Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: 5 regras para gerir as redes sociais no vosso casamento

Este ano, a RTP emitiu um programa de conversas amenas filmado em casa do escritor Miguel Esteves Cardoso, com Bruno Nogueira e diversos convidados. Um deles foi a actriz Rita Blanco, que proporcionou uma das trocas de ideias mais interessante e pertinente de toda a série, e um dos assuntos mais abordados nesse dia foi a boa educação (ou a falta dela). Numa sucessão de raciocínios muito inteligente e abrangente, chegou-se à conclusão de que a vida em sociedade seria muito mais agradável, muito mais funcional e muito mais fácil se todos nos recordássemos das regras básicas da boa educação e da cortesia nos pequenos gestos quotidianos.
As redes sociais e a interacção na Internet em geral são bons espelhos disto mesmo. Digamos que não são exactamente as boas maneiras a nortear o comportamento da maioria das pessoas que, neste momento, está a umas teclas apenas de se exprimir online.

Lembrámo-nos de trazer esta questão para as nossas wise words agora que estamos a entrar em plena época de casamentos. Provavelmente ainda não vos teria ocorrido que este pode ser um assunto sensível, tanto para vocês como para os vossos convidados – normalmente as susceptibilidades relacionadas com publicações em redes sociais só se anunciam depois das coisas estarem à vista do mundo. Pois bem, para evitar situações desagradáveis e manter o espírito bom da vossa festa por muito tempo, o melhor é definirem as regras da gestão das redes sociais no vosso casamento de antemão – e partilharem-nas com todos os envolvidos, de forma clara e simpática.

Regra número um: se prevêem que haja algum buzz nas redes sociais durante os preparativos para o vosso casamento, seja da vossa parte, seja da parte dos vossos familiares e amigos, criem um site próprio e privado, acessível apenas a utilizadores convidados – ou então um grupo no Facebook, se quiserem simplificar. O que importa é que contenham a onda. Exprimam-se livremente e deixem que os outros também o façam, mas dentro de ‘quatro paredes’, onde só quem faz parte da festa terá acesso ao que é dito e partilhado.

Regra número dois: não usem as redes sociais para fazer comunicados importantes, como, por exemplo, anunciar o casamento, convidar pessoas ou transmitir informações acerca do grande dia. Para ir actualizando os vossos convidados acerca do programa da festa, usem o canal próprio referido no ponto anterior. Mas tudo o resto deverá seguir o protocolo estabelecido, que torna tudo muito mais bonito e emocionante.

Regra número três: decidam de antemão, entre os dois, se vão querer que os vossos convidados partilhem fotos do vosso casamento nas redes sociais próprias. Comuniquem a vossa decisão atempadamente a toda a gente, com delicadeza (sobretudo se quiserem pedir às pessoas que não o façam). Caso não tenham nada contra, então escolham uma hashtag e partilhem-na com todos, para que seja sempre associada às imagens divulgadas nas diferentes redes sociais. Assim, poderão todos divertir-se a revê-las mais tarde.

Regra número quatro: deixem claro o que pode e o que não pode ser partilhado. Por exemplo: fotos da noiva antes do sim? Não! Imagens potencialmente constrangedoras para alguém? Também não. Bom senso, acima de tudo, bem temperado com muito respeito.

Regra número cinco: há uma margem temporal razoável para partilhar fotografias do casamento, após o grande dia. É evidente que é um momento único e fabuloso das vossas vidas e que vos apetece prolongá-lo indefinidamente, mas deixem as memórias para os aniversários, por exemplo, e celebrem antes as pequenas alegrias do vosso novo quotidiano a dois. A festa não acabou ali, naquela data, continua todos os dias!

 

redes sociais no casamento

 

Se tiverem muitas dúvidas em relação a estas pequenas questões protocolares, falem com um wedding planner, que vos poderá aconselhar com clareza. Há tempos, reunimos 15 perguntas frequentes sobre a organização do casamento (e as respectivas respostas) – leiam o artigo, que poderá ajudar-vos a limar algumas arestas. E para receberem os vossos convidados com toda a hospitalidade que eles merecem, consultem as nossas dicas sobre aquilo que devem fazer para que no dia do casamento tudo corra sobre rodas.

Não se preocupem: tal como sublinhava Rita Blanco no programa que referimos no início deste artigo, não há nada que não se resolva se tivermos as nossas melhores maneiras à mão!

Susana Pinto

Bolo dos noivos, sapatos de noiva e um belo bouquet: um trio perfeito!

O trio de sapatos de noiva, bolo dos noivos e bouquet de noiva de hoje é uma ode aos clássicos intemporais.

Encontrei um par de sapatos de noiva em camurça num tom de azul clarinho maravilhoso, com um kitten heel delicado e divertido: têm tudo para ser, de facto, o vosso par perfeito, sobretudo se buscam a velha tradição de um detalhe something blue.

A combinar, passamos ao bolo, igualmente clássico, de três andares: cobertura de fondant azul tempestade, decorado com rosas, flores de cera e jasmim naturais.

Fechamos com um bouquet de noiva ultra clássico: branco total! Ranúnculos, rosas, frésias, desde que seja branco, todo ele textura, está perfeito.

 

Bolo dos noivos em tons de azul

 

Sapatos de noiva azuis claros

 

Bouquet de noiva com flores brancas

 

Muitas vezes, não vale a pena estara a inventar a roda novamente – um clássico é um clássico, devidamente validado pela sua imtemporalidade. Esta combinação é prova disso, nas cores, nas texturas, nas formas. Branco puro e uma nuvem de azul claro são sempre bonitos.

 

De cima para baixo, bolo dos noivos com cobertura de fondant em tons de azul e decoração com flores naturais, de Amor Bakery, via Magnolia Rouge; sapatos de noiva azuis claros com kitten heel, na Mango, por 39,99 euros; bouquet de noiva com ranúnculos, rosas, frésias e jasmim brancos, de Jordine Botanic, via Style me Pretty.

 

Para acompanhar estes nossos trios perfeitos que publicamos todos os domingos, basta que sigam as nossas etiquetas (a partir da homepage) ou aqui no topo do artigo: sapatos e sunday shoes; cake! e bolo; bouquet e um belo bouquet.

Bom domingo!

 

Susana Pinto

Um casamento intimista no Porto: Marta + Nuno

Contrariamos este Junho chuvoso com um casamento intimista, muito especial e singular. É o dia bonito da Marta + Nuno, sob o mote “Não falta amor, falta amar” num espaço inesperado e muito bem desenhado pela talentosa equipa da S.P.O.T.

Este é um casamento genuinamente feito de tudo o que é essencial, do qual foi retirado tudo o que era excessivo, formatado ou desnecessário. O resultado é um momento partilhado pelos mais próximos, cheio de significado e brilho.

As fotografias são da Beija-me. E reparem nos belos sapatinhos da Marta: já passaram por aqui num Sunday Shoes!

Que bonito que tudo isto é, venham ver.

Bom fim-de-semana!

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Já íamos imaginando o nosso dia há muito tempo (tanto quanto os anos que já vivíamos juntos). Sempre imaginámos o nosso dia, não como “um casamento”, mas sim uma “festa” para celebrar o nosso amor e a nossa vida a dois. O objetivo seria organizar e proporcionar a maior e mais bonita festa a todos os que gostam de nós e de quem nós gostamos.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Se no início foi uma excitação e um sentimento de que podia ser já no dia seguinte, que estaria tudo bem, depois fomos tendo alguns momentos com nervos.
A noiva começou a ficar nervosa e ansiosa, e o noivo só nos dias anteriores é que sentiu o nervosismo. Mas tudo dentro do normal.

Agora que pensamos nisso, não estávamos assim tão nervosos, queríamos era estar um com o outro e com toda a gente, e que tudo corresse muito bem.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Foi no dia em que a Joana Lima, da S.P.O.T. – a empresa a quem entregámos toda a organização do casamento e à qual somos eternamente gratos por tudo – nos apresentou a proposta, que era baseada em muitas reuniões, partilha de ideias de que gostávamos e que faziam sentido para nós.
Ainda estava tudo “só no papel”, mas era aquilo, a nossa cara e a nossa festa. Uma proposta muito bem desenhada com a descrição de todos os espaços, conceito e algumas ideias que eram a nossa cara.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado foi fiel ao que partilhámos com a Joana Lima, sobre o que queríamos (e também o que não queríamos), e excedeu as expectativas porque foi muito melhor e estava tudo muito bonito!

Todos os pormenores que foram apresentados estavam lá, com uma perfeiçãoo e bom gosto incríveis. Quando vimos tudo a ser preparado durante os dias anteriores, a dedicação, e, depois no dia com as flores, os arranjos e claro com a atmosfera própria do evento, foi tudo ainda mais bonito.

Vamos ter saudades e recordar esse dia com muito carinho para sempre!

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Para nós era importante ter um casamento (festa) que fosse nosso.
Visitámos uma quinta, pedimos orçamentos e os menus pré-concebidos, tabelas de preços com “tudo incluído” ou “oferta de…” não nos agradaram. Sabíamos que aí íamos ser mais uns clientes.

A S.P.O.T. dedicou tempo e carinho ao nosso casamento, assim como os restantes fornecedores que trabalharam com a S.P.O.T.. Para nós era importante não existir excesso de comida que levaria a excedentes, somos contra todo o exagero presente em muitos casamentos. Queríamos boa comida, bem confeccionada e de qualidade, e a escolha do serviço de catering – a cargo do chef Luís Miguel do Restaurante Brick nos Clérigos (também foi sugestaão da S.P.O.T.) – foi uma excelente escolha, nós e os convidados adorámos!

Para nós, o que tinha menos importância eram aspectos tradicionais ou “que têm que ser”: não exagerámos na nossa roupa (em termos de orçamento), não alugámos carro antigo para a noiva, não tivemos fogo de artifício, não tivemos vídeo, são alguns exemplos de algumas coisas de que abdicámos.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Há muita coisa que foi fácil. Depois de termos alguns orçamentos no email, foi fácil escolher a S.P.O.T., foi fácil também todo o processo de organização e trabalho de equipa que tivemos. Aliás, acho que vamos ter saudades! Também foi fácil entregar o trabalho fotográfico à Marta Marinho, e ela própria ajudou-nos a organizar um pouco o nosso dia até entrarmos no edifício, com dicas importantes para as recém-mamãs convidadas.

O mais difícil foram os imperativos da vida, como a morte do meu avô e da avó do Nuno, que nos deixaram sem chão, mas que também deu mais sentido ao dia incrível e memorável que tínhamos planeado para os amigos e família. A vida é mesmo assim, não há certezas do que pode acontecer, por isso temos que aproveitar ao máximo. Foi isso que nos deu alento durante tudo, aproveitar e ser felizes.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Acho que toda a cerimónia foi muito sentimental. Tivemos a sorte de termos tido uma conservadora que criou uma empatia muito grande connosco e que leu textos lindíssimos. Os padrinhos também leram um texto cada um, escolhido por nós e que nos dizia muito.

Foi mesmo bonito e diferente do que é habitual nas cerimónias civis. Foi a celebração especial do nosso amor e uma grande alavanca para a felicidade de toda a gente que estava presente, por ser tão inspiradora.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

E o pico de diversão?

Talvez tenha sido entre os dotes de bailarino do meu pai, os nossos amigos a dançarem como se não houvesse amanhã, ou os nossos sobrinhos a transpirarem de alegria, porque as babysitters (Tias do Bonfim) lhes deram diversão para 3 dias.

 

Um pormenor especial…

Tínhamos vários, tantos! Uma mesa com as fotografias dos casamentos da nossa família, um mural pintado no local por uma ilustradora, de propósito para nós, com uma frase inspiradora e muito verdadeira “Não falta amor falta amar”, os textos que escolhemos para a cerimónia, as camélias, aliás o mar de camélias no local da cerimónia (a flor preferida da Marta), as flores e os arranjos espetaculares, a pista de dança incrível!

Outros pormenores: os convites que tinham uma ilustração do pai da noiva, e as ofertas também, assim como as prendas para os mais novos que foi ele que ajudou a personalizar.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada! Bem, aumentávamos para 2 dias de festa porque é pouco tempo para tanta emoção, tantos amigos e tantas pessoas queridas que querem estar connosco.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Aproveitem o dia à séria e vivam-no! Tentem descontrair! Mesmo que achem que não conseguem, aproveitem umas horas do dia antes de tudo começar e façam algo “normal”. Ajuda muito!
Devem viver o dia ao máximo sem artifícios, é o melhor, sejam vocês mesmas, sempre! Não copiem demasiadas ideias, personalizem e façam o que gostam, não o façam porque alguém já o fez.

Inspirem-se, mas não copiem! Aproveitem tudo e sejam felizes!

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Casamento intimista no Porto, com fotografia de Beija-me.

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos e lembranças para os convidados: Marta Lino;
espaço: Cais Novo – Museu do Vinho do Porto;
catering: Brick dos Clérigos;
bolo: Menina Bolacha;
fato do noivo e acessórios: Suits Inc. e Massimo Dutti;
vestido de noiva e sapatos: Unforgettable Brides (Aveiro/Anadia) e Uterque;

maquilhagem: Sinda Neves;
cabelos: Imagem Cabeleireiros (Vila Nova de Gaia)
bouquet: Filipa Alves
decoração e organização: S.P.O.T.
fotografia: Marta Marinho;
luzes, som e Dj: Dj. Sr. Sousa.

Marta Ramos

We are everything, you and me – por Pixel

Na última vez que vos trouxe aqui um vídeo da Pixel, falei-vos da sensação de intimidade conseguida no filme, que nos sugeria poder tratar-se de um romântico elopement. Não era o caso da Emily e do Sérgio. Mas hoje mostro-vos um verdadeiro elopement, uma escapadinha a dois com a tão apaixonante urgência de dar o nó sem esperar. Apertem os cintos, pois vamos voar até Nova Iorque.

Como sempre, a câmara da Pixel trata o casal como se nada mais à sua volta existisse no mundo, de uma maneira muito intensa. A Pixel é a expressão documental da imensa paixão que o Zé, a Luísa e o João têm pelo cinema em particular, e pelas artes em geral. Acreditam que as histórias não se repetem e que nenhum detalhe é pequeno demais para ser documentado, pelo contrário, inúmeras vezes são estes que tornam as histórias únicas e irrepetíveis. Com base nesta crença, tentam conferir aos seus trabalhos uma linguagem despretensiosa, emocionalmente e visualmente carregadas e com uma profunda atenção ao pormenor.

A Maria João e o Afonso conheceram-se em Nova Iorque e a ideia inicial seria registá-los na Big Apple, numa sessão filmada pela Pixel. Com tudo combinado, rumaram aos Estados Unidos. Acontece que o Afonso já tinha outra coisa em mente, e aproveitou a oportunidade para pedir a Maria João em casamento, em directo para a câmara. O elopement foi assim gravado para a posteridade.

 

 

Não deixem de espreitar os outros trabalhos dos Pixel que já aqui publicámos. Para falarem com eles, encontrarão todos os contactos na respectiva ficha de fornecedor seleccionado.

Marta Ramos

Lendas e histórias de amor, por Feel Creations

O castelo de Santa Maria da Feira é um dos exemplos mais completos de arquitectura medieval portuguesa, tendo assumido um papel primordial em batalhas desde a causa independentista de D. Afonso Henriques até ao século XVI. Hoje, é o centro de actividades culturais e de lazer do concelho – e um ícone romântico por excelência. Reza a lenda que um alcaide mouro de Santa Maria da Feira se disfarçou de mendigo e planeou o sequestro de uma donzela cristã, para depois fingir tê-la salvo dos raptores, lavando a rapariga a apaixonar-se e a aceitar viver com ele no castelo.

A Feel Creations foi até lá para registar mais uma história de amor: «A Bárbara e o João são de Santa Maria da Feira e pediram-nos para começarmos a sessão de namorados no castelo. Não poderíamos ter começado melhor, dado que o ambiente rústico e medieval do local se conjugou na perfeição com a cumplicidade do casal. Depois de explorarmos o castelo – as escadas, os interiores e as esquadrias de pedra –  descemos à cidade. A Bárbara e o João são tão curiosos, intensos e aventureiros, que praticamente nos esquecemos do contexto que nos circundava, orientando o nosso registo fotográfico para o casal e para os gestos que iam trocando. Acabámos a sessão junto dos estábulos da Feira Medieval, num cenário idílico que misturou o tom primaveril das camélias com o sol torrado de fim de tarde.»

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não deixem de consultar as duas fichas de fornecedor seleccionado da Feel Creations para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho: a de  fotografia  e também a de vídeo. E acompanhem os artigos que vamos publicando acerca deste talentoso quarteto.

Susana Pinto

À conversa com: Hugo Sousa Films – filmes de casamento

Hoje conversamos com Hugo Sousa Films – filmes de casamento.

O Hugo Sousa é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco há pouco tempo. Iniciámos a nossa conversa com um pedido de publicação de uma série de filmes de casamento no We are The Destination, e prestámos atenção ao seu portfolio: bonito, discreto, emocional. Conhecemo-nos pessoalmente de raspão, em Março num evento, e conversámos um pouco.

Esta entrevista confirma a primeira impressão e abre a porta, de uma forma honesta e tranquila, transparente, para a visão do Hugo Sousa sobre o seu ofício, a sua função na narrativa do casamento e a sua visão sobre o mais bonito dos dias. E digo-vos, gostei muito de o conhecer.

Fiquem a conhecê-lo, também. Vão gostar, tenho a certeza!

 

Ponho sempre a emoção, o “feeling” geral do dia à frente do próprio storytelling.

 

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até aqui, ao video de casamento.

Tive uma adolescência pouco convencional. Talvez um pouco complicada, e percebi que tinha na música uma forma de expressão. E assim, nessa altura teria já assimilado que de alguma forma estaria ligado às artes.

Em 2005, comecei por tirar um curso de som, que na altura encarei como um erro mas que hoje reconheço alguma utilidade prática e de seguida, em 2006, tirei um curso de pós-produção audiovisual que adorei. Viajei com a minha namorada – hoje estamos juntos e temos 2 filhos, o Manuel e a Olívia – para Edimburgo, com o objetivo de alargar horizontes onde estivemos um ano.

Quando regressámos, iniciei a minha “carreira” de videógrafo editando e filmando um pouco de tudo, desde casamentos a videos promocionais para empresas, eventos e videoclips. Por volta de 2010 e 2014 trabalhei como editor de imagem na SIC, mas despedi-me para experimentar uma produtora de publicidade como videógrafo – Zoe Films. Entretanto, na qualidade de realizador abri uma empresa. Na altura, fizémos imensas coisas, publicidade, eventos, promocionais… Mas a verdade é que ao contrário dos filmes de casamento, isto não me preenchia artisticamente. E assim foi, decidido a seguir a minha paixão, larguei a empresa e praticamente todos os clientes que tinha do mundo corporativo para investir na minha marca de filmes de casamento, Hugo Sousa Films.

 

Há quanto tempo filma? E porquê casamentos?

Como o tempo passa! Enquanto respondia à pergunta anterior, apercebi-me que já lá vão 12 anos. Mas casamentos em particular, não contando com as primeiras experiências mais esporádicas, há cerca de cinco anos.

Sinto-me que é um privilégio de fazer parte do dia e ter a responsabilidade de lhes dar o vídeo de casamento, pois penso sempre na importância que tem quando é entregue, e que terá depois, passados vinte anos.

Porque temos liberdade artística (faço questão), porque é divertido, viajamos e fazemos amigos. Porque testemunhamos emoções verdadeiras. Aqui não digo “corta” e repetimos. Documento o que acontece, da forma que eu vejo e processo na câmara.

Para qualquer fotógrafo ou videógrafo, o ambiente de casamento pode ser bastante caótico e para mim isso é desafiante: no meio desse caos, conseguir, sem condicionar demasiado os noivos e os seus convidados, um filme artístico, em que se revejam e de que se orgulhem.

 

Como construíu a sua assinatura, o seu ponto de vista? Como é que o define?

De uma forma mais ou menos consciente, tudo moldou a forma como vejo e interpreto o mundo e as pessoas. Toda a minha vivência desde criança até aos dias de hoje, a minha educação em casa e na escola. A minha sensibilidade inata e a adquirida, tal como a experiência profissional que tive até hoje, moldaram aquilo a que eu chamei a Hugo Sousa Films. Este ponto de vista não é estático, mas evolui constantemente. Não apenas na forma como vejo a acção no dia do casamento, a interpreto e depois processo na edição (resultando no filme), mas também toda a bagagem visual adquirida que nos acaba por condicionar nas milhares de escolhas que fazemos até chegar ao resultado final.

Definir-me enquanto marca, não é de todo um exercício fácil, na medida em que, está aqui muito de nós a todos os níveis. Prefiro sempre que sejam os outros a fazê-lo. Mas penso que tenho uma videografia documental, descontraída, mas ao mesmo tempo intensa e com uma abordagem cinematográfica. Ponho sempre a emoção, o “feeling” geral do dia à frente do próprio storytelling.

 

 

Num casamento, para onde olha, o que lhe prende a atenção? O que procura?

A filmar tento sempre ser objetivo a nível técnico e intuitivo a nível artístico. E com a experiência, começamos a perceber onde e quando as coisas normalmente acontecem. Procuro sempre, em primeiro lugar, a acção. Por exemplo, das interacções muitas vezes resultam abraços, risos, as brincadeiras típicas na preparação dos noivos, as pessoas emocionam-se. Há que estar atento às pessoas! Planos de localização e de pormenores nunca são demais. Também procuro frequentemente linhas e sombras e, sempre que possível, procuro retratos dos noivos. Gosto quando olham diretamente para a lente. Passa-se sempre qualquer coisa.

No fundo, procuro tudo aquilo que acho que acrescenta ao filme.

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vai buscar inspiração?

É impressionante a velocidade a que as coisas evoluem e a quantidade de trabalho que aparece diariamente nas diferentes plataformas. Apesar disso, tento fazer com que esta torrente de informação me seja útil. É preciso fazer uma boa curadoria e ir beber aos sítios onde mais nos revemos na sua forma de expressão, sem nunca esquecer a minha intuição e individualidade. Mas é muito mais do que isso: nas sessões de inspiração podemos experimentar e descobrir coisas novas, e isso também acontece em conversas com amigos, no cinema, videoclips, fotografia e, claro, a um nível menos consciente, na bagagem visual que se adquire ao longo do tempo.

 

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Isso acontece-me com frequência no processo de edição. É-me particularmente difícil o início, e é aí que preciso do tal reset. Não é necessário muito tempo: faço coisas básicas! É verdade! Vou ter com amigos, ver televisão, andar ou correr para descomprimir.

 


Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Há todo um trabalho desenvolvido para que a ligação com o cliente seja facilitada. Isto é, o trabalho de promoção nas redes sociais, os filmes, quer sejam casamentos reais ou sessões de inspiração, que são publicados tanto nas minhas plataformas ou em blogs de casamentos, como o Simplesmente Branco, e, claro, o site.

Mas também acontece muito o cliente chegar até mim através da recomendação de fotógrafos, amigos, ou de outros noivos com que tenha trabalhado anteriormente.

Tudo isto num todo, acaba por comunicar a marca. E o feedback que tenho tido de muitos clientes ou potenciais clientes, é que quando se cruzam com o meu trabalho, se revêem e sentem que gostariam de ver o seu casamento representado sob esta interpretação. E eu encaro isto como um grande elogio, é claro!

O processo é o mais simples e transparente possível. Depois do primeiro contacto, que normalmente é feito por email através do formulário do site, marcamos uma reunião preferencialmente presencial, para que nos possamos conhecer um pouco melhor, explico-lhes o meu método de trabalho e a minha abordagem no dia do casamento e esclarecemos dúvidas. Depois disso, segue-se por vezes uma sessão, o casamento e a entrega do trabalho terminado.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gosta de registar?

Independentemente do tipo de casamento, o que me dá mais gozo é quando sinto que é autêntico, que há amor entre todos e que os noivos estão a ter o dia que sonharam e a viver o presente. E isso sente-se em tudo.

Para mim um bom casamento é o que tem uma cerimónia emotiva, seguida de uma festa de arromba. O que se pode pedir mais? Uma boa sessão, claro!

Das coisas que mais gosto de ver no dia do casamento, são os momentos de cumplicidade, alguns bastante emotivos entre os noivos e/ou amigos, como se no dia do casamento nada mais existisse e isso pode acontecer em casamentos grandes ou pequenos, nacionais ou estrangeiros.

 

Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos? E o mais desafiante e difícil?

“Qual é a melhor parte de ser videógrafo de casamentos”… Essa é uma questão que já surgiu em conversa com amigos do ramo, várias vezes, e a primeira coisa que dizemos em voz alta é: o estilo de vida. O controlo do nosso tempo e da forma como o gerimos. Durante os anos em que trabalhei para outras produtoras, sempre senti que não tinha esse controlo, mas hoje sinto que tenho mais liberdade. Não fico refém de rotinas impostas. As viagens também são um grande privilégio, principalmente quando vamos bem acompanhados, passamos experiências inesquecíveis. Há viagens que nunca esquecerei.

Mas estas razões são insuficientes. Para mim a melhor parte de ser videógrafo de casamentos, é o propósito que ganhamos naquilo que fazemos. É  podermos ser criativos sem o peso corporativo por trás. É saber que o nosso trabalho, nosso esforço e talento, em vez de se transformar num produto comercial provavelmente com um prazo de validade muito curto, se vai traduzir em algo único para aquelas pessoas.

É aqui que entra a parte desafiante: tenho sempre a necessidade de criar uma imagem própria dos noivos e do casamento em geral. Essa imagem começa a ser criada na primeira reunião e termina no final do dia do casamento. O que imponho a mim mesmo, é criar um filme com a minha visão e que, ao mesmo tempo, os represente.

Difícil é gerir o negócio. É garantir uma comunicação consistente, responder a todos os emails atempadamente, garantir que todas as entregas são feitas dentro dos prazos acordados, gerir o site, gerir a contabilidade, gerir outras pessoas. E quando não sabemos como fazer, aprendemos, como sempre!

 

 

Escolha um filme favorito do seu portfolio e conte-nos porquê:

 Posso passar esta pergunta?! Não?

Tenho vários preferidos! Mas posso afirmar que o casamento da Liza e do Nick me encheu as medidas, em todos os sentidos. Os noivos de origem Asiática a e viver nos EUA, passaram boa parte do ano a viajar e decidiram casar no Areias do Seixo, reunindo a família e amigos mais próximos num grupo de 50 pessoas.

Foi um casamento lindo, cheio de emoção. Os noivos super carinhosos mas sem serem demasiado melosos, trocaram votos num first look só para nós. Durante todo o dia, num ambiente bonito e festivo, os amigos e família também lhes fizeram dedicatórias espontâneas que tornavam a tarefa de conter as lágrimas completamente impossível! Todos queriam demostrar o seu carinho e viver uma festa incrível!

 

 

Os contactos detalhados de Hugo Sousa Films estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de filmes bonitos, e contactem o Hugo Sousa directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!