Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: é possível ter flores eco-friendly no casamento?

As flores deixam uma pegada ecológica bastante acentuada — isto é um facto. Quem o diz é Ema Mota Ramos, do Jardin d’Époque, com quem conversámos sobre o assunto de modo a podemos ajudar-vos a perceber como é que as flores se encaixam numa perspectiva de casamentos eco-friendly. É difícil imaginar um casamento bonito sem flores, claro. E depois há toda a aura da tradição, de que não quererão abdicar. Afinal, já na Grécia Antiga as noivas costumavam levar hera a caminho do altar, como símbolo de um amor eterno; e no Império Romano eram as ervas que cumpriam o duplo papel de fidelidade e fertilidade enquanto afastavam espíritos negativos. E, já agora, fiquem sabendo que as flores aparecem associadas também aos noivos desde o ido século XVI: a boutonnière tinha nessa altura o propósito de proteger o noivo de doenças, o equivalente ao uso do bouquet pela noiva.

Hoje, bouquet e boutonnière são essencialmente estéticos e harmonizam-se com a decoração do casamento, podendo, no entanto, incluir significados especiais na escolha de determinadas flores. O simbolismo, esse continua a ser forte.

 

Diz-nos a Ema que pensar em questões de sustentabilidade e no conceito eco-friendly no mercado de casamentos não é fácil, uma vez que os fornecedores estão a lidar com expectativas muito elevadas, concentradas no resultado de um único dia em que nada pode falhar e que, por isso, nada menos do que a perfeição é esperado. «No que toca às flores, a pegada ecológica é enorme. Na generalidade dos casos, enquanto fornecedores, não nos é possível utilizar apenas espécies autóctones e locais. Ou porque a dimensão do projecto requer grandes quantidades que a produção nacional não consegue garantir, ou porque as espécies que os noivos ambicionam nem sequer são produzidas no nosso país. Compramos nos grandes leilões da Holanda e esperamos que os camiões cheguem até nós depois de fazerem milhares de quilómetros. Para não falar do cultivo intensivo e na manipulação das espécies.
O desafio está em encontrar estratégias para contrabalançar este impacto.»

O conselho imediato a dar aos noivos é que escolham sempre espécies da época e que estejam disponíveis e abertos às sugestões dos fornecedores que seleccionam.

Já temos, então, dois aspectos em que a vossa escolha poderá ter um impacto muito significativo no resultado: sempre que possível, escolham flores da época e de produção nacional. Para além da evidente diminuição da pegada ecológica, não querem ter que passar pela angústia de ver a data aproximar-se e não ver a encomenda chegar. Aproveito para lembrar outra cautela importante, de que já vos falámos no nosso artigo de wise words sobre a escolha do bouquet: peçam sempre uma segunda opção ao vosso fornecedor de flores. O mercado floral é cheio de imprevistos (pragas, intempéries, greves de transportadores, aumentos nos combustíveis…), que se reflectem na disponibilidade e preço final do produto. O orçamento é pedido com meses de antecedência, mas encomenda é feita uma ou duas semanas antes do casamento, logo, as surpresas não são tão improváveis quanto isso.

 

Outra sugestão da Ema Mota Ramos é pensar fora da caixa: «Muitas vezes pergunto aos meus clientes se têm alguma memória de infância do jardim dos avós, dos pais, de uma tia… E se esse jardim ainda existe! Porque não usar uma selecção espécies provenientes desses espaços? Porque não aproveitar os desperdícios da poda de um jardim ou de um quintal?»

Substituir flores de corte por plantas que depois possam ser replantadas é uma outra opção. Curiosamente, em 2019 o Jardin d’Époque terá um casamento em que a noiva se recusa a ter “flores mortas”: diz-nos a Ema que o desafio é gigante mas amplamente suplantado pelo gozo de pensar todo um projecto de design floral com “flores vivas”.

 

Flores para casamento (17)Flores para casamento (19) Flores para casamento (16)

Mas a sugestão que, provavelmente, será mais fácil de aplicar tem a ver com a escolha dos fornecedores para o vosso casamento.  Percebam, verdadeiramente, o método e o processo de trabalho dos profissionais que avaliarem. «E nós fornecedores, estarmos disponíveis para trabalhar na redução da pegada ecológica do nosso negócio», garante Ema Mota Ramos. «Cá pelo estúdio começamos por fazer a separação das embalagens em que as flores vêm envolvidas. Quando processamos as espécies, recolhemos todas as folhas, caules, pétalas, pés partidos, etc.; e posteriormente encaminhamos estes desperdícios para a compostagem. Reutilizamos a água dos baldes e jarras para regar o jardim. Evitamos usar esponjas florais. E sempre que nos é pedida a recolha das flores no final de um evento, tentamos perceber se existem lares, centros de dia, hospitais ou outras instituições para os quais possamos encaminhar os arranjos e provocar ainda mais sorrisos. Há coisas que não conseguimos mesmo controlar, mas aquelas que dependem apenas de nós… É apenas uma questão de disciplina e de gestão do tempo.»

 

As imagens que ilustram este artigo são assinadas por Dreamaker e mostram um trabalho Jardin d’Époque para uma sessão fotográfica Romã Eventos.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.