Created with Sketch.
Marta Ramos

Damos as boas-vindas: Manuel Oliveira Fotografia!

As boas-vindas de hoje são dadas a Manuel Oliveira Fotografia!

Da Beira Alta até qualquer lugar no país (e no mundo), Manuel Oliveira oferece-vos a sua experiência de mais de vinte anos na indústria do casamento, capturando os vossos momentos felizes com graça, arte e uma visão que se transformará nas mais perfeitas memórias do vosso dia mais bonito.
A sua equipa, muito bem formada e sintonizada, está pronta para cobrir todos os aspectos da vossa festa. Relaxem, confiem neles e saboreiem o momento!

 

A partir de agora, acompanhem também os nossos posts acerca do trabalho de Manuel Oliveira Fotografia

 

Fotografia de casamento, por Manuel Oliveira Fotografia Fotógrafo de casamento em Viseu e Castro D'Aire: Manuel Oliveira Fotografia. Fotógrafo de casamento em Viseu e Castro D'Aire: Manuel Oliveira Fotografia.Fotógrafo de casamento em Viseu e Castro D'Aire: Manuel Oliveira Fotografia. Fotógrafo de casamento em Viseu e Castro D'Aire: Manuel Oliveira Fotografia.

Se estão agora a começar a pensar no vosso casamento, não se esqueçam do factor essencial para que consigam contratar os serviços dos vossos fornecedores preferidos: a antecedência! Os melhores profissionais são também os mais concorridos, e no caso dos fornecedores que terão que estar presentes no dia do casamento isso implica que ou vocês fecham a data primeiro, ou alguém o fará no vosso lugar. Seis meses no mínimo, mas um ano dá-vos mais folga.

 

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado Manuel Oliveira Fotografia para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com o Manuel: ele está à vossa espera documentar o vosso dia feliz.

Manuel, bem-vindo ao Simplesmente Branco!

Susana Pinto

À conversa com: ADORO – fotografia de casamento

Hoje sentamo-nos a conversar sobre fotografia de casamento, com a dupla da ADORO: Carla Guedes Pinto e Sofia Dias.

Para além de fotografar, desenham convites de casamento (e todo o restante estacionário) maravilhosos, ou não fossem designers de formação.
Fiquem a conhecê-las melhor e ao trabalho muito bonito que fazem!

As emoções das pessoas e dos momentos são a nossa energia. Não interferimos, apenas observamos, sentimos e reagimos, fotografando. E a relação de entendimento e confiança entre todos, é meio caminho para tudo fluir e o resultado transparecer a naturalidade que procuramos.

Do design gráfico para a fotografia não é um salto demasiado grande, mas para o universo dos casamentos já é bastante específico. Como é que foram lá parar?

Sim, de facto o salto é grande, não tanto pela passagem para a fotografia, onde se continua a trabalhar num universo visual, mas mais pela passagem para o universo dos eventos e dos casamentos.

A fotografia sempre nos acompanhou, em caminhos paralelos, mas esteve sempre presente. Uma das minhas grandes amigas de infância era filha de um grande fotojornalista, o Rui Ochôa. Adorava quando ia lá a casa e via os negativos todos espalhados, grandes formatos impressos pelo chão, uma gaveta cheia de objectivas ou as tardes passadas na redacção do Jornal Expresso. Com ele, comprei a minha primeira máquina fotográfica, uma Nikon 801, quando tinha 15 anos, e pouco a pouco comecei a fotografar.

A Sofia começou com o pai, que lhe punha a sua Canon nas mãos e lhe ensinava que o diafragma era mais do que aquele músculo na cavidade torácica. O seu primeiro ordenado, foi para comprar uma máquina fotográfica (analógica). Desde cedo fomos as fotógrafas de serviço entre os nossos amigos e família. Muitos rolos se consumiram…

O salto para os eventos de casamentos, foi apenas o ajuste necessário para tornar esta nossa actividade em algo comercial. Isto quando o suporte digital finalmente atingia uma qualidade profissional.

O design, área em que trabalhámos durante muitos anos (a Sofia em design gráfico e a Carla em design de equipamento) de certa forma preparou-nos a abordar qualquer desafio de uma forma metodológica, e isso aplica-se na perfeição quando temos um casal que quer concretizar o que sonhou para o seu dia de casamento. É um desafio criativo e projectual.

A passagem do nosso trabalho de designers para este universo “casamenteiro” deu-se num momento de crises várias. A crise do próprio negócio de design, das agências e dos orçamentos pagos a 120 dias, e também da crise criativa, um bocado cansadas de clientes cinzentos e institucionais.

Pensámos que, por nossa conta, se calhar faríamos qualquer coisa mais interessante e mais próxima das pessoas reais.

Quando começámos em 2011, o universo estético dos casamentos era ainda pouco fresco, muito clássico e percebemos que podia ser esse o caminho. Oferecer uma alternativa ao existente. Acabou por ser uma época de transição, em que surgiram fornecedores, como nós, que contribuíram para desenhar e consolidar o universo que hoje existe.

 

Adoro - fotografia de casamento Adoro - fotografia de casamento Adoro - fotografia de casamento

 

Começaram com um leque de serviços mais alargado, que agora concentraram em fotografia e organização, a solo ou com tudo incluído. É uma evolução natural ou sentiram, de facto, necessidade de estreitar o foco?

Foi um misto. Uma evolução, após sentirmos o mercado, e uma forma de convergir esforços e investimento, sobretudo de tempo.

Quando decidimos fotografar (casamentos e outras celebrações), sentimos necessidade de garantir a harmonia e fotogenia dos ambientes, incluindo o grafismo e a decoração. Para além de termos esta possibilidade de prestar um serviço completo a quem nos procurava, sabíamos também de antemão, que todo o conceito daquela celebração seria coerente.

Isso para nós era perfeito, era fotogenia garantida!

Mas ao longo dos anos sentimos necessidade de ajustar o negócio à realidade e percebemos que o investimento que justifique a contratação de alguém que pense e concretize o conceito de um evento acontece maioritariamente em casamentos, e quase nada em outras celebrações mais pequenas (festas de aniversários, baptizados etc).

Desta forma passámos a prestar serviço de decoração e grafismo apenas para casamentos.

A organização de um casamento requer dedicação e uma total disponibilidade para aquelas duas pessoas que anseiam pelo seu dia, perfeito, sem falhas. Por isso, actualmente aceitamos apenas algumas organizações e desenvolvimento criativo num reduzido número de casamentos, garantindo a nossa total disponibilidade para o sucesso do projecto.

A fotografia continua a ser a nossa actividade principal, e também a nossa paixão. Na fotografia continuamos a fazê-lo em todas as outras situações de festas e celebrações (festas de aniversário, baptizados, celebrações entre amigos e família), bem como sessões a dois ou de família.

 

Como definem a vossa assinatura, o vosso ponto de vista?

Achamos que se quisermos dizer numa palavra, será “verdadeiro”.

Na fotografia como na organização e desenvolvimento criativo, procuramos um olhar e abordagem reais, sempre em função do par. A estética e fotos do casamento têm que reflectir aquelas duas pessoas, e elas reverem-se nela.

As emoções das pessoas e dos momentos são a nossa energia. Não interferimos, apenas observamos, sentimos e reagimos, fotografando. E a relação de entendimento e confiança entre todos, é meio caminho para tudo fluir e o resultado transparecer a naturalidade que procuramos. Sentimos que nos ajuda o facto de virmos de outra área profissional, sem vícios nem preconceitos. E com o tempo percebemos que não é indiferente o facto de sermos um olhar feminino. Não sendo vantajoso nem desvantajoso, é apenas uma particularidade que transparece no nosso trabalho, sem nunca o termos previsto.

 

Onde buscam inspiração para o vosso trabalho?

Viemos as duas de uma área muito visual e esteticamente ecléctica, por isso qualquer fonte de informação é válida, e não necessariamente a ver com casamentos. A isto juntamos o que o par nos sugere das suas personalidades, vivências e preferências. Damos por nós a pesquisar universos tão díspares como Botânica ou a Culinária.

O cinema e a fotografia de rua e de moda serão as nossas maiores inspirações e agentes provocadores. O universo visual de cineastas como Wong Kar-Wai, Sophia Coppola, Wes Anderson, Jane Campion, Yasujirô Ozu, Stanley Kubrick ou pérolas como “Eu sou o Amor” (Luca Guadagnino) e “Carol” (Todd Haynes), são exemplos disso.

Na fotografia, o enorme trabalho de nomes como Saul Leiter, Tim Walker e as recentes descobertas dos espólios de Albert Khan e Vivian Maier. E por cá o Pedro Cláudio, fundamental pelo trabalho gráfico na fotografia, ou o olhar fresco e sem gavetas da Vera Marmelo.

Na secção mais “casamenteira” adoramos o trabalho do Pablo Beglez, Kristen Marie Parker, ou do Rodrigo Cardoso, dos Piteira ou do Rui Gaiola.

 

Adoro - fotografia de casamento Adoro - fotografia de casamento Adoro - fotografia de casamento

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Como o dia-a-dia é tão assoberbado de informação, às vezes apetece apenas desligar para criar espaço mental. Mas quando ainda sobra algum espaço, há todo um mundo para descobrir. Viajar é um óptimo escape, seja cá dentro ou lá fora, e uma forma de nos inspirarmos e refrescar ideias. Por exemplo, nos últimos anos o trabalho levou-nos algumas vezes aos Açores e à Madeira, e foram óptimas descobertas para nós. Claro que aproveitamos sempre que o trabalho nos leva para fora de Lisboa, para sentir um bocadinho do local onde estamos. Isso é uma coisa que adoramos fazer, fotografar para além das pessoas, porque o território envolvente também faz parte das histórias.

É isso que adoramos… contar histórias.

Mas depois há coisas bem mais prosaicas que nos dão imenso prazer e que nos compensam, como meter um disco a tocar e dançar como se ninguém estivesse a ver, ir a um concerto mesmo bom, ou a um espectáculo de dança, ir dar uma volta de bicicleta com amigos. Ai… os amigos… com esta vida tão ao contrário das rotinas tradicionais, às vezes é difícil acertar com os programas dos amigos e família. Quando conseguimos fazer isso, é um luxo, um tempo impagável que se vive com prazer.

 

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação com os vossos clientes?

A partir da primeira reunião, em que se dão caras aos nomes, percebemos o perfil do par e as suas espectativas. Isso é essencial para gerirmos um processo de organização de casamento e respectivo desenvolvimento criativo. A partir dessa leitura que fazemos e do próprio pedido dos noivos, iniciamos a nossa pesquisa e vamos trocando ideias com eles, sempre suportado visualmente para que ambos tenhamos a certeza do que estamos a falar. Depois do plano aprovado, começamos a produzir e a gerir cada passo até ao dia do casamento.

Na fotografia, depois da reunião (muitas vezes por Skype) fazemos sempre uma sessão fotográfica antes do casamento. Serve para nos conhecermos melhor, quebrar gelo e testarmos a relação fotógrafo/fotografado, para que no dia do casamento não seja demasiado brusco e invasivo.

Em ambos os casos tentamos sempre ler o mais possível de quem está do outro lado, dizemos que somos quase psicólogas tentado ler as entrelinhas para perceber o que é de facto importante para eles. Absorvemos o máximo e impomos o mínimo possível. E valorizamos a transparência, que é meio caminho para a confiança mútua.

Somos “parceiros no crime” do dia dos nossos noivos, e eles são o mais importante. O dia é deles e não nosso.

 

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista sobre o resultado ou é o prazer de acompanhar o processo?

Há o prazer em ver as ideias tomarem forma, mas evitamos o perfeccionismo nestes processos assentes num casal de noivos (geralmente estreante) e que envolvem várias valências e fornecedores. Focamo-nos em conseguir o melhor equilíbrio entre todos.

E depois sabemos que estamos a lidar com emoções, e não dá para aplicar fórmulas de Excel nelas. As decisões têm de ser tomadas com tempo, sem pressões, e sabemos que estamos a lidar com duas pessoas, muitas vezes com ideias e até algumas expectativas diferentes entre eles. É preciso saber mediar isso.

Somos o elemento de ponderação, e a voz da experiência, mas mesmo assim, no final, o casal tem de estar confortável com todas as decisões tomadas. Esta gestão requer alguma sensibilidade.

  

Adoro - fotografia de casamento Adoro - fotografia de casamento Adoro - fotografia de casamento

 

Qual é a melhor parte de organizar um casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é no dia ver tudo materializado, e a felicidade estampada no rosto dos noivos, por verem expectativas superadas.

O desafiante é transpor, para soluções criativas, a vontade dos noivos e tudo o que lemos nas entrelinhas. Adoramos quando os noivos sonham com uma coisa e nós conseguimos concretizá-la. Ver essa felicidade do momento concretizado estampado na cara dos noivos é o melhor dos momentos… e claro, de preferência registá-lo numa fotografia nossa.

 

Qual foi o casamento em que mais gostaram de trabalhar? Porquê?

Difícil responder, porque o envolvimento chega a ser emocional. Não conseguimos dizer apenas um.

Profissionalmente falando, houve um casamento que organizámos à distância, os noivos viviam nos Estados Unidos, e que correu irrepreensivelmente bem do princípio ao fim. Deste a sintonia criativa, ao respeito mútuo e confiança no nosso trabalho e às imagens cheias de luz e amor que nos deram para registar.

Mas claro, não há amor como o primeiro… o primeiríssimo casamento, da Inês e do Ricardo. Esses loucos que confiaram numas miúdas que nunca tinha organizado ou sequer fotografado um casamento (profissionalmente), e nos depositaram toda a confiança. Mostrarmos-lhes uma breve apresentação das nossas intenções, que terminava com “Querem casar connosco?” e eles responderam “Sim!”

Como experiência de tipo de registo e exotismo, tivemos um casamento na Madeira que foi um fim-de-semana em festa, com registos magníficos de paisagem e uma festa cheia de amigos que souberam disfrutar verdadeiramente do momento.

Pela intensidade emocional, e beleza há também um outro pequeno casamento, num Fevereiro soalheiro, em Monserrate (Sintra), que contrariou todos os estereótipos. Simplesmente mágico!

Todas a histórias são únicas e irrepetíveis, e isso é muito especial para nós, dá-nos fôlego.

 

Se fosse o vosso casamento, fariam tudo, uma parte ou mesmo nada? Quem fotografava?

Carla: para mim o mais interessante é a partilha emocional, a cumplicidade com quem mais gostas de estar, a tua cara-metade e os teus amigos e família. Mas nunca me imaginei noiva, e ser o centro de um casamento, que acontece assim num estalar de dedos. Acho que prefiro estar deste lado, com a máquina na mão, contagiada pelas emoções de quem celebra esse dia.

Sofia: adoro o formato de um fim-de-semana com amigos e família, os dias de casamento são assustadoramente rápidos. Teria que conhecer pessoalmente os fotógrafos da minha eleição, a empatia é essencial.

 

Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê:

Que maldade… Entre muitas, e por diferentes motivos, esta foto passa bem o que nos continua a surpreender. Adoramos os entretantos, que nos brindam com imagens bonitas e irrepetíveis.

 

ADORO - fotografia de casamento

 

Que bela conversa, esta! Tenho a certeza que gostaram de conhecer melhor esta dupla e que o bonito trabalho que fazem ganhou uma nova amplitude.

Contactem a ADORO, através da sua ficha de fornecedor. Visitem as galerias e entrem em contacto com a Carla Guedes Pinto ou a Sofia Dias, directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem e, na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

E se querem ver casamentos bonitos fotografados por esta dupla, espreitem aqui!

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Marta Ramos

Wise words: A importância do álbum de casamento

Sobre a escolha dos fotógrafos e videógrafos para o vosso casamento, já aqui vos falámos (aconselhamos a leitura). Hoje, por sugestão da Teresa e do Dado, da Arte Magna, vamos debruçar-nos sobre o “depois”: como guardar as fotografias do dia mais feliz das vossas dias. Diz-nos a Teresa«A nossa ideia era passar o quão importante é ter as fotografias impressas num objecto que para nós é como uma jóia de família. Recentemente fizemos uma palestra online para o mercado brasileiro sobre isso mesmo, a importância e o papel que o fotógrafo deve ter ao sensibilizar os seus clientes para a impressão de um álbum.»

Eu tenho o álbum de casamento dos meus pais em dois pequenos volumes e não lhes consigo colocar um valor, pois é algo muito valioso para mim.

Será que, na era digital, ainda há quem valorize um álbum fotográfico em papel? Segundo a Teresa, sim: «90% dos nossos casais opta por um álbum do casamento. Nas reuniões e mesmo na nossa proposta mencionamos a importância de ter um álbum. No momento do casamento, e numa altura em que só se vêm os euros a voar da conta, pode parecer algo dispensável. No entanto, pensar no álbum é pensar a longo prazo. Se puxarmos atrás, iremos ver que as fotografias não foram feitas para ficar em negativos, mas sim no papel. A fotografia tem outro valor quando impressa. Como diz o Dado, fotografia só é fotografia quando impressa… Até aí é apenas um arquivo digital.»

E porquê uma selecção de fotos se os noivos hoje em dia podem ter a totalidade num ficheiro? «Um álbum serve de resumo de um dia feliz, onde se quer contar uma história de forma leve e intensa. Pelo menos esta é a nossa visão e a dos nossos casais. Achamos que a resposta a esta pergunta é deixar duas questões:

Quantas vezes um casal se sentará a ver 600 fotografias num computador? E se o álbum estiver ali, na mesa de centro, quantas vezes eles irão pegar nele ou até mesmo quem os visita?

Falemos então do álbum-objecto: no Simplesmente Branco estamos habituados a ver álbuns construídos com perícia artesanal, recorrendo aos materiais mais nobres, e para nós não faz sentido outra coisa. O invólucro das memórias do dia do casamento tem que ser, ele mesmo, digno de apreciação. A maior parte dos bons fotógrafos trabalha em articulação com os melhores profissionais na área da encadernação. A Teresa diz-nos que os clientes estão cada vez mais bem informados e sabem bem o que há no mercado, pelo que se tornam mais exigentes e esperam um nível elevado no seu álbum. A informação é o melhor caminho para fazer boas escolhas, esse será sempre o nosso conselho: falem com os vossos fotógrafos sobre todas as possibilidades, mostrem-lhes as vossas ideias e acertem ao detalhe qual será o resultado final.

 

Fotografia de casamento, por Arte MagnaAgora, imaginemos que vocês até já contrataram os fotógrafos para o vosso casamento mas não se lembraram desta questão. Não se preocupem, qualquer altura é boa para optar por um álbum – podem fazê-lo mesmo depois do casamento: «Regra geral os nossos casais optam pelo álbum logo na assinatura do contrato, pois entendem realmente a importância dele. Muitos até falam que se imaginam a passar as folhas com os filhos ao colo. Podemos pedir mais?»
Na Arte Magna, desde 2014 que só oferecem um tamanho de álbum, por questões práticas. Utilizam álbuns 30×30 com acabamentos em tecido, procurando personalizá-los ao máximo – uma gravação diferente na capa feita com um cunho, umas guardas feitas com um padrão, etc. O prazo de entrega, geralmente, varia entre 6 a 8 semanas, dependendo do laboratório e dos artesãos com quem trabalham: «Ao longo destes anos temos algumas histórias, mas que se prendem mais com a reacção que os casais têm quando recebem os álbuns em mãos, quando passam de um pdf a um objecto. Para nós é gratificante quando um casal fica sem palavras e quando fica com as lágrimas nos olhos aos rever um dia tão feliz através de algo criado por nós com tanto carinho. Uma das frases que mais ouvimos é que a fotografia ganha vida. São coisas simples, mas que nos enchem o coração e nos mostram que estamos no caminho certo.»

 

Lembrem-se de falar com os vossos fotógrafos e videógrafos sobre o álbum das fotografias e a caixa para o cd do filme do vosso casamento. São peças que vão ficar para sempre; se forem bonitas, bem feitas, duradouras e intemporais, ficarão sempre satisfeitos por terem tomado essa opção.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Um dia na Serra Encantada, com Arte Magna

A Teresa e o Dado, os fotógrafos Arte Magna, orgulham-se muito de acompanhar quem os escolhe para fotografar o seu casamento, e de seguir as suas famílias ao longo dos anos. Criar laços com quem deposita tanta confiança no seu trabalho é, para eles, uma privilégio. E adoram viajar, por isso não hesitem em desafiá-los para vos fotografarem nos confins do mundo: «A fotografia é a nossa vida e não há sensação melhor do que criar memórias. Sabermos que o que criarmos se tornará numa herança de família enche os nossos corações e temos a certeza de que a vida não nos poderia ter dado profissão melhor.»

Hoje trazem-nos uma bonita e-session, da Diana e do Fred, fotografada na paisagem deslumbrante da serra da Freita, ou “serra encantada”, como é também conhecida. Se não conhecem, não deixem de marcar um passeio até à região que se tornou recentemente famosa pelos Passadiços do Paiva, mas que tem tantos outros pontos de interesse, como a Frecha da Mizarela (uma das maiores quedas de água da Europa), o Miradouro de São Pedro Velho, no ponto mais alto da serra, as aldeias paradas no tempo, as piscinas naturais…  Vale mesmo a pena descobrir esta zona, entre Arouca, Vale de Cambra e São Pedro do Sul. Contam os fotógrafos que as imagens foram captadas num dia soalheiro mas ventoso e bastante frio, o que não quebrou minimamente a boa disposição reinante:

A alegria e a entrega deles era contagiante e isso nota-se nas fotografias alegres que lhes entregámos.

E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da FreitaE-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita E-session fotografada por Aula Magna na Serra da Freita

Tal como neste dia mágico da Diana e do Fred, a Teresa e o Dado querem estar ao vosso lado a fotografar (e a viver!) estes momentos especiais convosco. Consultem a ficha de fornecedor seleccionado da Arte Magna, onde encontrarão mais informação e todos os contactos. Falem com eles e marquem uma visita, serão muito bem recebidos e poderão apreciar ao vivo algumas das suas belíssimas criações. E vão acompanhando as nossas publicações sobre o seu trabalho – só coisas bonitas!

Marta Ramos

Wise words: a importância da e-session

Quando falámos com a Lounge Fotografia sobre a arte de bem escolher os melhores profissionais para registar o casamento em imagens, houve uma recomendação deixada pelo Luís e pela Marta que se prende com o assunto destas nossas wise words de hoje:  «Se acham que se identificam com o trabalho apresentado mas resta ainda alguma dúvida, agendem uma sessão de noivado. É a melhor ocasião para quebrar o gelo e verem a forma de estar dos fotógrafos/videógrafos: se são descontraídos, afáveis, divertidos, se vos fazem rir, se vos direccionam muito ou pouco. E, no final, sentir se há magia nas imagens entregues!»

A e-session é, de facto, um momento importante nesta fase tão intensa das vossas vidas, e traz muitas vantagens acrescidas. Pode servir, efectivamente, para vos ajudar a ter a certeza de que vão escolher o fotógrafo ideal para vocês e para o vosso dia. Mas mesmo que já tenham isso bem arrumado, não saltem esta parte — trata-se de uma oportunidade de ouro para interagirem com os fotógrafos que estarão encarregues de registar o dia do vosso casamento. Ganha-se à vontade e descontracção, que serão essenciais no grande dia; afinam-se vontades e expectativas; e, de repente, já vocês tratam as câmaras por tu e já elas vos conhecem de cor, de modo que tudo flui com muito mais naturalidade.

Para além disso, é mais um pacotinho de memórias bonitas a acrescentar à vossa história e a colorir o vosso álbum de casamento com sorrisos ternos e emoções traduzidas em gestos e olhares. E, por último mas, decididamente, não menos importante, é uma experiência a dois que vão querer viver. Eu diria mais, que precisam de viver, para interromper a azáfama dos preparativos e lembrarem-se de que tudo isso está a acontecer porque vocês adoram estar juntos. Certo, é um momento de namoro com público, mas conta na mesma!

 

Então, qual é a melhor forma de pôr isto em prática? Primeiro, terão que agendar uma data com os vossos fotógrafos (e garantir que estão mesmo disponíveis e sem pressas). Segundo passo, escolher o local. Ora, aqui não há limites a não ser a vossa disponibilidade, a vossa vontade e o vosso orçamento: desde um passeio ao local onde se conheceram até uma viagem rápida a Paris, o que importa é que pensem no cenário em que se sentirão mais felizes e descontraídos. Muitos dos casais que já vivem juntos escolhem a própria casa para um registo mais intimista e os resultados são absolutamente cinematográficos. Se escolheram um ambiente ao ar livre, prevejam um plano b para o caso de chover (ou então, desde que tecnicamente viável, deixem a chuva fazer parte e juntem dois bonitos guarda-chuvas à equação).
Agora, vamos falar do guarda-roupa. Alguns critérios simples, que vos ajudarão rapidamente a decidir o que vestir: adequação ao cenário, para que se movimentem confortavelmente; equilíbrio entre ambos (apenas para que estejam em sintonia de estilo, não significa que tenham que ir a condizer); um ou outro acessório que introduza variação nas fotografias (como um chapéu, um lenço, uma flor para o cabelo). Se vos apetecer encenar um pouco a sessão, acrescentem-lhe adereços (as bicicletas de que nunca se separam, a guitarra com que costumam passar os serões, a prancha de surf que vos acompanha em todas as viagens à praia, etc.)
Têm lá em casa um amiguinho de quatro patas que vos alegra o coração? Então, levem-no também, prevendo alguém que tome conta do bichinho para algumas imagens mais tranquilas. E, neste caso, não deixem de falar com a Sóanimarte para que os animais de estimação sejam tratados como convidados VIP no vosso casamento.

 

Rita Santana Photography - fotografia de casamento em LisboaRita Santana Photography - fotografia de casamento em LisboaRita Santana Photography - fotografia de casamento em Lisboa

Quando chegar o dia da sessão, se precisarem de ajuda para descontrair e esquecer as câmaras, experimentem conversar um com o outro, ouvir música (não se “vê” nas fotografias mas é bem capaz de ser aquele toque que faltava para vos deixar no mood certo) ou ler alto: um poema, um trecho de um livro, uma carta de amor escrita de propósito (ou a primeira carta de amor que escreveram um ao outro).
Dizem os profissionais que, por mais tímidos ou inquietos que possam sentir-se os noivos, após alguns minutos tudo rola com naturalidade. Por isso, acreditem, sintam-se bem, assumam o momento de felicidade e de comunhão, e esperem depois pelas imagens, que vão acrescentar ainda mais magia a este novo capítulo das vossas vidas.

 

As fotografias que ilustram este artigo são do nosso fornecedor seleccionado Rita Santana Photography.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Je t’aime, por Renato Ribeiro Photography

Renato Ribeiro é um fotógrafo portuense, apaixonado pela vida e pelas pessoas. Sediado no Porto, desde 2012 que conta histórias de amor um pouco por todo o mundo. O seu trabalho é bastante cinematográfico e emocional: fascina-o explorar as conexões que as pessoas estabelecem umas com as outras ao longo da vida. O que podem esperar das suas imagens é uma constante procura dos pequenos detalhes, da interacção de olhares e dos gestos mais ternos que acontecem em qualquer história de amor:

«Acredito que as melhores imagens são as que contam momentos genuínos e isso apenas se alcança quando a nossa ligação é verdadeira».

Hoje, traz-nos a e-session da Mathilde e do Frederic, um casal luso-francês a viver em Toulouse, que virá casar ao Mosteiro de Landim, em Guimarães, no próximo dia 24 de Agosto. As imagens foram captadas nos arredores do Porto:
«Considerando que a minha abordagem à fotografia de casais é um pouco diferente da “habitual”, é sempre um privilégio quando os noivos entendem perfeitamente essa minha visão, me procuram por isso e me dão total liberdade para criar. Foi exactamente o que aconteceu com este casal. Aliás, foram os próprios que decidiram “fugir” às convencionais fotos na baixa do Porto, na praia e etc, e me pediram para irmos passear e fotografar em locais abandonados e, assim, “diferentes”! Obviamente, fiquei extremamente feliz com isso… O resultado foi uma sessão com cerca de 300 fotos (quando o normal são umas 70/80) cheias de energia, boa disposição e muito amor.»

 

E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro PhotographyE-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro PhotographyE-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro Photography E-session por Renato Ribeiro PhotographyRenato Ribeiro escolheu ser profissional de casamento porque, mais que caras e expressões, interessa-lhe captar sentimentos e emoções; criar imagens que contam histórias; e os casamentos encaixam-se perfeitamente nessa abordagem que procura para a sua fotografia. Orgulha-se muito do amor, da dedicação e da honestidade que põe em tudo aquilo que faz. Vê o seu trabalho como uma colaboração com os clientes, que rapidamente se tornam amigos. Não sendo jornalista, não capta apenas o que ali está mas também o que sente sobre aquilo que vê. Nunca pede nada que não seja totalmente honesto. Apenas lhe interessam sorrisos reais, expressões reais e principalmente emoções verdadeiras.

Acompanhem os nossos posts acerca das suas fotografias e não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado Renato Ribeiro Photography para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com o Renato, ele está à vossa espera para descobrir a vossa singularidade e contá-la em imagens.

Marta Ramos

Nova montra Edgar Dias Photography: com um brilhozinho nos olhos

As galerias das fichas de fornecedor seleccionado são como montras do trabalho dos profissionais que escolhemos para vos recomendar. Hoje destacamos a renovação da montra Edgar Dias Photography.

A equipa Edgar Dias Photography abraçou a fotografia de casamentos com o objectivo de captar a espontaneidade e a expressão de emoções. Definem o seu trabalho como consistindo em imagens iluminadas, naturais e contemporâneas, numa tendência fotojornalística. A luz é uma característica central nas suas produções fotográficas, dado que se movem pela vontade de explorar e alimentar a curiosidade pela estrutura, cor e, sobretudo, a luminosidade de cada imagem.
A experiência levou-os valorizar cada vez mais a importância destes registos, das lembranças de um dia único vivido junto da família e dos amigos. São memórias que cada casal merece guardar para sempre.
Escolheram trabalhar nesta área porque acreditam que são a equipa certa para captar cada momento de um dia único e cheio de significados. Orgulham-se muito da vontade de explorar as infinitas possibilidades que cada fotografia dá, da relação fácil e próxima que naturalmente estabelecem com os casais que os desafiam a registar o seu dia de casamento, e do profissionalismo que lhes tem sido reconhecido. Vão procurar inspiração a cada história que ouvem, a cada casal que conhecem, ao mundo e às experiências que vão guardando. Para eles, uma ida ao café pode ser tão inspiradora como a viagem dos nossos sonhos.

 

Seleccionámos algumas das imagens mais recentes da galeria, mas depois não deixem de ir ver todas à ficha de fornecedor seleccionado.

 

Edgar Dias Photography, um fornecedor seleccionado SBFotógrafo de casamento no Porto e Ermesinde: Edgar Dias Photography Edgar Dias Photography, um fornecedor seleccionado SBEdgar Dias Photography, um fornecedor seleccionado SB

Consultem a ficha de fornecedor seleccionado Edgar Dias Photography para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho; e falem com o Edgar: ele está à vossa espera para registar o vosso dia feliz em imagens luminosas.