Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: Como escolher os profissionais de fotografia e vídeo?

A fotografia e o vídeo serão das primeiras alíneas que quererão ver resolvidas na checklist de organização do vosso casamento. Percebe-se porquê: as imagens que daí resultarem serão as memórias palpáveis que vos ficarão para reviver o dia ano após ano, para partilhar com gerações futuras, para construir a história palpável da vossa família e poder contá-la a quem não tenha assistido a todos os episódios. Se vão investir, tanto em dinheiro com em tempo e dedicação, para que todos os detalhes do vosso casamento estejam perfeitos, quererão investir igualmente em guardiões desses detalhes que vos façam brilhar.

Há muitos bons profissionais da imagem a trabalhar em Portugal, é um motivo de orgulho para nós – só aqui na nossa lista de fornecedores seleccionados encontrarão mais de 50 fichas para analisar. Então, a questão que se coloca agora é: como escolher?

Para que possam desfrutar verdadeiramente do prazer de revisitar e de partilhar este breve dia um ano, dez anos, vinte anos depois, com a mesma emoção à flor da pele, recomendamos que escolham com o coração e a razão. – Queres casar comigo?

Para nos ajudar a compor este artigo, pedimos algumas dicas ao Luís e à Marta da Lounge Fotografia – e eles, já com a agenda cheia e à espera de gémeos, nem hesitaram em ajudar – com wise words e, claro, com as belas imagens que as acompanham.

 

 

 

 

Para começar, a antecedência! Os melhores profissionais são também os mais concorridos, e no caso dos fornecedores que terão que estar presentes no dia do casamento isso implica que ou vocês fecham a data primeiro, ou alguém o fará no vosso lugar. Seis meses no mínimo, mas um ano dá-vos mais folga. Comecem por analisar os vossos sites de referência com descontracção. Vão anotando os nomes que vos agradam e tomem notas para cada um deles. Lembrem-se de que a palavra-chave aqui é afunilar, por isso qualquer coisa que vos desagrade deve empurrar o nome correspondente para o fim da lista.

Lembra-nos a Lounge de que «muitas vezes as pessoas acham que os fotógrafos são todos iguais, e não são! Há estilos muito próprios, posturas diferentes, níveis de experiência diferentes.» Então, depois de verem e reverem os trabalhos dos vossos candidatos online, e depois de ordenarem e reordenarem a lista de preferências, peguem nos cinco primeiros nomes de fotografia e de vídeo e arrumem os restantes. Contactem o top 3 – com um email personalizado, simpático e já com muita informação relevante, para agilizar o processo. As respostas que receberem também vos ajudarão a confirmar se estão no caminho certo. É uma coisa que se sente, se a pessoa do lado de lá está verdadeiramente sintonizada convosco ou não. Próximo passo: agendar reuniões presenciais.

 

 

 

 

Levem uma listinha de assuntos essenciais convosco – não se preocupem que o Luís e a Marta ajudaram-nos a prepará-la para vocês:

. ver, pelo menos, um álbum/filme completo de um casamento (uma coisa é agrupar imagens fantásticas, outra contar a história inteira do dia com graça);

. confirmar quais são os membros da equipa a estar presentes no vosso casamento;

. acertar quais os graus de interferência no dia que são confortáveis para ambas as partes (pausas para sessões a dois, fotos de grupo, etc.);

. alinhar as fotografias que não podem faltar (dependendo da vossa vontade, claro, poderão ser fotos com os pais, com os avós, com os amigos – sejam quais forem as vossas escolhas, ponham-nas desde logo por escrito) e nomear um mestre de cerimónias, ou seja, o vosso braço direito que, no dia, ajudará os fotógrafos e videógrafos a encontrar as pessoas certas para as fotografias solicitadas, sem que tenham que ser vocês a preocupar-se com isso;

. definir bem prazos de entrega das fotos e do álbum final, e de vídeos highlights + filme completo;

. clarificar se os valores finais incluem IVA.

Se acham que se identificam com o trabalho apresentado mas resta ainda alguma dúvida, agendem uma sessão de noivado. É a melhor ocasião para quebrar o gelo e verem a forma de estar dos fotógrafos/videógrafos: se são descontraídos, afáveis, divertidos, se vos fazem rir, se vos direccionam muito ou pouco. E, no final, sentir se há magia nas imagens entregues! – Lounge

As e-sessions são, de facto, um factor importante neste processo. Mesmo que já tenham decidido, não saltem essa parte. Para além de serem memórias acrescida, é uma oportunidade de ouro para interagirem com os fotógrafos e videógrafos que estarão encarregues de registar o dia do vosso casamento. Ganha-se à vontade e descontração, que serão essenciais no grande dia; afinam-se vontades e expectativas; e, de repente, já vocês tratam as câmaras por tu e já elas vos conhecem de cor, de modo que tudo flui com muito mais naturalidade.

 

 

 

 

Este é o vosso dia. Gravem-no nos sentidos, da forma mais doce; e em imagens, da forma mais profissional. – Queres casar comigo?

Ora bem, então, recapitulemos. Analisem a oferta com antecedência e, na hora do aperto de mão, não descurem o contrato – leiam e confirmem cada detalhe. Desistam de quem não vos responde em tempo útil, ou o faz de modo pouco profissional, evasivo ou invasivo – e confiem no vosso instinto, dêem relevância à empatia, já que no dia do casamento vocês vão precisar de sentir que estão todos na mesma equipa. Certifiquem-se de que o profissional que estará presente no vosso casamento é mesmo aquele que vocês preferem, quando se trata de empresas com equipas grandes. Confiem nas dicas dos profissionais mas não se esqueçam de que a última palavra tem que ser a vossa. Se sentirem que de lado de lá estão a puxar numa direcção que vai contra a vossa natureza, acreditem, não vai resultar. A qualidade do trabalho dos fotógrafos e videógrafos que vocês escolherem deve ser, claro, um argumento de topo; mas valorizem igualmente a qualidade do atendimento. Se se sentirem acarinhados, certamente que o vosso casamento será filmado e fotografado na mesma medida.

Posto isto, a palavra final é… descontraiam! Sim, é possível. Vivam o vosso dia plenamente, sintam cada instante, saboreiem cada emoção, cada gargalhada. E depois deleitem-se com as imagens.

 

Agora, peguem nestas wise words e comecem já a pô-las em prática, passando a pente fino a nossa selecção de fornecedores de fotografia e de vídeo. Têm muito trabalho pela frente, é verdade: mas o resultado final será garantidamente espectacular.

Marta Ramos

Wise words: Por onde começar a organizar o casamento?

Wise words é o nome da nossa novíssima rubrica de dicas úteis para vos ajudar de facto a pôr de pé, com equilíbrio e com prazer, o vosso grande dia. Contaremos, todas as semanas, com a ajuda dos nossos fornecedores seleccionados – afinal, quem melhor para vos aconselhar do que os especialistas na matéria? Temos também um manual de instruções que nos servirá de guia, do qual estou certa de que já ouviram falar: o livro Queres casar comigo?, escrito pela imbatível dupla Susana Esteves Pinto & Maria João Soares.

 

A pergunta foi feita e a resposta, emocionada, foi dada: sim! E agora…? Como é que isto se faz? Por onde é que se começa? Pelo princípio, com uma calma entusiasmada e um belo sorriso.

 

São estes os ingredientes com os quais cozinharemos fornadas perfeitas de palavras sábias para vos servir aqui, sempre às segundas-feiras. Hoje, para começar pelo princípio, contamos com as wise words de Maria João Soares, da Design Event Weddings, e de Rita Soares-Alves, da Wedwings; e com bonitas imagens de Um Dia de Sonho.

 

 

 

 

Lembrem-se de que o dia deve reflectir cada um de vós e o que são como casal! – Rita Soares-Alves

 

Isto é um projecto a dois. Quando começarem a espalhar a palavra, o mais certo é que comecem a chover as ideias, os conselhos, as sugestões. Apesar das boas intenções, o mais provável é que se sintam confusos com tanta informação. É por isso que Rita Soares-Alves vos aconselha a ouvir e a agradecer mas, mais importante que tudo, a filtrar. Sentem-se calmamente os dois e desenhem o vosso dia, definindo aqueles aspectos fundamentais nos quais não vão querer ceder.

 

E cheguem aos dois números mágicos, aconselha Maria João Soares: o número de convidados e o tecto do vosso orçamento. Sem estas duas balizas  não vale a pena começar a fazer escolhas, sob o risco de alguma coisa derrapar.

 

 

 

 

Mesmo que já tenham algumas ideias definidas, um bom profissional de organização de casamentos pode ajudar a rentabilizar ainda mais as vossas escolhas. – Maria João Soares

 

Fazer tudo sozinhos pode parecer divertido e romântico ao início, mas não é de todo o melhor caminho, se querem desfrutar do processo – e do noivado! Maria João Soares sugere que assumam as rédeas do projecto, que se dediquem a alguns pormenores nos quais poderão imprimir o vosso cunho pessoal, mas que deleguem as ‘dores de cabeça’ num profissional de organização de casamentos. E, ao contrário do que poderão pensar, esta é uma alínea do vosso orçamento que vos poderá ajudar a encurtar a soma final.

Rita Soares-Alves partilha desta opinião, e lembra que os amigos com jeito para algo específico também não são a melhor opção. Poderão ajudar-vos a tomar certas decisões, claro – um fotógrafo será um bom conselheiro na hora de escolherem o vosso fotógrafo – mas deixem-nos ser apenas convidados no grande dia e evitem tensões desnecessárias. E, já que têm que começar por algum lado, Rita aconselha-vos a contactar em primeiro lugar os potenciais espaços, fotógrafos/videógrafos e profissionais de animação. Se tiverem dúvidas relativamente às respostas que vão obtendo, esclareçam-nas com um telefonema. Para Maria João, uma enchente de e-mails gera caos – e há sempre o factor humano, que também conta: falar um pouco de viva voz pode ajudar-vos a medir melhor o vosso grau de empatia com quem está do outro lado. Porque, na hora da decisão final, não é só o valor a pagar que deverão ter em conta, mas também a fiabilidade, o interesse, a disponibilidade.

 

 

 

 

Estejam atentos aos sinais: se começarem a sentir-se assoberbados, parem para respirar fundo. Desliguem durante uns dias, vão namorar e relembrem-se do caminho que vos levou ao “sim!”.