Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: preparar a pele para o dia do casamento

Já aqui dedicámos as nossas wise words à maquilhagem da noiva, com assessoria da Kabuki Makeup by Rita Amorim. Houve uma observação da Rita acerca da importância de preparar a pele com antecedência que nos ficou na memória desde então: «Acima de tudo, a minha primeira preocupação é perceber em que estado se encontra a pele da noiva e caso possamos melhorá-la até há data da cerimónia, iniciamos um tratamento aconselhado e dedicado caso a caso.»

Foi com esta preocupação em mente que decidimos pedir ajuda à Ana Alexandre, autora do blogue The Skin Game. Licenciada em Farmácia, a Ana é formadora e trabalha actualmente na área da dermocosmética. Coincidentemente, está também a muito pouco tempo de dar o nó, pelo que sabe exactamente de que estamos a falar quando lhe pedimos que nos ajude a elucidar as noivas quanto aos cuidados essenciais que devem ter para conseguirem uma pele fabulosa no dia do casamento. E para começar, convém saber ao certo o tipo de pele que se tem.

«A primeira coisa a ter em conta é que o tipo de pele está relacionado com a produção natural de gordura/sebo pela pele, portanto é esse o factor que usamos para distinguir. Uma pele equilibrada é uma pele normal; uma pele que na sua totalidade produz excesso de sebo é oleosa (gordurosa ao toque e brilhante); e uma pele que produz gordura a menos é uma pele seca (geralmente há uma sensação de desconforto permanente na pele e de repuxamento). Contudo, podem coexistir no rosto vários tipo de pele, tratando-se então uma pele mista (geralmente é oleosa na zona T, que é composta pela testa, nariz e queixo).

Há que citar, no entanto, outras duas situações, que são ambas estados e não tipos de pele. Uma pele desidratada é uma pele com falta de água e pode ocorrer em qualquer tipo de pele, sendo até muito frequente nas peles oleosas por causa da tendência a remover toda a oleosidade do rosto. Isto significa que se têm alguma descamação na pele, pele baça e excesso de produção de oleosidade, têm provavelmente uma pele oleosa desidratada (faço só uma adenda de que se a descamação na pele oleosa for localizada às sobrancelhas, nariz e linha do cabelo, então muito provavelmente será dermatite seborreica). Pele sensível também não é um tipo de pele, mas sim um estado geralmente transitório.»

 

Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim

Para a Ana Alexandre, o único passo de uma rotina de cuidados que depende do tipo de pele é o hidratante que se usa. De uma forma geral, estes são os passos que aconselha:
1. Produto de limpeza não agressivo: «podem escolher a textura que mais vos agradar, mas devem remover sempre o produto do rosto, mesmo que o produto diga que não é necessário, como o caso das águas micelares, já que deixar resíduos de detergente na pele conduz a sensibilização. Não sou fã de produtos de limpeza de pele oleosa, pois são geralmente muito agressivos e acabam por promover a desidratação da pele.»<
2.
Tónico exfoliante: «usar duas a três vezes por semana, para uniformizar a textura da pele e remover as células mortas».
3. Sérum: «adequado àquilo que sintam que precisam de corrigir (sinais de envelhecimento, desidratação, manchas, falta de luminosidade, excesso de oleosidade, etc.), pois os séruns são mais concentrados e têm uma melhor penetração na pele, o que ajuda a que sejam mais eficazes.»
4. Creme de contorno de olhos: «também aqui, escolham o produto mais adequado àquilo que pretendam tratar – olheiras, papos, sensibilidade, rugas, rídulas, etc.»
5. Hidratante adequado ao tipo de pele: «as texturas gel ou gel-creme são ideais para quem tem pele mais oleosa; as texturas tipo creme rico ou bálsamo são perfeitas para pele seca. Peles oleosas podem dispensar o hidratante se o sérum já for nutritivo o suficiente e peles muito secas podem optar por um óleo rico em substituição do creme, especialmente à noite. Também há óleos para peles oleosas e podem usar sem problemas se for esse o caso, mas deverá ter essa indicação na embalagem.»
6. Protector solar: «usem diariamente, com um mínimo de protecção de FPS15, já que a radiação solar é responsável por cerca de 80% dos sinais de envelhecimento.»

Para preparar um dia especial como o casamento, em que todas as atenções – e todas as câmaras – estarão focadas em vocês, o ideal será manter uma rotina adequada com pelo menos dois meses de antecedência. Mas, atenção: todos os dias contam. Por isso, se falta menos de dois meses para o vosso casamento, não vale desistir. Comecem já hoje e terão certamente benefícios. «Os dois passos que são completamente imprescindíveis são a exfoliação e a hidratação, porque vão fazer toda a diferença no dia do casamento. Uma pele exfoliada não só tem uma textura mais regular, que se torna perfeita para a maquilhagem assentar de forma uniforme, mas também ajuda a prevenir problemas como a acne e ajuda a potenciar os efeitos de todos os produtos que colocamos na pele. Uma pele hidratada não vai ter tendência de absorver toda a hidratação que a maquilhagem tem e faz com que dure mais tempo impecável, sem um acabamento seco ou poeirento. Recomendo sempre um tónico exfoliante com ácido glicólico ou ácido mandélico se a pele for sensível, e um sérum com ácido hialurónico. E, claro, nunca dispensar uma boa limpeza.»

E as noivas que preferem não usar maquilhagem? «Mais uma vez, uma pele exfoliada e hidratada faz logo toda a diferença. Além disso, aquilo que geralmente a maioria das pessoas procura é uma pele radiante. Aqui recomendo sempre que se use um bom sérum com Vitamina C, que é o melhor ingrediente em dermocosmética para deixar a pele com um ar luminoso e saudável. Ajuda sempre se se fizer uma máscara no dia anterior de forma a potenciar o melhor que a pele tem para dar, sendo que sou particularmente fã das máscaras de tecido ou de material equivalente, por permitirem uma aplicação uniforme e um momento mais zen antes de um dia que se prevê muito cheio.»

Perguntámos também à Ana Alexandre o que recomenda aos noivos, para que também eles estejam no seu melhor no grande dia: «Os noivos devem seguir os mesmos cuidados básicos – limpeza, exfoliação e hidratação – ou, de preferência, a rotina completa. Se tiverem barba, faz toda a diferença usarem um bom champô para a barba e um óleo de hidratação adequado para prevenir as pontas espigadas e deixar o pêlo mais luminoso.»

 

Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim

Já falámos sobre as principais coisas a fazer para preparar a pele para o dia do casamento. Mas também é importante sublinhar os erros mais comuns a evitar, segundo a Ana Alexandre:

– Achar que a maquilhagem resolve tudo: «por muito boa que seja a maquilhadora, se tiver de trabalhar com uma pele maltratada ao longo de anos, não vai sair dali um milagre. Uma maquilhagem precisa de uma pele com uma textura o mais lisa possível e o mais hidratada que se conseguir de forma a ter o efeito que se pretende e que se espera num dia tão importante»;

– Achar que bastam dois dias a usar um creme para a pele ir ao sítio: «dois dias ajudam sempre mais do que dia nenhum, mas o ciclo da pele dura 28 dias aos 20 anos e a partir daí só aumenta, por isso o melhor é começar com antecedência»;

– Usar produtos novos pouco tempo antes do casamento: «se houver uma reacção alérgica a um produto, a pele necessita de tempo para recuperar, por isso nunca aconselho a experimentarem produtos novos menos de duas semanas antes do casamento»;

– Fazer tratamentos estéticos pela primeira vez antes do casamento: «vejo sempre várias pessoas a investirem em limpezas de pele pela primeira vez antes do casamento. Isso pode ter maus resultados se nunca tiverem ido e não souberem o que podem esperar do tratamento – as extracções, por exemplo, podem deixar marca durante vários dias».

Então e depois de tantos cuidados pré-casamento, o que é que não deve faltar nos necessaires dela e dele para continuar a tratar bem da pele durante a lua de mel?

«Protector solar, sempre! Há imensas marcas que disponibilizam embalagens de protector com 100ml, por isso não há desculpas para não levar em viagem. Por hábito meu, sempre que viajo levo sempre um daqueles cremes que servem para tudo, a que na farmácia chamamos os “cica”, pelo facto de quase todos terem um nome começado por este conjunto de letras. Perdi a conta ao conjunto de situações em que já me ajudaram, desde picadas de insectos, queimaduras, pequenas feridas, pele “assada”, fricção de sapatos… É sem dúvida um indispensável em viagem no meu ponto de vista, porque resolve imensa coisa e poupa o trabalho e despesa de ter de comprar algo no local para resolver alguma destas situações.

Apesar de saber que é prática comum e que até se vendem embalagens com esse propósito, aconselho sempre a não colocarem os produtos em embalagens de viagem, pois a fórmula pode interagir com a embalagem e acabam com um produto alterado e uma embalagem esburacada (acreditem, já me aconteceu). Optem por levar os tamanhos habituais se conseguirem, ou por comprar produtos em embalagem de viagem. Se quiserem a abordagem minimalista, aqui vai: gel de banho, loção de corpo, gel de limpeza de rosto, hidratante, protector solar e creme “cica”.»

E pronto. Se vos restar alguma questão, consultem o blogue The Skin Game e falem com a Ana Alexandre, que está sempre disponível para esclarecer as vossas questões, seja através de comentários, e-mail ou redes sociais. Bons preparativos!

 

As fotos que ilustram este artigo mostram trabalhos do nosso fornecedor seleccionado Kabuki Makeup by Rita Amorim.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: a maquilhagem da noiva

Olhem-se ao espelho, bem de perto. Foquem-se no vosso rosto. É ele a estrela das nossas wise words de hoje, compostas com o contributo da Kabuki Makeup by Rita Amorim, em palavras e imagens. A maquilhagem da noiva é assunto sério e deve ser abordado com cuidado e com tempo. A nossa primeira recomendação é que escolham um profissional. As razões são várias e simples: é um dia muito longo, muito emotivo e com muitos beijos, abraços e algumas lágrimas. É um dia com muitos nervos e pouco tempo. São as imagens deste dia que vão ficar guardadas para sempre.
Razões muito razoáveis, verdade?
Acreditamos muito na ideia de que a maquilhagem nos dá uma versão polida, apurada, de nós próprios – isso de “dar um jeitinho” não existe e um resultado bonito, orgânico, confortável e duradouro só é proporcionado por quem sabe o que faz: resulta de formação específica, horas de prática, produtos de qualidade, um sorriso pronto, atitude positiva e uma calma e tranquilidade a toda a prova, capazes de acalmar os nervos da noiva mais sensível.

«Quando falamos de dias tão importantes, como a cerimónia de um casamento, tanto noiva, como as convidadas prestam uma atenção redobrada e primordial à sua pele e maquilhagem. Contudo, para não correrem qualquer tipo de risco, é essencial que recorram a profissionais na área. Não só porque é um factor de confiança no serviço e na qualidade dos produtos utilizados, como também haverá maior garantia da sua correcta aplicação, e isso irá favorecê-las tornando-as ainda mais bonitas.»

Acima de tudo, a minha primeira preocupação é perceber em que estado se encontra a pele da noiva e caso possamos melhorá-la até há data da cerimónia, iniciamos um tratamento aconselhado e dedicado caso a caso. – Rita Amorim

Os melhores profissionais serão sempre os primeiros a ser contratados, e mesmo sendo possível acomodar mais do que um cliente no mesmo dia, a antecedência será sempre uma boa companheira nesta aventura: com data marcada, e ideias principais em ordem, a procura da equipa de maquilhagem e cabelo acompanham a do vestido.

Vejamos quais as recomendações da Rita acerca deste processo:

«Muitas vezes as noivas, ao criarem o seu calendário para a organização do seu casamento, deixam a marcação de maquilhagem e/ou penteado para mais tarde, convencidas de que facilmente conseguem contratar profissionais destas áreas, mais perto da sua data de casamento. E podem ter sorte, mas nem sempre é assim. Idealmente, entre 9 a 12 meses de antecedência é sem dúvida o timming perfeito, mas há excepções e por vezes temos sempre horários nas marcações, possíveis de conciliar.

Contactar os profissionais e pedir orçamentos com mais antecedência só traz vantagens (pelo menos, comigo):

. analisar os diferentes valores propostos;
. questionar cada fornecedor acerca da sua experiência e formação;
. analisar o portefólio de trabalhos de cada profissional com tempo; 
. esclarecer possíveis detalhes ou dúvidas com várias maquilhadoras até tomar uma decisão;
. fazer uma escolha consciente, com calma, sem pressão, sem dúvidas e sem o receio de terem recorrido à única pessoa que estava disponível;
. iniciar um tratamento de pele e ver resultados, pedindo à maquilhadora ajuda ou algum aconselhamento.»

Peçam conselhos às amigas que já passaram pelo processo e consultem os sites da especialidade, como o Simplesmente Branco. A partir daqui, presumo que já conheçam de cor e salteado o nosso road map: façam uma selecção de cinco fornecedores e consultem três, sem esquecer de especificar a data, local (cidade e onde a noiva se vai arranjar), horas e para quantas pessoas será o serviço (pode incluir, ou não, a mãe da noiva, a madrinha, a irmã, as amigas, e até o noivo – em caso de dúvidas sobre este assunto, basta perguntar, um tapa olheiras ou um hidratante podem fazer uma diferença substancial!).

 

Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim Makeup de noiva: Kabuki Makeup by Rita Amorim

Feita a escolha final, marca-se um teste, que é muito importante. É o primeiro contacto com o profissional que estará convosco umas boas horas, no início do processo, quando os nervos estão em crescendo.

É a oportunidade ideal para conversar um pouco, conhecer gostos, ficar a par de ansiedades e trabalhar pormenores mais técnicos: tipo de rosto, tipo de pele, tipo de cabelo, corte, cuidados necessários.

«Há diferentes tipos de rostos e o seu desenho depende do formato da face e da estrutura maxilo-facial. Em Portugal os tipo de rosto mais comum são o quadrado, redondo e triângulo invertido. E sobre cada tipo de rosto há que aplicar correctamente as tonalidades de base, blush, iluminador, de forma a tirar partido, da melhor forma, das suas características naturais– Rita Amorim
Vai falar-se de intimidades e delicadezas, de sonhos, de vestidos, de bouquets, da visão para o grande dia. Vão ser dados bons conselhos e instruções. Há espaço para experimentar e corrigir, e mostra-se (com garantias), o que será o resultado final.

«As tendências são importantes, mas não são de todo mandatórias. Estou e devo estar atenta às tendências (é imprescindível estar actualizada no mundo da maquilhagem, porque está em constante evolução), mas os factores decisores são o tom dos olhos, do cabelo e da pele, pois o equilíbrio e harmonia dos tons irão beneficiar o resultado final. Há que ter bom senso, não faz sentido sujeitar  uma noiva à tendência do momento, se isso não a favorece. As ideias servem como ponto de partida para uma boa conversa, cujo objectivo é elevar a beleza natural. É essencial que haja esta conversa, de forma sensata, saudável e frutuosa.

Ouvir e estar atenta às minhas clientes é fundamental para perceber os seus anseios. Saber interpretar o que pretendem requer este cuidado. Saber ouvir é fundamental. – Rita Amorim

Se a disponibilidade ou a distância não permitem este breve encontro, uma conversa séria e calma, com muitas perguntas e respostas, irá gerar a confiança necessária para que tudo corra como deve.
Portem-se bem e sigam as sugestões dadas, no que toca a cuidados de beleza: um bom produto faz magia, mas uma pele e um cabelo cuidados são a melhor matéria prima que se pode ter, o tempo para os tratar, cuidar e preparar pode ser muito relevante, com consequências visíveis no resultado e durabilidade da sua aplicação. Nas palavras da Rita:

«O aspecto mais desafiante, mas nem por isso difícil, é quando alguma noiva, logo no primeiro contacto, tem uma pele complicada a precisar de alguns cuidados. A solução é iniciarmos um tratamento ao longo dos meses que antecedem a data e aguardar o seu feedback e a satisfação ao ver que a pele responde com um aspecto mais saudável e equilibrada. Cuidar da pele é garantia de sucesso para uma maquilhagem magnífica no dia do casamento.»

Nas semanas anteriores, deliciem-se com um SPA integral num sítio com pinta (é meio caminho andado para se sentirem muito especiais, e é digno da ocasião): esfoliação corporal, limpeza de rosto, tratamento para o cabelo, tudo a que têm direito, seguindo as instruções dos vossos profissionais seleccionados. Mimem-se.
Nas vésperas, pés e mãos fecham o processo de beleza. Guardem tempo para uma massagem relaxante, fará diferença e é maravilhoso! Para fechar a lista, no dia, peçam à vossa melhor amiga que zele por vocês, relembrando, se for caso disso, para retocar o batom.

Relembramos a importância das sinergias bem sintonizadas: no dia, há vários profissionais a trabalhar em simultâneo, em espaços pequenos e muita emoção no ar. Recebam todas as partes, apresentem-nas, criem bom ambiente para que tudo flua e ninguém se atropele. Acertem os detalhes previamente, troquem horários, moradas, dicas de acesso e contactos entre as várias equipas. Tenham a vossa (fada) madrinha por perto (que poderá fazer as honras da casa), disponível, atenta e tranquila.

E, como na prova do vestido, mais do que três companhias durante os preparativos da noiva é uma multidão. Os profissionais precisam de estar concentrados – e vocês, de relaxar e dominar os nervos. Isolem-se numa divisão confortável e espaçosa da casa (ou do sítio escolhido para o efeito), escolham uma música simpática e gozem o momento.

As fotos que ilustram este artigo mostram trabalhos do nosso fornecedor seleccionado Kabuki Makeup by Rita Amorim.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: casar nos Açores, um destino magnífico e eco-friendly

O International Wedding Trend Report para 2019 aponta a abordagem eco-friendly como uma das grandes tendências para os casamentos daqui em diante – e isso deixa-nos muito felizes. Temos vindo a trazer-vos vários artigos para vos ajudar a fazer escolhas mais sustentáveis, e é bom perceber que não só as opções se multiplicam a cada dia, como também são cada vez mais os casais que colocam esta preocupação na frente das decisões que têm que tomar durante a organização do casamento.
Ora, uma das decisões, uma das primeiras a tomar, é o local do casamento. Muitas vezes os dois membros do casal vêm de zonas distintas (do país ou do mundo) e precisam de encontrar um destino consensual, bonito e hospitaleiro para recebê-los e aos seus familiares e amigos nesse dia tão especial.

Esse destino pode muito bem estar no Atlântico: os Açores, as nossas ilhas-maravilha, estão cada vez mais próximos do continente, graças à abundância de voos e também de informação; são, indubitavelmente, um dos nossos recantos mais espantosos, o que deixa o assunto fotografias/filme extremamente bem arrumadinho; são muito hospitaleiros, com uma oferta hoteleira fantástica, sem ser massiva; e, retomando a temática das preocupações com o ambiente e com a sustentabilidade em geral, são “A” bandeira eco-friendly de Portugal. Unidas por laços fraternais, as ilhas açorianas são, no entanto, distintas entre si naquilo que lhes é essencial, logo, “invisível aos olhos”, como nos disse Saint-Exupéry. Mas o que é um facto é que, no seu conjunto, possuem características que fazem com que o arquipélago esteja prestes a ser o primeiro do mundo (sim, leram bem) com a certificação de turismo sustentável do Global Sustainable Tourism Council (GSTC), que tem a chancela das Nações Unidas. Para um destino obter esta certificação tem de cumprir mais de 40 critérios, que são avaliados periodicamente.  Existem apenas cinco locais em todo o planeta com este selo de turismo sustentável: Islândia, Nova Zelândia, Austrália, México e a zona de Huangshan, na China.
Para além disso, o arquipélago dos Açores é uma das duas únicas regiões do mundo (sim, leram bem) que possui todas as classificações atribuídas pela UNESCO (Património Mundial, Reservas da Biosfera, Sítios Ramsar e Geoparques) – a outra é Jeju, na Coreia do Sul. Poderão saber mais sobre este carácter absolutamente excepcional das nossas ilhas mais ocidentais na edição nº 4 da Revista Raízes, dedicada ao Turismo Sustentável, ou no site Visit Azores.

E agora perguntam vocês: mas anda toda a gente a dizer que precisamos de voar menos para conter a poluição causada pelo excesso de aviões nos céus desta nossa Terra, e vocês vêm falar-nos dos Açores? Sim, é verdade que existe essa preocupação — mas, para distâncias superiores a mil quilómetros, o avião continua a ser o meio de transporte mais razoável.

Para vossa sorte, imaginem que temos dois fornecedores seleccionados fantásticos nas duas maiores ilhas do arquipélago, prontinhos para vos receber e vos proporcionar um casamento de sonho: a AVVA Eventos, em São Miguel, e o Plano A, na Terceira.

Casar na ilha de São Miguel já é, só por si, uma ideia idílica. Com o apoio da equipa wedding planner da AVVA-Eventos, todo o encanto dessa ideia é reflectido nos detalhes do vosso casamento, para um resultado que supera as expectativas mais elevadas. Assumidamente românticos e orgulhosamente autênticos, os profissionais da AVVA-Eventos adoram o que fazem e fazem-no com classe. Inspirados na história de cada casal e nos encantos da ilha de São Miguel, dedicam-se inteiramente a construir cada casamento como se fosse o único. A decoração é um dos seus pontos fortes, assente na personalização completa e no detalhe. Mas a cozinha é outro dos seus trunfos, baseada nos produtos frescos e locais. Seja qual for a vossa ideia (uma festa intima ou gigante, um sítio badalado ou escondidinho), desafiem-nos!

Na maravilhosa ilha Terceira, a Cátia e o João (com o apoio insubstituível da filhota Francisca e do gato Café) trabalham diariamente para criar dias inesquecíveis. Através do seu Plano A, oferecem um serviço de organização de eventos e de aconselhamento personalizado e à medida de cada cliente. Trabalham lado a lado convosco na definição de prioridades, na selecção de fornecedores, na tomada de decisões, na gestão do orçamento, etc, desde o primeiro momento até ao grande dia. Contem com eles para vos ajudar a estruturar o sonho e a torná-lo realidade, aconselhando-vos, assegurando que fazem as melhores escolhas e criando a identidade visual e a decoração que serão a vossa cara.

 

Wedding Planner em São Miguel, Açores: Avva Eventos

A imagem que ilustra este artigo é do nosso fornecedor seleccionado AVVA-Eventos.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: decoração do casamento DIY

Na semana passada, dedicámos as nossas  wise words às vantagens de contratar um decorador para o casamento. Mas sabemos que, com tanta informação disponível hoje em dia, com tanta inspiração fantástica e tanta gente competente a partilhar o seu conhecimento, é natural que muitos de vocês já tenham ideias muito precisas acerca do ambiente que pretendem para o vosso casamento e se sintam com vontade de criar o cenário desejado pelas vossas próprias mãos.
Assim sendo, as nossas wise words de hoje falam a todos os que estejam a contemplar a decoração do casamento DIY.

Antes de mais nada, vamos a contas: calculem detalhadamente o dinheiro e ao tempo (vosso e dos vossos ajudantes) que irão gastar (atenção às parcelas invisíveis, como gasolina, deslocações, compras avulso, etc.), pois a decisão de assumir a decoração do vosso casamento poderá não resultar na poupança que imaginaram. Se, à parte disso, querem mesmo fazê-lo por questões de personalidade e gosto, estas são algumas das sugestões que achamos importante partilhar.
Considerem bem os timmings e as tarefas necessárias. Para além do vosso tempo livre, a maior parte delas terá de acontecer na véspera e no próprio dia (montagem e desmontagem), que são os dias mais intensos e ocupados. Certifiquem-se de que os ajudantes estão disponíveis e devidamente informados. Deleguem e confiem, preparem-se bem e não deixem nada ao sabor do improviso, que o tempo será sempre curto e o factor stresse estará, mesmo para os mais optimistas, inevitavelmente presente. É aqui que a falta de experiência poderá pesar mais.
Se optaram por comprar jarras, jarrinhas, copos, velas, molduras, têxteis e um sem fim de acessórios e miudezas, pensem antecipadamente no que irão fazer a todo o material posteriormente. Uma boa solução para que esta questão nem se ponha, é o aluguer. Façam a vossa pesquisa com tempo e poderão ter boas surpresas.
Escolham flores da época e nacionais, mais acessíveis e resistentes, e deleguem a tarefa na amiga com mais jeito e tempo para ensaiar. Fazer um arranjo bonito requer mais talento e paciência do que parece; fazer vinte na véspera do casamento e transportá-los e montá-los no dia seguinte é só para quem tem nervos de aço, capacidade de organização e gestão de tempo, e bons ajudantes!

Podem comprar as flores nos grandes distribuidores e produtores, por grosso, reservando um dia ou dois para as limpar e preparar, acomodando-as sempre em local fresco e escuro: se casam num sábado, encomendem-nas numa terça-feira e vão buscá-las na quinta-feira. A probabilidade de haver surpresas é grande quando são encomendas de espécies que vêm de fora; por isso, joguem pelo seguro, sem grandes invenções, e apostem no que é nacional e robusto.
Depois de feitos os arranjos, não se esqueçam de acomodar devidamente o seu transporte dos arranjos: pouca água – preenchem com mais já no local -, tudo colocado em caixas, bem travado, e uma condução delicada. Em alternativa, podem levar a matéria-prima para o local e contar com tempo para fazer lá os arranjos. Muito tempo, para evitar dissabores.

Conselho final, sempre válido em todas as situações desta grande aventura que é organizar o vosso casamento: cuidem bem da relação com a equipa que vos receberá no espaço em que irá decorrer a vossa festa. Apresentem todas as pessoas envolvidas (os vossos ajudantes e os responsáveis no local) e partilhem ideias e contactos, para que tudo corra sem solavancos – e, caso os haja, para que sejam resolvidos de modo ágil, simpático e com boa vontade. – Queres casar comigo?

 

Romã Eventos - organização de casamentosRomã Eventos - organização de casamentos

Agora que já estão a par deste lado mais operacional, vamos abraçar o processo criativo. Ferramentas: Pinterest, caderno de notas (ou ferramenta digital equivalente) e folha de orçamento (sempre!).
A inspiração é muita, há milhares de imagens disponíveis com cenários lindos de morrer, mesas fantásticas, bouquets de perder a cabeça, e é natural que passem por uma fase de indecisão, mesmo que já tenham alinhavado generosamente as vossas pastas do Pinterest. Não se preocupem: haverá um fio condutor a emergir naturalmente: um conjunto de cores que é constante nas imagens seleccionadas, ideias e elementos decorativos que se repetem, flores e formas que estão sempre presentes. Escolher uma paleta de cores como base é um óptimo ponto de partida; definir um estilo que funcione com o espaço é outra parcela importante da equação.

A decoração tem o dom mágico de transformar um espaço sem interesse em particular num local acolhedor e bonito, preparando-o para ser o cenário perfeito do vosso casamento, presente em todas as imagens registadas ao longo do dia. Às vezes é preciso um grande investimento, mas muitas vezes nem por isso, apenas olho clínico para definir os pontos que farão a diferença.
Peguem nas vossas notas e revejam os pontos fortes e fracos do espaço escolhido. Com isto em mente, acertem um estilo e definam o ambiente que querem ter, a tal paleta de cores, o tipo de iluminação e os detalhes, incluindo o design floral. Se há uma regra a respeitar, é esta: espaço e ambientem devem estar em sintonia. Se escolheram um sítio com cariz histórico, dificilmente funcionará com uma decoração contemporânea ou demasiado descontraída: façam escolhas simples e elegantes, tirem partido da grandiosidade e história do local. Para amaciar o ambiente austero, a solução é uma decoração floral à séria, elegante, sofisticada: brancos e pastéis, ou apenas uma cor, e, para um toque romântico,  muitas e muitas velas (nada de luzes frias e gerais).
Se optaram por um espaço sem características que saltem à vista, direccionem a atenção para as mesas. Cor e um ambiente caloroso são as palavras de ordem, com flores de cores fortes e detalhes bonitos. Para tornar a sala mais interessante, trabalhem a entrada com arranjos florais, escolham um ou dois recantos, adicionem uns sofás, flores de dimensões generosas e velas de tamanho XL. A transformação será enorme!
Se houver espaço no orçamento, peçam copos coloridos (para dar um ar da sua graça à loiça básica que compõem o serviço).
Dispensem luzes fortes e mesas de acrílico, não são estes elementos que irão acrescentar valor a este tipo de espaço, apenas acentuar os defeitos e adicionar alguma frieza: aqui a regra é tornar o ambiente caloroso através da cor e limar as arestas com cantinhos simpáticos.

 

Romã Eventos - organização de casamentosRomã Eventos - organização de casamentos

Vão casar ao ar livre? Que bom e que desafio! Terão certamente espaço com fartura e muitas dúvidas acerca de por onde começar. Uma regra básica é orientar as mesas para uma zona pouco ventosa e com sombra. Para o catering, é importante que estejam perto da casa principal; e, com isto em mente, é só desenhar o resto do plano. Se possível e se têm arvoredo em quantidade razoável, dispensem a tenda e apostem em toldos ou velas penduradas entre as árvores, é suficiente para criar zonas de sombra. Se optaram por jantar, deixaram de ter um problema! Troquem as mesas redondas por quadradas ou rectangulares, corridas (ou ambas), e toalhas simples de algodão – se os tampos estiverem em condições e forem bonitinhos, um runner de linho ou papel será suficiente. Juntem loiça branca ou desemparelhada, idem para os copos, somem arranjos florais com uma bonita mistura, descomplicada e harmoniosa, e terão um resultado boémio e chique.
Não se esqueçam da sinalética útil e bem desenhada e de um quadro de distribuição de lugares, ementa e programa da festa verdadeiramente bonitos, que ajudam a criar e completar o ambiente. Apliquem a mesma fórmula às mesas de buffet: cavaletes e tampos, um arranjo floral campestre de dimensões generosas e umas lanternas grandes farão o feito.
Preparem uma sala de estar ao ar livre, para que os vossos convidados desfrutem verdadeiramente do campo e do ambiente romântico que se instala ao pôr-do-sol: sofás confortáveis, movéis de rattan ou colchões com pés (ou sobre paletes), com tecidos bonitos; não se esqueçam de mesinhas de apoio, uns leques para o calor, chapéus para quem veio desprevenido (e protector solar disponível na casa de banho), cinzeiros e mantinhas leves para a noite, assim como alguns repelentes de mosquitos, orgânicos e de cheiro aceitável. Para rematar, luzinhas de feira ou de natal e uma pista de dança feita com mosaico de madeira, comprado, em peças de 1m2, nas lojas de bricolage: evita a poeira, o desgaste do relvado e o desalinho do terreno.

E pronto: que comece a festa! Certamente que não cobrimos aqui todas as variantes possíveis de uma decoração DIY – mas partam deste esquema e acrescentem-lhe os vossos toques. É importante haver uma boa base de planeamento para que possam ver tudo no papel antes de meterem mãos à obra – provavelmente, irão cortar coisas redundantes nesta fase. Fundamental, nunca será demais repetir, é ter sempre o orçamento actualizado ao cêntimo. E, claro, divertirem-se muito no processo!

 

As fotos que ilustram este artigo é são do nosso fornecedor seleccionado Romã Eventos.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: contratar um decorador para o casamento

Com tanta informação disponível hoje em dia, com tanta inspiração fantástica e tanta gente competente disponível para partilhar o seu conhecimento, é natural que muitos de vocês já tenham ideias muito precisas acerca do ambiente que pretendem para o vosso casamento e se sintam com vontade de assumir a decoração vocês mesmos. Falaremos mais sobre isso em breve.
As nossas wise words de hoje pretendem salientar as vantagens de contratar um decorador para o casamento. Podem aplicar-se a vocês, que têm essas ideias muito precisas e vontade de pô-las em prática, mas reconhecem que não conseguem fazer tudo e preferem delegar; podem aplicar-se a quem esteja completamente perdido; e podem aplicar-se a quem saiba aquilo de que gosta mas não seja capaz de fazê-lo acontecer.

Quando se contrata um profissional, não é apenas o serviço de execução e a logística, são ideias, conceitos e criatividade, é experiência e conhecimento, capacidade de execução e de vos levar do ponto A (um espaço “qualquer”) ao ponto B (um dia mágico), de modo feliz e eficaz: a decoração está presente em todos os detalhes e cenários, confere ambiente e deixa toda a gente feliz (incluindo o fotógrafo!). – Queres casar comigo?

Então, por onde começar? Avaliar o portefólio e experiência do fornecedor são fundamentais, assim como o feedback de outros clientes. A capacidade de saber fazer e resolver representam o valor deste profissional e o seu custo; estes são factores de decisão mais importantes que um conjunto de imagens bonitas. A realidade no terreno é bem diferente de uma sessão fotográfica promocional onde há tempo para tudo, a luz é perfeita e o arranjo final (apenas um e não 20 ou 30) está ao serviço do enquadramento que se quer obter. Trabalhar a contra-relógio com imprevistos, pessoal pouco colaborativo, condições atmosféricas inesperadas e problemas afins é um cenário comum e só corre bem quando o fornecedor é valente e muito capaz.
Perante todas as imagens maravilhosas que vocês vão encontrando na Internet, mantenham os pés bem assentes na terra: não se esqueçam da vossa escala e realidade (número de mesas, pontos focais, outros detalhes e orçamento disponível) e inquiram sobre a viabilidade da vossa “decoração de sonho” e sobre o custo que isso poderá ter.

 

Inspirarte - decoração de casamento Inspirarte - decoração de casamento

Como em todas as outras áreas, o nosso método recomendado para escolherem as pessoas que vão trabalhar convosco para concretizar o vosso casamento é o seguinte: seleccionem três fornecedores cujos portefólios vos tenha agradado particularmente e preparem um simpático email. Se possível, mencionem já o espaço escolhido, incluindo o endereço do site, para que o fornecedor se possa situar. Não receberão orçamentos na volta do correio – este é um assunto que precisa e merece uma conversa prévia (existem muitas variantes e um valor genérico pouco ou nada terá a ver com o orçamento final). Receberão, isso sim, um pedido de marcação de reunião. E não queiram saltar esta parte: «Hoje comunica-se demasiado através do email e de outras plataformas digitais. Por vezes contactam-me apenas para pedir um orçamento sem querer agendar uma reunião presencial», diz-nos Susana Abreu, da Inspirarte. «Na minha opinião, é uma forma bastante redutora de fazer uma triagem. Tem que haver empatia, tem que se “captar” a essência do projeto que está a ser proposto, tem que se gostar dos materiais que o profissional tem disponíveis… Acima de tudo, tem que se perceber o que é que realmente esse profissional poderá oferecer. E isso não se consegue por email.»
Façam o vosso trabalho de casa – os boards do Pinterest, as anotações e a folha de orçamento – e reúnam com os vossos profissionais preferidos, com tempo e disponibilidade. Conversem sobre a festa que esperam ter, o tipo de convidados (e as suas necessidades), o que é fundamental, o que é acessório e ideias que gostariam de pôr em prática, e deixem que o fornecedor inicie o seu processo criativo. Quer tenham uma visão bem definida ou uma ideia vaga, confiem no decorador. Não o considerem um mero executante, mas um criativo capaz, cujo objectivo é prestar-vos o melhor serviço possível. Se sentirem que há imposição de gostos ou modelos (novamente, a importância da empatia!), desistam e passem ao próximo contacto. É provável que não obtenham uma proposta completa e detalhada no fim deste primeiro encontro. Desenhar um projecto de decoração de raiz e orçamentá-lo é um processo criativo e aritmético, é necessário tempo para pensar, pesquisar e orçamentar, e esse investimento por parte do fornecedor espera um compromisso da parte do cliente; por isso, o mais natural é uma proposta simplificada e uma baliza de valores. Se estiver dentro do que têm em mente (ideias e custos), é sinal para avançar. Contactem os outros fornecedores não seleccionados e informem-nos da vossa decisão, libertando-lhes a data, previamente acautelada com o primeiro contacto.

Definida a escolha, é altura de combinar uma visita conjunta ao espaço onde decorrerá o vosso casamento (as deslocações do fornecedor deverão estar por vossa conta). Aproveitem a oportunidade para apresentar os diversos profissionais uns aos outros, avaliem as várias intervenções necessárias e estejam disponíveis para algumas sugestões. Desta visita sairão os dados que faltavam para um projecto e orçamento detalhados e é altura de assinar o contrato. Contem com uma adjudicação ou sinal (pelo menos 20%), que dá início ao processo de trabalho, e com possíveis alterações de última hora, desde que aconteçam com o vosso acordo. Deverá ser-vos também facultada uma lista de todo o material fornecido (do qual passam vocês a ser os responsáveis), que deverão partilhar com os profissionais do catering e do espaço, para que tudo retorne a quem de direito, e um valor de caução, para as peças que se extraviarem, que forem levadas por convidados mais entusiasmados ou simplesmente que se estraguem.
Atempadamente, peçam uma prova da mesa completa, se possível no local – é uma boa oportunidade de analisar a qualidade dos têxteis, o estado das cadeiras, a categoria da loiça. Para o restante ambiente, confiem no portefólio que viram, no feedback divulgado por anteriores clientes, nas conversas que tiveram e na empatia criada.

Ao fim de umas centenas de casamentos, o know how que tenho soluciona-me muitos problemas e dissipa muitas dúvidas e receios. Fazer os meus noivos entenderem que por vezes as ideias que têm em mente não resultam, e demonstrar-lhes isso, é dos desafios mais interessantes do meu trabalho. Digo-lhes sempre que quando procuram um verdadeiro profissional desta área têm de se sentir confiantes – porque 1) sabemos o que estamos a fazer e porque 2) mais do que ninguém, queremos que o resultado do nosso trabalho seja fantástico aos olhos de todos! – Susana Abreu, da Inspirarte

 

Inspirarte - decoração de casamento Inspirarte - decoração de casamento

Terminamos com esta ressalva: um decorador não é um wedding planner. Não esperem dele competências organizacionais, de gestão de equipas, de resolução de problemas maiores ou que saiam do restrito âmbito da decoração. Se concluírem que vos faz falta esse apoio profissional, contratem-no. Há quem disponha de ambos os serviços e essa especificação deverá estar devidamente mencionada e contratualizada e terá o seu custo adicional.
No próprio dia, desfrutem. Haverá sempre alguma coisa que não ficou exactamente como se pensou, mas também algumas surpresas boas, cortesia de um bom profissional com brio no que faz, atento ao detalhe e especialista em criar cenários especiais para dias especiais.

 

As fotos que ilustram este artigo são do nosso fornecedor seleccionado Inspirarte.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: criar um signature cocktail para o vosso casamento

Personalizar o vosso grande dia é, seguramente, uma das coisas que mais vos preocupa. Querem receber familiares e amigos num ambiente que seja exactamente a vossa cara, que os faça sentirem-se acolhidos por vocês, e que lhes proporcione boas memórias, para sempre associados a vocês os dois e à vossa história.

Um pormenor divertido e muito distinto poderá ser a criação de um signature cocktail para o vosso casamento, uma bebida bonita e saborosa que passe a ser também uma coisa só vossa, a repetir em aniversários de casamento ou em outras ocasiões especiais. O processo de criação pode parecer-vos demasiado complexo mas, se têm medo de arriscar, falem com o vosso fornecedor de catering que terá profissionais à altura para vos ajudarem nessa tarefa. Nesse caso, só terão que definir alguns pormenores e (a parte melhor) ir provar as propostas para decidirem: a cor do cocktail (harmonizem com a decoração do casamento); um elemento distintivo que vos agrade particularmente (pode ser uma fruta que associem a uma viagem, ou uma bebida de um filme de que ambos gostem muito, um determinada forma de copo que prefiram; bebidas-base preferidas e aquelas que não querem de todo, que façam parte da mistura; e o nome, uma parte essencial!

Todos estes elementos deverão entrar em linha de conta também no caso de quererem arregaçar as mangas e assumir a criação do vosso signature cocktail, claro. Sendo este o caso, comecem por sentar-se a dois e escrever:

. Época do ano e hora do dia: tempo mais quente e horas mais soalheiras pedem bebidas sobretudo frescas e leves; já os meses frescos e as horas a partir do pôr-do-Sol permitirão que as bebidas sejam um pouco mais fortes (se casarem no Inverno, podem mesmo equacionar um cocktail quente);
. Cor ou combinação de cores pretendida;
. Bebidas alcoólicas preferidas;
. Bebidas não alcoólicas preferidas;
. Ingredientes extra: sal, lima, flores comestíveis, fruta da época, azeitonas, paus de canela, frutas desidratadas (no Outono e no Inverno, sobretudo), etc;
. Formato dos copos.

Se gostam de estar a par das tendências, saibam há duas coisas actualmente a fazer as delícias no mundo dos cocktails: ingredientes ‘fumegantes’ (informem-se junto do vosso fornecedor de catering) e o uso de aquafaba – que não é mais do que uma alternativa vegan à clara de ovo, porque também produz aquele efeito de espuma, e que se obtém a partir da água de cozer grão-de-bico. A mixologia é uma área que produz resultados impressionantes, como esferas, espumas, vapores… Mas para isso deverão recorrer a um profissional de bar com experiência nestas técnicas “herdadas” da gastronomia molecular.
Já que falámos em alternativas vegan, será boa ideia não incluir ovos ou lacticínios no vosso cocktail especial, para não limitar o acesso a quem tenha restrições alimentares dessa natureza.
Chegou, então, a altura de fazer experiências! Normalmente a vodka é considerada a bebida-base mais neutra, mas é evidente que o gin, o rum e a tequilha, por exemplo, são amplamente apreciados. E para complementar, não terão na família ou nos amigos alguém que fabrique licores caseiros? Um toque de chocolate ou de café tornam-se aconchegantes; já o piri-piri ou o gengibre despertam o paladar; as natas (podem usar alternativas vegetais, de amêndoa ou de côco, por exemplo) acrescentam corpo e aveludam as bebidas; as frutas da época são sempre um festim para o paladar.
Não vale a pena complicar: apostem em ingredientes de qualidade em vez de se focarem na quantidade. Boas bebidas espirituosas, sumos naturais, frutas e/ou legumes frescos são imprescindíveis. Depois, é tudo uma questão de equilíbrio.
Lembrem-se de que o gelo derrete, logo, dilui a bebida. Se usarem cubos de gelo, optem por um cubo único e bem sólido em cada copo, para durar mais tempo. As bebidas misturadas em shaker podem levar gelo picado no acto da mistura e fica esse assunto arrumado.

 

Criar um signature cocktail para o vosso casamento

 

Não conseguem chegar a acordo? Criem dois signature cocktails, um em nome de cada um de vocês, mas disponibilizem-nos generosamente pois muitos dos convidados quererão, certamente, provar ambos.
Para terminar, lembrem-se de prever um cocktail de aspecto parecido com o vosso (e igualmente delicioso) mas sem álcool, para que toda a gente possa entrar na festa – e nas fotos! E, claro, deixem de fora os consumíveis de uso único, como palhinhas de plástico. Já existem várias alternativas duráveis no mercado, até porque os plásticos descartáveis serão proibidos em Portugal (e não só) a partir do próximo ano. Para saberem mais sobre como tornar o vosso casamento eco-friendly, acompanhem os nossos artigos dedicados ao tema.

 

A foto que ilustra este artigo é da The Salonnière.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: e se o tempo mudar de repente?

Ainda agora recebemos a Primavera de braços abertos – e que bonitas dias ela nos trouxe – e já temos neve no cimo das nossas serras mais altas. O que levanta uma questão preocupante em relação ao vosso casamento: e se o tempo mudar de repente?
Para ficarem descansados, falámos com Joana Coelho, da Quinta da Quintã, que tem conselhos muito valiosos para vos dar – até porque a Quinta da Quintã tem um “plano de chuva” para que nenhuma surpresa climatérica possa estragar o brilho do vosso dia!

Hoje em dia, e cada vez mais, é complicado prever em antecipação o tempo que se vai fazer sentir na data escolhida com tanta antecedência para um evento. Mesmo os meses que costumavam ser garantia de dias de sol e noites agradáveis, já não são de fiar. – Joana Coelho

«O meu primeiro conselho para os noivos é que, na procura do local para a recepção, ponderem esta questão e escolham com alguma cautela um espaço que ofereça alternativas convenientes para um serviço ‘dentro de portas’, caso seja necessário. Espaços cobertos distintos para os vários momentos da festa, em que os convidados se sintam confortáveis, possam circular e mudar de cenário ao longo do dia (ou da noite, se for o caso), com boas condições térmicas e em que o espírito da festa que idealizaram seja penalizado o mínimo possível caso não possam depender do exterior.»

Assegurado este ponto, e se a previsão meteorológica não for favorável, Joana Coelho recomenda que se desenhe um plano B nas reuniões de planeamento do evento – «o que chamamos na Quinta da Quintã de “plano de chuva”» – para todos os momentos originalmente idealizados no exterior. O facto de se definir este plano com antecedência, e de se comunicar o mesmo aos intervenientes no evento, vai reduzir a tensão no dia e vai permitir que tudo se desenrole com a fluidez desejada. No caso de haver alguns serviços extra contratados exclusivamente para o exterior (como é o caso de fogo de artifício, sparklers, etc.), também é conveniente confirmar com antecedência quais as condições que os respectivos fornecedores oferecem para se alterarem ou até cancelarem os planos feitos. Assim, garante-se que não haverá dissabores no dia em que tudo se quer perfeito

«No caso de haver crianças na vossa lista de convidados, estas não deverão ser esquecidas no planeamento do dia. Pode ser desafiante organizar jogos, brincadeiras e dinâmicas que não necessitem de tanto espaço quanto o que as crianças, quando estão todas juntas, exigem. A melhor forma será contratar animadores infantis que ajudem nesta tarefa e que os orientem ao longo do dia, e pensar num recanto giro para os acomodar. Para os mais pequeninos recomendo um berçário onde os pais possam refugiar-se de vez em quando ao longo da festa e que permita aos mais novos dormir uma sesta longe da confusão.»

Outro ponto que Joana Coelho considera muito importante, senão o mais importante, é a atitude dos próprios noivos, os anfitriões da festa: «É essencial que se mentalizem de que o tempo é um factor que ninguém pode controlar e que não permitam que isso vos arruíne o dia. Antes pelo contrário, devem abusar da criatividade e boa disposição e tentar usá-lo como um ponto charneira para redefinir a festa e torná-la – porque não? – num casamento “de inverno” maravilhoso (os eventos de inverno são especialmente charmosos, acreditem!). Estou certa de que uma atitude positiva dos anfitriões perante a obrigatória mudança de planos vai ajudar e muito a que a festa seja um sucesso e a que os próprios convidados não sintam que se penalizou de alguma forma o plano original. Isto vai valer a recordação de uma festa fantástica, com uma excelente energia e algumas histórias divertidas de como o improviso tornou este e aquele momento ainda mais especial.»

 

Casamento intimista na Quinta da Quintã, com fotografia de Menino conhece Menina.

Este improviso refere-se a alguns detalhes ou apontamentos que se podem acrescentar à última hora e que podem contribuir bastante para um evento inesquecível, como por exemplo:
– contratar hospedeiros para receberem e acompanharem os convidados com guarda-chuvas até ao interior. Este detalhe vai conferir um toque extra de requinte à festa e os convidados vão sentir-se especialmente mimados;
– oferecer guarda-chuvas giros aos convidados e fazer com eles uma fotografia fantástica de grupo à chuva, ou mesmo desafiá-los para um ou outro momento no exterior;
– disponibilizar mantinhas que ajudam a contornar o frio num momento especial que se queira no exterior (Joana Coelho assegura, por experiência própria, que os convidados gostam mais das mantinhas do que dos chinelos de praia para o baile!);
– prever alguns aquecedores de exterior junto a conjuntos de sofás ajuda a criar recantos confortáveis de esplanada e a alargar o leque de espaços possíveis nos dias em que não chove mas está frio;
– por último, não há nada como exagerar na quantidade de velas dos centros de mesa para enaltecer o charme de um jantar brindado com a chuva que cai lá fora.

 

Obrigada, Joana! Sentem-se mais bem preparados agora? Claro que sim! Lembrem-se disto: se correr alguma coisa mal no vosso dia – ou se acontecer alguma coisa fora dos planos, como chuva, por exemplo – não é isso que vai definir as memórias que ficarão. O que as definirá será a forma como vocês lidarão com isso! Um pouco de preparação e muita boa disposição farão milagres.

As fotos que ilustram este artigo foram tiradas pela dupla Menino conhece Menina – na Quinta da Quintã. Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.