Created with Sketch.
Susana Pinto

À conversa com: Histórias com Alma – espaço para casamentos

Hoje sento-me à conversa com a Ana Freitas, que está à frente do belíssimo projecto Histórias com Alma, um espaço para casamentos muito especial, em Ponte de Lima. Ontem mostrámos aqui um pequeno e muito elegante exercício de estilo, e hoje falamos sobre tendências, escolhas e como fazer crescer um negócio.

Conheci a Ana Freitas e o Francisco Sousa quando o seu projecto Um dia de sonho estava a ganhar consistência, no nosso showcase  You+Us=Fun!, no Clube dos Fenianos, em 2012, no Porto. Apresentaram-se de forma impecável, mesmo sendo marinheiros de primeira viagem neste tipo de evento. Quando me contaram sobre a nova aventura da Casa Grande do Fontão, e mais tarde, me proporcionaram uma visita guiada, um dia muito bem passado e um delicioso jantar, não me restaram dúvidas de que seria um sucesso. Apenas desconhecia, certamente por falta de oportunidade, o talento e gosto apuradíssmo da Ana, para a decoração. Esta foi uma aventura que exigiu coragem, maturidade e golpe de asa. Isso não só é admirável, como comprova a qualidade e o profissionalismo deste dynamic duo!

Vamos conhecê-los e ao magnífico espaço para casamentos que é a Casa Grande do Fontão!

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Vieste da Engenharia, tens um pé (muito bem assente) na fotografia e estás à frente deste projecto ambicioso e de imensa qualidade que é o espaço Histórias com Alma.

O que te trouxe até aqui?

Provavelmente são poucas as pessoas que conhecem o caminho que percorri até aqui. Licenciada em Engenharia Metalúrgica e de Materiais, rapidamente percebi que o meu percurso profissional não passaria por polir amostras de aço e fazer testes de laboratório. Desde os tempos da universidade que já pegava nas ainda rudimentares máquinas e lentes que tinha e transportava momentos (alguns bem loucos e intensos!) para fotografias com um toque clássico e elegante. Via amigos a fotografar prédios, o metro, as pontes, ruas sujas, o pôr-do-sol e lugares da cidade (o Porto que me acolheu de braços abertos) e a sentirem-se realizados com a chamada “fotografia de rua”… mas eu nunca me senti atraída por isso. Desde sempre que gosto de fotografar coisas bonitas de forma bonita.

Depois, vivendo com o Francisco e caminhando lado a lado com ele, correria sempre o risco de, num piscar de olhos, estar envolvida em projectos maiores que a nossa pequena dimensão… Nasce assim a Um Dia de Sonho, quase sem darmos por isso. Começou por fazer parte da nossa vida e, lentamente (mas a passos largos), começou a ser a nossa vida e um projecto para o qual vivemos intensamente.

Mais tarde cresce a parceria com o Simplesmente Branco, e sentimos um reconhecimento forte da nossa marca e do nosso estilo de fotografar e filmar. Decidi começar então uma nova abordagem com os clientes que nos visitavam cá em casa e a ser muito exigente com eles. Não basta “está na hora de casar” porque queremos viver juntos, “viemos cá porque vocês são os fotógrafos da moda”, mas olhem que nós “nem gostamos nada de ser fotografados”! Vamos ter um casamento “intimista com 300 convidados” e a quinta “é bonitinha, toda moderna e fica pertinho de casa”. Decidi barrar completamente esse cliente e focar-me ativamente na procura de casais verdadeiramente apaixonados e apaixonantes. Começámos, então, a contar histórias.

Comecei a fazer menos casamentos e a ter mais tempo para mim. Investi em mim. E com isso passas a abrir mais vezes a porta da tua casa para receber os teus amigos. Apaixonas-te pela arte de bem receber. Gostas da sensação e do friozinho na barriga de “estarem quase, quase, a chegar” e a mesa ainda não está como idealizaste para aquela noite. “Põe aquele álbum da Maria Rita fantástico que me mostraste na outra noite, Francisco!”. Gostas do “Oh Ana, não temos pratos marcadores brancos para toda a gente… e agora?”…

Quem me segue no Instagram sabe que adoro cozinhar com alma, que adoro receber com alma. Sabe que transporto a cozinha para ambientes impecavelmente bem decorados e acolhedores. E assim surge a Histórias com Alma.

 

A imagem de marca da Histórias com Alma é, na minha opinião, um estilo rústico, elegante, muito contemporâneo, e minimalista. Concordas com esta definição?

É agradavelmente estranho ter uma percepção real sobre a forma como vês o meu trabalho. Contemporâneo e simples – sem dúvida.

Tento abordar cada evento e cada disciplina da Histórias com Alma (planeamento, decoração, estacionário e flores) de forma elegante e minimalista. “Menos é mais” (sempre me disseste isso) e já nos conhecemos há uns bons anos!

Talvez esta definição e abordagem nos defina a nós (Ana Freitas e Francisco Sousa) enquanto pessoas. Talvez esta definição personifique os nossos gostos pessoais. Talvez esta definição vá ao encontro dos clientes que nos procuram. Talvez.

 

Esta assinatura faz parte do ADN do espaço, ou é algo que escolheste como tendência e tema para este ano? Porquê?

Na verdade, intrínseco à marca Histórias com Alma está também a Casa Grande de Fontão que é um espaço com um solar limiano histórico que tem uma energia mágica muito própria, com raízes rústicas muito fortes. Este é o ADN do espaço que muito nos agrada mas que, ao mesmo tempo, nos permite multiplicar fórmulas e interpretações para os vários eventos de cada ano.

É muito bom ter um espaço com a personalidade da Casa Grande do Fontão. É muito gratificante sentir que os nossos clientes respeitam a história do solar (e as suas características) e a incorporam na forma como vão abordar o seu dia de casamento.

Todos os eventos que crio partem de uma parceria muito forte entre mim e o cliente. Eu limito-me a editar cada decisão que o cliente tem de tomar. Nunca permito que as ideias resvalem por falta de bom gosto e/ou exagero. Edito, edito e edito. Instruo e abro portas para visões que talvez o cliente nunca tenha pensado ou sequer saiba que existem. Edito e edito tudo mais umas quantas vezes, e apresento soluções para que o cliente se apaixone e fique confortável.

E, por vezes, tenho a sorte de trabalhar com clientes que me editam a mim! Há noivas com um sentido estético e conhecimento do mercado muito bons!

As tendências, na minha opinião, nascem das parcerias. Nascem da discussão. Nascem do erro. Nascem do fazer.

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima
Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

Eu diria que quando são um assunto de trabalho, é bom sinal.

Tenho notado uma forma de abordagem um tanto facilitista – se é que a expressão existe – em algumas pessoas que me contactam e pedem preços para um bouquet igual ao que fiz para a noiva do blog A ou que me ligam para perguntar (simplesmente) qual a marca de sapatos da noiva da publicação B… e, já agora, quem é que a penteou? Não é que não fique feliz quando isso me acontece – uma vez que isso reflete o impacto que a marca tem nas pessoas que a seguem – mas, por outro lado, fico sem entender e sem base para interpretar correctamente aquela pessoa em termos de gosto e linhas de raciocínio. Não tem de ser assim e não tem de ser sempre igual. Tem de ser pensado por vocês e para vocês.

Inspirem-se nas tendências trendy (yes, please!) mas … e porque não nos clássicos também?

Dediquem o vosso tempo aos detalhes. Dediquem tempo à preparação do vosso evento. Sejam criativos e opinativos. Não sejam controladores. Nós, autores e criadores, precisamos de espaço e de liberdade criativa (controlada, claro que sim).

 

Ter o controlo das decisões é importante? Tens uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como queres que o teu espaço e trabalho sejam mostrados e vividos ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que te interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Sinto-me dividida. É importantíssimo assumir o controlo criativo dos projectos e dos eventos que crio. Por outro lado, é crucial auscultar os meus clientes e tentar entender quais as suas raízes, ideias, expectativas. Quais os seus sonhos… Tento ir ao encontro das expectativas deles mantendo, sempre, a minha identidade.

No entanto, não nego, que existe uma pressão “media” muito alta para publicar apenas aquilo com o que mais me identifico e com o que mais gosto. Se publicas o que gostas e o que te enche o coração vais atrair clientes que te apreciam por esse trabalho. Gosto de trabalhar as redes sociais dessa forma.

No que concerne à relação de proximidade com cada cliente… Aí tenho de dar destaque ao Francisco. Ele é muito querido com os clientes das Histórias com Alma. É super dedicado e sabe gerir muito bem todos os passos desde o planeamento até à concretização do evento em si. É o Francisco, na maioria dos casos, que acompanha os nossos clientes. Eu reservo-me para a parte criativa e prática; cabe-me a mim concretizar o que os clientes idealizam com o Francisco. Esta parceria e estratégia tem resultado muito, muito bem.

Nota: confesso que tenho tido umas quantas clientes que opto por “roubar carinhosamente” ao Francisco. O motivo? sei que o planning me vai dar muito prazer!

 

Onde buscas inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Hummm… não existe um local, fórmula ou fonte únicas.

Em primeiro lugar inspiro-me nos próprios eventos em que tenho a sorte de participar. Enquanto fotógrafa da Um Dia de Sonho, tenho a felicidade de participar (activamente) em eventos lindíssimos e muito especiais onde posso (e devo) absorver  ideias, aprender técnicas, abordagens e linguagens de outras equipas e de outros autores e criadores de eventos.

Tenho a sorte de manter relações muito próximas de respeito e amizade (e até parceria) com equipas fantásticas que organizam eventos lindíssimos em Portugal. Duas delas a norte e com abordagens bastante similares às minhas – mas com clientes diferentes, claro. Mas é fantástico ter esse privilégio e sentir que consegui um lugar de respeito entre os melhores. Muitas das vezes, é junto eles que me inspiro. E, por vezes, sei que eles também se inspiram em mim…. (mas isso fica cá entre nós!).

Depois, a inspiração chega através das viagens que faço, do instagram, das lojas onde compro roupa, da moda (em si), dos filmes que o Francisco me obriga a ver, de uma ida ao Ikea, de uma noitada de copos com os meus amigos, de um concerto gratuito, de um jantar num restaurante, de uma youtube battle

Nota: não seria intelectualmente correcto da minha parte se não dissesse que a própria industria dita as tendências de cada temporada. Isso acontece imenso com o mobiliário. É difícil contornar as lojas comuns. Tal como na música, temos de fazer dig in de fórmulas e soluções alternativas.

 

Eu crio e conto histórias com alma. Crio infinitos detalhes que se alinham – todos – apenas no momento certo. São esses infinitos detalhes que me ocupam infinitas horas de trabalho e culminam com um sorriso exclamativo de uma noiva e de um noivo. É essa a melhor parte de decorar um casamento. A reação do cliente à decoração, ao detalhe, às flores, à dinâmica, à surpresa, à sala… É aquela lágrima que teima em cair e abraça o sorriso. É a troca das horas de trabalho pelo “uauu!” do cliente.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescas a mente e o olhar?

A fadiga criativa, no meu caso, está irremediavelmente associada à fadiga muscular e física uma vez que sou eu que faço todos os trabalhos que adjudicam à Histórias com Alma e uma vez que a minha equipa é reservada a um número muito restrito de colaboradores.

A solução passa sempre por procurar um hotel boutique irresistível num local mágico (longe ou perto de casa) e comunicar ao Francisco dois dias antes que está tudo reservado. Ele trata – unicamente – da banda sonora para a viagem. O resto fica tudo ao meu encargo e critério.

Um pecado: não consigo – e já tentei por múltiplas vezes – desconectar do universo das redes sociais. É mais forte do que eu. E, por norma, surge sempre um enorme buzz à volta dos locais que escolho para repor as energias. Bom sinal, certo?

 

Como é o teu processo de trabalho, como crias uma ligação com os vossos clientes?

Os processos Histórias com Alma e Um Dia de Sonho são bastante similares nesse aspecto. É muito raro termos um cliente que não se sinta nosso cliente desde o primeiro segundo. Desde o momento em que abrimos o portão verde do solar em Fontão, sentimos que essa ligação acontece.

Depois, e o mais complexo, é reforçar essa mesma ligação. Os clientes são muito precoces no que concerne à procura de espaços e fornecedores para o seu casamento. E isso faz com que exista um gap de um ano (muitas vezes mais) de “não ligação” ao cliente. A nossa estratégia para colmatar esse intervalo, é a comunicação. Eu desenvolvo os estilos e o grafismo das nossas comunicações com os clientes e o Francisco trata da comunicação directa e personalizada com cada cliente. Ele é fantástico nessa área.

Nota: tenho notado que existe um défice muito grande na comunicação com os clientes que abraça, de forma transversal, o mercado dos casamentos. Todos os meus clientes ficam absolutamente rendidos com a forma como comunico com eles. É algo raro e precioso hoje em dia.

 

Qual é a melhor parte de decorar um casamento? E o mais desafiante e difícil?

Eu crio e conto histórias com alma. Crio infinitos detalhes que se alinham – todos – apenas no momento certo. São esses infinitos detalhes que me ocupam infinitas horas de trabalho e culminam com um sorriso exclamativo de uma noiva e de um noivo. É essa a melhor parte de decorar um casamento. A reação do cliente à decoração, ao detalhe, às flores, à dinâmica, à surpresa, à sala… É aquela lágrima que teima em cair e abraça o sorriso. É a troca das horas de trabalho pelo “uauu!” do cliente.

É a forma carinhosa (ou eufórica) como sou recebida quando desvendo um bouquet meu para a cliente.

Essa é a melhor parte.

É o beijinho sentido da mãe e do pai da noiva.

É o beijinho da noiva e o abraço do noivo ao Francisco quando ele lhes mostra a decoração da sala.

É veres o teu trabalho todo ser elogiado em breves segundos. Mas cada segundo vale a pena.

O mais desafiante e difícil é a personalização. Quando atinges um nível de personalização como o que atingi com a Histórias com Alma corres o risco de verificar situações em que te exigem tudo como um dado adquirido.

 

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Qual foi o casamento em que mais gostaste de trabalhar? Porquê?

Não consigo responder de forma taxativa a essa tua pergunta. Nós tivemos eventos na Histórias com Alma verdadeiramente incríveis com noivos muito queridos e que se entregaram verdadeiramente ao dia do seu casamento de forma mágica e impossível de repetir.

Tivemos casos de noivos pouco expansivos que no dia se revelaram anfitriões incansáveis, tivemos casos de noivos que construíram literalmente tudo aquilo que nos mostravam pelo Pinterest mas com uma qualidade e um bom gosto tremendo, tivemos noivos que, de tão queridos que são, nos enchem o coração e nos obrigam a dar tudo e a abdicar da nossa própria vida pessoal para os acompanhar durante todo o processo, tivemos noivos dos países mais improváveis que nos contagiaram com os seus costumes e tradições, tivemos noivos altamente urbanos que adoptaram Fontão como uma vila para todo o sempre…

Destaco também todos os eventos que fiz com a Histórias com Alma fora do nosso solar. Temos tido a oportunidade de criar alguns eventos em casas particulares e em espaços (hotéis e villas) que nos têm dado um prazer muito enorme e que seria injusto não mencionar como algo muito importante e muito prazeroso para mim.

 

Escolhe uma imagem favorita do teu portefolio e conta-nos porquê:

 

Histórias com Alma - espaço para casamentos em Ponte de Lima

 

Esta imagem reflete a dedicação que imprimo nos eventos que crio e na forma como trato cada um dos meus clientes. Encaro cada casamento como se fosse o meu.

Escolhi esta imagem porque reflete tudo aquilo que quereria para o meu casamento.

 

 

Os contactos detalhados da Histórias com Alma estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, vejam as imagens divertidas e cheias de boa disposição e contactem directamente a Ana Freitas através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Save

Marta Ramos

Wise words: Como encontrar o espaço perfeito para o casamento?

A partir do momento em que têm uma data em mente e um número de convidados definido, é chegada a hora de escolher o espaço para a vossa festa. Hoje as nossas wise words são dedicadas a essa escolha – e contamos com a colaboração das Histórias com Alma, da Ana e do Francisco, que vos trazem conselhos úteis e imagens bonitas da sua Casa Grande do Fontão.
Já que começámos por falar na data:

Hoje, a grande maioria dos espaços já tem as principais datas de 2019 reservadas. – Histórias com Alma

Assustador? A verdade é que este é um dos casos em que a antecedência vale ouro. Normalmente, um ano é o tempo que deverão acautelar entre a vossa escolha de espaço e a data do vosso casamento. Haverá quem estique esse intervalo, sobretudo para casar no pino do verão e num local particularmente concorrido. Por isso, se o vosso calendário é curto, uma das soluções passará por flexibilizar a data do grande dia: as sextas-feiras, os domingos, alguns feriados a meio da semana e os meses menos comuns podem significar diferenças interessantes no orçamento final e assegurar a disponibilidade do espaço dos vossos sonhos – e tudo isto é, claro, válido igualmente para os restantes fornecedores.

Se têm a agenda com folga e o dia não está aberto a discussão, então comecem o quanto antes. Com data e número de convidados em mente, o passo seguinte será definirem o ambiente que mais vos agrada. As possibilidades são quase ilimitadas: um hotel, um restaurante, uma quinta, uma galeria ou sala bonita, um palácio, um jardim, uma casa de família, podemos dizer que qualquer sítio, desde que reúna as condições apropriadas, pode ser transformado no vosso local ideal para casar. Uma casa, dissemos nós? Sim, e falaremos detalhadamente sobre essa possibilidade num dos póximos wise words. Hoje focamo-nos mais nos espaços dedicados a receber eventos.

 

 

 

 

 

O método que temos vindo a aconselhar para outras tomadas de decisão aplica-se também aqui. Já sabem: pesquisar, escolher cinco, contactar o top 3.

A oferta é muita e quase sempre acompanhada do serviço de catering, o que faz desta a maior fatia do vosso orçamento. O processo merece, por isso, tempo e ponderação na mesma medida. – Queres casar comigo?

O ponto de partida são os números. A vossa lista de convidados irá, logo de início, excluir algumas hipóteses, ou porque são muitos, ou porque são poucos. A seguir, o caminho divide-se, grosso modo, em dois: uma oferta do pacote completo ou um desafiante cenário em branco, onde a vossa visão e investimento (de tempo, dinheiro e energia) fará a magia. Ambos têm potencial e resultarão num dia espantoso, cabe-vos apenas perceber o que vos serve melhor, com mais conforto e menos dificuldades e angústias no processo.

Na hora de começar as visitas, não saiam de casa sem a vossa lista de perguntas a fazer e questões a esclarecer:

. A capacidade da sala;

. O que está e não está incluído no valor;

. Trabalham em exclusividade com o serviço de catering próprio ou permitem outros fornecedores da vossa escolha?

. Confirmem o que o espaço permite e o que proíbe (como decoração feita por terceiros ou aluguer de mobiliário extra, por exemplo). Não aceitem a “decoração da casa” com o argumento de que é tendência ou única opção, o diálogo e flexibilidade são sempre o melhor caminho;

. Hora de início e de fim da vossa festa;

. Se pretendem que a cerimónia decorra no mesmo espaço da festa, verifiquem a capacidade dos espaços exteriores, nomeadamente a oferta de sombra (façam contas à posição solar);

. Inspeccionem casas de banho, acessos (estacionamento incluído) e espaços exteriores (sem esquecer, novamente, os pontos de sombra!) Tomem nota também do mobiliário de apoio, aquecimentos para as noites mais frescas, dimensões dos espaços e alguns detalhes de segurança, por causa dos mais pequenos e dos mais velhos;

. Peçam para ver as opções de atoalhados e loiça; caso tenham um ar desgastado, perguntem se é possível alugar outros (o custo deverá estar sempre do lado do fornecedor); e vejam também uma mesa montada, completa.

. Avaliem devidamente o espaço: se é escuro e está em mau estado, a decoração não resolverá tudo, há situações estruturais que não têm solução.

 

 

 

 

 

Esta visita deverá ser feita com tempo e calma, máquina fotográfica na mão e caderno de notas a postos. É fundamental que inquiram sobre todos os itens e tomem nota de tudo aquilo de que gostaram mais e menos. E, claro, estejam atentos à forma como vos recebem e como acolhem as vossas dúvidas e sugestões.

Uma boa equipa de trabalho não é aquela nos que apresenta sempre as mesmas soluções e sempre as mesmas fórmulas. Para nós, cada cliente tem uma diferente expectativa, diferentes vivências e culturas e devemos saber ouvi-los e, a partir daí, começar a construir o seu evento, apresentando um projecto criativo e processos de personalização com os quais os clientes se identifiquem de forma gradual, profissional e simplificada. – Histórias com Alma

Uma coisa importante é também assegurarem a articulação entre o espaço e os outros fornecedores. Se a decoração é por vossa conta (particular ou de um profissional contratado), sejam exigentes e claros, façam as devidas apresentações antecipadamente e afinem e promovam a sintonia entre todas as partes. Detalhar é importante, e por isso acertar responsabilidades, tarefas, timmings e contactos é fundamental para que tudo flua de modo sereno, profissional e ágil. Não se esqueçam de confirmar horários e disponibilidades para as montagens e desmontagens dos fornecedores externos.

E, claro, para que não haja surpresas desagradáveis, deverão sempre conversar sobre um plano B. Certamente estão a pensar em dias soalheiros e temperaturas amenas, mas se o plano principal é ao ar livre, certifiquem-se de que há uma opção alternativa no interior, à vossa disposição e em perfeitas condições de utilização. Confiram a meteorologia na semana anterior, não confiem demasiado na sorte, e se for caso disso, ponham em marcha as alternativas planeadas.

 

 

 

 

 

Depois de visitarem os espaços que elegeram durante as pesquisas, pesem prós e contras de cada um deles. Retomem o contacto com quem vos recebeu para esclarecer dúvidas e considerar outras opções que não vos tenham ocorrido durante a visita; e façam-no por telefone, que é mais produtivo e poderão trocar ideias na hora, em vez de perder tempo a trocar e-mails.

Já decidiram? Óptimo! Confirmem que tudo o que negociaram está no papel. Se se sentem confortáveis com as propostas apresentadas, acertem e assinem o contrato.

Na nossa romântica opinião, pensamos que existe um espaço ideal para cada evento. Sentimos, quase de todas as vezes, que quem nos vem visitar e conhecer e se emociona com as nossas Histórias com Alma é o nosso cliente e vai eleger-nos como o seu espaço. – Histórias com Alma

Na nossa romântica opinião, concordamos com a Ana e o Francisco. Estejam atentos a todos os detalhes de que vos falámos – é um investimento demasiado importante para ser decidido de ânimo leve, claro. Mas escutem atentamente o bater dos vossos corações: se acelerar ao entrarem num espaço em particular, se conseguirem ver-vos, e aos vossos convidados, naquelas salas e naqueles jardins, se sentirem um aperto emocionado no peito ao imaginar a primeira dança daquele cenário… então, muito provavelmente, encontraram o eleito.

Save

Marta Ramos

Paixão à primeira vista, na Quinta de Sant’Ana

A Rita e o Francisco casaram em Setembro e, quando começaram a organizar o seu dia, procuravam, acima de tudo, um sítio que tivesse uma ligação forte com a natureza, de uma forma simples e descontraída, mas com um toque de sobriedade e elegância. A Quinta de Sant’Ana foi o único sítio que visitaram – foi paixão à primeira vista: «Por tudo. Pela envolvência daquele sítio, pelo que nos fez sentir, pelas pessoas que conhecemos, e pelas histórias de romance antigas que me fizeram sonhar», conta-nos a Rita.

Para além da Quinta de Sant’Ana e da sua equipa, a Rita e o Francisco contaram ainda com o toque mágico da Jukebox para pôr toda a gente a dançar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E que conselhos deixa este casal aos noivos em fase de preparativos? «Que encarem este dia como um dia que deve ser à vossa medida e não ao estilo de mais ninguém. Por outro lado, na fase de planeamento, deleguem o mais possível para se poderem focar nas coisas mais importantes e que podem fazer a diferença. No nosso caso, a Quinta de Sant’Ana organizou absolutamente tudo, apenas com conversas pontuais de alinhamento. E foi de facto um descanso!»

Fotos: Love is My Favorite Color

 

Save

Mónica Aragão

Quinta do Hespanhol, um fornecedor Simplesmente Branco

A Quinta do Hespanhol encerra o charme e o encanto próprio de seis séculos de história – sempre na posse da mesma família. A envolvê-la, mais de sessenta hectares, com frondosos arvoredos, matas seculares, parques, jardins e pátios.

 

Dentro de portas, três salas contíguas, bem decoradas e equipadas, e acima de tudo muito confortáveis, são o cenário perfeito para o vosso dia. A tudo isto junta-se um serviço dedicado, uma decoração personalizada, uma boa cozinha e uma animação divertida, para que cada festa seja única.

 

 

 

Conheça a Quinta do Hespanhol ao vivo e bem de perto: encontram toda a informação que precisam na sua ficha de fornecedor.

 

Mónica Aragão

Damos as boas vindas: M’AR De AR

Hoje abrimos as portas do Simplesmente Branco para dar as boas vindas aos Hóteis M’AR De AR, em Évora. Privilegiados pela sua localização com vista para a Muralha Romana e Aqueduto da Água de Prata, são o lugar ideal para a celebração do vosso casamento. Em cada um destes dois hotéis poderão encontrar o espaço com que sempre sonharam! A equipa residente concretiza casamentos tradicionais e modernos, criando ambientes sofisticados ou rústicos, para celebrações mais intimistas ou para um maior número de convidados. Esta experiente equipa está inteiramente à disposição para vos ajudar a concretizar o vosso grande dia!

 

Descubram este lugar no site dos Hóteis M’AR De AR e não deixem de ver também a sua página no Facebook e no Instagram. Para mais informação e contactos, consultem a sua ficha de fornecedor.

 

Mónica Aragão

Damos as boas vindas: Set Lounge

A Set Lounge torna possível o sonho de muitos noivos, que sempre se imaginaram a casar de “pé na areia”. A Set Lounge – Beach Weddings nasceu em pleno areal da Praia da Azurara, em Vila do Conde. A aposta neste espaço passa por proporcionar aos noivos um casamento de sonho, num espaço diferente, com um ambiente mítico. Aqui poderão realizar uma cerimónia civil ao pôr-do-sol, um corte de bolo em pleno oceano Atlântico e uma festa que durará até ao amanhecer, sempre acompanhados por um serviço de catering próprio, decoração personalizada, cocktails, muita música e alegria. Sejam diferentes, casem com os pés na areia!

 

Visitem o site da Set Lounge para conhecerem melhor este espaço e não se esqueçam de espreitar a sua página no Facebook. Para mais informação e contactos, consultem a sua ficha de fornecedor.

 

Mónica Aragão

Jardim Secreto, por Monte do Ramalho

O Jardim da Figueira é, provavelmente, um dos segredos mais bem guardados do Monte do Ramalho e um espaço muito especial que já foi palco de histórias de amor arrebatadoras, de muitos e emocionantes “sim, quero!”. Localizado sob um conjunto de figueiras e rodeado por olivais de perder de vista, o Jardim da Figueira tem um altar e lugares sentados para todos os convidados, ou seja, torna-se um recanto perfeito para uma cerimónia civil ou religiosa única.

Quem quer dar o nó ao ar livre?

 

O Monte do Ramalho é fornecedor seleccionado  Simplesmente Branco. Podem encontrar mais informação e contactos detalhados na sua ficha de fornecedor, arquivada em Espaços.