Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: PortoFesta – animação de eventos

Hoje conversamos com a PortoFesta, uma conceituada empresa de animação de eventos que anda a fazer gente feliz desde 2007, segundo as palavras do DJ Tiago Baptista.

Falamos do seu percurso e do que faz uma bela pista de dança num evento – e as diferenças entre momentos de trabalho e momentos de lazer.

Juntam-se a nós?

Uma pessoa com experiência de leitura de pista num espaço nocturno tem muito mais bagagem para interpretar as reacções das pessoas, os seus gostos e para que direcção deve encaminhar o percurso musical da festa.

 

Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

Comecei a pôr musica aos 13 anos de idade. Um amigo da família tinha uma empresa de som e luz e com ele comecei a desenvolver o gosto pela música e pela técnica. Na altura comprei uns giradiscos Technics Profissionais, que só algumas discotecas tinham, que eram para fazer as edições de audio para as passagens de modelos e esse foi o meu primeiro contacto com esta área, teria uns 12 anos. Entretanto comecei a pôr musica num bar que existia no Foco, no Porto, o Bib’ó Porto, e assim nunca mais parei, trabalhando em algumas das discotecas mais conceituadas do Norte incluíndo no percurso a gravação de um CD duplo que foi disco de prata juntamenten com dois conceituados DJ’s da nossa praça.

 

Animação noturna e casamentos – sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

Pode não ser, mas considero que, obviamente, uma pessoa com experiência de leitura de pista num espaço nocturno tem muito mais bagagem para interpretar as reacções das pessoas, os seus gostos e para que direcção deve encaminhar o percurso musical da festa.

 

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

É quase impossível separar. Inevitavelmente, até quando estou numa esplanada, se ouço um tema que me agrada, adiciono ao arquivo. Tento ouvir um bocado de tudo, não tenho preconceitos musicais.

 

Gosta dançar ou prefere ouvir? Como se mantém actualizado?

Prefiro ouvir mas também gosto de dançar. Normalmente mantenho-me actualizado a partir da plataformas digitais.

 

Portofesta - DJ para casamentos Portofesta - DJ para casamentos Portofesta - DJ para casamentos

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

O vibe da festa é diferente, algumas pessoas, em ambiente profissional e com colegas de trabalho, não se desinibem totalmente estão sempre condicionadas pelo que os outros possam pensar. Num ambiente familiar tudo é diferente.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Em primeiro lugar a música, depois, no caso de um casamento, os convidados, e numa discoteca, os clientes.

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

No caso da Portofesta, em que já estamos implantados no mercado há 12 anos, os pedidos surgem maioritariamente por “passa a palavra”, clientes satisfeitos que passam o nosso contacto a amigos. É claro que plataformas como o Simplesmente Branco nos ajudam a divulgar o nosso trabalho e aumentam a nossa visibilidade.

Normalmente, os noivos contactam-nos, expõe as suas necessidades e, em função das mesmas, apresentamos um orçamento.

Na fase seguinte marcamos uma reunião onde normalmente são discutidos todos os pormenores.

 

Portofesta - DJ para casamentos Portofesta - iluminação para casamento

Como cria a playlist para o seu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um pesa mais do que outro?

Normalmente pedimos uma lista dos temas e bandas preferidas dos noivos, assim como alguns temas que os tenham marcado. Existe um trabalho prévio na preparação dos temas para os momentos especiais e da playlist para o baile, tentamos fazer a melhor junção possível de músicas que sabemos que à partida podem funcionar com aqueles sugeridos pelos noivos, juntando assim o útil ao agradável, criando um cocktail explosivo de diversão.

 

Se se casasse, com que música abria a pista?

Como elas é que mandam, deixava a noiva escolher!

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

Dancing Queen, dos ABBA.

 

 

Contactem a Paula Gomes, da PortoFesta, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática da Paula Gomes.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

Open day na Quinta da Casa Grande: estão todos convidados!

É já este sábado, entre as 15h e as 21h, que a Quinta da Casa Grande, em Melres, Gondomar, abre as suas portas e dá as boas vindas à Primavera e a todos os noivos de casamento marcado.

Este open day irá apresentar os novos menus do Palace Catering, dar a conhecer o espaço, com design de interiores de Paulo Lobo, e mostrar o trabalho bonito dos parceiros habituais.

Das 15h às 21h, vão poder degustar algumas das especialidades do Palace Catering, conhecer o seu serviço e ver propostas de decoração dos fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, como a Inspirarte, Por Magia, Romã Eventos e Jardin d’Époque, o trabalho fotográfico da dupla Lounge Fotografia e o fantástico serviço de iluminação de ambientes da Porto Festa.

Também vão estar presentes a Pilar Eventos, Crachá Wedding Agency, Saiotes, Sweet Soul, Music Beats, Jesus Peiro, Alecrim Flores e 50:50 Partytecture.

Resumindo, uma oferta de qualidade top num espaço a descobrir, com vista para o rio Douro. Prevê-se um dia cheio de sol, a entrada é livre, por isso, não deixem de passar por lá – vai ser óptimo!

 

casamento na QUinta da Casa Grande, em Gondomar.

 

Marta Ramos

Dançar, dançar, com a Portofesta

O principal objectivo da Portofesta é criar as condições necessárias para que o vosso dia seja um sucesso. E, uma vez que estamos a falar de um dia de festa, é claro que boa música e melhor dança têm que fazer parte do programa!

Já conhecem os serviços de DJ e VJ deste nosso fornececedor seleccionado – e poderão sempre refrescar a memória através dos posts que já publicámos sobre o assunto. A já longa experiência da Portofesta, para além de permitir a toda a equipa afinar as suas competências e atingir um nível muito elevado de qualidade, também dotou a empresa de equipamento topo de gama, como luzes led , som digital, efeitos especiais, luzes decorativas (interior e exterior), ecrãs LCD e projectores de vídeo.

Mas há sempre espaço para melhorar – e a prova disso é a mais recente aquisição da Portofesta: uma pista de dança.

 

 

 

 

 

Branquinha, bonitinha e brilhante: são estes os três ‘B’ que melhor vos apresentam a pista de dança Portofesta. E mais: é personalizável.

Contactem a Portofesta para saberem mais detalhes sobre esta novidade. E dancem, dancem! Já dançaram hoje?

 

Susana Pinto

Portofesta em modo… festa!

Os nossos queridos fornecedores Porto Festa voltam a presentear-vos com um simpático desconto. Seja da generosidade da época ou a genuína vontade de vos mimar, a intenção não importa, a concretização é que tem graça!

As instruções estão detalhadas na imagem, é só seguir e aproveitar a gentileza: a soma destes bónus é relevante do orçamento final!

 

 

Às 12 badaladas de 31 de Dezembro acaba-se!

Para conhecerem melhor o trabalho de DJ do Tiago Baptista, consultem a ficha de fornecedor da PortoFesta, terão uma pista para lá de animada!

 

Save

Susana Pinto

Joana + Ivan, o amor é a soma das partes

Terminamos a semana com as palavras da Joana + Ivan, e a sua grande aventura para chegar ao bonito dia que imaginaram: o amor partilhado com a família e os amigos, uma viagem comunitária onde cada um teve o seu papel e a soma das partes resulta numa experiência incrível, doce e perene.

Com eles, estiveram a dupla Menino conhece menina, a fotografar, a dupla FullCut a filmar e a equipa Porto Festa a tomar conta da iluminação e animação, todos forneecdores seleccionados Simplesmente Branco, escolhidos a dedo e à medida deste par.

Há coisas que combinam tão bem…

 

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

O meu pedido de casamento foi simples, muito à nossa maneira. Viajámos até Paris, já me tinha apercebido que o Ivan tinha uma grande vontade de lá voltar e mais tarde percebi porquê. Paris é muito especial para nós, além de ser uma cidade lindíssima, foi o nosso primeira viagem juntos e sozinhos. Tínhamos 18 anos e percorremos aquela cidade de uma ponta à outra. O pedido foi nos Champs de Mars, nos jardins frente à Torre Eiffel. Era de noite, o ambiente estava muito agradável, havia imensa gente a petiscar e a conviver por ali. Apesar de estarmos juntos há muitos anos, quando ele me fez o pedido, fiquei extremamente nervosa e só mais tarde comecei a digerir, a ter noção da realidade e a sentir uma felicidade imensa. Quando contei aos familiares e amigos não houve surpresa nenhuma, já estavam todos à espera. A felicidade generalizou-se e a partir desse momento começou o planeamento de um dos dias mais felizes da minha vida.

 

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Cedo concordámos que só nós podíamos casar em Agosto por motivos profissionais e devido ao facto de termos familiares e amigos fora do país. Por isso tínhamos um ano para planear. Achei sempre que era muito tempo até termos ido à primeira quinta e vermos que já tinham o calendário preenchido para aquele mês. Felizmente não era o sítio que tínhamos idealizado e continuámos a procura. Queríamos um lugar intimista, mágico e onde se respirasse natureza em toda a sua envolvência. Daí termos ficado apaixonados pelo Convento de Sandelgas. Esse foi o primeiro passo: a escolha do sítio. Depois a igreja. Um dia após voltarmos da quinta, demos um salto ao Castelo de Montemor-o-Velho e percebemos que era aquele sítio que queríamos. Fizemos de tudo para que fosse possível casarmo-nos lá. A partir daí começámos a escolher os fornecedores: o catering, os fotógrafos, a música para a igreja, o DJ, o videógrafo, etc. O tema, esse, nem foi preciso pensar: seriam viagens, que é o que mais gostamos de fazer.  Posso afirmar que durante um ano inteiro o casamento foi o nosso grande projecto e ao qual dedicámos muitas horas de pesquisa. É importante confiar em quem contratamos para que não haja nervos acrescidos no próprio dia. Queríamos que fosse um dia lindo, mas acima de tudo que fosse o nosso dia, a nossa cara.

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Queríamos um ambiente intimista, romântico e familiar. Queríamos que fosse um dia entre família e amigos, numa atmosfera descontraída. Queríamos que todos sentissem que eram especiais para nós e por isso reservámos vários momentos do dia para o demonstrar. Cedo nos apercebemos que para que o casamento fosse a nossa cara, queríamos ser nós a fazer tudo e a estar muito por dentro de tudo. Fizemos os convites e toda a parte gráfica e idealizámos toda a decoração a partir daí. Para isso contámos com a ajuda preciosa e insubstituível dos nossos familiares e amigos. Hoje em dia rio-me muito e recordo com saudade o dia em que juntamente com amigos decorámos a igreja, o dia em que a minha mãe encheu a garagem com heras que tinha colhido para os arranjos, a escolha das flores, o dia horrível que estava quando fomos buscar uma porta velha para fazer o seating plan, da escolha das músicas (que tantas vezes foram mudadas porque havia sempre alguma que nos dizia mais), entre tantos outros momentos. A partir do momento em que contratamos os fornecedores, é importante que eles se interessem por aquilo que cada casal espera do dia, pois acredito que cada casamento é diferente. Desta forma tentei transmitir aquilo que esperava e ter a certeza que podia confiar nas pessoas que tinha escolhido. Isto é muito importante. Para além disso, e uma vez que dependiam de nós muitos aspectos do dia, quis ter a certeza que estava tudo pronto a tempo, com algumas semanas de antecedência. Podemos ter tido mais trabalho mas tudo se traduziu no dia que queríamos, da forma como queríamos e isso é o importante.

 

 

 

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Surgiu acima de tudo porque a nossa veia de perfeccionistas não nos deixou entregar o nosso dia a mais ninguém que não a nós mesmos e às pessoas que nos conhecem e amam. Ninguém melhor que a família e os amigos para nos ajudar a criar aquilo que queremos porque percebem exatamente aquilo que pretendemos. Quando pedi orçamentos para a decoração, fiquei assustada com os valores que recebi, uma vez que queria coisas tão simples! A partir daí, ouvi várias vezes o “mas nós conseguimos fazer isso” e serviu como um incentivo para ir para a frente. Na véspera achei que era louca e que tinha cometido uma loucura quando me vi a varrer a igreja, ou quando vi os meus amigos a decorar o altar e a fazer uma passadeira de gipsófilas no chão. Mas esses momentos são lindíssimos e ficam para sempre.

 

 

 

 

 

Tiveste ajuda?

Sim! Tive a ajuda preciosa dos amigos e da família. A minha amiga Silvana e a sua mãe Silvina desde cedo ajudaram com tudo o que envolvia flores, desde a escolha das espécies até tornar possível realizar as ideias que tínhamos em mente. Foram incansáveis e nunca lhes vou conseguir agradecer por tudo. Na véspera, fizemos a decoração do espaço, da igreja, os centros de mesa, os bouquets e os cones de pétalas para atirar. A minha tia fez as flores de papel lindíssimas com os tons do casamento que pendurámos na árvore principal do jardim, ajudou-me com as etiquetas das lembranças assim como com os cones. A minha mãe bordou o porta-alianças e os lenços belíssimos para as lágrimas felizes, que hei-de guardar para sempre. A minha cunhada Ana Catarina maquilhou-me, o meu pai fez as caixas para os arranjos das mesas que eu tanto queria! Tirando os arranjos que tinham de ser feitos na véspera, foi tudo feito com muito tempo de antecedência para que nada falhasse. Passei o ano a inspirar-me através dos posts do Simplesmente Branco, assim como do Pinterest.

 

 

 

 

 

O que era o mais importante para ti?

Que tudo corresse bem e que conseguisse desfrutar. Acima de tudo que fosse um dia bonito passado em harmonia, a matar saudades dos amigos, a rever família. Na semana que antecedeu o casamento ainda conseguimos fazer praia, relaxar. Antes de ir para a igreja bebi um gin com os meus irmãos, à espera da hora para sairmos de casa e, no fundo, são estes detalhes e os momentos com as pessoas que tornam os dias especiais. Não queria que os nervos se apoderassem de mim! Sabemos que não conseguimos controlar tudo e por isso restou-me confiar e descontrair para poder aproveitar ao máximo um dia irrepetível.

 

 

 

 

E secundário?

Acho que nada foi secundário! Foi tudo pensado ao pormenor. O mais secundário terão sido, talvez, questões de etiqueta e protocolo às quais não ligámos minimamente.

 

Onde gastaste mais dinheiro?

Obviamente, na quinta e no catering.

 

 

 

 

 

Onde gastaste menos?

Na decoração. Ao longo do ano fomos comprando coisas que gostávamos para o photobooth, para a decoração do espaço, entre outros. O Ebay e o Ikea foram muito nossos amigos!

 

O que foi mais fácil?

Comprar os sapatos! Não ligo nada a sapatos, ando sempre de sapatilhas! Comprei-os online, vi as fotografias, gostei e comprei dois pares pelo preço que ia gastar por um par numa loja tradicional. Estava com receio de não conseguir andar de saltos o dia todo e por isso comprei umas sandálias que ainda hoje posso usar.

 

 

 

 

O que foi mais difícil?

Não houve nada especialmente difícil. É óbvio que dá trabalho, mas sem isso não teria tanto valor. Tivemos sempre ajuda para que tudo corresse bem.

 

O que te deu mais prazer criar?

Adorei planear o casamento todo e ver o resultado final. Senti um orgulho imenso em todos nós! Foi lindo quando as fotografias finais nos foram entregues e vi que o que tinha pensado estava ali! Isto claro, graças às mãos espetaculares da Raquel e do Daniel dos Menino Conhece Menina.

 

 

 

 

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Nunca fiz cedências. Queríamos coisas simples e por isso seriam fáceis de ver cumprir! Houve algumas coisas que pensámos e pedimos orçamento para elas mas quisemos sempre manter os pés no chão.

 

Um pormenor especial?

Aproveitámos a sessão de solteiros a que tínhamos direito e fizemos um vídeo em que prestámos homenagem à nossa família e amigos. Projectámos o vídeo antes do corte do bolo e foi um momento muito especial para todos. Ficou um trabalho lindíssimo feito pelos Fullcut e que podemos recordar para sempre.

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Nada. Só queria que passasse mais devagar!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

Aproveitem o dia! Tenham confiança no planeamento e tudo vai correr bem! É impossível controlar tudo, nem tentem! É o vosso dia, vivam-no porque passa num instante.

 

 

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites e materiais gráficos: feitos por nós;

local: Convento de Sandelgas;

catering: Encontrus;

fato do noivo e acessórios: Massimo Dutti;

vestido de noiva e sapatos: Rosa Clará e Asos;

anel de noivado, alianças e brincos: comércio tradicional Ourivesaria Vaz;

maquilhagem: Ana Catarina, cunhada da noiva;

cabelos: Eduarda Cabeleireiros;

flores: Silvina e Silvana (amigas queridas e ajuda preciosa);

ofertas aos convidados: trouxemos de Amsterdão uns vasinhos de margaridas com sementes para plantar;

fotografia: Menino Conhece Menina (sou a fã número 1 e já estavam escolhidos muito antes de pensar em casar!);

vídeo: Fullcut;

luzes, som e Dj: os simpáticos PortoFesta

 

Susana Pinto

Sandra + Filipe, tanto amor e um bonito casamento vintage

O Outono acaba de chegar, mas demos um passo atrás e megulhámos numa festa de Verão com o mais bonito casamento vintage dos últimos tempos… Em equipa que ganha não se mexe, e aqui estão três fornecedores seleccionados Simplesmente Branco a concretizar o dia e as memórias da Sandra + Filipe.

PortoFesta tratou da iluminação (tão importante para criar o ambiente certo assim que anoitece, nunca se esqueçam!), os rapazes da FullCut registaram em filme tudo o que aconteceu (vejam o link no fim do artigo e passem por lá!) e tudo o resto teve mão cheia da dupla (e equipa) Cara Lavada, ou não fosse a nossa querida noiva de hoje, uma das metades deste belo projecto!

Planeamento, organização, vários braços direitos e foco no que é mais importante: a partilha do amor com as nossas pessoas… Este é o resumo do dia, e que sábias palavras estas!

Toda a festa está recheada de pormenores com graça, o vestido de noiva com inspiração vintage e feito à medida é delicadíssimo, o penteado perfeito com as flores naturais, os sapatos, o laço do noivo que combina com o vestido da menina das alianças que combina com a camisa, tudo em chita de alcobaça tradicional, tanto por onde olhar e apreciar, que decidimos, propositadamente, deixar de fora os detalhes da decoração. Mas não fiquem tristes, que reservámos espaço na próxima semana para mostrar tudinho porque, como diria o Lengendary Tigerman, é bonito e bom!

 

celeiro para casamento vintage

 

quinta rural para casamento em Penafiel

 

Como foi o teu pedido de casamento?
Depois de 8 anos a viver juntos, sentimos que não podíamos adiar muito mais tempo algo que sempre foi uma vontade de ambos. No inicio de 2015, decidimos começar a procurar o sitio ideal, tínhamos uma ideia muito específica e sabíamos que provavelmente não seria uma tarefa fácil. Em Fevereiro, por mero acaso, encontramos o lugar perfeito e, desde então, tudo começou a desenrolar-se normalmente… O conceito já estava muito bem idealizado na nossa cabeça, por isso todo o resto tornou-se fácil de concretizar. Após estas decisões estarem tomadas, o pedido de casamento oficial surgiu da forma mais surpreendente possível. Rodeados de amigos (cúmplices do noivo!), no meio de uma multidão de gente mas ainda assim num ambiente muito familiar, o pedido surgiu ao som d’A bela portuguesa pela voz do Bruno Nogueira. O concerto “Deixem o pimba em paz” ganhou outro encanto!

 

vestido de noiva curto vintage

 

noiva com vestido vintage e bouquet colorido

 

vestido de noiva vintage

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?
O tempo foi muito escasso, decidimos casar em Fevereiro e a cerimónia teve lugar a 4 Julho, ou seja, tivemos 4 meses para conseguir preparar tudo! Na realidade foi uma loucura que nos levou à exaustão. Tivemos grandes amigos e família que puseram mãos à obra e que fizeram com que este dia ficasse perfeito.

 

noivo hipster

 

noivo com bow tie em chita de alcobaça

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?
Todos os detalhes foram pensados ao pormenor, queríamos algo que tivesse a nossa cara, que retratasse a nossa personalidade e a naturalidade com que encarávamos esta etapa. Acima de tudo, queríamos um ambiente descontraído, onde a família e os amigos se pudessem divertir, sem grandes formalidades, com jogos tradicionais à mistura, numa atmosfera campestre, rodeada por vinhas e por animais do campo – póneis, cavalos, cabrinhas anãs, ovelhas malhadas, vacas um pouco loucas, etc., tudo o que uma verdadeira quinta de campo tem direito!

 

noivo hipster com bow tie

 

menina das alianças com vestido de chita de alcobaça

 

detalhes de decoração vintage em cerimónia civil

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?
Adoro decoração, organização de eventos, criação de ambientes únicos e especiais. A Cara Lavada é um projecto que adoro e que me enche a alma. O nosso lema é proporcionar aos casais um dia de sonho, por isso, o meu casamento não podia ser excepção… teria que ser perfeito, teria que ser o tal…!

 

decoração vintage de casamento

 

 

detalhe de missal com capa

 

Tiveste ajuda?
Sim, tive a ajuda de toda a equipa da Cara Lavada que foi incansável até ao ultimo minuto, da minha sócia e grande amiga que foi a minha wedding planner, que me deu a resposta certa quando me senti com dúvidas, para além da ajuda de grandes amigos que nos proporcionaram uma das melhores surpresas da nossa vida e que nos tocou profundamente, e da melhor família do mundo que demonstrou sempre total disponibilidade e apoio em todos os nossos devaneios.

 

cerimónia civil com decoração vintage

 

cerimónia civil com detalhe vintage

 

retrato dos noivos com inspiração vintage

 

O que era o mais importante para ti?
O mais importante para nós foi encontrar um espaço que albergasse todos os nossos convidados e onde estes pudessem desfrutar em pleno do dia. Não queríamos, de todo, que a distância ou a viagem de regresso fosse um obstáculo para desfrutarem do dia ao máximo. Assim, na Quinta de Eira pudemos proporcionar a todos um fim-de-semana diferente que iria para além de um casamento, um fim-de-semana de convívio entre família e amigos. Sem dúvida, esta foi a palavra-chave deste dia.

 

retrato dos noivos em cerimónia vintage

 

cerimónia civil vintage

 

 

E secundário?
Nada, tudo foi tratado na primeira pessoa e com o máximo de cuidado.

 

Onde gastaste mais dinheiro?
Como todos, no copo-de-água.

 

acessórios de photobooth para casamento vintage

 

acessórios vintage para photobooth

 

retrato dos noivos em sofá vintage

 

photobooth vintage

 

Onde gastaste menos?
No cabeleireiro, o noivo é proprietário de um salão de cabeleireiro, portanto tive o privilegio de ser mimada por toda a equipa que no dia se dedicou exclusivamente à noiva.

 

O que foi mais fácil?
O vestido! Sabia perfeitamente o que queria e tive a sorte de conhecer a pessoa ideal para o executar. Fiz 3 provas, pouco tive que alterar ou ceder perante a ideia que tinha em mente. Acho que ficou perfeito e que era, sem dúvida, a minha cara…

 

 

retrato intimista dos noivos ao ar livre

 

retrato intimista dos noivos ao ar livre

 

O que foi mais difícil?
Encontrar os meus sapatos! Sabia perfeitamente o que queria e tive que lutar muito para os conseguir ter no dia. Eram uns sapatos muito específicos de uma colecção antiga da Melissa Vivienne Westwood. Sabia que era a tarefa mais complicada de concretizar, mas também sabia que nada me iria agradar da mesma forma… Depois de tanto procurar e de quase desistir, recebi a maior prenda de sempre do meu noivo, recebi os MEUS sapatos! Foi sem dúvida a cereja no topo do bolo! Ele fez de tudo para os conseguir… fiquei tãooo feliz!

 

retrato intimista dos noivos ao ar livre

 

retrato intimista dos noivos ao ar livre

 

retrato intimista dos noivos ao ar livre

 

 

O que te deu mais prazer criar?
Eu tive várias coisas que me deram um enorme prazer, tudo foi conceptualmente criado na minha mente e desenvolvido pela minha equipa, mas uma das coisas que me ficou marcado foi a elaboração do convite ilustrado que me deu um enorme prazer desenhar…

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?
Completamente a nossa cara!

 

mesa dos noivos com letras iluminadas e decoração vintage

 

 

 

primeira dança dos noivos

 

Um pormenor especial?
Bem, esta pergunta é um pouco complicada… na realidade consigo descrever dois momentos muito especiais e que fizeram toda a diferença. Um dos momentos auge que marcou a nossa memória e que abrilhantou a cerimónia foi o coro surpresa realizado pelos nossos amigos; o segundo momento foram os votos dos nossos familiares que derramaram lágrimas de emoção.

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?
Foi tudo perfeito, não mudava rigorosamente nada. Se tivéssemos esse dom, teria parado o relógio para que cada minuto fosse eterno e para que pudéssemos saborear cada segundo. Infelizmente, neste dia, tudo passa a correr e há sempre momentos que acabam por nos passar ao lado…

 

noiva com vestido vintage e camisa de chita

 

cerimónia de corte do bolo com confettis

 

cenário de casamento com letras iluminadas

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?
Não queiras que tudo seja perfeito, o importante é que criem um casamento à vossa imagem e que com ele tragam o melhor de vocês. Desfrutem em pleno dos bons momentos, deixem as coisas acontecer com naturalidade e coloquem os vossos convidados a par das vossas ideias, pois serão eles que irão dar alma ao vosso casamento.

 

Já publicámo o video bonito na nossa outra casa, vejam-no no The Destination!

 

 

Os nossos fornecedores:
convites, materiais gráficos, decoração total do espaço, flores, bouquet, alfinete de lapela, porta alianças e lembranças: Cara Lavada;
local, catering e bolo: Quinta da Eira, Penafiel;
vestido e sapatos da noiva: vestido feito à medida, sapatos Melissa Vivienne Westwood, sapatilhas Converse e brincos Pedra Dura;
fato, sapatos e acessórios do noivo: casco e camisa Zara, calças Carhartt, colete feito à medida por um alfaiate, sapatos Eureka, acessórios personalizados à medida pela Cara Lavada
cabelo e maquilhagem: Mendes Cabeleireiro
livro de memórias: Beija-flor (personalizado com o padrão utilizado na decoração)
fotografia: Dreamaker
vídeo: FullCut
luzes de arraial: PortoFesta
Dj: Halface Projecto DJ’s

 

Save

Save

Save

Susana Pinto

Marta + Cláudio, quando a harmonia converge

Chegamos ao fim de mais uma semana com a bonita festa da Marta + Cláudio, docemente fotografados pela dupla de irmãs Flávia e Ângela Marques, da My Frame. Foi na magnífica Pousada de Santa Maria de Bouro, em Amares, nume cerimónia civil e muito emotiva, e ainda contou com animada pista de dança pelo simpático DJ Tiago Batista, da Porto Festa.

Os noivos puseram os seus dotes profissionais ao serviço (ambos trabalham em hotelaria, o Cláudio criou o menu e harmonizou os vinhos) e o vestido da Marta é um fabuloso Rembo Styling.

Com este casamento, fechamos a nossa saison.

Vamos a banhos durante o mês de Agosto, continuaremos com posts bonitos e inspirados, mas em modo levezinho, que é assim que se quer a leitura de Verão.

Voltamos em Setembro, de cabeça e corpo refrescados e prontas para mais um ano de inspiração e palavras doces!

 

 

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Não houve propriamente um pedido! Namorámos seis anos e já morávamos juntos há quatro. O tema casamento já tinha vindo muitas vezes à conversa, mas íamos sempre adiando à espera do melhor momento.

No início de 2015 decidimos que estava na hora de dar esse passo e anunciar à família e amigos que íamos finalmente casar!

 

 

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Começámos a planear tudo com bastante antecedência (inicialmente planeámos a data para Outubro de 2015 mas depois tivemos de adiar 5 meses o que nos deu mais de um ano para preparação). Como ambos trabalhamos em hotelaria e já organizámos casamentos juntos, tínhamos já bastantes ideias do que precisávamos tratar.

Começámos por decidir o local e definir o nosso orçamento. Depois fomos reunindo alguma informação sobre o tipo de festa que pretendíamos. O livro “Queres Casar Comigo?  – guia prático para um dia muito feliz” e o Pinterest foram uma grande ajuda para não deixar escapar nada e reunir imagens inspiradoras.

 

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Queríamos uma festa simples e romântica. O casamento é a celebração do amor com aqueles que nos são mais queridos e para nós só faria sentido se fosse a nossa cara.

Tudo começou com um naked cake decorado com flores. A partir daí surgiram as rendas, a madeira, a cortiça e as flores campestres. Pormenores simples, porque a Pousada por si só já é muito especial.

 

 

 

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Quem me conhece sabe que não podia ser de outra forma! Sou fã absoluta de DIY e estou sempre a experimentar coisas novas. Por outro lado, custava-me muito delegar a idealização da nossa festa noutras pessoas.

Um dia tão importante como este só podia ser perfeito se fosse feito por nós o mais possível. Tivemos de gerir muito bem os projetos e o tempo, mas no final correu tudo lindamente. Foi um dia muito mais especial por ter sido pensado ao detalhe e feito por nós.

 

 

 

 

 

Tiveste ajuda?

Sou um bocadinho controladora, confesso, gosto de fazer tudo e custa-me delegar mas nas áreas que não domino tivemos a ajuda dos meus pais. Foram eles que nos fizeram peças-chave como a almofada das alianças, as peças de madeira usadas na decoração e a palavra AMOR. Sem eles não teríamos conseguido concretizar estas ideias. Juntos fizemos todo o estacionário e outras peças de decoração.

 

 

 

 

O que era o mais importante para ti?

Que o dia fosse perfeito e a nossa cara, que nos divertíssemos muito e que os nossos amigos e família gostassem.

 

E secundário?

Nada foi secundário. Pensámos em tudo com muito pormenor.

 

 

 

 

Onde gastaste mais dinheiro?

No espaço e copo-de-água.

 

Onde gastaste menos? 

No estacionário (convites, menus, etiquetas de agradecimento). Foi tudo feito por nós e impresso numa gráfica.

 

O que foi mais fácil?

A escolha do local. Tinha ido uma vez com os meus pais jantar àquela Pousada e apaixonei-me pelo sítio. O noivo começou a carreira profissional nas Pousadas e por isso também tinha uma ligação muito especial ao local. Soubemos logo que só podia ser ali.

 

 

 

 

O que foi mais difícil?

A definição do menu e dos vinhos! Com o noivo Chef de Cozinha, queríamos que o menu fosse criação dele o mais possível e que fosse compatível com algumas restrições alimentares dos nossos convidados mas tínhamos articular com o staff da Pousada. Felizmente tanto a diretora como a Chef de Cozinha foram super acessíveis e acederam a fazer o menu tal como o noivo idealizou. A escolha dos vinhos também demorou algum tempo até chegarmos à harmonização perfeita.

 

O que te deu mais prazer criar?

Os convites, idealizados por mim e feitos em conjunto pelos dois e as etiquetas com mensagens positivas que colocámos nos saquinhos de arroz.

O mais divertido foi a criação dos livros de actividades para as crianças, personalizados com a nossa história.

 

 

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Toda a gente nos disse que foi mesmo a nossa cara! Correu ainda melhor do que planeámos porque esteve um dia lindo de sol e calor. Claro que pelo caminho tivemos de fazer escolhas para não ultrapassarmos o orçamento que tínhamos planeado, mas nada que comprometesse o nosso sonho.

 

Um pormenor especial?

Os textos que lemos durante a cerimónia que foram adaptados para os podermos ler em conjunto e que foram acompanhamos por músicas tocadas pela minha tia e pelos meus primos (violino, violoncelo e guitarra). Emocionaram-nos muito e tornaram a cerimónia ainda mais nossa.

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Sempre tive algum receio que alguma coisa não corresse como planeámos e que isso fosse um problema no dia, mas correu tudo tão bem que não mudava nada. A única coisa que tive pena foi de não termos tido mais tempo para fotografarmos juntos noutros espaços mas já combinámos uma sessão a dois no mesmo dia à mesma hora, um ano depois!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

O tempo voa se não for bem organizado. Por vezes temos tendência a achar que temos muito tempo e a adiar algumas coisas para o fim. Se pensam ter um casamento “feito por ti” façam uma lista de todos os projetos que têm para fazer e comecem com tempo. Peçam ajuda a amigos ou família da vossa confiança. Procurem não deixar nada para a última semana. Faz toda a diferença na forma como vivem o vosso dia e como gerem a ansiedade da chegada.

A festa deve ser acima de tudo pensada para vocês enquanto casal. Se estiverem verdadeiramente felizes, os vossos convidados também estarão e será certamente memorável.

 

Os nossos fornecedores:

 

convites e materiais gráficos: feitos pelos noivos

decoração: feita pelos noivos e pela mãe da Noiva

local e catering: Pousada de Santa Maria do Bouro

bolo: Babá Pastelaria

fato do noivo e acessórios: Prassa – Porto

vestido de noiva e sapatos: vestido Rembo Styling na Moda Café – Viana e sapatos Hush Puppies

maquilhagem & cabelos: Ana Paula Antunes Makeup & Hair

flores: Celeste

fotografia: My Frame

Fotocabine: Premium Photobooth

luzes, som e Dj: Porto Festa