Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: catering consciente para um casamento sem desperdício

A organização do casamento vai levantar muitas questões e obrigar-vos a fazer muitas escolhas. Há uns tempos, escrevemos aqui sobre 5 pequenos passos para um casamento sustentável, com o objectivo de vos ajudarmos a fazer escolhas sustentáveis para que o vosso dia feliz seja também leve, em termos ambientais. Estamos todos muito conscientes do impacto que as nossas acções têm no planeta e todos os gestos, por mais pequenos que possam parecer, são importantes.

Mas nem só vocês, os noivos, estão atentos a estas mudanças de paradigma. Também os nossos fornecedores seleccionados se preocupam cada vez mais com os desperdícios (tão associados a este tipo de celebrações) e procuram formas de evitá-los. Para as nossas WISE WORDS de hoje, consultámos a Silva Carvalho Catering para sabermos mais sobre as estratégias da empresa no sentido de prestar um serviço tão eficiente quanto consciente.

Uma das maiores preocupações da Silva Carvalho Catering, como empresa socialmente responsável, é a de diminuir os excedentes de alimentos confeccionados nos eventos. Mas, ainda assim, acontece sobrar comida que não chega a ser consumida. Nesses casos, a nossa prioridade é encaminhar essa comida, que continua em perfeitas condições, para quem dela mais necessita.

Ou seja: para combater o desperdício alimentar, há que começar pelo início, isto é, produzir menos. É certo que, em dias de festa, e num casamento, sobretudo, gostamos de ver mesas bonitas e recheadas – a abundância está muito enraizada na nossa mentalidade como sendo condição sine qua non para que os convidados se sintam bem recebidos. «Há ainda alguns noivos que ficam receosos quanto à quantidade de comida», confirma Cristina Barros. «Este receio prende-se, sobretudo, com a ideia de que os bons anfitriões põem mesas fartas. Mas fará sentido aumentar as quantidades para lá do que se sabe que será, efectivamente, consumido, sabendo de antemão que grande parte do que esteve exposto irá para o lixo? Valerá a pena?»

Na nossa opinião, não – e acreditamos que concordam connosco. Tendo em conta que o catering corresponde à maior fatia do vosso orçamento para o casamento, vale a pena ponderar bem este assunto e fazer escolhas informadas e sensatas. Gastar dinheiro a mais e deixar que se desperdice comida são duas coisas a evitar.

Como é que a Silva Carvalho Catering vos pode ajudar a evitá-las? «Começamos por apresentar um aperitivo (volante e buffet) em que apostamos na variedade e na quantidade calculadas em função do número de pessoas esperado. Fazemos os cálculos internos com base num rácio de cerca de 12 peças (unidades ou gramas) por pessoa. Uma vez que apostamos num bom aperitivo, sugerimos um menu com uma entrada de peixe, um prato principal e o bolo dos noivos como sobremesa. Não nos parece necessário mais , temos buffets de frutas, queijos e doces de seguida e uma ceia para os mais resistentes! Não pode faltar bebida… et voilá: um casamento sem sobras!»

Exactamente porque produz q.b., a Silva Carvalho Catering tem conseguido evitar sobras exageradas nos seus serviços. No entanto, e porque ainda acontece restar alguma coisa (sobretudo, doces do buffet), existem algumas práticas a serem adoptadas, mas sempre com muito rigor, pois estamos a falar de alimentos, com tempos de exposição e intervalos de temperatura a cumprir.
Por exemplo, se os clientes quiserem levar consigo o que sobrar no final da festa, são convidados a fazê-lo, desde que tratem dos recipientes e assinem um termo de responsabilidade: «Somos uma empresa certificada em HACCP e não nos podemos responsabilizar pelo acondicionamento que noivos ou familiares farão dos produtos que recolherem.»

 

 

 

 

Quando há comida a sobrar e ninguém para a levar, então a estratégia da Silva Carvalho Catering passa por contactar uma instituição que possa fazer a recolha em boas condições e dar-lhe utilidade junto das populações mais carenciadas. Às vezes é possível prever isso bem cedo, quando há faltas de convidados (não é tão frequente nos casamentos, mas nos congressos, por exemplo, acontece com regularidade). Actualmente, a instituição com que trabalham é o Coração da Cidade.

E assim se consegue que tudo esteja bem quando acaba bem! A sugestão deixada por Cristina Barros para quem está agora a planear o casamento é a de que abordem este assunto junto das empresas de catering que contactarem. Acrescentem a preocupação com o desperdício à vossa lista de requisitos. Enquanto cidadãos, a nossa melhor ferramenta para melhorar o mundo é esta, precisamente: a de consumirmos com responsabilidade, privilegiando produtos e empresas conscientes.

Não deixem de ler o nosso artigo de wise words sobre a ementa do casamento e de conhecer os 5 pequenos passos para um casamento sustentável que já aqui vos sugerimos. E partilhem connosco as vossas ideias, também: boas ideias nunca são demais!

Marta Ramos

Wise words: preparar a pele para o dia do casamento

Há uns meses, dedicámos as nossas wise words à maquilhagem da noiva, com assessoria da Kabuki Makeup by Rita Amorim. Houve uma observação da Rita que nos ficou na memória desde então: «Acima de tudo, a minha primeira preocupação é perceber em que estado se encontra a pele da noiva e caso possamos melhorá-la até há data da cerimónia, iniciamos um tratamento aconselhado e dedicado caso a caso.»

Foi com esta preocupação em mente que decidimos pedir ajuda à Ana Alexandre, autora do blogue The Skin Game. Licenciada em Farmácia, a Ana é formadora e trabalha actualmente na área da dermocosmética. Coincidentemente, está também a muito pouco tempo de dar o nó, pelo que sabe exactamente de que estamos a falar quando lhe pedimos que nos ajude a elucidar as noivas quanto aos cuidados essenciais que devem ter para conseguirem uma pele fabulosa no dia do casamento. E para começar, convém saber ao certo o tipo de pele que se tem.

«A primeira coisa a ter em conta é que o tipo de pele está relacionado com a produção natural de gordura/sebo pela pele, portanto é esse o factor que usamos para distinguir. Uma pele equilibrada é uma pele normal; uma pele que na sua totalidade produz excesso de sebo é oleosa (gordurosa ao toque e brilhante); e uma pele que produz gordura a menos é uma pele seca (geralmente há uma sensação de desconforto permanente na pele e de repuxamento). Contudo, podem coexistir no rosto vários tipo de pele, tratando-se então uma pele mista (geralmente é oleosa na zona T, que é composta pela testa, nariz e queixo).

Há que citar, no entanto, outras duas situações, que são ambas estados e não tipos de pele. Uma pele desidratada é uma pele com falta de água e pode ocorrer em qualquer tipo de pele, sendo até muito frequente nas peles oleosas por causa da tendência a remover toda a oleosidade do rosto. Isto significa que se têm alguma descamação na pele, pele baça e excesso de produção de oleosidade, têm provavelmente uma pele oleosa desidratada (faço só uma adenda de que se a descamação na pele oleosa for localizada às sobrancelhas, nariz e linha do cabelo, então muito provavelmente será dermatite seborreica). Pele sensível também não é um tipo de pele, mas sim um estado geralmente transitório.»

 

 

 

 

Para a Ana Alexandre, o único passo de uma rotina de cuidados que depende do tipo de pele é o hidratante que se usa. De uma forma geral, estes são os passos que aconselha:
1. Produto de limpeza não agressivo: «podem escolher a textura que mais vos agradar, mas devem remover sempre o produto do rosto, mesmo que o produto diga que não é necessário, como o caso das águas micelares, já que deixar resíduos de detergente na pele conduz a sensibilização. Não sou fã de produtos de limpeza de pele oleosa, pois são geralmente muito agressivos e acabam por promover a desidratação da pele.»<
2.
Tónico exfoliante: «usar duas a três vezes por semana, para uniformizar a textura da pele e remover as células mortas».
3. Sérum: «adequado àquilo que sintam que precisam de corrigir (sinais de envelhecimento, desidratação, manchas, falta de luminosidade, excesso de oleosidade, etc.), pois os séruns são mais concentrados e têm uma melhor penetração na pele, o que ajuda a que sejam mais eficazes.»
4. Creme de contorno de olhos: «também aqui, escolham o produto mais adequado àquilo que pretendam tratar – olheiras, papos, sensibilidade, rugas, rídulas, etc.»
5. Hidratante adequado ao tipo de pele: «as texturas gel ou gel-creme são ideais para quem tem pele mais oleosa; as texturas tipo creme rico ou bálsamo são perfeitas para pele seca. Peles oleosas podem dispensar o hidratante se o sérum já for nutritivo o suficiente e peles muito secas podem optar por um óleo rico em substituição do creme, especialmente à noite. Também há óleos para peles oleosas e podem usar sem problemas se for esse o caso, mas deverá ter essa indicação na embalagem.»
6. Protector solar: «usem diariamente, com um mínimo de protecção de FPS15, já que a radiação solar é responsável por cerca de 80% dos sinais de envelhecimento.»

Para preparar um dia especial como o casamento, em que todas as atenções – e todas as câmaras – estarão focadas em vocês, o ideal será manter uma rotina adequada com pelo menos dois meses de antecedência. Mas, atenção: todos os dias contam. Por isso, se falta menos de dois meses para o vosso casamento, não vale desistir. Comecem já hoje e terão certamente benefícios. «Os dois passos que são completamente imprescindíveis são a exfoliação e a hidratação, porque vão fazer toda a diferença no dia do casamento. Uma pele exfoliada não só tem uma textura mais regular, que se torna perfeita para a maquilhagem assentar de forma uniforme, mas também ajuda a prevenir problemas como a acne e ajuda a potenciar os efeitos de todos os produtos que colocamos na pele. Uma pele hidratada não vai ter tendência de absorver toda a hidratação que a maquilhagem tem e faz com que dure mais tempo impecável, sem um acabamento seco ou poeirento. Recomendo sempre um tónico exfoliante com ácido glicólico ou ácido mandélico se a pele for sensível, e um sérum com ácido hialurónico. E, claro, nunca dispensar uma boa limpeza.»

E as noivas que preferem não usar maquilhagem? «Mais uma vez, uma pele exfoliada e hidratada faz logo toda a diferença. Além disso, aquilo que geralmente a maioria das pessoas procura é uma pele radiante. Aqui recomendo sempre que se use um bom sérum com Vitamina C, que é o melhor ingrediente em dermocosmética para deixar a pele com um ar luminoso e saudável. Ajuda sempre se se fizer uma máscara no dia anterior de forma a potenciar o melhor que a pele tem para dar, sendo que sou particularmente fã das máscaras de tecido ou de material equivalente, por permitirem uma aplicação uniforme e um momento mais zen antes de um dia que se prevê muito cheio.»

Perguntámos também à Ana Alexandre o que recomenda aos noivos, para que também eles estejam no seu melhor no grande dia: «Os noivos devem seguir os mesmos cuidados básicos – limpeza, exfoliação e hidratação – ou, de preferência, a rotina completa. Se tiverem barba, faz toda a diferença usarem um bom champô para a barba e um óleo de hidratação adequado para prevenir as pontas espigadas e deixar o pêlo mais luminoso.»

 

 

 

 

Já falámos sobre as principais coisas a fazer para preparar a pele para o dia do casamento. Mas também é importante sublinhar os erros mais comuns a evitar, segundo a Ana Alexandre:

– Achar que a maquilhagem resolve tudo: «por muito boa que seja a maquilhadora, se tiver de trabalhar com uma pele maltratada ao longo de anos, não vai sair dali um milagre. Uma maquilhagem precisa de uma pele com uma textura o mais lisa possível e o mais hidratada que se conseguir de forma a ter o efeito que se pretende e que se espera num dia tão importante»;

– Achar que bastam dois dias a usar um creme para a pele ir ao sítio: «dois dias ajudam sempre mais do que dia nenhum, mas o ciclo da pele dura 28 dias aos 20 anos e a partir daí só aumenta, por isso o melhor é começar com antecedência»;

– Usar produtos novos pouco tempo antes do casamento: «se houver uma reacção alérgica a um produto, a pele necessita de tempo para recuperar, por isso nunca aconselho a experimentarem produtos novos menos de duas semanas antes do casamento»;

– Fazer tratamentos estéticos pela primeira vez antes do casamento: «vejo sempre várias pessoas a investirem em limpezas de pele pela primeira vez antes do casamento. Isso pode ter maus resultados se nunca tiverem ido e não souberem o que podem esperar do tratamento – as extracções, por exemplo, podem deixar marca durante vários dias».

Então e depois de tantos cuidados pré-casamento, o que é que não deve faltar nos necessaires dela e dele para continuar a tratar bem da pele durante a lua de mel?

«Protector solar, sempre! Há imensas marcas que disponibilizam embalagens de protector com 100ml, por isso não há desculpas para não levar em viagem. Por hábito meu, sempre que viajo levo sempre um daqueles cremes que servem para tudo, a que na farmácia chamamos os “cica”, pelo facto de quase todos terem um nome começado por este conjunto de letras. Perdi a conta ao conjunto de situações em que já me ajudaram, desde picadas de insectos, queimaduras, pequenas feridas, pele “assada”, fricção de sapatos… É sem dúvida um indispensável em viagem no meu ponto de vista, porque resolve imensa coisa e poupa o trabalho e despesa de ter de comprar algo no local para resolver alguma destas situações.

Apesar de saber que é prática comum e que até se vendem embalagens com esse propósito, aconselho sempre a não colocarem os produtos em embalagens de viagem, pois a fórmula pode interagir com a embalagem e acabam com um produto alterado e uma embalagem esburacada (acreditem, já me aconteceu). Optem por levar os tamanhos habituais se conseguirem, ou por comprar produtos em embalagem de viagem. Se quiserem a abordagem minimalista, aqui vai: gel de banho, loção de corpo, gel de limpeza de rosto, hidratante, protector solar e creme “cica”.»

E pronto. Se vos restar alguma questão, consultem o blogue The Skin Game e falem com a Ana Alexandre, que está sempre disponível para esclarecer as vossas questões, seja através de comentários, e-mail ou redes sociais. Bons preparativos!

 

Fotos:  Kabuki Makeup by Rita Amorim

Marta Ramos

Wise words: vantagens de contratar um bridal advisor

Em Fevereiro deste ano, conhecemos a Margarida Dimas Folosa e o seu projecto de personal styling Above my Skin. Foi no evento ‘Queres Casar comigo?’ que pudemos conversar um pouco com a Margarida e perceber quão variados são os seus serviços. Claro que ficámos particularmente interessadas na sua oferta como bridal advisor – e é precisamente sobre isto que falam as nossas wise words de hoje.

Então, o que é um bridal advisor? Eu acho que vos ajudará a perceber se pensarem num wedding planner mas dedicado apenas à noiva. Um gestor de tudo aquilo que a noiva tem que preparar, escolher, planear para estar no dia do seu casamento no seu melhor.

«Na generalidade, o personal styling é um processo personalizado desenvolvido a par com o cliente, com o objectivo de encontrarmos a sua melhor performance», explica-nos a Margarida. «Juntos definimos metas e estratégias (na imagem e estilo). Queremos ajudar o cliente na sua descoberta pessoal, criando uma ligação entre o seu interior e a sua imagem exterior, de forma a alcançar a sua própria harmonia.»

No caso dos casamentos, queremos garantir que a noiva tenha um dia tranquilo, que tudo esteja absolutamente perfeito. Para isso cabe ao bridal advisor tomar as melhores decisões no que diz respeito à imagem e ao estilo da noiva – sempre em estreita colaboração com a cliente.

O que é que faz parte das atribuições de um bridal advisor? Bem, isso depende dos serviços que a noiva lhe solicitar, mas podemos dar-vos uma ideia da abrangência do apoio que poderão encontrar na Above my Skin. Para começar, assistência na escolha do modelo de vestido de noiva mais adequado ao vosso biótipo e ao vosso rosto. Isso pode começar pela análise de cor personalizada: «Branco, pérola, champanhe, ou outros tons – a cor do vestido de noiva tem de ser escolhida em consonância com o tom de pele, para não se comprometer o brilho do rosto e tirar o máximo partido das fotografias desse dia tão especial.» A escolha do tecido adequado ao tipo de cerimónia é outro aspecto importante. Depois há as marcações das provas e o acompanhamento a cada uma delas. A importância da lingerie é outro assunto sobre o qual o vosso bridal advisor vos aconselhará, assim como a escolha de todos os acessórios (véus, sapatos, jóias, bouquet) e a definição do penteado e da maquilhagem mais adequados ao vosso rosto e ao vosso estilo. Poderão querer ter este acompanhamento mesmo durante o dia do casamento, para terem alguém que supervisione todos os vossos preparativos, que não deixe nenhum detalhe de fora, que vos ajude a manter a calma e as ideias no lugar. Uma verdadeira fada-madrinha. Soa bem, não soa?

Estilo, conforto, preço, tudo isso são factores que pesam na hora de fazer escolhas. É importante criar harmonia com a cerimónia. E por se tratar de um dia muito intenso, cheio de grandes emoções (e cansativo), é fundamental a noiva sentir-se confortável. Mas tudo é possível conjugar-se para um resultado feliz, elegante e, sobretudo, fiel à pessoa em questão.

Se a ideia vos agrada, saibam que deverão contratar um bridal advisor com pelo menos 10 meses de antecedência em relação à data do casamento. Na opinião da Margarida, existem muito bons profissionais – a vossa escolha deve recair, sobretudo, em alguém com formação adequada.

 

 

 

 

Tudo começa numa primeira entrevista, para que o profissional possa conhecer a noiva, perceber o orçamento que pretende gastar, saber qual o seu vestido de sonho (que pode não ser o adequado ao seu biótipo), se tem alguma marca de preferência, tirar algumas medidas, recolher informações acerca do local da cerimónia e das características da festa… ou seja, todo um dossier com o vosso perfil e do vosso grande dia, para servir de base de trabalho. «Depois de reunida toda a informação, cabe ao bridal advisor fazer uma consulta prévia em ateliers ou lojas de acordo com o pretendido da noiva (estilo de vestido e orçamento) e seleccionar o que irá mais ao seu encontro. Esta é uma forma de deixar a noiva mais tranquila e confortável na procura do seu vestido.»

Insistimos com a Margarida nesta questão do ‘vestido de sonho’, pois sabemos que por vezes aquela ideia formada no imaginário da noiva depois, na realidade, não é a que mais a favorece. E como lidar com estas frustrações? «É normal a noiva já ter sonhado com algo. Nesse caso, no que diz respeito ao vestido, no meu entender, esse modelo tem que ser o primeiro a ser experimentado, pois se não estiver de acordo com o seu biótipo e não ficar bem, a própria noiva percebe. Há que ver logo outros que se adequem mais a si para apagar essa ideia.»

E quais são as regras de ouro para escolher o vestido de noiva perfeito? Segundo a Margarida, são, pelo menos, sete: escolham o vestido de acordo com a vossa personalidade; percebam a forma do vosso corpo; escolham cuidadosamente o tecido para que seja confortável e que condiga convosco; prestem atenção ao tom do vestido e à sua harmonização com o tom da vossa pele; escolham o vestido em função do vosso corpo actual e não esperem vir a ganhar ou perder volume até à data; experimentem o vestido em movimento, sentem-se, mexam-se, de modo a perceber como se sentem de verdade; e, por último mas não menos importante, levem apenas uma ou duas pessoas convosco às provas.

Na verdade, porque o serviço de um bridal advisor assenta, sobretudo, na personalização, o melhor que têm a fazer é falar com a Margarida, colocar-lhe todas as questões que vos surjam, e perceber de que formas é que uma parceria com um bridal advisor vos poderá ajudar no planeamento do vosso casamento. Não há necessidade de se sentirem sobrecarregadas com responsabilidade. Procurem ajuda quando sentirem que precisam dela, e tudo correrá sobre rodas.

 

Fotos: Nuno Guerra Fotografia

Marta Ramos

Wise words: o fato do noivo

Hoje falamos para eles. O dia do casamento é a grande oportunidade de estarem no vosso melhor, de usarem o melhor fato de sempre, que vos assente que nem uma luva e que vos faça sentir fantásticos. Se ainda não começaram a tratar deste assunto e têm casamento marcado para este ano, então está na altura de meter mãos à obra.

Para ajudar na tarefa de escolher o fato do noivo, inspirámo-nos nos conselhos de um especialista na matéria, a Bespoke Edge, uma empresa familiar do estado norte-americano do Colorado que reúne o muito experiente pai, Ron Wagner, e os seus dois filhos empreendedores, Ryan e Brett Wagner, num negócio totalmente dedicado à personalização do vestuário masculino. No ano passado, depois dos casamentos do seu irmão e do seu melhor amigo, Ryan Wagner decidiu que fazia falta um guia para planear o casamento dirigido aos noivos. Reuniu informações e testemunhos e acabou por publicá-lo no blog da empresa – podem lê-lo aqui. E um dos assuntos a que se dedica é, claro, o do fato do noivo, ou não fosse esse o negócio da sua família.

A ideia central é a de que, independentemente do estilo escolhido, todos os noivos podem (e devem) estar elegantes no dia do casamento. O segredo está nas medidas.

 

 

 

 

No que diz respeito às calças, o comprimento deverá ser ajustado de modo a que não haja folga nenhuma no cair do tecido. Qualquer centímetro de tecido a mais junto aos sapatos está ultrapassado, e fará com que pareçam mais baixos do que são na realidade.

Falando agora da camisa – não é uma peça de vestuário que normalmente se pense em ajustar à medida. No entanto, na mente de um alfaiate nada fica de fora até que o resultado seja como que uma segunda pele para o cliente. E a camisa não é excepção. Um dos pormenores a ter em conta será eliminar o excesso de largura, para que a camisa assente bem, sem ficar folgada, assim como acertar devidamente o comprimento da manga. Ainda nas mangas, os punhos duplos ou franceses são sempre uma escolha garantidamente elegante – mas convém praticarem a dobra do punho e a colocação dos botões de punho algumas vezes, para que não seja uma fonte de stresse no grande dia.

Ora bem, estamos então a assumir que vão usar um fato ou um smoking. Outras hipóteses serão abordadas em futuros artigos de wise words, mas por hoje foquemo-nos nas escolhas mais tradicionais. Está então na altura de falarmos do casaco. Esta é ‘a’ peça do vosso look, aquela que vai definir o resultado final, e é fundamental que esteja completamente ajustada à vossa fisionomia. Um casaco largo ou comprido arruína qualquer tentativa de ficar bem na fotografia! O comprimento do casaco não deverá ultrapassar os primeiros nós dos vossos dedos, quando estenderem os braços ao lado do corpo. As mangas deverão deixar ver no máximo um centímetro do punho da camisa: é esse pormenor que dará o enquadramento perfeito com o lenço a espreitar do bolso.

Quando o botão de cima estiver apertado, a lapela do casaco não deverá ter tendência a abrir ou dobrar, mas sim manter-se bem direita, junto ao peito. E a prova final: coloquem-se em frente ao espelho, de casaco apertado e braços estendidos ao lado do corpo. Se conseguirem ver um pequeno intervalo entre o tecido das mangas e o tecido do corpo, na zona da cintura, então o vosso casaco está decididamente a cumprir a missão.

 

 

 

 

A decisão final: gravata ou laço? Há duas ideias que actualmente pendem a favor do laço – a de que esse é o acessório mais elegante e a de que está na moda. Mas pensem bem antes de escolher o laço, sobretudo se não costumam usá-lo. Na verdade, a elegância tem muito mais a ver com sentirem-se bem do que com ideias pré-concebidas. Não tentem começar a usar laço no dia do vosso casamento. Se optarem por usá-lo, então garantam que aprendem a dar o nó correctamente.

Para um toque extra de formalidade, um pequeno quadrado impecavelmente branco no bolso do casaco é garantido. No entanto, se optarem por cores ou padrões, poderão obter um resultado igualmente charmoso. A regra de ouro – nunca escolher um lenço de bolso com o mesmo padrão da gravata. Procurem coordenar, ou apostar numa das cores da gravata, e pronto. Prevejam também, atempadamente, se haverá uma boutonnière à vossa espera (um pequeno apontamento floral na lapela, a condizer com o bouquet da noiva).

E pronto. Quando a medidas, estamos conversados. Com estas pequenas directrizes já serão capazes de avaliar os trabalhos de ajustamento que forem feitos no vosso fato. Claro que quanto mais experiente for o profissional a que recorrerem, melhores resultados obterão. E não se inibam de fazer perguntas e pedir segundas opiniões: afinal, a classe está nos pormenores!

Marta Ramos

Wise words: como escolher a decoração do casamento

Já escolheram o espaço para o vosso casamento? Muito bem, agora falta torná-lo ‘vosso’. Esse é o trabalho do decorador, e o temas das nossas wise words de hoje.
Quando se contrata um profissional, contrata-se mais do que apenas o serviço de execução e a logística; são ideias, conceitos e criatividade, é experiência e conhecimento, capacidade de execução e de vos levar do ponto A (um espaço “qualquer”) ao ponto B (um dia mágico), de modo feliz e eficaz.

Seja qual for o ambiente e o tipo de espaço escolhido, contratar um bom profissional é fundamental: a decoração está presente em todos os detalhes e cenários, confere ambiente e deixa toda a gente feliz (incluindo fotógrafo!).

Falámos com a Filipa Soeiro, a directora criativa & magical maker da Momentos com Design, que nos traz bons conselhos para vos ajudar a escolher o decorador do vosso casamento – e imagens bonitas para ilustrar este artigo!

Recomendamos a todos os noivos que definam em primeiro lugar o budget disponível. Depois, que pensem num ambiente em que se sintam bem, em que se sintam felizes e com o qual se identifiquem. E também no que querem transmitir ou partilhar no dia do casamento.

Avaliar o portefólio e experiência do fornecedor são fundamentais, assim como o feedback de outros clientes. Seleccionem três fornecedores para contactar, cujo portefólio vos tenha agradado, e preparem um simpático email. Se possível, mencionem já o espaço escolhido, incluindo o endereço do site, para que o fornecedor se possa situar. Não receberão orçamentos na volta do correio – este é um assunto que requer e merece uma conversa prévia – mas sim um pedido de marcação de reunião.

Façam o vosso trabalho de casa – os boards do Pinterest, as anotações e a folha de orçamento – e reúnam, com tempo e disponibilidade. Conversem sobre a festa que esperam ter, o tipo de convidados (e as suas necessidades), o que é fundamental, o que é acessório e ideias que gostariam de pôr em prática, e deixem que o fornecedor inicie o seu processo criativo.

 

 

 

 

«Temos um questionário feito no Google Forms com algumas perguntas», conta-nos a Filipa, «como data e local do evento, número de convidados, qual o tema ou inspiração para o casamento, que espaços pretendem decorar (zona da cerimónia, mesas de refeição, zona exterior, etc), uma lista de peças gráficas e decorativas que podem escolher ter, uma lista de serviços com quem temos parceria. Pedimos se nos podem enviar alguma imagem/inspiração do ambiente que sonham/imaginam para o dia deles. Recentemente, uns noivos para quem vamos fazer o casamento este ano comentaram que este questionário era uma grande ajuda pois ajudava-os também a eles a guiarem-se por tudo o que poderia fazer sentido terem no casamento.»

Quer tenham uma visão bem definida ou uma ideia vaga, confiem no profissional, não o considerem um mero executante, mas um criativo capaz, cujo objectivo é prestar-vos o melhor serviço possível. Se sentirem que há imposição de gostos ou modelos (novamente, a importância da empatia!), desistam e passem ao próximo contacto.

Procurem conhecer um pouco o trabalho de cada fornecedor e sentir o que transmite. Nós gostamos depois de marcar um encontro no nosso ambiente, para nos conhecerem e ao nosso estilo. Criar uma empatia, um momento. – Momentos com Design

É provável que não obtenham uma proposta completa e detalhada no fim deste primeiro encontro. Criar um projecto de decoração de raiz e orçamentá-lo é um processo criativo e aritmético, é necessário tempo para pensar, pesquisar e orçamentar, e esse investimento por parte do fornecedor espera um compromisso da parte do cliente, por isso, o mais natural é uma proposta simplificada e uma baliza de valores.

Se estiver dentro do que têm em mente (ideias e custos), é sinal para avançar. Contactem os outros fornecedores não seleccionados e informem-nos da vossa decisão, libertando-lhes a data, previamente acautelada com o primeiro contacto.

«O ideal é visitar o espaço com os noivos enquanto estamos a desenvolver as ideias», salienta a Filipa. Façam uma visita conjunta ao espaço (as deslocações do fornecedor deverão estar por vossa conta), aproveitem a oportunidade para apresentar ambas as partes envolvidas, avaliem as várias intervenções necessárias e estejam disponíveis para algumas sugestões.

Daqui sairão os dados que faltavam para um projecto e orçamento detalhados e é altura de assinar o contrato. Contem com uma adjudicação ou sinal (pelo menos 20%), que dá início ao processo de trabalho, e com possíveis alterações de última hora, desde que aconteçam com o vosso acordo.

 

 

 

 

Deverá ser também incluída uma lista de todo o material fornecido (do qual passam vocês a ser os responsáveis), que deverão partilhar com os profissionais do catering e do espaço, para que tudo retorne a quem de direito, e um valor de caução, para as peças que se extraviarem, que forem levadas por convidados mais entusiasmados ou simplesmente que se estraguem.

Atempadamente, peçam uma prova da mesa completa, se possível no local – é uma boa oportunidade de analisar a qualidade dos têxteis, o estado das cadeiras, a categoria da loiça.

Para o restante ambiente, confiem no portefólio que viram, nas conversas que tiveram e na empatia criada, são garantia suficiente de um bom trabalho!

Terminamos com esta ressalva: um decorador não é um wedding planner. Não esperem dele competências organizacionais, de gestão de equipas, de resolução de problemas maiores ou fora do restrito âmbito da decoração. Se concluírem que vos faz falta esse apoio profissional, contratem-no. Há quem disponha de ambos os serviços e essa especificação deverá estar devidamente mencionada e contratualizada e terá o seu custo adicional.

No próprio dia, desfrutem. Haverá sempre alguma coisa que não ficou exactamente como se pensou, mas também algumas surpresas boas, cortesia de um bom profissional com brio no que faz, atento ao detalhe e especialista em criar cenários especiais para dias especiais!

Marta Ramos

Casamento à vista: a noiva, da cabeça aos pés

No primeiro ‘Casamento à vista’, ajudámos-vos a pôr o plano em marcha, ou seja, a perceber por onde se começa a organizar um casamento e quais os primeiros assuntos a abordar. Se não leram esse artigo, sugiro que o recuperem agora.

Na nossa rubrica de wise words já nos debruçámos sobre vários dos detalhes com que as noivas têm que se preocupar para o grande dia – está agora na hora de organizar essa informação para que fiquem com um manual de instruções ‘da cabeça aos pés’.

E começamos, claro, pelo vestido de noiva. Este é um dos assuntos que mais espaço mental vos ocupa desde o dia do pedido – ou, muito possivelmente, desde antes disso. O vestido perfeito – eis aquilo com que todas as mulheres sonham para o dia do seu casamento. Mas como encontrá-lo? Falámos com uma especialista na matéria, a Sara Silva, da VESTIDUS:

Pesquisar imagens, inspiração. É importante que pesquisem de forma a se identificarem com um determinado estilo ou corte. Numa primeira fase, não importa saber se esse é o estilo que mais a valoriza. Esse momento fica guardado para quando visitarem uma loja e tiverem oportunidade de experimentar os vestidos. Identifiquem o estilo que mais gostam e quais as lojas que têm esse tipo de modelo que vai ao encontro do vosso gosto, localização e orçamento. Depois é o momento de agendar visitas.

Leiam o nosso artigo e sigam os conselhos da Sara, que são muito práticos e muito sábios.

 

 

 

O vestido é o centro em torno do qual tudo o resto se vai articular. O que se vê e o que não se vê. Um dos melhores amigos do vosso vestido de noiva é a lingerie que escolherem para usar com ele. Depois de escolhido o vestido dos vossos sonhos, é então altura de escolher a roupa interior mais adequada ao modelo mas também ao vosso corpo. O conforto é uma prioridade, num dia tão longo e intenso. Para vos ajudar nessa tarefa, conversámos com a Ana Morais, da DAMA DE COPAS. Nada como ouvirmos os insights de especialistas em lingerie e bra fitting para vos podermos aconselhar melhor.

Para que cada noiva saiba quais as melhores opções para si e para o seu peito, a Dama de Copas aconselha a que experimentem a lingerie antes de escolherem o vestido e, assim saberão as opções que mais se adequam a si e que mais enaltecem a sua silhueta, mantendo o conforto.

Surpreendidas? Há tanto para aprender! Mas não se preocupem, está tudo muito bem arrumadinho aqui, à vossa espera.

A partir do momento em que tiverem ESCOLHIDO O VESTIDO DE NOIVA, podem passar a outra escolha muito importante: o bouquet. A ligação entre estas duas peças é inequívoca – o protocolo diz que o bouquet deve seguir a linha do vestido, com volume adequado à figura, primeiro, e ao estilo, a seguir.
Para um vestido clássico, de princesa, com saia imponente, poderá ser de leve caída ou redondo. As flores serão mais clássicas, de uma variedade (rosas, peónias, hortênsias, por exemplo), e de cores suaves e delicadas, harmonizando o conjunto.
Um vestido de linhas direitas e rico em detalhes, em meninas altas, pede um bouquet mais elaborado, com atenção às cores: harmonia e elegância são o mote, mais verduras e menos cores tornarão o conjunto mais refinado. Valem várias espécies, mas de uma cor ou em ton sur ton.
O estilo mais boémio e descontraído pede bouquets mais orgânicos e naturais. As formas são menos estruturadas e as misturas mais criativas. São os mais complicados de executar e seguramente os mais dispendiosos, já que dependem dum conjunto bonito das várias espécies. Fitas coloridas, tecidos bonitos ou fio rústico finalizarão na perfeição estes belos arranjos.
Para as meninas mais baixinhas, recomendamos uma versão muito mignonne. Um bouquet pequeno e harmonioso é o indicado, feito de flores pequeninas e delicadas.

Saibam mais sobre este objecto que vos vai acompanhar para todo o lado no grande dia e descubram quais os riscos a evitar para que corra tudo na perfeição.

De certeza que já coleccionaram dezenas de imagens bonitas de sapatos, como aquelas que partilhamos convosco todos os domingos; chegou a hora de escolher os vossos sapatos para o casamento. E porque os sapatos não são apenas forma, mas também função, pedimos à podologista Patrícia Pontes que nos ajudasse a perceber como é que a escolha do calçado influencia o conforto e o bem-estar dos pés, sobretudo sabendo que o dia do casamento será grandemente passado em pé – e, provavelmente, durante as últimas horas, a dançar!

Uma escolha acertada é aquela em que nos sentimos tão confortáveis com os sapatos que podemos facilmente sair com eles calçados da loja.

Leiam o artigo completo e ponham em prática os conselhos da Patrícia, que valem ouro!

 

 

 

 

A maquilhagem e o cabelo são, evidentemente, assuntos de peso para a noiva. Afinal, AS IMAGENS DESTE DIA vão ficar guardadas para sempre e todos os detalhes contam para que o resultado seja uma versão polida, apurada, de nós próprias. O que nos traz à primeira recomendação do dia: isso de “dar um jeitinho” não existe. Um resultado bonito, orgânico, confortável e duradouro só é proporcionado por quem sabe o que faz: resulta de formação específica, horas de prática, produtos de qualidade, um sorriso pronto, atitude positiva e uma calma e tranquilidade a toda a prova, capazes de acalmar os nervos da noiva mais sensível.

OS MELHORES PROFISSIONAIS serão sempre os primeiros a ser contratados, e mesmo sendo possível acomodar mais do que um cliente no mesmo dia, a antecedência será sempre uma boa companheira nesta aventura: COM DATA MARCADA, e ideias principais em ordem, a procura da equipa de maquilhagem e cabelo acompanham a do VESTIDO.

Sobre a maquilhagem em particular, pedimos à Rita Amorim, da Kabuki Makeup, para vos aconselhar:

Acima de tudo, a minha primeira preocupação é perceber em que estado se encontra a pele da noiva e caso possamos melhorá-la até há data da cerimónia, iniciamos um tratamento aconselhado e dedicado caso a caso.

A Rita ajuda-vos a compreender todo o processo, desde a preparação da pele, feita atempadamente, até à escolha do profissional mais adequado àquilo que vocês pretendem. Não deixem de ler.

E, claro, se falamos de maquilhagem, falamos também do penteado da noiva e a preparação do cabelo para o dia do casamento. Mais uma vez, um assunto que pode requerer algum trabalho de casa, para que tudo esteja no seu melhor no grande dia. E, para nos falar sobre os cuidados a ter e para vos ajudar a escolher o estilo de penteado, conversámos com a Jannifer Miranda, da Jenny Makeup Land:

«Acho que uma noiva não deve ir de cabelo apanhado (ou solto) se não se sentir realmente bem. Para mim isso é o mais importante, se a noiva se sentir bem, é muito provável que o dia também ele corra bem!»

Bons conselhos para encarar todas estas escolhas com mais tranquilidade. Leiam as nossas wise words dedicadas ao cabelo e respirem fundo: vai correr tudo bem!

Fotos: Foto de Sonho

Marta Ramos

Wise words: escolher os sapatos para o casamento

Vamos às compras? Agora que já coleccionaram dezenas de imagens bonitas, como aquelas que partilhamos convosco todos os domingos, chegou a hora de escolher os sapatos para o casamento. E porque os sapatos não são apenas forma, mas também função, pedimos à podologista Patrícia Pontes que nos ajudasse a perceber como é que a escolha do calçado influencia o conforto e o bem-estar dos pés, sobretudo sabendo que o dia do casamento será grandemente passado em pé – e, provavelmente, durante as últimas horas, a dançar!

As nossas wise words de hoje são então dedicadas aos cuidados que deverão ter com os vossos pés antes, durante e depois do dia do casamento. As dicas são da Patrícia Pontes e as magníficas imagens da dupla Um Dia de Sonho.

Para mim falar de sapatos é um verdadeiro universo que me fascina, é o meu mundo. Se me colocarem um par de sapatos nas mãos conseguem ter uma longa conversa comigo sobre estas obras de arte (risos). São vários os detalhes de que vos posso falar e cada noiva terá necessidades particulares, mas vou mencionar alguns dos quais não podem deixar de ter a vossa atenção.

Perguntámos à Patrícia se o mito da Cinderela faz sentido, ou seja, se há um sapato para cada pé. A podologista respondeu-nos que sim e que há que ter em conta três factores no momento da escolha do sapato: são ele o tamanho, a largura e a própria estrutura ou morfologia anatómica do pé.  Por exemplo, certo formato de sapato pode adaptar-se perfeitamente a um pé de tamanho 37 mas não ser adequado em termos de largura. Numa situação destas, esqueçam a ideia de comprarem os sapatos para os alargarem em casa. No momento da compra têm de sentir-se confortáveis, não pode existir dor nem desconforto – os pés falam convosco, escutem-nos. «Trazer os sapatos para alargar em casa é estar a provocar problemas nos pés que por vezes não surgem naquele momento exacto após os usarem mas vão dar um sinal mais tarde.» É também importante experimentarem os sapatos com o tipo de meia que vão usar no dia do casamento, não só pelo espaço que ocupa mas também pelas sensações que o pé vos vai transmitir. Há meias que em contacto com determinados materiais fazem o pé deslizar e não vos vão dar segurança a andar.
Quanto à escolha do tamanho dos sapatos, orientem-se pelo dedo mais comprido e não pelo dedo mais gordo. «Entre o sapato e o vosso dedo mais comprido deve existir cerca de 0,5cm de espaço livre para que, ao caminhar, o pé possa avançar livremente, impulsionando o passo seguinte sem baterem com os dedos ou as unhas na frente do sapato.»

Há sapatos com acessórios lindíssimos como laços, pedras ou brilhantes, que muitas vezes estão posicionados em zonas de conflito com pontos sensíveis à dor. Se for esse o vosso caso, escolham sapatos isentos destes adornos nessas zonas delicadas.

O design dos sapatos também é muito importante, claro. Sapatos stilleto são sempre mais desconfortáveis para um dia exigente, a sua própria forma é mais estreita. É preciso saber escolher muito bem este tipo de sapato caso contrário sofrem dores horríveis nos pés – e até dores de cabeça. Para além disso, lembrem-se de que farão quilómetros no dia do vosso casamento, e se estiver calor os pés tenderão a dilatar. «Costumo dizer que andar de saltos é uma arte. Há mulheres que naturalmente deslizam com saltos mas para outras a ligação não se faz, e pode ser uma autêntica tortura.» Os pés são todos diferentes e cada mulher tem o seu próprio estilo de andar. Também existem pés instáveis por natureza e com determinados problemas que naturalmente têm maior dificuldade com os saltos ou simplesmente não os conseguem usar. Os saltos finos oferecem mais instabilidade e provocam mais cansaço que os saltos mais largos. «Para mim é fundamental uma noiva manter a sua elegância sem perder o seu conforto e naturalidade.»

Temos também as plataformas, que estão muito na moda. Apesar de serem associadas a maior conforto, isso pode ser ilusão. «É verdade que não se sente a textura de uma calçada, mas a maior parte das plataformas bloqueiam os movimentos naturais do pé. Há plataformas tão exageradas e com materiais tão rígidos que impedem as mulheres de fazerem a flexão normal de que o pé precisa.»

Procurem um formato de sapato com bom apoio que respeite a largura, o volume e as necessidades dos vossos pés, proporcionando-lhes conforto. Os materiais também são de extrema importância para o conforto e a saúde do pé. Materiais naturais como a pele, algodões, sedas entre outros materiais inovadores já existentes no mercado são sempre boas escolhas, desde que sejam macios, confortáveis, com boa respiração do pé e absorção da transpiração.

«Uma outra palavra-chave é leveza: quanto mais leves forem os vossos sapatos, menos esforço terão que fazer e menos cansadas ficarão.»

 

 

 

 

Ora bem, se tiverem em conta estes aspectos assinalados pela Patrícia Pontes na hora de escolherem os sapatos para o casamento, garantidamente que irão minimizar muitos dos problemas e situações indesejadas.

Uma escolha acertada é aquela em que nos sentimos tão confortáveis com os sapatos que podemos facilmente sair com eles calçados da loja.

Ainda assim, é aconselhável que usem os sapatos algumas vezes, antes do grande dia. Se não o quiserem fazer na rua, façam-no em casa para uma adaptação natural e gradual, ou até mesmo para ponderarem uma possível troca no caso de verificarem que não fizeram a compra mais adequada.

E os homens, deverão ter também o mesmo tipo de preocupação com a escolha do calçado? «Sim, claro. Apesar de aparentemente os sapatos de homem serem mais confortáveis, nem sempre se faz a melhor escolha mediante aquilo de que os pés precisam.» Há sapatos masculinos com design bem estreito que não obedece à anatomia do pé.  Um noivo que esteja habituado a usar calçado mais casual ou desportivo, terá mais dificuldade adaptar-se ao calçado clássico. As solas em couro são menos flexíveis e sem amortecimento e por vezes o tipo de pele é mais dura. É aconselhável dar preferência a peles mais macias ou outros materiais flexíveis e que permitam a respiração. É também importante escolherem adequadamente o tamanho, tendo em conta a largura e a estrutura anatómica do pé. Sapatos com atacadores ou fivelas permitem que ao longo do dia do casamento possam reajustar os sapatos. Lembrem-se de ter em conta a dilatação ao calor e experimentem os sapatos com o mesmo tipo de meia que usarão no dia. Tal como as meninas, também os meninos devem usar os sapatos em casa, algumas vezes.

Agora que já vimos a questão do calçado, debrucemo-nos sobre os pés propriamente ditos. O que é que pode ser feito para prepará-los para o esforço do dia do casamento? «No caso de terem alguma dor ou problema de unhas, pele, calos ou calosidades, devem procurar um podologista com antecedência para tratarem devidamente os vossos pés. No caso de terem os pés saudáveis e sem problemas, aconselho o corte das unhas com cerca de uma semana de antecedência. Ao longo de pelo menos um mês, fazer uma esfoliação aos pés uma a duas vezes por semana, conforme a necessidade dos vossos pés, e todos os dias hidratá-los – excepto entre os dedos. Estes cuidados vão deixar os vossos pés bonitos, sedosos, perfumados e com um conforto maravilhoso.»

As meninas que queiram pintar as unhas dos pés tenham também em atenção as seguintes orientações: primeiro, garantir que as unhas estão saudáveis. Depois, cortá-las em formato recto. As cutículas não devem ser cortadas mas empurradas suavemente (aproveitem o momento da esfoliação de pés para esfoliar as cutículas e mantê-las sempre hidratadas). Apliquem previamente ao verniz de cor uma boa base protectora da unhas e escolham sempre vernizes de qualidade.

E depois do grande dia? Como ajudar os pés a recuperar de um esforço extraordinário? «Preparar um banho relaxante de pés com sal grosso, adicionar uma ervas de alfazema, alecrim e umas rodelas de limão e mergulhá-los por uns minutos, vão ficar rapidamente revigorados. Secar muito bem os pés, não esquecendo o meio dos dedos e unhas, e fazer uma boa hidratação acompanhada com uma boa massagem por todo o pé para aliviar todos os pontos de tensão. Aproveitem para desfrutar deste momento a dois. Se possível, andem algum tempo descalços pela casa, desde que não tenham o hábito de usar calçado de rua dentro de casa e que os vossos pés estejam de perfeita saúde. E para este dia larguem os saltos e usem sapatos bem confortáveis.»

 

Que maravilha, até nos sentimos mais relaxados só de ler esta descrição! Sigam as dicas da Patrícia Pontes à risca e verão como o dia do vosso casamento desliza! E se tiverem alguma dúvida ou questão, falem com ela. Não há nada como a opinião de uma profissional – e esta vem adoçada com uma dose generosa de simpatia!