Created with Sketch.
Susana Pinto

Dicas para casar: animais de estimação no casamento

Nas dicas para casar de hoje vamos falar sobre os animais de estimação no casamento: os nossos queridos amigos patudos!

Num dia tão especial, o que fazer com os animais de estimação que nos acompanham em todos os momentos da nossa vida? Deixá-los de fora, esquecidos em casa? Entregá-los a alguém menos próximo que possa tomar conta deles durante todo o dia e noite? Deixá-los num hotel com aqueles olhinhos tristes e inquisidores?

 

Nada disso, os nossos bichos podem e devem juntar-se à festa e vamos explicar-vos tudo, com a ajuda da Sóanimarte!

 

Por estes dias, todas as recomendações apontam para cerimónias mais contidas e ao ar livre – ora este é o cenário perfeito para incluirmos os nossos amigos de quatro patas, e até os amigos dos nossos amigos (se forem amigos também!).

Falámos sobre convidados caninos com o Tiago Simões, da Sóanimarte, que dispõe de um inovador serviço de DogSitting:

Sim! Wedding DogSitting, ou seja, babysitting de cães. Os patudos são cada vez mais os filhos da relação e queremos que se sintam assim no dia mais feliz das vossas vidas. Agora já podem levar o vosso amigo mais fiel para a festa do vosso casamento. – Tiago Simões

E como é que isto se processa?

O serviço da Sóanimarte é sobretudo direccionado para os cães dos noivos – mas pode ser aberta uma excepção para algum patudo demasiado próximo da família para ser deixado de fora num dia tão importante: «Tivemos, por exemplo, um DogSitting no Clube Universitário do Porto com quatro cães», conta-nos o Tiago. «Os dois cães dos noivos e os dois cães da mãe da noiva. Como já se conheciam todos, foi muito tranquilo.»

 

Animais de estimação no casamento - serviço de dogsitting com a Animarte

Para que as coisas corram bem, há uma série de regras a cumprir e precauções a tomar. O objectivo é garantir o bem-estar e supervisão dos patudos, pelo que a Sóanimarte disponibiliza uma ou duas pessoas responsáveis e capazes de acompanhar os cães, garantindo que estes estejam atentos aos momentos-chave do grande dia.

 

O trabalho de casa começa antes do casamento propriamente dito, conta-nos o Tiago Simões:

«É muito importante, e por isso obrigatório, conhecermos o cão antes do dia (e o cão conhecer-nos a nós!), para avaliarmos o seu nível de stress e para nos podermos todos acostumar uns aos outros, claro. No caso de os vossos bichinhos estranharem sítios novos, sempre que possível deverão levá-los também a conhecer previamente o espaço onde decorrerá a festa.

Não excluímos nenhuma raça à partida, mas reforçamos sempre junto dos noivos, que conhecem o seu patudo como ninguém, que é importante manter toda a gente em segurança (convidados, o Dogsitter e o próprio cão). Se um cão demonstrar algum índice de agressividade, um tipo de evento desta envergadura só poderá potenciar essa tendência, pelo que aconselhamos os noivos a ponderar bem a sua presença.»

 

Animais de estimação no casamento - serviço de dogsitting com a Animarte

Cumpridos estes passos, chega a hora de preparar o cenário. Antes de mais nada, certifiquem-se sempre, junto dos responsáveis dos espaços onde decorrerá o vosso dia, se têm permissão para levar cães convosco. No espaço da festa, será preparado um cantinho especial onde os animais se sintam mais do que em casa e muito mimados. Para tal, é importante que os donos levem os objectos pessoais dos cães: a cama ou manta preferidas, um ou outro brinquedo e a sua comida habitual.

 

O serviço da Sóanimarte para acomodar os animais de estimação no casamento é disponibilizado num pacote de dez horas (que pode ser prolongado, mediante ajuste no orçamento, caso necessário).

Vão buscar o patudo a casa e devolvem-no também a casa ou onde irão pernoitar, no final do dia,  podem começar a sua intervenção apenas na igreja ou no local da festa. Tudo isso será ajustado de acordo com a vontade, escolhas e necessidades de cada par de noivos.

 

Por norma, o serviço inclui uma pessoa – apenas nos casos de mais do que um cão de porte médio ou grande é que a Sóanimarte sugere que estejam duas pessoas sempre presentes. E os DogSitters estarão sempre atentos às necessidades dos animais, quer seja protegendo-os do entusiasmo dos convidados (sobretudo os mais pequenos), para que não se enervem, quer seja proporcionando-lhes momentos de passeio e mudanças de ambiente, sempre que sintam que há necessidade disso.

 

Animais de estimação no casamento - serviço de dogsitting com a Animarte

Há ainda alguns detalhes com uma graça extra: podem disponibilizar a trela e a coleira dos vossos amiguinhos à Sóanimarte para que sejam personalizadas, de acordo com as cores ou o tema da vossa festa; e existe também a possibilidade de, através de uma câmara GoPro, obterem um registo do vosso casamento como se fosse pelo olhar do vosso bichinho de estimação. Esta última oferta ainda está em fase de testes, mas estamos desejosos de ver os primeiros resultados.

 

Se os vossos bichos felpudos estão sempre presentes nos momentos importantes da vossa vida, não há razão nenhuma para fiarem de fora no mais bonito dos dias.

Falem com a Sóanimarte e combinem com o Tiago Simões todos os pormenores. Com a correcta preparação prévia, todos os elementos importantes da vossa vida estarão presentes neste dia tão especial!

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

Susana Pinto

Dicas para casar: o bolo dos noivos

Começamos a semana em modo doce, com um artigo dedicado ao bolo dos noivos.

Para vos explicar tudo sobre o processo e vos ajudar a tomar as melhores decisões, conversamos com a Cláudia Almeida, a cake designer por detrás da Pitada d’Amor, apaixonada pela doçaria mas com um fraquinho especial pelos casamentos – provavelmente por ser uma romântica incurável!

 

Comecemos: quando devem os noivos começar a pensar no bolo para o casamento? Segunda a Cláudia, logo que tenham marcado a data e definido o espaço onde irão celebrar o vosso dia. É frequente que este assunto seja um pouco descurado, mas a verdade é que um bom cake designer costuma ter a agenda bastante preenchida: no caso da Pitada d’Amor, há marcações feitas com um ano de antecedência – o que significa que a agenda está sempre bem composta.

No início da época falámos por aqui sobre como escolher os melhores fornecedores para o vosso casamento. Retomamos essa lista de boas práticas, para que processo de escolha do vosso cake designer seja produtivo e guloso.

 

A partir do momento em que passarem à fase de contactos e pedidos de orçamentos, tenham presente que, para calcular um valor, é importante saber o número de pessoas que o bolo irá servir, a massa e recheio que preferem, e os seus “acabamentos”, ou seja, o exterior, onde estão incluídas o tipo de cobertura (creme ou pasta de açúcar, lisa, texturada ou pintada), a decoração (frutas frescas, flores naturais, flores em pasta de açúcar, folha de ouro, frutos secos, e outras gulodices, como macarrons ou suspiros), e acessórios, como um topo de bolo.

 

Todos estes elementos e as suas infinitas combinações terão um papel no orçamento final, e as contas não se fazem ao quilo. Um bolo para cinquenta convidados pode ser, facilmente, mais caro do que um bolo que serve oitenta porções: basta que o primeiro seja todo trabalhado com flores de açúcar, com pintura manual, e o segundo seja um simples naked cake, decorado com morangos frescos. Mais do que a diferença nos ingredientes e na dimensão, as horas de trabalho aplicadas a um e a outro, na sua finalização, serão a maior diferença, com o respectivo impacto no preço final.

 

Bolo dos noiivos decorado com flores naturais, feito por Pitada D'Amor Bolo dos Noivos com flores naturais Bolo dos noiivos decorado com flores naturais, feito por Pitada D'Amor

O tamanho do bolo decide-se em função do número de fatias que deve servir: «Em termos de design, há quem prefira bolos mais altos e mais estreitos, enquanto que outras pessoas escolhem bolos mais baixos e mais largos… o importante é irmos de encontro aos seus gostos», lembra a Cláudia. «Acontece muito pedirem-me bolos de esferovite, em que só andar de cima é verdadeiro.

Em termos de sabores, gosto que os noivos façam prova para ambos concordarem quanto ao que pretendem. Quando querem um sabor mais fresco ou mais requintado eu faço as minhas sugestões, mas prefiro sempre que sejam os clientes a tomar a decisão final. O bolo deve reflectir a personalidade do casal, não só visualmente mas também no seu interior.»

 

Já que falamos de sabores e de preferências, aproveitamos para lembrar uma questão muito importante e que, muitas vezes, é subvalorizada: a adequação dos ingredientes do bolo ao clima . A Pitada d’Amor recebe muitos pedidos de bolos red velvet com recheio de queijo creme e cobertura de pasta de açúcar. Ora, o queijo creme, tal como a fruta fresca, necessita de frio, mas o uso de pasta de açúcar impede que seja conservado no frigorífico, porque a humidade não combina demasiado com este ingrediente, o que torna esta combinação desaconselhada.  E as regras de segurança alimentar ditam que o bolo dos noivos seja mantido no interior, em local fresco, até à hora de ser servido.

 

Apesar de ser normal que tenham as vossas ideias sobre aquilo que gostariam de ter no bolo do vosso casamento, é importante que ouçam os conselhos dos profissionais. A Cláudia Almeida, por exemplo, prefere não correr riscos com sabores ou ingredientes que não lhe sejam familiares: «Tenho primeiro de ter 100% de certeza e confiança de que é bom e que resulta. Faço primeiro, provo e os noivos provam também para me darem a sua opinião. Só quando todos concordam é que sigo em frente.»

Isto não quer dizer que os vossos pedidos não sejam tidos em conta: «Lembro-me de uns noivos que me pediram bolo de laranja com curd de laranja e ganache de chocolate branco. Fiquei petrificada, tenho a certeza que foi essa a expressão que fiz! Disse-lhes que tinha de provar primeiro para ter a certeza e fiquei deslumbrada com o sabor. Não era de todo uma combinação que pensasse possível!»

 

Macarrons de chocolate branco Pitada d'Amor Bolo dos noivos simples Bolo dos noivos decorado com alecrim e alfazema

Pode haver especificidades que vos obriguem a estreitar as opções do vosso cake designer – mas não temam, que um bom profissional saberá sempre como obter o melhor resultado possível dentro do universo em que estiver a trabalhar. Um exemplo disso é a alimentação vegan. A Cláudia Almeida costuma fazer pesquisa e testar receitas vegan, para ter a certeza de que estará preparada se alguém lhe pedir um bolo de casamento livre de ingredientes de origem animal.

 

Outro caso é o das intolerâncias alimentares ou alergias. «Esta é uma situação extremamente delicada», salienta a Cláudia. «É importante saber se estamos perante uma leve alergia ou uma intolerância grave. No caso da doença celíaca, por exemplo, o cake designer tem que garantir que o seu espaço está isento da contaminação com glúten. Todos os utensílios terão de ser exclusivos para o manuseamento de produtos sem glúten. O forno deve ser exclusivo também, caso contrário ocorre uma contaminação cruzada. Pode parecer exagero, mas o bem-estar do cliente é o mais importante. A segurança alimentar sempre em primeiro lugar!»

 

Definidos os sabores, passemos agora à decoração do bolo. Se há casos em que é válida a expressão “os olhos também comem”, certamente que o bolo dos noivos é um deles!  «Geralmente os noivos trazem muitas ideias, sobretudo coisas de que gostaram num bolo ou noutro. Aviso sempre que nunca copio bolos, dou sempre o meu toque pessoal, o que torna cada bolo único. Procuro perceber exactamente o que lhes agrada, conhecer um pouco da sua história, dos seus interesses. E depois tento chegar a um projecto harmonioso.»  

É sempre um bocadinho de mim que está naquele bolo. Dos melhores elogios que já tive foi quando me disseram que olham para um bolo e não precisam de ver a imagem do logotipo para saber que é uma criação minha. Acho que qualquer artista gostaria de ouvir estas palavras. É como se tivesse a minha assinatura e isso deixa-me extremamente feliz. – Cláudia Almeida

Uma questão com que a Cláudia Almeida se debate constantemente é o uso de flores verdadeiras e não comestíveis nos bolos. Muita gente não saberá, mas em Portugal é proibido usar flores naturais nos bolos, com excepção das certificadas para consumo – todas as outras são tóxicas e tornam o bolo tóxico. «Para mim não há nada como as flores de açúcar que são feitas à mão, pétala a pétala. Revelam imensa arte e, quando bem conservadas, duram muito tempo, servindo de recordação do dia do casamento.»

 

Cupcakes Pitada d'Amor Bolo dos noivos decorado com Aguarela Pitada d'Amor Cake Designer

Já aqui dissemos mais de uma vez que é comum os noivos terem algumas ideias acerca do que pretendem para o seu bolo. Mas e se não tiverem nenhuma? Tudo bem na mesma: «Procuro entender aquilo de que o casal gosta, muitas vezes peço para ver os convites, o tipo de decoração que irão ter, qual o espaço, a paleta de cores. Inspiro-me em todos esses pormenores e mostro as minhas ideias. É um processo que demora um pouco, mas o bolo deve ser a caracterização dos noivos, de todo o seu amor e união. Deve reflectir a personalidade e identidade do casal.»

 

Quando se chega à forma e ao sabor final, está o assunto tratado – pelo menos, até à data do casamento. Porque no grande dia há outra questão muito importante que se levanta: o transporte: «Aviso sempre os noivos de que os bolos de casamento têm de ser montados no local», lembra a Cláudia Almeida. «O transporte é um enorme desafio, e o melhor caminho é transportar o bolo em partes e montá-lo já no espaço onde decorrerá a festa. Muitas vezes, a decoração também só é feita no momento, como é o caso de peças em glacé real.»

 

Todos os cake designers têm um “kit de emergência” para o caso de ser necessário algum retoque de última hora. Como já aqui referimos, o bolo deve ficar num local fresco e seco até ao momento do corte. Para que tudo corra na perfeição, deverá existir uma boa comunicação entre o cake designer e os elementos do espaço do vosso casamento – por isso, assegurem-se de que fazem as devidas apresentações e de que não há qualquer tipo de mal-entendido.

Normalmente, os profissionais de catering sabem como cortar um bolo de casamento, mas a Cláudia Almeida procura sempre mostrar o seu esquema de corte: «Há bolos que são muito altos, com 15cm de altura ou mais, e não se cortam da mesma forma que um bolo com 7cm de altura.» 

Depois de garantido o transporte, o acondicionamento adequado e a melhor técnica para o corte, a missão do cake designer está cumprida.

Tenho consciência que que os bolos de casamento são os que mais gosto de fazer. Já me disseram que o auge do meu trabalho são os bolos de casamento. Gosto que o cake design transmita emoções. É tão bom marcarmos a vida das pessoas desta forma! Se posso fazer os outros um pouco mais felizes, então eu sou, sem dúvida, uma pessoa muito feliz. – Cláudia Almeida

Esperamos ter-vos despertado o apetite. Agora começa o vosso trabalho de pesquisa. Informem-se bem, contactem os profissionais com que mais se identificarem e sigam os conselhos de quem mais sabe deste assunto. Assim se reúnem os ingredientes para um doce resultado!

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

Susana Pinto

Dicas para casar: a maquilhagem da noiva

Hoje falamos sobre maquilhagem de noiva nas nossas dicas para casar, sempre às segundas-feiras.

 

A maquilhagem da noiva é assunto importante e deve ser abordado com a devida atenção e tempo, dois fundamentais aliados.

A primeira recomendação é directa e simples: escolham um profissional.

As razões são várias e simples: é um dia muito longo, muito emotivo e com muitos beijos, abraços e algumas lágrimas. É um dia com muitos nervos e pouco tempo. São as imagens deste dia que vão ficar guardadas para sempre. Razões muito razoáveis, verdade?

 

Acreditamos muito na ideia de que a maquilhagem nos dá uma versão polida, apurada, de nós próprios – isso de “dar um jeitinho” não existe e um resultado bonito, orgânico, confortável e duradouro só é proporcionado por quem sabe o que faz: resulta de formação específica, horas de prática, produtos de qualidade, um sorriso pronto, atitude positiva e uma calma e tranquilidade a toda a prova, capazes de acalmar os nervos da noiva mais sensível.

 

Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz

Os melhores profissionais serão sempre os primeiros a ser contratados, e mesmo sendo possível acomodar mais do que um cliente no mesmo dia, a antecedência será sempre uma boa companheira nesta aventura: com data marcada, e ideias principais em ordem, a procura da equipa de maquilhagem e cabelo acompanham a do vestido. Outra razão adicional para este contacto ser feito no início, prende-se com a possível necessidade de tratar a pele, para que no grande dia esteja esplendorosa, bem hidratada e preparada para ser maquilhada.

 

Mantemos os princípios de que falamos sempre, no que toca a seleccionar um profissional de maquilhagem de noiva: façam uma busca pela internet, troquem impressões com as amigas que recorrem a este serviço com frequência ou com a amiga noiva que casou recentemente. Espreitem os respectivos portefólios e, caso vos agrade, entrem em contacto, com algum detalhe.

Façam uma selecção de cinco fornecedores e consultem três, sem esquecer de especificar a data e hora, local (cidade e onde a noiva se vai arranjar), e para quantas pessoas será o serviço (pode incluir, ou não, a mãe da noiva, a madrinha, a irmã, as amigas, e até o noivo – em caso de dúvidas sobre este assunto, basta perguntar, um tapa-olheiras ou um hidratante podem fazer uma diferença substancial!).

 

Ao receberem as respostas ao vosso contacto, deverão analisar os diferentes valores propostos, questionar cada fornecedor acerca da sua experiência e formação, analisar o portefólio com mais detalhe, esclarecer questões e fazer uma escolha consciente, com calma, sem pressão e sem dúvidas. Entrem em contacto telefónico e iniciem esta relação de confiança, que será longa e muito pessoal. O processo terá início com uma pequena consulta e um teste de maquilhagem. É o primeiro contacto com o profissional que estará convosco umas boas horas, no início do processo, quando os nervos estão em crescendo, e é a oportunidade ideal para conversar um pouco, conhecer gostos, ficar a par de ansiedades e trabalhar pormenores mais técnicos: tipo de rosto, tipo de pele, tipo de cabelo, corte, cuidados necessários.

Vai falar-se de intimidades e delicadezas, de sonhos, de vestidos, de bouquets, da visão para o grande dia. Vão ser dados bons conselhos e instruções. Há espaço para experimentar e corrigir, e mostra-se (com garantias), o que será o resultado final.

 

Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz Makeup de noiva com Ana Branco, da Pó de Arroz

Se a disponibilidade ou a distância não permitem este breve encontro, uma conversa séria e calma, com muitas perguntas e respostas, irá gerar a confiança necessária para que tudo corra como deve.
Portem-se bem e sigam as sugestões dadas, no que toca a cuidados de beleza: um bom produto faz magia, mas uma pele e um cabelo cuidados são a melhor matéria prima que se pode ter, o tempo para os tratar, cuidar e preparar pode ser muito relevante, com consequências visíveis no resultado e durabilidade da sua aplicação.

 

Nas semanas anteriores, deliciem-se com um SPA integral num sítio com pinta (é meio caminho andado para se sentirem muito especiais, e é digno da ocasião): exfoliação corporal, limpeza de rosto, tratamento para o cabelo, tudo a que têm direito, seguindo as instruções dos vossos profissionais seleccionados. Mimem-se.
Nas vésperas, pés e mãos fecham o processo de beleza. Guardem tempo para uma massagem relaxante, fará diferença e é maravilhoso! Para fechar a lista, no dia, peçam à vossa melhor amiga que zele por vocês, relembrando, se for caso disso, para retocar o batom.

 

Voltamos a lembrar a importância das sinergias bem sintonizadas: no dia, há vários profissionais a trabalhar em simultâneo, em espaços pequenos e muita emoção no ar. Recebam todas as partes, apresentem-nas, criem bom ambiente para que tudo flua e ninguém se atropele. Acertem os detalhes previamente, troquem horários, moradas, dicas de acesso e contactos entre as várias equipas. Tenham a vossa (fada) madrinha por perto (que poderá fazer as honras da casa), disponível, atenta e tranquila.

 

E, como na prova do vestido, mais do que três companhias durante os preparativos da noiva é uma multidão. Os profissionais precisam de estar concentrados – e vocês, de relaxar e dominar os nervos. Isolem-se numa divisão confortável e espaçosa da casa (ou do sítio escolhido para o efeito), escolham uma música simpática e gozem o momento. Demorará o tempo necessário, que é algum (contabilizem esse momento, sem pressas, no plano do dia), por isso o conforto é essencial: uma boa cadeira, uma fonte de luz natural (para a maquilhadora), tomadas eléctricas e extenções (para a cabeleireira), e qualquer coisa para ir trincando e bebendo, enquanto a magia acontece.

 

 

As imagens são da Pó de Arroz – passem pela sua ficha de fornecedor, espreitem a galeria e entrem em contacto com a doce Ana Cristina Branco. Ela vai adorar conhecer-vos!

 

Acompanhem as nossas dicas para casar, sempre à segunda-feira.

Susana Pinto

Dicas para casar: vantagens de casar fora de época

Hoje falamos sobre as vantagens de casar fora de época.

Com todo o contexto que estamos a atravessar, a grande pergunta do ano tem sido “…e adiar para quando?”

Porque 2021 já estava ocupado em grande parte, sobram poucas datas “interessantes” para quem se viu confrontado com este tsunami de imprevistos, e a gestão desse adiamento tem sido um assunto difícil e sensível para a relação noivos/fornecedores. Mas hoje vamos olhar para isto de outra forma: o que é uma data “interessante”?

 

A resposta automática será, quase de certeza, o verão. Porque está calor e adoramos o ar livre, porque estamos mais relaxados, porque é um período de férias, praia e reencontros, porque os dias são maiores e a luz é bem bonita, e mais uma série de razões, mais ou menos de peso. A época, como a conhecemos, começará em fim de Abril e terminará a meio de Outubro.

Então e o resto do ano, não conta? Bom, claro que conta, e há, de facto, muito charme a descobrir nestes meses mais frios, dias mais curtos e cinzentos. Tudo depende da vossa perspectiva, da forma como querem celebrar este dia e da vossa disponibilidade para abrir horizontes e deixar cair a norma, o que sempre se fez, o cliché.

 

Se o verão foi rei até agora, está na altura de baralhar e voltar a dar, e é sobre casar fora de época que falamos nas nossas dicas para casar de hoje.

 

Decoração de casamento de inverno Vantagens de casar fora de época Vantagens de casar fora de época

Casar fora de época equivale a marcar a mais bonita data nos restantes meses, do fim de Outubro ao início de Abril, ou num dia de semana.

Existem neste calendário secundário alguns factores muito interessantes a considerar: o preço dos serviços, que pode ser mais competitivos, porque havendo menos procura é natural que o preço seja mais simpático, mais disponibilidade de agenda por parte dos fornecedores e, não menos importante, mais frescura de ideias, porque os profissionais estarão menos cansados e sobrecarregados de trabalho.

 

Quando dizemos que os valores podem ser mais competitivos, isso não significa, literalmente, um preço mais baixo – até porque as condições e necessidades são exactamente as mesmas, para pôr um casamento a mexer, seja de verão ou de inverno. No entanto, a oferta de valor será, certamente diferenciada: estudem o assunto, façam perguntas, discutam e negoceiem a oferta e condições, de forma a que ambas as partes encontram uma proposta valiosa para todos. Se tudo converge, é sinal para avançar.

 

Se a comida não tem época, no que ao preço diz respeito (uma ementa custa o mesmo no verão e no inverno, o que muda são os ingredientes e pratos), o mesmo pode não se aplicar ao espaço, desocupado durante os restantes meses (atenção ao calendário corporativo, que é muito activo na altura do Natal, com festas e jantares de empresa). Essa perspectiva poderá levar a uma proposta bem simpática e à oportunidade de ter um serviço mais cuidado e dedicado: um empregado só para os vinhos, um bar mais elaborado.

Bom senso e empatia serão os vossos maiores predicados para uma boa negociação!

 

Vantagens de casar fora de época Vantagens de casar fora de época Vantagens de casar fora de época

Não conseguem deixar de pensar que uma festa ao ar livre teria outra graça? Isso não é uma extravagância, é possível durante muitos meses, com os devidos ajustes, talvez apenas muito improvável entre Novembro e Fevereiro, mas já vimos acontecer.

 

Ainda assim, valerá a pena arriscar um dilúvio a céu aberto? A solução mais sensata será escolher um espaço fechado com um pequeno jardim ou janelas generosas com uma vista bonita (e com estas características, há tanto por onde escolher…!). Uma festa bem iluminada com a chuva a bater lá fora ou uma paisagem dramática cheia de uma bruma enevoada é todo um charme! E já que estamos a falar de ambientes, falemos da decoração também. Se sugerimos que casar fora de época pode ser mais simpático em quase tudo, a decoração não fica de fora. Iluminação bem pensada, louça e atoalhados requintados, mobiliário de muita qualidade, muito aconchego, conforto e cores ricas são os pontos mais importantes para surpreender os vossos convidados com uma noite passada em pura sofisticação. Agora, atenção: as flores vão custar o mesmo que no verão (e talvez um pouco mais, se excluírem as espécies da época), e as horas de concepção do projecto e de montagem terão também o mesmo valor.

 

Uma nota importante: terão menos horas para registar imagens com luz natural e certamente terão de tirar partido dos interiores. A decoração será fundamental para criar cenários bonitos e muito fotogénicos – os vossos fotógrafos e videógrafos irão apreciar esta atenção ao detalhe.

 

Decoração de casamento de inverno

Casar fora de época

Decoração de casamento de inverno

Se casarem na cidade, tirem partido da imensa oferta de espaços bonitos, jardins frondosos, arquitectura esplendorosa e bulício próprio como fundo sonoro. Escolham um hotel chique e moderno para a recepção e desloquem-se a pé – parem no carrinho das castanhas, apanhem um táxi para a festa, se for caso disso, passem pelo quiosque e bebam uma ginginha – desfrutem do passeio e aproveitem esses óptimos momentos para belas imagens.

 

Agora, se o vosso cenário de eleição é mais bucólico – e se o vosso orçamento lá chegar – escolham um espaço com charme (com capela própria, por exemplo) e apostem num jantar maravilhoso. No dia seguinte, despeçam-se em grande com um brunch suculento, animado e caloroso: é uma ideia verdadeiramente feliz! Podem transpôr este cenário para uma propriedade de família, caso exista.

 

Para armar o baile, não descurem um bom DJ e preparem espreguiçadeiras com mantinhas e xailes sempre à mão. Façam uma generosa fogueira exterior e montem uma mesa de bebidas quentes ou uma aguardente poderosa da região. Luzinhas e velas por todo o lado e garantimos que os vossos convidados não terão vontade de regressar a casa e que esta noite espectacular ficará na memória de todos, por muito tempo. Para quem parte apenas no dia seguinte, preparem um pequeno-almoço tardio com sabor a campo: mesa corrida, café forte, pão local acabado de cozer, bolinho caseiro, algo salgado e ovos frescos. Distribuam beijinhos e digam adeus.

 

Seja qual for a escolha, não descurem estes dois detalhes: o aquecimento, portátil ou da casa, terá que existir; e um bengaleiro será indispensável, terão convidados bem vestidos, mas igualmente bem encasacados.

 

Decoração de casamento de inverno Vantagens de casar fora de época

Vantagens de casar fora de época

Com os dias mais cinzentos e menos luminosos, é boa ideia tirar partido de cores mais ousadas e interessantes. Ignorem as paletas clarinhas do verão e comecem a pensar em cores intensas, rubis, esmeraldas, turquesas, dourados e acobreados, para aquecer o ambiente. Isto vale para tudo, para o que irão vestir, para as flores, para a decoração, para os acessórios e adereços.

Quanto a flores… esqueçam as peónias, este é o tempo das anémonas, dos ranúnculos, dos jacintos, dálias e crisântemos, das heras e folhas de magnólia; troquem o cetim por fitas de gorgorão ou veludo e de repente terão nas mãos uma fantástica e sofisticada labareda de cor, ousada e para lá de elegante. A palavra de ordem é sofisticação e dress code incluído num convite bonito só vai gerar sorrisos e interesse! Aproveitem para usar as jóias da família, demasiado pesadas para o verão, apropriadíssimas para uma festa dentro de portas. E os rapazes não ficam atrás, que tudo isto pede um charme irrepreensível. Que tal um smoking de colarinho aberto ou um fato escuro? Não esquecer o lencinho no bolso, discreto, em vez da habitual boutonnière.

 

Por hoje, é tudo. Avaliem bem as potencialidades do calendário inteiro, usufruam da qualidade e disponibilidade da oferta de fornecedores e serviços e tirem partido das características mais especiais da primavera, do outono ou até mesmo do inverno – afinal, uma sala acolhedora com lareira e uma tempestade lá fora pode ser tão agradável! Casar fora de época deixa de ser um tabu!

 

Acima de tudo, não é o cenário que faz a festa, são as pessoas que temos connosco na partilha do amor que nos une!

 

Via Nouba, com fotografia de Lauren Campbell, vestido James Coviello, coroa Viktoria Novak e flores de Fleur and Threads.

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

Susana Pinto

Dicas para casar: escolher as músicas para o casamento

Nas dicas para casar de hoje, vamos falar sobre as escolhas musicais para o casamento, e connosco temos a Your Jukebox.

 

A música é um dos principais ingredientes de uma boa festa e a banda sonora do mais bonito dos dias, dos seus vários momentos que marcam o compasso da história e que culmina com a grande festa, é um assunto que merece muito a vossa atenção.

O dia terá vários momentos distintos, com mais ou menos formalidade, com mais ou menos emoção, com mais ou menos intensidade, e todos eles são uma componente da narrativa, escalando a emoção até ao sim, e, depois, navegando o mood até ao nascer do sol, em caso de festa rija.

 

E se é um factor tão importante, para a fruição e memória do dia, vamos tratá-lo com o relevo que merece. Já sabem que os bons profissionais de animação para casamentos têm a agenda bastante carregada, por isso vão querer começar a contactar os candidatos com antecedência e há aqui muito trabalho a fazer em conjunto, que se vai definindo com a aproximação da data e é necessário respiro para construir o melhor plano.

 

DJ a pôr música em casamento e convidados a dançar Jukebox - DJ para casamento

E começar por onde? Pela pesquisa, aconselha a Jukebox:

«Antes de dirigirem um pedido de informação aos profissionais que estão a considerar, façam uma pesquisa sobre os mesmos. Ao fazer a abordagem, demonstrem algum conhecimento e refiram precisamente quais foram os aspectos que despertaram o vosso interesse neste ou naquele projecto. Comuniquem de forma clara e objectiva quais são as vossas expectativas em relação à colaboração dos profissionais em questão na vossa festa.»

 

Estamos a falar de uma actividade complexa e específica, rodeada de termos técnicos e de nuances – como os horários de participação dos profissionais numa festa, o tipo de equipamentos que têm disponíveis, o grau de alinhamento prévio da prestação do serviço versus os pedidos de última hora. A primeira coisa a fazer será, então, pesquisar, conhecer os diversos tipos de serviços existentes e dominar algum do vocabulário associado.

E a segunda? Definir exactamente aquilo que vocês querem. Um coro clássico na igreja, o trio de jazz a receber os convidados na festa, uma pista de dança a ferver pela noite dentro? E a abertura da pista? E o corte do bolo? Desenhem cada momento e visualizem (ou, melhor, ouçam com atenção) a música que os acompanhará na perfeição.

 

Repetimos os nossos conselhos habituais: seleccionar, cinco fornecedores, contactar três. Não adianta nada enviar e-mails impessoais a vinte fornecedores, porque nem eles serão capazes de vos responder com rigor sem informações detalhadas, nem vocês poderão avaliar o grau de adaptabilidade, de sintonia e de empenho do lado de lá.

Nesta comunicação, incluam sempre a data, o local previsto, o número aproximado de pessoas e algum detalhe sobre o que têm em mente. Não descurem a marcação de uma reunião à posteriori:

«Tendo em conta que haverá certamente muito vocabulário técnico nas trocas de impressões, uma boa solução pode passar por solicitar o agendamento de uma reunião e pedir ao profissional que explique, em linguagem comum, o que representam todos os aspectos da prestação de serviços.»

 

Partindo da ideia inicial que têm para o vosso dia, sentem-se à conversa: nesta troca de ideias, haverá espaço para o conhecimento profissional ser bom conselheiros e os gostos pessoais e sonhos comandarem a direcção. Deste encontro de vontades e competências, vai sair a banda sonora do vosso dia.

 

Jukebox - DJ para casamento Jukebox - DJ para casamento

Jukebox - DJ para casamento

Uma das variáveis que encontrarão neste tipo de serviços é a do horário de presença dos profissionais na festa. Isto é importante?

Para a Jukebox, sim: «Em Portugal, dependendo de uma série de factores, um casamento terá cerca de 12 horas de período útil, ou seja, 12 horas de aproveitamento real pelos anfitriões e convidados. Tendo isto em mente, faz sentido estabelecer os períodos de participação e as fases em que se inserem os diferentes fornecedores, acautelando os tempos de cada um. E o facto de se ter um período acordado com um limite previamente definido pode até potencializar o melhor aproveitamento desse serviço, saindo assim valorizada a prestação dos vossos fornecedores e, em última análise, a vossa festa.»

 

Faz sentido, de facto. Estamos a falar de pessoas, logo, de recursos de energia limitados. Não adiantará grande coisa contratarem um serviço sem limite de horas se depois os profissionais estiverem exaustos e se tornarem mecanizados ou repetitivos.  Ou de contratarem 12 horas de festa, quando nem vocês nem os vossos convidados não são party animals, e sairão após o jantar.

Planeiem o vosso dia tal como querem que aconteça e de acordo com a vossa natureza (e das vossas pessoas), pensem nos vários momentos que querem assinalar, da entrada da noiva, passando pela cerimónia, o cocktail, o corte do bolo do noivos e culminando com a abertura da pista, articulem com o espaço a questão dos horários e apresentem essa informação devidamente organizada aos profissionais de animação com que forem reunir.

Não se esqueçam de incluir as vossas preferências musicais e a caracterização do conjunto dos vossos convidados. Quanto mais informação transmitirem aos profissionais, melhor eles poderão ajustar o seu alinhamento ao perfil da festa que vocês desejam.

 

Este esforço de planeamento é recompensado com tranquilidade, no dia do casamento. Quanto mais detalhado for o trabalho prévio, quanto mais sintonizados estiverem os animadores com as vossas expectativas, mais se poderão libertar de preocupações no grande dia e serem simplesmente os anfitriões simpáticos e felizes.

Preparem com esmero a primeira dança, dando o devido relevo ao momento – seja qual for o vosso gosto musical! Façam-se anunciar e ao fim de alguns momentos, chamem os convidados à pista, envolvam-nos de forma feliz e divertida. Que tal combinar com o DJ uma música para os pais, outra para os padrinhos e ainda para os amigos? Façam as devidas introduções e convites para dançar e apresentem-nos com umas palavrinhas simpáticas.

Aqui, estamos a falar já de outra camada de detalhes, os mais especiais e queridos. Depois de contratado o vosso profissional de eleição e de definidas as guidelines para a animação musical de todo o dia, que tal surpreender a cara-metade com aquela canção? Ou surpreender os vossos pais, convidando-os para dançar ao som da música ‘deles’…  Ou aquela música das grandes noites de verão nas discotecas, que os vossos amigos vão reconhecer imediatamente?

 

Planeiem, planeiem, planeiem – improvisos de última hora e interrupções do alinhamento dos profissionais não são boa ideia para ninguém. Mas, com tudo devidamente arrumado com antecedência, o céu é o limite! E uma grande festa criará grandes memórias!

Ainda se lembram do primeiro passo? Pesquisar: e é aqui que devem começar.

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

 

 

Susana Pinto

Dicas para casar: como escolher a lingerie para o casamento

Como escolher a lingerie para o casamento?

Nas dicas para casar de hoje é sobre isso que falamos. Pode, à primeira vista, parecer um assunto simples, mas para as meninas que não usam um comum 34 B, é toda uma outra história, e bem desafiante!

 

Já aqui vos falámos em detalhe sobre a escolha do vestido de noiva. Pois bem, o vestido é o centro em torno do qual tudo o resto se vai articular. O que se vê e o que não se vê. Aqui referimos a importância de fazer a primeira prova com soutien liso e sem alças, de preferência de cor neutra. Depois de escolhido o vestido de noiva – e antes das próximas provas -, é o momento certo para irmos às compras da roupa interior mais adequada ao modelo de vestido escolhido e ao vosso corpo. O conforto é uma prioridade, mas também a funcionalidade (um bom suporte), num dia tão longo e intenso.

 

Para um conjunto de bons conselhos, contámos com a ajuda preciosa da Ana Morais, da Dama de Copas, a marca que trouxe o assunto bra fitting para o quotidiano feminino. Nada como ouvirmos os insights de quem sabe muito sobre isto, para vos ajudarmos a fazer escolhas certas (e bonitas!).

 

Bra fitting é o nome dado pela Dama de Copas ao seu serviço gratuito de aconselhamento. No caso das noivas, o assunto será a escolha do soutien certo para o vestido de noiva e restante lingerie para o casamento, mas também para a noite de núpcias e a lua-de-mel (e ainda dicas sobre como cuidar da zona do decote para uma pele deslumbrante no grande dia).

 

Seja em que formato for, não se esqueçam de levar convosco bastantes imagens do vestido de noiva, para que a consultora possa orientar as vossas escolhas dispondo do máximo de informação possível. Se ainda não tiverem escolhido o vestido, serão igualmente bem-vindas! Aliás, uma coisa que poderá surpreender-vos é a seguinte recomendação das especialistas. Para que cada noiva saiba quais as melhores opções para si e para o seu peito, em qualquer ocasião, a Dama de Copas aconselha a que experimentem a lingerie antes de escolherem o vestido e, assim saberão as opções mais adequadas para o vosso corpo, enaltecendo a sua silhueta, mantendo o conforto.

 

Lingerie de noiva, com Dama de Copas Lingerie de noiva, com Dama de Copas A coleção está disponível em mais de 100 tamanhos diferentes com copas da A à K e costas entre o 28 e o 46. É inspirada e pensada para mulheres de todas as idades, de todos os tamanhos, e de todos os tipos de corpo: mulheres que ao descobrir o tamanho correto se apercebem que é a lingerie que se deve adaptar a si e a todas as suas vivências!

Corpos diferentes exigem soutiens diferentes e, da mesma forma, vestidos diferentes pedem soutiens diferentes. Um vestido cai-cai com decote em coração exigirá um soutien cai-cai mais decotado. Mas se for um vestido cai-cai direito, o decote já não é necessário e poderão optar por um soutien também ele direito. Se o vestido tiver alças o soutien também poderá ter, desde que se harmonizem umas com as outras, claro – e aqui terão a vantagem acrescida de ficarem com uma peça de lingerie que usarão mais frequentemente.

 

E se o vestido não tiver costas? Não se preocupem, que também há soutiens sem costas (e sem alças). Claro que isto interfere com o trabalho que o soutien faz, uma vez que as costas representam cerca de 80% do suporte. Dependendo da profundidade do decote nas costas, no entanto, pode ser possível adaptar um acessório ao soutien normal, tornando-o imperceptível mas completamente eficaz no suporte.

 

Perguntámos também à Dama de Copas se o vestido de noiva e a noite de núpcias eram um só assunto ou se implicavam escolhas e argumentos distintos:

«A noite de núpcias é única. É o culminar de toda a festa, preparativos e cansaço do casamento! É, também, a primeira noite de uma nova fase para o casal e, por isso, deve receber uma atenção especial. Existem certos detalhes de romantismo e delicadeza que somente peças como um body ou uma camisa de noite podem ter! O ideal é escolher-se uma lingerie específica para o vestido e dia do casamento e outra para a noite de núpcias. Na Dama de Copas existe uma alargada gama de peças desenhadas especialmente para a noite de núpcias e para a lua-de-mel, para que todos os momentos sejam únicos e tenham memórias específicas.

 

A lingerie para a noite de núpcias deve, acima de tudo, ser confortável e fazer com que a noiva se sinta sexy, bonita e confiante. Existem peças para todos os gostos: dos tecidos acetinados aos transparentes, dos modelos lisos aos repletos de renda, das camisas longas ou curtas aos conjuntos de top e calção – sem esquecer o clássico body! Assim, poderão escolher a opção que melhor se adapta a vocês e à vossa personalidade.

 

Lingerie de lua-de-mel, com Dama de Copas Lingerie de lua-de-mel, com Dama de Copas Lingerie de lua-de-mel, com Dama de Copas

E depois de escolhidas todas as peças a usar no grande dia e nos momentos mais importantes que o acompanham, outra questão se levanta: como cuidar e acondicionar a lingerie para que possa ser guardada e estar impecável quando for usada?

 

«A lingerie para o casamento deverá receber o mesmo tipo de cuidados que a restante lingerie: deve ser lavada à mão, com um detergente suave (não agressivo para os materiais e que não contenha amaciador) e secada à sombra. Quando guardada, o ideal é que esteja numa gaveta ou armário com pérolas de silica aromatizadas, que não só ajudam a controlar o nível de humidade, como também oferecem um aroma agradável às peças. Na Dama de Copas existe o Kit de Beleza, composto pelo Lingerie Wash e o Lingerie Fragrance, que permitem oferecer estes cuidados.

Para além disto, as peças devem ser armazenadas com cuidado. Os soutiens que tenham enchimento devem ser guardados abertos, sem que se dobrem as copas. Os restantes soutiens, quer sejam de copa mole ou moldada, podem ser guardados abertos ou com uma copa dobrada por dentro da outra, garantindo que as mesmas se encontram perfeitamente lisas e encaixadas. Todas as peças de noiva vendidas na Dama de Copas, como por exemplo camisas e robes, vêm com uma caixa própria para armazenamento, onde devem ser mantidas quando não utilizadas. Deve ser prestado um especial cuidado às peças brancas: estão sujeitas à alteração de cor por influência tanto de luz natural como artificial e, por isso, devem ser guardadas nas respectivas caixas, sem excepção! Desta forma permanecerão bonitas e com a cor original ao longo do tempo.»

 

Muito obrigada à Ana Morais e à Dama de Copas por estes esclarecimentos. Se tiverem alguma dúvida, contactem a loja mais próxima de vocês, serão atendidas com simpatia e competência, e também com todas as novas regras de higiene e segurança. E não se esqueçam da ideia que referimos no início do artigo: experimentar a lingerie antes mesmo de escolher o vestido pode vir a revelar-se na melhor aposta para garantirem que terão o máximo conforto no dia do casamento.

A Dama de Copas tem as suas colecções disponíveis em mais de 100 tamanhos diferentes com copas da A à K e costas entre o 28 e o 46. É inspirada e pensada para mulheres de todas as idades, de todos os tamanhos, e de todos os tipos de corpo: mulheres que ao descobrir o tamanho correto se apercebem que é a lingerie que se deve adaptar a si e a todas as suas vivências. Não deixem de lhes fazer uma visita!

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a trilhar este caminho até ao mais bonito dos dias, de forma sabedora e tranquila!

Susana Pinto

Dicas para casar: e se o tempo mudar de repente?

Nas dicas para casar de hoje, falamos sobre imprevistos: e se o tempo mudar de repente?

Passámos Março e Abril em casa, regressámos às camisolas de lã, choveu que se fartou e a uma semana de Junho parece que estamos todos de fim-de-semana num daqueles verões tórridos do Alentejo! Isto tudo para vos dizer que a improbabilidade das condições atmosféricas existe e ter um plano B quando estamos a planear um evento ao ar livre, é mesmo importante.

 

Na semana passada, quando vos mostrei um belíssimo casamento decorado pela Inspirarte na Pousada de Amares, foi precisamente isso que aconteceu.

Estava tudo planeado para uma bela cerimónia ao ar livre, no Claustro do Laranjal e em vésperas, toca a recolher para dentro de portas, replicando o mesmo ambiente mágico que estava nas expectativas e sonhos destes noivos. Estas mudanças repentinas, que parecem improvisadas, só correm bem quando os vossos fornecedores estão preparados e à altura da situação. E um bom profissional, maduro e experiente, saberá sempre levar tudo a bom porto: o resultado final e as expectativas iniciais dos noivos.

 

Vamos então falar sobre a mudança de planos (ou a importância de ter um plano B) quando o tempo promete instabilidade ou se altera de repente.

Sentamo-nos à conversa com a Joana Coelho, da Quinta da Quintã, que tem conselhos muito valiosos para vos dar – até porque a Quinta da Quintã tem um “plano de chuva” para que nenhuma surpresa climatérica possa estragar o brilho do vosso dia!

Hoje em dia, e cada vez mais, é complicado prever em antecipação o tempo que se vai fazer sentir na data escolhida com tanta antecedência para um evento. Mesmo os meses que costumavam ser garantia de dias de sol e noites agradáveis, já não são de fiar. – Joana Coelho

«O meu primeiro conselho para os noivos é que, na procura do local para a recepção, ponderem esta questão e escolham com alguma cautela um espaço que ofereça alternativas convenientes para um serviço ‘dentro de portas’, caso seja necessário. Espaços cobertos distintos para os vários momentos da festa, em que os convidados se sintam confortáveis, possam circular e mudar de cenário ao longo do dia (ou da noite, se for o caso), com boas condições térmicas e em que o espírito da festa que idealizaram seja penalizado o mínimo possível caso não possam depender do exterior.»

 

Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography

Assegurado este ponto, e se a previsão meteorológica não for favorável, Joana Coelho recomenda que se desenhe um plano B nas reuniões de planeamento do evento – «o que chamamos na Quinta da Quintã de “plano de chuva”» – para todos os momentos originalmente idealizados no exterior. O facto de se definir este plano com antecedência, e de se comunicar o mesmo aos intervenientes no evento, vai reduzir a tensão no dia e vai permitir que tudo se desenrole com a fluidez desejada. No caso de haver alguns serviços extra contratados exclusivamente para o exterior (como é o caso de fogo de artifício, sparklers, etc.), também é conveniente confirmar com antecedência quais as condições que os respectivos fornecedores oferecem para se alterarem ou até cancelarem os planos feitos. Assim, garante-se que não haverá dissabores no dia em que tudo se quer perfeito.

 

«No caso de haver crianças na vossa lista de convidados, estas não deverão ser esquecidas no planeamento do dia. Pode ser desafiante organizar jogos, brincadeiras e dinâmicas que não necessitem de tanto espaço quanto o que as crianças, quando estão todas juntas, exigem. A melhor forma será contratar animadores infantis que ajudem nesta tarefa e que os orientem ao longo do dia, e pensar num recanto giro para os acomodar. Para os mais pequeninos recomendo um berçário onde os pais possam refugiar-se de vez em quando ao longo da festa e que permita aos mais novos dormir uma sesta longe da confusão.»

 

Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography

Outro ponto que Joana Coelho considera muito importante, senão o mais importante, é a atitude dos próprios noivos, os anfitriões da festa:

«É essencial que se mentalizem de que o tempo é um factor que ninguém pode controlar e que não permitam que isso vos arruíne o dia. Antes pelo contrário, devem abusar da criatividade e boa disposição e tentar usá-lo como um ponto charneira para redefinir a festa e torná-la – porque não? – num casamento “de inverno” maravilhoso (os eventos de inverno são especialmente charmosos, acreditem!). Estou certa de que uma atitude positiva dos anfitriões perante a obrigatória mudança de planos vai ajudar e muito a que a festa seja um sucesso e a que os próprios convidados não sintam que se penalizou de alguma forma o plano original. Isto vai valer a recordação de uma festa fantástica, com uma excelente energia e algumas histórias divertidas de como o improviso tornou este e aquele momento ainda mais especial.»

 

Este improviso refere-se a alguns detalhes ou apontamentos que se podem acrescentar à última hora e que podem contribuir bastante para um evento inesquecível.

Imaginem que é um daqueles momentos de passadeira vermelha e contratem uma pequena equipa de hospedeiros que recebem e acompanham os convidados com guarda-chuvas até ao interior. Este detalhe vai conferir um toque extra de requinte à festa e os convidados vão sentir-se especialmente mimados.

Outra opção, semelhante, é oferecer guarda-chuvas giros aos convidados e fazer com eles uma fotografia fantástica de grupo à chuva, ou mesmo desafiá-los para um ou outro momento no exterior. Podem escolher guarda-chuvas completamente transparentes, para não serem muito ruidosos na fotografia ou, pelo contrário, personalizá-los com o vosso monograma e deixar que os convidados os levem no regresso. Um guarda-chuva a mais dá sempre jeito!

 

Para resguardar do frio (a chuva não é o único elemento do mau tempo), disponibilizem mantinhas que ajudam a contornar o frio num momento especial que se queira no exterior (a Joana conta-nos, por experiência própria, que os convidados gostam mais das mantinhas do que dos chinelos de praia para o baile!) e não se esqueçam de garantir que há aquecedores de exterior junto a conjuntos de sofás ajuda a criar recantos confortáveis de esplanada e a alargar o leque de espaços possíveis nos dias em que não chove mas está frio. Os fumadores vão ficar especialmente gratos!

Por fim, não há nada como exagerar na quantidade de velas dos centros de mesa (que aquecem e criam ambiente) para enaltecer o charme de um jantar brindado com a chuva que cai lá fora!

 

Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography Casamento na Quinta da Quintã, com fotografia de Pedro Lopes Photography

Excelentes conselhos da Joana Coelho! Tenho a certeza de que se sentem mais sabedores e preparados para o cenário imprevisto que todos temos pela frente.

Lembrem-se disto: a vida é feita de imprevistos e este ano está a lembrar-nos muito bem disso. O mesmo acontecerá no vosso dia, por muito bem que esteja alinhado, haverá sempre margem para surpresas, mas não é isso que vai definir as memórias que ficarão. A forma como vocês lidarão com isso, a energia que transportam para o momento é o motor e a âncora dessas memórias, como diz a Joana e muito bem! Um pouco de preparação, boa disposição e confiança na vossa equipa profissional farão a festa!

 

Sobram dúvidas? Falem connosco! E não deixem de acompanhar todas as dicas para casar que vamos publicando, sempre à segunda-feira, que vos ajudarão a sentir-se os anfitriões mais prevenidos do mundo! E se tiverem alguma dúvida, falem com a Quinta da Quintã. Eles são especialistas em fazer com que tudo corra maravilhosamente bem.