Created with Sketch.
Susana Pinto

Dicas para casar: algumas ideias para um casamento sustentável

Nas dicas para casar de hoje vamos falar um bocadinho sobre a aplicação do conceito eco-friendly à vossa festa, para um casamento sustentável, já que todos sabemos que o volume de desperdício neste dia tão especial é imenso.

 

Sustentabilidade é a palavra de ordem e se já incluímos uma série de hábitos no nosso quotidiano que se alinham com este modo de vida, porque não aplicá-los também a este este dia tão especial? Não é necessário perder beleza e sofisticação da festa, afinal, este é um dia que é muito diferente de todos os outros e é assim mesmo que deve ser.

Para um casamento sustentável, há dois grandes vectores mais óbvios nesta questão do desperdício: a decoração floral e a comida. E se por parte dos serviços de catering já há soluções próprias, temos ainda espaço para mais algumas ideias.

 

Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais

Comecemos pela decoração floral (de que falaremos mais detalhadamente para a próxima semana): a grande regra da sustentabilidade é o consumo local – tem menos pegada e investe na economia interna e da comunidade. Assim, as recomendações para uma decoração eco-friendly passam por usar flores de cultivo local e da estação.

Outra sugestão interessante é usar plantas de vaso, que podem ser compradas (e depois oferecidas) ou alugadas, mas também investir em decoração complementar que complemente visualmente cada conjunto: velas e candelabros, molduras com fotografias e/ou mensagens, objectos interessantes.

 

A segunda vida destes arranjos faz parte desta ideia de sustentabilidade: se na maior parte dos casamentos, na desmontagem tudo segue para o lixo, apesar de ainda estar fresco e bonito (por muitas razões, entre elas a logística), vamos lá encontrar uma forma de os passar ao próximo. Abordem este assunto com o vosso espaço, talvez haja uma Junta de Freguesia que possa recolher as flores e distribuí-las pelo centro de dia mais próximo (se estiverem numa pequena localidade) ou com o vosso designer floral, que poderá também ter algumas ideias e contactos interessantes e o próprio set up da decoração possa ser pensado de origem para esta passagem de testemunho.

 

Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais

E falamos de comida.

Para combater o desperdício alimentar, há que começar pelo início, isto é, produzir menos. É certo que, em dias de festa, e num casamento, sobretudo, gostamos de ver mesas bonitas e recheadas – a abundância está muito enraizada na nossa mentalidade como sendo condição sine qua non para que os convidados se sintam bem recebidos. «Há ainda alguns noivos que ficam receosos quanto à quantidade de comida», diz-nos a Crsitina Barros, da Palace Catering. «Este receio prende-se, sobretudo, com a ideia de que os bons anfitriões põem mesas fartas. Mas fará sentido aumentar as quantidades para lá do que se sabe que será, efectivamente, consumido, sabendo de antemão que grande parte do que esteve exposto irá para o lixo? Valerá a pena?»

 

Temos a  certeza que não e, tendo em conta que no serviço de catering está a maior fatia do vosso orçamento para o casamento, algum rigor e bom senso terão impacto a dobrar: a poupança financeira e o desperdício alimentar.

 

Como é que a Palace Catering vos pode ajudar a fazer boas escolhas?

«Começamos por apresentar um aperitivo (volante e buffet) em que apostamos na variedade e na quantidade calculadas em função do número de pessoas esperado. Fazemos os cálculos internos com base num rácio de cerca de 12 peças (unidades ou gramas) por pessoa. Uma vez que apostamos num bom aperitivo, sugerimos um menu com uma entrada de peixe, um prato principal e o bolo dos noivos como sobremesa. Não nos parece necessário mais, temos buffets de frutas, queijos e doces de seguida e uma ceia para os mais resistentes! Não pode faltar bebida… et voilá: um casamento sem sobras!»

 

Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais Espaço para casamentos em Ponte de Lima - Lugar Eventos e Coisas Mais

Se este planeamento e bons conselhos iniciais vos escaparam inicialmente, ainda há mais opções para lidar com o desperdício na recta final. Quando há comida a sobrar e ninguém para a levar, muitos serviços de catering trabalham já em proximidade com instituições locais que fazem a recolha dos alimentos em boas condições e distribuem-nas junto das populações mais carenciadas. A logística bem articulada, que é a parte mais difícil deste ciclo de combate ao desperdício, é um factor ganhador desta relação – não basta a boa vontade, são precisos os meios e a disponibilidade para recolher, acomodar e distribuir, formando toda uma cadeia de recursos.

 

Colectivamente, conseguimos que tudo esteja bem quando acaba bem! A nossa sugestão para quem está agora a planear o casamento neste momento, e, sobretudo com este cenário contínuo de incertezas, é que abordem este assunto junto das empresas de catering que contactarem, acrescentando a preocupação com o desperdício à vossa lista de requisitos.

 

Os tempos de CoVid-19 estão a fazer-nos dar vários passos atrás, no que toca ao uso de materiais de utilização individual e única, por isso, resta-nos empenharmo-nos vivamente no consumo local e, sempre que possível e de forma muito consciente, no que pode ter utilização múltipla: um pratinho de alianças que serve para guardar os anéis na mesa de cabeceira, ofertas dos noivos aos seus convidados que são donativos para instituições ou algo guloso para comer, feito por um pequeno negócio local, um bonito marcador de mesa que também se desdobra em ementa, uns sapatos e um fato que se voltam a vestir em ocasiões mais especiais, etc., etc.. E, também, claro, todas as nossas sugestões smart saver!

 

A nossa recomendação maior para um casamento sustentável é esta: não vale a pena querermos ser mais papistas que o papa e levar tudo ao extremo, passando para o desperdício zero – isso chocará de frente com a ideia que se quer da celebração e da festa, leve, feliz, descontraída.

Há, de facto, espaço para intervirmos de forma consciente no consumo que fazemos, se nos informarmos. De onde vem o que consumimos (das flores à comida, passando pelos próprios fornecedores, produtos e serviços), para onde vai depois de terminarmos e onde podemos intervir e escolher, com impacto no processo mas não no resultado.

 

 

Se procuram um espaço para casar muito especial e com um serviço atencioso, sabedor e delicado para por em prática a vossa ideia de casamento sustentável, façam uma visita ao Lugar – Eventos e coisas mais, em Ponte de Lima, e falem com a simpática Rita Novo. Espreitem este lugar mágico, aqui.

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

Susana Pinto

Um casamento premiado: o dia de Nicola + Henry

Fechamos esta semana com assumos de outono, com mais uma noiva de vestido de mangas compridas.

Acho mesmo que este detalhe passou a ser um dos meus favoritos quando falamos de vestidos de noiva modernos, poderosos e absolutamente fantásticos!

 

Há poucos dias, a Alexandra Barbosa, de A Pajarita, dedicou um dos seus artigos semanais exclusivamente a este assunto e eu estou totalmente alinhada na sua opinião: ai, as mangas…!

Ora no incrível e oh so sexy vestido de noiva de Nicola, para além do corte justo e mangas compridas, o decote, vertiginoso, é absolutamente espantoso!

Moderno e muito elegante, foi emparelhado com um véu simples, sem adornos, mas ao estilo dos anos vinte (pensem nos casamentos do Downton Abbey), na forma como é colocado – muito delicado, etéreo e sem mais adornos, para brilhe nessa simplicidade espantosa.

 

E vamos lá a confirmar isto mais uma vez: os casamentos mais estimulantes e modernos chegam-nos da Austrália: as flores são exóticas, estranhas e sempre incríveis, o styling dos ambientes é sempre minimal e de um bom gosto que nos deixa a suspirar… e a comida, bom, basta seguir o Masterchef para perceber a cultura gastronómica e a relação que as pessoas têm com a comida é informada e intencional.

 

Deixo-vos com o mais bonito dos dias de Nicola + Henry, que ganharam todo o seu casamento num giveaway, com uma equipa de fornecedores bestiais, como se pode ver no resultado: magnífico!

 

Casamento moderno Alianças de casamento diferentes Noivo de smoking Decoração interior de casamento moderno Decoração interior de casamento moderno Decoração interior de casamento moderno Decoração interior de casamento moderno Decoração interior de casamento moderno Decoração interior de casamento moderno Decoração interior de casamento moderno

vestido de noiva moderno e sexy Bouquet de noiva com flores exóticas  vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy

vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy    vestido de noiva moderno e sexy vestido de noiva moderno e sexy Bolo dos noivos

Gosto de tudo, casava-me assim, acho o vestido de noiva épico e se repararem na bonita combinação das alianças, a dele e a dela, são absolutamente singulares e muito pessoais.

E vocês, queridas meninas e meninos, o que acham deste dia, deste formato, desta visão: algo que faz sentido e gostariam ou o oposto do que têm em mente? Contem-nos tudo!

 

Fotografia de Bayly & Moore, via Together Journal.

Susana Pinto

À conversa com: Jukebox – DJ e música para casamentos

Esta semana conversamos com o João Marques, da Jukebox, um serviço de DJ’s e música para casamentos e eventos corporativos.

Conheço o João há quase uma década e sempre tivemos grandes (e muito boas) conversas profissionais, sobre o mercado, sobre ética, sobre negócio. Está na nossa lista seleccionada de fornecedores desde o primeiro momento e as pistas de dança da Jukebox são lendárias no mercado de casamentos.

Vamos a isto?

A Música para mim é um conceito superior que vai para além do conjunto de interpretes, temas e dos títulos que mais aprecio isoladamente. É uma paixão que mantém o mesmo encanto de sempre e está longe de ser uma obrigação profissional.

Das leis – estudaste Direito, na Católica – para as pistas de dança: como é que isso aconteceu?

Costumo dizer que não fui eu que escolhi a minha profissão, foi Ela que me escolheu. E assim passei a ser um profissional da Música. Agora que olho para trás parece tudo muito simples. Embora a Música tenha sido uma constante na minha vida desde cedo, sempre me foi incutida a ideia de que não teria uma vida economicamente sustentável se não enveredasse por uma carreira de cariz mais tradicional. O interesse pelo Direito foi por mim sempre assumido como meramente instrumental, inicialmente ditado por influência da família e alimentado pelo entusiasmo com que assistia à defesa fervorosa de direitos humanos por algumas das personagens emblemáticas da ficção americana no cinema e na tv.

 

Como todos os DJs da minha geração, fui um autodidacta, e por isso essa aventura começou muito cedo na minha adolescência, como um hobby que derivou da evolução natural da consolidação do meu interesse pela Música. Os meus amigos aprendiam a tocar instrumentos e nos métodos de criação musical, eu focava-me na Música enquanto resultado final.  Quando iniciei o meu percurso académico na faculdade de Direito da Universidade Católica, o meu desenvolvimento como DJ já estava numa fase avançada, e como tal, a par dos estudos, mantinha-me semi-profissionalmente ocupado com a Música através de residências insignificantes em estabelecimentos nocturnos locais.

 

As festas académicas enervavam-me particularmente pela (falta de) qualidade musical que se traduzia num desinteresse geral pela música, o que por sua vez só acentuava o fraco investimento que se fazia no entretenimento musical das festas. A muito custo lá consegui um dia negociar uma breve participação inusitada, a ter lugar num intervalo da actuação de uma banda de uns amigos numa festa de recepção ao caloiro. A minha presença não estava sequer prevista pela organização e tinha sido justificada como sendo necessária como exercício de suporte de som como técnico de som de uma das bandas do lineup. Correu tão bem que a actuação da banda já não deu continuidade para uma segunda parte e foi uma questão de tempo até as primeiras oportunidades no âmbito das festas académicas começarem a aparecer, evoluindo para participações em galas académicas.

 

As galas tinham um estatuto diferente porque ao contrário de uma festa típica realizada no pólo universitário, tinham lugar em discotecas mediáticas da noite de Lisboa (Kapital, Buddha Bar, Plateau, Docks, BBC, Bugix, entre outras) que acabavam por dar uma maior projecção e permitiam um contacto com um contexto profissional a um “universitário” que também era DJ mas que na realidade era um desconhecido para o circuito da noite e do clubbing. Tive a felicidade de, por causa dos compromissos académicos, me ver forçado a escolher muito bem os desafios profissionais no âmbito da Música que me eram colocados pelos contactos que fui fazendo nestas casas, e por isso consegui conciliar os dois universos de forma equilibrada. Esta realidade forçou-me a ser exigente comigo próprio e com quem me propunha determinados projectos, e naturalmente a profissionalização foi-se desenvolvendo sem que me apercebesse. No fim do percurso académico, ao fazer as primeiras entrevistas e ao avaliar as primeiras propostas de emprego, fui confrontado com a exigência das obrigações que o Mundo Jurídico me impunha. Para mim tornou-se claro que para fazer parte dele, teria de afastar por completo a possibilidade de continuar a ter um papel activo na Música, que à data se manifestava com todo um Universo de oportunidades tão mais promissoras e mais gratificantes.

 

Nunca cheguei a exercer o Direito, não porque não me relacionasse com essa realidade, mas porque tive de assumir que ao fazê-lo teria de sacrificar tudo o que a Música me tinha permitido obter. No momento em que percebi este facto, decidi, sem qualquer hesitação, que passaria a fazer da minha actividade musical a minha única actividade profissional, potenciando as oportunidades que se acumulavam.

 

A evolução natural foi no sentido de colaborar com comissões de finalistas e a ser escolhido como o DJ responsável pelos bailes de finalistas da faculdade. Primeiro nos dos meus colegas , depois – por referência – nos colegas de outros cursos dentro da mesma faculdade, e posteriormente mesmo noutras instituições. Este facto foi determinante na minha capacidade criativa, mas principalmente na alavancagem  de uma carreira profissional num segmento de eventos diferente, porque o público presente nestas festas é composto tanto pelos alunos finalistas, como também pelos seus professores (que representam faixas etárias muito diversas), alguns dos quais em idades de casar, o que fez com que passassem a delegar em mim a confiança para participar como DJ nas suas festas de casamento.

 

Jukebox - DJ para casamentoJukebox | Animação para Casmaento (1)

Jukebox | Animação para Casmaento (3)

És um dos nossos clientes mais antigos – és fornecedor seleccionado do Simplesmente Branco desde 2011 –, fazemos parte da mesma geração que olhou para o mercado de casamento nessa época e quis oferecer um serviço diferente e modernizado, ter uma voz activa e provocar a mudança. O que achas do panorama actual?

O panorama actual nunca foi tão positivo.  Assistimos todos os anos ao aparecimento de gerações de profissionais com formação, talento, empenho e iniciativa que me fazem crer que nunca o sector teve tanta qualidade distribuída por tantos profissionais como agora. A nossa geração teve o mérito de se profissionalizar e de o saber fazer de uma forma estruturada, algo que as gerações anteriores não o faziam, porque se podiam dar ao luxo de não o fazer. Para as gerações de profissionais que compõem actualmente o sector, e para aquelas que estão agora a dar os primeiros passos, ou mesmo aquelas que estão a poucos passos de o integrar, é um requisito incontornável. A feroz competitividade entre os profissionais e a rigorosa exigência do mercado (que se considera já numa escala global), obriga necessariamente os players a uma consistência na qualidade dos seus serviços, e a um esforço contínuo para se superarem a si próprios e aos seus pares. Desse trabalho constante resulta uma criação de valor, da qual todos beneficiamos, directa e indirectamente, mas principalmente o mercado e o público desse mercado, fazendo do panorama profissional actual um universo de qualidade sem precedentes.

 

O que ouves quando não estás a trabalhar? Separas lazer e profissão?

É extremamente difícil para mim encarar a Música fazendo uma separação nesses termos. Foi desde sempre o meu hobby e divertimento principal, que eu simplesmente converti na minha actividade profissional.  O que fez com que se acentuasse como uma constante da minha vida, como a actividade que mais me ocupa diariamente. É preciso entender que está sempre impregnada na realidade do meu quotidiano, seja no âmbito profissional ou pessoal. Chego à conclusão que da mesma forma que a maioria das pessoas escolhem activamente ouvir Música para se distraírem, eu escolho ouvir silêncio (e só mesmo quando tem de ser), porque na maior parte do tempo a Música está (e sempre esteve) presente nas diferentes dimensões da minha vida.  Respeito-A como principal matéria prima da minha actividade criativa, e respeito a criação musical num sentido lato.

 

Naturalmente tenho as minhas preferências mas a forma como absorvo e vivo a Música ou a dimensão em que a experiencio, seja em trabalho ou lazer, acaba por ser indissociável da minha natureza, porque tanto a valorizo ao ponto de me divertir quando estou a misturá-la como DJ ou na prospecção de música nova, como quando estou a reorganizar a minha colecção analógica ou digital, a criar uma lista no Spotify, na preparação da próxima festa, ou quando revisito um disco, mesmo não havendo uma relação peculiar com os conteúdos musicais desses momentos.

 

Em última análise, a Música para mim é um conceito superior que vai para além do conjunto de interpretes, temas e dos títulos que mais aprecio isoladamente. É uma paixão que mantém o mesmo encanto de sempre e está longe de ser uma obrigação profissional. Não posso dizer o mesmo dos assuntos inerentes à minha participação na gestão de um projecto empresarial, que é actualmente uma outra realidade da minha actividade profissional relacionada com a Música e que me ocupa muito mais tempo do que eu gostaria: competências como a representação institucional, a negociação de contratos, o planeamento estratégico, a gestão de recursos humanos ou a gestão financeira, correspondem ao que eu considero obrigações profissionais chatas e desgastantes, e que por isso tento equilibrar com o impacto da Música no seu exercício, para que possam ser mais suportáveis.

 

Jukebox | Animação para Casmaento (7) Jukebox - DJ para casamento Jukebox | Animação para Casmaento (8)

Gostas dançar ou preferes ouvir? Como te manténs actualizado?

Procuro um equilíbrio entre as duas acções. Depende do mood, do contexto, do local e principalmente da companhia. Ouvir quando estou sozinho. Dançar quando estou acompanhado.

 

Para me manter actualizado procuro manter o meu espírito aberto e receptivo a todas as influências. Tento absorver estas influências através de pesquisas no meio digital, visto que a internet é uma fonte inesgotável, e quando a pesquisa tem um propósito mais imediato, acaba por ser o recurso mais prático e mais acessível. Mas para resultados de pesquisa mais sólidos, o processo de actualização vai para além de uma mera pesquisa digital, ou a audição diária dos hits semanais no itunes, Spotify ou youtube.  A descoberta de “discos” em colecções analógicas ou digitais de colegas, outros DJs, e consumidores (ou distribuidores) de Música revela uma partilha que torna mais natural e consolidadado o processo de actualização de um profissional, cuja actividade está intrinsecamente relacionada com a cultura musical. A forma mais natural de me manter permanente actualizado, é fazer o possível (e o impossível) para estar sempre em contacto com a música, seja num processo activo de consumo, seja de alguma forma atento a aspectos que possam estar directa ou indirectamente relacionados.

 

Trabalhas com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

A Música ao serviço do entretenimento pode adoptar diferentes papéis, servindo diferentes propósitos.  Pode ser um meio para atingir um fim, ou um fim em si mesmo, pode enaltecer ou escamotear aspectos de um espectáculo, ou o pode ser o espectáculo em si mesmo. Pode ser um bem principal, ou acessório, substancial ou formal.

 

Ao servir um propósito de diversão, é possível constatar vezes sem conta, que Ela desperta no público um espírito e uma energia que se autonomiza e extravasa o conceito individual de cada destinatário. É em Si mesma uma causa e consequência que serve de condutor a emoções e memórias que são partilhadas conjuntamente por quem a vive, independentemente da nacionalidade, raça, credo, estatuto social, ou poder económico.  E seguindo essa linha de pensamento acredito que a Música tem a capacidade de humanizar as pessoas, na medida em que as faz perderem-se, na sua essência mais orgânica e primária: o objectivo pleno do ser humano é a conquista felicidade, e o entretenimento é uma das formas superficiais que encontramos de satisfazer essa procura, mesmo que efemeramente.

 

O alcance da Música é tão abrangente, que oferece possibilidades infinitas de abordagens criativas ou conceptuais que fazem deste um Universo sofisticado e complexo, contudo, no que diz respeito à experiência de pista, o ser humano é mais básico e primário: o que as pessoas procuram verdadeiramente é dançar, divertir-se e alhear-se dos problemas mundanos por uns instantes.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Um público divertido. Quando se junta o Divertimento à Música, o resultado é garantido. Não é preciso muito para chegar a uma fórmula de sucesso: do lado do curador Musical (seja DJ, Banda ou outro tipo) existir uma sequência musical adequada, e uma boa energia na abordagem ao público; do lado do público, uma pré-disposição para o entretenimento, alinhada com um mínimo de respeito criativo por quem dita as regras do jogo (o entertainer).

 

Jukebox - DJ para casamento Jukebox - DJ para casamento Jukebox - DJ para casamento

Qual é o processo de trabalho da Jukebox, como acontece a ligação com os vossos clientes?

A Jukebox é composta por um colectivo criativo, do qual fazem parte DJs, Músicos e Técnicos de Audiovisual, com o objectivo comum de estabelecer relações, processos e metodologias que nos permitam superar as expectativas do cliente, tendo em conta a especificidade, personalidade e orientações para cada projecto.

 

Uma vez que a Jukebox tem um núcleo diversificado de profissionais, e por acreditarmos que, para garantirmos os parâmetros de qualidade a que nos propomos, não só é importante realçar os elementos diferenciadores do perfil criativo de cada um, como também assegurar bases comuns a todos os membros desse colectivo, investimos muito no processo de preparação e acompanhamento da nossa participação no evento. Assim, no sentido de garantir que as expectativas de todas as partes envolvidas estão alinhadas e que há uma compatibilidade evidente entre o perfil criativo do DJ Jukebox e as linhas estabelecidas pelos anfitriões para cada projecto, há todo um processo de preparação que passa necessariamente por estabelecer um canal de comunicação directo, transparente e personalizado com todos os nossos clientes.

 

Com base nesse princípio, desenvolvemos um processo próprio de distribuição da nossa equipa, com especial enfoque nas características de cada um dos nossos DJs. Por ser extremamente personalizado, este processo atravessa várias fases de contacto directo (reuniões de apresentação, sessões de esclarecimento, visitas técnicas e reuniões criativas), iniciativas de showcase, e até testes psicotécnico-criativos, o que pressupõe naturalmente uma relação de colaboração muito próxima com os nossos clientes, e muito trabalho, que não se circunscreve apenas ao dia do evento .

 

Isto não significa que a nossa mensagem chegue a todos da mesma forma, no entanto, apesar de trabalhoso, o processo é claro e relativamente simples. Acima de tudo tem o mérito de ser extremamente eficaz porque nos ajuda logo a ter noção se o cliente tem potencial para corresponder às nossas expectativas ou vice-versa.

 

Como crias a playlist para o teu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um factor pesa mais do que outro?

É um processo criativo que se traduz num compromisso equilibrado entre a espontaneidade da leitura de pista, o improviso técnico-criativo do manuseamento da música em tempo-real, e um trabalho prévio que se inicia no primeiro contacto com o cliente.

 

De facto, há aspectos que pertencem por completo ao âmbito do improviso e da espontaneidade, e é por isso que a sua gestão pode ditar a eficácia da forma como a festa é conduzida. Ter sentido de oportunidade, compreender o enquadramento, sentir o espírito da festa, ler o flow musical, decifrar a linguagem corporal das pessoas, saber controlar os ímpetos de energia e o esfriamento dos ânimos,  segurar a dinâmica da pista com consistência, são talentos objectivos, que resultam de um livre-arbítrio criativo que um DJ reconhece a si próprio, muitas vezes pautado apenas por mera intuição, ou claro, pela sua própria experiência.

 

No domínio do trabalho prévio, há uma dimensão constante desse trabalho prévio, que se prende com a aproximação que é comum a todos os projectos: a formação contínua, os métodos usados para desenvolver o know-how de DJ, seja na cultura-musical, no treino de técnicas novas, na procura incessante por elementos inspiradores, no afinamento da sensibilidade às reacções do público, na busca pelos futuros êxitos, na redescoberta de tesouros musicais perdidos, ou na reciclagem de potenciais inalcançados… Há toda uma série de rotinas que estão impregnadas em pequenos actos quotididanos da vida de um DJ, e servem este propósito de preparação permanente.

 

Por outro lado, há uma dimensão variável, desse trabalho de preparação que tem mais que ver com a informação que os anfitriões nos providenciam. Essa informação não se esgota na indicação de linhas orientativas, listas de músicas de inspiração, na proibição de temas, e depende muito mais do quanto o cliente se quer dar a conhecer a si próprio e ao seu público-convidado. Há todo um exercício de introspecção musical que pretendemos desencadear no cliente, e o nosso trabalho de preparação reflecte isso mesmo.  Cada acção, omissão ou restrição servem de fundamento à construção personalizada desse trabalho prévio que só é possível se houver uma comunicação transparente e um acompanhamento eficaz ao longo de um período de tempo que decorre ao longo de meses.

 

Jukebox | Animação para Casmaento (9) DJ a pôr música em casamento e convidados a dançar

Se te casasses, com que música abrias a pista?

Presumindo que a minha cara-metade estivesse de acordo, provavelmente seria uma Música calma, algo romântica. Decididamente, um tema com estatuto de clássico, que considerasse bonito mas dissociado de algum significado paralelo, para que assim se tornasse especial a partir desse momento, ganhando um novo simbolismo.

 

Qual é a música a que regressas sempre?

Esta é uma pergunta para a qual dificilmente teria uma resposta simples. Sendo a Música o meu santuário, está repleta de títulos e intérpretes aos quais regressaria sempre sem hesitação, dependendo obviamente do estado de espírito, alguns dos quais faço questão de ter com quem partilhar, outros nem tanto.

 

 

Contactem a Jukebox através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem o João Marques directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

Nova colecção de alianças de casamento tradicionais Romantis

Uma peça fundamental quando casamos é, claro, a aliança de casamento.

Este objecto singelo e valioso guarda a memória marcada das emoções, é um registo físico do mais bonito dos dias e, socialmente, comunica para o mundo a nossa nova vida.

 

Há muitas escolhas possíveis para o seu formato final (mais artístico, mais artesanal, mais valioso, menos formal, etc., etc.) e hoje vamos falar da nova colecção de alianças de casamento tradicionais da Romantis.

 

Conta-nos a Marlene Pereira, responsável pela comunicação da marca:

 

“Simplicidade, elegância e exclusividade são as três palavras que descrevem a nova coleção de alianças de casamento tradicionais da Romantis.

Esta colecção clássica foi renovada e o resultado é único: desenhos de cravação exclusivos com diversos motivos icónicos, como a estrela, a flor, o coração, o quadrado, o triângulo, etc.,  com múltiplas possibilidades e formas de aplicação.

A nova colecção é composta por trinta pares de alianças em ouro amarelo, ouro branco e ouro rosa e estas apresentam-se nas suas diversas larguras, espessuras e acabamentos. Há, de facto, opções para todos os gostos e as nossas alianças podem ser personalizadas na também quantidade de pedras e na cor do ouro.”

 

Alianças de casamento tradicionais com cravação Romantis Alianças de casamento tradicionais com cravação Romantis Alianças de casamento tradicionais com cravação Romantis

Aliança de casamento clássica com cravação de diamante Aliança de casamento clássica com cravação de diamante

Alianças de casamento tradicionais com cravação Romantis Alianças de casamento tradicionais com cravação Romantis Alianças de casamento tradicionais com cravação Romantis

Aliança de casamento clássica com cravação de diamante Aliança de casamento clássica com cravação de diamante

A Romantis está à espera da vossa visita. Para encontrar o agente mais próximo da vossa localidade – e para consultar o catálogo com detalhe -, basta visitar o site da marca, onde vão encontrar toda esta informação e muito mais.

 

“O simples é bonito e fascinante… é uma arte! Tudo depende da forma que vemos. E o interpretar da simplicidade é que nos proporciona a felicidade!”

Susana Pinto

Dicas para casar: perguntas frequentes sobre a organização do casamento

Prontos para começar com a organização do casamento?

 

Na semana passada, nas dicas para casar, falámos sobre o conjunto largo de recursos que temos disponíveis para vos ajudar nesta bonita viagem. Entre os inúmeros artigos publicados, fontes de inspiração, entrevistas aos nossos fornecedores seleccionados e conversas com os noivos, temos resposta para quase tudo!

 

Para quem vai agora começar, isto pode parecer tudo muito. Tantas escolhas para fazer, tantas decisões para tomar, tantas contas para fazer… Mas na verdade, como diz e muito bem um querido amigo, “para comer um elefante é preciso parti-lo às fatias”,  e com calma e organização, tudo se resolve.  E para balizar um bocadinho a vossa lista, deixamos aqui 15 perguntas pertinentes para quem vai casar.

 

Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa

1. Como escolher a data?

A resposta a esta pergunta será das mais fáceis, porque naturalmente haverá datas que são muito especiais na vossa história. Mas, com todos os imprevistos deste ano, com adiamentos e remarcações, esta questão deixa de ser tão natural. Deixamos então algumas sugestões menos habituais: se o dia em que se conheceram vai calhar, para o ano, a meio da semana, ou se é num mês dos mais frios, não se atrapalhem. Há muitas vantagens em casar fora de época, só terão que avaliar e decidir.

 

Outra sugestão ajustada ao momento, é casarem pelo civil, mantendo o dia gravado nas alianças, e festejarem quando fôr possível, num dia bonito, mas já sem o constrangimento da agenda. Alguns feriados podem ter graça adicional, como os santos populares, mas atenção aos fins-de-semana prolongados, que poderão oferecer a concorrência de uma escapadinha!

 

2. A quem o devemos anunciar primeiro?

Como dissemos já aqui, repetindo o sábio conselho da querida Filipa, guardem os primeiros dias para desfrutar este segredo só vosso. De seguida, é à família que devem comunicar as novidades primeiro. Organizem um jantar com o núcleo mais próximo de cada um – pais, avós e irmãos, e a partir daqui poderão alargar o leque de contactos. Aproveitem para espreitar o artigo que fizemos com A Pajarita, onde falamos sobre como entregar os convites de casamento.

 

3. Quais são os procedimentos burocráticos necessários?

Para casamentos civis, tudo começa na Conservatória do Registo Civil da zona onde pretendem casar. Marcam a data e definem o local.

 

Se também pretendem uma cerimónia católica, escolham a paróquia, marquem reunião com o padre e combinem data e hora. Habitualmente é a igreja que trata das burocracias com a Conservatória. Se não for esse o caso, logo vos informarão de que documentos terão que trazer da Conservatória para a Igreja. O importante é que o casamento civil é celebrado no mesmo dia do matrimónio, mediante umas assinaturas posteriores à cerimónia.

 

Esta ligação entre casamento civil e religioso (chama-se casamento civil sob a forma religiosa) estende-se também, desde 2007, a outros grupos religiosos radicados em Portugal: Comunidade Judaica de Lisboa, Comunidade Islâmica de Lisboa, Aliança Evangélica Portuguesa, Comunidade Bahá”í, União Adventista, Centro Cristão Vida Abundante e Assembleia de Deus de Viseu. Podem consultar o nosso artigo sobre os procedimentos legais para casar e, havendo ainda algumas dúvidas, o Portal do Cidadão esclarece com clareza.

 

4. Qual o papel dos padrinhos (na Igreja) e das testemunhas (no Registo Civil)?

É literal: testemunham a união. Em ambos os casos, apenas têm que estar presentes no dia marcado, com os respectivos documentos de identificação; não se esqueçam dos vossos cartões de cidadão!

 

Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa

5. Podemos casar onde quisermos?

No caso do casamento pelo Registo Civil, sim. Basta informar o Conservador da morada onde irá decorrer a cerimónia (e aqui incluímos a vossa própria casa, se for esse o plano). Não se esqueçam que as despesas de deslocação decorrem por vossa conta. Se quiserem casar numa Igreja fora da vossa zona de residência, terão que solicitar autorização ao padre da paróquia onde querem casar.

 

6. E a organização da festa, por onde devemos começar?

O primeiro passo deverá ser a definição do vosso orçamento. Estabeleçam o valor máximo a gastar e distribuam-no pelas diversas rubricas. E mantenham esse documento actualizado ao cêntimo!

São as opções que têm de adaptar-se ao orçamento e não o orçamento que se vai vergar às propostas! Leiam as palavras sábias da Design Events e da Wedwings sobre este assunto.

 

7. Como podemos ter a certeza de que não nos falta nada?

Estabelecer um orçamento e um cronograma é o método mais eficaz para estar em cima dos pormenores. Também podem optar por contratar um wedding planner. Na dúvida, peçam alguns orçamentos e recolham todas as informações que puderem acerca do seu trabalho. Se encontrarem um profissional que venha bem recomendado, com experiência, bom nome na praça e com quem tenham sentido sintonia, então estarão a um passo de poupar muita dor de cabeça, tempo e, muito provavelmente, dinheiro.

 

Em última instância, não se prendam à ideia de que devem ter o mesmo que os vossos amigos que casaram no verão passado. Só vos faz falta o que tem a ver convosco!

 

8. Gostávamos de convidar todos os nosso amigos e colegas, mas o orçamento não o permite. O que podemos fazer?

Descarrilar nas contas é que nem pensar, até porque esta é a parcela maior do vosso orçamento. Convidem os mais próximos e para os restantes enviem uma participação casamento e convidem-nos para um almoço ou jantar em vossa casa. A Pajarita conta-nos tudo sobre este assunto!

 

9. E se não nos conseguirmos decidir acerca do espaço, por exemplo?

São duas cabeças, pelo menos, e tudo se decide com uma boa lista de prós e contras. Respirem fundo, durmam sobre o assunto, ouçam o vosso instinto. Peçam ajuda a alguém experiente e da vossa confiança. Deixamos aqui uma lista de ideias para encontrar o espaço perfeito!

 

Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa Gustavo Simões Photography: fotografia de casamento em Lisboa

10. É obrigatório haver entretenimento na festa?

Depende da festa que planearam, da faixa etária dos vossos convidados, do horário alinhavado, etc. Se houver crianças na lista, não descurem o apoio de um serviço próprio: ficam os miúdos mais felizes e os pais deles também! Pensem nos vossos convidados, na duração prevista da festa, no encadeamento dos acontecimentos (cocktail, fotografias, refeição, corte do bolo, discursos e brindes, etc.). Este exercício dir-vos-á se precisam de completar os intervalos com algo mais especial e atractivo.

 

11. Os nossos pais é que pagam. Temos mesmo que deixá-los decidir tudo?

As palavras-chave aqui são as do título do clássico de Jane Austen: sensibilidade e bom-senso. Se encontrarem resistência, mostrem alguns exemplos do que será o resultado final, nada como umas belas imagens para explicar uma ideia.

 

Percebam o que é acessório e o que é fundamental: este equilíbrio será o vosso melhor amigo e pequenas cedências poderão fazer alguém muito feliz.

E podem inclusivamente poupar – sempre de modo inteligente, como tanto gostamos. Sigam as nossas dicas aqui.

 

12. Não percebo nada de flores. Há algumas que sejam erradas para casamentos? De que tamanho deve ser o bouquet?

Flores são flores e serão sempre bonitas, podem no entanto ser mais ou menos adequadas, tendo em conta a sazonalidade, robustez e outras características pertinentes.

Na dúvida (esta ou outras), trabalhem sempre com profissionais e confiem no seu serviço Aqui deixamos algumas sugestões, muito bem acompanhadas por quem sabe, para escolherem o vosso bouquet de noiva. Estas preocupações não vos fazem falta!

 

13. É de mau tom se os noivos deixarem a festa antes do fim?

Se organizaram a vossa festa de sonho, não vão querer sair antes do fim! Mas se tiverem hora marcada para apanhar um avião ou, simplesmente, se estiverem felizes mas esgotados, é totalmente aceitável que se retirem. Façam-no em grande, despeçam-se com simpatia dos vossos convivas e peçam aos vossos pais e padrinhos que façam as honras da casa para os mais noctívagos. Em caso de dúvida, explicamos tudo aqui.

 

14. Precisamos mesmo de oferecer alguma coisa aos convidados?

Não, já lhes estão a proporcionar uma festa e pêras, refeição e baile incluídos. No entanto, agradecer a gentileza da presença é sempre simpático e há maneiras bonitas e simples de o fazer: a mais directa ao coração, é escolherem uma instituição e fazerem um donativo em nome dos convidados.

Podem mencioná-lo num pequeno cartão que acompanha um bombom, ou na altura do brinde. Conheçam as instituições parceiras do Simplesmente Branco aqui.

 

15. Ainda se usa o envio de cartões de agradecimento?

A boa educação e a gentileza usam-se sempre. Têm tempo, mas quando regressarem da lua-de-mel ficar-vos-á bem agradecer os presente, a presença dos convidados e a belíssima prestação dos vossos fornecedores, todos em sintonia no vosso dia.

Juntem uma bonita fotografia, relembrem-se de alguns momentos especiais e inspirem-se para umas palavras bonitas.

 

Mais esclarecidos e prontos para tratar da organização do vosso casamento? Espero que sim!

 

As imagens bonitas são do Gustavo Simões Photography, que captou a mágica sessão de namoro de Anaisa + Matherus, na Praia da Ursa, em Sintra.

Não deixem de passar pela sua ficha de fornecedor para ver o portefólio actualizado e entrar em contacto com o Gustavo Simões.

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

Susana Pinto

Design Events – nova galeria!

A Design Events refrescou a sua galeria e temos muitas coisas novas para vos mostrar.

 

Se estão de olho no Alentejo como destino para casar, saibam que a Design Events trabalha as vertentes de organização de casamento, decoração e aluguer, a partir de Estremoz, com um pulinho ocasional a Lisboa.

A Maria João Soares conhece a região como ninguém, o seu potencial e a sua beleza natural, mas também as dificuldades logísticas e naturais. Da mesma forma, conhece os segredos bem guardados e os recantos mágicos que vos irão deslumbrar, como só o Alentejo o faz.

 

A Design Events é uma pequena empresa que se dedica a tornar os dias de festa ainda mais especiais.
Desenham ambientes elegantes, frescos, sofisticados, clássicos ou românticos, que são o reflexo dos noivos, e ainda aconselham e acompanham todos os detalhes, sejam eles as flores perfeitas que não se encontram em lado nenhum ou o vestido da mãe que está indecisa na cor que melhor lhe fica.
Acreditam seriamente que a festa é vossa e, por isso, deve ser celebrada à medida dos vossos sonhos!

 

Organização de casamentos no Alentejo - Design Events Organização de casamentos no Alentejo - Design Events Organização de casamentos no Alentejo - Design Events

Nas palavras da Maria João Soares, este dia é uma experiência emocional muito forte e irrepetível:

 

“O sucesso de uma boa festa é gente que nos ama, boa comida, boa bebida e óptima música. É isso que nos deixa boas memórias para sempre e é nisto que penso para refrescar a mente. Visualizo sempre esta festa, em função das pessoas que tenho à minha frente… O modelo estético? Esse aparece, naturalmente, depois.

 

Ler os noivos, criar o elo de confiança, fazê-los descobrir as possibilidades é o mais interessante de todo este processo. No fundo, “pensar” no seu casamento como um guião escrito a três e viver aquele tempo em que ainda tudo é uma novidade.

O mais desafiante é manter as ideias, torná-las realidade e ajudá-los a vencer os medos.”

 

Decoração de casamento no Alentejo, no hotel Mar d'Ar, com Design Events Organização de casamentos no Alentejo - Design Events Organização de casamentos no Alentejo - Design Events

Se o Alentejo está no vosso horizonte para casar, a Design Events será o vosso melhor parceiro. Espreitem o casamento da Filipa + Manuel, em Évora, da Joana + Pedro, no Monte do Ramalho, em Avis, ou o da Neha + Jacob, em Vila Viçosa.

Para conhecer com mais detalhe a Maria João Soares e o seu trabalho, não deixem de ler a entrevista que publicámos há umas semanas.

 

Os contactos detalhados da Design Events Wedding estão na sua ficha de fornecedor. Visitem a galeria com o seu trabalho mais recente e contactem directamente a Maria João Soares através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Susana Pinto

À conversa com: D10Photo – fotografia de casamento

Hoje conversamos demoradamente com a dupla David Pereira e Sara Gomes, que assinam como D10Photo e fazem fotografia de casamento.

 

É o trabalho deles que ilustra o nosso outro site, We are The Destination, e as suas imagens são muito, muito bonitas e intemporais. Há sempre uma leveza permanente no seu registo, nada intrusivo, apenas muito orgânico e natural. Tudo flui, como uma brisa, e para isso é preciso talento e confiança no que se faz.

Fiquem a conhecê-los, e ao seu belo trabalho, um pouco melhor.

Damos muito nos casamentos, mas recebemos imenso e isso é mágico.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

O David formou-se como arquitecto, mas ainda não tinha acabado o curso quando decidiu aliar o gosto pela fotografia à oportunidade de ir trabalhar com um fotógrafo de arquitectura. Ficou-se pela fotografia de arquitectura durante uns anos, e, depois de ter trabalhado com outros fotógrafos em alguns casamentos, teve um convite para fotografar um casamento com 6 pessoas e foi aí que se apaixonou pelos casamentos.

 

A Sara formou-se em fisioterapia, mas sempre teve uma curiosidade aguçada e muito crítica relativamente ao que o David ia fazendo. Basta dizer que sempre que o David chegava após um dia de casamento, a Sara queria saber tudo e pedia para ir ver todas as fotografias. Mesmo hoje em dia, em que fotografamos quase sempre juntos, ela quer ver as fotos quando chegamos a casa, não importa a hora! Há cerca de três anos que ela decidiu arriscar no mundo da fotografia de casamento e, desde então, estamos nesta aventura a dois.

 

D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa

Há quanto tempo fotografam? E porquê casamentos?

Desde 2010 que fotografamos, mas o tal casamento de 6 pessoas que iniciou esta jornada foi no final de 2014.

Damos muito nos casamentos, mas recebemos imenso e isso é mágico. Por muitos casamentos que já tenhamos feito, há sempre um borbulhar na barriga antes de começar.

 

Como o definem e como construíram essa assinatura?

Somos muito descontraídos e gostamos de passar despercebidos e isso reflecte-se na forma como fotografamos. O que nos caracteriza é mesmo isso, mostramos o nosso ponto de vista, o que vemos, da forma como somos.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

É principalmente às coisas boas do dia-a-dia e que nada têm a ver com casamentos, apesar de acompanharmos o que os nossos colegas vão fazendo e isso também nos inspirar.

Cinema, arquitectura e criativos são as nossas principais fontes de inspiração.

 

D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Viajar é a nossa fuga. É a forma que encontramos para restabelecer as energias e voltar a ver o mundo como crianças. Adoramos conhecer cidades novas, mas não dispensamos estar em contacto com a natureza.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Sim, é diferente, mas tende a ser cada vez menor essa diferença. Mesmo dentro de Portugal é diferente fotografar um casamento no Norte, Centro ou Sul, e isso é maravilhoso.

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Após o primeiro contacto, normalmente por email, o que mais nos interessa é conhecer o casal e tentar que eles nos conheçam. Nada melhor que uma boa conversa, relaxada e informal. Gostamos de chegar ao casamento e sentir que fazemos parte da festa.

 

D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa D10Photo: fotografia de casamento em Lisboa Casar no L'And Vinyards, no Alentejo: fotografia de D10Photo.

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

O mais importante é que se identifiquem com o nosso trabalho, isso é tudo para nós, mas temos um gosto especial por casamentos pequenos, em que seja uma festa constante.

 

Qual é a melhor parte de fotografar casamentos? E o mais desafiante e difícil?

Diríamos que o melhor são as pessoas e as suas histórias, juntamente com todos os locais novos que conhecemos. Tal como dissemos no início, damos muito nos casamentos, mas recebemos imenso, e isso é especial.

Desafiante é estarmos a registar um dia de festa que é único e que não se repete.

A mais difícil é tudo aquilo que fazemos para além de fotografar, e que passa maioritariamente despercebido, mas que nos ocupa muito tempo.

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portefólio e contem-nos porquê:

Acho que todos devemos dizer o mesmo, mas é quase cruel ter de escolher uma imagem.

Não sei se é a nossa favorita, não é perfeita, mas foi feita num dos últimos casamentos, com uns noivos apaixonantes e que nos deixaram viver o dia deles.

 

D10 Photo - fotografia de casamento

 

Gosto mesmo muito da visão leve e feliz que o David e a Sara transportam para as suas imagens. Espreitem, o casamento da Beatriz + Rui, na Quinta do Vale, da Joana + André, na Quinta do Hespanhol, ou o da Lara + David, no Palácio Fronteira.

 

Os contactos detalhados da dupla D10Photo estão na sua ficha de fornecedor. Vejam a galeria, feita de belas imagens, e contactem o David Pereira e a Sara Gomes directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!