Real Weddings Arquivos - Página 3 de 61 -  Simplesmente Branco 

0 Comentários

Michela + Federico: um casamento que antes de ser já o era!

Em vésperas de Carnaval, escolhemos um casamento muito divertido para dar cor a esta segunda-feira cinzenta: Michela + Federico, e um casamento que era só uma festa de aniversário mas que acabou por ser um belíssimo casamento!

 

Confusos?

 

“We knew that we wanted a different wedding that spoke about us and about our love story”, said the bride. “The best part of the day was the surprise when our guests found out we really got married! Nobody, except our families, knew that we got married that morning. As our party was only supposed to be an anniversary party some of our friends though it would be funny to prepare a fake ceremony for us. It should have been a simple joke but at the end of it the ‘officiant’ told everybody that during the morning we were truly get married! Everyone was so shocked!

“The best part of planning the wedding was the secret!” she concluded. “Keeping the secret together was really fun, it was difficult not to let it slip to our friends though!”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que delícia! Fotografias de Un matrimonio all’italiana. Passem pelo Rock&Roll Bride para ver o resto das imagens, que isto é uma festa e pêras!

 

Save

2 Comentários

Daniela + Marco, sempre juntos!

Chegam devagarinho os dias bonitos e o estado de espírito muda logo. Celebremos então os raios de sol, tão bem-vindos, com a festa da Daniela + Marco, igualmente luminosa e feliz!

Foi na Sertã, em Setembro, e “sempre juntos” prepararam o mais bonito dos dias, sempre focados no que os faz felizes, deixando que isso os guiasse em todas as escolhas que foram fazendo.

O belo vestido – e perfeito na escolha, composto por um crop top e uma saia com volume foi comprado na Vestidus e as imagens foram captadas pela dupla Lounge Fotografia.

O carinho e entusiasmo, contagioso, com que prepararam este dia é simplesmente doce. Os detalhes, divertidos, pessoais e especiais, e os conselhos da Daniela, spot on! Conforto e confiança são as palavras-chave e o resultado floresce…

 

Muito bonito, este dia, caros leitores, muito bonito mesmo!

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

O casamento é por si só algo muito especial e essa foi sempre a ideia que ambos partilhámos deste momento único. Desde o instante em que o pedido foi feito, juntos preparámos tudo ao pormenor, com empenho, orgulho e ambição de tornar o dia do nosso casamento um momento inesquecível, tanto para nós como para os nossos convidados. Sempre quisémos que tudo fosse imaginado e criado por nós… tanto os pormenores da decoração da capela ou da quinta, como nas dinâmicas com os nossos convidados, familiares e amigos. Quem corre por gosto não cansa e todo o empenho e horas que dispendemos na preparação do grande dia foi duplamente recompensado! Foi um dia memorável!

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Desde o primeiro momento que ambos sabíamos o que queríamos e sempre estivemos preparados para dar este passo. A nossa relação sempre evoluiu de forma natural, espontânea e única… o pedido de casamento foi apenas mais um dos muitos momentos mágicos que tivemos e que, com certeza, continuaremos a ter. Curiosamente, os nervos foram muito generosos connosco! Talvez devido ao facto de termos estado sempre tão entusiasmados e absorvidos na preparação do nosso dia! Sinceramente, não nos recordamos de grandes nervos… é claro que a ansiedade esteve presente naqueles minutos antes da saída para a capela… ou quando aquele familiar próximo nos abraçou, sussurrou ao ouvido e nos disse aquelas palavras que nos fazem emocionar e morder os lábios como forma de contenção… mais que não seja para não estragar a maquilhagem!

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

A questão nem foi essa… Desde o dia que nos beijámos pela primeira vez que sentimos “é mesmo isto”! Quanto à organização do casamento, todas as ideias que surgiam tanto da minha parte como do Marco, eram do agrado dos dois e a nossa cara, por isso sentimos “é isso mesmo” logo nas primeiras escolhas e durante toda a organização.

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado foi bastante fiel às ideias iniciais e até ao dia antes do “grande dia” continuavam a surgir ideias…! Ao longo da organização íamos pedindo ajuda a familiares e amigos que nunca a negaram e foram ajudas imprescindíveis! Envolver alguns amigos e familiares na preparação do casamento ou atribuir algumas tarefas aos mesmos no próprio dia fez parte, e sem dúvida que nos tranquilizou.

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Era importante que a nossa festa, o nosso dia, não fosse apenas mais um casamento! Colocarmo-nos no papel dos convidados é fundamental na organização do grande dia. Tudo deve ser pensado ao pormenor. É impossível agradar a todos mas poder causar o efeito surpresa está também do lado dos noivos. Ainda hoje os nossos amigos e família recordam muitos dos momentos e elogiam como tudo estava preparado. Mas fundamental mesmo é sentirmo-nos felizes! Menos importante não fez parte do nosso vocabulário matrimonial! Neste dia tudo é importante, senão não fazia parte…

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi mesmo manter um sorriso nos lábios todo o dia! Mais complicado foi “conter as lágrimas quando vi a Daniela (lindíssima) a entrar na Capela… que emoção!”, diz o Marco. Logicamente que o que mais nos custa (mas a vida é mesmo assim…) é não podermos ter por perto algumas das pessoas mais importantes da nossa vida… as que estão e as que infelizmente já deixaram de estar. Esperamos e acreditamos que, independentemente da forma, todas essas pessoas nos tenham acompanhado nesse dia.

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

As emoções foram constantes e estiveram sempre à flor da pele… mas a troca de alianças, de olhares, as leituras e o sim são momentos inesquecíveis… parece que deixamos de estar ali fisicamente por ser tudo tão intenso e tão esperado, ainda para mais na presença de Deus e numa capela onde sempre sonhei casar.

 

E o pico de diversão?

Foram sem dúvida as dinâmicas que criámos e sobretudo as surpresas que os convidados e até não convidados nos proporcionaram. E foram muitas! As minhas alunas de Zumba e atividade física foram inexcedíveis e preparam-me grandes partidas, esperava algumas mas fui largamente surpreendida! Os meus irmãos e cunhadas escreveram uma letra divertidíssima sobre nós e cantaram-na ao vivo, foi top!

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

Existiram muitos pormenores especiais, não conseguimos mencionar apenas um! O tema do nosso casamento foi “Sempre Juntos” porque devido à nossa actividade profissional (trabalhamos a 200kms de distância um do outro) só conseguimos estar juntos aos fins de semana, mas o amor é e foi mais forte, sabemos que vamos conseguir superar esta distância e ao fim e ao cabo estamos “Sempre Juntos”! Outro pormenor, o meu vestido (top crop), era a minha cara, ir para a capela conduzida num side-car pelos meus dois irmãos, surpresa deles, o corte do bolo ter sido imediatamente a seguir à cerimónia com uma paisagem linda à nossa volta, o livro de honra e o quadro que fizemos para os convidados nos deixarem as suas mensagens, o porta-alianças feito à mão pelo meu padrinho, as lembranças feitas, também elas, todas à mão, entre muitos outros…

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Felizmente podemos dizer que não mudaríamos nada daquilo que fizemos, preparámos ou que idealizámos. O tempo que queremos estar com os convidados e não conseguimos será sempre uma “questão” levantada por todos os noivos… mas é sinal que tudo passou a uma velocidade alucinante… e bem sabemos que isso só acontece quando vivemos momentos saudáveis e felizes!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

No dia do nosso casamento não podemos deixar de ser nós mesmos! E como tal, o que vestimos, a forma como nos maquilhamos e os nossos acessórios (ou a falta deles) fazem com que nos possamos sentir mais confiantes, mais naturais, mais felizes! O dia é para desfrutar, confortáveis e sem preocupações!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: desenhados por Eva Latado, com acabamentos nossos;

espaço: Capela de São Macário, em Cernache do Bonjardim e Quinta de Santa Teresinha, na Sertã;

catering e bolo: Santos & Marçal;

fato do noivo e acessórios: fato Hugo Boss; suspensórios e laço Dielmar e sapatos Aldo;

vestido de noiva e sapatos: vestido comprado na Vestidus e sapatos Guess;

maquilhagem: Susy Fernandes – Makeup Artist;

cabelos: Amélia, Salão Bonjardim;

bouquet e coroa: O Jardim da Patrícia;

decoração: feita em grande parte por nós, com ajuda de Santos & Marçal na quinta;

ofertas aos convidados: feitas por nós e familiares;

fotografia: Lounge Fotografia;

vídeo: Para Sempre Wedding Art;

luzes, som e Dj: Nuno Santos.

 

0 Comentários

Quando menos é mais: um casamento intimista e muito doce

Desde o primeiro dia, o nosso lema é um claríssimo “menos é mais”. Não é escolher um caminho despojado e vazio, mas colocar o foco no essencial, no que é especial e valioso, e eleva tudo o resto.

O bonito casamento intimista de Jen+Ryan é um exemplo perfeito que ilustra este conceito: não só porque é essa a estética deles, o que de facto tem a ver com as suas personalidades e forma de estar, mas também porque foi uma forma de poupança inteligente, já que tinham objectivos financeiros mais relevantes para outros assuntos, que não a festa de casamento. Poderíamos pensar que essa opção deitaria por terra qualquer hipótese de festa fotogénica e gloriosa, mas demonstram-nos aqui, excatamente o oposto: simplicidade gera elegância, quando os elementos são pensados com essa importância e papel.

A base é um espaço incrível, esta mansão com jardim, e pouco é preciso para completar o espírito de festa e o cenário perfeito.

O que me fez parar, quando estava a olhar para as imagens, foi a tipografia: os elementos gráficos – um belo papel branco (certamente 100% algodão, para corpo e um pouco de textura) e a combinação das duas fontes, intemporais, elegantes, clássicas e ao mesmo tempo totalmente contemporâneas (as coisas boas são sempre assim…). O detalhe final das folhas de oliveira e eucalipto, um pouco de frescura natural num mar de branco, acertam na mouche – seria preciso mais? Não.

 

Conselhos óptimos de Jen+Ryan:

“Don’t stress and compare your wedding to someone else’s. Everyone is unique and chooses to celebrate the big day in their own way, so stay true to yourself. It’s definitely stressful but don’t lose sight of what the day actually means– it’s the day when you choose to spend the rest of your life with someone you know you can’t ever live without. And know that while it will be stressful, the day will be absolutely perfect (and most people may not mention it but the day after might be even better — the feeling of relief is incomparable!).”

 

Manter a cabeça fria e as ideias no sítio, quando o que queremos foge ligeiramente da norma, é difícil, as pressões são muitas, mas também como dizemos aqui desde o primeiro momento, uma festa que é a vossa cara, que tem esse conforto e relaxe, é transversal e contagiante, a alegria enérgica chega a todo o lado e a ausência de tensões maiores dá espaço à felicidade partilhada: todos vão sentir que é e foi um dia espectacular e mágico!

 

Mas o mais importante é mesmo isto:

“Everyone says the day goes by so fast (and it really does), but I think we’d both agree, that hands down our favorite part was the beginning of the reception when we got to sit down, catch our breath for a second and look around at all of the incredible people in our lives who came from near & far to celebrate our union. Our hearts felt so full & it was hard to contain all of the emotions we were feeling.”

 

Convites de casamento minimalistas com caligrafia

 

Casamento intimista ao ar livre

 

Vestido de noiva minimalista e moderno

 

 

 

 

 

Casamento intimista ao ar livre com cerimónia no jardim

 

Bouquet de noiva em tons suaves com suculentas, eucalipto e rosas de jardim

 

Retrato da noiva com as amigas e madrinhas, com bouquets de vivaz

 

 

 

Retrato intimista dos noivos a preto e branco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Naked cake decorado com flores naturais brancas

 

 

Minimalista e conciso, festivo e exuberante, grande ou pequeno, o casamento mais bonito será sempre o que vos reflecte como casal, aquilo em que acreditam e vos guia: este é o melhor conselho que vos podemos dar!

 

Fotografia de  Lauren Louise Photography, via Junebug Weddings.

 

Save

Save

0 Comentários

Laura + Bruno: oh happy day!

Com um regresso real aos dias bonitos, nada mais apropriado do que entrar em sintonia e trazer-vos um casamento de verão, soltinho e feliz, cheio de conforto, descontração e muito perfeito na sua simplicidade.

É a festa da Laura + Bruno, celebrada na rústica e cenográfica Quinta dos Machados (a 40 minutos de Lisboa, a caminho de Mafra), captada pela lente da Cláudia Casal, que assina como Hello Twiggs.

A combinação deste casal com esta fotógrafa não podia ser mais certeira, porque este formato de festa, assim descontraído e pouco formal vai completamente ao encontro da postura da Cláudia Casal, igualmente descontraída e atenta ao que se desenrola à sua volta, captando o essencial de forma feliz e orgânica, sem poses, sem constrangimentos, formatações ou formalismos, apenas o mais bonito que vai acontecendo ao longo do dia.

E para comprovarem isso, dêem um pulinho ao site da Cláudia, para ver o resto das imagens deste dia e da história deste casal!

 

Casamento rústico e descontraído nos arredores de Lisboa

 

Sapatos de noivo

 

Bouquet de noiva com peónias

 

Como foi o teu pedido de casamento?

Contra todas a regras convencionais. O pedido foi feito pela Laura, no Miradouro São Pedro de Alcantâra, num lindo dia de Maio. Duas cervejas na mão e um presente para o Bruno.

 

Retrato do noivo com fato azul claro

 

Noiva com coroa de flores

 

Casamento rústico e descontraído nos arredores de Lisboa

 

Como te organizaste? Por onde começaste, com que antecedência?

Inicialmente começámos por procurar um local que fosse ao encontro daquilo que pretendíamos.
Arranjámos um “livrinho” das ideias. Foi a forma mais fácil de organizar tudo o q tínhamos em mente.

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Bouquet de noiva com peónias

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

 

Que ambiente quiseste criar? Como o fizeste?

Sempre quisemos criar um ambiente rústico, com traços bem portugueses, mas sempre num ambiente acolhedor… O local que escolhemos é realmente predestinado para um “boho wedding”.

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Naked cake com frutos vermelhos

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

A opção “feito por ti” surgiu porquê?

Como somos os dois designers, esta questão do DIY era uma questão de honra. Experimentar, alterar, pintar e ilustrar.

 

Tiveste ajuda?

Não.

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

O que era o mais importante para ti?

O mais importante era conseguir reunir duas culturas completamente distintas. Portugueses e alemães, família e amigos num ambiente familiar, sem muita etiqueta, somente criar um ambiente para uma grande festa.

 

E secundário?

A abundância de comida que normalmente é servida nos casamentos portugueses. Aquela ideia de que se está num casamento para “comer até cair”.

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Onde gastaste mais dinheiro?

No espaço e no catering.

 

Onde gastaste menos?

Vestido da noiva e fato do noivo!

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

O que foi mais fácil?

Desde o início que tivemos uma ideia da estética e do look que procurávamos para concretizar “o dia perfeito”.

 

O que foi mais difícil?

Coordenar as expectativas das pessoas que viajaram de tão longe. A mistura de culturas, interacção entre as mesmas e a normal burocracia ligada ao matrimónio.

 

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

O que te deu mais prazer criar?

Toda a decoração! Desde a numeração das mesas, aos convites impressos serigrafia, ementas, etc.

 

O casamento que planeaste, é a vossa cara, ou foste fazendo cedências pelo caminho?

Correu tudo como planeado.

 

Um pormenor especial?

Os votos foram feitos pela Laura em português e pelo Bruno em alemão. Foi um momento muito bonito.

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Casamento rústico ao ar livre em Lisboa

 

Agora que já aconteceu, mudavas alguma coisa?

Não.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas?

O dia passa a correr. Bebam qualquer coisa logo pela manhã, relax, boa disposição, aproveitem todos os momentos… é realmente um dia único e especial!

 

 

Os nossos fornecedores:

 

convites e materiais gráficos: os noivos;

local: Quinta dos Machados;

catering e bolo: Catering Império;

fato do noivo e acessórios: fato Zara; sapatos Melvin&Hamilton; laço A. Christensen Sweden;

vestido de noiva e sapatos: vestido Mango; sapatos Prada; cinto Etsy;

maquilhagem: feita por uma amiga da noiva;

cabelos: Cristina Cabeleireiros;

flores: Anaflor (Arte Floral);

ofertas aos convidados: Hema

fotografia: Hello Twiggs;

video: Nelson Chantre e Celso Leite;

luzes, som e Dj: La Boheme.

 

Save

Save

Save

Save

Save

0 Comentários

Inês + Ricardo, a receita para um dia muito feliz!

Atravessamos mais uma semana invernosa e nada melhor do que imagens luminosas (e vistas de mar!) para aquecer e sonhar com dias quentes e longos… Trazemos a festa da Inês + Ricardo, fotografada pelo Hugo Coelho Fotografia.

E o que eu gosto deste nosso casamento de hoje… Ri-me imenso com as respostas dos noivos (Inês, a noiva que nem se queria casar…!), e com a clarividência dos seus conselhos… e gostei tanto das imagens enviadas pelo Hugo Coelho, que contam uma história, que é a da Inês + Ricardo, neste dia de todos os dias: explico-vos porquê.

Há muitos blogues de casamento, certamente quem nos lê segue vários. E há o Pinterest, a plataforma nº1 das noivas actuais, e há o Instagram e isto e aquilo. Em comum, mostram imagens lindas, milhares de detalhes que circulam todos os dias, que guardamos criteriosamente em pastas de inspiração – eu faço o mesmo, são ferramentas de trabalho.

Mas não é isso que me interessa, nem é isso que me enche de espanto e nem é isso que quero, todos os dias, trazer para aqui e sobretudo, para estes artigos de sexta-feira: para mim, a magia são as pessoas e o amor partilhado, a energia do dia, a alegria contagiante, transversal (o sorriso da Inês está em todas as fotografias!)… A última imagem é uma fotografia de rolhas. E até é a minha favorita (e gosto muito de todas), neste contexto, porque fecha a narrativa, de forma épica: foi aquilo, uma festaça, são os despojos, o que fica quando toda a gente já se foi embora, o ponto final de um dia incrível (sim, porque só os dias incríveis e muito especiais terminam com espumante!). É a história contada pela lente do Hugo, a sua perspectiva com as suas escolhas e decisões sobre o essencial e o acessório, e é, sem margem para dúvidas, a história do dia da Inês + Ricardo, na companhia dos seus. E isto tudo, caros leitores, contado assim, é maravilhoso, é único e muito doce.

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Não fazíamos a mais pequena ideia. A Inês toda a vida disse que não queria casar e embora, com o avançar da relação, tenha mudado de ideias, foi uma mudança que até a ela própria fez confusão. Quase que nem queria admitir que estava, realmente, a pôr a hipótese de casar. E como era algo difícil de admitir, nunca se deixou pensar sobre como seria o grande dia. No dia do “sim” estava “tudo por pensar”. O primeiro instinto era casar numa praia tropical, com meia dúzia de amigos, pés descalços e vestido branco mas básico (pelo joelho e de alcinhas, nada de noiva) com uma flor havaiana no cabelo. Isto sem grandes certezas… Por outro lado, o clássico entrar da noiva na Igreja é algo que custa não incluir quando se toma a decisão de casar. Além do mais, a ideia do Ricardo, era o casamento clássico. Pelo que quando começámos a pensar no nosso dia e concluímos que seria clássico, só imaginámos as pessoas que nos são queridas à nossa volta, felizes por nós e orgulhosas por termos decidido partilhar com elas a decisão de ficarmos juntos para sempre.

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Não nos sentíamos minimamente preparados, mas não houve assim tantos nervos… Foi um caminho emocionante, isso sim. Todo o processo foi uma constante emoção. Uma excitação sempre que dávamos mais um passo na organização e uma felicidade enorme com o aproximar da data. Momentos de ansiedade, foram poucos, pois tivemos a sorte de quase nada fugir ao nosso controlo.

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Não sentimos “é mesmo isto” em nenhum momento concreto da organização. Sentimos isso antes de começar a organização, quando contámos aos nossos pais que tinha havido um pedido de casamento e que íamos dar esse passo.

 

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Tudo aquilo que exigiu preparação resultou de acordo com as ideias iniciais. Ou praticamente tudo, vá. Houve algumas adaptações que tiveram de ser feitas mas, de um modo geral, aquilo que idealizámos, concretizou-se. Tivemos bastante ajuda, sim. Principalmente da mãe da noiva… A mãe da noiva, da nossa experiência, é uma ajuda preciosa e fundamental!

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental: conseguirmos aproveitar o nosso dia, sem stress, para podermos sentir e usufruir de cada momento. Queríamos mesmo viver cada minuto. E, claro, ter à nossa volta as pessoas mais próximas e sabê-las felizes por nós.

Sem importância: tudo o que falhasse no dia. Isto é, fizémos os possíveis e impossíveis, até à véspera, para que tudo corresse na perfeição. Mas pusémos para nós que, no próprio dia, o que não corresse de acordo com o plano, não ia ter importância! O que corresse bem, óptimo. O que não corresse como planeado, azar.

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi escolher o fotógrafo! Embora tenhamos visto trabalhos de vários e tenhamos tido reuniões com 2 ou 3, no fundo sabíamos que íamos escolher o Hugo Coelho porque adorámos o trabalho que ele fez no casamento de uns amigos nossos. E esses amigos disseram que ele era “top”.

O mais difícil foi decidir como abrir a pista de dança! Não queríamos a valsa clássica pois não nos identificamos com isso mas não sabíamos bem como fazer uma coisa à nossa medida. Acábamos por dar largas à imaginação, ver vários vídeos no youtube e montámos uma coreografia nossa (que foi muito elogiada!).

 

 

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A entrada da noiva na Igreja – há noivos que escolhem outro pico que não este???

 

E o pico de diversão?

Abertura da pista! Não só a dança foi genial (modéstia à parte), como ainda por cima a mesa de mistura encravou e foi uma risota! Tivemos de começar de novo e pedir aos convidados que se fingissem surpreendidos como se não tivessem nunca visto como era o início da dança. Resultou super bem.

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

O aparecimento de um amigo que vive que Xangai e com quem não estávamos a contar no casamento. Foi surpresa. Fez 13.000km em 2 dias para não perder o nosso dia – foi algo que nos honrou muitíssimo. Foi muito especial.

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada! Foi perfeito!! Quer dizer, se calhar comeríamos mais no cocktail (não experimentámos nada dos aperitivos, só mesmo o gin tónico) e certamente que teríamos ido à mesa das sobremesas e à dos queijos… Que desperdício! No dia nem nos lembrámos disso… Tanto empenho e dedicação a escolher cada variedade e depois não provámos nada…

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Não stressem. O vosso casamento acontece uma vez na vida por isso aproveitem cada momento do processo. Há coisas que nos deixam, a nós noivas, de nervos em franja durante a organização mas respirem fundo e  pensem que vai correr bem. Corre sempre e, no dia, não pensem. Não pensem em nada. Estiveram uma data de meses a preparar tudo, preocupadas com tudo e a pensar em tudo… Para quê? Para no grande dia poderem dar-se ao luxo de não pensarem em nada e só sentirem cada momento. Vale a pena! Mas só têm uma oportunidade, por isso não a desperdicem.

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Miguel Teixeira e Cláudia Alves;

local, decoração, catering e bolo: Quinta do Pé da Serra (serviço próprio);

fato do noivo e acessórios: Alta Roda;

vestido de noiva e sapatos: vestido A Bela Noiva; sapatos Zilian;

maquilhagem e cabelos: Mariana Gonçalves. Cabelos & Maquilhagem

bouquet: feito pela mãe da noiva

ofertas aos convidados: não houve

fotografia: Hugo Coelho Fotografia

vídeo: The Emotion Wedding Films

luzes, som e Dj: luzes e som Boost Audio; DJ Dave Oak

 

Save

0 Comentários

Da Islândia, com amor: Maja + Patrick

Hoje trazemos uma paisagem exótica e invernosa: o cenário é tão espectacular que tem a presença de um convidado.

Bem-vindos à Islândia, para um casamento a dois: temos fjords, cascatas, natureza selvagem, glaciares, mas também um incrível vestido e imagens muito, muito felizes, onde a doçura é mais forte que a melancolia escura do local, onde a energia dos elementos se funde nos sorrisos e gestos.

A escolha deste destino e deste formato é explicada de forma lógica e irrefutável, pelos noivos: “We fell in love with Iceland for its romantic melancholy scenery – and its neutrality: with our families being spread all over the world (in China, Germany and the UK) it was impossible to include everybody, so a private wedding followed by receptions seemed the fairest way.”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As fotografias são de Mait Jüriado, via Utterly Engaged:

“We really fought with the weather, my lenses were constantly full of black sand and it was hard to move on the beach. But, it was so rewarding to see the most happy faces when we ended up on the iceberg fields so called “ice lagoon” in the end of our first day.We drove more than 800km in two days in southern part of Iceland. After every corner the veil of dreams was lifted and we thought this is the mother of core beauty of all. Raw, clean, pure, you feel so small in it that it must be one of the most magical places to get married on earth. Mostly we were just improvising, exploring new places and places I’ve been before, not in a hurry, just enjoying it all despite the weather. Memorable days to remember forever. I’m so happy that I was able to be there with you, Maja and Patrick.”

 

Dramaticamente bonito, verdade?

 

1 Comentário

Raquel + Mário: um casamento intimista ao ar livre

Bom dia! Estreamos hoje mais uma das pequenas mudanças que vamos implementando devagarinho, até ao grande final que será o novo layout.

Decidimos refrescar as nossas peguntas que contam as histórias dos noivos desde 2010 (!!!), e a estreia coube à Raquel + Mário, que escolheram a Quinta da Boeira, em Gaia, e o mês de Julho para criar o seu casamento intimista e ao ar livre.
Deixem-se levar pelas palavras dos dois e pelo vídeo lindo da Vanessa+Ivo Handmade Films (prestem atenção ao bouquet Pinga Amor!).

Trabalho bonito resulta da soma das partes: as ideias e vontades dos noivos, o talento criativo dos fornecedores e a capacidade (e vontade) de todos de se ajustarem e fazerem mais e melhor para que o dia seja o mais bonito dos dias!

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Nós sempre imaginámos o nosso dia como uma cerimónia bonita, intimista e familiar. Nunca colocámos a hipótese de um casamento com muitos convidados e sempre preferimos algo simples, mas que refletisse o nosso amor e as nossas personalidades. Quando o “sim” ecoou no ar, começámos logo a pensar qual seria o melhor local para reunir os nossos amigos e familiares mais próximos. Nunca quisémos ir pela tradicional quinta de casamento e, para dizer a verdade, conseguir com que todos os factores mais importantes para nós estivessem alinhados (localização central, dentro do orçamento, com bonitos espaços ao ar livre e completamente personalizável), não foi particularmente fácil. Como vivemos em Londres, tivemos de fazer tudo à distância e de forma planeada. Antes que conseguíssemos reunir uma mão cheia de locais que pudéssemos ir visitar de uma vez, todas as nossas pesquisas e contactos foram feitos pela internet. Não é tarefa fácil, sobretudo para um país que não está tão habituado a comunicar apenas por email.  Casar ao ar livre no meio da natureza, era a nossa ideia. Sempre soubemos que não queríamos casar pela igreja e que a cerimónia e a recepção seriam num cenário natural. Nunca pensámos que sair da ideia tradicional de casar numa quinta, fosse tão difícil. Quando somámos os orçamentos para deslocação de material, mobiliário e catering para o meio do monte, vimos que era totalmente insustentável. Tentámos dar a volta a este modelo de casamento através de uma solução que melhor se adaptasse ao que queríamos e tentámos encontrar um sitio que nos permitisse personalizar o mais possível e usar os seus jardins como envolvente. Queríamos algo único, só nosso, feito para nós e para os nossos convidados onde as regras de organização seriam coordenadas por nós. Tivemos sorte de termos encontrado a Quinta da Boeira e de eles terem entrado no nosso desafio com a mesma ambição.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Nunca houve muitos nervos e sempre tivemos preparados e confiantes. Claro, que no grande dia há sempre alguns nervos, sobretudo quando a família ainda não está pronta e a noiva está quase a sair pela porta. Mas acho que faz parte do processo, um casamento sem uns nervos à mistura deve ser quase impossível. No nosso casamento, como houve muito trabalho da nossa parte na organização da decoração do espaço e de todos os pormenores, Há sempre um nrvoso miudinho permanente, com receio que algo falhe.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Como vivemos fora de Portugal, decidimos voar uma semana antes do casamento para organizar tudo de uma forma mais relaxada. No entanto, já eram 5 da tarde do dia anterior ao casamento e ainda estávamos nós na Quinta da Boeira a montar tudo para o dia seguinte. Julgamos que foi só no dia anterior que conseguimos perceber que tínhamos tudo pronto para o grande dia. Olhando agora para trás, vemos que foi muito cansativo, mas adorámos todos os momentos. Sem dúvida que todos esses momentos de preparação antes do grande o dia, vão fazer parte da nossa memória para sempre.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado foi tal e qual como imaginámos. Escolhemos um tema que ambos gostávamos, romântico, vintage e ligado à natureza e espaços verdes. Conseguimos o mais importante, que era uma cerimónia e recepção ao ar livre, a mesa corrida sobre uma ramada de luzes mágicas que deixou todos os nossos convidados deliciados. Tudo foi preparado por nós a nível gráfico e de ideias. Houve muito trabalho de arts and crafts feito pela mãe e irmã da noiva que ajudou a compor o espaço de uma forma deliciosa. Houve todo um processo criativo que até passou pela criação de um website onde colocávamos todas as últimas notícias sobre o nosso casamento, e que permitiu actualizações periódicas com dicas e vídeos para manter os nossos convidados a par das nossas preparações para o grande dia. Queríamos que eles também pudessem fazer parte do nosso casamento a longo prazo e não só no próprio dia. Depois houve o trabalho da parte da Anica – a decoradora da Quinta da Boeira –  que criou todos os arranjos florais e completou o espaço com alguns objectos e pormenores essenciais. A equipa do catering foi incansável e espectacular. O sr. Francisco da Grandes Encontros tem uma equipa muito profissional e disponível, que fez com que o nosso dia corresse sem qualquer problema. Um serviço 5 estrelas e comida deliciosa!

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Um dos nossos principais requisitos era fazer um casamento ao ar livre e a única coisa que nos podia demover disso seria a chuva. Como casámos no Verão, estivemos mais descansados quanto a isso e fizemos de tudo para planear o nosso grande dia no exterior, em mesa corrida debaixo do cenário mais maravilhoso que encontrámos. Nós nunca fomos a favor de mesas redondas, até por julgamos que não funcionam muito bem e acabam por segregar os convidados em pequenos grupos. Como o nosso casamento foi mais pequeno e familiar, a mesa corrida resultou muito bem e todos os nossos convidados interagiram uns com os outros de uma forma mágica. Era fundamental que tivéssemos completo controlo sobre a decoração e organização e que todo o ambiente fosse decorado de forma sofisticada, mas simples e intimista.

Como não tínhamos um orçamento muito alargado, decidimos fazer muitas coisas pelas nossas próprias mãos, mas se houve algo que não podíamos abdicar foi da nossa equipa de fotógrafos e videógrafos. Olhando agora para todo o trabalho envolvido e o resultado final, podemos dizer que ter alguém em quem confiar para registar o dia para sempre, é fundamental.

Nós não demos importância a convites de casamento, porque decidimos fazer tudo online (website e pagina de Facebook) e criar uma plataforma que pudesse interagir com os nossos convidados de uma forma mais directa e regular. Com isso também conseguimos cortar alguns custos associados com a impressão e envio a que os convites de casamento normalmente obrigam.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi encontrar um tema e inspirações para o nosso casamento. Hoje em dia é possível encontrar muita informação pela internet e para pessoas criativas como nós, encontrar um fio condutor de ideias foi relativamente fácil. O resto foi só pôr as mãos à obra. Os cones de arroz, vasos, frascos decorados para velas, a árvore de família com fotos espalhadas pelo jardim, o photobooth e a mesa do livro de convidados foram pensados e feitos por nós e por membros das nossas famílias.

O mais difícil foi gerir as expectativas do que pretendemos com a realidade, numa posição à distância. É muito difícil organizar tudo via email e houve muito trabalho da nossa parte na coordenação com o espaço e a decoradora. Se não tivéssemos nervos de aço, paciência, mas também alguma compreensão, teria sido uma situação muito stressante para quem tenta organizar tudo sem a ajuda de uma wedding planner.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

O pico sentimental do dia foi a nossa leitura de votos. Todos ficaram emocionados.

 

E o pico de diversão?

Foi quando mostrámos aos nossos convidados um vídeo que preparámos exclusivamente para eles durante o nosso casamento. Foi muito emotivo e divertido.

 

Um pormenor especial…

A nossa mesa corrida. Tivemos imenso cuidado com tudo o que se colocou na mesa, incluíndo o tipo de flores e arranjos, a marcação das mesas, cadeiras, atoalhados, arranjo dos menus e guardanapos. A iluminação da mesa acrescentou um toque especial à medida que anoitecia, o que ajudou a recriar um ambiente familiar e inesquecível. Outro pormenor especial foi o carimbo que mandámos fazer com um design nosso e com as nossas iniciais. Com isso conseguimos personalizar muitos pormenores e acrescentar aquele toque diferente sobretudo nas ofertas aos nossos convidados.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Como o nosso dia correu tão bem podemos dizer que não mudávamos nada.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Para as noivas de Portugal que planeiam organizar o seu casamento à distância com um orçamento limitado, posso dizer que é preciso encarem todo o processo como um desafio e um projecto unicamente vosso, um pouco como uma pequena grande missão. É um caminho cheio de perseverança, de frustrações, mas também cheio de satisfação à chegada do grande dia e da meta final. Para quem não quer seguir o tradicional ou o normal, ainda é difícil encontrar serviços que estejam preparados sem que os noivos rebentem o orçamento. Para quem quer fugir das habituais quintas e planear algo mais seu e personalizado, é preciso fazer algumas cedências. Mas com esforço e preserverança (e as tradições já não são totalmente o que eram), o mercado vai mudando todos os dias um bocadinho e casar já não é apenas o dia em que a noiva vai de branco.

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: feitos pela noiva Raquel;

local: Quinta da Boeira;

catering e bolo: Grandes Encontros Catering (o melhor bolo de noiva de todos os tempos!);

fato do noivo e acessórios: fato Ben Shermann, sapatos Ted Baker, laço Mrs. Bow Tie;

vestido de noiva e sapatos: vestido White One by Pronovias, sapatos Charlotte Mills e Converse All Star, acessórios de cabelo Britten Weddings e jóias de família;

maquilhagem: Bárbara Brandão;

cabelos: Vanessa Campos Hairstyle;

bouquet: Pinga Amor;

decoração: feita pelos noivos e família em coordenação com Ana Magalhães Queiroz e Sara Castro, da Quinta da Boeira;

ofertas aos convidados: abre caricas em forma de chave vintage com caixinha de cartão para rebuçados Bola de Neve e carimbo personalizado pelos noivos;

fotografia: Memories Fotografia;

vídeo: Vanessa&Ivo Handmade Films;

luzes, som e Dj: MusicBox Porto.