Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Monte do Ramalho – espaço para casamentos no Alentejo

Escolher o espaço para casamento deverá estar, nesta altura, no topo da vossa lista de tarefas, por isso, nada mais apropriado do que nos sentarmos à conversa com a Manuela Estevinha, do Monte do Ramalho, um espaço para casamentos no coração dourado e manso do Alentejo.

Há qualquer coisa de muito mágico nesta paisagem sossegada, no calor que sobe do chão e no céu estrelado que não tem fim. O Monte do Ramalho mantém essa pureza natural, sem deixar de estar totalmente preparado para receber uma bela festa – a vossa!

Deixem-se encantar!

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Contem-nos um bocadinho do vosso percurso, como vieram parar ao universo dos casamentos?

Éramos apenas uma quinta de turismo rural, quando em 2013 fomos descobertos por um casal, ela de Lisboa e ele de Itália. Adoraram o espaço e principalmente o facto de nunca termos tido nenhum casamento, foram os nossos primeiros noivos. O evento aconteceu em Junho de 2014, totalmente ao ar livre, com a nossa iluminação de arraial e mesas corridas, tudo no exterior. Não tínhamos espaço para plano B e felizmente o bom tempo ajudou. Ainda no mesmo ano, recebemos outro casamento no início de Setembro, e para que se pudesse realizar, fizemos obras numa das nossas salas, porque a existência de um plano B era condição para que o nosso espaço fosse escolhido. Foi também nesta data que o colocámos em prática, choveu torrencialmente no dia do casamento. Em 2015 voltámos a fazer obras no espaço para podermos receber os casamentos com melhores condições, e desde aí até agora, temos vimos em crescendo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

A imagem de marca do Monte do Ramalho é, na minha opinião, um estilo rústico, descontraído e romântico. Concordam com esta definição?

Totalmente. E pudemos ainda acrescentar: puro e genuíno.

 

Esta assinatura faz parte do ADN do espaço, ou é algo que escolheram como tendência e tema para este ano? Porquê?

Faz parte do ADN do espaço, não fizemos nenhuma alteração ao que já existia. É a simplicidade que o torna diferente dos demais. A nossa praia é um olival a perder de vista, devemos ser dos poucos que nos podemos orgulhar disso!

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

São apenas fait-divers, acompanhamos as tendências mas deixamos este assunto nas mãos dos demais.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como querem que o vosso espaço e trabalho sejam mostrados e vividos, ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que vos interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Não buscamos. Procuramos manter o espaço tal e qual como é. As tendências vêm com os nossos noivos e fornecedores por eles escolhidos.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Não temos fadiga criativa, temos apenas fadiga mental! Refrescamos a mente e o olhar em cada novo casamento que acolhemos no nosso espaço.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação aos vossos clientes?

Para além da importância que tem o nosso espaço e da preocupação que temos em mante-lo o mais natural possível, acompanhamos e ajudamos os nossos noivos a concretizarem o seu dia especial, deixando-os sonhar.

 

Qual foi o casamento em que mais gostaram de trabalhar? Porquê?

Todos são diferentes, relembramos um em que o plano B foi accionado duas horas antes do início da cerimónia. Também, de certa forma, os casamentos religiosos, porque são realizados ao ar livre e têm todo um ambiente especial.

 

Escolham uma imagem favorita do seu portfolio e contem-nos porquê:

A escolha foi difícil, no entanto escolhemos uma imagem das mesas colocadas para o jantar no exterior debaixo das nossas amoreiras. A imagem lembra as maravilhosas noites de verão que temos no Alentejo, sob um céu estrelado.

 

 

Este sítio deixa-me sempre a suspirar…! Espreitem os casamentos bonitos que aconteceram no Monte do Ramalho, e se ficarem a suspirar como eu, não deixem de fazer uma visita!

 

Os contactos detalhados do Monte do Ramalho estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Manuela Estevinha directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Um passeio primaveril pelo Monte do Ramalho

O Monte do Ramalho é uma herdade em pleno Alentejo, junto a Avis. Com diferentes espaços amplos dentro e fora de portas, permite a criação de vários ambientes, com total privacidade e conforto e em perfeita harmonia com a tradição e arquitectura local – uma combinação óptima para a realização de uma bela festa. Entre os espaços reservados à produção de eventos, dispõe de três pavilhões cobertos com diferentes capacidades, uma bela eira tradicional alentejana, uma capela com mais de 100 anos que permite a realização de eventos religiosos, uma piscina biológica, um olival a perder de vista e muitos espaços verdes em seu redor.
Conta-nos a Manuela Estevinha: «Éramos apenas uma quinta de turismo rural, quando em 2013 fomos descobertos por um casal, ela de Lisboa e ele de Itália. Adoraram o espaço e principalmente o facto de nunca termos tido nenhum casamento, foram os nossos primeiros noivos. O evento ocorreu em Junho de 2014, totalmente ao ar livre, com a nossa iluminação de arraial e mesas corridas, tudo no exterior. Não tínhamos espaço para plano B e felizmente o bom tempo ajudou. Ainda no mesmo ano, recebemos outro casamento no início de Setembro, e para que se pudesse realizar, fizemos obras numa das nossas salas, porque a existência de um plano B era condição para que o nosso espaço fosse escolhido. Foi também nesta data que o colocámos em prática, choveu torrencialmente no dia do casamento. Em 2015 voltámos a fazer obras no espaço para podermos receber os casamentos com melhores condições, e desde aí até agora temos vindo em crescendo.»
Hoje, na continuação das nossas celebrações pela chegada da Primavera, convido-vos a um demorado passeio por este espaço fabuloso. Mergulhem nas bonitas fotografias de Madalena Tavares, que nos contam em detalhe como foi o dia feliz da Patrícia e do Sérgio. Com calma, com tempo, a contemplar – como pede o Alentejo.

 

 

Tão bom, não é? Espreitem ainda a galeria do Monte do Ramalho, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Manuela Estevinha directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Susana Pinto

Casamento no Monte do Ramalho: Joana + Pedro

Fechamos esta semana vagamente primaveril com um belo casamento no Monte do Ramalho: é o mais bonito dos dias da Joana + Pedro, junto dos seus.

Esta festaça foi filmada pelo Edgar Félix e a decoração e bouquet da noiva ficaram nas mãos da Maria João Soares, da Design Events, a nossa expert em casamentos nas planícies alentejanas. Que trio de fornecedores seleccionados, este!

Bom fim-de-semana!

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?
O pedido de casamento foi feito em 2016 numa escapadinha que fizémos a Paris. A nossa ideia, desde o início, sempre foi um casamento religioso acompanhado por uma festa descontraída, no meio da natureza.

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?
Estávamos inexperientemente preparados, sem nervos.

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?
Tudo se começou a compor à nossa imagem de forma gradual. Não sentimos nunca qualquer pressão com timings, o que nos permitiu organizar todo o casamento da forma como idealizámos.

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?
O resultado final excedeu as nossas expectativas! Fomos uns noivos que colocámos muita dedicação em tudo que íamos fazendo e decidindo, foi tudo muito ponderado.
Fizemos tudo praticamente sózinhos, no entanto íamos envolvendo a família e os amigos nas nossas escolhas, queríamos que fizessem parte deste dia.

O que era fundamental para vocês? E sem importância?
Fundamental era guardarmos nas nossas memórias um dia de sonho, reunir todas as pessoas que são importantes nas nossas vidas e proporcionarmos um dia feliz, divertido e confortável a todos os nossos familiares e amigos.
Sabemos que os imprevistos acontecem, mas que o propósito que nos reunia ali era de tal grandeza que decidimos relativizar qualquer falha de natureza técnica ou de catering que pudesse a acontecer (e felizmente não aconteceu).

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?
O mais difícil foi de facto a escolha do local, sabíamos muito bem o que queríamos, mas não encontrávamos alternativas. A partir do momento em que o encontrámos, marcámos a data, e tudo se tornou tão fácil de organizar.

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?
Ainda não conseguimos descrever o que sentimos na cerimónia campal, foi de cortar a respiração! A envolvência, o coro, as palavras do Padre, os olhares de felicidade dos convidados que testemunhavam a nossa união, os versos lidos pelos sobrinhos do Pedro, foi mágico!

E o pico de diversão?
Após o jantar, quando aquele pequeno nervosismo nos deixa descontrair e aproveitar ao máximo.

Um pormenor especial…
Só um?
Foi um dia de acontecimentos tão especiais!
Fomos surpreendidos por uma grande amiga que subiu ao palco e cantou-nos duas músicas. Sabíamos que cantava bem, mas não tínhamos noção do vozeirão que ouvimos naquela noite. Foi épico!

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?
Não mudávamos nada. Foi tudo tão perfeito e como idealizámos.
Foi um dia tão nosso, emocionante, melhor que nos sonhos.

Algumas words of advice para as próximas noivas…
Vivam cada momento com calma e com muito alma. Aproveitem os preparativos ao máximo, é um dia muito giro de organizar, pois tudo é feito à vossa medida e como sempre sonharam, façam-no de forma divertida e envolvam os vossas amigos e familiares, eles vão gostar de fazer parte do grande dia.
Quando chegar o grande dia, aí não há mais com o que preocupar, e deixem-se envolver pelo momento, desfrutem do dia. Aproveitem cada momento, pois será um dos dias mais felizes das vossas vidas, cheio de emoções.

 

Os fornecedores envolvidos:

convites e materiais gráficos: Margarida Ferreira (amiga da noiva);
espaço: Monte do Ramalho, Avis;
catering e bolo dos noivos: Casca d’ovo;
fato do noivo e acessórios: fato O Alfaite, acessórios Ourivesaria Atlantis;
vestido de noiva e sapatos: vestido Inês Pimentel e sapatos Fátima Alves;
maquilhagem: Diana Cavaco Pereira;
cabelo: Rita Vasconcelos (amiga da noiva);
decoração e bouquet de noiva: Design Events Wedding;
fotografia: Grão a Grão;
vídeo: Edgar Félix;
banda: Two Radio | Upbeat;
coro: Coro Cá da Terra.

 

 

Susana Pinto

Casamento no Monte do Ramalho: Patrícia + Sérgio, que festaça!

Hoje trazemos um casamento que é uma ode palpável ao amor!

Patrícia + Sérgio casaram no Monte do Ramalho, no coração do Alentejo e no mais gentil dos meses de verão. Foi em Setembro, num dia de luz dourada e paisagem sem fim.

Organizaram-se à distância, a partir de Londres, com o suporte da Amor e Lima e escolheram casar no campo, rodeados de amigos e família vindos dos quatro cantos do mundo. O cenário rústico do Monte do Ramalho, com o seu altar civil à sombra de uma figueira centenária, as suas mesas corridas ao ar livre, luzes de arraial e a eira que se transforma em pista de dança, foi o local perfeito para celebrar este amor tão generoso.

Juntem-se a nós, venham ver este dia para lá de bonito!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

O Sérgio pediu-me em casamento em Dezembro de 2016, de uma forma muito sua, na Chef’s table do Petrus em Londres. Disse imediatamente que sim mas ambos sabíamos que o casamento tinha que esperar quase dois anos porque eu estava grávida da nossa filha Maria Luísa que ia nascer em Agosto de 2017. Portanto tivemos bastante tempo para programar e organizar o nosso dia. Mas imaginar, já o tínhamos imaginado e ambos estávamos de acordo sobre como seria. Sabíamos que teria que ser ao ar livre, de preferência debaixo de árvores e com luzes de arraial. A cerimónia queríamos que fosse também ao ar livre, com fardos de palha a servir de bancos, e que tivesse um toque pessoal porque tínhamos muito receio da impessoalidade de um acto civil. Queríamos fugir de hotéis e procurar o campo e sabíamos que seríamos rodeados de oliveiras ou de vinhas. Ganhou a primeira!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, bastante preparados e com poucos nervos. Tanto eu como o Sérgio não éramos “marinheiros de primeira viagem” e já tínhamos casado antes. Acho que tínhamos claro o que imprescindível e o que era dispensável, e isso ajudou bastante na preparação e organização. Houve, sim, alguns nervos por causa das distâncias e pelo facto de termos escolhido casar fora de um lugar comum para qualquer um dos nossos convidados. Acrescenta-se o facto de cerca de 50% dos convidados virem de fora do país (Angola, Estados Unidos, Dubai, Espanha), o que criou alguns constrangimentos adicionais porque tentámos sempre ajudar na logística e arranjar solução para tudo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No meu caso, Patrícia, creio que só tomei consciência “é mesmo isto, vai acontecer” quando embarquei no Voo TP286 com destino a Lisboa no dia 1 de Setembro. Organizar um casamento à distância tem destas coisas. Acabamos por não estar tão emocionalmente próximos do evento e do eventual stress que a organização possa causar. Como confiávamos em pleno na Maria Villar, isso também ajudou. Quanto ao Sérgio, acho que foi quando começámos a ensaiar a dança para abertura da pista, depois da nossa amiga Huila a ter coreografado. Recordo dele dizer várias vezes: “Amor, isto está mesmo a acontecer, temos que ensaiar para sair perfeito, mas mais que tudo quero-me divertir a fazê-lo”.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado final foi totalmente fiel às ideias iniciais. Queríamos um casamento pequeno, muito simples, em que os pormenores escolhidos fossem sentidos e recordados pelos presentes e fizessem realmente a diferença.

Contámos com a ajuda preciosa da Amor e Lima, mais precisamente da Maria Villar. A Maria foi incansável e crucial durante todo o processo, não só ajudando-nos a manter-nos fiel ao plano e nossos desejos, como em manter um fio condutor do conceito do casamento que começou com o Save the Date e terminou com a execução de todos os detalhes do dia do casamento.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Era absolutamente fundamental que o casamento fosse fiel aos nossos princípios e transmitisse os nossos gostos. Queríamos muito que fosse simples e despretensioso, mas com significado. Queríamos muito, mas muito, aproveitar o dia e não chegar ao fim com a sensação que passou a correr e conseguimos. Era absolutamente fundamental que os nossos filhos tivessem uma atenção especial, de forma a que nem eles se sentissem esquecidos nem nós culpados por não lhes estar a dar atenção, ou a estar a dar atenção de mais e não aproveitar aquele dia único nas nossas vidas. Com a ajuda da Maria Villar conseguimos. Não sei se conseguimos identificar coisas que não tinham importância, porque as excluímos logo de início. Creio que não tinham importância muitas formalidades, dar lembranças desnecessárias e sem significado às pessoas, e olhar para o relógio.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Eu e o Sérgio dividimos responsabilidades. Ele ficou com o catering e a música e eu com o conceito do casamento, decoração, site e logística. O mais fácil e que disfrutámos imenso foi mesmo a escolha, tomar decisões, provar pratos, ver material de decoração, imaginar bouquets, entre tantas outras coisas. Mesmo tendo separado as responsabilidades, havia aspectos que se tocavam. Por exemplo, tive que solicitar outra opção de pratos/louça à Maria Villar porque o Sérgio dizia que não evidenciavam as qualidades do prato principal do jantar. Coisas de chef, mas acabei por concordar e dar razão, ajustando assim algo que tinha decidido. O mais difícil foi a questão logística e a gestão do alojamento para todos. Por coincidência houve um casamento no mesmo dia num hotel próximo e as opções de alojamento, que já eram limitadas, tornaram-se mais limitadas ainda. Ainda que me custasse imenso, houve convidados nossos a dormir a mais de 15 kms do Monte, que era a distância limite que inicialmente tinha definido.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Os discursos! O do Sérgio, que oscilou entre os momentos de choro e de riso e terminou com todos os presentes (exceptuando os estrangeiros) a cantar uma das nossas músicas. O meu, que foi improvisado e surpreendeu muitos dos convidados, e o do meu irmão André, que cumpriu o papel que estava destinado ao meu pai, que infelizmente nos deixou há três anos e não pode viver este dia connosco.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

E o pico de diversão?

A noite anterior já foi um pico de diversão. Oferecemos um churrasco alentejano aos familiares, padrinhos e madrinhas, e por ter sido tão descontraído, foi diversão espontânea. No próprio dia, foi também a parte da festa, que começou com a abertura da pista connosco a dançar uma música coreografada por uma amiga que é bailarina e professora de dança, e a partir daí contámos com a ajuda de muitos convidados para garantir que a diversão se mantinha até as forças acabarem.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Um pormenor especial…

As placas que estavam nas nossas cadeiras na mesa de jantar em que a minha dizia: Cozinhas para mim? e a do Sérgio dizia: Para sempre! Já que este pormenor é alusivo à nossa história e ao que nos uniu. Adicionalmente a leitura do poema que foi feita por uma das minhas madrinhas antes da troca das alianças, E por vezes, de David Mourão Ferreira, que imprimiu um significado especial à cerimónia pelo significado das palavras e o que significa para nós, sem dúvida personalizando o momento e fazendo com que todas as pessoas reflectissem sobre a importância de um abraço e do aproveitar do Presente.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

No cômputo geral não, mas se analisarmos o dia com todo o detalhe é impossível não identificar um outro pormenor que precisasse de melhoria ou alteração. Por exemplo, na cerimónia deveríamos ter salvaguardado que as duas primeiras filas eram reservadas aos padrinhos e não alertámos a wedding planner sobre isso. Uma delas efectivamente foi, a outra não e as madrinhas da noiva acabaram por ficar de pé muito perto dos noivos. Por outro lado, o Sérgio deveria ter feito um teste de som com o Filipe dos LBond para ter a certeza que não havia interferência com ele a falar com a música que escolheu para acompanhar o discurso.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Os melhores conselhos que posso dar são: keep it simple, porque é mesmo verdade que menos é mais e só no meio da simplicidade é que os detalhes entoam e se enaltecem. Definam um conceito e procurem ser fiéis ao mesmo, da mesma forma que definam um budget racional e exequível e procurem igualmente não o exceder. Tenham bem claro o que é imprescindível e dispensável, e o que pode estar. A dada altura da organização de um casamento parece que tudo é pouco, a comida é pouca, a bebida é pouca, não vai haver diversão suficiente, precisamos de mais detalhes ou acontecimentos no dia, e isso são muitas vezes as inseguranças e o stress a falar. Nessa altura é importante respirar fundo em conjunto e voltar a analisar o conceito e o rácio imprescindível vs dispensável. E por último, lembrem-se que o casamento é vosso e é o vosso dia, se vocês se divertirem e o aproveitarem com as pessoas presentes, nada os vai deixar mais alegres e felizes que essa partilha de sentimentos.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos, decoração e bouquet de noiva: Amor e Lima;

local: Monte do Ramalho;

catering e bolo dos noivos: Encontrus;

fato do noivo e acessórios: Alfaiataria San Giorgio, sapatos Armando Silva e botões de punho Cartier;

vestido de noiva e sapatos: vestido Laure de Sagazan e sapatos Manolo Blahnik;

maquilhagem: Lea Magui Louro;

cabelos: Ana Fernandes, Fhair Organic Studio;

ofertas aos convidados: para as senhoras, protectores de saltos da Lelle e echarpes à noite, da Amor e Lima. Para os senhores charutos e cigarrilhas Monte Cristo e José de la Piedra;

fotografia: Madalena Tavares;

vídeo: Fullcut;

luzes, som e Dj: LBond.

 

Susana Pinto

À conversa com: Monte do Ramalho – espaço para casamentos no Alentejo

Chegaram os dias de calor e as respectivas noites, por isso nada mais apropriado do que nos sentarmos à conversa com a Manuela Estevinha, do Monte do Ramalho, um espaço para casamentos no coração dourado e manso do Alentejo.

Há qualquer coisa de muito mágico nesta paisagem sossegada, no calor que sobe do chão e no céu estrelado que não tem fim. O Monte do Ramalho mantém essa pureza natural, sem deixar de estar preparado para receber uma bela festa – a vossa.

Deixem-se encantar!

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Contem-nos um bocadinho do vosso percurso, como vieram parar ao universo dos casamentos?

Eramos apenas uma quinta de turismo rural, quando em 2013 fomos descobertos por um casal, ela de Lisboa e ele de Itália. Adoraram o espaço e principalmente o facto de nunca termos tido nenhum casamento, foram os nossos primeiros noivos. O evento ocorreu em Junho de 2014, totalmente ao ar livre, com a nossa iluminação de arraial e mesas corridas, tudo no exterior. Não tínhamos espaço para plano B e felizmente o bom tempo ajudou. Ainda no mesmo ano, recebemos outro casamento no início de Setembro, e para que se pudesse realizar, fizemos obras numa das nossas salas, porque a existência de um plano B era condição para que o nosso espaço fosse escolhido. Foi também nesta data que o colocámos em prática, choveu torrencialmente no dia do casamento. Em 2015 voltámos a fazer obras no espaço para podermos receber os casamentos com melhores condições, e desde aí até agora temos vimos em crescendo.

 

A imagem de marca do Monte do Ramalho é, na minha opinião, um estilo rústico, descontraído e romântico. Concordam com esta definição?

Totalmente. E pudemos ainda acrescentar: puro e genuíno.

 

Esta assinatura faz parte do ADN do espaço, ou é algo que escolheram como tendência e tema para este ano? Porquê?

Faz parte do ADN do espaço, não fizemos nenhuma alteração ao que já existia. É a simplicidade que o torna diferente dos demais. A nossa praia é um olival a perder de vista, devemos ser dos poucos que nos podemos orgulhar disso!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

São apenas fait-divers, acompanhamos as tendências mas deixamos este assunto nas mãos dos demais.

 

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como querem que o vosso espaço e trabalho sejam mostrados e vividos, ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que vos interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Não buscamos. Procuramos manter o espaço tal e qual como é. As tendências vêm com os nossos noivos e fornecedores por eles escolhidos.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Não temos fadiga criativa, temos apenas fadiga mental! Refrescamos a mente e o olhar em cada novo casamento que acolhemos no nosso espaço.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho

 

Monte do Ramalho - espaços para casamento

 

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação aos vossos clientes?

Para além da importância que tem o nosso espaço e da preocupação que temos em mante-lo o mais natural possível, acompanhamos e ajudamos os nossos noivos a concretizarem o seu dia especial, deixando-os sonhar.

 

Qual foi o casamento em que mais gostaram de trabalhar? Porquê?

Todos são diferentes, relembramos um em que o plano B foi accionado duas horas antes do início da cerimónia. Também, de certa forma, os casamentos religiosos, porque são realizados ao ar livre e têm todo um ambiente especial.

 

Escolham uma imagem favorita do seu portfolio e contem-nos porquê:

 

Casamento no Monte do Ramalho, no Alentejo

 

 A escolha foi difícil, no entanto escolhemos uma imagem das mesas colocadas para o jantar no exterior debaixo das nossas amoreiras. A imagem lembra as maravilhosas noites de verão que temos no Alentejo, sob um céu estrelado.

 

 

Os contactos detalhados do Monte do Ramalho estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Manuela Estevinha directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Monte do Ramalho, no You + Us = Fun!

O Monte do Ramalho prima pela autenticidade do seu ambiente. Este é um daqueles lugares onde o amor se celebra a dançar! Fica em pleno Alentejo, junto a Avis.

Com espaços amplos e distintos, tanto dentro como fora de portas, permite a criação de vários ambientes, com total privacidade e conforto.Três pavilhões cobertos com diferentes capacidades, uma bela eira tradicional alentejana, uma capela com mais de 100 anos que permite a celebração de cerimónias religiosas, uma piscina biológica, um olival a perder de vista e inúmeros espaços verdes – são estes os ingredientes à vossa disposição para uma festa memorável.

 

Não prometemos trazer-vos o Monte do Ramalho a Lisboa no próximo domingo, mas garantimos que a representação deste espaço no You + Us = Fun! vos dará uma bela ideia não só daquilo que lá poderão encontrar, como dos serviços disponíveis e da simpatia e profissionalismo da equipa da casa.

 

 

 

 

Venham daí e sintam-se como se estivessem em casa!

 

Susana Pinto

Liliana + Mário, o amor celebra-se a dançar!

Fechamos a semana em grande, querem saber porquê?

Porque não só trazemos um belíssimo casamento cheio de sol e calor do Alentejo, mas também porque a escolha dos noivos, no que toca a fornecedores, foi toda feita nesta bela casa chamada Simplesmente Branco… Que orgulho!

A Liliana + Mário prepararam a mais bonita festa: intimista, calorosa, cheia de detalhes cheios de significado para os dois e o que mais queriam era que a magia do dia fosse tangível e contagiosa… A julgar pelas imagens douradas captadas pelo Rui Gaiola, da Golden Days Photography e pela dupla Fullcut Wedding Films, no video, foi isso mesmo que aconteceu no Monte do Ramalho, em plena paisagem alentejana.

A decoração, feita à base de suculentas, teve dedinho das meninas Greenpic’k e a pista de dança (muito importante!) ficou a cargo dos animados Jukebox.

Para além desta equipa luxuosa (não estamos a exagerar, confirmem com os vossos olhos!), um pormenor bonito: o noivo usou uns botões de punho da Ninho de Cucos, feitos de prata e cortiça (em sintonia com o tema rústico e alentejano), que é a marca de joalharia de autor da minha querida amiga Davina Primo.

 

Eu não avisei que fechávamos a semana da melhor forma?

Bom fim-de-semana!

 

 

 

 

 

Sinalética de casamento no Monte do Ramalho, no Alentejo

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Logo após o pedido de casamento em Novembro de 2015 mesmo nos pés do Cristo Redentor na Cidade Maravilhosa!, começámos por decidir a data do casamento. Inicialmente tínhamos apontado para o final de 2016, mas como gostamos tanto dos dias longos de verão antecipámos para final de Junho.

O tempo já não era muito, mas como somos pragmáticos fizemos uma to do list e listámos todos os fornecedores que precisávamos de contactar, juntámos a informação com o que queríamos de cada um dos fornecedores e começámos a enviar e-mails para recolher propostas.

Primeiro tivemos de escolher o local onde queríamos que acontecesse o grande evento. Nós somos de Lisboa e o principal objetivo era fazer um casamento diferente, intimista, apenas com amigos chegados e família próxima, daí termos começado a procurar sítios com que nos identificássemos, nomeadamente no Alentejo (não temos família no Alentejo, mas é uma região que tem muito significado para nós). Também era importante que tudo pudesse acontecer num único sítio mas que fossemos nós a escolher todos os fornecedores e que também pudéssemos ter cerimónia religiosa e foi assim que encontrámos o Monte do Ramalho. Um local com uma beleza única, com pessoas dedicadas e bastante versátil face às nossas pretensões.

Nos restantes fornecedores (catering, decoração, fotografia, vídeo e DJ) também não foi uma escolha difícil (conseguimos sempre identificar fornecedores em linha com as nossas ideias, e em alguns casos o problema foi a indecisão face aos bons trabalhos de alguns fornecedores). Basicamente, e após algumas reuniões e pesquisas, chegámos a uma short list e escolhemos os fornecedores com quem nos sentimos melhor, com cujo trabalho nos identificávamos e com a ideia de casamento que estava a crescer e a ganhar força.

No final de 2015 tínhamos os fornecedores escolhidos e tudo encaminhado!

 

 

Retrato do noivo com botões de punho Ninho de Cucos

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Quisemos criar uma festa diferente (e quem não quer?) com as pessoas mais importantes para nós e queríamos que, para além de nós, noivos, os convidados se divertissem ao som de boa música, no meio da bela paisagem alentejana, com uma decoração acolhedora e que sentissem a boa energia daquele espaço. No fundo o objectivo foi fazer uma celebração simples mas especial, onde pudéssemos, enquanto noivos, também desfrutar do ambiente de festa e dar atenção a todos os convidados.

Optámos por uma decoração campestre mas com o toque sofisticado das suculentas! Adoro estas plantas e achei que fazia todo o sentido termos esse apontamento no nosso casamento. A Greenpic’k foi a escolha óbvia como nosso fornecedor para a decoração, pois são especialistas com as suculentas.

 

 

Bouquet de noiva rústico, da Green Pic'k

 

 

 

Tiveste ajuda?

Tivemos algumas dúvidas e, à medida que se aproximava a data do grande dia, íamos pedindo ajuda aos nossos fornecedores, que se disponibilizaram desde o primeiro minuto. Contámos também com a experiência deles para concluir algumas ideias, para além do que ficou inicialmente contratualizado.

As madrinhas e padrinho também foram acompanhando os preparativos e dando opiniões.

 

 

Cerimónia civi ao ar livre, no Monte do Ramalho

 

 

 

 

O que era mais importante para ti?

O mais importante para nós era conseguir um casamento descontraído, bonito e simples, em que pudéssemos viver o dia sem preocupações. Criar uma atmosfera com boa energia.

 

E secundário?

O alinhamento do casamento. Era importante para nós não ficarmos presos aos timings definidos.

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

Retrato dos noivos com a luz do Alentejo, por Golden Days Photography

 

O que foi mais fácil?

A escolha de músicas! Adoramos música e temos muitos momentos nossos, inclusivamente a forma como nos conhecemos, que têm como motivo a música.

 

O que foi mais difícil?

Os últimos dias, a ultimar os detalhes da decoração. Estávamos com dificuldade na gestão das nossas expectativas.

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Retrato de grupo, por Golden Days Photography

 

O que te deu mais prazer criar?

A escolha dos vários espaços que íamos utilizar no Monte e vermos em conjunto com a Greenpic’k a decoração, os detalhes das cores, o material a utilizar, o estacionário…

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Existiram algumas ideias de decoração que acabaram por ficar pelo caminho, ou mesmo substituídas por uma opção mais fácil ou mais acessível face ao orçamento definido. Confesso que também depositámos muita confiança nos nossos fornecedores, a energia era boa e estávamos todos em sintonia. O resultado foi fantástico! Nem nós imaginámos que ficasse assim!

 

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

 

Naked cake decorado com suculentas

 

Um pormenor especial?

As placas das cadeiras dos noivos “Danças comigo?” e “Para sempre!”, isto porque adoramos dançar! E ainda passámos no casamento um vídeo que a Fullcut Wedding Films fez connosco em que, como não podia deixar de ser, dançámos e namorámos!

Há um outro pormenor! Os amigos do Mário preparam uma surpresa e apareceram no casamento vestidos de uma forma muito original e todos de igual. Resultou na perfeição e, claro está, que esbocei um grande sorriso quando os vi na cerimónia!

 

Casamento ao ar livre com decoração rústica, no Monte do Ramalho

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Apenas alterava a hora de início. Começava talvez uma hora mais cedo. Mesmo com 70 convidados, penso que seria o tempo extra que precisava para estar um pouco mais com eles. De resto… Ah, o giz! Tínhamos colocado uma placa em ardósia com uma frase para os convidados deixarem as suas mensagens e esquecemos do pormenor do giz. Agora as mensagens terão de ser recolhidas à medida que encontramos os nossos amigos, ou mesmo na celebração do primeiro aniversário de casamento.

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites, decoração e bouquet: Greenpic’k

espaço: Monte do Ramalho

catering e bolo: Encontrus

fato do noivo e acessórios: fato e colete Massimo Dutti Personal Tailoring; botões de punho Ninho de Cucos; gravata e lenço Elizabeth Videira

vestido de noiva, sapatos e acessórios: vestido Eduardo Braz, sapatos Unisa e acessórios Juliana Bezerra

makeup: Sónia Godinho

cabelos: Carla Venâncio

fotografia: Golden Days Photography

vídeo: Fullcut Wedding Films

luzes e DJ: Jukebox

 

Save