Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: como poupar no casamento, versão smart saver

Com certeza que já encontraram muitos artigos publicados sob o tema ‘casamentos low-cost‘. É seguramente uma expressão apetecível, um chamador de leitores, e tem feito correr muita tinta (ou muitos caracteres) sem que isso se traduza em informação verdadeiramente válida para vocês, que estão em processo de organização do vosso casamento. A Susana já aqui abordou este assunto, na altura com base num artigo da revista Sábado para o qual ela foi consultada mas cujos contributos não foram tidos em conta na hora da publicação: «A mensagem que passou, é que todo este mercado é um absurdo e que contratar um fotógrafo amador no Facebook e comprar um vestido numa loja chinesa são o caminho certo para domar o orçamento. Pois não é – isso é uma visão miserabilista de um dia memorável. Todos, noivos, família, amigos, profissionais, merecem melhor.»

Ora, para casar são precisos, exactamente, 220 euros, no mínimo, e 390 euros, no máximo, conforme as opções legais escolhidas. O resto? O resto é uma festa, apenas isso e é essa perspectiva sob a qual deve ser olhada e debatida. – Susana Esteves Pinto

Então mas não se pode querer poupar? Pode, claro que sim! Gostamos da expressão smart saver e é sobre esse assunto que nos debruçamos nas nossas wise words de hoje. Ser um smart saver implica que se compreenda as diferenças entre poupança, que diz respeito a um custo (baixar um orçamento, por exemplo) e ganho, que diz respeito a valor (ter mais qualidade ou serviço, pelo mesmo preço).

Este é o conceito que pusemos em prática numa lista de sugestões, algumas nossas e outras sugeridas por profissionais do sector, que esperamos vos ajudem a ajustar o vosso sonho ao vosso orçamento, sem nunca comprometer a qualidade. Parece-vos tarefa impossível? Mas não é – tomem nota:

 

 

 

. Contactem o fornecedor com antecedência e proponham uma forma de pagamento mais apelativa: ficarão numa posição interessante para negociar e fará de vocês clientes mais apetecíveis;

. optem por uma festa pequena (exactamente à medida das vossas possibilidades) e com muito charme e qualidade. Para quem ficou de fora, e com muita pena, preparem mais tarde um mimo extra: um jantar num restaurante simpático e acolhedor (novamente, dentro do vosso orçamento), uma espécie de segunda festa mais descontraída mas igualmente feliz e comemorativa;

. encurtem o tempo da festa e logo, o consumo: apenas um delicioso jantar, com um leve cocktail de boas vindas, bolo dos noivos servido como sobremesa e uma ceia simpática se os vossos convidados forem mexidos e noctívagos;

. façam uma gestão criteriosa do menu e do bar, uma fatia generosa do vosso orçamento está aqui e qualquer poupança é multiplicada por muitas unidades. Construam um menu sensato, gostoso e equilibrado. Dispensem as variedades infinitas de doces, salgados, mariscos e aperitivos, e optem por produtos locais, de muita qualidade e apenas 2 ou 3 variedades. Será suficiente, não se preocupem! Se têm contactos privilegiados numa garrafeira, façam as contas às quantidades e levem o vosso próprio vinho: informem-se sobre a taxa de rolha (custo de abrir, preparar e servir). No bar, a mesma sugestão, pouca variedade e muita qualidade;

. façam uma gestão criteriosa dos materiais gráficos: tirem partido da matéria prima (um belo fine paper) e usem apenas uma cor, o resultado é luxuoso! Simplifiquem nas ementas (1 ou 2 por mesa, ou nenhuma, trocada por um belo quadro caligrafado), nos marcadores (um cartãozinho com um número) e noutros extras, mas não dispensem uns bonitos cartões de agradecimento;

. tirem partido de um espaço familiar ou de amigos que não se importem de o disponibilizar, esta é outra fatia gorda do orçamento. Garantam que o deixam impecável e gastem o que for necessário para que isso aconteça. Associações, jardins de museus e casas regionais serão também alternativas em conta;

. trabalhem com fornecedores locais, sempre que possível, a poupança estará nas deslocações e estadias, mas também no conhecimento e agilidade que têm na comunidade ou junto dos restantes fornecedores;

. façam algumas compras nos saldos, porque há oportunidades relevantes. Falamos da lingerie, da gravata, dos sapatos, acessórios e outras peças que não dependem de tendências ou colecções;

. explorem outras opções: os vestidos de noiva não passam de moda assim tão depressa e as colecções anteriores podem ter preços competitivos e modelos igualmente maravilhosos. Considerem também pronto a vestir de qualidade e materiais nobres: invistam nos acessórios certos e todo o modelo ganha vida e estatuto. E já ouviram falar de vestidos de noiva em segunda mão por uma boa causa?

. Falando ainda dos sapatos (de ambos): façam compras com vida longa. Isto aplica-se igualmente ao fato do noivo. Um belo fato escuro, bem cortado, uma camisa branca elegante, uma gravata de seda, são clássicos intemporais – peças que poderão ser vestidas muitas vezes, em ocasiões relevantes, nos próximos 5 anos;

. peçam emprestado (ou aluguem) pormenores secundários: um saiote, um véu;

. sempre que possível, optem pelo que já existe e completem com alguns detalhes personalizados, que acrescentem valor: é relevante na conta final. Quando não há, aluguem, não comprem, e esta regra vale para tudo (das mesas aos talheres, às jarrinhas, molduras e sofás!);

. e uma nota que excede o dia do casamento: poupem sabiamente na lua-de-mel! Muitas vezes, assoberbados com todas as decisões que têm que tomar para o grande dia, os casais escolhem o destino de viagem quase de véspera. Se decidirem isso logo no início do processo e fizerem as vossas reservas atempadamente, isso é dinheiro em caixa!

 

 

 

Por falar em lua-de-mel, lembram-se das vantagens de casar fora de época? Pois aqui está mais uma: viagens mais em conta, que podem permitir encurtar o custo ou alongar a distância ou a duração (ou seja, poupar ou ganhar).

«O meu melhor conselho é o mais simples de todos: saber é poder. A informação é o bem mais valioso, certifiquem-se de que estão bem informados, façam o vosso trabalho de casa com critério e discernimento. Perguntem, respondam. Parem para reflectir, não se deixem engolir pelo furacão das opiniões, pressões e aparências. Virem as costas ao absurdo, abracem o bom senso.» – Susana Esteves Pinto

É muito mais simples do que parece. Simples é, de facto, a palavra de ordem em todo o processo. Precisamos muito de lembrar-nos disso.

Fotos: Golden Days Wedding Photography

Susana Pinto

Casamento rústico na Quinta de Sant’Ana: Emily + Nuno

Um casamento rústico é sempre perfeito neste cenário de outono gentil e quentinho. A festa da Emily + Nuno, vindos de Londres para a Quinta de Santana, juntou uma mão cheia de fornecedores seleccionados do Simplesmente Branco e o resultado é, claro, impecável.

As fotografias são do Rui Gaiola, que assina como Golden Days Wedding Photography, a maquilhagem da noiva ficou por conta da Kabuki Makeup by Rita Amorim e o bouquet orgânico é a GreenPic’k.

Segue a festa, e uma ideia para pensar: o discurso, um hábito tão formalmente anglo-saxónico e emotivo, que nos passa ao lado a nós, calorosos latinos de gema. Uma curiosa contradição, que este casal de ambas as origens resolveu na perfeição, de forma memorável e muito especial!

Vamos espreitar?

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

When the answer was “yes!”, how did you imagine your day?

I saw Quinta de Sant’ Ana on Pinterest right around the time we got engaged, and knew right away it was the place. Wedding plans got put on hold for a year as we went backpacking around Asia, but as soon as we got home I contacted the venue and straight away booked it. We didn’t look at any other venues as I couldn’t imagine it taking place anywhere else. The lush green vineyards, vibrant yellow walls, white doves and endless wine were hard to beat – luckily Nuno agreed!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Did you feel prepared or was it a nerve-racking journey?

I was quite relaxed throughout the planning process. Ann and everyone was wonderful and made everything super easy. There was a lot of updating and sending back and fourth of excel spreadsheets, but it all came together smoothly.

 

At what point in the wedding planning did you feet, “this is for real”?

I always felt I was planning someone else’s wedding up until the night before, when all our friends and family arrived together in the beach town of Ericeira – where we decided to be based. We were lucky to have those who love us come from all over the world, so it was a surreal experience to finally see everyone’s faces all in one place!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Is the result true to the initial ideas or is it very different? Did you have any help?

We didn’t go into the planning with any specific vision, but the end result was better than we could have every imagined. So many people remarked that it was the best wedding they had every attended. From the celebratory chapel bells, wine tasting in the cellar, exceptional waiter service and beautiful organic floral arrangements, it was all a dream come true.

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

What was fundamental to you? And unimportant?

It was really important to me that everyone had a great time – so an open bar was necessary! Coming from two different cultures, there were some differences in expectations for the day – but the food and drinks were always priority for us both. We were not so worried about a particular colour scheme or theme and chose mostly neutral/natural tones to keep things clean and fresh. It was important for me to have soft candle lighting during the dinner, which the venue achieved well with interwoven greenery.

 

What was the easiest? And what was more difficult?

Deciding we wanted to get married in Portugal was definitely the easiest decision, as we couldn’t chance the London rain and you can’t beat the Portuguese sun! However, on the day, an unexpected heat wave and 40 degree temperature made the outside ceremony quite a challenge…!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

What was the sentimental peak of your day?

The speeches were undeniably the peak for me. It was the first moment I felt as though I was able to sit back, relax and take in the day. My father passed away when I was very young and my brother made an incredible speech in his place – acknowledging the fact that we had chosen to marry on father’s day. The Portuguese do not traditionally do speeches like we do in England, and as a surprise my brother did half of the speech in Portuguese. It was such an amazing moment that bridged the two cultures – everyone was crying, standing and clapping by the end!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

And the peak of fun?

I really loved the cake cutting. The fireworks and champagne really signified the start of the party!

 

Now that it has happened, would you change anything?

I would ensure to make more time for myself in the lead up to the day. It is so important to be relaxed and calm so you can really take everything in and remember it all. Our favours could have been better – we left it until the last minute, and although the tequilla bottles were a hit, due to the extreme heat all of the chocolate Portuguese tiles melted and turned into liquid!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Some words of advice for upcoming brides …

Don’t stress over the small details!! Someone gave this advice to me before the day, and having now gone through the experience I couldn’t agree more. The day flies by and you will hardly notice them – and neither will anyone else!

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Casamento rústico na Quinta de Sant'Ana

 

Our selected vendors:

 

invitations, graphic materials and favors: bride & groom;

venue, decor, catering and cake: Quinta de Sant’Ana;

groom apparel and accessories: Hugo Boss;

wedding dress and shoes:  dress by Vera Wang and shoes ASOS;

makeup: Kabuki Makeup by Rita Amorim;

hair: Kerry Forster, the bride’s aunt;

bouquet: GreenPic’k;

photography: Golden Days Wedding Photography;

cinematography: Bruno Costarelli;

lights, sound and Dj: Rui Franjas.

 

Save

Save