Created with Sketch.
Marta Ramos

No vale das laranjas, por Diana Nobre

Hoje a fotógrafa Diana Nobre convida-nos a um passeio até ao Minho para assistirmos, através das suas imagens, ao casamento da Ivone e do Luís, que teve lugar no passado Outono, no Solar da Levada, em Amares. Se não conhecem esta zona, num bonito vale formado pelos rios Cávado e Homem, aconselho-vos vivamente que programem um passeio até lá, mais ainda nesta altura do ano, em que a paisagem está exuberante. Para além do verde, cor que sabemos tinge todo o Minho, há outra cor generosamente distribuída pela paisagem de Amares, sobretudo entre Maio e Agosto, e que corresponde a um sabor divinal. Será que nunca ouviram falar nas laranjas de Amares? São verdadeiras obras de arte, sumarentas, deliciosas! É um dos produtos principais da região, a par, claro está, do Vinho Verde. Devo dizer-vos que, há muitos anos, bebi em Amares uma sangria de vinho verde e laranjas que nunca consegui igualar.

Bem, não sei se houve desta sangria específica no casamento da Ivone e do Luís, até porque casaram em Outubro e essa época já não corresponde ao auge das laranjas locais, mas terá certamente havido Vinho Verde. Conta-nos a Diana que, apesar de ter chovido bastante nesse dia, foi uma festa muito alegre e muito envolvente, com todos os familiares e amigos do casal a partilhar da sua felicidade. E o casal não se deixou intimidar pelas condições atmosféricas, levando a fotógrafa a segui-los num pequeno passeio a dois até à belíssima ponte granítica do Porto, sobre o Rio Cávado, construída no séc. XIV e classificada como Monumento Nacional.

Vamos espreitar? E brindar com eles, claro!

 

Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana NobreCasamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana NobreCasamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana NobreCasamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre Casamento no outono, fotografado por Diana Nobre

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado de Diana Nobre para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com ela,  contem-lhe as vossas ideias e aquilo que gostavam de ver imortalizado em imagens. Se há coisa de que a Diana gosta é de um bom desafio.

Marta Ramos

Wise words: já organizaram os discursos do vosso casamento?

A tradição dos discursos de casamento é muito mais acentuada nos países anglo-saxónicos do que entre nós, mas como é precisamente desses países que vem muita da inspiração que todos nós consultamos na hora de organizar o casamento, também este hábito tem vindo a tornar-se cada vez mais comum por cá. Eu sou particularmente apreciadora de discursos e de votos de casamento: acrescentar palavras bem medidas e anda mais bem sentidas num dia de tantas emoções parece-me uma combinação extremamente feliz.
Assim sendo, recomendo que considerem introduzir discursos de casamento no vosso grande dia – é sobre eles que falam as nossas wise words de hoje.
Reconhecendo que existe uma tradição e um figurino no que respeita aos discursos, irei abordá-los, mas, como em tantos outros aspectos da organização do vosso casamento, a palavra de ordem é «vosso». Adaptem, moldem, ajustem à vossa vontade e à vossa realidade. O que importa verdadeiramente é que possam todos ouvir as palavras de algumas das pessoas mais importantes para o casal, momentos que ficarão registadas para sempre em fotografias e vídeo. Garantidamente alguns dos minutos mais preciosos que ficarão para sempre nas vossas memórias, assim como nas de todos os presentes.
Convencionalmente, os principais oradores são o padrinho do noivo e a madrinha da noiva, os pais dos noivos e, claro, o próprio casal. Agora, estamos a falar do padrão. Os discursos decorrem pelo final da refeição, momento propenso a brindes, e quem abre o palco, digamos assim, é o anfitrião. Lá está, tradicionalmente este papel cabe aos pais da noiva, mas se são vocês os responsáveis máximos pela festa, então deverão ser vocês os primeiros a falar. A ideia é celebrar a união das duas famílias, agradecer a presença dos convidados e dizer algumas palavras simpáticas sobre os recém-casados. Passa a palavra para o padrinho do noivo, seguido da madrinha da noiva e, a finalizar, fala o noivo (ou ambos). Padrinhos e madrinhas contam, normalmente, histórias divertidas sobre o casal, rematando com algum sentimentalismo. E a vocês cabe-vos fechar o microfone com agradecimentos generalizados, algumas respostas aos desafios deixados nos discursos anteriores, e palavras doces para a vossa cara-metade. Podem finalizar com o convite para o corte do bolo, por exemplo.
Este é o croquis de base. A partir daqui, risquem e reescrevam o que for necessário para terem um plano que seja a vossa cara. Se precisarem de ajuda, qualquer wedding planner experiente saberá como vos organizar este momento tão sensível e tão bonito.

 

discursos de casamento discursos de casamentodiscursos de casamento

Algumas regras para que tudo corra sobre rodas:
. Convidem as pessoas que gostariam que discursassem no vosso casamento com muita antecedência, isso dar-lhes-á tempo de sobra para se prepararem, para vencerem alguma resistência inicial, para comporem o seu texto e para praticarem, caso sintam necessidade.
. A quem tiver muita dificuldade em falar em público, sugiram a leitura de um texto pré-escrito (pode até ser uma peça literária); ou, no limite, façam-lhe a gentileza de dispensar os seus serviços e peçam-lhe que recomende outro orador para falar no seu lugar.
. Organizem bem a sequência dos discursos e informem cada interveniente acerca dessa mesma sequência: quando falarão, quem falará antes e depois, durante quanto tempo deverão discursar.
. Informem previamente os vossos fotógrafos e videógrafos do quando e do quem, para que estejam a postos.
. Estabeleçam um limite: não é à toa que uma canção ronda os três minutos de duração. Entre três e cinco minutos deverá ser o tempo ocupado por cada discurso ou brinde. Não tenham receio de deixar isso bem claro, para que não haja grandes desequilíbrios entre os diversos intervenientes e também para que toda a gente consiga manter a atenção do público do início ao fim.
. Façam a ponte entre os vários intervenientes, de modo a que possam trocar impressões entre si: por exemplo, para acertarem o tom de cada discurso, para confirmar se não irão repetir histórias, para esclarecer o que é que pode e deve ser mencionado e o que é que deve ficar de fora.
. Nomeiem alguém da vossa inteira confiança para articular tudo isto no dia: um padrinho ou uma madrinha, a pessoa que vos pareça mais indicada para ir regendo a orquestra e para garantir que tudo acontece nos timmings previstos.
. Last but not least… tenham lencinhos à disposição, porque há sempre quem não aguente as lágrimas nestes momentos.

As fotos que ilustram este artigo são do nosso fornecedor seleccionado Hugo Coelho Fotografia.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Susana Pinto

Bolo dos noivos, sapatos de noiva e um belo bouquet: um trio perfeito!

Hoje, o nosso trio de bolo dos noivos, sapatos de noiva e bouquet de noiva volta a ter o branco como cor principal. na companhia de uma mão cheia de tons pastel e tão primaveris.

Começamos com um bolo dos noivos épico: três andares de gulodice cobertos de flores, feitas em volume e pintadas a aguarela. É a primavera num prato – pela decoração floral e pelas cores, e é inevitável um imenso sorriso quando o vemos chegar, certo?

Passamos aos sapatos de noiva: tiras finas são tendência da estação e estas sandálias brancas, com salto médio, parece ter muita graça e elegância. Ficam mesmo bem com um vestido meio boémio e fluído, e, claro, pedem um verniz festivo a condizer!

Fechamos com um bouquet de noiva espectacular, feito essencialmente de rosas de jardim em tom muito suave, uns pés de ervilhas de cheiro e umas ramagens de jasmim. Aboslutamente glorioso, perfumado e totalmente intemporal, o que é uma excelente combinação de valores.

 

Bolo dos noivos decorado com flores em tons pastel Sandálias de noiva brancas com tirinhas Bouquet de noiva em tons pastel

Branco de base, combinado com tons pastel que acrecentam graça e personalidade, é sempre uma combinação ganhadora e super feliz. Clássico sem grande risco, mas fresquinho e leve. Não é perfeito?

 

De cima para baixo, bolo dos noivos com três andares, com cobertura em fondant e decorado com flores de açúcar e flores pintadas em tons pastel, de Blue Box Bakery; sandálias de noiva brancas, de tirinhas e salto médio, na H&M, por 34,99 euros; bouquet de noiva clássico e orgânico, com rosas de jardim, ervilhas de cheiro e ramos de jasmim, por Kelly Kaufman Design.

 

Para acompanhar estes nossos trios perfeitos que publicamos todos os domingos, basta que sigam as nossas etiquetas (a partir da homepage) ou aqui no topo do artigo: sapatos e sunday shoes; cake! e bolo; bouquet e um belo bouquet.

Bom domingo!

Marta Ramos

Amor é diversão, por Paulo Castro Photography

A Ana e o Miguel casaram em Penafiel, em Setembro de 2018, e mal começaram a organizar o casamento partilharam a mesma visão para o grande dia: que seria único, muito divertido, e que estariam rodeados de pessoas especiais. Claro que, como em todos os processos desta envergadura, passaram por alguns contratempos, mas nada que não tenham conseguido resolver juntos. Agora que olham para as memórias do seu dia feliz, reconhecem que o resultado não foi exactamente aquele que tinham imaginado, mas isso não quer dizer que tenha sido pior, antes pelo contrário: as expectativas foram superadas, com a ajuda dos profissionais que escolheram, mas também de familiares e amigos, e é com emoção que guardam todas essas memórias. De tal forma que não mudariam nada, se pudessem voltar atrás no tempo. Para o casal, os picos sentimentais do casamento foram a entrada na igreja e o vídeo com que os seus convidados os surpreenderam. E o pico de diversão foi o convívio com todos os que escolheram para partilhar consigo esse momento tão marcante.

O mais importante para nós era que aproveitássemos o nosso dia e que toda a gente estivesse na mesma sintonia de diversão.

Paulo Castro Photography foi a escolha da Ana e do Miguel para guardar estas memórias felizes em imagens.

 

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro PhotographyCasamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography Casamento fotografado por Paulo Castro Photography

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado Paulo Castro Photography para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com o Paulo, ele está à vossa espera para contar a vossa história real através de imagens naturais e carregadinhas de emoções.

 

Marta Ramos

Miramar, praia das rosas, com Diana Nobre

Sempre que penso na Praia de Miramar, em Gaia, vêm-me à ideia duas coisas: uma, claro, aquela cinematográfica Capela do Senhor da Pedra, assente num rochedo em pleno areal, a fazer lembrar o magnífico Monte Saint Michel, na Normandia; e — já que falei em cinema  — um misterioso documentário curto que Manoel de Oliveira ali rodou nos anos 30 do século passado, narrado pela calorosa voz de Fernando Pessa, do qual, durante muito tempo, se desconheceu o paradeiro. Não sei se alguma vez chegou a ser encontrada uma cópia desse «Miramar, Praia das Rosas», mas imagino sempre que ouço a voz de Pessa quando olho para aquela capela a ser abraçada pelo mar.
Foi neste cenário algo fantástico que Diana Nobre fotografou a e-session da Marta e do Luís,  na véspera do seu casamento:
«Um casal incrível, é impossível não reparar na química que existe entre os dois, a maior parte do tempo foi como se eu nem ali estivesse. Sentíamos o amor, a felicidade destes dois. A Marta é uma mulher fora de série, super brincalhona, sem formalidades, e o Luís é super simples, brincalhão e tranquilo. Foi muito fácil fotografá-los, sempre divertidos e à vontade, e isso, sim, é o que dá magia às imagens, sem dúvida alguma!
E o casamento, que depois irei partilhar convosco, ficou melhor ainda!»

 

E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre E-Session fotografada por Diana Nobre

Já escolheram o cenário para a vossa sessão fotográfica pré-casamento? Optem por um local onde ambos se sintam descontraídos e procurem ignorar ao máximo a câmara: aquilo que quererão recordar daqui a muitos anos é aquela luminosidade que rodeia os casais nesta fase tão especial das suas vidas, e isso não precisa de nenhuma pose especial. Só precisa que sejam vocês mesmos.

Não deixem de consultar a ficha de fornecedor seleccionado de Diana Nobre para ficarem a conhecer melhor o seu trabalho. E falem com ela,  contem-lhe as vossas ideias e aquilo que gostavam de ver imortalizado em imagens. Se há coisa de que a Diana gosta é de um bom desafio.

Susana Pinto

À conversa com: DJ Nuno Rodrigues – Dj para casamentos

Hoje conversamos longamento com o DJ Nuno Rodrigues, DJ de casamentos mas não só.

O Nuno Rodrigues é fornecedor seleccionado Simplesmente Branco há muito tempo e é presença activa nos showcases que temos organizado.

Hoje falamos sobre o seu percurso até aqui, sobre a importância de ter uma assinatura e posturas profissionais na pista de dança, e o que gosta de ouvir.

Fiquem também a conhecê-lo melhor!

Sentir a energia do meu local de trabalho, na cabine, sentir  e ler o público, ver os sorrisos  na cara das pessoas, as emoções que conseguimos criar com cada tema que sai do sistema de som, sentir que tudo isto parte de mim… É fascinante!

Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

Sempre gostei de muito de música, em casa dos meus pais tinha muitos problemas com os vizinhos, estava sempre a ouvir música bem alto para sentir o “beat”, organizava festas com os meus amigos e o DJ era sempre eu, adorava trabalhar com a música e mexer nos discos e cassetes, era o que se usava na altura e a magia do DJ era mais respeitada.

Lembro-me de um Carnaval que organizámos, acho que tinha uns dezasseis ou dezassete anos… convidámos muita gente, amigos, familiares, até fizemos publicidade e o evento correu muito bem até ao meio da noite, quando a aparelhagem que o meu pai me ofereceu, queimou. O entusiasmo foi tanto que forcei demasiado o sistema de som, e a partir daí fiquei com a noção que o equipamento tem sempre razão!

Quando saía à noite ou ao domingo para as matinés, ficava sempre ao lado da cabine do DJ, sempre!!! Ficava fascinado com todo o trabalho e dedicação que é posto na pista de dança.
Festas da escola, de garagem, lá estava eu, sempre na cabine! Não digo que nasci para ser DJ, mas descobri que o queria ser, que queria sentir a adrenalina de ver as pessoas a dançar à minha frente, com a minha seleção musical.
Quando tive a minha primeira oportunidade para pôr música num bar noturno, aproveitei ao máximo, embora não tivesse o aval dos meus pais por inteiro, lá fui eu.
Ao entrar na cabine, vi tantos discos, tanta música, senti uma responsabilidade enorme!

Depois, fui aprendendo a ser mesmo um DJ e a trabalhar realmente com a música, os gira-discos, a mesa de mistura, as luzes. A sentir a energia do meu local de trabalho, na cabine, sentir  e ler o público, ver os sorrisos  na cara das pessoas, as emoções que conseguimos criar com cada tema que sai do sistema de som, sentir que tudo isto parte de mim… É fascinante!
Aprendi também que, para que tudo aquilo seja possível, existe um trabalho de equipa, um trabalho prévio de preparação, pesquisa e elaboração de condições para que as pessoas sintam predisposição para se divertirem.

 

DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues

Animação noturna e casamentos –  sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

O percurso da minha carreira como DJj, foi normal. Foi evoluindo, passei por vários espaços de diversão noturna e eventos ao ar livre. Sempre gostei de ser residente e criar laços com os clientes, trabalhei numa rádio local, tinha parceria com algumas editoras de música para fazer distribuição de música promocional aqui no Norte, em bares e discotecas, recebia música nova em primeira mão.

Os casamentos vieram por mero acaso. No meu primeiro casamento, trabalhei com música em vinil, estávamos numa altura em que apareceram os CD e a transição de um formato para o outro não era fácil porque não existiam aparelhos onde conseguíssemos fazer misturas com a mesma facilidade.
Foi uma experiência diferente porque a música ao vivo era predominante naqueles tempos e os convidados achavam estranho estar ali um tipo a passar música, não a cantar.

Inicialmente não gostava de por música em casamentos, o DJ não era bem visto nessa altura neste tipo de eventos, e não era compatível com as discotecas e bares onde eu estava residente. Inevitavelmente, os convites começaram a surgir porque começou a ser diferente e a estar na moda ter um DJ num casamento, e o nosso trabalho foi valorizado por ser mais abrangente e versátil.
Comecei a ganhar gosto e a arranjar forma de conciliar casamentos com bares e discotecas. Estive ligado a duas empresas de animação durante muito tempo mas deixei de me enquadrar no conceito e optei por entrar no mercado sozinho, criando a minha imagem, conceito e postura.

 

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

A necessidade da procura de novidades e novos estilos é uma constante, mesmo em lazer. Estou sempre atento à música, seja no rádio do carro, em bares ou em casa. Com as novas tecnologias torna-se tudo mais fácil, mas existem aqueles dias em que é preciso desligar para fazer um refresh. Aí, desligo completamente e não ouço nada.

A música é, para mim, um vício, gosto de estar no meu estúdio em casa a ouvir os discos da minha coleção, os CD que guardo com carinho, às vezes dou por mim e estou horas e horas a mexer nos discos. Ainda compro vinil daqueles temas e bandas de que gosto.

 

DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues

Gosta dançar ou prefere ouvir? Como se mantém actualizado?

Estou sempre actualizado com os temas actuais e os intemporais, e, estando no ativo noturno, leva-me a estar mais atento ainda, por isso tenho várias formas de o fazer. O formato digital é um grande facilitador.

Não sou muito de dançar, embora me divirta em trabalho, prefiro fazer as pessoas dançar, torna-se mais divertido. Mesmo quando saio com amigos, fico atento à música, mas divirto-me na mesma.

 

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: no dance floor somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

Actualmente trabalho em vários segmentos do mercado: eventos corporativos, sociais, particulares e públicos. Na pista de dança não importa o tipo de festa, desde que as condições sejam boas, as pessoas libertam-se e divertem-se.
Num casamento, o ambiente é mais intimista, familiar, dois factores importantes para a pista de dança e, o que me fascina neste tipo de eventos, é que conhecemos pessoas e espaços diferentes, nunca é a mesma coisa.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Uma grande noite faz-se com bom ambiente, boas condições para que pessoas estejam predispostas para a festa. A música faz o resto.

 

DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues DJ para casamentos no Porto: DJ Nuno Rodrigues

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

Cada evento é um desafio, tornando-se gratificante porque criamos ligações e emoções a fazer as pessoas felizes e é assim que chego a novos clientes. 90% dos novos clientes chegam até a mim porque gostaram daquela festa, da minha postura, do meu conceito. Isto é a melhor publicidade!

 

Como cria a playlist para o seu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um pesa mais do que outro?

Cada festa é uma festa e são todas diferentes. Não tenho uma playlist para tudo, é um processo feito em tempo real e de improviso, respeitando os gostos e objetivos dos clientes. Existe sempre, também, um trabalho prévio de preparação para cada evento, e pesa significativamente, de outra maneira não fazia sentido.

 

Se voltasse a casar, com que música abria a pista?

Nat King Cole, L.O.V.E. Sempre me identifiquei com este tema e estilo musical, tem tudo haver com o momento.

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

É um tema a que volto sempre e tem tudo relacionado com festa, amigos, dança e o quanto a vida é bela com música: Lionel Richie, All night long.

 

 

Contactem o Nuno Rodrigues, através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias e entrem em contacto, directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem e, na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!