acontecer. Sei quem sou e de onde venho… considero-me uma pessoa super simples, acessível e compreensiva mas não tenho paciência para faltas de educação e de humildade. Dinheiro nenhum justifica o esquecimento de alguns valores que considero essenciais.

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Renato Ribeiro Photography-fotografia de casamento

Escolha uma imagem favorita do seu portfolio e conte-nos porquê…
Esta é talvez a pior coisa que podem pedir a um fotógrafo! (risos)
Escolher uma imagem entre centenas de “favoritas” é muito ingrato. Da mesma forma que é impossível escolher entre dois filhos, acontece quase o mesmo com as nossas fotos favoritas.
Obviamente que estética ou tecnicamente gosto mais de umas que de outras… mas as tais “favoritas”, mesmo que não sejam das mais bonitas do meu portfolio, têm todas algo para contar. Todas têm algum significado num momento exato da minha caminhada, pelas mais variadas razões. A mais bonita ou a melhor é muito relativo… desconfio sempre dessas distinções.
De qualquer forma escolhi esta foto porque foi uma das primeiras fotos que chamou mais a atenção das pessoas para o meu trabalho e me deu o tal “empurrãozinho” inicial mas também porque mostra duas coisas muito importantes para mim… o amor e a “minha” cidade do Porto.

Contactem o Renato Ribeiro através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem o Renato directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Marta Ramos

Como nasce um bolo Sweet Stylist?

Foi a pergunta que colocámos à Maria Silva e à Susana Pinto, as mentes (e as mãos) responsáveis pela Sweet Stylist. Para as duas profissionais de pastelaria criativa, o objectivo do seu trabalho é levar aos seus clientes emoções em forma de bolos. Cada bolo Sweet Stylist é único, cada projecto pensado ao detalhe, e toda a execução é tradicional, artesanal, respeitando os ingredientes e a sazonalidade dos produtos que a natureza nos oferece.
A decoração dos bolos é toda uma outra arte, e pode assumir diferentes formas – no entanto, a marca é especialmente célebre pela delicadeza e perfeição das suas flores em pasta de açúcar. Tudo lindo e delicioso, para criar memórias muito saborosas.

Cada cliente é único, e deve ser tratado como tal. E quando se trata de uma noiva mais ainda. Sentimo-nos verdadeiramente lisonjeadas por poder contribuir para que esta data seja ainda mais perfeita, pelo que trabalhamos para que o bolo exceda as suas expectativas.

O processo de criação inicia-se com uma pequena reunião para conhecer melhor os noivos, que tipo de pessoas são, o que valorizam, o que gostam, quais as expectativas para o casamento e para o bolo: «Por vezes os noivos chegam a nós já com inspirações de bolos de casamento, mas também existem casos em que chegam sem ideia nenhuma e pedem ajuda… Elementos como o espaço do evento, o estacionário, cores, tecidos, cultura e origens, até mesmo hobbies podem ajudar em todo o processo de criação do projecto.»
Após a primeira reunião, e com base nos elementos recolhidos, Maria e Susana processam a informação e concebem alguns esboços para apresentar ao casal – como este que vos mostrámos há tempos.
E porque o bolo não é só para ser visto, mas também saboreado, a definição das massas e recheios é outro dos passos importantes nesta fase do processo. À partida, o interior e o exterior do bolo não se influenciam mutuamente – ainda assim, as cake designers assumem algumas regras, para que a informação visual não confunda o paladar: «Por exemplo, no caso dos bolos naked ou semi-naked: se o recheio for de frutos vermelhos, não vamos decorar com maracujás ou outras frutas tropicais!»
Antes da aprovação final, os noivos são ainda convidados a fazer uma degustação no espaço da Sweet Stylist: «Trata-se de uma data tão especial que nada pode ser deixado ao acaso, muito menos o sabor. E neste âmbito, chegam já a nós muitos pedidos de massas diferentes, em função dos estilos de vida, dietas ou mesmo culturas. É muito interessante assistir a toda esta mudança ao longo dos anos! E claro, trabalhamos sempre no sentido de responder da melhor forma a estas solicitações.» Se não leram as nossas wise words sobre casamentos eco-friendly, estão bem a tempo de o fazer: as dicas Sweet Stylist são preciosas.

Acompanhem agora um pouco do processo em imagens: as primeiras três fotos são da Sweet Stylist e as últimas três têm assinatura Branco Prata.

Bolo dos noivos, por Sweet Stylist

Bolo dos noivos, por Sweet Stylist

Bolo dos noivos, por Sweet Stylist

Bolo dos noivos, por Sweet Stylist

Bolo dos noivos, por Sweet Stylist

Bolo dos noivos, por Sweet Stylist

«O maior desafio que já tivemos foi um bolo de casamento Alice no País das Maravilhas. O espaço do evento seria todo decorado em função desse tema (e estava maravilhoso!), haveria a mesa de chá, e o bolo teria que se integrar no conceito. O mais curioso foi ainda que os noivos quiseram que fosse feita uma réplica, para guardarem como recordação.»
Assim nascem os bolos Sweet Stylist«No fundo, todos os bolos nos prendem o coração, são fruto de muita entrega, muitas horas de trabalho, pesquisa… e muito amor! Pelo que todos têm um pouco de nós, e todos eles, cada um à sua maneira, nos apaixonam.»
Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado Sweet Stylist para ficarem a conhecer melhor a sua oferta. E falem com a Susana e a Maria, elas têm ideias doces à vossa espera!