Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha: Sílvia e Marco

Hoje trazemos um casamento na Quinta da Bichinha, em pleno Dezembro.

O mais bonito dos dias da Sílvia + Marco aconteceu no inverno, e se acham que festas de verão é que é, aqui está a prova, imagem atrás de imagem, que há todo um charme maravilhoso num casamento em Dezembro: as cores, as texturas, o aconchego, o detalhe…

As fotografias bonitas são da doce Rita Santana e elevam este dia ao ponto que ele merece: maravilhoso!

Preparem um chá fumegante, puxem da mantinha e deliciem-se, num dia chuvoso como hoje, com este casamento tão bonito.

Bom fim-de-semana!

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?
Ambos tinhamos visões bem diferentes: um imaginava ter as pessoas mais importantes à sua volta numa festa para todos, o outro só fazia questão que estivessemos juntos num local paradisíaco. Como em qualquer relação, houve cedências de parte a parte até que ambos começaram a imaginar o mesmo. Realizar a cerimónia num lugar acolhedor, quente e resgardado porque Dezembro convida a isso, juntos dos nossos amigos mais próximos. Acima de tudo, queríamos algo simples e que todos vivessem um bom momento com a partilha da nossa felicidade.

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Bem… Antes de tudo: organizámos um casamento em dois meses. É claro que antes de começar o ‘sprint’ deste caminho, fizemos as nossas pesquisas sempre focados na resposta à seguinte questão: será possível preparar um casamento, num curto espaço de tempo e com um budget modesto? Após várias indicações de que seria possível, avançámos… e é um mundo, isto dos ‘casamentos’. Acho que de todo não estávamos preparados para tal imensidão de pormenores a organizar em tão curto espaço de tempo, porém, após o susto inicial, e já como muita informação recolhida, foi-se desenrolando naturalmente. Também ‘sentimos’ de forma diferente este percurso, a Sílvia estava muito mais nervosa no ínicio, apaziguando-se à medida que ficavam todos os pormenores resolvidos, já para o Marco, os nervos iam aumentando à medida que a data se aproximava, com medo que alguma coisa falhasse.

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Apesar de querermos algo simples, por vezes o que desejamos não se concretiza… mas apareceu a Quinta da Bichinha e quando a fomos visitar, deu-se o ‘click’. A entrada da quinta, as cores outonais das vinhas, um jardim cheio variedades de cores e árvores, os antigos edifícios restaurados, a lareira (aquela lareira…), o sofá de veludo vermelho da cerimónia, as peças antigas restauradas (a magnifíca pasteleira transformada em mesa). Era tudo a nossa ‘cara’.

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Voltamos a repetir: nós não queríamos nada de mais. Só que encontrámos pessoas excepcionais, da decoração ao catering, que nos ajudaram com algumas ideias. Ajuda? Temos que dizer que toda as pessoas que estiveram envolvidas no nosso casamento foram imprescendíveis pela sua amabilidade e esforço, particularmente a senhora Fernanda e o seu filho Diogo, da Quinta da Bichinha, como também a fotógrafa Rita Santana por toda a disponibilidade, paciência e as ideias que nos deu (aquela ideia das bolas de sabão foi ótima na saída da cerimónia).

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental era casarmos. Certo? Agora fora de brincadeiras… de facto, era estarem presentes as pessoas mais importantes para nós. O resto é relativo, mas diríamos que eram menos importantes todas aquelas tradições, atirar o bouquet ou leiloar a liga da noiva.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

É um cliché… mas tudo depois da cerimónia, foi super fácil.
Marco: receber todos os convidados sozinho, fazer parte das preparações da cerimónia e ficar à espera noiva enquanto toda a gente olha para ele… de facto foi o mais difícil.
Sílvia: colocar os brincos da avó (enquanto toda a gente esperava por ela, para a iniciar a cerimónia, principalmente o noivo).

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Pelo menos três: a troca de alianças, a primeira dança (com a ajuda preciosa da Etta James, a cantar At Last) e (para o Marco) a entrada da sua bela esposa ao vê-la pela primeira vez com o vestido de noiva.

 

E o pico de diversão?

Aquela pista de LED! Fez as delícias de miúdos e graúdos!

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Um pormenor especial…

Sem sabermos, as nossas roupas condiziam muito bem, com São Pedro a ajudar (geralmente a chuva acompanha-nos sempre).

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Dizem que “quem nada não se afoga”, mas por nós… nada! Casávamos já amanhã, exactamente da mesma forma.

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Sabem aqueles sonhos de princesa, quando eram meninas, e imaginavam aqueles casamentos da Disney…? Esqueçam! Keep it simple! Porquê? Menos entropia, menos chatice… e de certeza que toda a gente prefere não se chatear com a organização do casamento, até porque é para desfrutar de um momento único na vida. Moderem as expectativas, consenso entre os noivos é muito importante (cedências de parte a parte para caminharem os dois na mesma direcção), e aproveitem ao máximo a viagem para esta grande etapa das vossas vidas.

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

Casamento de inverno na Quinta da Bichinha, fotografado por Rita Santana Photography

 

 

Para verem mais imagens bonitas deste dia, dêem um salto ao site da Rita Santana, que a festa continua por lá.

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: nós próprios, pela internet;

espaço, decoração, bouquet de noiva, catering e bolo dos noivos: Quinta da Bichinha;

fato do noivo e acessórios: Alfaiate Venâncio;

vestido de noiva e sapatos: internet e relíquias de família;

maquilhagem e cabelos: Hair & Beauty Studio Cabeleireiros;

fotografia: Rita Santana Photography;

luzes, som e Dj: GrooveBox.

 

Susana Pinto

Casamento no Vale da Corga: Zara + João, que belo dia!

Hoje estreamos o trabalho da equipa Little Joy, com um belíssimo casamento no Vale da Corga, na Trofa: é o mais bonito dos dias da Zara + João, com lugar de destaque para o seu filhote, que acompanhou a mãe ao altar.

Que belo dia este, os sorrisos e o amor são palpáveis e atravessam tudo e todos – muito mais do que a decoração e o resultado final que é a soma de todas as decisões tomadas pelo caminho, a essência de um casamento é isto mesmo e é maravilhoso de viver e assistir!

Bom fim-de-semana, fiquem com as palavras da Zara e o grande conselho final:

Vivam e desfrutem do planeamento do casamento, encarem isso como uma fase bonita das vossas vidas e divirtam-se nas escolhas que fazem porque o dia, o grande dia, passa a voar.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Sabíamos que queríamos uma cerimónia civil envolvida na natureza e imaginámos de imediato o nosso filho a entregar a mãe ao pai.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Vivemos juntos há dez anos e já temos um menino de seis anos, crescemos muito juntos e enfrentámos o melhor e o pior que a vida nos trouxe sempre juntos pelo que mais preparados não poderíamos estar, mas confessamos que à medida que o momento se aproximou, os nervos apoderaram-se de nós.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Curiosamente sentimos isso logo na escolha do local, quando o visitámos pela primeira vez e a construção ainda estava no início… acabámos por descobrir que, por coincidência, o Vale da Corga foi projectado pelo arquitecto que tínhamos escolhido para projectar a nossa casa e, naquele momento, mesmo sem fazermos ideia do resultado final, tivemos a certeza que era ali que queríamos casar.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado final foi tudo aquilo que idealizámos e mais, muito mais… Sim, tivemos a ajuda da organizadora de eventos Amar & Peónias.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Boa música e bom vinho, os ingredientes fundamentais para garantir que teríamos uma festa de arromba. Atirar o bouquet foi um momento que nunca valorizámos e por isso optámos por não o fazer

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Penso que o mais fácil foi a escolha da roupa e acessórios, sabíamos bem o que queríamos.

O mais difícil foi, sem dúvida, aprender a coreografia da música da primeira dança, concluímos que somos os dois uns pés de chumbo, mas até correu muito bem.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

O discurso do padrinho, sem dúvida alguma, o momento em que nos disse, dirigindo-se ao João: “ainda me lembro quando me disseste que se não for esta, não será mais nenhuma”, foi extremamente emotivo para nós.

 

E o pico de diversão?

O pico de diversão foi, sem dúvida, a nossa dança, depois de treinos, quedas e nódoas negras, acabámos por conseguir desfrutar muito da dança e foi extremamente divertido termos um momento Rock&Roll no nosso dia.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Um pormenor especial…

A presença do nosso filho em todos os momentos cruciais. Todos os dias nos pede para casarmos outra vez porque foi o dia mais divertido da sua vida. Para nós estas palavras valem ouro porque fizemos tudo para que o nosso dia fosse muito especial para ele.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não, faríamos tudo da mesma forma, foi um dia perfeito

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Vivam e desfrutem do planeamento do casamento, encarem isso como uma fase bonita das vossas vidas e divirtam-se nas escolhas que fazem porque o dia, o grande dia, passa a voar.

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

Casamento no Vale da Corga, com fotografia de Little Joy

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos e ofertas aos convidados: Amar & Peónias;

espaço, decoração, bouquet da noiva, catering e bolo dos noivos: Vale da Corga;

fato do noivo e acessórios: Hugo Boss e Pequignet;

vestido de noiva e sapatos: Atelier Pronovias e Jenny Packham by LK Bennet;

maquilhagem: Sofia Mesquita, BSpace;

cabelos: Maria José Abreu;

fotografia: Little Joy;

vídeo: The Breeders;

luzes, som e Dj: Nuno Cardoso N Produções.

 

Susana Pinto

Casamento no Palácio de São Marcos: Carla + David, um belo dia!

Hoje vamos até ao Palácio de São Marcos, em Coimbra, para o mais bonito dos dias da Carla + David.

Há abraços bonitos, um vestidaço, muitos sorrisos, flores maravilhosas, uma luz preciosa e momentos para sempre – que delícia que tudo isto é!

Os noivos escolheram a dedo a sua dream team de fornecedores: a Diana Nobre, que fotografou, os Pixel, que filmaram, e a Invite Momentos Felizes que fez os convites e todo o estacionário.

Juntem-se a nós para o dia doce da Carla + David.

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana!

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Na verdade, não imaginámos nada em concreto! Estávamos na Tailândia de férias e o momento aconteceu de forma inesperada, a primeira coisa que fizemos nessa noite foi a lista com as pessoas que queríamos que estivessem connosco no grande dia (ainda guardamos o guardanapo de papel com essa lista!). Esse foi sempre o nosso desejo, juntar todos aqueles que fazem parte das nossas vidas!

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

No início não fazíamos ideia da caminhada que estávamos prestes a fazer! Foi um longo caminho de mails, visitas, reuniões e grandes decisões. Decidimos que iríamos fazer, a dois, todas as escolhas para esse dia, incluindo cada um dos nossos fornecedores. Foi muito trabalhoso mas, sem dúvida, muito recompensador no grande dia.

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

A dois dias do casamento! Na manhã em que entrámos no Palácio de São Marcos e estavam a preparar as flores, aí tudo se tornou real! Eu (noiva) desfiz-me em lágrimas e deixei o responsável da decoração em pânico! Era mesmo aquilo!

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

A decisão de realizarmos o casamento em Coimbra (onde nasceu a noiva), vivendo em Lisboa, nem sempre foi fácil! Tivemos a ajuda fundamental da equipa do Prometo Amar-te (Decoração e Organização), em concreto do Daniel Castanheira, e foram várias as reuniões em Coimbra, mails e whatsapps trocados! O Daniel conseguiu tornar realidade todas as ideias que lhe mostrámos com imagens idílicas de casamentos, e ainda conseguiu superá-las com algumas surpresas!

Todos os nossos fornecedores superaram aquilo que lhes pedimos!

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O mais importante era conseguir juntar a nossa família e amigos mais próximos, e poder partilhar aquele dia único feito à nossa imagem. Fizemos questão de escolher cada pormenor e isso tornou o dia ainda mais especial, estávamos ansiosos por poder partilhá-lo! Tudo era importante, e tivemos a preocupação de tentar tornar o dia quase perfeito!

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

CAsamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Escolher o local do casamento, foi paixão à primeira vista assim que entrámos no portão!

O mais difícil foi mesmo conseguir gerir todo os stress (e algum cansaço) com a emoção inevitável na semana que antecede o casamento! Eram muitos os pormenores a ultimar e foi trabalhoso gerir todas as pessoas envolvidas. Mas ainda arranjámos tempo para concretizar algumas surpresas que nós mesmos preparámos para todos!

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Quando nos encontrámos no altar da igreja!

 

E o pico de diversão?

Na pista de dança, o nervoso miudinho já tinha ficado para trás, era só aproveitar ao máximo e descontrair!

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Um pormenor especial…

Foram vários para nós!

Um deles foi conseguir que o padre que me baptizou (noiva) celebrasse o nosso casamento, tornando o momento ainda mais especial e familiar. O vídeo e dança que preparámos para todos os que estavam presentes. E ainda o nosso bolo de casamento, que se tornou num projecto muito pessoal e bastante personalizado! Apostámos tudo numa pessoa para criar o “nosso bolo”, e com várias provas pelo caminho e muitas inspirações, acabou por ser um dos elementos mais elogiados do nosso dia!

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

É um cliché, mas não mudávamos nada!!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Façam por acontecer tudo aquilo que imaginaram! Não percam a oportunidade de tornar este um dos dias mais felizes! Não desesperem nos últimos dias, o que vem a seguir é demasiado bom! Quando chegar o dia pensem “É agora!” e “deixem rolar”! Aproveitem cada segundo, é um dia muito feliz e cheio de emoções fortes.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Casamento no Palácio de São Marcos em Coimbra, com fotografia de Diana Nobre.

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Invite Momentos Felizes;

local: Palácio de São Marcos;

catering: Encontrus;

bolo: Ó da Casa;

fato do noivo e acessórios: fato Dielmar, sapatos Church’s;

vestido de noiva e sapatos: vestido Jesus Peiro, sapatos Luís Onofre;

maquilhagem: Maria Casanova;

cabelos: Good Hair Day by Lilia Costa;

decoração e bouquet de noiva: Prometo Amar-te;

fotografia: Diana Nobre;

vídeo: Pixel;

luzes, som e Dj: Feedback Produções;

coro na igreja: Coimbra Gospel Choir;

coreografia dos noivos: André Madeira;

 

Susana Pinto

Casamento no Monte do Ramalho: Patrícia + Sérgio, que festaça!

Hoje trazemos um casamento que é uma ode palpável ao amor!

Patrícia + Sérgio casaram no Monte do Ramalho, no coração do Alentejo e no mais gentil dos meses de verão. Foi em Setembro, num dia de luz dourada e paisagem sem fim.

Organizaram-se à distância, a partir de Londres, com o suporte da Amor e Lima e escolheram casar no campo, rodeados de amigos e família vindos dos quatro cantos do mundo. O cenário rústico do Monte do Ramalho, com o seu altar civil à sombra de uma figueira centenária, as suas mesas corridas ao ar livre, luzes de arraial e a eira que se transforma em pista de dança, foi o local perfeito para celebrar este amor tão generoso.

Juntem-se a nós, venham ver este dia para lá de bonito!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

O Sérgio pediu-me em casamento em Dezembro de 2016, de uma forma muito sua, na Chef’s table do Petrus em Londres. Disse imediatamente que sim mas ambos sabíamos que o casamento tinha que esperar quase dois anos porque eu estava grávida da nossa filha Maria Luísa que ia nascer em Agosto de 2017. Portanto tivemos bastante tempo para programar e organizar o nosso dia. Mas imaginar, já o tínhamos imaginado e ambos estávamos de acordo sobre como seria. Sabíamos que teria que ser ao ar livre, de preferência debaixo de árvores e com luzes de arraial. A cerimónia queríamos que fosse também ao ar livre, com fardos de palha a servir de bancos, e que tivesse um toque pessoal porque tínhamos muito receio da impessoalidade de um acto civil. Queríamos fugir de hotéis e procurar o campo e sabíamos que seríamos rodeados de oliveiras ou de vinhas. Ganhou a primeira!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, bastante preparados e com poucos nervos. Tanto eu como o Sérgio não éramos “marinheiros de primeira viagem” e já tínhamos casado antes. Acho que tínhamos claro o que imprescindível e o que era dispensável, e isso ajudou bastante na preparação e organização. Houve, sim, alguns nervos por causa das distâncias e pelo facto de termos escolhido casar fora de um lugar comum para qualquer um dos nossos convidados. Acrescenta-se o facto de cerca de 50% dos convidados virem de fora do país (Angola, Estados Unidos, Dubai, Espanha), o que criou alguns constrangimentos adicionais porque tentámos sempre ajudar na logística e arranjar solução para tudo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No meu caso, Patrícia, creio que só tomei consciência “é mesmo isto, vai acontecer” quando embarquei no Voo TP286 com destino a Lisboa no dia 1 de Setembro. Organizar um casamento à distância tem destas coisas. Acabamos por não estar tão emocionalmente próximos do evento e do eventual stress que a organização possa causar. Como confiávamos em pleno na Maria Villar, isso também ajudou. Quanto ao Sérgio, acho que foi quando começámos a ensaiar a dança para abertura da pista, depois da nossa amiga Huila a ter coreografado. Recordo dele dizer várias vezes: “Amor, isto está mesmo a acontecer, temos que ensaiar para sair perfeito, mas mais que tudo quero-me divertir a fazê-lo”.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado final foi totalmente fiel às ideias iniciais. Queríamos um casamento pequeno, muito simples, em que os pormenores escolhidos fossem sentidos e recordados pelos presentes e fizessem realmente a diferença.

Contámos com a ajuda preciosa da Amor e Lima, mais precisamente da Maria Villar. A Maria foi incansável e crucial durante todo o processo, não só ajudando-nos a manter-nos fiel ao plano e nossos desejos, como em manter um fio condutor do conceito do casamento que começou com o Save the Date e terminou com a execução de todos os detalhes do dia do casamento.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Era absolutamente fundamental que o casamento fosse fiel aos nossos princípios e transmitisse os nossos gostos. Queríamos muito que fosse simples e despretensioso, mas com significado. Queríamos muito, mas muito, aproveitar o dia e não chegar ao fim com a sensação que passou a correr e conseguimos. Era absolutamente fundamental que os nossos filhos tivessem uma atenção especial, de forma a que nem eles se sentissem esquecidos nem nós culpados por não lhes estar a dar atenção, ou a estar a dar atenção de mais e não aproveitar aquele dia único nas nossas vidas. Com a ajuda da Maria Villar conseguimos. Não sei se conseguimos identificar coisas que não tinham importância, porque as excluímos logo de início. Creio que não tinham importância muitas formalidades, dar lembranças desnecessárias e sem significado às pessoas, e olhar para o relógio.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Eu e o Sérgio dividimos responsabilidades. Ele ficou com o catering e a música e eu com o conceito do casamento, decoração, site e logística. O mais fácil e que disfrutámos imenso foi mesmo a escolha, tomar decisões, provar pratos, ver material de decoração, imaginar bouquets, entre tantas outras coisas. Mesmo tendo separado as responsabilidades, havia aspectos que se tocavam. Por exemplo, tive que solicitar outra opção de pratos/louça à Maria Villar porque o Sérgio dizia que não evidenciavam as qualidades do prato principal do jantar. Coisas de chef, mas acabei por concordar e dar razão, ajustando assim algo que tinha decidido. O mais difícil foi a questão logística e a gestão do alojamento para todos. Por coincidência houve um casamento no mesmo dia num hotel próximo e as opções de alojamento, que já eram limitadas, tornaram-se mais limitadas ainda. Ainda que me custasse imenso, houve convidados nossos a dormir a mais de 15 kms do Monte, que era a distância limite que inicialmente tinha definido.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Os discursos! O do Sérgio, que oscilou entre os momentos de choro e de riso e terminou com todos os presentes (exceptuando os estrangeiros) a cantar uma das nossas músicas. O meu, que foi improvisado e surpreendeu muitos dos convidados, e o do meu irmão André, que cumpriu o papel que estava destinado ao meu pai, que infelizmente nos deixou há três anos e não pode viver este dia connosco.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

E o pico de diversão?

A noite anterior já foi um pico de diversão. Oferecemos um churrasco alentejano aos familiares, padrinhos e madrinhas, e por ter sido tão descontraído, foi diversão espontânea. No próprio dia, foi também a parte da festa, que começou com a abertura da pista connosco a dançar uma música coreografada por uma amiga que é bailarina e professora de dança, e a partir daí contámos com a ajuda de muitos convidados para garantir que a diversão se mantinha até as forças acabarem.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Um pormenor especial…

As placas que estavam nas nossas cadeiras na mesa de jantar em que a minha dizia: Cozinhas para mim? e a do Sérgio dizia: Para sempre! Já que este pormenor é alusivo à nossa história e ao que nos uniu. Adicionalmente a leitura do poema que foi feita por uma das minhas madrinhas antes da troca das alianças, E por vezes, de David Mourão Ferreira, que imprimiu um significado especial à cerimónia pelo significado das palavras e o que significa para nós, sem dúvida personalizando o momento e fazendo com que todas as pessoas reflectissem sobre a importância de um abraço e do aproveitar do Presente.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

No cômputo geral não, mas se analisarmos o dia com todo o detalhe é impossível não identificar um outro pormenor que precisasse de melhoria ou alteração. Por exemplo, na cerimónia deveríamos ter salvaguardado que as duas primeiras filas eram reservadas aos padrinhos e não alertámos a wedding planner sobre isso. Uma delas efectivamente foi, a outra não e as madrinhas da noiva acabaram por ficar de pé muito perto dos noivos. Por outro lado, o Sérgio deveria ter feito um teste de som com o Filipe dos LBond para ter a certeza que não havia interferência com ele a falar com a música que escolheu para acompanhar o discurso.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Os melhores conselhos que posso dar são: keep it simple, porque é mesmo verdade que menos é mais e só no meio da simplicidade é que os detalhes entoam e se enaltecem. Definam um conceito e procurem ser fiéis ao mesmo, da mesma forma que definam um budget racional e exequível e procurem igualmente não o exceder. Tenham bem claro o que é imprescindível e dispensável, e o que pode estar. A dada altura da organização de um casamento parece que tudo é pouco, a comida é pouca, a bebida é pouca, não vai haver diversão suficiente, precisamos de mais detalhes ou acontecimentos no dia, e isso são muitas vezes as inseguranças e o stress a falar. Nessa altura é importante respirar fundo em conjunto e voltar a analisar o conceito e o rácio imprescindível vs dispensável. E por último, lembrem-se que o casamento é vosso e é o vosso dia, se vocês se divertirem e o aproveitarem com as pessoas presentes, nada os vai deixar mais alegres e felizes que essa partilha de sentimentos.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos, decoração e bouquet de noiva: Amor e Lima;

local: Monte do Ramalho;

catering e bolo dos noivos: Encontrus;

fato do noivo e acessórios: Alfaiataria San Giorgio, sapatos Armando Silva e botões de punho Cartier;

vestido de noiva e sapatos: vestido Laure de Sagazan e sapatos Manolo Blahnik;

maquilhagem: Lea Magui Louro;

cabelos: Ana Fernandes, Fhair Organic Studio;

ofertas aos convidados: para as senhoras, protectores de saltos da Lelle e echarpes à noite, da Amor e Lima. Para os senhores charutos e cigarrilhas Monte Cristo e José de la Piedra;

fotografia: Madalena Tavares;

vídeo: Fullcut;

luzes, som e Dj: LBond.

 

Susana Pinto

Casamento na Quinta do Hespanhol: Filipa + Francisco

Damos as boas vindas ao novo ano e retomamos as histórias de amor que contamos às sextas-feiras.

Hoje partilhamos o mais bonito dos dias da Filipa + Francisco: um casamento na Quinta do Hespanhol, fotografado pela Rita Santana Photography, com bouquet de noiva pelas mãos da Teresa Gonçalves, da Flor de Laranjeira.

Juntam-se a nós?

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanhol

 

Casamento rústico na QUinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na QUinta do Hespanhol: sapatos de noiva em cetim rosa blush

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: vestidos da menina das alianças

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Queríamos simplesmente que fosse um dia com significado.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, sentimo-nos sempre preparados. Houve momentos de cansaço devido às nossas vidas profissionais, mas sempre soubemos que era o nosso caminho.

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: penteado da noiva

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: pulseira da madrinha

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: vestido de noiva decotado nas costas

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Dias antes, quando falámos com o nosso Padre.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

É muito mais que fiel, superou as expectativas. E sim, tivemos muita ajuda.

 

Casamento na QUinta do Hespanhol: vestido de noiva Laure Sagazan

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: bouquet de noiva de Flor de Laranjeira

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: vestido da menina das alianças

 

Casamento na Quinta do Hespanhol:

 

Casamento na Quinta do Hespanhol:

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Era fundamental que todo o casamento tivesse um significado simbólico, senão não valeria a pena casar. Para nós todo o pequeno detalhe teve a sua importância.

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Decidir o espaço para o copo de água. Decidir a indumentária também foi, no geral, muito fácil e rápido. De resto, todas as escolhas tiveram o seu quê de dificuldade na escolha: menu, convites, missais, decoração da sala de copo d’água, leituras da cerimónia… Distribuir os convidados pelas mesas também não foi fácil.

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A preparação e o pós. Foi uma grande descarga emocional.

 

E o pico de diversão?

Durante a cerimónia e durante o copo d’água.

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol: naked cake dos noivos

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol: corte do bolo

 

Um pormenor especial…

Recriámos um “tie the knot”, e foi o próprio Padre que o entrelaçou nas nossas mãos.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada!

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Relaxem e aproveitem toda a preparação do casamento. É um dia muito feliz, e é um dia para vocês desfrutarem com o vosso futuro marido. É normal haver dúvidas e toda a preparação ter picos de stress, mas faz parte e, sem isso, o dia não teria tanto sabor.

 

Bonito, não é?

Passem pela casa da Rita Santana para ver o resto das imagens bonitas deste dia!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: feitos por um amigo nosso, Manuel Barbosa de Melo;

espaço, catering e decoração: Quinta do Hespanhol;

fato do noivo e acessórios: alfaiate em Coimbra;

vestido de noiva e sapatos: vestido e véu Laure de Sagazan, sapatos Kendal & Kylie;

maquilhagem: Andreia de Almeida;

cabelos: Patz Hair and Makeup;

bouquet: Flor de Laranjeira;

ofertas aos convidados: Muguet Bem Casados;

fotografia: Rita Santana Photography;

luzes, som e Dj: Paulito Rodrigues Dj.

 

Susana Pinto

Casamento na Casa do Souto: Filipa + Nelson, alinhados na diferença

Fechamos a semana com o último casamento do ano: Filipa + Nelson, na Casa do Souto, fotografados pelo talentoso trio Feel Creations.

Bonito, animado e feito de opções e gostos muito pessoais, este é o resultado do mais bonito dos dias destes noivos.

 

Sejam vocês mesmas, mesmo que seja algo desalinhado do que é “supostamente” normal. Encontrem-se e sejam fiéis a vocês mesmas e, no dia, façam o que vos apetecer, porque o dia é vosso e passa a voar!

 

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Um dia rodeados das pessoas de quem mais gostamos, num ambiente descontraído.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, sentíamos-nos preparados. Na semana anterior estávamos mais ansiosos, mas no fim foi tudo tranquilo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Quando estávamos mais próximos da data do casamento, quando o puzzle se começa a formar, com a escolha da decoração, do vestido, das músicas, etc., etc..

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Contámos com muitas ajudas, mas mantivemos sempre  como opinião final, a nossa. Nós não tínhamos nenhum ideal de casamento, fomos pesquisando e vendo o que se encaixava mais nos nossos gostos e personalidade, o que tinha mais a ver connosco.

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O mais importante para nós era a escolha musical e o ambiente descontraído, para não ser enfadonho para ninguém. O menos importante, sinceramente, não sabemos dizer, pois o que para nós não tinha importância tirámos da lista: animadores, coreógrafos, limousine ou fotos tradicionais com os convidados.

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

A escolha mais fácil foi a quinta. O mais difícil foi a distribuição dos lugares.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

O corte do bolo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?

O casamento foi animado do início ao fim, mas o ponto máximo da diversão talvez tenha acontecido após a abertura da pista de dança.

 

Um pormenor especial…

Todo a decoração foi bem pensada e era incrível: caçadores de sonhos, livros, música, uma tenda no jardim e muito crochet de família…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não mudaríamos nada.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Sejam vocês mesmas, mesmo que seja algo desalinhado do que é “supostamente” normal. Encontrem-se e sejam fiéis a vocês mesmas e, no dia, façam o que vos apetecer, porque o dia é vosso e passa a voar!

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos, decoração e bouquet de noiva: Milene Styling and Event Planner;

local, catering e bolo dos noivos: Casa do Souto – Paços de Ferreira;

fato do noivo e acessórios: Elisabeth Videira (Freeport Alcochete);

vestido de noiva e sapatos: sapatos Parfois e vestido foi feito pela minha modista, Leninha;

maquilhagem: Tânia Morais Makeup;

cabelos: Isabel Leão;

fotografia e vídeo de casamento: FeelCreations – Wedding Photo & Film;

luzes, som e Dj: We – Wedding & events djs – Pedro Campos.

 

Susana Pinto

Um doce casamento na Quinta da Costeira: Helena + Rui

Fechamos esta semana com dose dupla de um belo casamento na Quinta da Costeira, em Oliveira de Azeméis, captado pela Daniela Rodrigues, do Meraki Studio, e pela dupla Sublime Films (com quem falámos longamente esta semana).

A aventura de sete meses da Helena + Rui a caminho do mais bonito dos dias, é uma delícia, cheia de alegrias e alguns solavancos – porque é mesmo assim a viagem.

Atentem nos bons conselhos desta querida noiva: são valiosos e muito certeiros!

Sem mais demoras, partilhamos o amor deste dia: é palpável e tão doce…

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Acima de tudo e em poucas palavras: descontraído e alegre.

Queríamos um dia bem passado junto das pessoas que acreditamos serem as melhores pessoas para estarem ao nosso lado, e por isso partilhar este dia tão único e especial.

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Ahahah! Nunca se está preparado… Como tratamos pessoalmente de muitas das coisas, acabou por ser um caminho feito por um terreno totalmente desconhecido para nós e, por isso, foram-nos apresentados imensos desafios que tivemos de saber ultrapassar.

O caminho foi manifestamente com muitos nervos mas, no final, nem nos lembramos disso. Só para dar uma “luzinha” da velocidade em que tudo acontecia e teve de acontecer, o louco do meu ”ex”-namorado pediu-me em casamento e 7 meses depois estávamos a pisar o altar!

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Houve vários. Aliás, na verdade, acho que tivemos as estrelinhas todas alinhadas e no final podemos dizer que a grande maioria dos nossos serviços foram ao encontro daquilo que procurávamos, considerando o pouco tempo de preparação que tivemos. Mas a ter que realçar, não posso deixar de parte a fotografia da Meraki Studio, o vídeo dos Sublime Films e as flores da Artflor.

A fotografia da Meraki Studio não foi uma surpresa. Já tínhamos tido a oportunidade de conhecer o trabalho da Daniela, que nos encantou pelo seu registo, subtileza e atenção. Conhecê-la só tornou a escolha ainda mais óbvia. Foi por isso a primeira e única fornecedora que contactámos porque tivemos a felicidade de ter a data do nosso “felizes para sempre” disponível. Escolha fácil.

O vídeo dos Sublime Films foi o nosso mais incrível a agradável azar! Estávamos com muita dificuldade em arranjar um fornecedor na área do Porto com data disponível, com um portfólio no registo que pretendíamos, mas em tão pouco tempo e com uma data marcada parecia uma tarefa hercúlea. Já depois de muitíssimas pesquisas e contactos gorados, num belíssimo domingo, descobrimos os Sublime. Enviámos mensagem, a resposta foi rápida e a prestabilidade ainda maior. Marcámos reunião que nos surpreendeu por ser tão descontraída e por evidenciar grande sensibilidade em nos compreenderem tão rapidamente no trabalho que procurávamos.

O seu sentido estético, a edição de vídeo, o bom gosto, a atenção aos detalhes mas acima de tudo a emoção que imprimem em cada um dos seus trabalhos só nos entusiasmou mais. Sentimos a empatia. Daí a um simples “S”, a distância foi muito curta. O resultado: um trabalho magnífico! Não podíamos estar mais felizes por ter sido a Marta e o Rui a “record”ar o nosso dia!

A Artflor Flores da Célia foi óptimo, de tão fácil. A Célia é uma pessoa humilde com um talento nato para as flores e com um bom gosto já difícil de encontrar. Falámos-lhe do nosso gosto menos “requintado” e mais campestre e depositámos a nossa confiança de forma quase cega. Ficou tudo tal e qual imaginámos: simples e bonito. Bouquet, grinaldas, arranjo de lapela do noivo e dos meninos das alianças, pulseiras das madrinhas, arranjos para a “Vespa”… “Menos é mais” era a nossa regra, e não falhou!

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

É muito difícil e desgastante ter um dia planeado ao milímetro e que tivesse de ser fiel às nossas ideias. Sabíamos disso. Por isso, tivemos de abordar o desafio com o espirito certo: criámos apenas critérios com uma baliza relativamente ampla para que cada um dos fornecedores tivesse margem para efetcuar ajustes sem que nós ficássemos de alguma forma frustrados por estarmos demasiado presos a ideias. O critério mais rígido que tivemos foi o de que os convidados vivessem um dia bonito e que testemunhassem um dia de amor de duas pessoas que se sentiam livres e felizes. No final, o resultado foi totalmente a “nossa cara”.

Obviamente que tivemos ajuda. A parte de design gráfico foi fundamental para criar os detalhes e personalizar de uma forma tão encantadora o nosso casamento.

Mas os ingredientes estavam todos lá: uma mesa grande com a toda a família, um espaço muito campestre e descontraído, uma cerimónia religiosa muito diferente e personalizada com o “nosso” Padre Felix e muita alegria. Estávamos muito felizes!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental!? A leveza do dia, descontraído e alegre, sem protocolos e que toda a gente presente disfrutasse de um belo dia.

Sem importância… No sentido contrário do que era fundamental, tenho de dizer que os protocolos não eram de todo importantes. Pelo contrário. O formalismo e magnificência não eram de todo importantes.

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil: fotografia e flores. Como definir? Descomplicado.

O mais difícil: o processo religioso de casamento. Não o casamento, mas o processo administrativo, com a envolvência de várias pessoas fundamentais para o tratar, revelou-se “pesado” e de alguma forma stressante.

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A cerimónia. Foi longa, nós sabemos!! Mas estamos inocentes nesse capítulo… Foi preparada por nós com o apoio do Senhor Padre Felix (celebrante). Conseguimos criar muitos momentos especiais, de cumplicidade e muita intensidade. O melhor momento? Houve vários, mas a troca dos votos além de invulgar foi, para nós, muito emocionante!

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?

A surpresa que os malandros dos amigos e família prepararam. Uns malucos!

 

Um pormenor especial…

Só um…? Tínhamos bastantes detalhes da nossa vida naquele dia… Aqui acho que foi fundamental o design e o grafismo e isso ficou muito presente em todos os cantinhos como o Livro de Honra, as mesas, a recepção aos convidados, os leques, as ofertas, as máquinas fotográficas… Foram tantos que, de certeza, nos está a escapar alguma coisa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada. Nenhuma.

Faz parte da nossa história e é assim que a queremos contar e recordar. Nada é perfeito e por isso esta imperfeição tem tanto de “Belo” que por mais “Piqueno” que pareça ter sido o dia, foi o que de melhor tivemos para oferecer aos nossos convidados e amigos. Nós adorámos e ficámos muito agradecidos a todos os que nele participaram.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

E noivos também… Na verdade o que sentimos, mais do que o “sim” ao “aceitas casar comigo?” meses antes do casamento, é que tem de haver uma grande partilha e entreajuda em todos os momentos e decisões. Acreditem que tudo parece mais leve e fácil. Vão existir momentos em que as decisões vão passar por cedências de um de nós em prol do outro, mas a verdade é que este processo só vos vai ajudar a fortalecer aquilo que de bonito já existe. Por isso “fujam” do mais fácil: ela escolhe e ele diz que sim!

Outro conselho importante: criem empatia com os vossos fornecedores. Eles é que vão tornar o vosso dia mais “vosso”.

Chegado o grande momento, relaxem e divirtam-se!!!

 

 

 

 

 

 

E agora a segunda dose, em movimento. Bom fim-de-semana!

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos e ofertas aos convidados: Riska| Design Comunicação – Ana Tavares e Sara Figueiredo;

local, catering e bolo dos noivos: Quinta da Costeira, em Carregosa, Oliveira de Azeméis;

fato do noivo e acessórios: fato Augusto Saldanha, camisa Atelier da Camisa, ambos feito à medida, gravata Wickett Jones;

grooming do noivo: Barbas Shop

vestido de noiva e sapatos: Jesus Peiro Porto;

maquilhagem e cabelo: Jani Cardoso Hair & MakeUp;

bouquet de noiva: Artflor – Flores da Célia;

decoração: elementos dos noivos e da Quinta da Costeira;

fotografia: Meraki Studio;

vídeo: Sublime Films;

luzes, som e Dj: MusicBox.