Created with Sketch.
Susana Pinto

Lounge Fotografia, em detalhe

Hoje a manhã pertence à Lounge Fotografia, com as palavras do Luís Mateus e Marta Barata. A Lounge Fotografia é nossa fornecedora desde as primeiras semanas e o trabalho deles passa habitualmente por aqui… Aproveitem agora para ficar a conhecer a dupla por detrás das lentes!

 

 

 

 

1. Apresentem-se…!

Olá, nós somos o Luis e a Marta e somos os fotografos da Lounge. Somos um casal apaixonado, ambicioso, criativo e sobretudo divertidos!

 

2. O que vos faz fotografar?

Gostamos de ir a casamentos… fotografar casais que se amam, ver a emoção dos noivos e de toda a sua familia, partilhar momentos verdadeiramente importantes. Captar essas emoções verdadeiras é o que nos dá mais prazer.

 

3. O que vos distingue da multidão?

Criatividade, boa disposição, dinamica, uma abordagem simples e discreta. Somos profissionais no que fazemos e não deixamos o nosso nome/marca em mãos alheias. Achamos que temos bom gosto e isso reflete-se no nosso trabalho. Queremos elevar o estatuto da fotografia de casamentos em Portugal, que normalmente é vista como secundária.

 

4. Como definiriam o vosso tipo de abordagem/fotografia?

Sobretudo fotojornalismo, registar os factos sem ninguém dar pela nossa presença, sem poses forçadas, sem risos falsos… a espontaneidade é bem vinda!

 

 

 

 

5. Como mantém a vossa perspectiva fresca e inspirada?

Sites, blogs, revistas… milhares de imagens são consumidas diariamente! Ver o trabalho de outros fotógrafos, sobretudo estrangeiros, é importante, saber o que está na moda, não só na área da fotografia, mas tudo o que envolve o casamento.

 

6. Como e com que antecedência devem os noivos contactar-vos?

Na maior parte dos casos é aconselhável cerca de 1 ano, visto apenas aceitarmos 2 reportagens por dia. Apenas nós os dois fotografamos os nossos casamentos.

 

7. Que tipo de serviços poderão contratar?

Fotografia e Video é o principal, mas também dispomos da oferta de material gráfico personalizável. Fazemos também sessões fotográficas em estúdio ou no exterior. Fotografia de Moda é também uma vertente importante da Lounge, colaborámos recentemente com a Moda Noiva e as Noivas de Portugal.

 

8. Quanto tempo, após o casamento, esperam os noivos  pelo resultado final?

Habitualmente todo o processo está concluido em 3/4 meses.

 

 

 

 

9. Qual é o processo de trabalho, como criam cumplicidade com o casal a fotografar?

Na primeira reunião tentamos que haja logo uma empatia com o casal, sendo nós um casal jovem, é fácil estabelecer relações logo de início. Se o casal optar por uma sessão IN|gage é ouro sobre azul, pois nessa sessão ficamos a conhecer inteiramente o casal, quebram-se todas as dificuldades que possam existir com a câmera fotográfica. Depois há ainda mais uma ou outra reunião antes do casamento. Quase sempre o cliente passa a ser considerado um amigo!

 

10. O vosso trabalho é local, regional, nacional?

Sobretudo nacional, com a crescente oferta na internet, somos solicitados para todo o País.

 

11. Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê.

As cenas da saida da igreja habitualmente são muito fotogénicas, mas gostamos particularmente desta pois é o espelho da felicidade deste casal. A emoção e espontaneidade captada na foto é brutal!

 

12. 3 conselhos para os noivos…

Pesquisa… muita pesquisa, para encontrar os fornecedores à vossa medida e gostos.

Façam o planeamento do vosso casamento segundo os vossos gostos, não de terceiros…

No dia (ou antes) do casamento não cedam a pedidos absurdos dos fornecedores… divirtam-se e aproveitem verdadeiramente o dia, pois ele vai passar num ápice!

Mais um: contratos e facturas…

 

 

 

 

Mais 3!

 

O que vos inspira?

A arte em geral, moda, cinema, música, o Amor!

 

Como seria o casamento perfeito para fotografar?

Num sitio exótico, com um pôr do sol fantástico, seguido de uma festa animada com pessoas bonitas e divertidas. Uma festa íntima, bem decorada, com boa comida, com boa música, com poucos convidados, mas estes os mais importantes!

 

Qual é a parte melhor de ser um fotógrafo de casamentos?

Conhecer pessoas e locais diferentes todos os dias. Presenciar a felicidade e o amor em primeira mão. Fazer novos amigos para a vida!

 

 

Para contactar a Lounge Fotografia e falar com o Luís ou com a Marta, ligue para 224 003 616 ou envie um email.

A Lounge Fotografia é um fornecedor seleccionado do Simplesmente Branco. Para saber mais detalhes, consulte a sua ficha de fornecedor, arquivada em Fotografia.

 

Susana Pinto

Ana + Pedro: oh so stylish!

Bom dia!

Hoje trago-vos o casamento da Ana e do Pedro, fotografado pela Lounge Fotografia, um dos fornecedores seleccionados do Simplesmente Branco. Preparem-se para muito estilo e sorrisos deliciosos!

Let’s roll!

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Foi uma decisão a dois. Como já namorávamos há muitos anos, achamos que estava na altura de dar finalmente o passo. Embora o Pedro tenha feitos imensos pedidos de casamento durante o tempo de namoro, ora com uma prenda, ora com outra, levei sempre para a brincadeira, pois nunca me sentia totalmente preparada.

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Embora a ideia já andasse a ser cozinhada há algum tempo, apenas assumiu contornos reais em Março do ano passado. Queríamos que fosse ainda em 2010, mas surgiram algumas complicações, e tivemos que adiar um pouco mais. O que acabou por ser benéfico, pois deu-nos mais tempo para pensar e procurar várias soluções.

Contratar um espaço para a recepção foi a nossa 1ª prioridade, pois infelizmente o que mais gostamos raramente está disponível! Usámos quase sempre a internet, tanto na pesquisa como para posteriores contactos, com os fornecedores e profissionais da área. Os blogs e a pesquisa intensa na net, ajudaram-nos a alargar um pouco mais os horizontes e a tentar sair do “quadrado”.

Começámos a pedir orçamentos e a visitar espaços no final de Março e no início de Junho reservamos no Aqueduto para Abril de 2011. Em Setembro contactamos o padre que queríamos que celebrasse o nosso casamento. Por meados de Novembro e Dezembro, começamos a procurar um fotógrafo. Pedi uns 5 ou 6 orçamentos, mas bastou uma reunião para ficar decidido. Em Janeiro contratámos a animação, que à semelhança do fotografia, foi bastante fácil.

O vestido e fato do noivo só começaram a ser feitos em Fevereiro. Quanto à maquilhagem e ao penteado já estavam contratados desde Novembro, embora só tenha feito as provas uma semana antes.

Os convites, embora já andasse a pensar neles há muito tempo só ficaram prontos em Fevereiro, altura em que começaram a ser entregues. A maior parte foi rápido, dividimos esforços e cada um entregou à sua família.

Outros pormenores, como alianças, flores, viagem e acessórios deixámos para as últimas semanas.

 

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Tentamos criar um ambiente elegante, sóbrio e “clean” salpicado de romantismo, com apontamentos de luz e muitos brancos, aproveitando ao máximo o conceito “lounge” do Aqueduto, que escolhemos exactamente por causa disso. Tentamos que essa ideia fosse transversal a todo evento.

Era também muito importante para nós que as pessoas se divertissem e não se sentissem enfadadas, por isso centrámos os nossos esforços em procurar situações diferentes do habitual. Mesmo não fugindo muito à tradição para não chocar demasiado, penso que conseguimos esse efeito.

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

O “feito por nós” surgiu da forma como nos entregamos na preparação do dia, da conjugação de todos os pormenores, não deixando nada ao acaso, desde a escolha da ementa, flores, músicas, tentado que o dia fosse um reflexo daquilo que somos como pessoas e como casal.

 

 

 

 

Tiveste ajuda?
Sim, tivemos! Bastante até. Da família essencialmente.

Depois tivemos a felicidade ou a sorte, de escolher excelentes profissionais que nos transmitiram sempre muita confiança e segurança e que corresponderam sempre a todas as expectativas.

 

O que era o mais importante para ti?

Que o dia fossem memorável e que toda a gente se divertisse, incluindo nós.

 

 

 

E secundário?

Não estou a ver nada que fosse secundário, todos os pormenores embora parecessem ter menos peso, foram igualmente importantes.

 

Onde gastaste mais dinheiro?

No espaço, sem dúvida! E claro, na Lua-de-Mel.

 

 

Onde gastaste menos?

Nos convites, que fui eu que fiz e que gentilmente a gráfica me ofereceu a produção.

 

O que foi mais fácil?

O espaço. Depois de sair da reunião com a Cristina a primeira coisa que disse ao Pedro foi” É aqui que tem de ser! Não quero ver mais nada!”. Nem o facto de ser um pouco longe me incomodou minimamente (logo eu que queria uma quinta juntinho à Igreja!!). Foi daquelas situações em que estamos completamente seguros que vai correr bem. Tanto a Cristina como o Francisco são impecáveis, tratam de todos os pormenores, deixando-nos totalmente à vontade. É fantástico não ter de estar com aquele stress de ultima hora a tratar da decoração e das mesas, demasiado nervosos para desfrutar totalmente. Saber que podemos confiar nos outros, não tem preço.

 

O que foi mais difícil?

É difícil escolher, pois tivemos sempre muitas duvidas mas acho que foi mesmo a igreja. Deixámos até à última hora para decidir, o que atrasou a produção dos convites. Queríamos uma, depois queríamos outra! Enfim não nos decidíamos, e claro acabámos por deixar que outros decidissem por nós…na decisão pesou o facto de a poder decorar como queria.

 

 

O que te deu mais prazer criar?

O material gráfico, planear a decoração da igreja e ainda preparar e procurar acessórios para o Photobooth, que com a preciosa ajuda do Luís e da Cristina, acabou por resultar muito bem.

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Foi um pouco das duas coisas. Infelizmente, ou felizmente, é impossível não fazer cedências… Nunca tínhamos pensado realmente como gostaríamos de casar, mas gostamos de coisas simples e às vezes isso parece ser o mais difícil de conseguir! Fomos acertando os pontos, um com o outro, nem sempre o que eu queria era o que o Pedro queria e vice-versa. Depois há o factor família, e coisas que são irrealizáveis, ou porque não cabe na cabeça das pessoas ou por não estão ao nosso alcance financeiro. Mas bem vistas as coisas, acabou por correr melhor do que previa!

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial?

A cerimónia. O Padre João conseguiu prender toda a gente, tocar bem fundo em cada um de nós. Apesar de ser um momento solene conseguiu arrancar grandes sorrisos a todos!

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Poucas, muito poucas mesmo!

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

Aprendam a delegar tarefas, a confiar nos outros, torna-se tudo muito mais simples. Às vezes achamos que para ser perfeito tem de ser feito por nós… as ideias são nossas, sem duvida, mas se souberem explicar o que pretendem, de certeza que vai sair, quase, tão perfeito como se fossemos nós próprios a fazer!!

Com isso, descobri que as pessoas que mais nos chateiam, são muitas vezes, aquelas que mais se dispõem a ajudar, descobri ainda, que são também as que gostam mais de nós.

Pensem em tudo com amor e tentem sempre que as vossas opiniões se encontrem num ponto comum, para que no dia, irradiem harmonia.

 

 

Os nossos fornecedores:


Convites e materiais gráficos:  eu com a ajuda do espírito critico do Pedro!

Local e catering:  Aqueduto Eventos

Fato do noivo e acessórios: iD VALUES, Tailoring; sapatos Eureka

Vestido de noiva e sapatos: PRAF Colecções; Sapataria Fernando.

Anel de noivado, alianças e brincos: Ourivesaria Mário

adereços: anel, Lúcia Garcia

Maquilhagem: Paula Lage

Cabelos: Paula Lage

Flores: uma minha tia, que amavelmente se prestou a fazer o bouquet e a decorar a igreja!

Fotografia: Lounge Fotografia

Luzes, som e Dj: LSS e Bruno Soares (Saxofone)

 

Bom fim de semana!

 

Susana Pinto

And the winner is…

E a vencedora do give away da Lounge Fotografia, foi a Vânia Beliz, com esta frase:

“Quero muito esta sessão com a Lounge porque preciso eternizar para sempre a felicidade que existe pelo facto de o amar, assim, se um dia a minha memória me trair, quero reconhecer nestas fotografias o brilho de existirmos, para que um dia, no nosso “sempre”, possa admirá-las,  afagar as mãos do meu amor com cuidado, beijá-lo e dizer-lhe…Vês, eu não me esqueci de ti!”


Bem bonito e especial!

Parabéns à Vânia e o obrigado à Lounge.

 

Susana Pinto

Susana + Luis: Hot Pink!

Hoje deixo-vos com o casamento da Susana e do Luís, cheio de momentos emocionantes e detalhes hot pink!

 

 

Como foi o teu pedido de casamento?

 

Foi numa noite que é para nós muito especial.

Na Passagem de Ano é nosso costume fazer um jantar bem diferente e comemorar a entrada do novo ano a dois. Adoramos este ritual desde que estamos juntos (2007…!)

Apesar de algumas vezes ter sido tema de conversa casarmos, nunca foi nada que tivéssemos tornado “materialmente palpável”, pois já vivíamos juntos e surgia sempre a inevitável pergunta – casar para quê se tudo o que temos é o que sempre desejamos?

Foi ao início da noite de 31 de Dezembro de 2008 que a primeira rosa vermelha apareceu. Disse-me que era um mimo. Não estranhei, o Luis às vezes tem destas coisas. Quase à meia-noite, estávamos nós a preparar os derradeiros segundos para os tradicionais festejos, eis então que ele sai da sala e aparece com um ramo enorme de rosas vermelhas. Estava eu ainda meia atordoada com a surpresa, ele ajoelhou-se, tirou uma caixinha do bolso das calças e com um lindíssimo solitário na mão disse as palavras mágicas: ”Queres casar comigo?”

Depois desse momento tenho uma vaga ideia, tal fiquei toldada em emoção… ajoelhei-me, abracei-o e disse: Sim, sim, sim !!!!

E assim começamos 2009.

 

 

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

 

No início foi um pouco estranho. Acho que a grande parte das noivas sente-se muito perdida.

Montes de perguntas surgem na nossa cabeça como… onde vai ser o casamento? Qual o estilo de vestido que me fica bem? Como vão ser os convites?

Depois veio a fase da pesquisa na net!

Felizmente, hoje existe uma enorme panóplia de sites e fóruns dedicados a este tema e se por um lado fiquei mais descansada, pois encontrei muitas outras noivas solidárias e com as mesmas dúvidas existenciais, por outro fiquei aterrada ao descobrir que todas as minhas dúvidas iniciais eram básicas, pois existiam pormenores que nunca me tinham passado pela cabeça.

A agenda passou a ser a minha melhor amiga!

Definimos que o nosso casamento seria em 2010, mas não fomos fundamentalistas em datas.

Sendo a noiva tripeira e o noivo alfacinha, ambos a viver em Lisboa, surgiu a primeira dúvida… onde seria o casamento?

Após um “curso teórico-intensivo” via Web, foi a vez de passar à prática, já com ideias muito determinadas de quem queríamos contratar com os nossos fornecedores.

Definimos três pontos como muito importantes: o local, a fotografia e a música.

 

A nossa primeira dúvida rapidamente se desfez, quando encontramos o espaço ideal na Póvoa do Varzim. Vimos o site da Aqueduto Eventos e nele a materialização do tipo de casamento que desejávamos.

Um lugar ímpar e requintado, que foge aos conceitos tradicionais do mercado e que dá imensa importância ao pormenor.

Encontramos na Cristina e no Francisco, algo que vai muito mais além de um negócio.

Encontramos uma filosofia de vida e a realização pessoal de duas pessoas que adoram tornar inesquecível, um dos momentos mais importantes da vida de um casal.

Sendo um casamento civil, foi muito importante a escolha da sala dentro do espaço, de forma a tornar aquele acto formal em algo mágico e singular.

Após definição da data, passámos aos restantes fornecedores.

Grande parte desse trabalho foi efectuado por e-mail e telefone, uma vez que nem sempre foi possível deslocarmo-nos ao Porto, pelo que as reuniões foram para formalizar as nossas ideias.

 

Foi a abordagem natural e descontraída das fotos que prendeu a nossa atenção e que nos levou até o Luis e a Marta, da Lounge Fotografia.

A forma singular como captam os momentos e a intensidade que transmitem nas suas fotos, aguçou a nossa curiosidade.

Assim que os conhecemos tivemos certeza que o resultado ia ser perfeito.

 

A música é algo que está sempre presente em nossa casa.

O noivo (agora marido) adora tocar viola e guitarra eléctrica e em tempos teve as suas bandas.

Inevitavelmente, para o casamento, o padrão de qualidade era elevado.

Foi então que conhecemos o Ricardo Pereira.

Excelente profissional, extremamente disponível para concretizar todas as nossas ideias.

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

 

Não definimos nenhum tema, não queríamos “rotular” no nosso casamento.

Tínhamos uma certeza, queríamos um ambiente muito intimista.

Baseamo-nos em pormenores criados por nós.

Tudo começou com a criação do convite.

Transpusemos a ideia, as cores e alguns materiais usados do convite, como as fitas de cetim, o papel de parede e as borboletas, para os restantes elementos como a caixa de honra, uma moldura com uma foto nossa, os apontamentos nas mesas, as lembranças, o jornal, etc.

 

 

Tiveste ajuda?

 

Foi decisão conjunta, que iríamos empenharmo-nos em todos os pormenores.

Todas as tarefas foram divididas entre mim e o Luis e funcionamos como equipa.

Eu fiquei incumbida do lado criativo. Tinhas as ideias e fiz experiências na conjugação de materiais.

O Luis materializava as minhas ideias, com a mestria perfeccionista que só um virginiano consegue ter e a paciência que tantas vezes me falta.

Claro que também tivemos a preciosa ajuda da Cristina, que se encarregou da decoração do espaço, baseando-se nos detalhes que lhe transmitimos.

Na recta final, mobilizamos a família para ajudar nos últimos pormenores, entre eles, um importantíssimo que seria a minha entrada na Sala da Cerimónia, cantada ao vivo pela minha cunhada, Teresa Macedo.

Foi sem dúvida o momento tcharam do casamento!

 


 

O que era o mais importante para ti?

 

Muito mais que o vestido ou o fato, o que se tornou realmente relevante foi saber que aquele dia não seria só para nós, mas também para aqueles que mais amávamos, como um dia incomparável.

Queríamos contagia-los com a nossa felicidade.

 

 

E secundário?

 

Não posso dizer que houvesse algo que considerasse secundário.

Demos sempre tanta importância a tudo, que nunca relevamos nada para segundo plano.

 

 

Onde gastaste mais dinheiro?

 

Foi no evento, no próprio dia.

 

 

Onde gastaste menos?

 

Tive algumas simpáticas e importantes ofertas, feitas pelos pais e padrinhos, como o vestido, o ramo, a maquilhagem e a noite de núpcias.

 

 

O que foi mais fácil?

 

Escolher o local do casamento.

 

 

O que foi mais difícil?

 

Escolher as alianças.

 

 

O que te deu mais prazer criar?

 

Tudo deu-nos um imenso prazer em criar, mas fiquei muito emocionada quando vi o resultado final do convite e da caixa de honra.

 

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

 

100% a nossa cara!

 

 

Um pormenor especial?

 

Tenho mesmo de enumerar dois pormenores muito especiais: os meus lindos sapatinhos cor fucsia (ainda hoje me falam deles) e o nosso bolo de casamento.

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

 

Nada! Apenas desejava que aquele dia tivesse mais 24h.

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

 

Vivam o vosso dia em pleno.

Pleno de emoção, de alegria, pleno de momentos únicos, indescritíveis sensações e muitas lágrimas de felicidade, porque tudo o que irão ter no dia seguinte será uma doce lembrança.

 

 

 

Os nossos fornecedores:

 

Convites e materiais gráficos: fomos nós que fizemos

Local, catering: Aqueduto Eventos

Fato do noivo e acessórios: Enzo Romano

Vestido de noiva e sapatos: Fara Sposa e Haity Sapataria

Anel de noivado, alianças e brincos: Eternis, First Day, Swarovski

Maquilhagem: Liliana Ribeiro

Cabelos: Odete Cabeleireira

Flores: Manuela Rego

Lembranças para os convidados: pregadeiras feitas por mim para as senhoras, cigarrilhas Monte Cristo e um jornal do casamento.

Fotografia: Lounge Fotografia

Luzes, som e Dj –  Ricardo Pereira