Created with Sketch.
Susana Pinto

Ofertas solidárias aos convidados: Make-A-Wish

A Make-A-Wish é um dos nossos parceiros especiais: os projectos solidários e de carácter social que apoiamos, divulgamos e damos suporte dentro do grande assunto que é casar.

 

Uma das formas bonitas de agradecer aos vossos convidados é, na nossa óptica, fazer um donativo a uma instituição que seja próxima do vosso coração, e sugerimos o valor mágico de 1% do vosso orçamento alocado a este gesto.

 

Sabemos que a Make-A-Wish é um caso de sucesso e a simpática Marta Antunes põe-nos sempre a par das acções que vão sendo concretizadas, fruto da vossa generosidade e gentileza.

 

Diz-nos a Marta:

 

“As ocasiões especiais (casamentos, baptizados e aniversários) são uma área cada vez mais especial para a Make-A-Wish e que diariamente nos surpreende pela generosidade e “coração grande” dos que dedicam um momento do seu dia especial à realização de desejos de crianças Make-A-Wish. Muito Obrigada a todos!”

 

O desejo da Jandira, que está internada num hospital em Lisboa, era ir ao casamento da irmã, em Angola.

A Inês, voluntária desta missão conta-nos como foi:

 

“Foi muito muito muito especial o momento em que liguei à mãe da Jandira a contar que tinha boas notícias e que o desejo se ia realizar. A mãe da Jandira desatou a gritar e a chorar de gratidão. Foi mesmo incrível! A Jandira e a mãe não contaram à família que a Jandira ia, e, quando a viram, foi uma surpresa e alegria enormes.

Não tenho mesmo palavras! Acho que foi um dos desejos mais especiais que já realizei e o testemunho da Jandira emocionou-me! Só tenho a agradecer, tal como a Jandira e a Teresa (mãe) a toda a gente envolvida na realização deste desejo!”

 

Ofertas solidárias para os convidados: Make-a-Wish

Quando se imagina o casamento, idealizam-se as pessoas que são mais próximas e queridas.

Quando se planeia o casamento, incluem-se em todos os detalhes as pessoas que o vão partilhar e celebrar.

Quando se celebra o casamento, abraça-se a energia das pessoas que o partilham neste dia.

Quando se recorda o casamento, multiplica-se o amor pelas pessoas que estiveram connosco!

 

A Jandira ficou radiante e isso tem um impacto muito positivo na gestão da doença:

 

“Num dia eu tinha ido com a minha mãe para o hospital e uma educadora falou-me da Fundação Make-A-Wish. Eu fiquei muito feliz porque era uma oportunidade de eu poder realizar o meu desejo, que era ir para Angola ver o casamento da minha irmã. (…) Não deixei de acreditar que o meu desejo seria possível.

Chegou o esperado dia e aproveitei bastante com os meus familiares e amigos e aproveitei o casamento da minha irmã que foi muito lindo.

Agradeço de coração à Fundação Make-A-Wish pela oportunidade, sem dúvida que nunca irei esquecer.”

 

A Make-A-Wish tem por missão a realização de desejos a crianças e jovens, entre os 3 até aos 17 anos, em todo o território nacional, com doenças graves, progressivas, degenerativas ou malignas, proporcionando-lhes um momento de força, alegria e esperança.

O vosso suporte financeiro a esta causa tem um impacto imenso, como se vê.

 

Falem com a Marta Antunes para saber todos os detalhes, como se podem envolver e dar suporte a quem precisa. E não se esqueçam da nossa sugestão: 1% do vosso orçamento, seja ele gordo ou frugal. Gestos bonitos estão ao vosso alcance!

Susana Pinto

À conversa com: Monte do Ramalho – espaço para casamentos no Alentejo

Escolher o espaço para casamento deverá estar, nesta altura, no topo da vossa lista de tarefas, por isso, nada mais apropriado do que nos sentarmos à conversa com a Manuela Estevinha, do Monte do Ramalho, um espaço para casamentos no coração dourado e manso do Alentejo.

Há qualquer coisa de muito mágico nesta paisagem sossegada, no calor que sobe do chão e no céu estrelado que não tem fim. O Monte do Ramalho mantém essa pureza natural, sem deixar de estar totalmente preparado para receber uma bela festa – a vossa!

Deixem-se encantar!

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Contem-nos um bocadinho do vosso percurso, como vieram parar ao universo dos casamentos?

Éramos apenas uma quinta de turismo rural, quando em 2013 fomos descobertos por um casal, ela de Lisboa e ele de Itália. Adoraram o espaço e principalmente o facto de nunca termos tido nenhum casamento, foram os nossos primeiros noivos. O evento aconteceu em Junho de 2014, totalmente ao ar livre, com a nossa iluminação de arraial e mesas corridas, tudo no exterior. Não tínhamos espaço para plano B e felizmente o bom tempo ajudou. Ainda no mesmo ano, recebemos outro casamento no início de Setembro, e para que se pudesse realizar, fizemos obras numa das nossas salas, porque a existência de um plano B era condição para que o nosso espaço fosse escolhido. Foi também nesta data que o colocámos em prática, choveu torrencialmente no dia do casamento. Em 2015 voltámos a fazer obras no espaço para podermos receber os casamentos com melhores condições, e desde aí até agora, temos vimos em crescendo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

A imagem de marca do Monte do Ramalho é, na minha opinião, um estilo rústico, descontraído e romântico. Concordam com esta definição?

Totalmente. E pudemos ainda acrescentar: puro e genuíno.

 

Esta assinatura faz parte do ADN do espaço, ou é algo que escolheram como tendência e tema para este ano? Porquê?

Faz parte do ADN do espaço, não fizemos nenhuma alteração ao que já existia. É a simplicidade que o torna diferente dos demais. A nossa praia é um olival a perder de vista, devemos ser dos poucos que nos podemos orgulhar disso!

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

São apenas fait-divers, acompanhamos as tendências mas deixamos este assunto nas mãos dos demais.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como querem que o vosso espaço e trabalho sejam mostrados e vividos, ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que vos interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Não buscamos. Procuramos manter o espaço tal e qual como é. As tendências vêm com os nossos noivos e fornecedores por eles escolhidos.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Não temos fadiga criativa, temos apenas fadiga mental! Refrescamos a mente e o olhar em cada novo casamento que acolhemos no nosso espaço.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação aos vossos clientes?

Para além da importância que tem o nosso espaço e da preocupação que temos em mante-lo o mais natural possível, acompanhamos e ajudamos os nossos noivos a concretizarem o seu dia especial, deixando-os sonhar.

 

Qual foi o casamento em que mais gostaram de trabalhar? Porquê?

Todos são diferentes, relembramos um em que o plano B foi accionado duas horas antes do início da cerimónia. Também, de certa forma, os casamentos religiosos, porque são realizados ao ar livre e têm todo um ambiente especial.

 

Escolham uma imagem favorita do seu portfolio e contem-nos porquê:

A escolha foi difícil, no entanto escolhemos uma imagem das mesas colocadas para o jantar no exterior debaixo das nossas amoreiras. A imagem lembra as maravilhosas noites de verão que temos no Alentejo, sob um céu estrelado.

 

 

Este sítio deixa-me sempre a suspirar…! Espreitem os casamentos bonitos que aconteceram no Monte do Ramalho, e se ficarem a suspirar como eu, não deixem de fazer uma visita!

 

Os contactos detalhados do Monte do Ramalho estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Manuela Estevinha directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

Este é o vosso dia: fotografia de casamento de Denis Erroyaux

Denis Erroyaux, o nosso fotógrafo de hoje, nasceu em Charleroi, Bélgica, e divide o seu tempo entre Lisboa e Bruxelas. Gosta de ver os filhos a brincar, de fazer palhaçadas com Aurélie, a sua mulher, e de fotografar casamentos. Para isso, criou a marca Thisisyourday, que apresenta assim: «É estar em todo o lado e ser invisível ao mesmo tempo, ser empático mas manter a distância, capturar o efémero. Acima de tudo, é possibilitar o reviver o infinito de momentos felizes. É o meu trabalho, a minha paixão, o que me define.»

Para ilustrar o seu trabalho, escolhemos o mais bonito dos dias da Filipa + Pedro, que aconteceu em Alenquer.

 

O Denis conta-nos como aconteceu:

“Este dia começou em Alenquer, no meio de uma diversidade de tons de verde: as trepadeiras nas paredes da casa, as vinhas em redor, os ciprestes na paisagem. Neste cenário viçoso, a Filipa e o Pedro encontraram o lugar acolhedor e ideal para celebrar o seu casamento.

Inspirados pela paisagem, idealizaram um casamento ao ar livre, decorado com flores silvestres em tons quentes e texturas diferentes, para que tudo estivesse em sintonia com a natureza. A decoração também seguiu a mesma inspiração, em tons pasteis e com um design minimalista, feita pelos noivos, o que os fez com que todos se sentissem em casa.

O dia mágico que a Filipa e o Pedro imaginaram aconteceu exactamente assim, perfeito.”

 

Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day Fotógrafo de casamento em Lisboa: Denis Erroyaux, This is your day

Especial, não é?

Espreitem o trabalho do Denis Erroyaux com mais detalhe e entrem em contacto com ele, se gostarem. This is your day e ele estará lá para vocês!

Susana Pinto

Dicas para casar: procedimentos legais para casar

Hoje, nas nossas habituais dicas para casar (sempre à segunda-feira), falamos de um assunto aborrecido, mas fundamental: os procedimentos legais para casar.

A parte da burocracia é, seguramente, a menos romântica e entusiasmante em toda a viagem para o grande dia, mas por ser a parte mais séria, não deve, nunca, ser deixada para segundo plano ou ser tratada de ânimo leve, como tudo o que diz respeito aos assuntos legais.

Perante o estado, o casamento é “um contrato celebrado entre duas pessoas que querem constituir família e partilhar a vida. Este contrato define direitos e deveres para ambas as pessoas e altera o seu estado civil, tornando-as casadas. O casamento só acaba por divórcio ou por morte de uma das pessoas.”

Em Portugal, os dois tipos de união mais frequentes são o casamento civil e o casamento católico – mas desde 2007 que está prevista na lei a modalidade de casamento civil sob a forma religiosa, que reconhece, no âmbito da lei de liberdade religiosa, as uniões celebradas em (para já) sete grupos religiosos radicados em Portugal: Comunidade Judaica de Lisboa, Comunidade Islâmica de Lisboa, Aliança Evangélica Portuguesa, Comunidade Bahá”í, União Adventista, Centro Cristão Vida Abundante e Assembleia de Deus de Viseu.

Vamos, então, debruçar-nos sobre estes três processos e os passos necessários a cada um. Convido-vos, desde já, a passarem os olhos pelo bem organizado Portal do Cidadão, onde podem consultar informação detalhada sobre este assunto.

Perante o estado, o casamento é “um contrato celebrado entre duas pessoas que querem constituir família e partilhar a vida. Este contrato define direitos e deveres para ambas as pessoas e altera o seu estado civil, tornando-as casadas. O casamento só acaba por divórcio ou por morte de uma das pessoas.”

 

Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares

E em relação a custos, quanto custa casar em Portugal?

O registo de casamento custa 120 euros, feito na Conservatória, no seu horário de expediente. Se for num dia de semana, num fim-de-semana ou feriado, fora da Conservatória, ou na Conservatória, mas fora do horário habitual de funcionamento, o custo do registo de casamento passa para 200 euros.

 

Falemos agora do regime de bens e convenções antenupciais, cuja alteração à norma também implica alguns custos.

Quando duas pessoas se casam, podem escolher se passam a ter património em comum ou se cada membro do casal mantém o seu património separado. O regime de bens é o conjunto de regras que determina o que passa a pertencer ao casal e o que pertence a cada uma das pessoas durante o casamento e quando este chegar ao fim.

A norma em Portugal, aplicada automaticamente, é a comunhão de adquiridos. Existem, também, outras escolhas: separação de bens e comunhão geral de bens. Para estas duas opções, é necessário fazer uma convenção antenupcial que regula de forma legal a propriedade dos bens existentes e futuros, e o seu custo é 100 euros.

Existe também uma terceira opção, que deriva das anteriores, que é a criação de um regime específico definido pelo casal, e, nesse caso, o custo é de 160 euros.

 

Resumindo, casar, da forma mais simples e menos romântica, custa 120 euros. Com opções legais adicionais, custará até 310 euros e a deslocação do Conservador.
O resto do custo é a vossa festa de sonho e, no caso de disporem de um orçamento curtíssimo, tudo isto pode ser vivido e experienciado em dois momentos diferentes da vossa vida, por isso não deixem de cumprir a parte legal do vosso sonho pelo custo financeiro da festa!

 

Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares

Falámos dos números, vamos agora aos timings e procedimentos: os papéis devem ser tratados com três meses de antecedência, no mínimo, e seis meses, no máximo. Se casam em Junho, por exemplo, dediquem-se a este assunto entre Janeiro e Março.

 

Se escolheram o casamento civil, tudo o que há a tratar é entre vocês e o Registo Civil. Terão que se deslocar (ambos!) a uma Conservatória à vossa escolha, e declarar a vossa intenção de casar na data que escolherem. Há alternativas à deslocação física, caso estejam fora do país ou não tenham disponibilidade compatível com o horário de funcionamento: podem fazer-se representar por alguém com uma procuração legal para o efeito, ou recorrer ao serviço online (deverão ter convosco os cartões de cidadão e o respectivo leitor de cartões).

No caso de um dos noivos ser de nacionalidade estrangeira, deverá ser portador do certificado de capacidade matrimonial, emitido pelas autoridades competentes do seu país há menos de seis meses. Caso residam em Portugal, poderão obtê-lo contactando a Embaixada ou o Consulado do país de origem.

Neste passo, é fundamental terem já definida a data, o local e o regime de casamento que irão escolher. O casamento civil poderá ser celebrado nas Conservatórias do Registo Civil ou em qualquer outro local à vossa escolha, desde que seja um espaço acessível ao público. O dia e a hora não deverão ter impedimentos de maior, mas é fundamental estarem alinhados com a própria agenda da Conservatória – haverá certamente dias e horas mais concorridos, tenham esse detalhe em conta!

 

Assumindo que a vossa documentação está em ordem e não existem impedimentos legais ao vosso casamento, a Conservatória emite o despacho de autorização e têm, a partir dessa data, seis meses para casar. Se houver algum atraso, o despacho perde validade e terão que começar tudo do início, por isso mantenham a vossa agenda e lista de tarefas actualizada e não de distraiam.

No mais bonito dos dias, caso se trate de um elopement, podem estar apenas os dois – já não é obrigatória a presença de testemunhas. Mas podem ter as vossas pessoas convosco (entre duas e quatro), na mesma: serão os vossos “padrinhos” e”madrinhas” e assinarão os documentos convosco. Se for este o vosso plano, não se esqueçam de o referir atempadamente na Conservatória. Os vossos acompanhantes não se podem esquecer de ter consigo o Cartão de Cidadão!

Seja um casamento a dois ou festejado com 200 convivas, terão de dar o nó num espaço acessível, de portas abertas, para que qualquer pessoa possa assistir ao acto. Feitas as assinaturas, muitos parabéns: são oficialmente marido e mulher!

 

Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares Casamento na Pousada de Amares

Se optarem pelo casamento católico ou civil sob a forma religiosa, os procedimentos legais são ligeiramente diferentes, mas não muito.

A parte burocrática da Conservatória mantém-se, mas a entidade religiosa passa a ser um parceiro na equação. Sugerimos que falem primeiro com o pároco ou ministro do culto da vossa igreja, congregação ou comunidade religiosa, porque é comum (mas não obrigatório) serem as igrejas ou as comunidades religiosas a interceder junto das Conservatórias, mediante um requerimento próprio, para dar início ao processo. Se for este o caso, a Conservatória remete posteriormente à igreja ou comunidade religiosa o despacho de autorização. Em paralelo desenrolar-se-ão os procedimentos próprios de cada fé, sobre os quais deverão igualmente informar-se com tempo.

 

Se forem vocês a iniciar o processo na Conservatória, aguardem pela emissão do despacho de autorização, que deverão entregar na igreja ou comunidade religiosa. Não deixem de perguntar ao pároco ou ministro responsáveis qual a antecedência com que terão que apresentar este documento relativamente à data do casamento, é importante.

A união civil só será efectivada no dia do casamento religioso propriamente dito, mediante as assinaturas no final da cerimónia. Esse documento deverá ser posteriormente remetido pela igreja ou comunidade religiosa à Conservatória competente, mas não deixem de esclarecer e confirmar este detalhe, não vá dar-se o caso de ser da vossa responsabilidade.

 

Os respectivos cartões de cidadão têm de ser actualizados: se mudam apenas o estado civil, a actualização é automática e não têm que fazer mais nada, mas se há alterações de nome ou morada, deverão fazê-lo num prazo de 15 dias. E não se esqueçam dos restantes documentos: carta de condução, documento único automóvel, cartão de eleitor, passaporte e todos os vossos documentos oficiais.

 

É, de facto, uma nova vida que começa, vamos celebrá-la!

 

Acompanhem as nossas dicas para casar, sempre à segunda-feira. Queremos ajudar-vos a navegar a viagem até ao mais bonito dos dias, reunindo e partilhando bons conselhos, ideias frescas e muito sentido prático, real e experiente. Ainda assim, deixamos esta sugestão muito importante: não nos tomem como verdade absoluta e consultem sempre os vossos especialistas para cada categoria, sobretudo nestes assuntos legais.

Saber é poder, dizemo-lo sempre, e queremos os nossos noivos sempre bem informados e com conselhos fundamentados. A última decisão, sobre qualquer assunto, é só vossa!

 

O casamento bonito da Ana + Pedro, na Pousada de Amares, tem dedo da Romã Eventos e já o publicámos aqui: vamos revê-lo?

 

Susana Pinto

Bolo dos noivos, sapatos de noiva e um belo bouquet: um trio perfeito!

Para o nosso trio de bolo dos noivos, bouquet de noiva e sapatos de noiva de hoje, escolhemos arriscar: um par de botas em pele até meio da coxa (totalmente tendência para a estação), num tom de verde esmeralda! Ora isto é uma escolha valente, com muito punch, pelas razões óbvias!

 

Assumo desde já o risco: sim, são botas e, claro, esta escolha só faz sentido para um casamento que aconteça entre hoje e Fevereiro. Também só faz sentido para meninas que tenham um estilo muito próprio e uma personalidade forte, porque uma escolha assim arrojada tem de ser acompanhada de uma confiança à prova de bala. E, para fechar a argumentação, estas botas exigem o vestido com o modelo certo, igualmente invernoso e vagamento inspirado nos seventies – tecidos densos, mangas compridas, como este Roksanda, este Valentino ou este BHLDN.

 

Seguimos para o bolo dos noivos, inesperado! Três andares com cobertura de pasta de açúcar no mais delicado tom de rosa blush e decoração feita com um drapeado de uma outra folha de pasta de açúcar, como se esvoaçasse. É mesmo bonito e muito contemporâneo e minimalista: apenas movimento e cor.

 

Fechamos com um bouquet de noiva orgânico, feito de muitos verdes, ranúnculos e heleborus, uma das minhas flores de eleição, com a sua paleta de cores que varia do verde ao beringela tão escuro que quase parece misteriosamente negro!

 

Bolo dos noivos rosa blush

Sapatos de noiva verde esmeralda Bouquet de noiva orgânico com verdes, ranúnculos e heleborus

Acredito que numa primeira impressão, este trio de escolhas possa parecer uma maluqueira, mas no cenário certo, garanto-vos, bate tudo certinho!

 

De cima para baixo, bolo dos noivos coberto e decorado com pasta de açúcar em tons de rosa blush, de Nobody hates Cake; botas tigh high em camurça verde esmeralda, da Zara, por 149 euros; bouquet de noiva orgânico em tons de verde, blush e branco, com ranúnculos, heleborus e muita folhagem, de Sabine Darrall.

 

Para acompanhar estes nossos trios perfeitos que publicamos todos os domingos, basta que sigam as nossas etiquetas (a partir da homepage) ou aqui no topo do artigo: sapatos e sunday shoes; cake! e bolo; bouquet e um belo bouquet.

Bom domingo!

Susana Pinto

Casamento na Quinta da Pacheca: Vanessa + Christian, por Pedro Filipe Fotografia

Hoje temos um casamento na Quinta da Pacheca, com uma gloriosa vista para o Douro, fotografado pelo Pedro Filipe Fotografia.

É o mais bonito dos dias da Vanessa + Christian, juntamente com os seus amigos e famílias além fronteiras, que escolheram Portugal para celebrar.

Juntam-se a nós? Bom fim-de-semana!

 

Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia

Quando a resposta foi “sim!”, a Vanessa e o Christian imaginaram uma grande festa, rodeados das suas pessoas mais queridas, família e amigos.

Sentiam-se totalmente preparados para celebrar o mais bonito dos dias e, por isso, o caminho até lá foi feito com tempo, calma e muito poucos nervos.

Como noiva, a Vanessa conseguiu concretizar tudo como queria e planeou: contou com a ajuda preciosa das suas fadas madrinhas ajudantes, a mãe e a prima, que também foi dama de honor.

 

Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia

Para este casal, o mais importante era usufruir ao máximo deste dia único e tão especial, e a postura calma e tranquila como puseram todos os seus planos em marcha foi fundamental para que tudo corresse como esperado, e em sintonia com a celebração que tinham em mente. Estando fora do país, o desafio dos preparativos foi um pouco maior e mais trabalhoso, mas, com o suporte precioso das suas pessoas do coração, levaram a bom porto e de forma serena, os seus planos.

 

Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia

O pico sentimental das celebrações aconteceu durante a cerimónia, quando os noivos se viram mutuamente, quando pronunciaram os seus votos e quando ouviram as palavras dos seus familiares. É um turbilhão de emoções, de muito amor partilhado e mais do que isso, verbalizado em alto e bom som, validado, perante todas as pessoas que são importantes na sua vida. E que bonito isto é, verdade?

 

O momento mais divertido, porque todas as tensões e nervos já se dissiparam, foi a primeira dança, enquanto casal, a abrir a pista – é sempre uma ocasião especial, a dois, olhos nos olhos, em que tudo o que está à nossa volta simplesmente desaparece e são só os dois e a sua música, absolutamente romântica ou totalmente divertida!

 

Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia Casamento na Quinta da Pacheca, fotografado por Pedro Filipe Fotografia

A Vanessa partilha connosco dois conselhos importantes, reflexo do que sentiu na organização do seu casamento e no decorrer do próprio dia, tomem nota:

 

“Planeiem com muita antecedência, para que não hajam nervos de maior e tudo corra com tranquilidade, para no dia desfrutarem sem preocupações, até porque já não há nada a mudar. Quanto mais seguros estiverem das vossas decisões (e essa segurança vem da tomada de decisões ponderada e com tempo), menos solavancos irão existir.

 

Peçam conselho ao vosso fotógrafo sobre a dinâmica do dia de casamento e conversem com ele sobre as vossas expectativas no que diz respeito ao registo fotográfico das pessoas presentes. Haverá momentos e pessoas que estão garantidos na habitual rotina de um profissional, mas poderá haver outros que só os noivos sabem quem são. Façam a vossa lista e cruzem-na com a lista do fotógrafo, assegurem-se que todas as pessoas que são importantes estão lá enumeradas e certifiquem-se que alguém (a vossa madrinha, por exemplo) faz as apresentações – vocês estarão completamente assoberbados de amor e abraços e não vão querer perder estes momentos!”

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

espaço de casamento, decoração, catering e bolo dos noivos: Quinta da Pacheca;

fato do noivo e acessórios: Hugo Boss;

vestido de noiva e sapatos: Pronovias;

maquilhagem: Ruben (amigo de família);

cabelos: Alfredo Oficina do Cabelo;

bouquet de noiva: O filho da Rosa;

fotografia e vídeo: Pedro Filipe Fotografia;

luzes, som e Dj: Feedback Produções.

 

Susana Pinto

A pensar no vestido de noiva?

Quem já está a pensar comprar o vestido de noiva, ponha o dedo no ar!

Ora muito bem – agendámos para daqui a umas semanas um especial Dicas para Casar só sobre este assunto, mas, até lá, quero começar já a deixar-vos algumas pistas valiosas sobre este assunto tão especial.

 

Comprar um vestido de noiva é um investimento financeiro generoso, mas também muito emocional – faz parte dos sonhos de muitas meninas e de muitas mães, e a sua escolha tem um contexto todo ele muito especial: soma aspirações, números, opiniões, desejos, projecções e muitas emoções.

Há que respirar fundo, disfrutar da experiência e escolher bem – o que está dentro do orçamento, o que nos fica bem, o que é confortável e o que nos faz sorrir de forma instantânea.

 

Ora eu não sou a pessoa mais indicada para falar sobre este assunto, porque nunca sonhei casar-me de vestido (já uma blusa e uma saia ou uma blusa e umas calças…). Adoro conhecer os designers, adoro ver de perto como um vestido é feito, apreciar os materiais e a mestria do desenho, mas sou pouco sensível à emoção que carrega, porque sou muito pouco dada a vestidos!

Mas não há que temer, porque eu sei quem são as pessoas certas para vos dar os melhores conselhos e as perguntas importantes a fazer –  a Sara Silva, da Vestidus, sabe muito sobre este assunto, e foi com ela que falei.

A Sara, juntamente com a Conceição, atende e acompanha noivas na sua loja há mais de dez anos e, por isso, conhece bem os nervos, os processos de decisão, as dúvidas, as perguntas e, sobretudo, as respostas sábias capazes de acalmar qualquer menina.

 

Como comprar o vestido de noiva? Dicas da Vestidus Atelier. Como comprar o vestido de noiva? Dicas da Vestidus Atelier. Como comprar o vestido de noiva? Dicas da Vestidus Atelier.

Qual é a melhor altura para começar a procurar o vestido de noiva?

O ideal é escolher o vestido de noiva com cerca de oito a nove meses de antecedência. Pode parecer muito tempo, mas a verdade é que, por norma, o prazo de entrega do vestido após a encomenda está entre cinco a seis meses. A maioria das fábricas fecha entre Dezembro e Janeiro, pelo que no início do ano os prazos para entrega aumentam para seis a sete meses. Os meses que sobram até à data do casamento devem ser reservados para ajustes ou qualquer alteração que seja necessária fazer no vestido.

 

Três perguntas que a noiva não deve deixar de fazer…

Faça todas as perguntas que achar necessárias para se sentir confortável e confiante com a escolha que está a fazer. O vestido é uma parte muito importante do ser noiva, mas ainda mais importante é a relação que se estabelece com a loja ou atelier. São essas as pessoas que vão estar consigo durante meses e que a vão ajudar para que tudo fique perfeito.

Estas são algumas sugestões relevantes:

 

1) Estou a comprar um vestido novo ou este que estou a experimentar aqui na loja?

É importante que fique claro se vai ficar com um vestido de prova ou se o seu modelo vai ser encomendado. Muitas vezes as lojas fazem descontos em modelos descontinuados de coleções anteriores. Quase sempre são vestidos que são mantidos impecavelmente e cujo o preço, por ser um modelo da estação anterior, fica mais acessível.

Essa é uma decisão que deve ser só sua. Se não se sente confortável em ficar com um vestido de prova, tem esse direito e deve ser respeitado pela loja onde o vai comprar.

 

2) O preço do vestido inclui taxas e arranjos?

É importante confirmar se o preço do vestido inclui, ou não, os ajustes, para que não haja surpresas no final. Mesmo encomendando o seu tamanho, é natural que seja necessário fazer pequenos acertos, como a bainha, por exemplo. Se esses acertos ou mesmo alterações estão contemplados no preço final do vestido, cabe à loja decidir e informá-la.

 

3.) E se eu mudar de ideias ou se o casamento não se realizar?

Um bom fornecedor está consigo nos bons momentos e nos menos bons. Confirme com a loja a política de cancelamentos e devoluções: o que acontece no caso de desistir da encomenda do vestido de noiva, se o valor que deixou como depósito é reembolsável ou não.

 

É boa ideia experimentar um vestido que está acima do meu orçamento?

Não recomendamos, sobretudo se a diferença entre o preço do vestido e o valor do orçamento forem díspares. Se experimentar um vestido acima do orçamento e se ele for “o tal” vai tornar a busca de um vestido alternativo muito mais difícil. Há diferenças entre materiais, corte e estrutura entre os vestidos mais acessíveis e outros de gama mais alta, e isso é incontornável. Recomendamos que não o faça, a dose de frustração será grande e má conselheira, não é nada disso que se quer neste processo.

 

Quando devo fazer a última prova?

A data da última prova pode depender de vários factores e é sempre importante coordenar com a loja, em especial se costuma ter oscilações de peso, se o vestido sofreu muitas alterações face ao modelo inicial, se vai casar grávida, ou se vai ter de viajar para o local do casamento, por exemplo. Fazer a última prova duas semanas antes do casamento permite gerir estas oscilações e corrigir algum imprevisto que surja antes da entrega.

 

Como e quando devo levar o meu vestido para casa e como devo acondicioná-lo?

Sugerimos que leve o vestido na semana antes do casamento, nunca na véspera, para que possa descansar e relaxar nesse dia. Deve deixá-lo acondicionado no saco de transporte, protegido do pó, de animais domésticos que possa ter e de qualquer outro olhar mais curioso!

 

Como comprar o vestido de noiva? Dicas da Vestidus Atelier. Como comprar o vestido de noiva? Dicas da Vestidus Atelier.

Aqui está uma mão cheia de bons conselhos para comprar o vestido de noiva, dados por quem sabe. Peguem na vossa companhia selecta (uma ou duas pessoas, é o ideal!), façam umas investigações na internet para se familiarizarem com as marcas e modelo,s e agendem as vossas visitas desde já.

 

Aproveitamos para vos mostrar as novidades da marca belga Rembo Styling, produzida e fotografada em Portugal, para 2020: estes vestidos super confortáveis e com um cair impecável (é um facto, conheço-os muito bem) estão à vossa espera na Vestidus.

 

Marquem uma visita com a Sara Silva e descubram os modelos bonitos que ela escolheu para as noivas de 2020.