Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: convites e agradecimentos

As nossas wise words de hoje falam de pequenas regras de cortesia que fazem uma grande diferença na forma como as coisas correm. Chamamos-lhes protocolo, mas a verdade é que podíamos chamar-lhes simplesmente boas maneiras.

Comecemos, então, pelo princípio. O pedido foi feito, o sim foi dado, e agora é preciso dar as boas notícias às famílias e dar início à viagem que aí vem: o ideal é um delicioso almoço ou jantar com os pais de ambos.
Passados os brindes, abraços e congratulações, é um bom momento para apresentar à família o plano que têm em mente, o tipo de festa que querem, o orçamento disponível – e também para aferir da disponibilidade familiar para vos dar suporte financeiro (e não só). Será sempre um assunto com as suas tensões e exigências, mas, se abordado com carinho e gentileza, poderá abrir caminho para uma jornada mais tranquila e serena até ao grande dia.
A seguir, os padrinhos: outro belo almoço ou jantar, já com datas alinhavadas, para alinhar agendas. A partir daqui, já podem contar a novidade a toda a gente!

 

A Pajarita - convites de casamento e decoração de casamentos e bouquet de noiva

 

A Pajarita - convites de casamento e decoração de casamentos e bouquet de noiva

 

A Pajarita - convites de casamento e decoração de casamentos e bouquet de noiva

 

Vejamos agora os convites, que é o passo protocolar que se segue. Dizem as regras que deverão ser feitos e enviados com uma antecedência de 6 a 3 meses, mas outros intervalos serão ainda bastante aceitáveis. O importante é que tenham em conta a logística (o espaço e o catering), e os números finais, em tempo útil: quanto mais convidados tiverem, maior deverá ser o prazo que separa a confirmação da resposta em relação à data do evento, para que tudo se organize da melhor forma.
Aqui repetimos a nossa fórmula, consultem a oferta, escolham 5 fornecedores e contactem 3. Poderão escolher convites pertencentes a uma colecção, prontos a serem entregues, ou encomendar um estacionário feito à vossa medida, sendo que esta opção será sempre mais cara que a anterior. Aproveitem para orçamentar todo o material de que irão precisar (e incluímos aqui as ementas, marcadores de mesa, missais, cartões de agradecimento, legendas e sinaléticas variadas, etiquetas e packaging, cartões ou livrinhos de distribuição de lugares, etc.) e decidam, juntamente com o vosso designer, as melhores soluções e serviços – uma festa pequena permite um tipo de trabalho e de peças, uma festa com muita gente precisa de muita eficácia na comunicação. No que toca a quantidades, a encomenda de convites deverá ser de, aproximadamente, metade do número de convidados que têm na vossa lista (façam as contas a um convite por família, por casal sem filhos e por cada solteiro, com direito a acompanhante). Juntem mais uma boa dezena para imprevistos e não se esqueçam de guardar o vosso próprio exemplar!
O texto deve incluir, de forma clara, data, hora e local, a sequência dos eventos e indicações para lá chegar. Nos dias de hoje, os mapas têm vindo a ser substituídos por coordenadas GPS (mas podem prever os dois, para chegarem a toda a gente). A data e contactos para confirmação da presença do convidado também devem vir bem legíveis. Posto isto, preparem-se para uma tarefa cansativa (e que talvez seja simpático delegar), que é a de obter uma resposta definitiva ao vosso convite, para que possam fechar a vossa lista de convidados.

 

A Pajarita - convites de casamento e decoração de casamentos e bouquet de noiva

 

A Pajarita - convites de casamento e decoração de casamentos e bouquet de noiva

 

A Pajarita - convites de casamento e decoração de casamentos e bouquet de noiva

 

E depois da festa? É tempo de relembrar a todos, convidados e fornecedores, o quanto foi importante para vocês a sua presença e serviço. O modo mais bonito de o fazer é por escrito.
Ao preparem os vossos matérias gráficos, contemplem a execução de simpáticos cartões de agradecimento, escolham uma bonita foto do vosso lote e preparem umas palavras singelas – não precisa de ser nada de complicado, o facto de ser pessoal e atencioso será doce o suficiente.
Enviem um cartão por cada casal ou família e um a cada solteiro (como fizeram com os convites) aos vossos convidados; os vossos pais deverão fazer o mesmo aos seus convidados; e todos os cartões deverão ser assinados pelo casal. Este envio deve ser feito num prazo de 30 dias, máximo, após a festa.
Para os padrinhos e madrinhas, caprichem numa edição mais especial. E para os pais que vibraram, se empenharam e até contribuíram em espécie, um agradecimento especialíssimo e bem doce.
Não deixem de fora a vossa equipa. Podem fazê-lo por email, é claro, mas os vossos fornecedores empenhados merecem também 5 minutos de atenção e palavras justas e calorosas. Foram parte activa e substancial na vossa festa memorável e, com este pequeno gesto terão, certamente, amigos para a vida.

Lembram-se da nossa sugestão de enviarem alguns postais de agradecimento do vosso destino de lua-de-mel? Afinal, toda a gente gosta de receber um postal na caixa do correio, com selos de um destino longínquo e imagens de uma paisagem inspiradora – e ainda mais com as palavras felizes de quem o enviou. Esta é uma simpática maneira de tratarem de alguns dos agradecimentos – por exemplo, aos vossos amigos mais chegados, a alguns dos vossos fornecedores, àquelas pessoas com quem têm uma relação mais informal e que imaginam com um sorriso no rosto ao receber notícias vossas via postal.

Estão assim, cumpridas as formalidades. Não é nada de extremamente complicado, toda a gente fica satisfeita e sobra-vos mais tempo e atenção para o cerne da questão: celebrar a vossa felicidade!

 

As imagens bonitas deste artigo são trabalhos recentes d’ A Pajarita.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: vou casar com Simplesmente Branco

Se a tradição cumpriu a sua função, o Natal ou a passagem de ano trouxeram-vos um anel muito especial e as palavras mais doces que sonhavam ouvir da parte da vossa cara-metade. Ou talvez já tenham chegado à quadra festiva de anel no dedo. Muito bem: temos ano novo, vida nova, no verdadeiro sentido da expressão, certo?

Então, vamos meter mãos à obra. Para o primeiro artigo de wise words de Janeiro, decidimos criar um calendário de bons conselhos que cubra o mês inteiro. Assim, não haverá dias em branco e estarão sempre em cima do acontecimento. O objectivo é substituir o habitual «vou casar, e agora?» por um tranquilo «vou casar com Simplesmente Branco», logo, está tudo sob controlo. À medida que forem carimbando os dias e incorporando as nossas wise words na organização do vosso casamento, contem-nos como estão a correr as coisas na nossa página do Facebook e no Instagram, com a hashtag #voucasarcomSimplesmenteBranco

Vamos a isto?

 

7 de Janeiro: Se ainda não têm o livro Queres Casar Comigo – guia prático para um dia muito feliz, hoje é um bom dia para comprá-lo. As autoras Susana Esteves Pinto e Maria João Soares quiseram «dar-vos uma visão de 360º, bem disposta, serena, aberta e profissional, sobre os vários assuntos de que é feita esta viagem, e facilitar a vossa aventura, partilhando conhecimento valioso e ferramentas práticas para dominar o processo.» Será um valioso companheiro – tenham-no sempre à mão.

8 de Janeiro: Vamos começar a eliminar dúvidas? Reunimos 15 perguntas frequentes sobre a organização do casamento, acompanhadas de respostas pertinentes. Espero que vos sirvam de ponto de partida para começarem a sentir-se menos ‘perdidos’. Em muitas das respostas encontrarão links para poderem aprofundar melhor cada assunto.

9 de Janeiro: Por onde é que se começa a fazer contas? Já decidiram casar, já contaram às pessoas que vos são mais chegadas, já confirmaram de quanto dinheiro é que dispõe para esta aventura e já sabem que contribuições poderão encaixar dos familiares, se for esse o (sempre simpático) caso. Está na hora de pôr tudo preto no branco e começar a desenhar o orçamento do casamento.

10 de Janeiro: Ser um smart saver implica que se compreenda as diferenças entre poupança, que diz respeito a um custo (baixar um orçamento, por exemplo) e ganho, que diz respeito a valor (ter mais qualidade ou serviço, pelo mesmo preço).

11 de Janeiro: Está na altura de vos lembrar que o casamento obedece a algumas regras e procedimentos para fique tudo dentro da legalidade. Saibam quais e tratem de tudo atempadamente.

12 de Janeiro: Chegámos à parte divertida do processo: procurar os fornecedores ideais para o vosso casamento. Do lado de lá, também se aprecia e procura bons clientes. Quanto melhor e mais saudável for esta relação, mais perfeito será o dia, para todos.

13 de Janeiro: A partir do momento em que têm uma data em mente e um número de convidados definido, é chegada a hora de escolher o espaço para a vossa festa.

14 de Janeiro: Convites e agradecimentos – vejamos as regras e a margem de manobra para que os momentos protocolares pré e pós-casamento deslizem com ligeireza.

15 de Janeiro: Um dos assuntos que mais espaço mental vos ocupa desde o dia do pedido – ou, muito possivelmente, desde antes disso: o vestido perfeito – eis aquilo com que todas as mulheres sonham para o dia do seu casamento. Mas como encontrá-lo? (As meninas plus size encontrarão também aqui dicas muito valiosas.)

16 de Janeiro: Para que os rapazes não se sintam excluídos, hoje falamos com eles sobre fatos, sapatos e cuidados com a pele, o cabelo e a barba.

 

 

 

 

 

 

17 de Janeiro: O que é mais a vossa cara? Uma mesa gloriosamente tradicional ou algo simples e leve, com toques de modernidade? Este será um dos prováveis duelos que terão de arbitrar até chegarem a uma conclusão final. As opções de comida e bebida são de facto, variadas, e o fio condutor deverá ser uma combinação equilibrada entre o local, o tipo de festa que delinearam e a variedade de convidados que esperam.

18 de Janeiro: 2019 será, seguramente, o ano em que mais pessoas despertarão para a necessidade de evitarmos os desperdícios. Também os nossos fornecedores estão sensibilizados para a necessidade de mudar comportamentos. Ontem falámos de comida, hoje falamos de catering consciente.

19 de Janeiro: Continuamos a ajudar-vos a fazer escolhas sustentáveis, para que o vosso dia feliz seja também leve, em termos ambientais. E não pensem que vos queremos complicar a vida, nada disso. Aliás, a palavra de ordem aqui é mesmo ‘simplificar’.

20 de Janeiro: A fotografia e o vídeo serão das primeiras alíneas que quererão ver resolvidas na checklist de organização do vosso casamento. Percebe-se porquê: as imagens que daí resultarem serão as memórias palpáveis que vos ficarão para reviver o dia ano após ano, para partilhar com gerações futuras, para construir a história palpável da vossa família e poder contá-la a quem não tenha assistido a todos os episódios.

21 de Janeiro: Vamos reservar mais um dia para a importância das memórias que guardarão do dia do vosso casamento, sob a forma de imagens. Porque um álbum de fotografias de casamento é muito mais do que isso. É um tesouro.

22 de Janeiro: Para tornar o espaço do vosso casamento verdadeiramente ‘vosso’, há todo um trabalho de criação e de execução que é necessário planear com tempo. Esse é o trabalho do decorador. Ou o vosso, caso optem por assumir a decoração do grande dia.

23 de Janeiro: A música é um dos principais ingredientes de qualquer festa que se preze, quanto mais de uma festa de casamento – até porque, neste caso, estamos a falar de uma banda sonora, com todo o compromisso que isso implica. 

24 de Janeiro: Falar de festa é falar de bolo, claro está.

25 de Janeiro: Garantir que todos os convidados se divertem é uma das vossas principais preocupações. Daí a importância da animação especial para as crianças. Ganham os miúdos e os graúdos.

26 de Janeiro: Se houve ano que nos pôs a duvidar da estabilidade das estações, foi 2018! O que levanta uma questão preocupante em relação ao vosso casamento: e se o tempo mudar de repente?

27 de Janeiro: Pegando nesta ideia da instabilidade meteorológica, porque não virar o calendário de pernas para o ar e casar fora de época?

28 de Janeiro: Já têm a lista de convidados fechada, e no entanto há ainda uma questão por resolver que vos preocupa: o que fazer em relação aos vossos melhores amigos de quatro patas?

29 de Janeiro: No dia do casamento, saber a quem dar o braço, sentar quem e onde, quem vai com quem, são questões que chamamos de protocolares, mas facilmente resolvíveis com uma boa dose de bom senso.

30 de Janeiro: Para evitar situações desagradáveis e manter o espírito bom da vossa festa por muito tempo, o melhor é definirem as regras da gestão das redes sociais no vosso casamento de antemão – e partilharem-nas com todos os envolvidos, de forma clara e simpática.

31 de Janeiro: Está na altura de ter a primeira conversa sobre a lua-de-mel. Pensem em destinos, façam uma lista, equacionem prós e contras e, se for preciso, atirem uma moeda ao ar: quando lá estiverem, já casados e imensamente felizes, vão lembrar com carinho estes momentos e perceber que, de facto, o que importa é estarem juntos.

 

Sentem-se motivados? Uma leitura por dia, apenas, não custa nada e ajudará a balizar todas as grandes questões e a perceber o quadro geral. Lembrem-se de nos ir contando como está a correr o vosso Janeiro e não deixem de nos colocar as vossas questões: #voucasarcomSimplesmenteBranco
Acompanhem todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: noivas plus size

A ideia surgiu ao ler o blogue The Paper and Ink, a casa virtual de Joana Cardoso para assuntos variados, mas sobretudo para falar de moda, com especial foco no estilo com formas generosas. Acontece que a Joana é fotógrafa e trabalha também na área dos casamentos, pelo que nos pareceu a pessoa indicada para nos ajudar a preparar um artigo de wise words dedicado às noivas plus size.

«Penso que cada vez mais o mercado da moda responde às exigências da mulher real, ou seja, aquela que tanto veste um 34 como 54.»

«Claro que os modelos base são sempre pensados numa silhueta mais estreita, mais conforme os parâmetros dos desfiles de moda, mas quase todas as lojas e grande parte das marcas e estilistas acabam por, na área de vestidos de noiva, ter à disposição uma maior variedade de tamanhos. Há modelos que assentam melhor numa mulher mais magra, enquanto outros são escolhas mais seguras para mulheres com mais curvas – mas a verdade é que já encontramos uma boa variedade de vestidos em diversos tamanhos.»

Desafiámos a Jo (como é mais conhecida) a imaginar que estava de data de casamento marcada. Por onde começaria as suas pesquisas de vestidos de noiva? «Acho que sou aquele tipo de mulher que já tem uma ideia bastante fixa do que quer usar e procurar, mas mesmo assim acredito que muitas vezes somos surpreendidas por aquele vestido ou corte que nunca nos passaria pela cabeça. Sem dúvida que o meu primeiro instinto seria procurar inspirações em sites do género do Pinterest ou até mesmo no Instagram. Faria pesquisa online nas lojas multimarca mais conhecidas e também por pequenas boutiques e designers independentes, algo que começa a ser bastante comum nos dias que correm. Acho que tudo depende do nosso gosto e orçamento, mas acredito que a pesquisa deve ser extensa e termos a certeza de onde estamos a comprar e de realmente escolhermos algo que nos faz feliz. No Porto, onde resido, não perderia as lojas físicas como a Rosa Clará, a Pronovias, Jesus Peiro, Gio Rodrigues ou a Penhalta Novias.
É sempre mais difícil comprar um vestido de noiva online, mas ainda assim pesquisar também lá fora é uma óptima ideia para encontrar marcas e designers que trabalham com tamanhos grandes, sendo que há a possibilidade de algumas lojas em Portugal receberem artigos de marcas internacionais com essa especificidade, como a Kenneth Winston ou a Laure de Sagazan

Para a Joana, a regra número um será fugir aos cortes comuns, isto é, ao estilo princesa, com grandes saias, vestido com decotes cai-cai, alças muito finas. Muitas vezes os modelos mais justos e até estruturados acabam por cair muito melhor num corpo mais volumoso, fazendo sobressair uma maravilhosa forma ampulheta. Cada pessoa tem as suas características, mesmo que duas mulheres vistam o mesmo tamanho isso não significa que tenham a mesma forma. Daí que não pode haver uma fórmula para vestir todas as noivas plus size. «Não tenham medo de experimentar um corte sereia, ou um corte fit and flare, ou algo que nunca vos passaria pela mente sequer. Pensem no tom do vestido, no tecido em si – adoro rendas e sedas ou cetins mais estruturados – e combinem todos os pormenores de modo a ter um vestido coeso, no qual se sintam bem e bonitas. Por vezes os vendedores têm a melhor intenção possível mas acreditem que a decisão final deve ser sempre vossa e se se sentirem bem é o que importa. De que vos vale todos dizerem que estão lindas se não gostam do vestido? O dia é vosso, mantenham isso em mente.»

Quanto a acessórios, a preferência da Jo recai sobre os toucados, embora reconheça que os véus têm um efeito fotogénico muito especial. Uma bonita pulseira, um anel de família ou uns brincos simples são as suas apostas em termos de jóias (sobretudo, em vestidos muito complexos ou com decotes altos). E quanto a sapatos? Elegância, claro, mas conforto, sempre. Se não resistem a uns saltos super altos para arrasar, contemplem a hipótese de ter um segundo par de sapatos para as horas mais agitadas da festa. Podem ser igualmente bonitos e vocês agradecerão muito terem-se lembrado disso, depois de várias horas em pé. E para conselhos sobre lingerie, recomendamos o nosso artigo de wise words com o contributo da Dama de Copas.

 

 

 

 

 

 

 

É então que chega o grande dia, em que a noiva é o centro das atenções, com câmaras apontadas para si a toda a hora. «O modo como nos vemos é sempre diferente daquele que é retratado, temos tendência a ver coisas a mais ou a menos, a fazer poses que resultam bem ao espelho mas que são impossíveis de replicar fotograficamente. Também o ângulo da fotografia nunca será o mesmo de quem se olha a si mesma num espelho. Enquanto que eu olho de cima para baixo num espelho, com a altura dos meus olhos a cerca de 1,60m do chão, já a partir de uma lente o ângulo é posicionado mais abaixo ou mais acima, e a própria abertura angular da lente faz com que pequenas deformações existam o que leva a que acabemos por parecer ou mais gordinhas ou mais magras.»

A verdade é que um bom fotógrafo, quer seja no casamento ou numa sessão, irá ajudar-vos a encontrar o ângulo certo, especialmente se já vos conhecer e tiver trabalhado convosco – algo que acredito ser sempre muito benéfico – e assim dar-vos uma fotos de sonho que vos irão fazer ver o quão bonitas realmente são, algo que nem sempre conseguimos apreciar em nós mesmas.

Um dica da Jo que vale mesmo a pena pôr em prática: experimentem ter uma amiga a tirar-vos fotos na prova dos vestidos, de vários ângulos, sentada, em pé, a andar, e assim conseguirão ter uma melhor percepção de como tudo irá correr no dia e se o vestido fica tão bem – ou não – como vos parece quando se vêem ao espelho.

«Se não gostam de ver os braços nus, optem por um vestido com manga. Se não querem realçar a barriguinha, optem por usar uma cinta modeladora ou um vestido em que o corte não evidencie a zona abdominal. A verdade é que, como mulher e fotógrafa, ouço clientes dizer que não gostam disto ou daquilo nas suas silhuetas e, no dia do casamento, aparecem com vestidos que evidenciam todos essas partes que menos apreciam. Pedem-nos “milagres”, pedem-nos Photoshop – não é viável editar 1000 fotos de um casamento de modo a dar uns braços mais magros, uma barriga mais definida. Isto não é de todo uma crítica, é mesmo um conselho, como fotógrafa e como mulher plus size que começou a perceber os truques que a roupa nos permite fazer.»

A confiança também é dos pontos mais importantes. Se uma mulher se sente bonita, sem medos, sem preocupações estéticas face ao seu corpo e ao que veste, isso transparece. A confiança é uma base importante da beleza. «Para as pessoas mais tímidas, acreditem que nós – fotógrafos – temos a nossa maneira de vos deixar mais à vontade. Eu, pessoalmente, adoro conhecer os meus clientes antes, talvez até fotografar com eles antes do casamento para entender toda a nossa dinâmica. Não tenham medo de dizer aquilo de que gostam, não gostam, o que querem ou não querem. Da minha parte, eu vou tentar fazer-vos rir, pedir para olharem um para o outro e dizerem o motivo que vos levou a amar, que vos levou àquele dia, e é a partir desses momentos que os olhos brilham, os abraços surgem, os beijos acontecem e eu consigo captar a essência do vosso amor, de modo muito natural, puro e sem grandes poses. O amor torna tudo mais bonito, incluindo as pessoas.»

Obrigada, Jo!

 

Este artigo está ilustrado com fotos do casamento da plus size blogger Callie Thorpe, assinadas por Kirsty Mackenzie. Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

 

Marta Ramos

Wise words: escolher os sapatos para o casamento

Vamos às compras? Agora que já coleccionaram dezenas de imagens bonitas, como aquelas que partilhamos convosco todos os domingos, chegou a hora de escolher os sapatos para o casamento. E porque os sapatos não são apenas forma, mas também função, pedimos à podologista Patrícia Pontes que nos ajudasse a perceber como é que a escolha do calçado influencia o conforto e o bem-estar dos pés, sobretudo sabendo que o dia do casamento será grandemente passado em pé – e, provavelmente, durante as últimas horas, a dançar!

As nossas wise words de hoje são então dedicadas aos cuidados que deverão ter com os vossos pés antes, durante e depois do dia do casamento. As dicas são da Patrícia Pontes e as magníficas imagens da dupla Um Dia de Sonho.

Para mim falar de sapatos é um verdadeiro universo que me fascina, é o meu mundo. Se me colocarem um par de sapatos nas mãos conseguem ter uma longa conversa comigo sobre estas obras de arte (risos). São vários os detalhes de que vos posso falar e cada noiva terá necessidades particulares, mas vou mencionar alguns dos quais não podem deixar de ter a vossa atenção.

Perguntámos à Patrícia se o mito da Cinderela faz sentido, ou seja, se há um sapato para cada pé. A podologista respondeu-nos que sim e que há que ter em conta três factores no momento da escolha do sapato: são ele o tamanho, a largura e a própria estrutura ou morfologia anatómica do pé.  Por exemplo, certo formato de sapato pode adaptar-se perfeitamente a um pé de tamanho 37 mas não ser adequado em termos de largura. Numa situação destas, esqueçam a ideia de comprarem os sapatos para os alargarem em casa. No momento da compra têm de sentir-se confortáveis, não pode existir dor nem desconforto – os pés falam convosco, escutem-nos. «Trazer os sapatos para alargar em casa é estar a provocar problemas nos pés que por vezes não surgem naquele momento exacto após os usarem mas vão dar um sinal mais tarde.» É também importante experimentarem os sapatos com o tipo de meia que vão usar no dia do casamento, não só pelo espaço que ocupa mas também pelas sensações que o pé vos vai transmitir. Há meias que em contacto com determinados materiais fazem o pé deslizar e não vos vão dar segurança a andar.
Quanto à escolha do tamanho dos sapatos, orientem-se pelo dedo mais comprido e não pelo dedo mais gordo. «Entre o sapato e o vosso dedo mais comprido deve existir cerca de 0,5cm de espaço livre para que, ao caminhar, o pé possa avançar livremente, impulsionando o passo seguinte sem baterem com os dedos ou as unhas na frente do sapato.»

Há sapatos com acessórios lindíssimos como laços, pedras ou brilhantes, que muitas vezes estão posicionados em zonas de conflito com pontos sensíveis à dor. Se for esse o vosso caso, escolham sapatos isentos destes adornos nessas zonas delicadas.

O design dos sapatos também é muito importante, claro. Sapatos stilleto são sempre mais desconfortáveis para um dia exigente, a sua própria forma é mais estreita. É preciso saber escolher muito bem este tipo de sapato caso contrário sofrem dores horríveis nos pés – e até dores de cabeça. Para além disso, lembrem-se de que farão quilómetros no dia do vosso casamento, e se estiver calor os pés tenderão a dilatar. «Costumo dizer que andar de saltos é uma arte. Há mulheres que naturalmente deslizam com saltos mas para outras a ligação não se faz, e pode ser uma autêntica tortura.» Os pés são todos diferentes e cada mulher tem o seu próprio estilo de andar. Também existem pés instáveis por natureza e com determinados problemas que naturalmente têm maior dificuldade com os saltos ou simplesmente não os conseguem usar. Os saltos finos oferecem mais instabilidade e provocam mais cansaço que os saltos mais largos. «Para mim é fundamental uma noiva manter a sua elegância sem perder o seu conforto e naturalidade.»

Temos também as plataformas, que estão muito na moda. Apesar de serem associadas a maior conforto, isso pode ser ilusão. «É verdade que não se sente a textura de uma calçada, mas a maior parte das plataformas bloqueiam os movimentos naturais do pé. Há plataformas tão exageradas e com materiais tão rígidos que impedem as mulheres de fazerem a flexão normal de que o pé precisa.»

Procurem um formato de sapato com bom apoio que respeite a largura, o volume e as necessidades dos vossos pés, proporcionando-lhes conforto. Os materiais também são de extrema importância para o conforto e a saúde do pé. Materiais naturais como a pele, algodões, sedas entre outros materiais inovadores já existentes no mercado são sempre boas escolhas, desde que sejam macios, confortáveis, com boa respiração do pé e absorção da transpiração.

«Uma outra palavra-chave é leveza: quanto mais leves forem os vossos sapatos, menos esforço terão que fazer e menos cansadas ficarão.»

 

 

 

 

Ora bem, se tiverem em conta estes aspectos assinalados pela Patrícia Pontes na hora de escolherem os sapatos para o casamento, garantidamente que irão minimizar muitos dos problemas e situações indesejadas.

Uma escolha acertada é aquela em que nos sentimos tão confortáveis com os sapatos que podemos facilmente sair com eles calçados da loja.

Ainda assim, é aconselhável que usem os sapatos algumas vezes, antes do grande dia. Se não o quiserem fazer na rua, façam-no em casa para uma adaptação natural e gradual, ou até mesmo para ponderarem uma possível troca no caso de verificarem que não fizeram a compra mais adequada.

E os homens, deverão ter também o mesmo tipo de preocupação com a escolha do calçado? «Sim, claro. Apesar de aparentemente os sapatos de homem serem mais confortáveis, nem sempre se faz a melhor escolha mediante aquilo de que os pés precisam.» Há sapatos masculinos com design bem estreito que não obedece à anatomia do pé.  Um noivo que esteja habituado a usar calçado mais casual ou desportivo, terá mais dificuldade adaptar-se ao calçado clássico. As solas em couro são menos flexíveis e sem amortecimento e por vezes o tipo de pele é mais dura. É aconselhável dar preferência a peles mais macias ou outros materiais flexíveis e que permitam a respiração. É também importante escolherem adequadamente o tamanho, tendo em conta a largura e a estrutura anatómica do pé. Sapatos com atacadores ou fivelas permitem que ao longo do dia do casamento possam reajustar os sapatos. Lembrem-se de ter em conta a dilatação ao calor e experimentem os sapatos com o mesmo tipo de meia que usarão no dia. Tal como as meninas, também os meninos devem usar os sapatos em casa, algumas vezes.

Agora que já vimos a questão do calçado, debrucemo-nos sobre os pés propriamente ditos. O que é que pode ser feito para prepará-los para o esforço do dia do casamento? «No caso de terem alguma dor ou problema de unhas, pele, calos ou calosidades, devem procurar um podologista com antecedência para tratarem devidamente os vossos pés. No caso de terem os pés saudáveis e sem problemas, aconselho o corte das unhas com cerca de uma semana de antecedência. Ao longo de pelo menos um mês, fazer uma esfoliação aos pés uma a duas vezes por semana, conforme a necessidade dos vossos pés, e todos os dias hidratá-los – excepto entre os dedos. Estes cuidados vão deixar os vossos pés bonitos, sedosos, perfumados e com um conforto maravilhoso.»

As meninas que queiram pintar as unhas dos pés tenham também em atenção as seguintes orientações: primeiro, garantir que as unhas estão saudáveis. Depois, cortá-las em formato recto. As cutículas não devem ser cortadas mas empurradas suavemente (aproveitem o momento da esfoliação de pés para esfoliar as cutículas e mantê-las sempre hidratadas). Apliquem previamente ao verniz de cor uma boa base protectora da unhas e escolham sempre vernizes de qualidade.

E depois do grande dia? Como ajudar os pés a recuperar de um esforço extraordinário? «Preparar um banho relaxante de pés com sal grosso, adicionar uma ervas de alfazema, alecrim e umas rodelas de limão e mergulhá-los por uns minutos, vão ficar rapidamente revigorados. Secar muito bem os pés, não esquecendo o meio dos dedos e unhas, e fazer uma boa hidratação acompanhada com uma boa massagem por todo o pé para aliviar todos os pontos de tensão. Aproveitem para desfrutar deste momento a dois. Se possível, andem algum tempo descalços pela casa, desde que não tenham o hábito de usar calçado de rua dentro de casa e que os vossos pés estejam de perfeita saúde. E para este dia larguem os saltos e usem sapatos bem confortáveis.»

 

Que maravilha, até nos sentimos mais relaxados só de ler esta descrição! Sigam as dicas da Patrícia Pontes à risca e verão como o dia do vosso casamento desliza! Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: como escolher a lingerie para o casamento

Um dos melhores amigos do vosso vestido de noiva é a lingerie que escolherem para usar com ele. Já aqui vos falámos em detalhe sobre a escolha do vestido de noiva. Pois bem, o vestido é o centro em torno do qual tudo o resto se vai articular. O que se vê e o que não se vê. Nesse artigo, referimos a importância de levarem um soutien liso e sem alças, de preferência de cor neutra, para as provas de vestidos. Depois de escolhido o vestido dos vossos sonhos, é então altura de escolher a roupa interior mais adequada ao modelo mas também ao vosso corpo. O conforto é uma prioridade, num dia tão longo e intenso.

Hoje as nossas wise words são dedicadas à escolha da lingerie para o casamento, e contamos com a ajuda preciosa da Ana Morais, da Dama de Copas. Nada como ouvirmos os insights de especialistas em lingerie e bra fitting para vos podermos aconselhar melhor.

Bra fitting é o nome dado pela Dama de Copas ao seu serviço gratuito de aconselhamento. No caso das noivas, o assunto será a escolha do soutien certo para o vestido de noiva e restante lingerie para o casamento, mas também para a noite de núpcias e a lua-de-mel (e ainda dicas sobre como cuidar da zona do decote para uma pele deslumbrante no grande dia). Este atendimento não requer marcação prévia, mas existe outro formato, os Bridal Showers, pensados para a despedida de solteira, que implicam a compra prévia de um vale nas lojas e a respectiva marcação.

Seja em que formato for, não se esqueçam de levar convosco bastantes imagens do vestido de noiva, para que a consultora possa orientar as vossas escolhas dispondo do máximo de informação possível. Se ainda não tiverem escolhido o vestido, serão igualmente bem-vindas! Aliás, uma coisa que poderá surpreender-vos é a seguinte recomendação das especialistas:

Para que cada noiva saiba quais as melhores opções para si e para o seu peito, a Dama de Copas aconselha a que experimentem a lingerie antes de escolherem o vestido e, assim saberão as opções que mais se adequam a si e que mais enaltecem a sua silhueta, mantendo o conforto.

 

Lingerie para o casamento

 

Lingerie para o casamento

 

Lingerie para o casamento

 

Vestidos diferentes requerem soutiens diferentes. Um vestido cai-cai com decote em coração exigirá um soutien cai-cai mais decotado. Se for um vestido cai-cai direito, no entanto, o decote já não é necessário e poderão optar por um soutien também ele direito. Se o vestido tiver alças o soutien também poderá ter, desde que se harmonizem umas com as outras, claro – e aqui terão a vantagem acrescida de ficarem com uma peça de lingerie que usarão mais frequentemente.

E se o vestido não tiver costas? Não se preocupem, que também há soutiens sem costas (e sem alças). Claro que isto interfere com o trabalho que o soutien faz, uma vez que as costas representam cerca de 80% do suporte. Dependendo da profundidade do decote nas costas, no entanto, pode ser possível adaptar um acessório ao soutien normal, tornando-o imperceptível mas completamente eficaz no suporte.

Perguntámos também à Dama de Copas se o vestido de noiva e a noite de núpcias eram um mesmo assunto ou se implicavam escolhas e argumentos distintos: «A noite de núpcias é única. É o culminar de toda a festa, preparativos e cansaço do casamento! É, também, a primeira noite de uma nova fase para o casal e, por isso, deve receber uma atenção especial. Existem certos detalhes de romantismo e delicadeza que somente peças como um body ou uma camisa de noite podem ter! O ideal é escolher-se uma lingerie específica para o vestido e dia do casamento e outra para a noite de núpcias. Na Dama de Copas existe uma alargada gama de peças desenhadas especialmente para a noite de núpcias e para a lua-de-mel, para que todos os momentos sejam únicos e tenham memórias específicas.

A lingerie para a noite de núpcias deve, acima de tudo, ser confortável e fazer com que a noiva se sinta sexy, bonita e confiante. Existem peças para todos os gostos: dos tecidos acetinados aos transparentes, dos modelos lisos aos repletos de renda, das camisas longas ou curtas aos conjuntos de top e calção – sem esquecer o clássico body! Assim, poderão escolher a opção que melhor se adapta a vocês e à vossa personalidade.

 

Lingerie para o casamento

 

Lingerie para o casamento

 

Lingerie para o casamento

 

E depois de escolhidas todas as peças a usar no grande dia e nos momentos mais importantes que o acompanham, outra questão se levanta: como cuidar e acondicionar a lingerie para que possa ser guardada e transportada na maior segurança, e estar impecável quando for usada?

«A lingerie para o casamento deverá receber o mesmo tipo de cuidados que a restante lingerie: deve ser lavada à mão, com um detergente suave (não agressivo para os materiais e que não contenha amaciador) e secada à sombra. Quando guardada, o ideal é que esteja numa gaveta ou armário com pérolas de silica aromatizadas, que não só ajudam a controlar o nível de humidade, como também oferecem um aroma agradável às peças. Na Dama de Copas existe o Kit de Beleza, composto pelo Lingerie Wash e o Lingerie Fragrance, que permitem oferecer estes cuidados. Para além disto, as peças devem ser armazenadas com cuidado. Os soutiens que tenham enchimento devem ser guardados abertos, sem que se dobrem as copas. Os restantes soutiens, quer sejam de copa mole ou moldada, podem ser guardados abertos ou com uma copa dobrada por dentro da outra, garantindo que as mesmas se encontram perfeitamente lisas e encaixadas. Todas as peças de noiva vendidas na Dama de Copas, como por exemplo camisas e robes, vêm com uma caixa própria para armazenamento, onde devem ser mantidas quando não utilizadas. Deve ser prestado um especial cuidado às peças brancas: estão sujeitas à alteração de cor por influência tanto de luz natural como artificial e, por isso, devem ser guardadas nas respectivas caixas, sem excepção! Desta forma permanecerão bonitas e com a cor original ao longo do tempo.»

 

Muito obrigada à Ana Morais e à Dama de Copas por estes esclarecimentos. Se tiverem alguma dúvida, contactem a loja mais próxima de vocês, serão atendidas com simpatia e competência. E não se esqueçam da ideia que referimos no início do artigo: experimentar a lingerie antes mesmo de escolher o vestido pode vir a revelar-se na melhor aposta para garantirem que terão o máximo conforto no dia do casamento.

Não deixem de consultar as nossas wise words relativas a tantos outros momentos importantes na organização do casamento. E boas escolhas!

Marta Ramos

Wise words: escolher o bouquet

A partir do momento em que tiverem escolhido o vestido de noiva, podem passar a outra escolha muito importante: o bouquet – o tema das wise words de hoje. A ligação entre estas duas peças é inequívoca – o protocolo diz que o bouquet deve seguir a linha do vestido, com volume adequado à figura, primeiro, e ao estilo, a seguir.
Para um vestido clássico, de princesa, com saia imponente, poderá ser de leve caída ou redondo. As flores serão mais clássicas, de uma variedade (rosas, peónias, hortênsias, por exemplo), e de cores suaves e delicadas, harmonizando o conjunto.
Um vestido de linhas direitas e rico em detalhes, em meninas altas, pede um bouquet mais elaborado, com atenção às cores: harmonia e elegância são o mote, mais verduras e menos cores tornarão o conjunto mais refinado. Valem várias espécies, mas de uma cor ou em ton sur ton.
O estilo mais boémio e descontraído pede bouquets mais orgânicos e naturais. As formas são menos estruturadas e as misturas mais criativas. São os mais complicados de executar e seguramente os mais dispendiosos, já que dependem dum conjunto bonito das várias espécies. Fitas coloridas, tecidos bonitos ou fio rústico finalizarão na perfeição estes belos arranjos.
Para as meninas mais baixinhas, recomendamos uma versão muito mignonne. Um bouquet pequeno e harmonioso é o indicado, feito de flores pequeninas e delicadas.

 

Casamento simples e elegante em Coimbra, com decoração Bouquet de Liz

 

Casamento simples e elegante em Coimbra, com decoração Bouquet de Liz

 

O bouquet é indissociável do vestido, certo; mas também dá a mão a outros intervenientes do vosso dia, sendo necessário ter uma visão alargada da big picture para que o todo resulte harmonioso. Começamos por chamar a atenção para o trio perfeito de que a Susana vos fala todos os domingos: bolo+sapatos+bouquet. Pensem numa cor dominante, no estilo, nos pormenores que poderão estabelecer a ligação entre todos estes elementos e depois deleitem-se com as fotografias fabulosas que daí resultarão.

Mas há mais, claro. As flores serão, muito provavelmente, um dos elementos decorativos mais presentes na vossa festa – uma grande parte dos nossos fornecedores seleccionados de flores trata, precisamente, de todos esses assuntos (do bouquet à decoração floral) e tudo se conjuga na perfeição. No caso de escolherem profissionais distintos para esses dois assuntos, então passem informação de uns para os outros para que possam sintonizar-se.

As flores também dão acessórios muito bonitos para o cabelo da noiva e para a lapela do noivo. Tenham isso em mente quando escolherem as vossas flores, e aconselhem-se com o vosso fornecedor – algumas espécies podem não resultar tão bem em boutonnières, por exemplo.

Então, com base nestas linhas de orientação, como podem passar à escolha de facto? Digamos que há dois factores decisivos – nesta e em todas as outras decisões que terão que tomar durante a organização do vosso casamento – a ter em conta: a inspiração e a audição! Naveguem abundantemente pelos vossos sites de referência, vejam atentamente os casamentos que vamos publicando, analisem ao pormenor as fichas dos nossos fornecedores (que têm muitas imagens para vos deliciar) e criem álbuns no pinterest. O que for preciso para reunirem um lote de imagens que vos agrade. Depois disso, contactem os vossos três profissionais preferidos e escolham aquele com quem irão trabalhar.

Aqui, entra a audição – escutem os especialistas na matéria, façam valer a vossa vontade, claro, mas saibam também onde terão que ceder para acautelar sobressaltos. Por exemplo, sempre que possível, escolham flores da época e de produção nacional. Para além da evidente diminuição da pegada ecológica, não querem ter que passar pela angústia de ver a data aproximar-se e não ver a encomenda chegar.

 

Casamento simples e elegante em Coimbra, com decoração Bouquet de Liz

 

Casamento simples e elegante em Coimbra, com decoração Bouquet de Liz

 

Outra cautela importante: peçam sempre uma segunda opção ao vosso fornecedor de flores. O mercado floral é cheio de imprevistos (pragas, intempéries, greves de transportadores, aumentos nos combustíveis…), que se reflectem na disponibilidade e preço final do produto. O orçamento é pedido com meses de antecedência, mas encomenda é feita uma ou duas semanas antes, as surpresas não são tão improváveis quanto isso.
Considerem o peso do arranjo e falem sobre isso, é relevante. Vão passar uma boa parte do tempo com o bouquet na mão, quanto mais leve e resistente ao manuseamento, mais confortável e fotogénico será. Não se esqueçam dele a um canto durante as fotografias, se investiram tempo e dinheiro nesta peça tão especial e pessoal, merece retrato próprio e dedicado.
Quanto a valores, não há paralelismo entre os preços da florista do bairro a um bouquet finalizado: para garantir meia dúzia de peónias em perfeito estado de maturação no grande dia, encomendam-se 30 pés (estragam-se, não vêm em condições, abrem demais ou abrem de menos, só se encomendam em lotes, etc) e a taxa de desperdício é muito grande. O valor final do bouquet somará o custo das flores (e verduras), a sua variedade, a qualidade das fitas e acabamentos, e o talento criativo e de execução do profissional: não pode ser pouco, mas será a justa retribuição por uma peça que vos fará quase tanta companhia como o noivo, pelo menos na primeira parte do grande dia, e que ficará imortalizada nas imagens registadas. Sim, estas flores são mesmo para sempre!

 

As fotografias deste artigo são da autoria de Luís Ala e registam um bonito trabalho de design floral da Bouquet de Liz.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: como poupar no casamento, versão smart saver

Na semana passada iniciámos a conversa sobre as contas do casamento. Hoje, continuamos nesse terreno, mas com os olhos postos nas possibilidades de poupança.

Com certeza que já encontraram muitos artigos publicados sob o tema ‘casamentos low-cost‘. É seguramente uma expressão apetecível, um chamador de leitores, e tem feito correr muita tinta (ou muitos caracteres) sem que isso se traduza em informação verdadeiramente válida para vocês, que estão em processo de organização do vosso casamento. A Susana já aqui abordou este assunto, na altura com base num artigo da revista Sábado para o qual ela foi consultada mas cujos contributos não foram tidos em conta na hora da publicação: «A mensagem que passou, é que todo este mercado é um absurdo e que contratar um fotógrafo amador no Facebook e comprar um vestido numa loja chinesa são o caminho certo para domar o orçamento. Pois não é – isso é uma visão miserabilista de um dia memorável. Todos, noivos, família, amigos, profissionais, merecem melhor.»

Ora, para casar são precisos, exactamente, 220 euros, no mínimo, e 390 euros, no máximo, conforme as opções legais escolhidas. O resto? O resto é uma festa, apenas isso e é essa perspectiva sob a qual deve ser olhada e debatida. – Susana Esteves Pinto

Então mas não se pode querer poupar? Pode, claro que sim! Gostamos da expressão smart saver e é sobre esse assunto que nos debruçamos nas nossas wise words de hoje. Ser um smart saver implica que se compreenda as diferenças entre poupança, que diz respeito a um custo (baixar um orçamento, por exemplo) e ganho, que diz respeito a valor (ter mais qualidade ou serviço, pelo mesmo preço).

Este é o conceito que pusemos em prática numa lista de sugestões, algumas nossas e outras sugeridas por profissionais do sector, que esperamos vos ajudem a ajustar o vosso sonho ao vosso orçamento, sem nunca comprometer a qualidade. Parece-vos tarefa impossível? Mas não é – tomem nota:

 

Alice Nunes Vicente Photography - fotografia de casamento

 

Alice Nunes Vicente Photography - fotografia de casamento

 

. Contactem o fornecedor com antecedência e proponham uma forma de pagamento mais apelativa: ficarão numa posição interessante para negociar e fará de vocês clientes mais apetecíveis;

. optem por uma festa pequena (exactamente à medida das vossas possibilidades) e com muito charme e qualidade. Para quem ficou de fora, e com muita pena, preparem mais tarde um mimo extra: um jantar num restaurante simpático e acolhedor (novamente, dentro do vosso orçamento), uma espécie de segunda festa mais descontraída mas igualmente feliz e comemorativa;

. encurtem o tempo da festa e logo, o consumo: apenas um delicioso jantar, com um leve cocktail de boas vindas, bolo dos noivos servido como sobremesa e uma ceia simpática se os vossos convidados forem mexidos e noctívagos;

. façam uma gestão criteriosa do menu e do bar, uma fatia generosa do vosso orçamento está aqui e qualquer poupança é multiplicada por muitas unidades. Construam um menu sensato, gostoso e equilibrado. Dispensem as variedades infinitas de doces, salgados, mariscos e aperitivos, e optem por produtos locais, de muita qualidade e apenas 2 ou 3 variedades. Será suficiente, não se preocupem! Se têm contactos privilegiados numa garrafeira, façam as contas às quantidades e levem o vosso próprio vinho: informem-se sobre a taxa de rolha (custo de abrir, preparar e servir). No bar, a mesma sugestão, pouca variedade e muita qualidade;

. façam uma gestão criteriosa dos materiais gráficos: tirem partido da matéria prima (um belo fine paper) e usem apenas uma cor, o resultado é luxuoso! Simplifiquem nas ementas (1 ou 2 por mesa, ou nenhuma, trocada por um belo quadro caligrafado), nos marcadores (um cartãozinho com um número) e noutros extras, mas não dispensem uns bonitos cartões de agradecimento;

. tirem partido de um espaço familiar ou de amigos que não se importem de o disponibilizar, esta é outra fatia gorda do orçamento. Garantam que o deixam impecável e gastem o que for necessário para que isso aconteça. Associações, jardins de museus e casas regionais serão também alternativas em conta;

. trabalhem com fornecedores locais, sempre que possível, a poupança estará nas deslocações e estadias, mas também no conhecimento e agilidade que têm na comunidade ou junto dos restantes fornecedores;

. façam algumas compras nos saldos, porque há oportunidades relevantes. Falamos da lingerie, da gravata, dos sapatos, acessórios e outras peças que não dependem de tendências ou colecções;

. explorem outras opções: os vestidos de noiva não passam de moda assim tão depressa e as colecções anteriores podem ter preços competitivos e modelos igualmente maravilhosos. Considerem também pronto a vestir de qualidade e materiais nobres: invistam nos acessórios certos e todo o modelo ganha vida e estatuto. E já ouviram falar de vestidos de noiva em segunda mão por uma boa causa?

. Falando ainda dos sapatos (de ambos): façam compras com vida longa. Isto aplica-se igualmente ao fato do noivo. Um belo fato escuro, bem cortado, uma camisa branca elegante, uma gravata de seda, são clássicos intemporais – peças que poderão ser vestidas muitas vezes, em ocasiões relevantes, nos próximos 5 anos;

. peçam emprestado (ou aluguem) pormenores secundários: um saiote, um véu;

. sempre que possível, optem pelo que já existe e completem com alguns detalhes personalizados, que acrescentem valor: é relevante na conta final. Quando não há, aluguem, não comprem, e esta regra vale para tudo (das mesas aos talheres, às jarrinhas, molduras e sofás!);

. e uma nota que excede o dia do casamento: poupem sabiamente na lua-de-mel! Muitas vezes, assoberbados com todas as decisões que têm que tomar para o grande dia, os casais escolhem o destino de viagem quase de véspera. Se decidirem isso logo no início do processo e fizerem as vossas reservas atempadamente, isso é dinheiro em caixa!

 

Alice Nunes Vicente Photography - fotografia de casamento

 

Alice Nunes Vicente Photography - fotografia de casamento

 

Por falar em lua-de-mel, lembram-se das vantagens de casar fora de época? Pois aqui está mais uma: viagens mais em conta, que podem permitir encurtar o custo ou alongar a distância ou a duração (ou seja, poupar ou ganhar).

«O meu melhor conselho é o mais simples de todos: saber é poder. A informação é o bem mais valioso, certifiquem-se de que estão bem informados, façam o vosso trabalho de casa com critério e discernimento. Perguntem, respondam. Parem para reflectir, não se deixem engolir pelo furacão das opiniões, pressões e aparências. Virem as costas ao absurdo, abracem o bom senso.» – Susana Esteves Pinto

É muito mais simples do que parece. Simples é, de facto, a palavra de ordem em todo o processo. Precisamos muito de lembrar-nos disso.

 

As fotografias deste artigo são da autoria de Alice Nunes Vicente Photography.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.