Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento na Quinta das Silveiras: Andrea + Emanuel

Esta semana temos um casamento que é todo ele feito de doçura e sorrisos maravilhosos.

É o mais bonito dos dias (garantidamente!) da Andrea + Emanuel, na Quinta das Silveiras em Leiria.

E sabem porque é que é tão especial?

Porque foi exactamente isso que a Andrea me contou, num email bonito e muito gentil. Escolheu no Simplesmente Branco os seus fornecedores perfeitos (contei cinco dos actuais e outros dois que já passaram por cá), e a satisfação foi total – fazia as mesmas escolhas outra vez!

É sempre um prazer imenso ouvir estes casos de amor: as histórias dos noivos e a sintonia com os profissionais. Saber que, de alguma forma, contibuímos um bocadinho para esse dia de sonho, é magnífico!

Deliciem-se com os sorrisos contagiantes da Andrea e do Emanuel. Com eles estiveram a Invite –  Momentos Felizes, a Quinta das Silveira / Iguarias do Tempo, o Coro Génesis a surpreender a noiva na cerimónia, a Jukebox a animar a pista de dança, e a Teresa e o Dado da Arte Magna a fotografar.

Venham ver!

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Sem dúvida, especial, queríamos que fosse o conto de fadas com que sempre sonhámos. Sabíamos exactamente o que queríamos, simplicidade, elegância e que cada pormenor tivesse um toque especial das nossas vivências, família e amigos.

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Inicialmente, achámos que não estaríamos preparados para organizar um evento tão íntimo e em que cada pormenor conta. Mas desejávamos tanto este dia, que estávamos os dois focados para que fosse único e inesquecível. Mas, claro, há sempre alturas que nos deixam com aquele nervosismo, principalmente quando queremos tudo na perfeição. Mas, com a preciosa ajuda de todos os fornecedores, este caminho tornou-se mais simples e tranquilo. Toda a preparação já nos deixa saudades.

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No momento em que escolhemos a quinta. Visitámos várias quintas, mas para nós era importante que o local espelhasse os nossos desejos. Após a visita à Quinta das Silveiras e falarmos com a Susana, o nosso sorriso disse tudo… era sem dúvida ali que seria o nosso dia.

 

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado final foi, sem dúvida, fiel ao que tínhamos idealizado. Sabíamos o que queríamos e o Simplesmente Branco ajudou-nos a encontrar os fornecedores ideais para o concretizar. Tivemos a sorte de nos cruzar com a Susana, que foi incansável na preparação do casamento. Sentimos que podíamos estar tranquilos, porque tudo ia estar perfeito.

Ainda assim, todos os fornecedores nos ajudaram a tornar este dia inesquecível.  Contámos também com a ajuda de amigos e familiares.

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Primeiro, que desfrutássemos do nosso dia.

Depois, queríamos que os convidados sentissem que a festa também era para eles e que se sentissem parte deste dia.

O Emanuel é de Braga e estamos no Porto há 10 anos, por isso tínhamos convidados que fizeram cerca de 200 Km para poderem testemunhar este dia. Queríamos que, no final, sentissem que certos pormenores tinham sido pensados para eles.

Procurámos mimar todos os convidados com pequenos detalhes, desde os mais graúdos aos pequenotes. Queríamos que todo sentissem que a sua presença era importante para nós.

O catering também era fundamental para nós; queríamos que fosse cheio de sabor e que deliciasse os nossos convidados.

Sem importância? Após dois meses de casamento somos unânimes a dizer que achamos que não há nada sem importância. Se não é importante, é porque não é essencial.

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Para os dois, durante a preparação, o mais fácil foi sem dúvida a escolha da quinta e dos fotógrafos Arte Magna.

Desde o primeiro momento, percebemos que, para além da qualidade fotográfica dos trabalhos da Teresa e do Dado, a sua personalidade divertida, mas ao mesmo tempo profissional e o seu à-vontade em todas as situações, foi tão importante para o nosso casamento, que temos a certeza que a nossa relação ultrapassou em muito a esfera profissional e os consideramos como convidados do nosso casamento.

A escolha do fato, gravata e sapatos para o noivo também foi uma tarefa fácil: saiu num dia e voltou com tudo comprado.

Já para mim, a escolha dos sapatos foi uma tarefa difícil, mas encontrei exactamente o que queria. Um sapato sofisticado, elegante, mas confortável (missão comprida, consegui usar o dia todo) e que pudesse usar em outras ocasiões. A escolha dos videógrafos também foi uma tarefa difícil. Inicialmente achamos que seria um investimento muito grande, mas logo percebemos que queríamos também captar todos os momentos em vídeo. Ficamos rendidos à qualidade da I Do Films, motivo pelo qual foi a nossa escolha.

No dia, depois de atravessar a igreja, tudo se tornou fácil, porque tudo foi fluindo.

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A entrada na igreja e o nosso olhar foi talvez o momento mais marcante. A partir dessa altura, tinha mesmo chegado o dia!

 

E o pico de diversão?

Logo após a cerimónia religiosa, quando nos juntámos aos nossos convidados, vivemos momentos de pura alegria e diversão. É difícil escolher só um, mas talvez a atuação da Tuna e a abertura da pista.

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

A escolha do coro, foi sem dúvida um pormenor especial, especialmente para mim, pois o Emanuel, desde o início, disse que seria uma surpresa e que ele trataria de tudo. Quando entrei na igreja e percebi que era o Coro Genesis fiquei muito emocionada e sem palavras. Já os tínhamos ouvido numa demonstração e eu tinha ficado deliciada, mas o Emanuel deu a ideia de ser a Tuna a cantar na Igreja e eu acreditei até ao último momento.

A adoração a Nossa Senhora, acompanhada pela Avé Maria de Bach/Gounod, foi um momento de grande sentimento.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada! Não conseguíamos imaginar um dia mais especial.

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Falem atempadamente com os fornecedores e acima de tudo escolham aqueles com quem mais se identificarem, pois eles são fundamentais para tornar o vosso dia seja especial e como o idealizaram.

Vão certamente ouvir inúmeras vezes “o dia passa a correr” e é verdade! Tentem mesmo aproveitar o dia, relaxem e divirtam-se… Acima de tudo: o dia é vosso, por isso deleguem funções para que não estejam preocupadas. E no dia, tudo se resolve.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Invite –  Momentos Felizes e algumas coisas feitas pelos noivos;

local, catering e decoração: Quinta das Silveira / Iguarias do Tempo;

bolo dos noivos: Brisa Norte;

fato do noivo e acessórios: fato Hugo Boss, relógio de bolso Eletta e botões de punho do pai do noivo;

vestido de noiva e sapatos: vestido Rosa Clará, sapatos Rachel Simpson adquiridos na Pureza Mello Breyner e o toucado da Chapeauxik;

maquilhagem: Vânia Oliveira;

cabelos: Luísa (a minha cabeleireira desde criança);

bouquet de noiva: Fatiflor;

ofertas aos convidados: sabonetes de flores brancas da Fábrica Confiança com o grafismo da Invite –  Momentos Felizes; livro de actividades com lápis de cera para os mais novos, feito pelos noivos;  Photobooth da BoothCenter;

fotografia: Arte Magna;

vídeo: I Do Films;

coro da cerimónia: Coro Génesis;

luzes, som e Dj: Jukebox.

Marta Ramos

Arte Magna, um fornecedor seleccionado Simplesmente Branco

A primeira morada da Arte Magna foi no rés-do-chão de casa dos avós de Teresa Guerreiro, fundada em 1976 pelo seu pai, Jorge Guerreiro, que fotografou várias gerações até Abril de 2011, ano que passou o testemunho à filha. Com algum medo, mas com um enorme orgulho, Teresa foi moldando a empresa ao seu estilo. E em 2013 entra em cena Dado Calabresi, com quem agora Teresa partilha a vida e a empresa que é o seu tesouro de família. Juntos (e felizes), Teresa e Dado querem estar ao vosso lado a fotografar (e a viver!) estes momentos especiais com as vossas famílias.

A fotografia é a nossa vida e não há sensação melhor do que criar memórias. Sabermos que o que criarmos se tornará numa herança de família enche os nossos corações e temos a certeza de que a vida não nos poderia ter dado profissão melhor.

A Teresa e o Dado orgulham-se muito de acompanhar quem os escolhe para fotografar o seu casamento e seguir as suas famílias ao longo dos anos. Criar laços com quem deposita tanta confiança no seu trabalho é algo único. Contem-lhes a vossa história – ah, e eles adoram viajar, por isso não hesitem em desafiá-los para vos fotografarem nos confins do mundo!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para mais detalhes, consultem a ficha de fornecedor seleccionado da Arte Magna, onde encontrarão mais informação e todos os contactos. Falem com eles e marquem uma visita, serão muito bem recebidos e poderão apreciar ao vivo algumas das suas belíssimas criações.
E vão acompanhando as nossas publicações sobre o seu trabalho – só coisas bonitas!

Susana Pinto

À conversa com: Arte Magna – fotografia de casamento

Arte Magna, fotógrafos de casamento são os nossos companheiros de conversa de hoje.

Apresento-vos a Teresa e o Dado, dois sotaques de língua portuguesa, de Joane, Vila Nova de Famalicão, para Portugal de lés a lés.

Sentem-se connosco, fiquem a conhecê-los melhor e prestem atenção demorada ao seu trabalho: é assim bonito!

 

Não temos nenhuma fórmula, somos apenas genuínos e queremos que os nossos clientes se sintam seguros e relaxados. Gostamos de ser organizados e de ir mantendo contacto até e depois do casamento. No fundo, o que procuramos criar é uma relação de confiança.

 

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

Teresa: eu posso dizer que a minha viagem sempre esteve na mesma rota. Comecei de mão dada com o meu pai, mais tarde estudei no IPF Porto e hoje, junto com o Dado, temos a nossa Arte Magna.

A história do Dado é bem mais longa, mas por mais empregos que tivesse todos foram sempre relacionados com fotografia: laboratórios, edição de imagem, fotógrafo de festas infantis, até chegar aos casamentos.

 

Há quanto tempo fotografam? E porquê casamentos?

Dado: juntos, fotografamos desde 2014. Porquê casamentos? Acho que esta é a resposta mais fácil que podemos dar: o pai da Teresa sempre foi um apaixonado pelo que fazia (também ele fotógrafo de casamentos e fundador da Arte Magna há 40 anos) e ele era tão feliz no que fazia que contagiou a Teresa e ela, anos mais tarde, contagiou-me a mim.

 

O vosso trabalho é feito a duas mãos. Como o definem e como construíram essa assinatura?

Dado: acho que tudo surgiu de uma forma natural. Temos olhares e experiências de vida diferentes e achamos que isso é o que influencia e caracteriza o nosso trabalho e formas de fotografar. Procuramos fotografias que tenham alma para contar histórias que serão as memórias de uma família.

 

Achas que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhes fotografar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que o Dado faz, do seu ponto de vista masculino? Como convergem?

Teresa: sim, mas acho que vai além da questão de género. Como o Dado disse, temos olhares diferentes e as nossas experiências de vida fazem com que sejamos únicos. Estas diferenças é que enriquecem o nosso trabalho e por isso é que consideramos vantajoso ter dois olhares diferentes, mas cúmplices, num casamento.

 

Arte Magna - fotografia de casamento

 

Arte Magna - fotografia de casamento

 

Arte Magna - fotografia de casamento

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Teresa: inicialmente devorávamos muito o trabalho de outros colegas fotógrafos de casamento, mas com o tempo, tanto eu como o Dado temos procurado encontrar inspiração nos filmes que vemos e livros que lemos, mas sobretudo nas pessoas que fotografamos. Queremos um olhar e uma mente limpa.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Dado: viajar, ver um filme projectado na parede do nosso sotão e estar com as nossas pessoas. Gostamos de momentos simples, mas que nos renovem.

 

Do Norte para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais?

Dado: fotografar fora é sempre um prazer, mas também gostamos de explorar o nosso país. Adoramos sair dos “nossos lugares” e é isso o que nos fascina. Mesmo a fotografar dentro de Portugal, basta mudar de região e já vemos tradições diferentes tal como quando saímos do país. E agora, com Portugal na moda e cada vez mais estrangeiros a casar por cá, será que podemos considerar isto como um dois em um?

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Teresa: não temos nenhuma fórmula, somos apenas genuínos e queremos que os nossos clientes se sintam seguros e relaxados. Gostamos de ser organizados e de ir mantendo contacto até e depois do casamento. No fundo, o que procuramos criar é uma relação de confiança.

 

Arte Magna - fotografia de casamento

 

Arte Magna - fotografia de casamento

 

Arte Magna - fotografia de casamento

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

Dado: nos casamentos mais pequenos e inimistas acabamos por conseguir criar uma ligação especial não só com os noivos, mas também com os convidados. Sentimo-nos todos mais próximos uns dos outros e isso faz com que as pessoas se sintam mais soltas na nossa presença. No final, damos valor à emoção e muita diversão na pista sejam 20 ou 180 convidados.

 

Qual é a melhor parte de fotografar casamentos? E o mais desafiante e difícil?

Teresa: somos uns privilegiados, pois temos a oportunidade de contar uma bonita história, conhecer novos lugares e fazer o que mais gostamos. Durante o dia do casamento estamos numa posição privilegiada a ver como se olham quando se vêem pela primeira vez como noiva e noivo, sentimos a alegria na pista de dança, a emoção ao ouvirem as palavras carinhosas dos amigos e familiares.

Desafiante: estar sempre alerta por mais simples que o momento possa ser. Difícil: eu como chorona que sou, confesso que é segurar as lágrimas. Na entrega de cada trabalho, sentimos a honra de estar a criar memórias para as gerações futuras.

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê:

fotografia de casamento Arte Magna

 

Teresa: a escolha foi a mesma! Esta fotografia da Alice e do João, pode não ser a mais perfeita nem com o melhor enquadramento, mas é umas das fotografias que mais nos fez e faz rir sempre que recordamos o momento. Quando estávamos a fotografar eu, Teresa, ia a andar de costas cheia de confiança e bati com a cabeça numa ávore. O Dado apanhou o momento em que eles se riram! Tivemos que parar uns momentos para recuperarmos todos: eu da dor e eles do ataque de riso. Doeu, mas valeu a pena! Se for preciso voltarei a bater com a cabeça com a segurança de que o Dado fará uma grande fotografia.

 

Os contactos detalhados da Arte Magna estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a Teresa e o Dado directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Bouquet DIY, por Arte Magna

Na sexta-feira passada publicámos o casamento orgânico e cheio de emoções da Ana e do Daniel, fotografado pela dupla Arte Magna. Uma festa belíssima, carregada de pormenores e de intencionalidade. Ficámos de vos falar em mais detalhe sobre o bouquet e as flores deste casamento, um trabalho delicado da noiva. Pois bem, é isso que faremos agora. Ou melhor, que fará a Ana, nas suas palavras:

Cada um tem a sua flor favorita. São sem dúvida a materialização natural do amor e por isso um elemento central na celebração da união de duas pessoas. Como apaixonada por flores, queria aproveitar a oportunidade para explorar uma paixão e coordenar a decoração e selecção das flores, combinando cores e texturas.

«O ponto de partida foi a definição da peça central da decoração e que deu o mote para as cores e ambientes de todo o casamento: a protea king. Esta flor, com origem na África do Sul, trazia consigo muitas lembranças que queríamos presentes neste dia. Com grande presença, a protea king foi complementada com outras flores que compuseram em escala e cor toda a decoração, navegando entre tons de rosa suaves e verdes de diversas tonalidades. Foram escolhidas rosas David Austin de tom rosa claro, lisianthus brancos, lírios do vale, dianthus brancos e dois tipos de eucalipto. Cada uma destas flores incluía um significado especial, dando intenção à sua escolha.
O bouquet reflectiu a selecção de flores e foi um momento de experimentação. Os preparativos das flores iniciaram-se no dia antes do casamento. Depois de ir buscar as flores ao fornecedor Florineve, juntei-me com uma amiga que me ajudou a compor o bouquet e alguns elementos especiais que fizemos para oferecer à madrinha e irmã do noivo, às meninas das alianças e a alguns amigos. Quisemos presenteá-los com algo personalizado e que trouxesse mais flores para a cerimónia: uma coroa de flores, um conjunto de gancho de cabelo e pulseira, pequenos ganchinhos floridos e boutonnières.
Por questões de logística, o bouquet foi só finalizado no próprio dia, umas horas antes da cerimónia, o que trouxe algum stress a este momento, pois sendo inexperiente nesta matéria não estava certa do tempo de que precisaria para concluir o processo. Mas, com a ajuda da minha mãe nos últimos retoques, o resultado final superou todas as expectativas e fez jus ao imaginário idealizado.
A finalização do bouquet foi verdadeiramente um momento de grande euforia e partilha com quem estava presente, principalmente com a minha mãe, que apoiou desde o princípio esta ideia. Cortaram-se as pontas do ramo, prendeu-se a fita de cetim e de repente estava tudo a postos para o grande momento.»

Depois das palavras, as imagens, igualmente assinadas pelos talentosos Teresa e Dado, da Arte Magna.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E que belo resultado! Não deixem de ver o registo completo deste casamento no nosso artigo de sexta-feira; e aproveitem para passear um pouco pelas publicações que já fizemos sobre a Arte Magna. Não vão resistir a querer falar com a Teresa e o Dado sobre os vossos planos para o vosso dia – e eles vão adorar conversar convosco!

Susana Pinto

Um casamento orgânico e a transbordar de emoções: Ana + Daniel

Esta semana temos um casamento orgânico e cheio de emoções: é o dia da Ana + Daniel, captado de forma magnífica pela lente da dupla Arte Magna, no bonito mês de Setembro.

Arquitectos de profissão, e com raízes nos Açores, Ana + Daniel criaram uma belíssima festa para celebrar o seu amor e partilhá-lo com os seus. Há detalhes em todos os gestos, acções e ideias, e o resultado é uma pequena maravilha. Reparem no pratinho das alianças e a história delas, leiam as experiências com o bolo dos noivos, e sobre o bouquet da noiva, contaremos para a semana.

Venham ver!

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

A resposta não foi assim tão  imediata, dado que o noivo decidiu deixar a noiva pendurada durante cerca de um ano de contínuo suspense e apreensão, que culminou numa resposta obviamente positiva, envolvida pela devida pompa e circunstância. Este ano de preparação mental permitiu-nos amadurecer algumas ideias para descobrir o que é que poderia fazer sentido para celebrar o nosso amor. Começámos por imaginar uma festa de jardim, na Quinta dos pais do Daniel, nos Açores, com muitas grinaldas de flores e de luzes, um banquete de saborosas iguarias e bebidas, mas sem grandes sumptuosidades, e a indispensável presença de todas as pessoas que nos enchem a alma.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Ao fim de 9 anos de namoro, o casamento significava um momento de confirmação e de partilha com todos aqueles que fazem parte das nossas vidas. As decisões nem sempre foram imediatas e os nervos estão sempre presentes durante a preparação de um dia tão emotivo, mas quando fazemos desse percurso uma oportunidade para trabalhar em conjunto e partilhar todas as decisões, tudo acaba por se tornar mais especial. Porém, nem tudo foi pêra doce. A título de exemplo, a concepção do fato do noivo por medida foi um caminho bem tortuoso de percorrer, com alfaiates desvairados, tecidos enganados ou esgotados, medidas mal tiradas, atrasos, trocas enganos mesmo até à véspera, quando a salvação finalmente surgiu pelas mãos de fada da irrepreensível dona Irene Farinha.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Não sei se houve esse momento, foi um caminho que percorremos a dois e foi isso que o tornou especial. Sempre que tomávamos uma decisão em conjunto sabíamos que “era mesmo isto”!

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O ambiente geral do dia foi como idealizámos, mas as ideias foram evoluindo em conjunto, o que enriqueceu muito a cerimónia e a festa. Por sorte, foram surgindo sempre alguns momentos e acontecimentos inesperados que espelhavam os sentimentos de felicidade e alegria dos noivos e dos convidados.
No processo de preparação, contámos felizmente com a ajuda da família e dos amigos que, de forma voluntária e entusiasta, estiveram sempre presentes e interessados, pelo que temos muito que lhes agradecer. Para além disso, destacamos a profícua colaboração com a Diana Perdigão e com os fotógrafos da Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Para nós era absolutamente essencial que se concretizassem duas ambições: reunir toda a família e amigos, e que o casamento fosse capaz de espelhar o amor sem medidas que temos entre nós e por todas as pessoas.
Deste modo, todos os pormenores contaram para fazer do casamento uma festa à nossa medida e que representasse de uma forma fiel os nossos gostos e paixões. Talvez seja um defeito de profissão, mas, como arquitectos, gostamos de trabalhar em equipa, pensar o projecto como um todo e estar atentos a todos os pormenores. O problema desta atitude é que praticamente tudo passa a ter importância e se torna objecto de reflexão e cumplicidade. Para além de toda a concepção do projecto de decoração dos espaços e do design de todos os elementos gráficos do casamento, o bolo de Chá Matcha com ganache de chocolate branco foi um dos elementos ao qual nos dedicámos muito na busca pela perfeição. Tudo foi tido em conta, desde os ingredientes, ao sabor, cor, textura e aspecto simples. Após vários testes, conseguimos, em conjunto com a pasteleira Ana Gabriel, aperfeiçoar a receita e chegar a um resultado muito interessante que surpreendeu todos os convidados.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais difícil foi mesmo a descoberta do local da cerimónia. Não foi fácil encontrar um espaço que nos fizesse sentir em casa e ao mesmo tempo num jardim rodeados de natureza e de mar.
O mais fácil foram as alianças, pois sabíamos que queríamos usar ouro nosso de infância. Por isso escolhemos duas pulseiras de quando eramos bebés e pedimos para as fundir e fazer as alianças com base num design feito por nós. A ideia foi tão bem acolhida que nos deixaram acompanhar o trabalho de bastidores durante todo o processo de execução das alianças.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Os votos! Foi um momento muito especial onde pudemos partilhar algumas palavras com a família e os amigos, seguido de um breve momento de celebração em que realizámos a cerimónia do Chá e partilhámos um ritual que habitualmente fazemos em casa. Os discursos dos pais e padrinhos também entram no top sentimental do dia.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

E o pico de diversão?

A festa, claro, onde pudemos estar mais tempo com os amigos e disfrutar da presença de cada um após uma inesperada flashmob ao som de September dos Earth Wind & Fire, coreografado pela irmã do noivo. No entanto, houve também outra ocasião em que pudemos ver a alegria de miúdos e graúdos quando descobriram no fim da cerimónia civil que tinham uma banquinha de gelados da Nannarella à sua espera para deleite de todos.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Um pormenor especial…

Tivemos muitos elementos especiais. Foi a oportunidade de mostrar aos amigos e família o que nos unia e partilhar os nossos sonhos e paixões com todos. Os pequenos saquinhos de chá branco dos Açores que desenhámos e fizemos para oferecer a todos os convidados foram representativos disso. Apanhámos e processámos artesanalmente o chá nos Açores, a partir de uma plantação muito especial na Lagoa das Sete Cidades, a Ana fez os saquinhos de algodão e linho com a ajuda da mãe, da cunhada e amigas, e, no fim, até os pais do Daniel participaram na montagem final do presente. Durante a festa passámos um pequeno slide show que explicou todo este processo com reportagem fotográfica da Arte Magna e onde agradecemos a todos pela a ajuda constante.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Casamento orgânico no Areias do Seixo, fotografado por Arte Magna.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não adianta chorar sobre leite derramado. No entanto, mudaríamos sem hesitação o alfaiate do noivo e o DJ.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Partilhem cada momento e no dia disfrutem ao máximo! Passa tudo tão depressa, que é importante termos tempo para estarmos com todas as pessoas e podermos partilhar mais do que uma breve conversa.

 

Os fornecedores envolvidos:

convites e materiais gráficos: feitos pelos noivos;

local: Areias do Seixo Hotel, Noah Restaurante;

catering e bolo: Catering Império;

vestido de noiva e sapatos: vestido Aire Barcelona e sapatos Aerosoles;

maquilhagem: Rita Rodrigues Makeup;

cabelos: Salão do Bairro;

bouquet: feito pela noiva;

decoração: projecto dos noivos em colaboração com a equipa de decoração Areias dos Seixo;

ofertas aos convidados: Chá Branco dos Açores, preparados pelos noivos desde a apanha do chá até à elaboração dos saquinhos de tecido;

fotografia: Arte Magna.

 

Se são fãs das nossas histórias de amor das sextas-feiras, basta segui-las no arquivo Real Weddings. E para acompanhar o trabalho sempre bonito da dupla Arte Magna, é por aqui.

 

Marta Ramos

Fotografia é preciosa: a nova imagem Arte Magna

A primeira morada da Arte Magna foi no rés-do-chão de casa dos avós da Teresa, fundada em 1976 pelo seu pai, Jorge Guerreiro, que fotografou várias gerações até Abril de 2011, ano que passou o testemunho à filha, Teresa. Com algum medo, mas com um enorme orgulho, Teresa foi moldando a empresa ao seu estilo. E em 2013 entra em cena Dado Calabresi, com quem agora Teresa Guerreiro partilha a vida e a empresa que é o seu tesouro de família. Juntos (e felizes), Teresa e Dado querem estar ao vosso lado a fotografar (e a viver!) estes momentos especiais com as vossas famílias.

Hoje queremos chamar-vos a atenção para o novo site e a nova imagem Arte Magna. Conta-nos a Teresa:

Se puxarmos atrás no tempo, paramos em Março de 2017. Lá foi o começo da mudança, pois fechámos a loja de rua aberta pelo meu pai em 1976 e nos mudámos para o nosso estúdio, construído à imagem dos nossos sonhos no terreno onde antes a minha avó plantava as suas flores. Com esta mudança veio a vontade de criar uma imagem gráfica nova.

Saibam mais sobre esta mudança de imagem e todos os seus intervenientes aqui.

 

 

 

 

A fotografia é a nossa paixão e a nossa vida, somos abençoados por ter isto como um trabalho. Adoramos estar ao lado das pessoas e contar as suas histórias exactamente como são. Histórias com sentimento, sentido e verdade. Gostamos de estar próximos, de ser parte de um dos dias mais importantes da vossa vida e preservar momentos e emoções através da nossa fotografia. Afinal, fotografia é uma das únicas coisas (se não a única) que vai restar para contar a história, e essas fotografias que criarmos juntos vão tornar-se na vossa jóias de família e vão passar de geração em geração.

Consultem a ficha de fornecedor seleccionado da Arte Magna, onde encontrarão mais informação e todos os contactos. Marquem uma visita, serão muito bem recebidos e poderão apreciar ao vivo algumas das suas belíssimas criações. E vão acompanhando as nossas publicações sobre o seu trabalho.

Susana Pinto

Casamento no Mosteiro de Landim: Joana + André

Abrimos a porta ao bonito mês de Março com um casamento no Mosteiro de Landim.

Glorioso, animado e elegantíssimo, são adjectivos que descrevem a festa da Joana + André, em Setembro, o mais doce dos meses, fotografada pela dupla Arte Magna. As lembranças para os convidados são dos nossos queridos parceiros Operação Nariz Vermelho: não só é um gesto bonito e generoso, como garante sempre imagens deliciosas.

Há sítios mágicos, e este é um deles!

Bom fim-de-semana!

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Como num conto de fadas. E histórias de príncipes e princesas!

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Foi um caminho relativamente simples, claro que com alguns nervos pelo meio, muito devido a querer sempre mais, como é normal, mas na generalidade foi um caminho fácil de percorrer.

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No dia!

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado ficou muito semelhante ao que foi idealizado desde o início, sempre com a ajuda da nossa querida Sofia da Saiotes Etc..

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental os noivos, os convidados, a alegria e as flores! Acho que não há nada sem importância num casamento, se não for importante, é porque não é para fazer parte.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi escolher o sítio, o mais difícil foi escolher a igreja, mas acabou por ser tudo no mesmo espaço. Afinal era tudo simples e nós é que complicámos!

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Foi na igreja, sem dúvida!

 

E o pico de diversão?

A dança com todos os nossos padrinhos e madrinhas, depois das valsas.

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Um pormenor especial…

As lembranças, oferecemos narizes da Operação Nariz Vermelho a todos os convidados, e, para nós, isso foi bastante importante.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não!

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Casamento no Mosteiro de Landim, com fotografia da dupla Arte Magna

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

“Don’t stress, do your best!” Tudo se resolve, e, no dia, nada do que parecia ser o mais importante do mundo, vai realmente ser.

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Eduarda Rodrigues;

local e catering: Mosteiro de Landim;

fato do noivo e acessórios: Officina 38;

vestido de noiva e sapatos: Gio Rodrigues;

maquilhagem: Bekas – Elisabete Santos;

cabelos: Bruno Pinto;

bouquet de noiva e decoração: Saiotes;

ofertas aos convidados: Operação Nariz Vermelho;

fotografia: Arte Magna;

vídeo: Papagaio do Mar;

luzes, som e Dj: Musicbox Porto.