Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: João makes photos, fotografia de casamento

Hoje a conversa boa é com o João Pedro Correia, que assina como João makes photos – fotografia de casamento.

Conhecemo-nos por acaso, como tantas vezes acontece neste universo digital: uma referência num site que linka para outro site e tropeço no site do João makes photos. E mais do que as imagens, prenderam-me as palavras com que se apresentava. Iniciámos a nossa conversa e após longo namoro por escrito – porque estas coisas têm o seu momento certo -, demos as boas-vindas ao João Pedro aqui no Simplesmente Branco.

Gosto de conversar com o João, mesmo que falemos pouco. Gosto de o ouvir, tem voz de rádio (foi profissional da Renascença) , gosto de o ler e gosto muito do seu trabalho, que é, da mesma forma, claro, conciso, articulado, nítido. Tal como uma boa história deve ser contada.

 

Porque, especificamente nos casamentos, uma boa parte do que fazemos é isso: oferecer aos casais uma herança visual.

 

Conta-nos um pouco da tua viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Fui jornalista durante 10 anos, nos quais a fotografia foi uma segunda profissão. Mas, na verdade, o que sempre fui foi fotógrafo: fiz-me jornalista porque queria ser fotojornalista. Só que algures nesse percurso também gostei de contar histórias pelas palavras, e a imprensa e a rádio meteram-se no meu caminho.

 

Há quanto tempo fotografas? E porquê casamentos?

Há 10 anos, com especial enfoque nos casamentos há 5 anos. Os casamentos chegaram como acho que acontece a muitos de nós: um amigo pediu-nos para fotografar o seu dia. E aí percebi que podia aliar à fotografia o meu interesse por contar histórias e envolver-me com pessoas, que é o que mais gosto nesta área da profissão: o contacto com os casais, e a abordagem à fotografia do seu casamento como uma experiência que lhes proporciono ao longo do tempo, desde a sessão de namorados, à reportagem do dia do casamento, ao trabalho final.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vais buscar inspiração?

Uso um conjunto de fontes para me inspirar. Primeiro, ver o que me rodeia com um novo olhar todos os dias — a vida é muito curta, e acredito que se nos sentirmos agradecidos pelo privilégio que é viver em paz, com condições de subsistência, e ainda por cima num país com muita luz e um oceano a duas horas de distância, essa abordagem transforma o mais horrível dos cenários num mundo de novas perspectivas.

De seguida, através de um consumo disciplinado. Explico: adoro ver o trabalho de todos os meus colegas fotógrafos, e a Internet é essencial para os acompanhar. Mas as verdadeiras fontes de inspiração, para mim, estão na “fotografia de velocidade lenta”, isto é, nos livros. Consumo livros com fotografias e sobre fotografias e fotógrafos. Faço o mesmo com pintura, design e arquitectura. Dir-me-ás: mas de que formas usas essas referências quando fotografas um casamento? Poderei não as usar, mas educo-me para ter referências mais diversas, que estimulam a capacidade de abstracção.

Por fim, procuro inspirar-me no que é diferente do que vejo todos os dias, e para isso viajo. Não preciso de ir ao Índico ou ao Pacífico, posso muito bem ir a Trás os Montes ou ao Alentejo, caminhar e falar com pessoas. O que quero dizer é que é preciso — e gosto muito de — sair regularmente do local onde passamos a maioria do tempo, e mudar de ares. Acho que ninguém discorda disto.

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

Como construíste essa tua assinatura, como a defines?

O JOÃOMAKESPHOTOS, o João que faz fotografias e conta histórias, é a junção destes dois indivíduos: o curioso que se fez jornalista, o documentarista que anseia registar momentos e ajudar a criar uma herança visual. Porque, especificamente nos casamentos, uma boa parte do que fazemos é isso: oferecer aos casais uma herança visual.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olhas, o que fazes?

Como disse anteriormente: olho para fora da minha bolha. E neste momento olho para Lisboa. É que após mais de uma década a viver no centro da cidade mudei-me para a outra margem do rio, e do local onde estou agora vejo o Tejo e as sete colinas por inteiro a todas as horas do dia. Estar fora do bulício onde vivi durante mais de uma década está a ser revigorante.

 

De Lisboa para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

É diferente porque há menos tempo para me relacionar com os casais, que é um aspecto essencial na minha abordagem à fotografia de casamento. Eu procuro não ser um mero prestador de serviço, eu quero estar envolvido na história do dia e para isso preciso de tempo para entrar nesse círculo. Com casais estrangeiros há menos tempo para conseguir fazê-lo. No restante, é absolutamente igual: fotografamos pessoas apaixonadas que juntaram num dia os amigos e a família mais próximos, com tudo o que isso traz de boas energias.

 

Para todos os que ficam, de facto, interessados em ter-me como o seu fotógrafo eu procuro de imediato que nos conheçamos e nos sentemos a conversar. Uma boa ligação entre o fotógrafo e o casal é essencial, e eu procuro conhecer e dar-me a conhecer.

 

Qual é o teu processo de trabalho, como acontece a ligação com os teus clientes?

A maioria dos meus casais encontram-me de duas formas: através da recomendação de clientes anteriores, ou através da Internet: sobretudo o Simplesmente Branco e as redes sociais.

Para todos os que ficam, de facto, interessados em ter-me como o seu fotógrafo eu procuro de imediato que nos conheçamos e nos sentemos a conversar. Uma boa ligação entre o fotógrafo e o casal é essencial, e eu procuro conhecer e dar-me a conhecer.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostas de fotografar?

Eu gosto de todos os tipos de festa. A minha perspectiva é simples: os casamentos são as pessoas, e se todos se permitirem expressar os seus sentimentos — dos noivos aos convidados, da família aos celebrantes — o dia será repleto de boas energias e de boas recordações. Nós, fotógrafos, só temos de conseguir envolver-nos e tornar-nos parte, e estar atentos para captar isso.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

É o privilégio de ser escolhido para registar momentos de intimidade, e para criar uma herança visual.

O mais desafiante é sempre o que está relacionado com as condições para fotografar: é um dia que passa a correr, com espaços e iluminações imprevisíveis, com a meteorologia que pode não colaborar, etc., e para tudo isso nós, fotógrafos, temos de encontrar soluções e conseguir, ainda, usar da nossa criatividade para, nos momentos que são mais do que documentais, criar imagens únicas para os nossos clientes.

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portfolio e conta-nos porquê:

É uma fotografia que está logo na entrada de joaomakesphotos.com: a da mais gélida sessão de namorados de sempre! O casal, a Marta e o Pedro, estão abraçados e enrolados numa manta vermelha que por acaso eu tinha na mala do carro — a minha Joana é muito friorenta… —, na Serra de Sintra, num fim de dia gelado de Outubro de 2016, no que viria a ser uma noite de super-lua. E a história é esta:

Durante toda a tarde a Marta esteve sempre muitíssimo entusiasmada por estar a ser fotografada, e o Pedro muito tímido. As horas passaram e no momento mais desconfortável do dia o Pedro está, finalmente, no ponto, feliz por estar a viver aquela experiência, enquanto a Marta está em sofrimento — estava muito frio. A fotografia conta a história dessa inversão dos papéis, e vive dos sorrisos rasgados deles.

 

Uma das minhas imagens favoritas de 2017 ainda não foi tornada pública — prometo fazê-lo em breve. É uma fotografia que imediatamente após tê-la registado pensei “isto parece um momento Steve McCurry”. Explico: é uma fotografia vertical do conjunto de madrinhas a abraçar a noiva, escondendo-a no meio do turbilhão; os sapatos coloridos desarrumados na relva; estão todas de costas para mim; e uma brisa que soprou naquele momento. Essa fotografia assemelha-se a uma das minhas preferidas do Steve McCurry: a de um conjunto de meninas com vestes coloridas que, no meio de uma tempestade de areia, penso que na Índia, se abrigam juntado-se e abraçando-se. Foi pura coincidência, mas é uma imagem de que gosto muito, mais ainda pela comicidade que essa mesma comparação João / Steve McCurry suscita.

 

João makes photos - fotografia de casamento

 

Os contactos detalhados do João makes photos, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, cheia de imagens bonitas e contactem-no directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

O ano de 2017 pela lente da Lounge Fotografia

A Lounge Fotografia compilou algumas das suas melhores imagens de 2017 num bonito slideshow e partilha-o hoje connosco, em jeito de evocação de um ano recheado de trabalho e de emoções fortes. Deixemos que seja o Luís a contar-nos como foi 2017 para ele e para a Marta:

«O ano de 2017 ficará para sempre gravado nos nossos corações como o ano em que nasceram os nossos gémeos, o Dinis e o Rafael! Foi um ano de grandes mudanças a nível pessoal, mas também a nível profissional, uma vez que a Marta deixou de poder fotografar e de me acompanhar nestas aventuras. Sempre mantive o foco e a motivação de fazer o trabalho que temos vindo a apresentar, umas vezes sozinho, outras vezes com a ajuda de outros fotógrafos que me acompanharam, mas penso que consegui. Um obrigado especial ao Tiago, à Elisa, ao Nelson, à Mariana, ao Hugo, ao Adriano, à Maíra, e ao Luís Macedo pela ajuda e hospitalidade em Lisboa. Aos nossos clientes, obrigado por nos escolherem e confiarem em nós. À Marta um beijinho do tamanho do mundo por me dar estes dois presentes lindos que preenchem a nossa vida!
Liguem o som e apreciem!»

Vamos a isto? É só clicar na imagem.

 

Lounge Fotografia 2017

 

Também no Simplesmente Branco, 2017 foi um ano cheio de imagens bonitas com a assinatura da Lounge Fotografia: podem recordá-las aqui. Destacamos a conversa simpática que o Luís e a Marta tiveram com a Susana:

Somos contadores de histórias e para isso é preciso muito trabalho, e dedicação e, acima de tudo, valorizar todos os momentos. Após vários anos a fotografar em conjunto, já sabemos o papel de cada um na dinâmica do dia e basta olharmos um para o outro, para sabermos o que o outro precisa.

E também vale a pena lerem com atenção o nosso artigo de wise words sobre como escolher os profissionais de fotografia e vídeo, para o qual contámos com a colaboração do casal Lounge.

Só coisas bonitas!

Desejamos à Marta, ao Luís, ao Dinis e ao Rafael um ano de 2018 carregadinho de bons momentos e de boas imagens – e nós cá estaremos, sempre, para as mostrar!

Marta Ramos

Nova montra TFY Weddings

As galerias das fichas de fornecedor seleccionado são como montras do trabalho dos profissionais que escolhemos para vos recomendar. Com a remodelação do Simplesmente Branco no ano passado, ficaram ainda mais gloriosas, permitindo-vos folhear e sonhar, enquanto detectam aqueles pormenores especiais que vos fazem querer contactar aquela pessoa.

Hoje destacamos a renovação da montra TFY Weddings! Vejam as bonitas fotos e as boas ideias e inspirem-se!

 

 

 

 

 

«Garantimos que vamos ao encontro de todos os vossos desejos, e que o dia da vossa vida será verdadeiramente memorável. Iremos tomar conta de tudo, de forma diligente e responsável, desde a decoração, fotógrafo, catering, músicos, convites, até todos os aspectos relacionados com o grande dia, alojamento dos convidados e actividades, até à lua-de-mel.»

Na TFY Weddings, especializam-se não só no planeamento de casamentos e todos os serviços completos em Portugal, mas também na criação de memórias únicas. Escolheram trabalhar na área dos casamentos porque fazer parte do dia mais feliz da vida dos casais, e auxiliá-los no que eles precisarem, é a sua maior motivação. Orgulham-se muito de criar momentos únicos, memoráveis e felizes. Vão buscar inspiração a tudo o que os rodeia, desde os detalhes da história de amor de cada casal, às suas culturas, e até ao local escolhido para a celebração. E quando olham para o futuro, vêem-se a inovar e a celebrar casamentos mais personalizados.

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado da TFY Weddings  para conhecerem melhor o seu trabalho. E falem com eles, eles estão à vossa espera para, juntos, criarem um dia memorável.

Susana Pinto

Queres casar comigo? Um evento para noivos!

 

É já no sábado que abrimos a porta ao nosso belíssimo evento para noivos: “Queres casar comigo?“.

Dia 24 de Fevereiro, entre as 14h e as 20h, estamos à vossa espera nas Caves Ferreira, em Gaia.

Silva Carvalho Catering é o anfitrião, a escolha dos fornecedores é nossa e a bilheteira (a entrada é paga, no valor de 1 euro) reverte, na totalidade, a favor dos nossos queridos e valentes parceiros Encontrar+se. O trabalho que fazem é excelente e traz qualidade de vida às pessoas que sofrem de doença mental e às suas famílias. Se ainda não conhecem esta simpática e valiosa associação com sede no Porto, consultem a nossa página de parceiros.

Vão estar presentes mais de duas dezenas de fornecedores top, entre fornecedores seleccionados Simplesmente Branco e fornecedores convidados, cujo trabalho está alinhado com a nossa visão contemporânea do casamento, feita de qualidade, frescura e muito profissionalismo, das mais diversas áreas (fotografia de casamento, decoração, design floral, catering, convites, vestidos de noiva, sapatos de noiva, wedding planning e organização, acessórios e detalhes, jóias, cake design, iluminação, animação, etc.).

Se estão de data marcada, esta é uma óptima forma de conhecer de perto e de forma pessoal uma selecção cuidada de fornecedores de qualidade. Poderão ver o seu trabalho e conversar descontraidamente, num espaço bem decorado com uma atmosfera festiva. Se ainda não encontraram o spot certo para o vosso casamento, deixem-se deslubrar com a arquitectura industrial rústica das Caves Ferreira.

Contamos com a vossa visita e esperamos ter respostas e soluções para todas as vossas dúvidas e assuntos ainda por tratar.

Se são profissionais de casamento, venham beber um copo connosco e contribuam com o vosso donativo. Teremos muito gosto em receber-vos.

Este é um luxuoso lote de participantes, uma bela causa e um grande anfitrião.

Sejam muito bem-vindos!

 

 

À vossa espera, como o seu melhor trabalho e boa disposição, vão estar:

A Pajarita (convites de casamento), Crème Caviar (sapatos de noiva)  Design Events (decoração e wedding planning), Inspirarte (decoração), Jardin d’Èpoque (design floral), Jesus Peiró (vestidos de noiva), Jubela (acessórios), Jukebox (DJ), Lounge Fotografia (fotografia de casamento), DJ Nuno Rodrigues (DJ), Oceânica Photography (fotografia de casamento), Pilar Eventos (decoração), Pitada d’Amor (cake design), Por Magia (fotografia de casamento e decoração), Portugal Wedding Lights (iluminação), Queres casar comigo?– guia prático para um dia muito feliz (guia prático), Romã Eventos (organização de eventos), Saiotes & etc. (aluguer e decoração de eventos), Sopro Jewellry (jóias), Sweet Soul (cake design), Trintaeum (DJ), Um dia de sonho (fotografia de casamento) e Vive la Fête (acessórios e decoração).

 

As fotografias bonitas são do Luís Mateus, da Lounge Fotografia, e este é o casamento da Mariana + Xico, que já passou por aqui.
Como sempre, só vos mostramos coisas realmente bonitas!

Vemo-nos lá?

 

Susana Pinto

Casamento rústico na Quinta de Sant’Ana: Ana + Bennie

Fechamos esta semana com um casamento rústico na Quinta de Sant’ana, fotografado de forma delicada e intimista pela dupla Menino conhece Menina: sempre tão bonito…

É a festa da Ana + Bennie, portuguesa e holandês, com todos os amigos e família internacionais. As escolhas destes noivos são especiais do princípio ao fim, como vão poder ler, e entre os fornecedores escolhidos, para além dos seleccionados pelo Simplesmente Branco, estão dois projecos de que sou muito fã. Pela qualidade que têm, pela frescura de ideias, pelo humor e pela singularidade neste mundo tão global: os cadernos da Beija-Flor, da Susana Gomes, que já passou por aqui, precisamente numa sexta-feira, e a Oupas! Design, que cria peças em volume em papel e cartolina.

Fiquem com estas imagens singulares e cheias de intimidade, e deliciem-se com o caminho até ao mais bonito dos dias, contado pela Ana.

Fechar a semana assim é um luxo!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Quisemos que fosse um dia passado com a família e amigos mais chegados. Um casamento pequeno, muito descontraído, sem protocolos (salvo os procedimentos legais), sem tradicionalismos e com bastante “espaço” para que todos pudessem interagir uns com os outros. Tínhamos também a particularidade do Bennie e a família serem holandeses, muitos dos nossos amigos serem eles próprios também estrangeiros, outros a viverem fora de Portugal, e de nós próprios morarmos na Suécia. Ia ser à partida, um dia de diferentes costumes, línguas e sotaques! Era importante para nós que todos se entendessem, e que houvesse pequenos pormenores que falassem dessa mesma mistura. Nesse sentido, e sendo outra coisa que queríamos desde inicio, tentámos envolver os nossos familiares e amigos ao máximo, para que, ao recordarmos o dia, tivéssemos essa sensação de termos feito parte de algo que juntou e envolveu o trabalho de gente tão diferente. Pode ser tolice, mas é das melhores recordações que tenho do nosso dia. Só alguns exemplos, o meu bouquet e as flores do noivo e dos nossos pais foram feitos pelo irmão do Bennie que é florista, e os confettis da cerimónia, que eram na verdade folhas de oliveira, foram “colhidos” pelos nossos sobrinhos. As nossas alianças foram feitas pela nossa querida amiga Filipa Oliveira que é joalheira, e os botões de punho do Bennie foram feitos pelo companheiro da Filipa, o Nuno Borges, também ele joalheiro.

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

(ler com alguma ironia!) Estávamos perfeitamente preparados claro, desde o sim em Roma até ao segundo sim em Portugal íamos ter mais de um ano, tempo mais do que suficiente para preparar tudo mesmo estando fora do país, não é?

Só que não, houve alturas em que os nervos realmente vieram um pouco ao de cima, mas tivemos muita sorte em termos uma “equipa” fantástica de amigos e fornecedores que ajudaram a fazer com que ficasse tudo à nossa maneira.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Podíamos dizer que houve dois momentos «é mesmo isto». Um em relação à logística: local da cerimónia, transportes/alojamento da família no local, etc. Assim que isso ficou resolvido soubemos, «é mesmo aqui». O outro seria em relação à parte visual, e esse demorou um pouco mais, visto que durante um ano houve imenso tempo para escolher, repensar, duvidar de tudo, desde o vestido às cores dos convites, tipo de letra, tipo de flores, etc… Mas assim que vimos tudo junto a ganhar forma as dúvidas passaram!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

As ideias iniciais acabaram por se ir alterando ligeiramente com o tempo, evoluindo, para algo que fosse mais prático, mais fazível. Mas tentámos ao máximo mantermo-nos fieis à nossa ideia inicial de que não queríamos nada que não fosse realmente necessário, é fácil perdermo-nos em detalhes e acessórios, há sempre aquela tendência de “isto também era capaz de la ficar bem”, e para além disso tentámos também desde início manter uma certa coesão em tudo o que envolvesse a parte gráfica. Portanto, nesse sentido, o resultado foi exatamente o que tínhamos antecipado. Mas sim tivemos ajuda, claro. Contámos com a infinita paciência da Susana Gomes,  da Beija-Flor para as ofertas aos convidados, da Paula da Quinta de Sant’Ana, que organizou tudo no dia, e do Bennie que, coitado, teve de ver, ler, rever os menus e outros materiais que eu ia refazendo de cada vez que tinha uma ideia nova!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

A questão principal sempre foi como fazer com que um grupo tão diferente estivesse junto durante umas horas e no final do dia se fossem embora a sentir-se como família. Pelas reacções, acho que conseguimos, no mínimo, por toda gente à vontade! Sem importância era ir ao encontro de tradições e da expectativa do que normalmente é o dia do casamento.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Mais fácil foi decidir acerca do local e dos fotógrafos. Fazer uma seleção de quem queríamos ter connosco foi, sem dúvida, o mais difícil em todo o processo.

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Os discursos durante o jantar. Não estávamos a contar que tanto os meus pais, que são bastante reservados, como a família do Bennie fizessem algo, mas foi sem dúvida muito especial. O Bennie tinha levado com ele um livro tipo “pop-up” feito pelo Oupas! design, que eu lhe tinha oferecido como presente de casamento, e que usou no discurso dele para contar a nossa “história” e agradecer aos convidados.

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

E o pico de diversão?

A “discoteca” no final do dia.

 

Um pormenor especial…

Difícil escolher só um… Já fui dando alguns exemplos, mas talvez um que gostei particularmente de fazer foram os “postais” que deixámos aos convidados como “last minute words” e que viriam a ser o “guest book”. Fiz para que parecessem postais, completos com a nossa morada e um selo antigo Sueco, que comprei ao peso numa feira. No final carimbei com um carimbo feito pela Beija-flor com a data e o local, o mesmo que tínhamos previamente usado nas lembranças para os convidados e nos pacotes de confettis.

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Acho que não mudava nada. As decisões que tomámos foram as melhores/possíveis na altura, mas em retrospetiva tentaríamos relaxar mais durante o dia!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

É difícil aconselhar, cada pessoa reage de modo diferente. Há quem seja muito bom a delegar e nesse sentido talvez tenha um pouco mais flexibilidade em planear. Se esse for o caso, aconselho, porque se não, requer bastante tempo e paciência a contactar os fornecedores, etc.. Talvez o conselho que deixo para quem esteja fora e queira casar no civil em Portugal com um cidadão estrangeiro, é que se informe atempadamente dos documentos/traduções/carimbos que ele(a) precisa, porque a burocracia envolvida no processo e a falta de clareza podem ser muito frustrantes em certas alturas.

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana, com fotografia de Menino conhece Menina

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: convites pela Tankerville Press; materiais gráficos: Beija-flor, Oupas! Design e os noivos;

espaço, decoração, catering e bolo: Quinta de Sant’Ana;
fato do noivo e acessórios: Oscar Jacobsson, Tiger of Sweden, Fillipa K, botões de punho feitos pelo amigo dos noivos;
vestido de noiva e sapatos: Laure de Sagazan, SwedishHasbeens. Gancho de cabelo da Maison Guillemette;
maquilhagem: Sara Kruss da Make U Over Makeup;
cabelos: amigas da noiva;
bouquet: feito pelo irmão do noivo;
ofertas aos convidados: cadernos com agradecimento a cada convidado, feitos por Beija-flor;
fotografia: Menino conhece Menina;
luzes, som e Dj: som e luzes Bully (Quinta Sant’Ana) e Dj amigo dos noivos.

 

Marta Ramos

Decisões de última hora, por Jenny Makeup Land

Já pensaram no penteado que vão escolher para o vosso casamento? Falámos sobre esse assunto no nosso último artigo de wise words, com a colaboração de Jennifer Miranda, da Jenny Makeup Land, e vimos que a decisão de usar o cabelo apanhado ou solto deve ser pesada com vários factores, como o vosso conforto, a vossa fisionomia, o tipo de vestido de noiva que escolheram, se usam véu ou não, que acessórios gostariam de usar no cabelo, etc. Claro que um bom profissional estará devidamente equipado para vos aconselhar: «Acho que uma noiva não deve ir de cabelo apanhado (ou solto) se não se sentir realmente bem. Para mim isso é o mais importante, se a noiva se sentir bem, é muito provável que o dia também ele corra bem!» 

As palavras da Jenny encaixam perfeitamente na história que nos traz hoje – a história da Joana e da sua decisão de última hora em relação ao penteado.

«Todos os dias contacto com pessoas totalmente diferentes e este verão tive o privilégio de trabalhar com a Joana, uma noiva irreverente, doce e super divertida! Dentista de profissão (vejam só o sorriso), desde pequenina decidiu que iria casar com um policia… e a verdade é que assim foi. Nunca vi uma noiva tão alegre no dia do casamento, com amigas do coração ao seu lado a fazer toda festa na hora da sua preparação (sim, estivemos a ouvir funk brasileiro nesse momento… não é qualquer noiva que se deixa levar por essa dose de energia nesse momento!).

A maquilhagem da Joana era bastante marcada, com um batom vermelho da Sisley, escolhido a dedo, que realçava ainda mais o seu sorrido, o cabelo solto com ondas levas e uma coroa de flores combinavam na perfeição com o vestido de assinatura Gio Rodrigues.
Muita gente insistia para que a Joana prendesse o cabelo no seu grande dia, e até ela, contra a sua vontade, estava a ficar convencida… aí tive que lembrá-la de que o casamento era dela e de mais ninguém e que ela teria que ser ela própria.»

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As fotos são de Parallux Photography e as flores de Ideias de Veludo. A Pixel, outro dos nossos fornecedores seleccionados, filmou este casamento em Tondela.
Não deixem de folhear todos os artigos que já publicámos sobre o trabalho da Jenny Makeup Land – encontrarão muitos bons conselhos e muitas imagens inspiradoras. E falem com a Jennifer sobre aquilo que imaginam para a vossa maquilhagem e o vosso cabelo no dia do vosso casamento. Lembrem-se: a palavra de ordem aqui é ‘vosso’!

Marta Ramos

Um casamento irlandês, por Vanessa & Ivo

«A melhor parte de ser videógrafo de casamentos é poder fazer aquilo que mais gostamos – contar histórias». A dupla Vanessa & Ivo traz-nos hoje mais um bonito trabalho, inundado de luz e de delicadeza. Uma história irlandesa, contada com muita ternura, no cenário da Quinta de Sant’Ana, outro dos fornecedores seleccionados SB.

Um casamento irlandês em Lisboa traz-nos sempre sentimentos de felicidade e festa. A Kate e o Einde trouxeram ainda mais: trouxeram sorrisos incríveis e elegância.

«Em Portugal, o nosso país de mar e sol, filmamos tantas outras nacionalidades e religiões. Depois de aprendermos sobre os rituais de cada cultura, a essência é a mesma – nervos ao início do dia enquanto se preparam para o momento de dizer sim, emoção na troca de alianças e muitos romance na hora em que levamos os noivos para fazer umas imagens bonitas e para finalmente estarem juntos e (quase) sozinhos no seu dia de casamento.»

Acrescenta a Vanessa: «Planear um casamento noutro país é como planear férias com todos os teus amigos e família. Há alguns contratempos mas vale sempre a pena. Especialmente quando o sol aparece e estão em Lisboa. Podem alugar uma casa ou um apartamento, juntarem-se para sair à noite ou fazer um churrasco no dia a seguir ao casamento!»

 

 

Créditos:

 

vídeo: Vanessa & Ivo
fotografia: The Framers
espaço, decoração, bolo, flores: Quinta de Sant’Ana
vestido da noiva: Theia Couture
música ao vivo: The Cottas Club

 

Vale a pena passearem por todos os trabalhos que já vos mostrámos da Vanessa e do Ivo, e ainda lerem a entrevista que o casal deu à Susana aqui há uns tempos. E falem com eles sobre o vosso dia e a forma como gostariam de ver a vossa história contada.