Created with Sketch.
Marta Ramos

A vossa história, por Deambulando

A Deambulando é a casa da Elisa e do Paulo – e o que eles fazem é contar a vossa história. Fazem-no de uma forma natural e genuína. Adoram emoções, histórias de amor e, sobretudo, a forma como cada história ganha forma através das suas câmaras e do seu olhar. «Porque as melhores histórias são as de amor, nós deambulamos de imagem em imagem para contar a vossa.»
Escolheram trabalhar na área dos casamentos porque se sentem atraídos pela ideia de estarem a marcar a vida das pessoas: «Estamos a criar memórias que vão passar de geração em geração.»

Orgulham-se de criar uma relação com os noivos, de sentir o feedback positivo depois da entrega final, de perceber que no final de cada trabalho cumpriram o seu objectivo de documentar o dia mais especial da vida daquele casal.
Procuram inspiração junto de outros fotógrafos e videógrafos de casamento, e também noutras áreas da fotografia e do cinema, de forma a tornarem o seu trabalho mais rico e inovador.
E onde se vêem a Elisa e o Paulo daqui a cinco anos? «A fazer aquilo que já fazemos mas ainda melhor!»

 

Deambulando - Fotografia de CasamentoDeambulando - Fotografia de Casamento

Acompanhem os nossos posts acerca do trabalho da dupla Deambulando, e não deixem de consultar a sua ficha de fornecedor seleccionado para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com a Elisa e o Paulo, eles estão à vossa espera para contar a vossa história.

Susana Pinto

À conversa com: Deambulando – fotografia de casamento

Aproveitamos o dia chuvoso para conversar de forma demorada com a dupla Deambulando, fotógrafos de casamento no Porto.

Sentamo-nos com a Elisa e o Paulo e ficamos a saber o que os trouxe até aqui, o que fizeram antes e porque gostam tanto de fotografar casamentos.

Estas são sempre as melhores conversas, descobrimos pequenos detalhes sobre as personalidades de cada um, o que os move, o que lhes interessa e como tudo isso soma  e se traduz no trabalho que fazem.

Vamos a isto?

Adoramos casamentos emotivos! Os abraços, os sorrisos, as lágrimas de alegria são para nós o mais bonito de uma festa em que se celebra o amor! Adoramos testemunhar casamentos cheios de emoções até porque nós normalmente nos emocionamos também por detrás das nossas câmaras!

 

Deambulando - Fotografia de Casamento Deambulando - Fotografia de Casamento

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia de casamento.

O nosso percurso foi um pouco peculiar. A Elisa iniciou a sua actividade profissional numa área completamente distinta da fotografia, mas, entretanto, decidiu seguir o sonho, estudou fotografia e desde há quatro anos para cá que se dedica a 100% a fazer o que mais gosta. O Paulo estudou Som e Imagem na Universidade Católica e desde que iniciou a sua carreira que se dedica a esta área.

A Deambulando surgiu em 2015, inicialmente como um projeto pessoal, onde a Elisa expunha todo o seu trabalho de fotografia. Foi também nessa altura que começou a trabalhar para outros fotógrafos de casamento, maioritariamente como segunda fotógrafa. Com o crescimento da sua paixão pela fotografia de casamentos, decidiu dedicar a Deambulando exclusivamente a este tipo de fotografia.

Como já tínham vários projetos em comum, fez todo o sentido o Paulo juntar-se à equipa e acrescentar assim o serviço de vídeo.

 

Há quanto tempo fotografam? E porquê casamentos?

Trabalhamos na área desde 2013. O que mais nos atrai na fotografia de casamentos é o facto de estarmos a marcar a vida das pessoas. Estamos a criar memórias que vão passar de geração em geração.

 

O vosso trabalho é feito a duas mãos. Como o definem e como construíram essa assinatura?

Nós trabalhamos sempre em conjunto, apesar de um fazer fotografia e o outro vídeo, tentamos sempre completar-nos um ao outro. Bebemos sempre das ideias um do outro e como já é hábito trabalharmos em conjunto, tudo flui muito naturalmente e muitas vezes nem precisamos de falar um com o outro para perceber o que vamos fazer a seguir.

 

Achas que o ponto de vista feminino, os detalhes que escolhes fotografar e como o fazes, a narrativa que constróis, é diferente das escolhas que o Paulo faz, do seu ponto de vista masculino? Como convergem?

Sim, sem dúvida, temos perspetivas muito diferentes. A Elisa é muito perfecionista e extremamente atenta ao detalhe no que se trata de pormenores. O Paulo é muito prático mas muito criativo e com ideias sempre frescas. Ajudamo-nos imenso um ao outro em todos os momentos e isso é evidente no resultado final.

 

Deambulando - Fotografia de Casamento Deambulando - Fotografia de Casamento Deambulando - Fotografia de Casamento

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Adoramos cinema e este é uma grande fonte de inspiração para nós. Claro que alguns workshops e formações na área também nos ajudam muito.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Viajar, viajar, viajar!!!

 

Do Norte para o mundo, ou Portugal de lés a lés: fotografar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar casamentos nacionais? É muito diferente sem dúvida. As culturas, os hábitos, as tradições, tudo é diferente de país para país, de cultura para cultura.

A diferença que assistimos de casamento para casamento é também aquilo que nos faz gostar tanto desta área. Todos eles trazem algo novo! Em cada casal aprendemos e conhecemos pessoas diferentes! É tão bom e inspirador!

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Tentamos conhecer os nossos noivos desde o primeiro contacto, gostamos de conversar, conhecê-los o melhor possível! A ligação que criamos com os noivos é para nós o mais importante para que tudo corra bem.

 

Deambulando - Fotografia de Casamento

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

Adoramos casamentos emotivos! Os abraços, os sorrisos, as lágrimas de alegria são para nós o mais bonito de uma festa em que se celebra o amor! Adoramos testemunhar casamentos cheios de emoções até porque nós normalmente nos emocionamos também por detrás das nossas câmaras!

 

Qual é a melhor parte de fotografar casamentos? E o mais desafiante e difícil?

Nós vivemos estes dias de uma forma tão intensa, que é difícil destacar a melhor parte. Mas adoramos saber que estamos a criar memórias, sabemos que é uma responsabilidade enorme e esta é a parte mais desafiante mas o facto de sabermos que estamos a criar memórias que vão passar de geração em geração cria em nós um friozinho na barriga que nos faz ter motivação para continuar a fazer o nosso melhor!

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê.

Fotógrafo de casamento no Porto: Deambulando

Esta é uma fotografia que nos diz muito porque foi realizada no nosso primeiro ano de casamentos e foi a partir deste que muitos outros surgiram. Obrigada Joana a André!

 

 

Contactem a Elisa e o Paulo através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Wise words: os procedimentos legais do casamento

Agora que estão de data marcada, está na altura de vos lembrar que o casamento obedece a algumas regras e procedimentos para fique tudo dentro da legalidade. No nosso país, os dois tipos de união mais frequentes são o casamento civil e o casamento católico – mas desde 2007 que está prevista na lei a modalidade de casamento civil sob a forma religiosa, que reconhece, no âmbito da lei de liberdade religiosa, as uniões celebradas em (para já) sete grupos religiosos radicados em Portugal: Comunidade Judaica de Lisboa, Comunidade Islâmica de Lisboa, Aliança Evangélica Portuguesa, Comunidade Bahá”í, União Adventista, Centro Cristão Vida Abundante e Assembleia de Deus de Viseu.

Vamos, então, debruçar-nos sobre estes três processos e os passos a dar em cada um deles nas nas wise words de hoje.

Comecemos pelos timings, para que possam já tomar nota na agenda: com três meses de antecedência, no mínimo, e seis, no máximo, devem começar a tratar da papelada. E o que é que isto quer dizer, exactamente?

Se a vossa escolha recai sobre o casamento civil, tudo o que há a tratar é entre vocês os dois e o Registo Civil. O primeiro passo será deslocarem-se ambos a uma Conservatória (qualquer) e declararem a vossa intenção de casar em determinada data. Há alternativas: podem fazer-se representar por alguém com uma Procuração para o efeito, ou ainda recorrer ao serviço online (basta terem convosco os Cartões de cidadão e o respectivo leitor). No caso de um dos noivos ser de nacionalidade estrangeira, deverá ter consigo também um certificado de capacidade matrimonial passado pelas autoridades competentes do seu país há menos de seis meses. Caso residam em Portugal, poderão obtê-lo contactando a Embaixada ou o Consulado do país de origem.

O que é que já têm que ter decidido antes: a data, o local e o regime de casamento (a comunhão geral é o mais comum, mas existem outros, que requerem a assinatura de uma convenção antenupcial na Conservatória do registo civil ou a celebração de uma escritura pública em Cartório notarial).

 

Deambulando - Fotografia de Casamento

 

Deambulando - Fotografia de Casamento

 

O casamento civil poderá ser celebrado nas Conservatórias do registo civil ou em qualquer outro local à vossa escolha, desde que seja um espaço acessível ao público. O dia e a hora também não constituem problema, terão apenas que ser previamente combinados, para que se encaixem na agenda da Conservatória.
Há já alguns espaços municipais disponibilizados para esse efeito – para já, são conhecidos os de Lisboa, que podem consultar aqui, e os de Albufeira, listados aqui. Neste caso, é mais um interveniente a ter em conta na hora de gerir agendas. Se não vão casar em nenhum destes dois concelhos e de repente vos ocorreu um espaço municipal absolutamente fabuloso para darem o nó, contactem a vossa Câmara municipal – quem sabe não abrem um precedente!

Ora bem, uma vez cumpridos estes passos, e assumindo que está tudo ok e que não existe qualquer impedimento legal ao vosso casamento, a Conservatória emite o despacho de autorização e têm, a partir dessa data, seis meses para casar. Se houver algum atraso, o despacho perde validade e terão que começar tudo do início.

No dia do casamento, caso se trate de um elopement, podem estar apenas os dois – já não é obrigatório apresentar testemunhas. Mas podem apresentá-las na mesma, entre duas a quatro pessoas – serão os vossos “padrinhos” e as vossas “madrinhas” e assinarão convosco. Lembrem-se de referir isto atempadamente na Conservatória.
Seja a dois ou a duzentos, o que é certo é que terão que estar num espaço acessível, de portas abertas, para que qualquer pessoa possa assistir ao casamento. Após as assinaturas feitas, muitos parabéns: são oficialmente marido e mulher.

 

Deambulando - Fotografia de Casamento

 

 

Vejamos agora os procedimentos em caso de optarem pelo casamento católico ou civil sob a forma religiosa. Também têm que organizar o processo preliminar de casamento em qualquer Conservatória, mas o meu conselho é que comecem por falar com o vosso pároco ou com o ministro do culto da vossa igreja ou comunidade religiosa. Isto porque, em muitos casos, são as igrejas ou as comunidades religiosas que intercedem junto das Conservatórias, mediante um requerimento próprio, para dar início ao processo. Se for este o caso, a Conservatória remete posteriormente à igreja ou comunidade religiosa o despacho de autorização. Paralelamente, claro, desenrolar-se-ão os procedimentos característicos de cada fé, sobre os quais deverão igualmente informar-se com tempo.

Se forem vocês a iniciar o processo na Conservatória, vale tudo o que já disse lá atrás, até à emissão do tal despacho, que deverão entregar na vossa igreja ou comunidade religiosa. Não deixem de perguntar ao vosso pároco ou ministro qual a antecedência com que terão que apresentar este documento relativamente à data do casamento, é importante.

A vossa união civil só será efectivada no dia do casamento religioso propriamente dito, mediante umas assinaturas no final da cerimónia. Esse documento será posteriormente remetido pela igreja ou comunidade religiosa à Conservatória competente (esclareçam bem este aspecto, não vá dar-se o caso de terem que ser vocês a fazer esta operação) e está assim concluído o processo legal.

Faltará apenas, para ficarem 100% legais, actualizar os respectivos Cartões de cidadão. Se muda apenas o estado civil, podem respirar de alívio: a actualização é automática e não têm que fazer mais nada. Mas se muda algum nome ou a morada, isso já requer que sejam vocês a informar os serviços. Agora aqui peço a vossa total atenção: o prazo legal para actualizar o Cartão de cidadão por mudança de morada é de apenas 15 dias – e o incumprimento dá direito a multa. Mas nem tudo são más notícias: podem actualizar a morada online.

Uma vez na posse do Cartão de cidadão actualizado, caso tenham feito alterações ao nome terão que actualizar também a Carta de condução (e o Documento único automóvel – este, seja por alteração do nome ou da morada). Já o recenseamento eleitoral é actualizado automaticamente a partir da alteração do Cartão de cidadão – mas caso mudem de freguesia, antes das próximas eleições não se esqueçam de consultar o vosso novo número de eleitor e o respectivo local de voto.

Ah, as alegrias das burocracias! Para desenjoar, passeiem pelos nossos outros artigos de wise words com temas mais empolgantes, como a escolha do vestido de noiva ou a lua-de-mel.

 

As fotografias deste artigo são da autoria de Deambulando.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Damos as boas-vindas: Deambulando!

As boas-vindas de hoje são dadas à Elisa e ao Paulo e à sua Deambulando!

 

A Deambulando é a casa da Elisa e do Paulo – e o que eles fazem é contar a vossa história. Fazem-no de uma forma natural e genuína. Adoram emoções, histórias de amor e, sobretudo, a forma como cada história ganha forma através das suas câmaras e do seu olhar. «Porque as melhores histórias são as de amor, nós deambulamos de imagem em imagem para contar a vossa.»
Escolheram trabalhar na área dos casamentos porque se sentem atraídos pela ideia de estarem a marcar a vida das pessoas: «Estamos a criar memórias que vão passar de geração em geração.»

Orgulham-se de criar uma relação com os noivos, de sentir o feedback positivo depois da entrega final, de perceber que no final de cada trabalho cumpriram o seu objectivo de documentar o dia mais especial da vida daquele casal.
Procuram inspiração junto de outros fotógrafos e videógrafos de casamento, e também noutras áreas da fotografia e do cinema, de forma a tornarem o seu trabalho mais rico e inovador.
E onde se vêem a Elisa e o Paulo daqui a cinco anos? «A fazer aquilo que já fazemos mas ainda melhor!»

 

A partir de agora, acompanhem também os nossos posts acerca do trabalho da dupla Deambulando.

 

 

Deambulando - Fotografia de Casamento

 

 

Deambulando - Fotografia de Casamento

 

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado Deambulando para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com a Elisa e o Paulo, eles estão à vossa espera para contar a vossa história.

 

Elisa e Paulo, bem-vindos ao Simplesmente Branco!