Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento na Casa do Ribeirinho: Mariana + Miguel

Hoje trazemos um doce casamento na Casa do Ribeirinho: é o mais bonito dos dias da Mariana + Miguel, captado de forma talentosa pelo César Sousa, da We Love Film, nosso fornecedor seleccionado desde 2015!

Sintam-se contagiados pelo enorme e permanente sorrido da Mariana, e pela felicidade e alegria palpáveis nestes 3.16 minutos de imagens em movimento.

Festejemos o amor, a chegada da primavera e o Dia Mundial da Poesia: uma semana em cheio!

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Como ainda não vivíamos juntos na altura em que o “sim” foi dito, ansiávamos pela vida após o casamento do que propriamente a celebração do dia. À medida que íamos planeando a festa, sabíamos que queríamos a nossa família e amigos juntos, com muita música, risos, emoções fortes. Queríamos também que o ambiente fosse descontraído, informal e primaveril.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Mais do que preparados! Nunca mais chegava o dia, mas sim, as duas últimas semanas, principalmente os dois dias anteriores, sentimos muito stress. Não pelo compromisso que íamos fazer um com o outro, mas pelos elementos que faltavam terminar e outros tantos pormenores, alguns deles que só davam mesmo para tratar alguns dias antes. Como não tivemos wedding planer, tínhamos que ser nós a pensar em tudo. E chegou a um ponto que já não bastava que o dia fosse giro, queríamos que fosse perfeito.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Quando escolhemos o local da boda. Vimos vários (muitos!) locais e embora conseguíssemos adaptar as nossas ideias aos espaços, apenas na Casa do Ribeirinho é que houve um encaixe perfeito. Era mesmo aquilo que queríamos, como se tivessem conseguido tornar realidade o que estava só na nossa imaginação.

Ao tomarmos algumas decisões simples, como: o plano das mesas e como as decorar, que pratos e talheres preferíamos, a prova da comida, do bolo… coisas simples, mas foi aí que “caiu a ficha” e o entusiasmo crescia. This is it!

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Em retrospetiva, consideramos que as nossas ideias iniciais se mantiveram. Usamos muito o Pinterest e Instagram como inspiração. Ao passarmos as ideias à prática, procurámos ter em conta os nossos interesses pessoais, para tentar manter a nossa essência.

Tivemos imensa ajuda do responsável pela Casa do Ribeirinho, o Sr. João, que nunca nos disse “não” a nada! Mesmo quando achávamos que alguma ideia iria ser impossível de realizar, ele estava sempre pronto a dar alternativas e teve imensa paciência connosco. Eternamente ocupado, mas sempre disponível.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O mais importante para nós era que os nossos convidados se divertissem e que passassem um bom dia. O que tinha menos importância era seguir os protocolos tradicionais, o que queríamos era que tudo fluísse naturalmente.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

A preparação da celebração na igreja foi o mais fácil. O Miguel já participou e dinamizou várias celebrações de casamentos, o que facilitou quando se tratou do nosso. O mais difícil foi a seleção das músicas para alguns momentos da festa! Gostamos de tantas e de estilos tão diferentes… escolher apenas uma foi complicado.

A escolha do vestido também foi uma aventura, dava um livro!

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Foi a celebração na igreja. As palavras ditas, os textos escritos por nós, as músicas escolhidas e cantadas, e o envolvimento dos convidados connosco. Sentimos tudo!

 

E o pico de diversão?

Gargalhámos muito com as surpresas que nos fizeram (o jogo do sapato e o vídeo do Dr. do Amor – o labrador retriever do Miguel). Mas o momento de dançar é sempre sinónimo de diversão!

 

Um pormenor especial…

Um pormenor especial que nos deu prazer ao fazer… um “jogo” que criámos baseado no nosso convite. Em vez do típico “vamos casar” quisemos usar uma expressão caraterística portuguesa que servisse de sinónimo. Vamos dar o nó? Vamos juntar os trapinhos? Acabámos por escolher o último, com uma imagem alusiva à frase. Para o jogo voltámos a usá-la, ao desafiar os convidados a encontrar “os trapinhos”, espalhados pela casa do Ribeirinho.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Saboreiem o dia, sintam o momento, vivam a VOSSA história. Parece tão genérico, mas é tão isto.

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos e ofertas aos convidados: Abílio Vieira – publicidade, design e fotografia;

espaço para casamento, catering e decoração: Casa do Ribeirinho;

bolo: Physalis Cake;

fato do noivo e acessórios: fato e botões de punho Encanto; suspensórios Cortefiel, laço Blue River;

vestido de noiva e sapatos: vestido Bianco Evento, sapatos Aldo;

maquilhagem: Pretty Exquisite Consultoria de Imagem;

cabelos: Marisa Rocha Cabeleireiros;

bouquet de noiva e boutonnière: Isabel Castro Freitas Arte Floral;

fotografia: José Crispim Photography;

vídeo: We love Film – Wedding and Lifestyle Filmmakers;

luzes, som e Dj: Party & Sound – Produção e Animação de Eventos.

 

Marta Ramos

Can you love me most: um vídeo We Love Film

Aviso: este é, possivelmente, o vídeo com mais lágrimas que alguma vez publicámos no Simplesmente Branco. Por isso, lencinhos à mão antes de carregarem no play – acreditem em mim. O ponto alto será, provavelmente, a reacção do noivo à entrada da noiva na igreja… mas o que não falta são emoções fortes! O próprio César, videógrafo da We Love Film, avisa: «Nos preparativos notávamos que algo muito especial iria acontecer, já havia nessa altura muitas emoções à flor da pele. A cerimónia foi, possivelmente, a mais emotiva que presenciámos até hoje. Para completar este dia de forma perfeita, fomos abençoados com uma luz maravilhosa.»
A Laíssa e o Villy decidiram celebrar a sua união num casamento intimista, na presença da família e dos amigos mais próximos, e escolheram Portugal para o fazer. O nosso país tem um significado especial para o casal brasileiro, porque foi sinónimo de separação entre os dois, durante os seus estudos – e agora é o local que volta a uni-los.
Escolheram a encantadora vila de Cortegaça, à beira-mar, no concelho de Ovar, pela hospitalidade que ali sentiram e pelo encanto que neles exerceu a Igreja de Santa Marinha, com a sua história (que remonta ao século XII) e a sua beleza. O facto do aniversário da padroeira coincidir com o aniversário da noiva foi o último sinal de que precisaram para tomar a decisão.
Cortegaça tem, de facto, tudo: a imponência do Atlântico, o aconchego das pequenas vilas portuguesas, a magnificiência do verde no Parque Ambiental do Buçaquinho, a história. A dada altura, no filme, poderão ver a impressionante fachada da igreja, toda revestida por azulejos azuis e brancos, representando São Pedro e São Paulo, São João Bosco, São Francisco de Assis, o Coração de Jesus e o Coração de Maria. É belíssima, um exemplar distinto da tendência que, desde o século XIX, se manifestou de forma particular na região de Ovar, onde grande parte das fachadas dos edifícios foram revestidas por azulejos.
Já há algum tempo que não tínhamos notícias do César Sousa, por bons motivos, por isso hoje é com grande entusiasmo que vos trazemos esta publicação. Não deixem de ver outros trabalhos We Love Film já aqui publicados – e falem com o César, ele vai adorar ouvir-vos e filmar-vos.
Preparados? Vamos a isto!

 

Créditos:
vídeo: We Love Film
fotografia: Luis Efigénio Photography
cabelo: Vanessa Campos Hair,Make Up&ArtNails
maquilhagem: Pretty exquisite Image Consulting
véu: Miss Mano
vestido de noiva: Almerinda Maria
terço: Mayra Gaibar Terços Exclusivos
fato do noivo: Aramis Menswear
camisa do noivo: Ricardo Almeida
laço do noivo: Borboletas by Lis
sapatos da noiva: Schutz

Susana Pinto

À conversa com: We Love Film – filmes de casamento

Hoje conversamos demoradamente com o César Sousa, da We Love Film, filmes de casamento.

É sempre engraçado e interessante ver como os filmes de casamento primeiro se estranham, mas acabam sempre por ganhar lugar cativo junto dos profissionais de imagem. As emoções ganham sempre, por larga vantagem, e isso é muito bonito de assistir e guardar para os anos que virão.

No caso da We Love Film, não é excepção, e esse crescendo de apreço e validação é notório na conversa que tivémos.

Acompanhem o César nesta sua conversa sobre o que faz e porque o faz – vão gostar de certeza!

 

Procuramos sempre as coisas que não saltam à vista, que passam despercebidas e que são muito importantes. Procuramos sempre as emoções e a intensidade que os momentos nos oferecem.

 

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até aqui, ao video de casamento.

Pessoalmente, tive sempre um fascínio pela vertente criativa, formei-me em comunicação e publicidade, estagiei nas diferentes áreas, imprensa, rádio, mas no meu caso, foi na televisão que eu me apercebi que conseguia ter uma ligação maior à parte criativa. Aprendi imenso e foi a trabalhar com imagens em movimento que sempre me senti mais estimulado e realizado, e, profissionalmente, trabalhei alguns anos em televisão e também na área da formação. Os casamentos surgiram mais tarde, quando já existia a necessidade de apostar num projeto que tivesse totalmente a minha assinatura.

 

Há quanto tempo filma? E porquê casamentos?

Comecei a filmar profissionalmente em 2008, trabalhava principalmente com conteúdos ligados a lifestyle e vida urbana, os casamentos surgiram de uma forma caricata. Em audiovisuais sempre me desafiaram para filmar casamentos, no entanto na altura era algo que não achava interessante, principalmente porque rejeitava todos os estímulos e inspirações que me eram apresentados.

Com o passar do tempo e a própria evolução do mercado, fui descobrindo que existiam de facto profissionais que tinham um trabalho realmente bom, inicialmente comecei por me interessar pelo trabalho de colegas do estrangeiro, mas é engraçado (até porque hoje faço parte desta casa), foi no Simplesmente Branco que descobri que existiam Portugueses tão bons como os que via de fora do país. No entanto sempre disse que se o fizesse, faria da minha forma e desde o início fui sempre colocando uma pitada de coisas que são mesmo próprias da nossa assinatura. Em 2012 surgiu a possibilidade de filmar um casamento, a qual foi encarada como um desafio muito sério e também muito divertido, e a partir daí foi uma bola de neve que continua a rolar até hoje.

 

 

Como construíu a sua assinatura, o seu ponto de vista? Como é que o define?

No caso da We Love Film acho que a assinatura está sempre a ser construída, é algo em constante evolução, sempre que mostro um filme a um casal de noivos, explico que o deles não será assim, não só porque eles são pessoas diferentes que viverão o dia de forma diferente, mas também porque é sempre o nosso dever tentar criar algo novo e não fazer algo que se aproxime muito ao que já foi criado anteriormente.

Costumo dizer que somos o convidado mais atento, tentamos sempre encontrar no dia os momentos mais verdadeiros, as pequenas coisas que até podem escapar à primeira vista – o objetivo é sempre descobrir esses momentos, para que posteriormente possamos construir em filme a história do dia, da forma mais bonita possível.

 

Num casamento, para onde olha, o que lhe prende a atenção? O que procura?

Olhamos para a mãe que na altura da troca das alianças começou a chorar, olhamos para o menino que começou a correr pelo corredor enquanto se realizava a cerimónia, olhamos para a irmã que limpa as lágrimas do rosto escondendo a emoção, temos muita atenção aos primeiros cumprimentos após a cerimónia, que podem ser dos momentos mais verdadeiros e emotivos do dia todo. Olhamos para o cãozinho que também foi convidado para a festa e está por baixo da mesa dos noivos de volta dos seus pés enquanto estes cantam com os amigos e família. No fundo, procuramos sempre as coisas que não saltam à vista, que passam despercebidas e que são muito importantes. Procuramos sempre as emoções e a intensidade que os momentos nos oferecem.

 

O mais desafiante e mais difícil é saber que estamos a registar um dos dias mais importantes da vida de duas pessoas e que temos de dar o nosso melhor, o dia pode ser uma azáfama de eventos complicados, mas tecnicamente temos de estar no nosso melhor, atentos a todos acontecimentos e prontos a criar algo novo.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vai buscar inspiração?

Adoro cinema e existem filmes tão bons que parecem desenhados a regra e esquadro, a construção por vezes é tão boa que cada frame merece uma análise, no entanto é na publicidade e na área documental que vou buscar mais motivações, sempre foram das coisas que mais admirei e que mais me captaram a atenção.

 

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

”Desligar a ficha”, fazer um reset por vezes é complicado, mas para quem trabalha em áreas como a nossa, é imperativo. No meu caso o dolce fare niente por vezes é uma boa solução, o passar o tempo com a família ou mesmo uma tarde de com os amigos ajuda a esclarecer as ideias e limpar a cabeça. Para recarregar energias criativas, tento olhar para outras temáticas, fora dos casamentos, como referi anteriormente. Algo que pontualmente faço, é olhar para trás e analisar a nossa própria evolução, ver o que se fez e como se fez, por vezes procuramos soluções que já temos e nem damos conta.

 

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

A ligação acontece logo na primeira reunião, ainda que por vezes possa acontecer até nos primeiros contactos por telefone ou por e-mail. Quando estamos juntos presencialmente, sentimos o verdadeiro click, é importante deixar tudo esclarecido em relação à nossa abordagem e sobre o nosso trabalho, e quando percebemos que os noivos também partilham os nossos valores, as nossas motivações e que respeitam a nossa visão, é meio caminho andado para que o trabalho seja um sucesso.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gosta de registar?

Pessoalmente não existe um género de festa em concreto que tenha preferência por registar, gosto daquelas em que as pessoas são o seu eu mais verdadeiro, em que vivem o dia com intensidade e emoção, isso é tão bom e tão lindo de registar, que não há palavras para o descrever.

 

Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos? E o mais desafiante e difícil?

 Nos filmes de casamento encontrei algo que nunca tinha encontrado anteriormente: a gratidão das pessoas ao entregarmos o seu filme, é algo que por vezes me enche o coração. Noutras áreas, damos por concluído um trabalho e todos ficamos contentes, mas nos casamentos percebemos que de alguma forma o nosso trabalho foi importante para a vida de alguém, a somar a isso a forma como nos agradecem, é algo verdadeiramente fantástico. O mais desafiante e mais difícil é saber que estamos a registar um dos dias mais importantes da vida de duas pessoas e que temos de dar o nosso melhor, o dia pode ser uma azáfama de eventos complicados, mas tecnicamente temos de estar no nosso melhor, atentos a todos acontecimentos e prontos a criar algo novo.

 

 

Escolha um filme favorito do seu portfolio e conte-nos porquê:

Não consigo escolher um, para mim todos eles são importantes, todos eles me ajudaram a evoluir, de todos levo uma recordação para casa. Além de clientes faço novos amigos, registo a vida de pessoas, começo a fazer parte da vida delas e vice-versa, e essa é provavelmente a melhor parte desta aventura no mundo dos casamentos.

 

Os contactos detalhados We Love Film estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belos filmes, e contactem o César Sousa directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

Um casamento clássico e muito romântico: Vânia + Miguel

Sereno, delicado e muito romântico: é com o casamento clássico da Vânia + Miguel, em Guimarães, que fechamos esta semana. O vídeo bonito, bonito, foi captado pela We love Film e com eles esteve tambem a fotografar a dupla Um dia de sonho.

Há muitas maneiras de terminar a semana, mas esta é, temos a certeza, mais do que perfeita!

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Desde o início que imaginámos um casamento religioso, e um local com muita natureza e muito verde. O resto da imagem começou a formar-se ao consultar vários sites de casamento.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Estávamos preparados para dar este passo, já namorávamos há 11 anos e o casamento era algo que ansiávamos há algum tempo. Mesmo assim, foi um caminho com alguns nervos. Somos mais introvertidos, e pensar que no dia do casamento iríamos ser o centro das atenções, assustava-nos um pouco.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Quando fomos ao showroom do Parque da Penha e começámos a escolher todos os pormenores do dia. O Parque da Penha organiza um showroom maravilhoso, faz-nos sentir que já estamos no dia do casamento. Escolher todos os detalhes, desde os candeeiros, às cadeiras, tipo de mesas, flores, foi um momento muito especial, começámos a sentir aquele dia como nosso.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado era exatamente o que esperávamos, sinceramente acho que superou as nossas expetativas. O Parque da Penha ajudou-nos em tudo, todas as dúvidas, incertezas, estiveram sempre presentes.

Acertámos em todas as escolhas de fornecedores, foram sempre muito presentes, e o resultado final não poderia ser melhor.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental: escolher um bom fotógrafo e videógrafo.

Sem importância: diversões para os convidados durante o casamento e lembranças.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil, a escolha do local para o casamento.

O mais difícil, organizar o casamento com o noivo à distância. O Miguel está a trabalhar em Lisboa,  o que dificultou a organização e a tomada de algumas decisões.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

É difícil escolher apenas um momento, para nós os pontos altos do dia foram a cerimónia religiosa, os discursos dos pais e padrinhos, e o corte do bolo.

 

E o pico de diversão?

O baile, o Dj Motinha foi fabuloso. Os convidados estavam felizes, divertidos, e nós estávamos radiantes.

 

Um pormenor especial…

A Joana, irmã da noiva, tocou a música de entrada na igreja. Ela é estudante de música, toca violino. Foi um momento muito emocionante e especial.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Sinceramente não. Foi um dia perfeito, tal como sonhávamos

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

O dia do casamento passa tão rápido e deixa tantas saudades, por isso aconselho a aproveitarem bem todos os preparativos do casamento, a escolha dos detalhes, a escolha das músicas, todos os pormenores.

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, catering, bolo dos noivos, bouquet, decoração e espaço: Parque da Penha;

fato do noivo e acessórios: Massimo Dutti – Personal Tailoring;

vestido de noiva e sapatos: Vítor Dias, Atelier De Castro;

maquilhagem: Bernardo Diehl Lima;

cabelos: Unique Beauty Lounge;

fotografia: Um dia de sonho;

vídeo: We love film;

luzes, som e Dj: Dj Motinha.

 

Marta Ramos

We’ve come so far: um vídeo We Love Film

A Rute e o Diogo casaram no Porto e o seu dia foi muito elegante e emotivo – como já puderam ver no real wedding que publicámos há tempos, com imagens da  LOUNGE FOTOGRAFIA. Hoje trazemos-vos o vídeo da We Love Film, e o César Sousa conta-nos como foi ter lá estado: «Além de elegantes, bonitos e de terem construído um dia à sua imagem, são duas pessoas muito especiais, com um amor e uma forma de viver os momentos muito verdadeira. A Rute é uma pessoa querida e cheia de ternura, o Diogo um poço de energia e boa disposição, uma verdadeira dama e um verdadeiro cavalheiro. Foi um dia carregado de sorrisos, lágrimas, momentos felizes e, acima de tudo, verdadeiros. Foi um prazer acompanhar o processo para o seu grande dia e ter estado presente para o registar.»

 

 

O casal contou ainda com outros dois fornecedores SB no processo: a INVITE – MOMENTOS FELIZES tratou dos detalhes gráficos e a LSS – PRODUÇÃO DE EVENTOS animou a pista de dança. Por falar no processo, que conselhos têm a Rute e o Diogo para vos dar?

«Planeamento: Planear, planear, planear. Apesar do planeamento inicial sofrer, invariavelmente, mil alterações, é muito importante termos os aspectos gerais muito bem definidos na nossa cabeça, passando-os depois para o papel. Os esquemas ajudam sempre imenso…

Confiança: Confiarmos nas nossas escolhas e na nossa intuição é, sem dúvida, um dos pontos mais importantes. Só dessa forma conseguimos fazer um “check” definitivo num ponto e avançar para os seguintes.

Partilha: Trata-se de um dia único também para o noivo. É importante ouvir as expectativas do outro e encontrar um equilíbrio. Em conjunto as ideias fluem muito mais e as decisões tornam-se mais simples.

Serenidade: Para aproveitar ao máximo cada etapa e cada momento, principalmente porque o casamento é um processo super exigente, mas que passa a correr e que deixa imensas saudades…

Amor: Colocar todo o amor e dedicação na mais pequena tarefa. Quando damos o melhor de nós, só pode correr bem!

Tratando-se de um dia tão “nosso”, a tendência para gerirmos todos os processos é enorme. Teimamos em não delegar tarefas e a não aceitar ajuda (mesmo do outro membro do casal, neste caso, do noivo). E a verdade é que os amigos e a família são (e, no meu caso, foram) importantíssimos neste processo.

A família porque soube ouvir as ideias, os progressos e retrocessos e esteve sempre lá para apoiar e mimar. Os amigos por tudo isso e, ainda, porque nos ajudaram na concepção dos convites (obrigada, Joana Lopes), na decoração floral da igreja, nos últimos preparativos (cones de arroz, fitinhas para os carros), etc. Pequenos pormenores, mas que nos tiram preocupações da mente.»

 

Obrigada, Rute e Diogo! E, claro, agradecemos também ao César Sousa por nos trazer este vídeo tão fresquinho e doce. Não deixem de ver outros trabalhos We Love Film já aqui publicados – e falem com o César, ele vai adorar ouvir-vos e filmar-vos.

Susana Pinto

Casamento elegante no Porto: Rute + Diogo

Trazemos memórias de verão com um casamento elegante no Porto: é a festa da Rute + Diogo, elegantíssimos no seu fantástico dia!

Para a festa perfeita, os noivos empenharam-se convictamente no seu planeamento, como nos contam em detalhe, e contaram com uma bela lista de fornecedores seleccionados Simplesmente Branco: a Lounge Fotografia fez a fotografia, as meninas da Invite – Momentos Felizes trataram dos detalhes gráficos, a LSS – Produção de Eventos animou a pista de dança noite fora e a We Love Film tratou do vídeo.

Sem mais demoras, fiquem com este casamento elegante no Porto e leiam com atenção os conselhos finais: são óptimos!

Bom fim-de-semana.

 

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Imaginámos um dia concebido para nós a 100% e, também, para toda a nossa família e amigos. Sempre pensámos num casamento mais restrito e em que conseguíssemos dar atenção a todos os convidados, partilhando, verdadeiramente, o nosso dia com todos eles. O conseguir estar um pouquinho que fosse com todos, tornando-os ainda mais especiais no nosso dia, era essencial para nós.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

 Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Apesar de termos alguns receios, a preparação foi vivida com calma e segurança. Sentimo-nos sempre bastante certos das escolhas dos fornecedores, do que pretendíamos em relação ao espaço escolhido, à decoração, ao alinhamento do dia, etc.

Apesar disso, temos que admitir que os últimos dias, nomeadamente as duas semanas que antecedem o casamento, são de uma intensidade brutal. Até a mais segura das pessoas demonstrará, nesses dias, alguma ansiedade. Seja com o aproximar do dia, com alguma escolha que motive dúvida…  Este nervosismo faz, contudo, parte deste ritual de preparação e torna a chegada do grande dia ainda mais especial.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Sempre que pensávamos em algo, surgia a questão: “Será mesmo isto?”, “Será a opção certa?”. A dúvida é sempre algo que nos vai acompanhando durante o processo. Claro que existem processos mais fáceis e em que a decisão é imediata. Mas, mesmo assim, nos dias finais, a dúvida regressa sempre: “Será que escolhemos bem?”, “Será que vai resultar?”. O facto de se tratar de um dia irrepetível faz com que pensemos e repensemos os assuntos, isto, claro, até ao momento em que, perante os inúmeros dossiês e decisões em aberto, temos que colocar o sentido pragmático em acção.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Podemos dizer que o resultado final foi bastante fiel às nossas ideias iniciais. Existiram, naturalmente, alguns pormenores que “fugiram” àquilo que idealizámos. Pensámos, por exemplo, em realizar votos durante a cerimónia religiosa e, na última semana, não nos autorizaram a fazê-lo. Ficámos um bocadinho desanimados, mas aceitámos o “contratempo” e, hoje, percebemos que a cerimónia tem, além de um fio condutor, uma intensidade única só por si.

No que se refere à festa, tirando um ou outro aspecto, foi tudo concebido exatamente como tínhamos sonhado. Embarcámos, na última semana, na loucura de construir uma parede de origamis, que ficou “a meio,” tendo em conta as mil prioridades que tínhamos. Ainda assim, conseguimos ter, não uma parede, mas alguns “passarinhos” com a ajuda de alguns amigos e com os decoradores do Palácio.

Tratando-se de um dia tão “nosso”, a tendência para gerirmos todos os processos é enorme. Teimamos em não delegar tarefas e a não aceitar ajuda (mesmo do outro membro do casal, neste caso, do noivo). E a verdade é que os amigos e a família são (e, no meu caso, foram) importantíssimos neste processo. A família porque soube ouvir as ideias, os progressos e retrocessos e esteve sempre lá para apoiar e mimar. Os amigos por tudo isso e, ainda, porque nos ajudaram na conceção dos convites (obrigada Joana Lopes), na decoração floral da igreja, nos últimos preparativos (cones de arroz, fitinhas para os carros), etc. Pequenos pormenores, mas que nos tiram preocupações da mente.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Criarmos um dia especial e com o qual nos identificássemos. Foi, desde o primeiro dia, a nossa preocupação. Queríamos que a cerimónia tivesse uma música especial para nós, que a festa representasse a nossa essência e que espelhasse o nosso gosto pessoal – os tons claros, a luz ambiente, as velas, etc. Queríamos, ainda, que os nossos familiares e amigos soubessem que estavam a participar de um dia que havia sido preparado, não apenas para nós, mas também para eles.

A questão do carro, por exemplo, foi uma decisão um pouco mais acessória, mas ainda assim, algo que nos consumiu algum tempo de análise e decisão. Acho mesmo que, tratando-se de um dia tão importante, irrepetível, nenhuma noiva consegue ter um item na categoria “sem importância”.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

A escolha dos padrinhos, o conceito do dia, o estilo do vestido de noiva e do fato, as alianças… Estes aspectos essenciais estavam muito bem definidos. Claro que as inseguranças surgem e pensamos se tomamos a decisão certa e se era mesmo isso que pretendíamos. Mas, tirando algumas dúvidas existenciais, esses aspectos foram pacíficos.

A gestão do tempo foi o aspecto mais difícil, mesmo no nosso caso, que preparámos o casamento com alguma margem (cerca de 14 meses). O facto de sabermos que tínhamos um período razoável para planear os processos fez com que, no início, demorássemos imenso tempo a tomar qualquer decisão, o que acabou por nos desgastar em diversos momentos. Mesmo na entrega dos convites – em que tínhamos que gerir as nossas agendas com a dos convidados –, foi, uma vez mais, o factor tempo que nos causou mais stress. Nas semanas finais – em que temos imensos processos para finalizar, imensas reuniões, decisões para tomar, tudo isto a juntar aos compromissos profissionais – o stress atinge-nos de tal forma que é praticamente impossível impedir que as lágrimas de nervosismo apareçam.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Sem dúvida, a entrada na Igreja. Apesar de, no nosso caso, nos termos preparado no mesmo local (em divisões distintas, naturalmente), existe sempre aquele espaço de tempo (minutos apenas) em que estamos sozinhas e que pensamos: “É agora”. Fazemos todo o caminho até à Igreja a pensar no momento em que nos iremos encontrar no altar e, também, nas pessoas queridas que iremos vislumbrar nesse caminho. Apesar da curtíssima separação, é nesse momento que reencontramos a pessoa, aquela que aceitou partilhar a sua vida connosco… E isso é, sem dúvida, a melhor e mais intensa sensação, não só do dia, como da vida.

O momento em que nos dirigimos para o corte do bolo (e em que passámos, em conjunto, por todos os nossos amigos e família) e a mensagem surpresa preparada pelos nossos padrinhos foram, sem dúvida, outro dos momentos que mais nos marcaram e que guardamos com mais carinho no coração.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

E o pico de diversão?

Acho que não conseguimos eleger apenas um. O dia foi recheado de momentos divertidos: desde a preparação da parte da manhã – em que conseguimos reunir família e amigos –, até à abertura da pista. Ainda assim, acho que a nossa entrada na sala, imediatamente antes do momento do jantar, deverá ter sido um dos momentos mais engraçados. O facto de não termos preparado absolutamente nada tornou o momento espontâneo e muito divertido. Decidimos improvisar, dançar, interagir com os convidados… Que saudades…

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Um pormenor especial…

Tentámos que o nosso dia fosse “a nossa cara” e, por isso, empenhámo-nos em personalizá-lo em alguns aspectos, por exemplo com os origamis, com as placas que os meninos usaram na igreja ou mesmo com os vasinhos das lembranças, que foram preparados por nós nos dias anteriores.

Temos que destacar, contudo, o design floral, que estava perfeito e que fez toda a diferença; a mensagem criada para os sparkles: “Deixem o amor brilhar”, que os convidados adoraram e partilharam imenso nas redes socais; e, ainda, as polaroids. Todos os convidados conseguiram levar, assim, no final da noite, uma lembrança “sua”…

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Durante o processo, falávamos muito sobre como correria o dia. No dia seguinte, quando abordámos esse assunto, confessámos que o dia tinha sido ainda mais perfeito do que aquilo que tínhamos sonhado. Foi um dia único, o mais feliz das nossas vidas, com todos os pormenores previsíveis e imprevisíveis …

Olhando para trás, acho que, por vezes, a solução passa mesmo por simplificar. Para os noivos, e principalmente para a noiva, todos os pormenores são pensados e repensados, e isto quando falamos mesmo apenas de um pequeno pormenor. A verdade é que acabámos por nos desgastar com pormenores sem grande importância, ao invés de estarmos focados em nós e no nosso dia. Dito isto, acho que, se fosse hoje, decidiria ser apenas um pouco mais relaxada em alguns aspectos.

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Planeamento: Planear, planear, planear. Apesar do planeamento inicial sofrer, invariavelmente, mil alterações, é muito importante termos os aspectos gerais muito bem definidos na nossa cabeça, passando-os depois para o papel. Os esquemas ajudam sempre imenso…

Confiança: Confiarmos nas nossas escolhas e na nossa intuição é, sem dúvida, um dos pontos mais importantes. Só dessa forma conseguimos fazer um “check” definitivo num ponto e avançar para os seguintes.

Partilha: Trata-se de um dia único também para o noivo. É importante ouvir as expectativas do outro e encontrar um equilíbrio. Em conjunto as ideias fluem muito mais e as decisões tornam-se mais simples.

Serenidade: Para aproveitar ao máximo cada etapa e cada momento, principalmente porque o casamento é um processo super exigente, mas que passa a correr e que deixa imensas saudades…

Amor: Colocar todo o amor e dedicação na mais pequena tarefa. Quando damos o melhor de nós, só pode correr bem!

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Casamento elegante no Porto - Lounge Fotografia

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e ementas: conceito criativo da nossa querida amiga Joana Lopes e impressão gentilmente oferecida pela Vinil Forma;

marcadores de mesa e placa boas-vindas: Invite – Momentos Felizes;

sinalética dos pajens (entrada na igreja) e photoboth: Cor Púrpura;

local, catering e decoração: Palácio da Igreja Velha, em Famalicão;

bolo: Casa das Natas;

fato do noivo e acessórios: fato Gio Rodrigues, sapatos Aldo, boutonnière Rute Moreda;

vestido de noiva e sapatos: vestido Manuela Noivas, sapatos Haity;

maquilhagem: Patrícia Lima;

cabelos: Pedro Ferreira;

bouquet: Rute Moreda;

ofertas aos convidados: polaroids feitas pela Lounge Fotografia,  suculentas da Jardiland, com personalização feita por nós e lollipops chocolate da Chocolataria Equador;

fotografia: Lounge Fotografia;

vídeo: We Love Film;

luzes, som e Dj: LSS.

 

Marta Ramos

Dance me to the end of love, por We Love Film

Em Junho deste ano, os We Love Film subiram a Viana do Castelo para registar o casamento da Mariana e do Bruno. Viana é uma cidade mágica, brindada pelos poderes encantadores do seu triângulo natural – mar, rio e monte. Depois, há a importância histórica da cidade, que faz dela uma das nossas jóias da coroa: as suas origens remontam à Idade do Ferro, como confirma a Citânia erguida nessa altura no Monte de Santa Luzia, e o seu percurso, sempre em ligação com os mares, relata um conjunto de acontecimentos que fizeram dela um dos principais portos comerciais do país.

O Templo do Sagrado Coração de Jesus, é, sem dúvida, um dos seus monumentos mais conhecidos e emblemáticos. Lá do alto do Monte de Santa Luzia abarcamos uma paisagem absolutamente deslumbrante. O monumento em si também é particularmente fotogénico, claro; trata-se uma obra de 1898 de um dos arquitectos de maior projecção nacional e internacional à época, Miguel Ventura Terra, e um excelente exemplar da arquitectura revivalista. O pacote completo inclui a subida no funicular que vence um desnível de 160 metros. São cerca de sete minutos de absoluto espanto.
Ingredientes perfeitos para uma bela história de amor, não vos parece?

Conta-nos o César Sousa que o casamento da Mariana e do Bruno foi muito íntimo, na belíssima Pousada de Viana, e que houve um momento do dia que se repente se destacou e acabou por ser o protagonista do vídeo, pelo encanto, pela ternura, pela emoção.

Neste filme tudo gira à volta de uma dança entre os noivos. Para mim, que estive presente, foi um momento de magia entre os dois – o resto funciona como peças que encaixam no puzzle de um dia maravilhoso.

 

Não deixem de ver outros trabalhos dos We Love Film que já aqui publicámos; e falem com eles para começarem a planear a melhor maneira de capturar, para sempre, os momentos mágicos que brotarem no vosso dia.