Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: a maquilhagem da noiva

Olhem-se ao espelho, bem de perto. Foquem-se no vosso rosto. É ele a estrela das nossas wise words de hoje, compostas com o contributo da Kabuki Makeup by Rita Amorim, em palavras e imagens. 
A maquilhagem da noiva é assunto sério e deve ser abordado com cuidado e com tempo. A nossa primeira recomendação é que escolham um profissional. As razões são várias e simples: é um dia muito longo, muito emotivo e com muitos beijos, abraços e algumas lágrimas. É um dia com muitos nervos e pouco tempo. São as imagens deste dia que vão ficar guardadas para sempre.
Razões muito razoáveis, verdade?
Acreditamos muito na ideia de que a maquilhagem nos dá uma versão polida, apurada, de nós próprios – isso de “dar um jeitinho” não existe e um resultado bonito, orgânico, confortável e duradouro só é proporcionado por quem sabe o que faz: resulta de formação específica, horas de prática, produtos de qualidade, um sorriso pronto, atitude positiva e uma calma e tranquilidade a toda a prova, capazes de acalmar os nervos da noiva mais sensível.

«Quando falamos de dias tão importantes, como a cerimónia de um casamento, tanto noiva, como as convidadas prestam uma atenção redobrada e primordial à sua pele e maquilhagem. Contudo, para não correrem qualquer tipo de risco, é essencial que recorram a profissionais na área. Não só porque é um factor de confiança no serviço e na qualidade dos produtos utilizados, como também haverá maior garantia da sua correcta aplicação, e isso irá favorecê-las tornando-as ainda mais bonitas.»

Acima de tudo, a minha primeira preocupação é perceber em que estado se encontra a pele da noiva e caso possamos melhorá-la até há data da cerimónia, iniciamos um tratamento aconselhado e dedicado caso a caso. – Rita Amorim

Os melhores profissionais serão sempre os primeiros a ser contratados, e mesmo sendo possível acomodar mais do que um cliente no mesmo dia, a antecedência será sempre uma boa companheira nesta aventura: com data marcada, e ideias principais em ordem, a procura da equipa de maquilhagem e cabelo acompanham a do vestido.

Vejamos quais as recomendações da Rita acerca deste processo:

«Muitas vezes as noivas, ao criarem o seu calendário para a organização do seu casamento, deixam a marcação de maquilhagem e/ou penteado para mais tarde, convencidas de que facilmente conseguem contratar profissionais destas áreas, mais perto da sua data de casamento. E podem ter sorte, mas nem sempre é assim. Idealmente, entre 9 a 12 meses de antecedência é sem dúvida o timming perfeito, mas há excepções e por vezes temos sempre horários nas marcações, possíveis de conciliar.

Contactar os profissionais e pedir orçamentos com mais antecedência só traz vantagens (pelo menos, comigo):

. analisar os diferentes valores propostos;
. questionar cada fornecedor acerca da sua experiência e formação;
. analisar o portefólio de trabalhos de cada profissional com tempo; 
. esclarecer possíveis detalhes ou dúvidas com várias maquilhadoras até tomar uma decisão;
. fazer uma escolha consciente, com calma, sem pressão, sem dúvidas e sem o receio de terem recorrido à única pessoa que estava disponível;
. iniciar um tratamento de pele e ver resultados, pedindo à maquilhadora ajuda ou algum aconselhamento.»

 

Peçam conselhos às amigas que já passaram pelo processo e consultem os sites da especialidade, como o Simplesmente Branco. A partir daqui, presumo que já conheçam de cor e salteado o nosso road map: façam uma selecção de cinco fornecedores e consultem três, sem esquecer de especificar a data, local (cidade e onde a noiva se vai arranjar), horas e para quantas pessoas será o serviço (pode incluir, ou não, a mãe da noiva, a madrinha, a irmã, as amigas, e até o noivo – em caso de dúvidas sobre este assunto, basta perguntar, um tapa olheiras ou um hidratante podem fazer uma diferença substancial!).

 

Maquilhagem da noiva

 

Maquilhagem da noiva

 

Maquilhagem da noiva

 

Feita a escolha final, marca-se um teste, que é muito importante. É o primeiro contacto com o profissional que estará convosco umas boas horas, no início do processo, quando os nervos estão em crescendo.

É a oportunidade ideal para conversar um pouco, conhecer gostos, ficar a par de ansiedades e trabalhar pormenores mais técnicos: tipo de rosto, tipo de pele, tipo de cabelo, corte, cuidados necessários.

«Há diferentes tipos de rostos e o seu desenho depende do formato da face e da estrutura maxilo-facial. Em Portugal os tipo de rosto mais comum são o quadrado, redondo e triângulo invertido. E sobre cada tipo de rosto há que aplicar correctamente as tonalidades de base, blush, iluminador, de forma a tirar partido, da melhor forma, das suas características naturaisRita Amorim
Vai falar-se de intimidades e delicadezas, de sonhos, de vestidos, de bouquets, da visão para o grande dia. Vão ser dados bons conselhos e instruções. Há espaço para experimentar e corrigir, e mostra-se (com garantias), o que será o resultado final.

«As tendências são importantes, mas não são de todo mandatórias. Estou e devo estar atenta às tendências (é imprescindível estar actualizada no mundo da maquilhagem, porque está em constante evolução), mas os factores decisores são o tom dos olhos, do cabelo e da pele, pois o equilíbrio e harmonia dos tons irão beneficiar o resultado final. Há que ter bom senso, não faz sentido sujeitar  uma noiva à tendência do momento, se isso não a favorece. As ideias servem como ponto de partida para uma boa conversa, cujo objectivo é elevar a beleza natural. É essencial que haja esta conversa, de forma sensata, saudável e frutuosa.

Ouvir e estar atenta às minhas clientes é fundamental para perceber os seus anseios. Saber interpretar o que pretendem requer este cuidado. Saber ouvir é fundamental. – Rita Amorim

Se a disponibilidade ou a distância não permitem este breve encontro, uma conversa séria e calma, com muitas perguntas e respostas, irá gerar a confiança necessária para que tudo corra como deve.
Portem-se bem e sigam as sugestões dadas, no que toca a cuidados de beleza: um bom produto faz magia, mas uma pele e um cabelo cuidados são a melhor matéria prima que se pode ter, o tempo para os tratar, cuidar e preparar pode ser muito relevante, com consequências visíveis no resultado e durabilidade da sua aplicação. Nas palavras da Rita:

«O aspecto mais desafiante, mas nem por isso difícil, é quando alguma noiva, logo no primeiro contacto, tem uma pele complicada a precisar de alguns cuidados. A solução é iniciarmos um tratamento ao longo dos meses que antecedem a data e aguardar o seu feedback e a satisfação ao ver que a pele responde com um aspecto mais saudável e equilibrada. Cuidar da pele é garantia de sucesso para uma maquilhagem magnífica no dia do casamento.»

Nas semanas anteriores, deliciem-se com um SPA integral num sítio com pinta (é meio caminho andado para se sentirem muito especiais, e é digno da ocasião): esfoliação corporal, limpeza de rosto, tratamento para o cabelo, tudo a que têm direito, seguindo as instruções dos vossos profissionais seleccionados. Mimem-se.
Nas vésperas, pés e mãos fecham o processo de beleza. Guardem tempo para uma massagem relaxante, fará diferença e é maravilhoso! Para fechar a lista, no dia, peçam à vossa melhor amiga que zele por vocês, relembrando, se for caso disso, para retocar o batom.

 

Relembramos a importância das sinergias bem sintonizadas: no dia, há vários profissionais a trabalhar em simultâneo, em espaços pequenos e muita emoção no ar. Recebam todas as partes, apresentem-nas, criem bom ambiente para que tudo flua e ninguém se atropele. Acertem os detalhes previamente, troquem horários, moradas, dicas de acesso e contactos entre as várias equipas. Tenham a vossa (fada) madrinha por perto (que poderá fazer as honras da casa), disponível, atenta e tranquila.

E, como na prova do vestido, mais do que três companhias durante os preparativos da noiva é uma multidão. Os profissionais precisam de estar concentrados – e vocês, de relaxar e dominar os nervos. Isolem-se numa divisão confortável e espaçosa da casa (ou do sítio escolhido para o efeito), escolham uma música simpática e gozem o momento. São vocês a estrela!

Marta Ramos

Wise words: escolher o bouquet

A partir do momento em que tiverem escolhido o vestido de noiva, podem passar a outra escolha muito importante: o bouquet – o tema das wise words de hoje. A ligação entre estas duas peças é inequívoca – o protocolo diz que o bouquet deve seguir a linha do vestido, com volume adequado à figura, primeiro, e ao estilo, a seguir.
Para um vestido clássico, de princesa, com saia imponente, poderá ser de leve caída ou redondo. As flores serão mais clássicas, de uma variedade (rosas, peónias, hortênsias, por exemplo), e de cores suaves e delicadas, harmonizando o conjunto.
Um vestido de linhas direitas e rico em detalhes, em meninas altas, pede um bouquet mais elaborado, com atenção às cores: harmonia e elegância são o mote, mais verduras e menos cores tornarão o conjunto mais refinado. Valem várias espécies, mas de uma cor ou em ton sur ton.
O estilo mais boémio e descontraído pede bouquets mais orgânicos e naturais. As formas são menos estruturadas e as misturas mais criativas. São os mais complicados de executar e seguramente os mais dispendiosos, já que dependem dum conjunto bonito das várias espécies. Fitas coloridas, tecidos bonitos ou fio rústico finalizarão na perfeição estes belos arranjos.
Para as meninas mais baixinhas, recomendamos uma versão muito mignonne. Um bouquet pequeno e harmonioso é o indicado, feito de flores pequeninas e delicadas.

 

Bouquet por Pinga Amor

 

 

O bouquet é indissociável do vestido, certo; mas também dá a mão a outros intervenientes do vosso dia, sendo necessário ter uma visão alargada da big picture para que o todo resulte harmonioso. Começamos por chamar a atenção para o trio perfeito de que a Susana vos fala todos os domingos: bolo+sapatos+bouquet. Pensem numa cor dominante, no estilo, nos pormenores que poderão estabelecer a ligação entre todos estes elementos e depois deleitem-se com as fotografias fabulosas que daí resultarão.

Mas há mais, claro. As flores serão, muito provavelmente, um dos elementos decorativos mais presentes na vossa festa – uma grande parte dos nossos fornecedores seleccionados de flores trata, precisamente, de todos esses assuntos (do bouquet à decoração floral) e tudo se conjuga na perfeição. No caso de escolherem profissionais distintos para esses dois assuntos, então passem informação de uns para os outros para que possam sintonizar-se.

As flores também dão acessórios muito bonitos para o cabelo da noiva e para a lapela do noivo. Tenham isso em mente quando escolherem as vossas flores, e aconselhem-se com o vosso fornecedor – algumas espécies podem não resultar tão bem em boutonnières, por exemplo.

Então, com base nestas linhas de orientação, como podem passar à escolha de facto? Digamos que há dois factores decisivos – nesta e em todas as outras decisões que terão que tomar durante a organização do vosso casamento – a ter em conta: a inspiração e a audição! Naveguem abundantemente pelos vossos sites de referência, vejam atentamente os casamentos que vamos publicando, analisem ao pormenor as fichas dos nossos fornecedores (que têm muitas imagens para vos deliciar) e criem álbuns no pinterest. O que for preciso para reunirem um lote de imagens que vos agrade. Depois disso, contactem os vossos três profissionais preferidos e escolham aquele com quem irão trabalhar.

Aqui, entra a audição – escutem os especialistas na matéria, façam valer a vossa vontade, claro, mas saibam também onde terão que ceder para acautelar sobressaltos. Por exemplo, sempre que possível, escolham flores da época e de produção nacional. Para além da evidente diminuição da pegada ecológica, não querem ter que passar pela angústia de ver a data aproximar-se e não ver a encomenda chegar.

 

Bouquet por Pinga Amor

 

Acessório para o cabelo, por Pinga Amor

 

Outra cautela importante: peçam sempre uma segunda opção ao vosso fornecedor de flores. O mercado floral é cheio de imprevistos (pragas, intempéries, greves de transportadores, aumentos nos combustíveis…), que se reflectem na disponibilidade e preço final do produto. O orçamento é pedido com meses de antecedência, mas encomenda é feita uma ou duas semanas antes, as surpresas não são tão improváveis quanto isso.
Considerem o peso do arranjo e falem sobre isso, é relevante. Vão passar uma boa parte do tempo com o bouquet na mão, quanto mais leve e resistente ao manuseamento, mais confortável e fotogénico será. Não se esqueçam dele a um canto durante as fotografias, se investiram tempo e dinheiro nesta peça tão especial e pessoal, merece retrato próprio e dedicado.
Quanto a valores, não há paralelismo entre os preços da florista do bairro a um bouquet finalizado: para garantir meia dúzia de peónias em perfeito estado de maturação no grande dia, encomendam-se 30 pés (estragam-se, não vêm em condições, abrem demais ou abrem de menos, só se encomendam em lotes, etc) e a taxa de desperdício é muito grande. O valor final do bouquet somará o custo das flores (e verduras), a sua variedade, a qualidade das fitas e acabamentos, e o talento criativo e de execução do profissional: não pode ser pouco, mas será a justa retribuição por uma peça que vos fará quase tanta companhia como o noivo, pelo menos na primeira parte do grande dia, e que ficará imortalizada nas imagens registadas. Sim, estas flores são mesmo para sempre!

 

Fotos: Pinga Amor

 

 

Marta Ramos

Wise words: o procedimentos legais do casamento

Depois de um fim-de-semana de eleições, nada como lembrar que também o casamento obedece a algumas regras e procedimentos para fique tudo dentro da legalidade. No nosso país, os dois tipos de união mais frequentes são o casamento civil e o casamento católico – mas desde 2007 que está prevista na lei a modalidade de casamento civil sob a forma religiosa, que reconhece, no âmbito da lei de liberdade religiosa, as uniões celebradas em (para já) sete grupos religiosos radicados em Portugal: Comunidade Judaica de Lisboa, Comunidade Islâmica de Lisboa, Aliança Evangélica Portuguesa, Comunidade Bahá”í, União Adventista, Centro Cristão Vida Abundante e Assembleia de Deus de Viseu.

Vamos, então, debruçar-nos sobre estes três processos e os passos a dar em cada um deles nas nas wise words de hoje.

Comecemos pelos timings, para que possam já tomar nota na agenda: com três meses de antecedência, no mínimo, e seis, no máximo, devem começar a tratar da papelada. E o que é que isto quer dizer, exactamente?

Se a vossa escolha recai sobre o casamento civil, tudo o que há a tratar é entre vocês os dois e o Registo Civil. O primeiro passo será deslocarem-se ambos a uma Conservatória (qualquer) e declararem a vossa intenção de casar em determinada data. Há alternativas: podem fazer-se representar por alguém com uma Procuração para o efeito, ou ainda recorrer ao serviço online (basta terem convosco os Cartões de cidadão e o respectivo leitor). No caso de um dos noivos ser de nacionalidade estrangeira, deverá ter consigo também um certificado de capacidade matrimonial passado pelas autoridades competentes do seu país há menos de seis meses. Caso residam em Portugal, poderão obtê-lo contactando a Embaixada ou o Consulado do país de origem.

O que é que já têm que ter decidido antes: a data, o local e o regime de casamento (a comunhão geral é o mais comum, mas existem outros, que requerem a assinatura de uma convenção antenupcial na Conservatória do registo civil ou a celebração de uma escritura pública em Cartório notarial).

 

One Love Photography - fotografia de casamento

 

 

O casamento civil poderá ser celebrado nas Conservatórias do registo civil ou em qualquer outro local à vossa escolha, desde que seja um espaço acessível ao público. O dia e a hora também não constituem problema, terão apenas que ser previamente combinados, para que se encaixem na agenda da Conservatória.
Há já alguns espaços municipais disponibilizados para esse efeito – para já, são conhecidos os de Lisboa, que podem consultar aqui, e os de Albufeira, listados aqui. Neste caso, é mais um interveniente a ter em conta na hora de gerir agendas. Se não vão casar em nenhum destes dois concelhos e de repente vos ocorreu um espaço municipal absolutamente fabuloso para darem o nó, contactem a vossa Câmara municipal – quem sabe não abrem um precedente!

Ora bem, uma vez cumpridos estes passos, e assumindo que está tudo ok e que não existe qualquer impedimento legal ao vosso casamento, a Conservatória emite o despacho de autorização e têm, a partir dessa data, seis meses para casar. Se houver algum atraso, o despacho perde validade e terão que começar tudo do início.

No dia do casamento, caso se trate de um elopement, podem estar apenas os dois – já não é obrigatório apresentar testemunhas. Mas podem apresentá-las na mesma, entre duas a quatro pessoas – serão os vossos “padrinhos” e as vossas “madrinhas” e assinarão convosco. Lembrem-se de referir isto atempadamente na Conservatória.
Seja a dois ou a duzentos, o que é certo é que terão que estar num espaço acessível, de portas abertas, para que qualquer pessoa possa assistir ao casamento. Após as assinaturas feitas, muitos parabéns: são oficialmente marido e mulher.

 

 

 

Vejamos agora os procedimentos em caso de optarem pelo casamento católico ou civil sob a forma religiosa. Também têm que organizar o processo preliminar de casamento em qualquer Conservatória, mas o meu conselho é que comecem por falar com o vosso pároco ou com o ministro do culto da vossa igreja ou comunidade religiosa. Isto porque, em muitos casos, são as igrejas ou as comunidades religiosas que intercedem junto das Conservatórias, mediante um requerimento próprio, para dar início ao processo. Se for este o caso, a Conservatória remete posteriormente à igreja ou comunidade religiosa o despacho de autorização. Paralelamente, claro, desenrolar-se-ão os procedimentos característicos de cada fé, sobre os quais deverão igualmente informar-se com tempo.

Se forem vocês a iniciar o processo na Conservatória, vale tudo o que já disse lá atrás, até à emissão do tal despacho, que deverão entregar na vossa igreja ou comunidade religiosa. Não deixem de perguntar ao vosso pároco ou ministro qual a antecedência com que terão que apresentar este documento relativamente à data do casamento, é importante.

A vossa união civil só será efectivada no dia do casamento religioso propriamente dito, mediante umas assinaturas no final da cerimónia. Esse documento será posteriormente remetido pela igreja ou comunidade religiosa à Conservatória competente (esclareçam bem este aspecto, não vá dar-se o caso de terem que ser vocês a fazer esta operação) e está assim concluído o processo legal.

Faltará apenas, para ficarem 100% legais, actualizar os respectivos Cartões de cidadão. Se muda apenas o estado civil, podem respirar de alívio: a actualização é automática e não têm que fazer mais nada. Mas se muda algum nome ou a morada, isso já requer que sejam vocês a informar os serviços. Agora aqui peço a vossa total atenção: o prazo legal para actualizar o Cartão de cidadão por mudança de morada é de apenas 15 dias – e o incumprimento dá direito a multa. Mas nem tudo são más notícias: podem actualizar a morada online.

Uma vez na posse do Cartão de cidadão actualizado, caso tenham feito alterações ao nome terão que actualizar também a Carta de condução (e o Documento único automóvel – este, seja por alteração do nome ou da morada). Já o recenseamento eleitoral é actualizado automaticamente a partir da alteração do Cartão de cidadão – mas caso mudem de freguesia, antes das próximas eleições não se esqueçam de consultar o vosso novo número de eleitor e o respectivo local de voto.

Ah, as alegrias das burocracias! Para desenjoar, passeiem pelos nossos outros artigos de wise words com temas mais empolgantes, como a escolha do vestido de noiva ou a lua-de-mel. Enjoy!

 

Fotos: Nuno Guerra Fotografia

Marta Ramos

Wise words: Pão e vinho sobre a mesa

Iris Murdoch imortalizou, no seu livro O Mar, o Mar, a recomendação de que «claro que ler e pensar é importante, mas, meu Deus, a comida também é importante.» Isto, vindo de uma das maiores escritoras e filósofas do séc. XX, é, por Deus, para ser levado a sério!

Serve este preâmbulo para introduzir o assunto da ementa da festa. Já pensaram nisso? Temos vindo a focar, nesta rubrica de wise words, alguns dos aspectos mais importantes da organização do vosso casamento. Ora bem, a comida é um deles. É bem sabido que por cá gostamos de comer, a hora da refeição é sempre um dos momentos altos e memoráveis de qualquer comemoração. Já chegar a um consenso na ementa da festa poderá ser um caminho atribulado, é preciso agradar a uma boa centena de convivas e esta decisão traz sempre alguma pressão associada!

O que é mais a vossa cara? Uma mesa gloriosamente tradicional ou algo simples e leve, com toques de modernidade? Este será um dos prováveis duelos que terão de arbitrar até chegarem a uma conclusão final. As opções são de facto, variadas, e o fio condutor deverá ser uma combinação equilibrada entre o local, o tipo de festa que delinearam e a variedade de convidados que esperam.
Pode ser uma refeição servida dentro de portas, sentada ou em pé, no exterior, em formato de buffet livre, um dia inteiro, um cocktail ou apenas um jantar; e pode incluir ceia ou não.
Como daqui sairá a maior tranche do vosso orçamento, preparámos algumas notas a ter em atenção e uma mão cheia de bons conselhos.

 

 

 

Comecemos pelo cenário mais habitual, com a refeição a ser servida num espaço fechado bem climatizado, com alguma formalidade (um salão ou uma tenda). A ementa será de três pratos: entrada (ou sopa), primeiro (peixe) e segundo (carne). Façam escolhas refinadas, mas com uma boa dose de simplicidade, servir 100 pratos praticamente em simultâneo requer competência e celeridade para que cheguem ao seu lugar à temperatura correcta e nas condições certas. E não se esqueçam de verificar se alguns dos vossos convidados são vegetarianos ou têm algum tipo de restrição alimentar (como alergias ou intolerâncias a certos alimentos, por exemplo).
Sugerimos que peçam uma entrada (fria ou quente) que deixe os olhos a brilhar e o palato a salivar, mas sem esquecer, como opção, uma sopa para os mais sensíveis.
Sigam para o prato de peixe, seleccionando algo que possa chegar à mesa já empratado, e fechem com um prato de carne de excelente qualidade: pouco, mas muito bom deve ser o mote, e sempre já empratado. No caso de algumas das refeições a servir serem vegetarianas, sejam generosos e peçam ao vosso fornecedor de catering que preveja igualmente dois pratos diferentes que cumpram os requisitos – e não se preocupem, para um bom profissional isso não constitui dificuldade alguma.
Chegada a hora da sobremesa, provavelmente terão duas opções à escolha: serviço à mesa ou um generoso e variado buffet livre.
Este é o formato clássico e infalível, apropriado para ambientes fechados e com muitos convivas. Se a vossa festa está marcada para uma época mais invernosa e que pede aconchego, considerem uma ementa mais calorosa e de substância, e juntem uma mesa de chás e chocolates quentes variados, bolachinhas e petit fours. Se casam em tempos de calor, entradas e sopas frias, receitas mais leves (nada de comida de forno!) e uma bela mesa de frutas e sobremesas frescas.
Para uma opção mais contemporânea e ligeira (mas igualmente infalível), apostem numa entrada elaborada e deliciosa (e que tal um risotto?) e apenas um prato principal. A surpresa da apresentação e a sofisticação dos sabores irão deixar uma impressão muito positiva.

 

A vossa festa é ao ar livre? O modelo anterior aplica-se, mas com muita atenção à escolha de alimentos, ao sol e à temperatura exterior. Ar livre será certamente sinónimo de descontracção e este ambiente pede uma ementa mais leve, mas sem esquecer algum planeamento e organização.
Vistam a camisola de anfitriões irrepreensíveis e, à chegada, recebam os convidados com um cocktail de arrasar: finger food criativa e variada, acompanhada de um bar de bebidas interessantes (simples e de qualidade, sempre!), uma signature drink criada a preceito para a vossa festa, martinis apresentados à maneira, uns mojitos bem ginasticados, vinho branco na temperatura adequada, águas e sumos naturais ou cocktails não alcoólicos serão a base.
Se possível, sirvam o cocktail de boas vindas longe do local da refeição e se puderem criar dois ambientes distintos, façam-no.
Para a refeição propriamente dita, e porque já apostaram num cocktail refinado e bem composto, considerem uma ementa mais simples, com muita qualidade: uma entrada fresquinha e crocante, como uma sopa fria e muito bem apresentada, será uma óptima escolha, e um prato único, uma transgressão muito respeitosa e aceitável. Fechem com uma sobremesa espectacular: se existirem condições, um gelado inesquecível devidamente acompanhado (fruta fresca, merengue, bolachinha crocante…?) e um belo café servido à mesa fecham o assunto em grande e saboroso estilo.

 

 

 

Vejamos agora a alternativa buffet, usada cada vez com mais frequência. Neste cenário (interior ou exterior), toda a comida estará exposta e cada um serve-se a seu bel-prazer. É o formato para festas descontraídas, em modo quase familiar, e quando bem organizado, tem muita graça e aquece o ambiente.
Para que funcione lindamente, escolham uma ementa mesmo muito simples: algo que resista ao ar livre sem perder qualidade. Nada de mariscos, sopas frias são bem vindas, saladas sofisticadas também. Prevejam um cantinho na mesa para um festival de massas servidas frias, com molhos saborosos e acompanhamentos interessantes e variados. Apostem em produtos locais e da época: quanto mais artesanais, mais deliciosos.
Dividam as mesas, uma para a comida principal, outra para queijos e acompanhamentos, e uma terceira para os doces e frutas. Acrescentem também uma para as bebidas, em local espaçoso, pois irá ser bem concorrida: preparem uma sangria requintada e uma boa lista de vinhos locais. As cervejas artesanais também serão muito bem recebidas – e, neste caso, tal como os vinhos, também há combinações a ter em conta para que o ‘casamento’ prato-bebida seja perfeito.

Agora que estão bem artilhados de informação, está na altura de darem início à vossa busca do serviço de catering perfeito para o modelo de refeição que elegerem. Não se preocupem, que iremos debruçar-nos sobre esse assunto muito em breve. Até lá, analisem estas nossas propostas, peçam sugestões a familiares e amigos, vejam e revejam os diferentes cenários no papel e afinem a vossa escolha final. Lembrem-se que as memórias gustativas são das mais duradouras!

 

Fotos: Silva Carvalho Catering

Marta Ramos

Wise words: vantagens de casar fora de época

Quando chega a altura de marcar a data do casamento, já se sabe que cá entre nós o verão é rei. Embora a época de casamentos seja hoje mais alargada do que há uns anos, a verdade é que continua a privilegiar os fins-de-semana dos meses mais quentinhos. As nossas wise words de hoje pretendem deixar-vos argumentos para pensar: que tal casar fora de época?

Escolhemos o mês que mais nos aperta o coração e seguimos em frente com fé de que tudo ia correr bem. Casámos no Inverno mas tivemos um dia de Primavera. Não choveu mas sentimo-nos abençoados na mesma! – Daniela e Bruno

Fora de época equivale aos meses de Outubro a Abril – mas também aos dias de semana. Se apontarem nessa direcção, sentirão logo uma diferença na maior parte dos preços praticados. E sendo alturas de menos aperto na agenda, terão outra facilidade em conseguir contratar o fotógrafo favorito ou aquele espaço fantástico e muito cobiçado. Mas não só: os vossos fornecedores estarão com disponibilidade redobrada. Claro que os bons profissionais estão sempre disponíveis para os seus clientes; mas é natural pressupor que, se não estiverem sobrecarregados de trabalho, estejam pelo menos, de cabeça mais fresca.
Falando de números, o mais certo é um desconto atencioso ou uma promoção fantástica, mas não esperem ofertas extravagantes. Pensem em dois ou três lugares apetecíveis e marquem uma reunião. Levem os números da época alta e inquiram, face ao número expectável de convidados, qual o melhor preço, condições, etc. Caso tenha uma surpresa agradável, é sinal para avançar.
Se para os hotéis, pousadas e sítios mais exclusivos, é este o cenário, nas quintas a negociação pode ser um pouco mais fácil. Tal como no caso anterior, munam-se dos preços e iniciem a conversa.
Atenção a um detalhe importante: a comida não tem época e uma ementa custa o mesmo no verão e no inverno, mas o mesmo já não se aplica ao espaço, desocupado durante os restantes meses. Essa perspectiva poderá levar a uma proposta bem simpática e à oportunidade para um serviço mais cuidado e dedicado: um empregado só para os vinhos, um bar mais elaborado.
Bom senso, empatia e saber aproveitar uma oportunidade sem querer comer o mundo, costumam dar bom resultado!

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

Não conseguem deixar de pensar que uma festa ao ar livre teria outra graça? Isso não é uma extravagância, é possível durante muitos meses, com os devidos ajustes, talvez apenas muito improvável entre Novembro e Fevereiro, mas já vimos acontecer.
Ainda assim, valerá a pena arriscar um dilúvio a céu aberto? A solução mais sensata será escolher um espaço fechado com um pequeno jardim ou janelas generosas com uma vista bonita (e com estas características, há tanto por onde escolher…!). Uma festa bem iluminada com a chuva a bater lá fora ou uma paisagem dramática cheia de uma bruma enevoada é todo um charme!
E já que estamos a falar de ambientes, falemos da decoração também. Se sugerimos que casar fora de época pode ser mais simpático em quase tudo, a decoração não fica de fora. Iluminação bem pensada, louça e atoalhados requintados, mobiliário de muita qualidade e cores ricas são os pontos mais importantes para surpreender os vossos convidados com uma noite passada em pura sofisticação. Agora, atenção: as flores vão custar o mesmo que no verão, e as horas de concepção do projecto e de montagem terão também o mesmo valor.
Uma nota importante: terão menos horas para registar imagens com luz natural e certamente terão de tirar partido dos interiores. A decoração será fundamental para criar cenários bonitos e muito fotogénicos – os vossos fotógrafos e videógrafos irão apreciar esta atenção ao detalhe.

Se casarem na cidade, tirem partido da imensa oferta de espaços bonitos, jardins frondosos, arquitectura esplendorosa e bulício próprio como fundo sonoro. Escolham um hotel chique e moderno para a recepção e desloquem-se a pé – parem no carrinho das castanhas, apanhem um táxi para a festa, se for caso disso, passem pelo quiosque e bebam uma ginginha – desfrutem do passeio e aproveitem esses óptimos momentos para belas imagens.
Agora, se o vosso cenário de eleição é mais bucólico – e se o vosso orçamento lá chegar – escolham um espaço com charme (com capela própria, por exemplo) e apostem num jantar maravilhoso. No dia seguinte, despeçam-se em grande com um brunch suculento, animado e caloroso: é uma ideia verdadeiramente feliz! Podem transpôr este cenário para uma propriedade de família, caso exista.
Para armar o baile, não descurem um bom DJ e preparem espreguiçadeiras com mantinhas e xailes sempre à mão. Façam uma generosa fogueira exterior e montem uma mesa de bebidas quentes ou uma aguardente poderosa da região. Luzinhas e velas por todo o lado e garantimos que os vossos convidados não terão vontade de regressar a casa e que esta noite espectacular ficará na memória de todos, por muito tempo. Para quem parte apenas no dia seguinte, preparem um pequeno-almoço tardio com sabor a campo: mesa corrida, café forte, pão local acabado de cozer, bolinho caseiro, algo salgado e ovinhos frescos. Distribuam beijinhos e digam adeus.
Seja qual fôr a escolha, não descurem estes dois detalhes: o aquecimento, portátil ou da casa, terá que existir; e um bengaleiro será indispensável, terão convidados bem vestidos, mas igualmente bem encasacados.

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

Com os dias mais cinzentos e menos luminosos, é boa ideia tirar partido de cores mais ousadas e interessantes. Ignorem as paletas clarinhas do verão e comecem a pensar em cores intensas, rubis, esmeraldas, turquesas, dourados e acobreados, para aquecer o ambiente. Isto vale para tudo, para o que irão vestir, para as flores, para a decoração, para os acessórios e adereços.
Quanto a flores… esqueçam as peónias, este é o tempo das anémonas, dos ranúnculos, dos jacintos, dálias e crisântemos, das heras e folhas de magnólia; troquem o cetim por fitas de gorgorão ou veludo e de repente terão nas mãos uma fantástica e sofisticada labareda de cor, ousada e para lá de elegante. A palavra de ordem é sofisticação e dress code incluído num convite bonito só vai gerar sorrisos e interesse! Aproveitem para usar as jóias da família, demasiado pesadas para o verão, apropriadíssimas para uma festa dentro de portas. E os rapazes não ficam atrás, que tudo isto pede um charme irrepreensível. Que tal um smoking de colarinho aberto ou um fato escuro? Não esquecer o lencinho no bolso, discreto, em vez da habitual boutonnière.

Por hoje, é tudo. Avaliem bem as potencialidades do calendário inteiro, usufruam da qualidade e disponibilidade da oferta de fornecedores e serviços e tirem partido das características mais especiais da primavera, do outono ou até mesmo do inverno – afinal, uma sala acolhedora com lareira e uma tempestade lá fora pode ser tão agradável!

 

Fotos: Lookimaginary – Authentic wedding stories

Marta Ramos

Wise words: Protocolo, parte II – convites e agradecimentos

Na semana passada, falámos-vos de pequenas regras de cortesia que fazem uma grande diferença na forma como as coisas correm durante o grande dia. Chamamos-lhes protocolo, mas a verdade é que podíamos chamar-lhes boas maneiras ou boa educação. Se não leram o artigo, guardem o link pois poderá ser-vos francamente útil.

As nossas wise words de hoje fecham este assunto, focando-se nas formalidades a cumprir antes e depois do dia do casamento. Comecemos, então, mas recuando até ao princípio.
O pedido foi feito, o sim foi dado, e agora é preciso dar as boas notícias às famílias e dar início à viagem que aí vem: o ideal é um delicioso almoço ou jantar com os pais de ambos.
Passados os brindes, abraços e congratulações, é um bom momento para apresentar à família o plano que têm em mente, o tipo de festa que querem, o orçamento disponível – e também para aferir da disponibilidade familiar para vos dar suporte financeiro (e não só). Será sempre um assunto com as suas tensões e exigências, mas, se abordado com carinho e gentileza, poderá abrir caminho para uma jornada mais tranquila e serena até ao grande dia.
A seguir, os padrinhos: outro belo almoço ou jantar, já com datas alinhavadas, para alinhar agendas. A partir daqui, já podem contar a novidade a toda a gente!

 

 

 

Vejamos agora os convites, que é o passo protocolar que se segue. Dizem as regras que deverão ser feitos e enviados com uma antecedência de 6 a 3 meses, mas outros intervalos serão ainda bastante aceitáveis. O importante é que tenham em conta a logística (o espaço e o catering), e os números finais, em tempo útil: quanto mais convidados tiverem, maior deverá ser o prazo que separa a confirmação da resposta em relação à data do evento, para que tudo se organize da melhor forma.
Aqui repetimos a nossa fórmula, consultem a oferta, escolham 5 fornecedores e contactem 3. Poderão escolher convites pertencentes a uma colecção, prontos a serem entregues, ou encomendar um estacionário feito à vossa medida, sendo que esta opção será sempre mais cara que a anterior. Aproveitem para orçamentar todo o material de que irão precisar (e incluímos aqui as ementas, marcadores de mesa, missais, cartões de agradecimento, legendas e sinaléticas variadas, etiquetas e packaging, cartões ou livrinhos de distribuição de lugares, etc.) e decidam, juntamente com o vosso designer, as melhores soluções e serviços – uma festa pequena permite um tipo de trabalho e de peças, uma festa com muita gente precisa de muita eficácia na comunicação. No que toca a quantidades, a encomenda de convites deverá ser de, aproximadamente, metade do número de convidados que têm na vossa lista (façam as contas a um convite por família, por casal sem filhos e por cada solteiro, com direito a acompanhante). Juntem mais uma boa dezena para imprevistos e não se esqueçam de guardar o vosso próprio exemplar!
O texto deve incluir, de forma clara, data, hora e local, a sequência dos eventos e indicações para lá chegar. Nos dias de hoje, os mapas têm vindo a ser substituídos por coordenadas GPS (mas podem prever os dois, para chegarem a toda a gente). A data e contactos para confirmação da presença do convidado também devem vir bem legíveis. Posto isto, preparem-se para uma tarefa cansativa (e que talvez seja simpático delegar), que é a de obter uma resposta definitiva ao vosso convite, para que possam fechar a vossa lista de convidados.

 

 

 

E depois da festa? É tempo de relembrar a todos, convidados e fornecedores, o quanto foi importante para vocês a sua presença e serviço. O modo mais bonito de o fazer é por escrito.
Ao preparem os vossos matérias gráficos, contemplem a execução de simpáticos cartões de agradecimento, escolham uma bonita foto do vosso lote e preparem umas palavras singelas – não precisa de ser nada de complicado, o facto de ser pessoal e atencioso será doce o suficiente.
Enviem um cartão por cada casal ou família e um a cada solteiro (como fizeram com os convites) aos vossos convidados; os vossos pais deverão fazer o mesmo aos seus convidados; e todos os cartões deverão ser assinados pelo casal. Este envio deve ser feito num prazo de 30 dias, máximo, após a festa.
Para os padrinhos e madrinhas, caprichem numa edição mais especial. E para os pais que vibraram, se empenharam e até contribuíram em espécie, um agradecimento especialíssimo e bem doce.
Não deixem de fora a vossa equipa. Podem fazê-lo por email, é claro, mas os vossos fornecedores empenhados merecem também 5 minutos de atenção e palavras justas e calorosas. Foram parte activa e substancial na vossa festa memorável e, com este pequeno gesto terão, certamente, amigos para a vida.

Lembram-se da nossa sugestão de enviarem alguns postais de agradecimento do vosso destino de lua-de-mel? Afinal, toda a gente gosta de receber um postal na caixa do correio, com selos de um destino longínquo e imagens de uma paisagem inspiradora – e ainda mais com as palavras felizes de quem o enviou. Esta é uma simpática maneira de tratarem de alguns dos agradecimentos – por exemplo, aos vossos amigos mais chegados, a alguns dos vossos fornecedores, àquelas pessoas com quem têm uma relação mais informal e que imaginam com um sorriso no rosto ao receber notícias vossas via postal.

Estão assim, cumpridas as formalidades. Não é nada de extremamente complicado, mas seguir este pequeno guia (não se esqueçam da primeira parte, que publicámos na semana passada) ajudar-vos-á a navegar agilmente pelos meandros protocolares. Corre tudo melhor, toda a gente fica satisfeita e sobra-vos mais tempo e atenção para o cerne da questão: celebrar a vossa felicidade!

 

Fotos: In Folio Design

Marta Ramos

Wise words: Protocolo I – o dia do casamento

A palavra protocolo vem sempre carregada de peso e formalidade, mas apenas significa um conjunto de regras que regulam uma situação formal e pouco habitual. Podem ser mais rígidas e complexas, ou ligeiras e mais leves; no fundo, a forma como encararem todo processo é que definirá a fluidez dos procedimentos.

No caso do dia do casamento, quase podemos trocar o termo por simples boa educação e maneiras: saber a quem dar o braço, sentar quem e onde, quem vai com quem, são questões que chamamos de protocolares, mas facilmente resolvíveis com uma boa dose de bom senso.

As nossas wise words de hoje são dedicadas a ajudar-vos a navegar pelo grande dia com cortesia.

No fundo, a regra é apenas esta: atravessarem o dia vestindo a pele de genuínos anfitriões: atentos, com boas maneiras, acessíveis e gentis. Juntem uma generosa pitada de bom senso, fará de vocês o par mais bonito e simpático do mundo! – Queres casar comigo?

Imaginemos, então, que estamos todos à porta da igreja.

Postas as regras em prática, o noivo entra com a mãe; na sua ausência, pode fazer-se acompanhar da madrinha de baptismo, da irmã, ou de uma amiga de família muito especial.

A noiva entra pelo braço do pai e só depois do noivo, da família e dos convidados. Um atraso de 10 a 20 minutos é aceitável, mais do que isso já é pouco simpático e pode ser considerado má educação.

As famílias de ambos ocupam os primeiros bancos dos dois lados, atrás sentam-se os convidados.

Finda a cerimónia, os noivos e padrinhos tratam das assinaturas, os convidados saem e aguardam-nos para a chuva de pétalas e arroz (atirados para cima, não aos noivos!).

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

No cocktail de recepção, os pais recebem os convidados, e os noivos, os últimos a chegar, devem tentar cumprimentar e agradecer a vinda dos familiares e convidados. Todas estas pessoas vão querer dar-vos um abraço e partilhar o amor, é o momento certo para vibrar e retribuir toda esta energia e felicidade palpáveis!

Terminado o cocktail, segue-se a refeição sentada: entram primeiro os pais, que dão indicação aos convidados, e em último os noivos, em entrada festiva e com banda sonora a preceito (ou de modo mais singelo e natural, o que for a vossa cara e feitio será a decisão certa!).

Na mesa, os padrinhos sentam-se lado a lado dos noivos, seguidos dos pais.

Já na sala, distribuam os convidados, mantendo a regra menino+menina: junto da mesa principal deverão ficar as mesas dos familiares, com os membros das famílias bem distribuídos. Não criar separações, os meus e os teus, é de bom tom e ajuda a estreitar laços, terão pela frente muitos Natais, aniversários e almoços de domingo; quando todos se conhecem melhor, o ambiente é muito mais simpático e descontraído!

Podem equilibrar as mesas em termos de idades, é perfeitamente aceitável e até mais confortável para todos, para que as conversas entrem rapidamente em sintonia de assuntos e tom.

Se há pais separados e situações delicadas, tudo se resolve com diplomacia e doçura: na mesa dos noivos ficam os ditos e os padrinhos, e prepara-se uma mesa de pais, com sinalética especial, onde se sentam também os familiares mais queridos e os convidados de honra: se o pai da noiva está sem acompanhante, sentem-no junte aos pais do noivo, todos pertinho de vocês.

Não isolem os solteiros, distribuam-nos pelas mesas e misturem-nos com os casais: ao contrário do que imaginam, todos se sentem menos constrangidos!

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

Se há muitas crianças que já comem sozinhas, preparem uma mesa especial para elas e não dispensem ajuda profissional para as acompanhar – toda as partes agradecem, miudagem incluída.

Os menos jovens também merecem e precisam de atenção especial: mesas de fácil acesso, longe do barulho, em boa companhia e se possível, também com um mimo especial.

Terminamos o protocolo com o plano com a distribuição, literal, dos lugares. Se possível, marquem cada lugar de modo individual, com o nome do conviva (e podem manter o seating plan na mesma, agiliza o processo). Um cartãozinho com o nome de cada um é muito simpático e ultrapassa qualquer constrangimento que surja (“mas como é que esta miúda gira se chama…?”, “este casal simpático, quem serão?”), é um modo muito mais elegante de criar boas relações à mesa.

Acima dos 200 convidados, ponderem um livrinho de distribuição de lugares: é o mesmo que o tradicional quadro com a lista de mesas e respectivos ocupantes, mas em forma de livrinho pequeno, colocado em local bem visível, com uma legenda explicativa. Um exemplar para cada dois convidados será mais do que suficiente e torna viável e agiliza a circulação e distribuição de tanta gente, de forma autónoma.

Não se pode exigir ao convidado que não dispa o casaco à mesa para comer (protocolo dixit!), mas podemos proporcionar-lhe a oportunidade de conhecer alguém interessante!

 

Look Imaginary - fotografia de casamento

 

Terminado o jantar, cortado o bolo e com a festa a rolar em modo rijo e farto, algumas pessoas começarão a partir. Fiquem atentos às despedidas e deleguem nos vossos pais a cortesia de acompanhá-las até à saída.

 

E pronto. Fechado que está o protocolo do dia, só vos resta gozar a festa até ao último instante e depois partir para a lua-de-mel dos vossos sonhos (de preferência depois de um dia de descanso!) Atenção que ainda vos falta completar o círculo com os agradecimentos – mas chegaremos a esse assunto em breve. Para já, have fun!

 

Fotos: Lookimaginary – Authentic Wedding Stories